Você está na página 1de 3

1 – Administração de Valores a Receber: É o crédito que diz respeito à troca de bens presentes por bens

futuros. De um lado, uma empresa que concede crédito, troca produtos por uma promessa de pagamento futuro. A
outra que obtém crédito recebe produtos e assume o compromisso de efetuar o pagamento futuro.

2 – Políticas de Crédito:

2.1 – Definição: A política de crédito tem como objetivo básico a orientação das decisões de crédito, tendo em
vista os objetivos desejados e estabelecidos, estando diretamente relacionada com a função financeira do
investimento.

2.2 – Porte: Definido pelo volume de Patrimônio Líquido, número de pontos de vendas (filiais), volume de
aplicações, depósitos, etc

2.3 – Características da Instituição:

2.4 – Ascensão de Riscos: (TODA OPERAÇÃO DE CRÉDITO TRAZ RISCO) - Diz respeito às quais riscos a
empresa vai assumir (se maior ou menor).

2.5 – Seleção de Cliente: (PUBLICO ALVO) - Tipos de clientes que serão aceitos (porte, pessoa física/jurídica,
ramo, situação econômica, etc)

2.6 – Concorrência: Ao definir o publico alvo e selecionar clientes, a empresa deve avaliar e tentar se igualar a
concorrência.

2.7 – Processo Decisório: É o que delimita quem e como serão, ou não, feitas as concessões de crédito. Se
um pessoa só vai decidir ou um grupo de pessoas (alçadas) e os limites de crédito de acordo com o perfil de cada
cliente.

3 – C’s do Crédito:

• Caráter: São informações referentes à índole, idoneidade e reputação do cliente;

• Capacidade: Este "C" deve fornecer informações que possibilitem avaliar se as receitas e despesas permitem o
cumprimento das obrigações a serem assumidas;

• Capital: Informações referentes à estrutura de capital, endividamento, liquidez, lucratividade e outros índices
financeiros obtidos por meio dos demonstrativos financeiros do cliente;

• Colateral: É a capacidade da empresa ou dos sócios em oferecer garantias ao empréstimo;

• Condições: Informações referentes à capacidade dos administradores de se adaptarem a situações


conjunturais, ter agilidade e flexibilidade de adaptar-se e criar mecanismos de defesa;

• Conglomerado: São informações da situação de outras empresas situadas num mesmo grupo econômico e
como poderão afetar a empresa em estudo.

4 – Score de Credito:

É uma “pontuação”, por assim dizer, um índice numérico que permite as instituições financeiras saber qual o
risco de crédito que tem quando concedem crédito. Os credores sabem se o solicitante está pagando as suas
dívidas e qual o risco de crédito envolvido na operação de crédito com aquela pessoa, ou seja, se vale a pena ou
não emprestar dinheiro.
5 – Tomada de Decisão a Respeito de Padrões de Crédito:

Saber se a empresa deve ou não “relaxar” nos seus padrões de credito com base na comparação das vendas
adicionais, decorrentes de investimento marginal em contas a receber e das perdas marginais com clientes. Se
essa “contribuição for maior que os custos marginais, os padrões podem/deverão ser “relaxados”.

6 – Administração de Crédito em Âmbito Internacional:

Deve-se pensar nas dificuldades causadas pelas variações cambiais e o prazo para envio/recebimento de
mercadorias.

7 – Análise das alterações na política de Crédito:

8 – Administração de Duplicatas a Receber:

8.1 – Cálculo do Resultado (Situação Atual e Proposta):

8.2 – Parecer e Decisão:

9 – Garantias em Operações de Crédito:

A garantia pessoal ocorre quando se exige do devedor apenas a promessa de pagamento contentando-se credor
com a garantia que lhe possa dar o patrimônio presente e futuro do devedor ou do garantidor (avalista ou fiador).

As garantias classificam-se em:

Pessoal:

- Aval: O aval é a garantia pessoal do pagamento de um título de crédito. No aval, o garantidor promete pagar a
dívida, caso o devedor não o faça. Vencido o título, o credor pode cobrar indistintamente do devedor ou do
avalista.

- Fiança: É uma obrigação escrita. É um contrato por meio do qual o fiador garante o cumprimento da obrigação
do devedor caso este não o faça ou, ainda, garante o pagamento de uma indenização ou multa pelo não-
cumprimento de uma obrigação de fazer ou de não fazer do afiançado.

Real:

- Duplicatas: Instrumento de crédito representado por uma promessa incondicional por escrito entre dois
agentes, assinada por aquele que se compromete a pagar em determinada data uma soma certa de dinheiro ao
primeiro ou ao portador da nota promissória.

- Alienação Fiduciária: Ou alienação em garantia é a transmissão da propriedade de um bem ao credor a fim de


garantir o cumprimento de uma obrigação do devedor, o que continua na posse direta do bem, na qualidade de
depositário.

- Anticrese:

- Penhor: É o vínculo de um bem móvel ou imobilizável a uma dívida como garantia de pagamento. Também é a
submissão de um bem mercantil (produtos acabados ou matéria prima, etc.), móvel ou imobilizável, bens móveis
ou mobilizáveis em garantia do cumprimento de uma obrigação. Tem existência efetiva, com a entrega da posse
do bem pelo devedor ao credor, devendo haver a entrega real ou simbólica do bem.

-Hipoteca: A hipoteca é a oneração de um imóvel, navio ou avião em garantia do cumprimento de uma


obrigação. Não há transmissão da propriedade do bem para o credor, porém o devedor só poderá dispor do bem
com o seu consentimento.
Tópicos de Fluxos de Caixa:

- Uma boa gestão de recursos financeiros reduz substancialmente a necessidade de capital de giro, promovendo
maiores lucros pela redução principalmente das despesas financeiras.

- A atividade financeira de uma empresa requer acompanhamento de seus resultados, de maneira a avaliar seus
desempenhos, bem como proceder aos seus ajustes e correções necessárias.

- O fluxo de caixa é como instrumento que possibilita o planejamento e o controle dos recursos financeiros de
uma empresa gerencialmente, é indispensável ainda em todo o processo de tomada de decisões financeiras.

- O fluxo de caixa operacional tem por objetivo analisar a performance da atividade da empresa durante o
período.