Você está na página 1de 81

WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Sumário
Sumário / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 1

Resumo / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 3

Introdução/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 4

Método de Desenvolvimento de Projetos - Os 7 Pilares do


Mestre do Power BI / / / / / / / / / / / / / / / / / / 5

Instalação Power BI Desktop/ / / / / / / / / / / / / / 6

Cenário do projeto/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / 8

Extração/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 8

Visuais Básicos/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 13

Estruturação/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 26

Cálculos / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 33

Visuais - Página: Receita e MC / / / / / / / / / / / / / 38

Background / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 38

Tema/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 39

Tabela dCalendario / / / / / / / / / / / / / / / / / / 43

Visuais - Página Receitas e MC/ / / / / / / / / / / / / 47

1
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Fluxo de Caixa / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 56

Background / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 56

Visuais - Página Fluxo de Caixa/ / / / / / / / / / / / / / / / 57

Menus de Navegação / / / / / / / / / / / / / / / / / / / / 62

Desenvolvimento Avançado/ / / / / / / / / / / / / / 65

2
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Resumo
Desenvolvimento de dashboard de DRE (Regime de Caixa) com análises vertical
e horizontal como material para Live #1 do Workshop #3. Nele, foi desenvolvido
as páginas de Receita e MC (Margem de Contribuição), Fluxo de Caixa (usuários
nível básico + intermediário) e Fluxo de Caixa 2 (usuários de nível avançado). Para
estruturação dos dados (Pilar 2) foram utilizadas técnicas de ETL com transformações
utilizando tratamento de linhas com “vazio”, alteração de tipos de dados, criação de
colunas personalizadas e transformação de linhas em colunas. Para as medidas (Pilar
4) foram utilizadas as funções ALL, BLANK, CALCULATE, DIVIDE, FILTER, ISINSCOPE,
MAX, PREVIOUSMONTH, RELATED, SUM, SUMX, SWITCH, USERELATIONSHIP em DAX.
E para os visuais (Pilar 5) foram utilizadas tabelas, matrizes, cartões, gráfico de barras
empilhadas, gráfico de cascata e gráficos de área, filtros de segmentação de dados e
botões de navegação.

Palavras-chave: Power BI, DRE, Regime de Caixa.

3
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Introdução
Todo o material de desenvolvimento do dashboard está disponível no link: https://
aprendapowerbi.com.br/workshop3-live1/. No material, estão os seguintes arquivos:

- Assets: pasta com os ícones e backgrounds usados para montar o relatório;

- BaseDados: pasta com os arquivos usados como base de dados (Despesas,


PlanoContas, Produtos e Receitas) todos arquivos .xlsx;

- Visual Guides: pasta com dois arquivos de “guias” para montar seus visuais;

- Anotações Live 1 – WN3: são as anotações do que foi passado na Live #1 do


Workshop #3

Antes de dar inicio ao desenvolvimento do dashboard, eu gostaria de esclarecer


algumas dúvidas bem comuns que o pessoal que está iniciando tem:

“Não sei anda de Excel, consigo aprender Power BI?” Consegue sim! O que você irá
aprender não envolve nem um requisito de conhecimento em Excel.

“Não sou da área TI, consigo dominar o Power BI?” Consegue sim! Eu não sou de TI
e consegui dominar, você conseguirá também!

“Consigo aplicar os conhecimentos desse dashboard em outras áreas (sem ser


Financeira)?” Sim, o importante aqui são os conceitos. Conseguindo entender os
conceitos, você consegue replicar para os desafios do seu dia a dia em qualquer área.

“Qual o nível do desenvolvimento dos dashboards?” Eu fiz uma subdivisão em


3 níveis. Então, uns 70% do material é nível básico e intermediário e uns 30% nível
avançado. Isso será descrito aqui no texto e não desanime se você não entender algo. Se
desafie, leia e releia tudo que em algum momento tenho certeza que vai compreender!

