Você está na página 1de 8

SISTEMA

CARACTERÍSTICAS GERAIS A hemolinfa volta para o coração por diferença de pressão → O2 transportado
ligado a proteínas plasmáticas (sistema a VÁCUO!!) → retorna pelo ostíolo por
Coração: órgão propulsor diferença de pressão 28/08/2020
 bombas peristálticas → invertebrados
Capaz de se contrair com rapidez e  bombas com câmaras e válvulas → Circulação bidirecional
força para propelir fluido. vertebrados
Dificuldade: Alterar a velocidade e a distribuição do
Possui capacidade contrátil; propele fluido circulatório (sangue) fluxo.
Sistema arterial: CIRCULAÇÃO FECHADA
 Distribuição de sangue e manutenção da pressão; Presente em todos os vertebrados e alguns
 Conectado diretamente ao órgão propulsor (bomba contrátil) sai com invertebrados.
muita velocidade e pressão;
 Associado a estruturas fortes para absorver a pressão (artérias). Órgão propulsor, sistema arterial, sistema venoso,
capilares, válvulas (função: manter o fluxo direcional,
Capilares: impedir o retorno sanguíneo)
 Difusão de substâncias; Circulação unidirecional
 Presença facultativa.
Sistema linfático em vertebrados → auxiliar o sistema
Sistema venoso: Vertebrados: circulação fechada sanguíneo. Atua na remoção de macromoléculas e
 Reservatório e retorno do sangue excesso de água no espaço intersticial
 O2 ligado à hemoglobina
ao coração;
 Presença facultativa (alguns Invertebrados: maioria circulação
invertebrados e em todos aberta
vertebrados), ausente em quem
 O2 dissolvido o plasma (ligado a um
tem circulação aberta.
pigmento proteico) → bombeamento
CIRCULAÇÃO ABERTA
Hemolinfa (fluido circulatório, não é tecido
sanguíneo propriamente dito) ou “sangue” flui na
hemocele.
Órgão pulsático peristáltico (bomba propulsora:
coração) ligado ao sistema arterial, pode se
ramificar em "capilares" (não são capilares
propriamente ditos porque não promove troca
direta de substâncias com tecidos), ostíolo (abertura
por onde há a expulsão da hemolinfa), entre o
coração e a artéria existem válvulas posicionadas
com a concavidade voltada para as artérias.
CORAÇÃO HUMANO / MAMÍFEROS Formado por um único músculo, mas as cavidades se contraem em momentos
diferentes (átrio antes do ventrículo).

FISIOLOGIA DO MIOCÁRDIO
Célula muscular estriada cardíaca: membrana plasmática em zig zag com aspecto
de zíper, por isso o fechamento é entrelaçado, mantém a integridade do órgão e
evita lesões.
 Semelhanças com célula estriada muscular: estriada (bandas claras e
escuras), célula cilíndrica, contraem com grande velocidade.
 Diferenças com célula estriada muscular: célula cardíaca é ramificada
(aumenta a força de adesão entre as células, mantendo a integridade),
pequena, no máximo 1 ou 2 núcleos.
Junções Comunicantes / Gap Junctions:
Canais iônicos alinhados entre uma célula e outra, encontram-se abertos entre si,
permitindo o transporte livre de íons entre uma célula e outra.
 Formam sincícios: segmentos de um mesmo órgão que podem trabalhar
em momentos ou direções diferentes;
 Permeabilidade a íons
 Sinapse elétrica.
Órgão propulsor bem desenvolvido. Sincício Atrial
Presença de um grupo de células presentes no feixe
Coração tetra cavitário: 2 átrios e 2 ventrículos totalmente divididos por válvulas Sincício Ventricular atrioventricular: retardam a contração muscular
 Átrio direito: nele desembocam a veia cava caudal, a veia cava cranial, e ventricular.
 Contração em momentos diferentes;
a veia ázigos, trazendo sangue dos tecidos para o coração.  Bomba Cardíaca
 Ventrículo direito: se comunica com o átrio direito, e dele parte o tronco
pulmonar, que se dividirá em artérias pulmonar direita e esquerda, levando PLATÔ DO POTENCIAL DE AÇÃO CARDÍACO
Potencial de ação é um evento que abrange a
o sangue que chegou do átrio direito para os pulmões. despolarização e repolarização da membrana
 Átrio esquerdo: as veias pulmonares (cujo número varia, dependendo da Células cardíacas específicas = Fibras de Purkinje (quando
das células ocorre o potencial de
excitáveis.
espécie, de quatro a oito) trazem a ele o sangue que foi oxigenado nos ação elas estão em repouso negativa, recebem o estímulo e abrem os canais rápidos
pulmões. de sódio, quando ela despolariza)
 Ventrículo esquerdo: se comunica com o átrio esquerdo; propele o  Canais rápidos de Na+: respondem imediatamente ao estímulo;
sangue para a artéria aorta, e daí ele se distribui a todo o organismo.  Canais lentos de Na+/Ca++: Regulados por voltagem;
O sentido de circulação do sangue é: átrio direito
→ ventrículo direito → artéria pulmonar →
pulmões → veias pulmonares → átrio esquerdo →
ventrículo esquerdo → artéria aorta → tecidos →
veias cavas cranial e caudal → átrio direito.
 Canais de lentos de K+: demoram para se abrir, não respondem  Células. cardíacas específicas = Nodo Sinusal (mais excitáveis- facilidade
imediatamente ao estímulo, dependem da voltagem em despolarizar) → marca passo natural;
 Potencial de Repouso (alcançado quando ocorre o equilíbrio entre o
 Células de resposta lenta:
gradiente químico e elétrico do K) maior que o comum = -60mV a -70mV
São as células marcapasso do
RITMICIDADE nodo SA e as células do nodo Alta voltagem → canais Na+ abertos (não possuem gates, são livremente
CARDÍACA AV. Elas têm a capacidade de abertos) → ciclo → PA

