Você está na página 1de 28

03

MANUAL
IDENTIFICAÇÃO
DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
ELABORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS MUNICIPAIS
DE ADAPTAÇÃO ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
SUMÁRIO Os objetivos deste manual são os de orientar e
apoiar os municípios a:
Este manual para a ‘Identificação de Opções de
Adaptação’ é parte integrante dos materiais de • Identificar um conjunto inicial de opções de adap-
apoio ao desenvolvimento de ‘Estratégias Municipais tação, que possam responder às principais vulnera-
de Adaptação às Alterações Climáticas’ (EMAAC), in- bilidades e riscos climáticos (atuais e futuros) identi-
serindo-se no âmbito do projeto ClimAdaPT.Local. ficados nos ‘passos 1 e 2’ do ADAM; e,

O processo aqui descrito faz parte do ‘passo 3’ da • Caracterizar as opções identificadas, de forma a

metodologia ADAM – ‘Apoio à Decisão em Adapta- servirem de base de trabalho para os próximos pas-

ção Municipal’ (figura 1) -, adaptada para a realidade sos da metodologia e para o desenvolvimento e fu-

portuguesa a partir do UKCIP Adaptation Wizard e tura implementação da EMAAC.

cujo enquadramento se encontra devidamente des-


De forma a atingir estes objetivos, o manual intro-
crito no ‘Guia Metodológico’ para o desenvolvimento
duz novos conceitos sobre a temática da adaptação
das EMAAC.
(para relembrar conceitos básicos, há que consultar
os manuais anteriormente distribuídos no âmbito do
projeto ClimAdaPT.Local) e apresenta as tarefas e as
0. Preparar
trabalhos atividades necessárias para apoiar a identificação,
caracterização inicial e registo das diferentes opções
1. Iden ficar
5. Integrar, 3
monitorizar e rever vulnerabilidades de adaptação.
atuais

2. Iden ficar
4. Opções
vulnerabilidades
adaptação (avaliar)
futuras

3. Opções
adaptação
(iden ficar)

Figura 1. Esquema conceptual representativo da base meto-


dológica ADAM, utilizada para o desenvolvimento das EMAAC
no âmbito do projeto ClimAdaPT.Local
ClimAdaPT.Local
PARA QUE SERVE ESTE MANUAL?
No final do ‘passo 3’ da metodologia ADAM,
Este manual disponibiliza informação, ferramentas
dever-se-á ter atingido os seguintes resultados:
e recursos que irão ajudar a:

• Refletir e enquadrar os resultados obtidos nos 1. Decidido se o município tem informação su-

passos anteriores do ADAM, numa perspetiva de ficiente para agir;

tomada de decisão sobre como lidar com as princi-


2. Identificado e caracterizado um conjunto (lis-
pais vulnerabilidades e riscos climáticos associados
tagem) de potenciais opções de adaptação;
ao município; e,
3. Identificado os principais setores e agentes
• Identificar e caracterizar genericamente um con-
responsáveis por uma potencial implementa-
junto alargado de potenciais opções de adaptação,
ção dessas mesmas opções; e,
que permitam responder a esses riscos e/ou apro-
veitar oportunidades, para futura inclusão na EMAAC. 4. Identificado algumas das principais lacunas

É importante relembrar que ‘Adaptação’ remete para de conhecimento e assuntos para os quais é

um processo contínuo e que tanto os municípios necessária mais informação, bem como alguns

como outras organizações envolvidas no desenvol- dos passos fundamentais para lidar com estas

vimento e implementação da EMAAC deverão repetir necessidades adicionais.

e revisitar cada ciclo de desenvolvimento estratégico


4
várias vezes ao longo do tempo.

Durante a execução deste passo, é possível continuar


a recolher novas informações sobre o clima observa-
do e/ou projetado, eventos extremos, vulnerabilida-
des e riscos com potencial para afetar o município.
Esta nova informação pode vir a ser enquadrada e
considerada ainda durante o desenvolvimento do
projeto ou, em alternativa, ser registada para inclu-
são durante uma posterior revisão da EMAAC.
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
COMO UTILIZAR ESTE MANUAL? O ‘passo 3’ deverá ser aproveitado para revisitar os
resultados e os conhecimentos adquiridos nas ativi-
Para além de um sumário, dos objetivos gerais e dos
dades anteriores (por exemplo, ambições e objeti-
principais resultados-chave a atingir no ‘passo 3’ da
vos, barreiras, vulnerabilidades e riscos), já que mar-
metodologia ADAM, este manual contém um con-
ca o início de uma nova etapa – a de adaptação - no
junto de secções que devem ser lidas integralmente
processo de desenvolvimento da EMAAC.
antes de se começar a executar as diferentes tarefas,
nomeadamente:

• Secções 1 e 2, onde são resumidos alguns dos prin-


cipais conceitos e definições relacionados com a
adaptação às alterações climáticas, de forma a pro-
videnciar conhecimento de base sobre o tema, de
utilidade para esta etapa e para as seguintes;

• Secção 3, onde são apresentados alguns exemplos


de opções de adaptação, potencialmente relevantes
para seleção pelo município;

• Secção 4, onde são descritas as tarefas necessá-


rias para completar a identificação e caracterização 5

de um conjunto de opções de adaptação relevantes


para a EMAAC. Esta secção inclui a explicação da
abordagem, do processo e das ferramentas de apoio
necessárias para completar o ‘passo 3’, assim como
uma lista de verificação do seu progresso (checklist);

• Secção 5, onde são disponibilizados um conjunto de


recursos úteis (incluindo anexos) para apoio às ati-
vidades, à verificação do seu progresso (checklist) e
ao registo dos principais resultados obtidos;

• Secções 6 e 7, que disponibilizam um glossário com


as principais definições e termos-chave utilizados
ao longo deste documento e dos passos anteriores,
assim como um conjunto de referências utilizadas e
que se consideram úteis para consulta regular.
ClimAdaPT.Local
1. O QUE SIGNIFICA ADAPTAR?
Assim sendo, o desenvolvimento de uma EMAAC re-
quer uma perspetiva e um conhecimento integrado
Em linha com os objetivos deste manual utili-
das características físicas, socioeconómicas e organi-
zaremos a mais recente definição de adapta-
zacionais do município, das suas principais vulnera-
ção utilizada pelo ‘Painel Intergovernamental
para as Alterações Climáticas’ (IPCC, 2014a), bilidades e da sua atual capacidade adaptativa. Estes

o qual define adaptação como: fatores foram explorados ao longo dos ‘passos 0 a 2’
da metodologia ADAM, sendo importante revisitar e
"Processo de ajustamento ao clima atual ou pro-
refletir sobre os mesmos.
jetado e aos seus efeitos. Em sistemas humanos,
a adaptação procura moderar ou evitar danos e/ A adaptação como processo de decisão autárquica
ou explorar oportunidades benéficas. Em alguns em resposta às alterações climáticas é ainda relati-
sistemas naturais, a intervenção humana poderá vamente recente, pelo que será vantajoso conhecer
facilitar ajustamentos ao clima projetado e aos
e compreender um pouco melhor alguns dos princi-
seus efeitos.”
pais conceitos relacionados com esta temática.

De uma forma global, a adaptação às alterações cli-


De notar que outras definições podem ser encontra-
máticas poderá ser descrita como sendo (IPCC, 2007,
das na literatura da especialidade e que mesmo a
6 IPCC, 2014a):
definição utilizada pelo IPCC tem evoluído ao longo
do tempo. • Autónoma (ou espontânea), quando não constitui
uma resposta consciente aos estímulos climáticos
De forma genérica, poder-se-á descrever a adapta-
mas é, por exemplo, desencadeada por mudanças
ção como um processo que promove o ajuste dos
ecológicas em sistemas naturais e por mudanças de
sistemas naturais e/ou humanos, em resposta a es-
mercado ou de bem-estar em sistemas humanos;
tímulos climáticos observados ou projetados.