4
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Método de Desenvolvimento de Projetos -


Os 7 Pilares do Mestre do Power BI
Método de Desenvolvimento de Projetos – Os 7 Pilares do Mestre do Power BI

Com base no que tenho de vivência na área e contato com projetos, criei os termos
dos 7 Pilares para construção do projeto de Power BI:

1. Extração: pilar onde obtemos as informações do banco de dados, realizada no


Power BI Desktop;

2. Estruturação: pilar onde limpamos, e tratamos os dados e é realizado no Power


Query que fica no ambiente do Power BI Desktop;

3. Modelagem: pilar onde criamos os relacionamentos entre as tabelas de dados


que temos, e é realizadano Power BI Desktop;

4. Cálculos: pilar onde criamos as medidas com a linguagem DAX para análises, e é
realizado no Power BI Desktop;

5. Visuais: pilar onde montamos o storytelling e apresentamos as informações e


insights criados, realizado no Power BI Desktop;

6. Distribuição: pilar onde compartilhamos com os usuários finais e clientes os


relatórios criado, e é realizado na plataforma do Power BI Online;

7. Automatização: pilar onde atualizamos o conjunto de dados de forma automática


e programada, e é realizado na plataforma do Power BI Online;

Bom, mas o que é Power BI Desktop?

É uma ferramenta de Self Service de BI (qualquer pessoa de qualquer área de


negócio pode se servir desse serviço e montar seus relatórios).

Mas o que é BI (Business Intelligence)?

É o processo de coleta, organização, transformação, análise e monitoramento das


informações que são a base da gestão para seu negócio

Isso para qualquer área: vendas, compras, faturamento, processo judicial, gestão
de frotas, etc..

5
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

O foco do desenvolvimento do dashboard contempla dos pilares 1 ao 5. Para


conhecerem mais sobre os pilares 6 e 7, deixo a recomendação de 2 artigos no meu blog:

https://aprendapowerbi.com.br/como-automatizar-relatorios-com-power-bi/

https://aprendapowerbi.com.br/guia-definitivo-licenciamento-do-power-bi-
free-x-pro-x-a1-x-em1-x-p1/

Instalação Power BI Desktop


A instalação do Power BI é como qualquer software da Microsoft. Então, ele pode
ser baixado de 2 formas:

- Microsoft Store

- Navegador

No link https://aprendapowerbi.com.br/como-automatizar-relatorios-com-power-
bi/ que comente ali em cima, tem o passo a passo da instalação.

O resultado do desenvolvimento será um arquivo .pbix, igual ao dá imagem abaixo:

Figura 1: Arquivo final do projeto

6
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Esse é seu arquivo de desenvolvimento, depois de finalizado você publica esse


projeto para o Power BI Online e nesse ambiente pode fazer o compartilhamento do
arquivo.

Figura 2: Ambiente Power BI Online

Figura 3: Lista de Relatórios

7
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Esses são os relatórios que devo fazer o compartilhamento com meus clientes, e
não o arquivo .pbix desenvolvido.

Por fim, deixo algumas recomendações de máquina:

Se quer ter excelência rodando o Power BI: 16 GB de memória e SSD para


processamento

Se quer ter um desempenho “Ok”: 8 GB de memória para processamento

Para rodar com dificuldade e limitações: 4 GB de memória (só rodar o Power BI


Desktop e olha lá em)

Cenário do projeto
Fui contratado por uma empresa que quer cruzar as informações de vendas com
despesas e fazer uma análise financeira (DRE e Fluxo de Caixa). O período de avaliação de
receitas base é a data de vencimento, conforme alinhado com cliente! O custo unitário
dos produtos foi passado e é fixo ao longo do tempo, conforme arquivo Produtos.xlsx.
A dedução sobre a receita foi passa em um valor fixo de 20%. O cliente me deu liberdade
para criação e espera ser surpreendido positivamente com o resultado.

Extração
De onde vêm os dados? Os dados sempre estão armazenados em um banco (OLTP
– banco de dados transacional). O que varia é forma de conexão. Muitas empresas não
liberam o acesso a esse banco!