Ciclo Cardíaco.mp4 Contração


Cardíaca.mp4

CICLO CARDÍACO
Eventos contráteis que ocorrem entre o final de um batimento e o início do
próximo.
Inicia no nodo sinusal (devido aos canais de sódio abertos e a alta excitabilidade
das células)→ (junções comunicantes) despolarização atrial (observa contração dos
átrios) → transportado ao Feixe átrio – ventricular (encontra as fibras de Purkinje
que retardam o potencial de ação e os átrio começam a repolarizar) → ramos
direito e esquerdo de fibras de Purkinje→ despolarização ventricular (contração de
ventrículos) → repouso (repolarização ventricular) → nodo sinusal
1. Sístole atrial: impulso para um batimento cardíaco se inicia no nodo A e se
propaga para os átrios provocando a contração, num momento em que os
ventrículos estão relaxados (contribui para o enchimento ventricular)
2. Contração isovolumétrica: onda despolarizante atinge os ventrículos,
iniciando sua contração. (primeira bulhar cardíaca). Quando a pressão
dentro dos ventrículos é maior que a dos átrios, as valvas atrioventriculares
se fecham. A ejeção começa quando a pressão produzida dentro dos
ventrículos é maior que a pressão da aorta (ventrículo esquerdo) e da pressão das artérias aorta e pulmonar cai conforme o sangue flui através
artéria pulmonar (ventrículo direito). Quando a pressão no interior do dos tecidos. O relaxamento do ventrículo não provoca alteração no volume
ventrículo excede a pressão da aorta e artéria pulmonar, abrem-se as valvas ventricular.
semilunares, ocorre a fase de contração isovolumétrica (os ventrículos se 7. Enchimento rápido: começa com a abertura das valvas atrioventriculares
contraem as não ocorre a diferença em seu volume enquanto a pressão (determina o início do enchimento dos ventrículos que se encontram em
produzida não exceder a pressão dos vasos de saída). Essa fase termina diástole). Os átrios estão relaxados e o sangue que chega através da
quando as valvas semilunares se abrem, iniciando a ejeção do sangue. circulação de retorno (veias cavas e pulmonares nos ventrículos) vai
3. Ejeção máxima: inicia com a abertura das valvas semilunares e dura até a diretamente para o interior dos ventrículos. O volume dos ventrículos
elevação máxima da curva de pressão arterial → cerca de 75% do sangue é aumenta à medida que são preenchidos de sangue. O volume de sangue
ejetado dos ventrículos nesta fase. nos átrios é pouco maior que nos ventrículos.
4. Ejeção reduzida: a pressão produzida pelos ventrículos excede a dos 8. Enchimento lento: enchimento mais lento em que os átrio e ventrículos se
grandes vasos durante a primeira metade da sístole. Por causa da energia enchem como uma câmara comum. Termina com a sístole atrial, fechando
cinética da contração ventricular o sangue continua a ser ejetado através o ciclo
dos grandes vasos, mesmo com a pressão no interior dos ventrículos sendo
inferior. Ocorre a inversão do sentido do fluxo sanguíneo (o sangue REGULAÇÃO DO BOMBEAMENTO CARDÍACO
tenderá a voltar para os ventrículos.  Mecanismo de Frank-Starling → regulação intrínseca (regulação interna,
5. Protodiástole: início do relaxamento ventricular e um breve fluxo independente)
retrógrado do sangue dos grandes vasos para os ventrículos. Impede o o Em resposta ao volume de sangue que chega ao coração.
fechamento das valvas semilunares (fim desta fase e início da próxima)  Sistema Nervoso Autônomo → regulação extrínseca:
6. Relaxamento isovolumétrico: inicia com o fechamento das valvas o Controle da frequência e da força de bombeamento;
semilunares (segunda bulha cardíaca). O fechamento das valvas impede o
o SNA Simpático → aumenta frequência (taquicardia), Débito
extravasamento do sangue para os ventrículos, num momento em que a
pressão do ventrículo se encontra muito baixa (diástole ventricular). A Cardíaco, força contrátil, pressão de ejeção e volume bombeado ->
forças diretamente proporcionais.
o SNA Parassimpático → diminui frequência (bradicardia), Débito
Cardíaco, força contrátil, pressão de ejeção e volume bombeado ->
diminuição diretamente proporcional. ----> Leva ao infarto do
miocárdio;
o Pode levar à parada cardíaca momentânea quando em estimulação
muito intensa.
CIRCULAÇÃO EM VERTEBRADOS
Padrões Circulatórios: muito variáveis, principalmente à medida que a vida dos
vertebrados passa de aquática para terrestre (aumentando a complexidade).
CICLÓSTOMOS (AGNATOS)
Além do coração normal, coração porta (coração "normal"):
 Três grupos de corações acessórios: por causa do corpo alongado a
gravidade atua de forma homogênea então o retorno venoso pode ser mais
difícil:
o Coração Cardinal;
o Coração Caudal;
o Coração Branquial

