Você está na página 1de 5

ENGRENAGENS CILINDRICAS DE DENTES RETOS

 transmitem torque e velocidade angular. Permitem potencias mais elevadas que correias e
correntes. Produzem mais ruidos e vibrações em função do seu engrenamento em linha
completa.
 Em alta rotação pode não ser indicada.
 Não transmite esforço axial, baixa solicitação de mancal.
 Liberdade em relação aos eixos podendo ser: paralelos, concorrentes, reversos.
 EIXOS PARALELOS: ECDR, ECDH
 EIXOS CONCORRENTES: CONICAS DE DENTE RETO, CONICA DE DENTE ESPIRAL, CONICA DE
DENTE ZEROL;
 EIXOS REVERSOS: ENGRENAGEM HEICOIDAL DE DENTES REVERSOS, HIPOIDES, ESPIROIDE,
SEM-FIM.
 Um engrenamento é formado por um par de engrenagens onde a menor é chamada de pinhão
e a maior é chamada de engrenagem OU COROA.
 A razão entre as velocidades angulares de um par de engrenagens deve manter-se constante
durante o engrenamento.
 A linha involuta é sempre tangente ao circulo de base.
 Uma tangente à involuta é sempre perpendicular ao raio instantâneo de curvatura da involuta.
 O dente de engrenagem é projetado abaixo e acima da linha de referencia. E a involuta existe
somente acima da linha de base.
 A parte do dente acima da circunferencia de referencia é chamada adendo e é igual para um
par de engrenagens padrinizados de profundidade completa.
 A velocidade linear no ponto primitivo é igual para o pinhão e a engrenagem.
 Linha de ação é a normal comum às circunferecnias de base do par.
 Angulo de pressão é definido entre a direção da linha de ação e da velocidade linear no ponto
primitivo. Pode haver qualquer angulo de pressão mas o mais comum é 14,5 , 20 e 25 graus.
E devem ser iguais para pinhão e engrenagem. Maior angulo de pressão, menos tensão na raiz
do dente, mais esforço radial.
 A normal comum da linha de dentes em qualquer ponto do engrenamento passa pelo ponto
de referencia.
 Pontos de entrada e saida definem o comprimento de ação.
 A cremalheira é uma engrenagem de dentes e raio infinito. Seus dentes são trapezoidais mas
são verdadeiras involutas. É usado para usinar dentes de engrenagens quando endurecida.
 Circunferencia de referencia existe somente quando acoplamos um par de engrenagens.
 A involuta permite mudanças no valor da distancia de centro mantendo o engrenamento.
Consequentemente acontece mudança no angulo de pressão e nas forças tangencias e radiais.
 Folga é definida pela distancia entre dentes engrenados ao longo da circunferecnia de base. É
problemática quando há mudança no sentido do torque.
 O movimento relativo do dente é de rolamento uro no ponto de referencia da involuta e
combinação de rolamento com escorregamento em regiões mais afastada, estima-se 9%.
Escorregamento gera atrito, calor e falhas adesivas e abrasão.
 Adendo: adicionar à, dedendo: subtrair de. Altura do dente é dado pelo adendo mais o
dedendo.
 Forma involuta é definida somente a partir da circunferencia de base. Em alguns casos o
dedendo é muito grande estendendo-se além da circunferrencia de base. Ocorre interferencia
entre a ponta do dente da engrenagem que é involuta contra a circunferencia de base do
pinhão. Interferencia causa adelgaçamento.
 Adelgaçamento enfraquece a raiz do dente. Momento e esforço cortante máximos acontecem
nessa região. Evita-se pinHão de poucos dentes.
 O numero minimo de dentes varia com o angulo de pressão, sendo 18 para angulo de pressão
20º num par pinhão cremalheira. Num par pinhão engrenagem assume valor de 13 dentes de
pinhão contra 16 dentes máximos na engrenagem. ???????
 Forma de dentes com adendos desiguais são obtidas com a translação da circunferencia de
referencia para longe da circunferencia de base eliminando a parte não involuta do dente. O
dente do pinhão torna-se pontiagudo.
 Fortalece rais do dente do pinhão, enfraquece dente da engrenagem que já é mais forte por
definição igualando suas resistencias. Acontece mais escorregamento aumentando a tensão
superficial e o atrito.
 Razão de contato é o número médio de dentes em contato durante o engrenamento.
 Razão de contato igual a 1 é indesejado pois causa oscilações na velocidade, vibrações,
choques e barulho.
 Razões de contato maiores que 1 favorecem a distribuição da carga em especial na ponta do
dente.
 Razão de contato minima é 1,4 para dentes retos e máxima 2. Isso favorece que a carga seja
distribuidada durante o engrenamento da ponta do dente.
 HPSTC ponto mais alto de contato, LPSTC ponto mais baixo de contato.
 Trem de engrenagens é qualquer coleção de duas ou mais engrenagens em contato. O par é
a forma mais simples(um eixo por engrenagem). Podem ser simples (um eixo por
engrenagem), compostos (pelo menos 1 eixo com duas engrenagens) e epiciclicos
(planetários).
 Engrenagens podem ser produzidas por conformação ou usinagem.
 Processos grosseiros: fresa módulo, geração por cremalheira, pegração por engrenagem,
geração por fresa caracol,
 Processos de acabamento: polimento, retífica, brunimento, lapidação.
 Qualidade Qv varia de 3 (menor qualidade) até 16 (maior qualidade).
 Quanto maior a velocidade linear no ponto de referencia maior é a qualidade exigida.
 A qualidade é determinante para a determinação da carga sobre o dente. Favorece o contato.
 O torque é passado do pinhao para a engrenagem.
 No ponto de referencia a unica força que pode ser transmitida é a força no sentido da linha
de ação. Fora desse ponto existem formças de atrito devido ao escorregamento.
 A força transmitida possui componente radial e tangencial e varia em função do angulo de
pressão.
 Dependendo da razão de contato um dente pode receber toda ou parte da carga da ponto em
direção ao dedendo em função do engrenamento.
 Torque é constante, a força é variável causando esforços cíclicos e fadiga na raiz do dente.
 Engrenagens vazias sofrem dupla solicitação em um cliclo completo.
 Um dente pode falhar por fratura de fadiga devido a tensões variadas na raiz do dente ou
então por fadiga superficial devido a crateração na face do dente.
 Fadiga pode ser evitada mantendo a tensão nos limites seguros pelo critério de goodman
modificado.
 Maioria das engrenagens são feitas de materiais ferrosos e podem ter vida infinita em relação
a esforços de fadiga.
 Não existe vida infinita para falha superficial.
 J é diferente para o pinhão e engrenagem.
 Kv fator dinâmico (cargas de vibração, relativo a Qv e V), ko fator de sobre carga(relativo ao
choque motor eletrico ou combustão, por exemplo), ki fator do ciclo de carga ( 1 para
engrenagens cheias e 1,42 para engrenagens vazias), kl fator de vida(dureza, numero de
ciclos), kr fator de confiabilidade (em relação a possibilidade de falha).
 Exigem lubrificação para evitar desgaste por abrasão e adesivo assim como para extrair o calor
proviniente do atrito.
 Tensões de superficies são chamadas hertizianas e acontecem antes que na raaiz do dente.
 Para deixar com mesmo fator de segurança usar materiais diferentes para uma determinada
largura.