As formas mais tradicionais de conexão são:

- Conectando diretamente no banco OLTP (caso de quinta-feira Live #3);

- Conectando em um Data Warehouse ( nada mais é que um banco de dados voltado


para análise);

- Através de Queries que a TI monta no Excel;

- Extraindo relatórios do sistema (nosso caso na Live #1);

- Preenchendo planilhas manualmente.

Para a extração dos dados da base e importação para o Power BI, utilize “Obter

8
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

dados”.

O primeiro arquivo que vamos obter os dados será o de receitas:

Figura 4: Obter dados de arquivo Excel

Figura 5: Seleção de Arquivo

9
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 6: Seleção para transformação dos dados

Aqui podemos fazer a pré-visualização dos dados antes de irmos para o ambiente
de transformação (Power Query). É importante essa etapa de transformação, pois
normalmente os dados vêm bagunçados ou com informações que não precisamos
em nosso relatório. E para otimizar desempenho e tratar essas informações é que
utilizamos o Power Query. Ele é capaz de automatizar seu processo de ETL (extração,
transformação e carga) e existe em Excel desde 2010 como suplemento sendo que em
2016 virou nativo.

10
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 7: Tabela de Receitas no ambiente do Power Query

Como a base está correta, podemos fechar e aplicar. Agora, vemos no Power BI
Desktop como fica a tabela Receitas:

Figura 8: Campos do Power BI Desktop e Tabela “Receitas”

11
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 9: Ambiente de Dados no Power BI Desktop

Figura 10: Ambiente de Modelo no Power BI Desktop

12
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Como só temos uma tabela pode não fazer tanto sentido analisar o modelo agora.
Porém, garanto que fará mais sentido quando trabalharmos com mais de uma tabela!
Trabalhar com mais de uma tabela, ao invés de um tabelão único, é a forma correta no
Poer BI por isso não precisa ficar preocupado.

Visuais Básicos
Vamos criar 3 visuais comumente usados em relatórios, para você se familiarizar e
ver que é fácil trabalhar as ferramentas de visuais no Power BI Desktop:

Figura 11: Visual de Cartão

13
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 12: Visual de Gráfico de barras empilhadas

Figura 13: Visual de Gráfico de área

14
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 14: Alteração das informações no Eixo do gráfico

Outra forma de mudar o contexto da hierarquia é pela navegação dos filtros do


visual. Abaixo, coloquei os tipos de filtros aplicados a visuais:

Figura 15: Tipos de filtros

15
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 16: Filtro - Expansão para o próximo nível de hierarquia

Figura 17: Filtro - Ir para o próximo nível de hierarquia

Figura 18: Filtro – Drill Down para o mês de Novembro

16
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Além de filtrar o visual selecionado, ao clicar em uma informação de um visual na


página os outros visuais interagem com essa seleção. No exemplo abaixo, selecionarei a
equipe de vendas de varejo e veja como essa seleção impacta nos outros visuais:

Figura 19: Visuais interagindo

17
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Agora vamos obter os dados do arquivo Produtos.xlsx, assim como para Receitas:

Figura 20: Obter dados de arquivo Excel

Figura 21: Seleção de Arquivo

18
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 22: Seleção da Tabela definida dentro do arquivo

Figura 23: Tabela de dProdutos no ambiente do Power Query

19
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Assim como a tabela de Receitas, ela está organizada de forma correta então
podemos “Fechar e Aplicar”. Essa tabela tem relação direta com a tabela de receitas,
pois ela que contém as descrições (cadastros). Imagine você no cenário normal de Excel,
como faria o relacionamento entre as informações? Utilizaria um PROCV, por exemplo?
Aqui no Power BI Desktop para cruzar as informações das duas tabelas utilizamos os
relacionamentos entre elas. Para entender, vamos na aba “Modelo”:

Figura 24: Relacionamentos do Modelo

Como as duas tabelas da base de dados estão bem organizadas, o Power BI já criou
automaticamente o relacionamento entre dProduto e Receitas pela chave cdProduto.
Existem diversos casos que isso não ocorre automaticamente e o desenvolvedor que
deve criar os relacionamentos necessários no modelo. Aqui podemos ver os 2 tipos de
tabelas que trabalhamos no Power BI:

- tabela dimensão (dProduto): cadastro de algo, cada linha tem um identificador


único;

- tabela fato (Receitas): eventos, ocorrências, movimentações geralmente atrelada


a uma data.

