Você está na página 1de 3

Aluna: Bárbara Pena Mesquita

Matrícula: 1821021070
Curso: Publicidade e Propaganda

Estratégias de Marketing Político e Eleitoral para a candidata,


em meio à crise do Coronavírus
 Candidato (fictício): Eduardo Mundim Pena

Entender a melhor maneira de se montar a Campanha Política do


candidato, levando em consideração o que é mais importante na história
do Marketing Político e a relação disso com a crise do Coronavírus:

O principal valor da Política é a Propaganda. Desde o Regime Totalitário, a


Propaganda sempre foi o principal meio de propagação de informações, com o
objetivo de atingir o máximo de pessoas possíveis. É importante valorizá-la e
saber usá-la muito bem ao seu favor para ter sucesso em uma eleição.
Relacionando isso com a crise do Coronavírus, é importante saber primeiro o
que ela está causando no mundo e, a partir disso, o que a população precisa
para passar por isso da melhor maneira possível e, sabendo disso, por meio da
Propaganda, propagar as intenções do candidato, mostrando que essas são
soluções para os problemas questionados pela população.

Montagem das estratégias seguindo os conceitos de Marketing


Político e Eleitoral

Marketing Político: Se trata de um Marketing para formar a imagem do


candidato, através das ferramentas de comunicação, sendo a longo prazo e
permanente.

 O que fazer: Fazer com que o candidato, por meios de comunicação, se


conecte aos eleitores e propague informações sobre as suas opiniões e
propostas, atingindo assim o máximo de pessoas possíveis.

Marketing Eleitoral: Se trata do Marketing que tem como objetivo fazer o


candidato ganhar as eleições, através da contrapropaganda, sendo a curto
prazo e de maior agressividade.

 O que fazer: Montar a Campanha Política do candidato se baseando no


contrário do que os seus concorrentes estão fazendo e vão começar a
fazer, indo contra as atitudes deles consideradas ruins para os eleitores
e mostrando que ele irá solucionar os problemas causados por outros
candidatos que irão se eleger ou já foram eleitos.
Planejamento da Campanha Política seguindo os passos do Marketing
Político:

1. Adequar a imagem do candidato.

Como? Fazer uma pesquisa entre os eleitores, perguntando o que os leva


a votar em um candidato, como pensamentos, propostas, maneiras de se
comunicar e, a partir de suas respostas, montar o perfil que o candidato deve
seguir para atrair o maior número de eleitores possíveis;

2. Tornar o candidato conhecido.

Como? Campanhas Políticas nos principais meios de comunicação, como


rádio, televisão e redes sociais.

3. Mostrar que o candidato é a melhor opção.

Como? Fazer com o que o candidato apresente soluções para que a


população passe pela crise do Coronavírus e volte a se estabilizar o mais
rápido possível após esse período, fazendo com que ele responda as seguintes
perguntas: O que o candidato irá fazer? Quais medidas de saúde irá tomar?
Como estabilizará a economia? O que a população pode esperar dele? Por que
a população deve confiar nele e, consequentemente, votar nele?

Analisar o perfil do voto dos eleitores brasileiro.

 Leis fundamentais do posicionamento:

1. Indiferença.

O eleitor escolhe o seu candidato dias ou horas antes de votar, após


muitas discussões pois, até então, ele era indiferente em relação a sua
escolha;

Como mudar isso? Convencer esses eleitores de que ele é a melhor


opção a partir da propagação de suas ideias e intenções em meio a crise,
fazendo com que eles se convençam de que será muito bom votar nele e que
ele tem um diferencial em relação aos seus concorrentes.

2. Procrastinação.

O eleitor “enrola” para decidir em quem votar, deixando a sua decisão o


mais próximo possível do dia do voto, pois isso diminuirá o seu peso na
consciência na hora de votar, seguindo a “lei do menor esforço”. Quanto menor
o esforço para tomar uma decisão, melhor.
O que fazer? Campanhas o quanto antes para fidelizar os eleitores.
Quanto mais rápido isso acontecer, melhor, pois o risco de o eleitor mudar de
ideia no futuro até a eleição é menor.

3. Voto útil.

O eleitor que percebe que a sua opção não terá chances tende a
escolher a segunda opção, normalmente a que tem mais chances, aumentando
as chances de eleição dos candidatos com menor rejeição.

O que fazer? Se o candidato for a primeira opção do eleitor e não tiver


chances, investir na contrapropaganda, onde o candidato irá apresentar as
suas ideias não apenas as citando, mas as colocando como soluções para os
problemas que os candidatos com maior chance causaram ou pretendem
causar com suas propostas.