PEIXES ELASMOBRÂNQUIOS
 Sistema fechado com circulação simples.
 Presença de válvulas

PEIXES TELEÓSTEOS
 Sistema fechado com circulação simples. ANFÍBIOS
 Presença de válvulas.
 Coração tricavitário (2 átrios e 1 ventrículo, por isso separação incompleta
PEIXES TELEÓSTEOS PULMONADOS do sangue).
 Circulação dupla: contração em momentos diferentes, “impede” mistura de
 Adaptação para águas pobres em O2 (estiagem), ou quentes. sangue.
 Brânquias atrofiam-se em contato com o ar (adaptação a períodos de  Artéria pulmonar se ramifica levando sangue à pele (respiração cutânea)
estiagem);
 Armazenam O2 na bexiga natatória (assume função de armazenar
"pulmão").
Coração:
 Ventrículo esponjoso = auxilia na “separação” de sangue oxigenado e
desoxigenado.
o Apresenta micro cavidades (como em esponjas) que auxiliam na
"separação" de sangue oxigenado do sangue desoxigenado.
Sangue:
 Sangue oxigenado → arcos posteriores.
 Sangue desoxigenado → arcos anteriores.
Átrio Direito recebe sangue desoxigenado pelo seio venoso, é bombeado para o VASOS SANGUÍNEOS
ventrículo → artéria aorta comum (com pregas respiral que servem para direcionar o
sangue para regiões diferentes do corpo) → artéria pumocutânea direita / esquerda →
pulmão oxigena) → veia pulmonar comum→ átrio esquerdo (volume menor do que no
Átrio Direito) → ventrículo→ artéria comum→ mesmo rumo ou direcionado para
artéria subclávia→ órgãos abdominais→ artéria carótida→ SNC
RÉPTEIS
Não-crocodilianos:
 Coração tricavitário (septo
ventricular incompleto = 2
átrios e 1 ventrículo);
 Circulação dupla = AD
contrai-se antes do AE
(igual em peixes e anfíbios)
- circulação do sangue
reduzida