• Planeada, quando é resultado de uma delibe-


No quadro da intervenção municipal, a adaptação
rada opção política baseada na perceção de que
poderá promover a resiliência dos sistemas natu-
determinadas condições foram modificadas (ou es-
rais, sociais e económicos. Ou seja, pode aumentar
tão prestes a ser) e que existe a necessidade de
a capacidade de lidar com a mudança, de reorgani-
atuar de forma a regressar, manter ou alcançar o es-
zar sistemas e de promover um desenvolvimento
tado desejado.
sustentável e a longo prazo, tendo também em con-
sideração uma política climática ativa. De salientar que ambos os tipos de adaptação referi-
dos podem ser de caráter pró-ativo (como por exem-
Neste contexto, a adaptação às alterações climáti-
plo, sistemas de alerta precoce ou de armazenamen-
cas é igualmente um processo de decisão perante a
to de água) ou reativo (como por exemplo, migração
incerteza e, por isso mesmo, um processo complexo,
ou resposta de emergência a eventos extremos).
exigente e moroso (consultar o ‘Guia Metodológico’
para recordar alguns conceitos de base relaciona-
dos com esta questão-chave).
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
O primeiro tipo é geralmente mais eficaz e menos ser acautelados contra riscos intoleráveis, mesmo
oneroso que o segundo, não deixando, no entanto, através da adoção de ações de adaptação. Estes limi-
de exigir recursos, conhecimento, ferramentas e a tes podem ser: rígidos 'hard', para os quais nenhuma
necessária motivação para avançar com este tipo ação de adaptação evita riscos intoleráveis; ou elás-
de processo (IPCC, 2007). ticos 'soft', para os quais ainda não estão disponíveis
ações de adaptação que evitem estes riscos;
As fronteiras entre estes tipos de adaptação nem
sempre são claras, pelo que um correto planeamento • Capacidade adaptativa, ou seja, a capacidade que
da adaptação deverá permitir o desenvolvimento e sistemas, instituições e seres vivos têm para se ajus-
aproveitamento de ambos os tipos. tarem a potenciais danos, responderem às conse-
quências ou aproveitarem oportunidades existentes.

1.1 FATORES RELEVANTES A adaptação deverá ser enquadrada como um pro-


Os processos de adaptação são geralmente enqua- cesso de melhoria contínua, que permite a incorpo-
drados por um conjunto de fatores relevantes (IPCC, ração do conhecimento gerado pela experiência de
2007, IPCC, 2014a), nomeadamente: esforços de adaptação prévios, incluindo aqueles
levados a cabos por outros.
• Necessidades, ou as circunstâncias que requerem
ações que permitam garantir a segurança de popu- Por outras palavras, e uma vez que os riscos climá-
lações, infraestruturas ou processos face a impactos ticos irão continuar a evoluir ao longo do tempo, a
7
climáticos; viabilidade da adaptação como resposta terá que ser
periodicamente reavaliada e novas estratégias, op-
• Défices adaptativos, ou a diferença entre o atual
ções e medidas terão que ser eventualmente deli-
estado do sistema e um estado que minimizaria
neadas e implementadas (UKCIP, 2007).
os impactos adversos do clima atual e da sua varia-
bilidade;
1.2 OBJETIVOS E PROCESSOS
• Oportunidades, ou fatores que tornam mais fácil
Finalmente, e como em muitos outros processos de
o planeamento e/ou a implementação das ações
decisão, a adaptação pode ser enquadrada de acor-
de adaptação, que permitam expandir opções de
do com os seus objetivos e processos, nomeada-
adaptação ou que providenciem co-benefícios para
mente através de:
outras áreas;
• Estratégias: planeamento estratégico (ou método
• Constrangimentos (ou barreiras), que dificultam o
de planear) que procura alcançar uma ambição parti-
planeamento e/ou a implementação das ações de
cular (geralmente a médio-longo prazo) e que toma
adaptação ou que as restringem;
normalmente a forma de linhas orientadoras que
• Custos, nomeadamente os custos de preparar, faci- definem a visão e os objetivos. Permite desenvolver
litar e implementar opções e medidas de adaptação, uma análise de vulnerabilidades e risco, definir o en-
ClimAdaPT.Local

incluindo os custos de transação; volvimento dos principais agentes, e apoiar ou guiar


a priorização de opções e medidas, tendo em conta
• Limites à adaptação, ou o ponto a partir do qual os
os recursos disponíveis.
objetivos (ou necessidades) do sistema não podem
• Opções: planeamento operacional que procura es-
colher e decidir entre dois ou mais tipos de ações
(ou conjuntos de ações), definindo linhas de atuação
prática; as opções devem ser cuidadosamente anali-
sadas e avaliadas em linha com a estratégia definida
e de acordo com o conhecimento e recursos disponí-
veis para cada realidade.

• Medidas: ação concreta e mensurável, normal-


mente utilizada para alcançar os objetivos delinea-
dos pela estratégia e operacionalizando as opções
selecionadas (no tempo e no espaço); as medidas
devem ser cuidadosamente dimensionadas, defini-
das e executadas de acordo com o conhecimento e
recursos disponíveis.