Esse é um relacionamento identificado como 1 (sinal ao lado da tabela dProduto)


para Muitos ( * - sinal acima da tabela de Receitas). Isso porque temos um produto dentro

20
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

da tabela cadastro que é vendido várias vezes na tabela Receita.

Para exemplificar visualmente esse relacionamento, vamos criar um visual de


colunas empilhadas:

Figura 25: Gráfico de colunas empilhadas

Veja que os valores de receita bruta estão diferentes para cada linha de
produto, assim sabemos que o relacionamento está funcionando. Quando não há um
relacionamento ativo entre as tabelas os valores não são filtrados. Para exemplificar,
vou excluir o relacionamento e mostrar o gráfico novamente:

21
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 26: Exclusão do relacionamento

Figura 27: Valores não filtrados

22
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Bom, agora é só fazer o relacionamento para que os filtros voltem a funcionar.


Após isso, vamos salvar o arquivo que será a versão .pbix que comentei lá no inicio.

Figura 28: Salvando arquivo

23
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para fixar mais o entendimento de relacionamento, vamos adicionar a linha de


produto no eixo do gráfico de barras empilhadas e aplicar o filtro de hierarquia:

Figura 29: Exemplo de relacionamento em hierarquia

Veja que como o relacionamento está funcionando cada uma das equipes foi
subdividida para as linhas de produtos existentes.

Vamos importar agora a tabela de Despesas.xlsx:

24
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 30: Obter dados do Excel

Figura 31: Selecionar arquivo

25
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 32: Transformar dados

Estruturação
Pelo que expliquei sobre tabela fato e dimensão, qual o tipo dessa tabela? Essa
tabela contém informações de eventos de despesa, então é uma tabela fato! Para
melhor organização, gosto de diferenciar as tabelas fato com um prefixo “f” e as tabelas
dimensão com “d”:

Figura 33: Tabelas renomeadas

26
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para trabalhar na parte da estruturação é importante saber quais as colunas você


quer ter no resultado final. Aqui queremos como resultado final as colunas ID Conta,
Conta, Mês e Valor. A primeira etapa no processo de estruturação é remover linhas e
colunas desnecessárias. Então, vamos remover as linhas em branco e a coluna de total:

Figura 34: Eliminação das linhas em branco

Figura 35: Utilização da primeira linha como cabeçalho

27
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 36: Alteração do tipo de dados

Figura 37: Remover coluna de Total

Figura 38: Unpivot das colunas de mês

28
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 39: Coluna renomeada e alterado o tipo de dados

29
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 40: Guia de etapas aplicadas

Figura 41: Adicionando a coluna de comprimento de caracteres

30
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 42: Removendo as linhas de subtotais com 4 caracteres de ID

Figura 43: Removendo a coluna auxiliar

O processo de estruturação dessa tabela está pronto, agora vamos fazer um teste!
Se todas as etapas foram feitas corretamente ao alterarmos um valor no arquivo Excel
Despesas.xlsx e salvarmos a planilha se atualizarmos nosso arquivo Power Query esse
valor aparecerá atualizado. Vamos fazer isso para o valor de pró-labore de jan/19 (de R$
7.500,00 para R$ 100.000,00):

31
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 44: Alteração de valor na base de dados

Bom, para voltarmos ao valor normal é só atualizar a planilha da base de dados,


salvá-la e atualizar o Power Query novamente:

Figura 45: Tabelas estruturadas

32
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Cálculos
Os cálculos são feitos com a linguagem DAX (Data Analysis eXpressions) e o
poder dela é para criar medidas no nosso projeto! As colunas calculadas e tabelas são
preferencialmente criadas no Power Query.