Crocodilianos:
 Coração tetracavitário (2 Artérias: muito calibrosas e resistentes porque conduzem do coração aos tecidos
átrios e 2 ventrículos
adventícia
totalmente separados);
 Circulação Dupla. média/muscular
íntima/túnica: túnica adventícia rica em tecido conjuntivo (menos elástico
que as artérias)
AVES E MAMÍFEROS
Capacidade elástica muito importante, formada de músculo liso, mas tem
 Coração tetracavitário;
capacidade de se contrair e relaxar que confere elasticidade que faz manutenção da
 Circulação Dupla.
pressão arterial. O sangue precisa ser conduzido com pressão pelos tecidos, para
que as trocas ocorram de maneira efetiva
Subdivide-se em artérias menores (arteríolas e capilares)
 Capilares: vasos compostos por endotélio (pode ou não ter poros) revestido
por uma camada de tecido conjuntivo. Realizam trocas de substância.
Sofrem anastomose até formar as veias;

Aves: curva aórtica para a direita.


 Veias: tão calibrosos quanto as artérias, são resistentes (não elásticas) para coração a cabeça está numa posição superior, portanto o sangue do coração
ir contra a ação da gravidade (não represa o sangue na porção inferior do para a cabeça precisa de maior pressão
corpo).
 válvulas (impedem o retorno sanguíneo) Animais de pescoço longo - Girafa:
 Cabeça levantada = vasoconstrição inferior. Sangue vai para a cabeça.
precisa de mais força, vasoconstrição da carótida conduzindo força para
SISTEMA ARTERIAL cima;
 Cabeça abaixada = vasodilatação inferior. não é necessário conduz o
Tipos: sangue com grande pressão para a cabeça porque a gravidade colabora
 Elásticas: aorta e pulmonar: possuem elastina. Sofrem dilação, fazem com o movimento
movimento ondulatório permitindo a passagem de sangue sem que ocorra
lesão;
 Condutoras: vasoconstrição e vasodilatação: forma de ramificações
da artéria aorta e pulmonar. Capacidade de contrair e relaxar
controlando a pressão arterial. Conduz com pressão ideal para os
tecidos;
 Arteríolas: resistência periférica total e fluxo sanguíneo regional:
menos calibrosa, possuem capacidade de se contrair e relaxar,
controlando a resistência, controla o fluxo sanguíneo nos tecidos
(local, PAREDE DOS ÓRGÃOS)

Humanos
 Deitado: pressão na cabeça, coração e membros são iguais. Condução
homogênea em todo o corpo, pressão igual em todo corpo
 Em pé: pressões diferentes = maior nos membros inferiores. Favorece o
retorno do sangue para o coração -> aorta conduz sangue para baixo
(abdome) por isso não é necessário grande pressão (favor da gravidade).
Pare retornar para o coração é necessária mais força. Em relação ao
Fenestrados: formado por várias células endoteliais que podem ter uma fina
conexão entre si ou serem desconexas (possui poros na camada e a lâmina basal é
contínua), com permeabilidade intermediária
 Glomérulos renais, intestinos e glândulas endócrianas

SISTEMA VENOSO
Retorno de sangue para o coração
 Tônus venomotor: mais forte que artérias;
 Possuem válvulas venosas: válvula abre, o
Descontínuos: apresentam poros na camada endotelial e na lâmina basal
sangue passa e a válvula fecha (impede o
retorno para o segmento anterior). músculo  Mais permeáveis;
relaxa e a válvula fecha;  Fígado, medula óssea, baço, nodos linfáticos e córtex adrenal.
 Bomba muscular esquelética:
 Bomba respiratória: coração próximo aos pulmões
para a oxigenação efetiva. movimento
cardíaco e pulmonar são coordenados;
 Sucção cardíaca: ajuda a levar o sangue de
volta ao coração
CAPILARES E MICROCIRCULAÇÃO
Contínuos: formadas por uma camada endotelial
de célula de músculo liso - não possui poros (por
isso é contínuo):
 Menos permeáveis (mais seletivos);
 Músculos, tecido nervoso (barreira hemato encefálica),
pulmões, tecido conjuntivo e glândulas exócrinas.