As EMAAC desenvolvidas pelos municípios partici-


pantes no projeto ClimAdaPT.Local serão exemplos
de estratégias de adaptação. As EMAAC deverão

8 priorizar um conjunto de opções de adaptação que


poderão ser, após aprovação formal, operacionaliza-
das através da implementação de medidas de adap-
tação concretas e monitorizáveis ao longo do tempo.

A adaptação planeada, como é o caso da apoiada


pela utilização da metodologia ADAM no âmbito des-
te projeto, deve promover a operacionalização ‘real’
dos conceitos aqui descritos. Para esse fim, o ‘passo 3’
do ADAM - introduzido pelo presente manual - apre-
senta um conjunto de informações, recursos e ativi-
dades que apoiam a identificação e caracterização de
opções de adaptação planeada.
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
2. PLANEAR A ADAPTAÇÃO:
ABORDAGENS E TIPOLOGIAS DE OPÇÕES
Uma abordagem baseada na adaptação planeada apresentadas pela Comissão Europeia no ‘Livro
pode incluir múltiplos tipos de decisões e opções de Branco’ (CE, 2009) e na ‘Estratégia Europeia para
cariz estrutural, institucional, tecnológico e social. a Adaptação às Alterações Climáticas’ (CE, 2013),
nomeadamente:
As opções de adaptação planeada podem ser
analisadas de variadas formas, por exemplo de • Infraestruturas ‘cinzentas’: correspondem a inter-
acordo com: venções físicas ou de engenharia com o objetivo de
tornar edifícios e outras infraestruturas melhor pre-
• As suas características temporais (por exemplo,
parados para lidar com eventos extremos. Este tipo
tempo de vida das decisões, horizontes temporais
de opções foca-se no impacto direto das alterações
das infraestruturas nomeadamente, pró-atividade
climáticas sobre as infraestruturas (por exemplo,
vs. reatividade);
temperatura, inundações, subida do nível médio do
• O seu propósito e agente da implementação (por mar) e têm normalmente como objetivos o ‘contro-
exemplo, focada em sistemas sociais vs. sistemas lo’ da ameaça (por exemplo, diques, barragens) ou
naturais; de cariz público vs. privado); a prevenção dos seus efeitos (por exemplo, ao nível
da irrigação ou do ar condicionado).
9
• O seu âmbito e escala de implementação (por
exemplo, através da integração em planos e proces- • Infraestruturas ‘verdes’: contribuem para o au-
sos pré-existentes vs. novas medidas; escala muni- mento da resiliência dos ecossistemas e para obje-
cipal, regional, nacional, transnacional). tivos como o de reverter a perda de biodiversidade,
a degradação de ecossistemas e o restabelecimento
dos ciclos da água. Utilizam as funções e os serviços
Opção de adaptação - Alternativas (decisões)
dos ecossistemas para alcançar soluções de adap-
para operacionalizar uma estratégia de adaptação.
tação mais facilmente implementáveis e de melhor
São a base para definir as medidas a implementar
custo-eficácia que as infraestruturas ‘cinzentas’. Po-
e responder às necessidades de adaptação iden-
dem passar, por exemplo, pela utilização do efeito
tificadas. Representam ações ou conjuntos de
de arrefecimento gerado por árvores e outras plan-
ações disponíveis e apropriadas, que permitem
enquadrar possíveis medidas de adaptação e a tas, em áreas densamente habitadas; pela preser-

sua implementação ao longo do tempo. vação da biodiversidade como forma de melhorar a


prevenção contra eventos extremos (por exemplo,
tempestades ou fogos florestais), pragas e espécies
No âmbito do 'passo 3' do ADAM, as opções de adap- invasoras; pela gestão integrada de área húmidas;
tação serão caracterizadas de acordo com o tipo de e, pelo melhoramento da capacidade de infiltração
ações que promovem. e retenção da água.
ClimAdaPT.Local