Para organização é interessante criar uma pasta para “guardarmos” nossas medidas:

Figura 46: Criação da pasta de Medidas

Figura 47: Pasta de Medidas

33
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Vamos criar nossa primeira medida que será a Receita Bruta:

Figura 48: Criando nova medida

Medida

Receita Operacional =
SUM ( fReceitas[ValorBruto] )

Todos os valores dos gráficos e cartões feitos anteriormente que estão usando
a coluna [ValorBruto] serão substituídos por essa medida, pois é mais performático
trabalhar com medidas do que com colunas.

34
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 49: Alteração no cartão

Figura 50: Alteração no gráfico de receita por mês

35
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 51: Alteração no gráfico de receita por equipe de linha de produto

Agora que temos a primeira medida, podemos usar um artifício do Power BI para
modificar o formato da pasta de medidas.

Figura 52: Atualização na pasta de Medidas

36
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Abaixo, segue a primeira lista de medidas que vamos utilizar:

Medidas

% Dedução = 0,2

Deduções =
[% Dedução] * [Receita Operacional]

Custo Variável = //Shift + Enter para quebrar linha


SUMX (
    fReceitas;
    fReceitas[QtdItens] * RELATED(dProduto[CustoUnitario]
))

Margem Contribuição = [Receita Operacional] - [Custo Variável] -


[Deduções]

% MC = DIVIDE([Margem Contribuição] ; [Receita Operacional])

Observação importante: existem dois possíveis separadores nas fórmula de DAX


no Power BI, que são: “;” e “,”. Para escolher com qual irá trabalhar, vá em opções:

Figura 53: Seleção de separadores do DAX

37
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Visuais - Página: Receita e MC


Visuais, o pilar 5! Extremamente importante para destaque em tudo que você fez
até agora. Essa parte é a que vende (frontend) e ajuda o inicio da divulgação.

Como deixar um visual atraente? A primeira instrução é como não fazer! Acesse o
link: https://viz.wtf/ e aprenda com o erro dos outros.

Além disso, deixei duas referências no material de apoio para guia de construção
de visuais. O que você deve conseguir fazer com seus relatórios é contar uma
história (storytelling) para o usuário. Fiz também um resumo com recomendações
importantíssimas:

- Preocupe-se com a estética;

- Identificar o usuário que vai consumir, saiba as preferências dele (a);

- Tudo começa no background e no tema (paleta de cores);

- Manter consistência nas cores, fontes, etc..;

- Manter os visuais alinhados, tem gente que possui TOC e trava logo aqui;

- Escolha os visuais adequados para cada tipo de análise.

Background
A primeira etapa é construir backgrounds legais para montar as informações no
local adequado e com um fundo bacana. Aqui, a base de importação é do material que
disponibilizei após a Live e foi tudo criado no Power Point.

Dica:

Recomendo o formato .SVG para arquivos de background, pois não perdem


qualidade ao serem importados para o Power BI.

38
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 54: Arquivos base para montagem de visuais

Figura 55: Importação do Background para a Página 1

Tema
Uma vez importado o background é importante definir o tema que padroniza a
formatação de diversos visuais do Relatório. Também forneci um tema pronto (Tema.
json) e vamos importá-lo:

39
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 56: Importação do tema do relatório

Veja a diferença que faz na apresentação essas duas partes (background + paleta):

Figura 56: Importação do tema do relatório

40
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para formatações mais específicas nos visuais, devemos usar a aba “Formato”
(rolinho de formatação). Vou editar o cartão com um novo visual de cartão de linha
múltipla e com a seguinte formatação:

- Rótulo de dados: Tamanho texto = 26 pt, Cor = # FFFFFF, Família de fontes =


Segoe (Bold)
- Rótulo de categoria: “Desativado”
- Título: “Ativado”, Texto do Título = Receita Operacional, Cor = # FFFFFF
- Cartão: Mostrar barra = “Desativado”

Figura 58: Cartão Formatado

41
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para finalizar a formatação, clicar com o botão direito na medida de receita


operacional e formatá-la para R$:

Figura 59: Formatação da medida

Formatação do gráfico de área:

- Eixo X: Título = “Desativado”


- Eixo Y: “Desativado”, Título = “Desativado” (sim, são coisas diferentes!)
- Título: “Desativado”
- Cores dos dados: # FFFFFF

Formatação do gráfico de barras empilhadas:

- Título: “Desativado”
- Rótulo de dados: “Ativado”
- Eixo X: “Desativado”
- Eixo Y: Título = “Desativado”

42
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 60: Resultado das formatações

E aí, o que achou do resultado após as formatações? Vale a pena investir tempo
aqui? Bom, você que me responde essa.