ENGRENAGENS CILINDRICAS DE DENTES HELICOIDAIS

 helicoidais, conicas e sem-fim. Maior seção resistente.


 Fabricação e dimensionamento mais dificil. Baixa vibração, baixo ruido.
 Menor rendimento, mais escorregamento que ECDR.
 Montadas de forma dupla anulam esforços axiais.
 Dentes são involutos inclinados em relação ao eixo de rotação por um angulo de hélice que
pode variar entre 10º e 45º. Aumenta angulo de hélice, aumenta ressitencia do dente.
 Par de engrenagens de mão oposta engrenam eixo paralelos e tem capacidade de transmitir
elevados niveis de potencia.
 Engrenagens de dentes helicoidais paralelos engrenam com uma cobinação de rolamento e
escorregamento com o contato começando em uma extremidade do dente e
varrendocruzado pela largura de sua face.
 São mais silenciosas e e possuem menos vibrações do que ECDR por causa do engrenamento
gradual.
 Em engrenagens helicoidas cruzadas os dentes escorregam sem rolamento e estão em
contato pontual ao inves de linha como nos eixos paralelos. Isso reduz consideravelmente a
capacidade de carga. Aplicação em cargas leves.
 Possuem dentes relativamente mais fortes com mesmo passo, diametro de referencia e nº de
dentes em relação a ERDC.
 O nº virtuais de dentes é definido em função do angulo de hélice. Nº virtual de dentes virtuais
é equivalente ao nº de dentes de uma engrenagem de dentes retos, dando portanto mais
resistencia a fadiga de flexão e de superficie.
 O maior numero de dentes virtuais reduz o adelgaçamento em pinhões muito pequenos
permitindo um numero menor de dentes do que seria em uma ECDR.
 Possui razão de contato axial (minimo 1,15) e transversal(mesmo que ECDR). A razão de
contato axial define o grau de entrelaçamento.
 A razão de contato transversal permite que multiplos dentes dividam a carga assim como a
razão de contato axial.
 Quanto maior o angulo de hélice maior o componente axial da força.
 Tensões equivalente a ECDR.
 Engrenagens conicas são cortadas em cones e seus eixos não são paralelos, normalmente 90º.
 Podem ser engrenagens conicas retas (análogo as engrenagens retas) ou espeirais (anãloga as
helicoidais). O contato se dá da mesma forma que as cilindricas.
 Conicas espirais trabalham mais silenciosas que conicas retas e as espirais podem ter menores
diametros que retas.
 Engrenagem zerol possui curvatura porém com angulo de espiral zero e possuem menor
esforço axial que conicas espirais.
 Engrenamento sem fim é analogo porca-parafuso, angulo de helice tão grande que possui
unico dente, autotravante, perfil não involuto, grandes velocidades de escorregamento, baixa
eficiencia devido ao escorregamento, permite grandes raões de engrenamento (360:1),
grande aquecimento.

