Você está na página 1de 3

A resposta correta da questão está identificada com a cor Vermelha.

Questão 1 - (2 pontos)

Quando utilizou, de forma crítica, o conceito de “educação bancária”, o educador


Paulo Freire estava se referindo:

1. à ênfase no ensino de Matemática em vez das linguagens e artes.


2. a uma educação baseada na valorização monetária da educação.
3. à recusa da dimensão vocacional do ensino escolar.
4. a uma educação tecnicista, alienante e descolada da realidade.
5. à necessidade por uma educação que combatesse o enriquecimento
dos bancos.

Justificativa: A educação bancária é um conceito crítico de Paulo Freire para


criticar a educação tecnicista, alienante, descolada do contexto circundante, e
entendida de forma não-dialógica, ou seja, na qual se espera que o professor
transmita a informação e que o aluno devolva a ele “na mesma moeda” que
recebeu, como se fosse um depósito, uma transação bancária.

Questão 2 - (2 pontos)

Sobre o pensador da educação brasileira Anísio Teixeira, é correto afirmar que:

1. Criou o conceito de alfabetização solidária, em que a aprendizagem se


dá a partir do contexto do aluno.
2. Foi professor em todos os níveis e fundador do ensino profissionalizante
no Brasil, por meio das escolas técnicas.
3. Foi um dos signatários do Manifesto da Escola Nova, que
estabelecia a universalização da escola pública, laica e gratuita.
4. Foi relator da LDB de 1996, na qual pode expressar sua defesa à
educação pública e acessível.
5. Na obra “Educação não é privilégio” defendeu que o ensino se
estendesse aos estrangeiros e imigrantes.

Justificativa: Anísio Teixeira (1900-1971), um dos mais importantes pensadores


da escola pública no Brasil, atuou em todas as áreas de ensino e foi um dos
signatários do Manifesto da Escola Nova. Em sua prática, defendeu uma escola
pública para todos e em tempo integral (para professores e alunos). “Educação
não é privilégio” é uma de suas muitas obras, mas não discute a questão dos
estrangeiros ou imigrantes e sim a inclusão de todos os que vivem no país.

Questão 3 - (2 pontos)

Na obra indicada como texto-base (Pedagogia da autonomia - Ensinar não é


transferir conhecimento, cap. 2), encontramos tópicos que Paulo Freire
considerava essenciais para a prática docente. Assinale a alternativa que contém 3
tópicos corretos:

1. Ensinar exige diploma, disciplina e autoridade.


2. Ensinar exige bom senso, alegria e esperança, e curiosidade.
3. Ensinar exige diploma, alegria e esperança, e bom senso.
4. Ensinar exige curiosidade, disciplina e autoridade.
5. Ensinar exige bom senso, cautela e autoridade. 

Questão fundamentada no material-base: texto-base, cap. 2, p. 8.

Questão 4 - (2 pontos) 

Quando consideramos a pedagogia histórico-crítica, assim definida pelo educador


Demerval Saviani, é possível afirmar que: 

1. a escola reproduz as diferenças sociais e, assim, há limites para as


transformações que a educação pode trazer à sociedade.
2. essa pedagogia segue as propostas da educação tradicional e da
educação nova ao recusar a educação como mera reprodutora do
conhecimento dominante.
3. essa pedagogia recusa o materialismo histórico-dialético por não
considerar que a sociedade é historicamente moldada.
4. a pedagogia dialética é uma etapa posterior à pedagogia histórico-
crítica que, desse modo, é aperfeiçoada.
5. a escola não deve ensinar os conhecimentos científicos que a
humanidade criou ao longo do tempo, o que seria opressão. 

Justificativa: Pelo reconhecimento das limitações da educação em transformar a


realidade, uma vez que a própria escola reproduz as desigualdades vigentes. Além
disso, a proposta de Saviani considera a necessidade de a educação trazer os
conhecimentos existentes, numa sociedade que é historicamente moldada, por
isso a pedagogia histórico-crítica e a pedagogia dialética são duas formas de
definir o mesmo objeto.
 

Questão 5 - (2 pontos)  

O educador Paulo Freire afirmou, em A importância do ato de ler: “a leitura do


mundo precede a leitura da palavra, daí que a posterior leitura desta não possa
prescindir da continuidade da leitura”. O método Paulo Freire de Alfabetização: 

1. tem como princípio a aproximação do aluno ao conteúdo pela


utilização de palavras conhecidas.
2. foi concebido para a alfabetização de adultos na realidade brasileira,
não tendo validade internacional.
3. está baseado em profundas discussões teóricas e apenas após a morte
de seu autor foi aplicado com sucesso.
4. nasceu da experiência do Paulo Freire com comunidades carentes no
Rio Grande do Norte.
5. tem como princípio o encontro de sílabas e letras permitindo ao aluno
desvendar o mundo que o cerca.

Justificativa: Na visão de Paulo Freire, a leitura e a escrita somente fazem


sentido se acompanhadas de uma capacidade de ler o mundo, de perceber o
mundo, de reconhecer os papéis desempenhados pelos atores do mundo. Assim,
ele se baseava em palavras que faziam parte do cotidiano dos trabalhadores em
processo de alfabetização para ensiná-los. O método nascido em um Brasil que,
na década de 1950, tinha quase metade da população analfabeta, propôs uma
aprendizagem a partir do contexto e da experiência e não do tradicional encontro
de letras e sílabas.