Tabela dCalendario
Para podermos relacionar as informações da tabela fato de despesa com as
informações da tabela fato de receitas, precisamos do apoio da tabela dCalendario que
irá possibilitar a análise conjunta desses eventos.

Há 3 formas de se criar a dCalendario:

- Importar essa tabela pronta

- Criar no Power Query

- Criar via DAX no próprio ambiente do Power BI Desktop (iremos utilizar essa)

Para criar, vamos inserir uma nova tabela:

43
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 61: Criação de tabela dCalendario

Fórmula DAX:

dCalendario =

CALENDAR(

DATE(2019; 01; 01);

DATE(2019; 12; 31)

Iremos usar 3 colunas auxiliares para a tabela dCalendario (ano, mês abreviado e
mês número), criads cm as seguintes fórmulas:

Fórmula DAX:
Ano = YEAR(dCalendario[Data])
Mês Abrev = FORMAT(dCalendario[Data]; "mmm")
Mêsa = MONTH(dCalendario[Date])

Figura 62: Criação de novas colunas para dCalendario

44
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 63: Resultado final dCalendario

Com a tabela dCalendario pronta temos que fazer o relacionamento dela com
a fReceitas e fDespesas em “Modelo”. Para isso é só arrastar as colunas que serão
utilizadas para criar o relacionamento:

Figura 64: Relacionamento da dCalendario

45
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Vamos utilizar a dCalendario para referenciar a data no visual de gráfico de área:

Figura 65: Mudança de referência no gráfico de área

A ordem dos meses está incorreta. Para acertar isso, vamos ordenar o mês abreviado
pelo número do mês em “Dados” e modificar a forma de ordenação no visual:

Figura 66: Alteração da ordem da coluna de Mês abreviado

Figura 67: Alteração da classificação no visual

46
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Visuais - Página Receitas e MC


A partir desse cartão e esse gráfico fica mais fácil criarmos outros visuais, pois
precisamos somente copiar o visual e alterar a medida de valor. Vamos fazer isso para
margem de contribuição e % MC:

Figura 69: Visual com o campo de Valores e Título alterado

47
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para formatar as medidas Custo Variável, Deduções e Margem Contribuição


vamos em modelo:

Figura 70: Formatação de várias medidas

Figura 71: Formatação de % MC

48
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

O último visual que iremos criar para essa página é de Matriz:

Formatação da matriz:

- Estilo: “Nenhum”
- Grade: Horizontal - “Ativado”, Vertical – “Desativado”, Preenchimento da linha = 6,
Espessura da grade = 1, Tamanho do texto = 12 pt
- Valores: Cor da fonte = # FFFFFF, Alternar cor da fonte = # FFFFFF
- Total geral: Cor da fonte = # FFFFFF

Figura 72: Visual de Matriz

49
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para auxiliar a interpretação de Receita Operacional e Margem de Contribuição


vamos criar uma barra de dados no fundo do valor:

Figura 73: Criação de barra de dados para Receita Operacional

50
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 74: Criação de barra de dados para Margem Contribuição

Para % MC vou formatar a cor da tela de fundo:

Figura 75: Criação de tela de fundo para % MC

51
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Vamos alterar também a cor dos dados de Bebidas no gráfico de barras empilhadas:

Figura 76: Modificação das cores dos dados

Vamos inserir também um texto de identificação da página:

Figura 77: Texto de identificação da página

Formatação do texto: Arial – 18 pt – Bold

E a segmentação de dados (filtros) na página para o usuário navegar de forma mais


rápida, por: mês, equipe vendas e fornecedor.