PROJETO DE MOLAS

 Podem ser de compressão, de tração ou de torque. Servem também para armazenas energia.
 Constante de mola é a razão entre a força aplicada e a deflexão causada podendo ser linear
ou não-linear. Em lineares é possível controlar o carregamento . Não lineares podem ser
progressivas ou atenuantes.
 O material da mola deve ter alta resistencia a tração, alto ponto de escoamento e baixo
modulo de elasticidade. Aços de médio e alto teor de carbono. Poucas ligas de aço inox são
utilizadas.
 Usar TT para alivio de tensões. Usar TT e encruamento para aumentar o limite de escoamento.
 Molas helicoidais de compressão são comuns e com diametros de espira constantes.
 O compimento livre da mola de compressão é dado pelo comprimento fechado somado a
deflexão de trabalho, deflexão em função da carga inicial e do limite de interferencia que é a
diferença entre o comprimento minimo de trabalho e a deflexão de trabalho (em torno de
15% da y trabalho).
 Extremidades podem ser de quatro tipos: simples, simples esmerilhada, esquadrejada e
esquadrejada esmerilhada. Esquadrejadas são planas e não possuem passo (são juntas). O
esmerilhamento permite criar superficies planas e perpendiculares ao eixo. Melhor
assentamento. Condições de extremidade afetam a tendencia a flambagem. ISTO DEVIDO AO
ASSENTAMENTO. UMA MOLA ESMERILHADA E ESQUADREJADA EH MELHOR POIS ASSENTA
MELHOR E DIMINUI FLAMBANGEM.
 Indie de mola: 4<C<12. C maiores que 12 tem propensão à flambagem e ao entrelaçamento
quando manilupadas em conjunto.
 Possui tensao devido a torção(crescente do centro para a extremidade), ao
cisalhamento(constante na seção). Esses dois podem ser combinados e são criticos na parte
interna da mola. Ainda é considerado o efeito de concentração de tensão na borda interna.
 Quando um fio é dobrado na forma de hélice as tensões residuais são trativas na superficie
interna e compressiva na cuperficie externa. Podem ser removidas por recozimento.
 O ajuste de mola pode ser realizado com a compressão e aumenta sua capacidade de carga.
 Consiste em cmprimir a mola em sua altura fechada introduzindo tensões benéficas e
contrarias as do processo de produção.
 A mola que sofrer ajuste perde parte do seu comprimento livre.
 Molas de comrpessão devem sofrer apenas compressão, assim como tração somente tração
e de torsão com torques unidirecionais.
 Jateamento por esferas (shootpeening) causa redução da rugosidade sendo utilizado para
melhorar a resistencia a molas submetidas a esforços ciclicos. Pouco beneficio a cargas
estáticas. Molas com passo muito pequenos não conseguem receber tratamento de
jateamento .
 Molas de tração e compressão sofrem torsão. Molas de torsão sofrem flexão.
 O dimensionamento de molas é inerentemente de carater iterativo.
 Diagrama de goodman torsional para avaliar resistencia a esforços ciclicos e fadiga.
 Molas de tração possuem ganchos na sua extremidade. Sofrem maiores tensões e são os
limitantes do projeto. Sofrem flexão e torção. O ajuste de espiras não é feito em molas de
tração assim como o jateamento é impraticavel pois as espiras são enroladas muito próximas.
 DIFERENÇA ENTRE OLHAL ALEMÃO E INGLES: olhal alemao melhor que ingles. OLHAL
AMEMAO INICIA NO DIAMETRO EXTERNO. INGLES INICIA NO CENTRO. ?????
 MELHORIA DE PROJETO: DIMINUIR RAIO DO GANCHO (DIAMETO DO OLHAL) DIMINUI AS
TENSÕES DE FLEXAO. MUDAR DE INGLES PARA ALEMAO.
 Em molas helicoidais de torsão o esforço deve ser realizado de maneira a fechar as espiras
devido ao estado de tensão residual.
 Molas belleville, de disco ou arruela possuem relação não linear entre força e deflexão.
Resistem a grandes esforços e baixas deflexões.