Para esse fim, serão aplicadas as três categorias • Opções ‘não estruturais’ (ou 'soft'): correspondem
de opções (e medidas) de adaptação planeada, ao desenho e implementação de políticas, estraté-
gias e processos. Podem incluir, por exemplo, a in- • Criação de um quadro institucional favorável (nor-
tegração da adaptação no planeamento territorial mas e regulamentos, legislação, guias de melhores
e urbano, a disseminação de informação, incentivos práticas, sistemas de controlo interno, desenvolvi-
económicos à redução de vulnerabilidades e a sen- mento de políticas, planos e estratégias apropriadas);
sibilização para a adaptação (e contra a má-adapta-
• Criação de estruturas sociais favoráveis (mudanças
ção). Requerem uma cuidadosa gestão dos sistemas
nos sistemas de organização municipal, formação de
humanos subjacentes e podem incluir, entre outros:
recursos humanos especializados, parcerias e pro-
instrumentos económicos (como mercados ambien-
moção da participação pública).
tais), investigação e desenvolvimento (por exemplo,
no domínio das tecnologias), e a criação de quadros
A melhoria da capacidade adaptativa do município
institucionais (regulação e/ou guias) e de estruturas
pode ser uma abordagem chave na eliminação de
sociais (por exemplo, parcerias) apropriadas.
barreiras à adaptação, permitindo muitas vezes uma
melhor compreensão da temática no município, in-
As opções de adaptação planeada identificadas no
cluindo o envolvimento efetivo de decisores, técni-
‘passo 3’ serão ainda divididas de acordo com o seu
cos e populações.
âmbito, nomeadamente as que permitam:

• Melhorar a capacidade adaptativa; e/ou


2.2 DIMINUIR A VULNERABILIDADE E/OU
• Diminuir a vulnerabilidade e/ou aproveitar opor- APROVEITAR OPORTUNIDADES
10 tunidades.
Diminuir a vulnerabilidade e/ou aproveitar oportuni-
Em seguida descrevem-se, em maior detalhe, estes dades implica desenvolver ações concretas que re-
dois tipos de opções de adaptação. duzam a sensibilidade e/ou a exposição do município
ao clima (atual ou projetado) e que permitam aprovei-
2.1 MELHORAR A CAPACIDADE ADAPTATIVA tar oportunidades que surjam (ou possam vir a surgir).

Melhorar a capacidade adaptativa do município in- Este tipo de opções pode variar desde soluções sim-
clui desenvolver a sua capacidade institucional, de ples de baixo custo (‘low-tech’) até infraestruturas
forma a permitir uma resposta integrada e eficaz às de grande envergadura, sendo fundamental consi-
alterações climáticas. Isto pode significar, por exem- derar o motivo, a prioridade e a viabilidade das ações
plo, a compilação da informação necessária e a cria- a implementar.
ção das condições fundamentais (de cariz regulatório,
institucional e de gestão) para levar a cabo ações de Alguns exemplos deste tipo de ações de adaptação
adaptação. incluem:

Alguns exemplos de ações que melhoram a capaci- • Aceitar os impactos e incorporar as perdas re-
dade adaptativa incluem: sultantes dos riscos climáticos, como por exemplo
aceitando que certos sistemas, comportamentos e
• Recolha e partilha de informação (investigação, atividades deixarão de ser sustentáveis num clima
monitorização e divulgação de dados e registos do diferente (ilustrativamente, poder-se-á referir a eva-
município, promoção da sensibilização através de cuação planeada das zonas costeiras ameaçadas de-
iniciativas de educação e formação); vido à subida do nível médio do mar);
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
• Compensar os danos através da partilha (ou dis- Naturalmente, cada município utilizará na sua
tribuição) dos riscos e perdas (por exemplo, por via EMAAC uma combinação diferente de vários tipos
de seguros); de opções de adaptação, em linha com o seu perfil
de atitude (aversão) perante o risco e com os seus
• Evitar ou diminuir a exposição aos riscos climáticos
valores, estruturas internas, capacidades, realida-
(por exemplo, através da construção de novas de-
des físicas e socioeconómicas.
fesas contra inundações e outros eventos extremos,
relocalizando comunidades e atividades associadas Na prática, uma divisão em várias tipologias de op-
ou alterando-as); ções nem sempre é de fácil distinção, pelo que não
deverá ser considerada de forma restritiva, mas an-
• Explorar novas oportunidades (como sejam mudar
tes como um guia de apoio à identificação e descri-
de atividade ou, mesmo, alterar práticas e/ou produ-
ção das opções de adaptação.
tos de forma a tirar proveito de alterações nas con-
dições climáticas).
As tipologias apresentadas nesta secção não são
mutuamente exclusivas, ou seja, poderão ser utiliza-
Frequentemente, muitas ações que diminuem a
das para descrever a mesma opção (ver tarefa 3.1 do
vulnerabilidade reforçam igualmente a capacidade
ADAM para mais informação).
adaptativa, pelo que a distinção não é simples.
No entanto, a divisão nestas duas grandes tipologias
de opções pode ajudar no processo de identificação
11
e seleção das opções de adaptação.