52
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 78: Segmentação de dados por mês

Figura 79: Segmentação de dados por equipe de vendas

53
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 80: Segmentação de dados por fornecedor

Figura 81: Atualização da Matriz

54
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

A formatação do eixo Y do gráfico de % MC precisa ser alterar, pois parece que


existe uma variação muito grande nos valores. A realidade é que o gráfico que está
iniciando com valores errados e alterando para iniciar em 0 percebemos que a variação
não é tão grande assim:

Figura 82: Modificação do Eixo Y do gráfico de % MC Geral

Página finalizada! Só renomear para Receitas e MC e vamos para a próxima página.

55
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Fluxo de Caixa
Background
Assim como fizemos para a página de Receitas e MC, aqui iremos importar o
segundo plano de página:

Figura 83: Importação do background para página de Fluxo de Caixa

Figura 84: Página de Fluxo de Caixa com background

56
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

As medidas adicionais que iremos criar para essa página são:

Medidas
Despesas Fixas = SUM(fDespesas[Valor])
Lucro Operacional = [Margem Contribuição] - [Despesas Fixas]

% Lucro = DIVIDE([Lucro Operacional]; [Receita Operacional])

Visuais - Página Fluxo de Caixa


Para aproveitar a formatação vamos copiar o gráfico de receita operacional da
página de Receitas e MC e colar na página de Fluxo de Caixa. Após isso, alterar a medida
de valor para Lucro Operacional e o tipo do gráfico para “Gráfico de cascata”.

Figura 85: Gráfico de cascata

Formatação do gráfico de cascata:

- Rótulo de dados: “Ativado”


- Título: “Ativado”

Iremos também ter um visual de matriz detalhando todos os itens do Fluxo de


Caixa. Também iremos copiar a matriz da página de Receitas e MC para aproveitar a
formatação e alterar os seguintes campos:

57
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 87: Visual da Matriz de Fluxo de Caixa

58
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Formatação do gráfico de cascata:

- Classificar em ordem crescente por “Mês abrev”

- Remover formatação condicional dos campos

- Valores: Mostrar em linhas = “Ativado”

Com isso, vamos renomear colocando os sinais para cada termo:

Figura 88: Campos renomeados

59
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Vamos adicionar uma formatação condicional para os valores de % Lucro:

Figura 89: Formatação condicional para % de Lucro

Figura 90: Formatação condicional para totais

60
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Também criar cartões para os valores cheios de Receita Operacional, Custo


Variável, Despesas Fixas, Lucro Operacional e % Lucro:

Figura 91: Cartões

Figura 92: Adicionar o Título

Formatação do texto: Arial – 18 pt – Bold

Figura 93: Segmentação por mês

61
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Menus de Navegação
É bem legal colocar botões de navegação para usuários! Eu uso bastante o site
https://logomakr.com/ para escolher ícones de navegação. Vamos inserir as imagens
dos botões:

Figura 94: Inserindo imagens dos botões de navegação

62
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para cada um dos ícones, você deve fazer esse processo de importação e posicionar
na página no local adequado. Para programação do botão de navegação, vamos ativar
as ações dos botões:

Figura 95: Botão formatado para navegação para aba Fluxo de Caixa

63
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 96: Botão formatado para navegação para aba Receita e MC

64
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Desenvolvimento Avançado
No desenvolvimento avançado iremos analisar em um nível de detalhe ainda maior
o fluxo de caixa. Para isso será necessário as informações do arquivo PlanoContas.xlsx.

Figura 97: Obtendo dados de PlanoContas

65
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 98: Seleção para transformação de dados

O Power Query fez automaticamente a tipagem dos dados das tabelas importadas,
e no caso de idConta, idContaN2 e idContaN1 de dPlanoContas está incorreta essa
tipagem. Esse é um ponto de extrema atenção quando importar tabelas para o Power
BI! Sempre verifique se os tipos dos dados estão corretos:

66
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 99: Tipo dos dados de idConta incorretos

Figura 100: Alteração para formato de Texto

67
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

O mesmo problema ocorre para coluna idContaN1 da tabela de dContaSuperior:

Figura 101: Alteração para formato de Texto

Figura 102: Novo relacionamento do modelo

68
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para testar o relacionamento, criamos uma tabela:

Figura 103: Tabela de Teste

69
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Vemos que o relacionamento está funcionando, pois os valores de despesas estão


respeitando o contexto de Conta Resumida. Vamos estar para os valores de receita
(não existe relacionamento no modelo):

Figura 104: Tabela de Teste com Receita

Como não existe o relacionamento e não existe a informação de idConta na tabela


receita, iremos criar essas coluna e daí então criar os relacionamento. Para isso, vamos
em “Transformar dados” e ir para o ambiente do Power Query:

Figura 105: Criação da coluna idContaReceita

70
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 106: Criação da coluna idContaDeducao

Figura 107: Criação da coluna idContaCusto

71
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 108: Alteração dos tipos dos dados

Com isso, fechamos e aplicamos o Power Query e vamos para o Power BI na área
de “Modelo” criar o relacionamento dessas colunas com o idConta do Plano de Contas:

Figura 109: Criação do relacionamento

Veja que somente um relacionamento (idContaReceita com idConta) fica ativo.


Os outros ficam inativos (linhas tracejadas), porém conseguimos forçar virtualmente via
DAX. Vamos fazer isso usando USERELATIONSHIP para as medidas de Deduções e Custo
Variável:

72
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Custo Variável = //Shift + Enter para quebrar linha


CALCULATE(
    SUMX(
        fReceitas; 
        fReceitas[QtdItens] * RELATED(dProduto[CustoUnitario])
    );
    USERELATIONSHIP(fReceitas[idContaCusto];
dPlanoContas[idConta])
)

Deduções = 
CALCULATE(
    [% Dedução] * [Receita Operacional];
    USERELATIONSHIP(fReceitas[idContaDeducao];
dPlanoContas[idConta])
)

Vamos apresentar a conta superior já com essas medidas alteradas em forma de


tabela:

Figura 110: Tabela de Conta Superior

73
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para mostrar os itens ocultos, temos que habilitar para mostrar itens sem dados:

Figura 111: Mostrar itens sem dados

Para ordenar Conta Superior de forma correta, temos que classificar conforme o
campo idContaN1 (mesmo processo da coluna mês abreviado):

74
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 112: Alterar classificação da Conta Superior

Figura 113: Desmarcando campos desnecessários

75
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para apresentar o resultado de Receita Líquida e Margem de Contribuiçõa teremos


que usar umcálculo amis avançado em DAX e utilizar a ferramenta de variável:

Fluxo Caixa = 
VAR vAcumulado = 
CALCULATE(
    [Lucro Operacional];
    FILTER(
        ALL(dContaSuperior);
        dContaSuperior[idContaN1] <=
MAX(dContaSuperior[idContaN1])
    )
)
VAR vResult = 
SWITCH(
    SELECTEDVALUE(dContaSuperior[Subtotal]);
    0; [Lucro Operacional];
    1; IF(ISINSCOPE(dPlanoContas[Conta Resumida]); BLANK();
vAcumulado);
    vAcumulado
)
RETURN
vResult

Vamos substituir essa medida no lugar de lucro operacional na nossa tabela:

Figura 114: Tabela atualizada com a medida Fluxo de Caixa

76
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Para finalizar, na matriz de Fluxo de Caixa adicionaremos as colunas de Conta


Resumida e Conta Detalhada em Linhas e Mês Abrev em Colunas:

Figura 116: Campos da Matriz de Fluxo de Caixa

77
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

Figura 117: Matriz de Fluxo de Caixa

Bom, esse foi o fim da jornada da Live #1! Fiquem atentos e acompanhem as
divulgações e as outra Lives, pois não paramos por aqui. Ainda tem mais 2 apostilas com
o material das outras Lives por vir.

Abraço,

Leonardo!

78
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

79
WORKSHOP #3 – DRE REGIME DE CAIXA

80