2.3 APLICAÇÃO NAS EMAAC

Na prática, a adaptação municipal consistirá na intro-


dução de uma combinação de opções (e respetivas
medidas) e numa sequência ou trajetória ao longo do
tempo de acordo com a evolução dos riscos perce-
cionados. Uma combinação adequada deverá sempre
tentar explorar e otimizar também as oportunidades.

Particular atenção deverá ser dada a decisões e in-


vestimentos de muito longo prazo ou custo elevado
(por exemplo, no caso das grandes infraestruturas,
edifícios, planos urbanísticos, plantações florestais,
entre outros). Este tipo de investimentos, devido às
suas características dificilmente reversíveis, deverão
tentar incorporar critérios como flexibilidade e resi-
ClimAdaPT.Local

liência, de forma a melhor lidar com potenciais alte-


rações climáticas.
3. EXEMPLOS ÚTEIS
(Nota prévia: as traduções portuguesas utilizadas para A tabela 1 apresenta uma lista (não exaustiva) de
os exemplos apresentados nesta secção são complexas exemplos genéricos de opções de adaptação, que po-
e de carácter bastante técnico, podendo ser encontra- derá ajudar no processo de identificação das opções
das diferentes designações na literatura de referência).
mais apropriadas para lidar com os objetivos e necessi-
dades do município.

Tabela 1. Exemplos (genéricos) de opções de adaptação e sua caracterização (fonte: UKCIP 2013)

OPÇÃO DE ADAPTAÇÃO CARACTERÍSTICAS

Adoção de políticas e processos Pró-ativa.


de avaliação de projetos Municípios que adotem processos baseados na avaliação de risco terão maior
baseados no risco flexibilidade e estarão melhor preparados para lidar com riscos climáticos

Pró-ativa.
Quando utilizada para melhorar o conhecimento sobre determinada situação,
Adiamento e ‘ganhar tempo’
uma estratégia de adiamento pode ajudar a tomar uma decisão mais acertada,
por exemplo quando combinada com investigação ou monitorização

Pró-ativa ou estratégica.
Investigação Utilizar a investigação para melhor compreender potenciais riscos
12 climáticos e/ou a eficácia das medidas de adaptação

Pró-ativa.
Monitorização da performance do sistema
(por exemplo, ao nível da resposta do município)
Monitorização
Reativa.
Monitorização dos impactos climáticos
(por exemplo, em termos dos danos no município)

Informação, educação Pró-ativa ou reativa.


e consciencialização Poderá ser utilizada para melhorar a perceção da necessidade de adaptar

Planeamento estratégico para lidar com eventos de baixa


Planeamento de contingência
probabilidade, mas de elevada consequência
Diversificação ou redução
Resposta pró-ativa numa vertente técnica ou política
de perdas (‘bet-hedging’)
Pró-ativa.
Seguros
Por exemplo, ao nível da fiscalidade

Proteção e gestão Medidas técnicas (pró-ativas ou reativas)

Pró-ativa ou reativa.
Alteração de usos
Inclui o planeamento de respostas, com ou sem aplicação de medidas técnicas

Pró-ativa ou reativa.
Recuo e abandono
Inclui o planeamento de respostas, com ou sem aplicação de medidas técnicas

Margens e limites de segurança, Pró-ativa ou reativa.


medidas ´tampão’ ('buffers') Inclui respostas técnicas ou regulatórias
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
3.1 MINIMIZAR OS RISCOS DE • Arrependimento baixo ou limitado (‘low-regret’ ou
IMPLEMENTAÇÃO ‘limited-regret’): opções (ou medidas) para as quais
os custos associados são relativamente pequenos e
No que diz respeito à adaptação é prudente reconhe-
os benefícios podem vir a ser relativamente grandes,
cer que, apesar destes exemplos úteis (ver anexo I
caso os cenários (incertos) de alterações climáticas
para outras fontes de informação) e da existência
se venham a concretizar. Estas opções (tal como as
de múltiplas combinações de opções de adaptação
anteriores) têm o mérito de serem direcionadas para
potencialmente viáveis e eficazes em lidar com
a maximização do retorno do investimento, mesmo
determinados riscos ou vulnerabilidades, não exis-
quando o grau de certeza associado às alterações cli-
te uma resposta universal (ou fundamentalmente
máticas projetadas é baixo.
‘correta’) para os problemas associados às altera-
ções climáticas. • Sempre vantajosas (‘win-win’): opções (ou medi-
das) que, para além de servirem como resposta às
No entanto, são normalmente reconhecidos como de alterações climáticas, podem também vir a contribuir
grande utilidade, opções (e medidas) de adaptação para outros benefícios sociais, ambientais e económi-
que ofereçam resultados através da minimização cos. No contexto deste projeto, estas opções podem
dos riscos associados à sua implementação, ou por estar, por exemplo, associadas a medidas que para
outras palavras, através de melhores rácios custo- além da adaptação respondem a objetivos relacio-
-eficácia face às significativas incertezas associadas nados com a mitigação, sociais ou ambientais. Estas
às projeções climáticas (UKCIP, 2007). opções e medidas podem ainda incluir aquelas que
13
são introduzidas por razões não relacionadas com a
Este tipo de opções (e medidas) de adaptação são
resposta aos riscos climáticos, mas que acabam por
geralmente apresentadas como sendo:
contribuir para o nível de adaptação desejado.
• Sem arrependimento (‘no-regret’): opções (ou
• Gestão flexível ou adaptativa (‘flexible/adaptive
medidas) suscetíveis de gerar benefícios socioeco-
management’): opções (ou medidas) que implicam
nómicos que excedem os seus custos, independen-
uma estratégia incremental (ou progressiva) deixan-
temente da dimensão das alterações climáticas que
do espaço para medidas de cariz mais transformati-
se venham a verificar. Este tipo de medidas inclui
vo, ao invés de planear a adaptação como uma ação
as que se justifiquem (custo-eficácia) para o clima
única e de grande-escala. Esta abordagem diminui
atual (incluindo variabilidade e extremos) e cuja im-
os riscos associados ao erro (má-adaptação), uma
plementação seja consistente como resposta aos
vez que introduz opções e medidas que fazem sen-
riscos associados às alterações climáticas projeta-
tido no presente, mas que são desde logo desenha-
das. Adicionalmente, este tipo de opções/medidas
das por forma a permitir alterações incrementais ou
é particularmente apropriado para decisões relativas
transformativas (incluindo a alteração da estratégia)
ao médio prazo, já que são de implementação mais
à medida que o conhecimento, a experiência e as
provável (benefícios óbvios e imediatos) e poderão
tecnologias evoluem. Adiar a introdução de opções
gerar uma aprendizagem relevante para novas aná-
(ou medidas) específicas pode ser enquadrada nes-
lises, nas quais outras opções e medidas poderão ser
ClimAdaPT.Local

ta abordagem, desde que essa decisão seja acom-


consideradas. De notar que mesmo opções deste
panhada por um compromisso claro de continuar a
tipo terão sempre um custo, por menor que este seja.
desenvolver a capacidade adaptativa do município,
por exemplo através da monitorização e avaliação
contínua dos riscos. Este tipo de decisões está mui-
tas vezes associado a riscos climáticos que ainda se
encontram dentro dos limiares críticos ou do nível de
risco aceitável para o município, ou quando a capa-
cidade adaptativa ainda é insuficiente para permitir
uma ação concreta (como o são, por vezes, as cir-
cunstâncias institucionais ou de regulação).

A tabela 2 apresenta, de forma resumida, algumas


opções de adaptação que minimizam o seu risco de
implementação e que podem ser consideradas como
interessantes exemplos de cada tipologia.

Esta tabela não pretende ser exaustiva mas apenas


apresentar alguns exemplos que sirvam de inspira-
ção para a identificação de um conjunto de opções
relevantes. Adicionalmente, o anexo I apresenta um
leque alargado de fontes de informação e exemplos
que podem ser úteis na identificação, caracteriza-
14
ção e seleção de opções e no desenvolvimento da
EMAAC.

Convém recordar que as opções identificadas como


relevantes durante o desenvolvimento da EMAAC
deverão ser caracterizadas e detalhadas (temporal
e espacialmente), durante a fase de implementação
da estratégia. Por outras palavras, as opções identi-
ficadas e caraterizadas durante o passo 3 do ADAM
deverão ser posteriormente dimensionadas, de for-
ma a aumentar o seu pormenor até ao nível de me-
didas concretas, passíveis de serem implementadas
pelo município.

Assim sendo, dever-se-á revisitar e refletir sobre os


resultados dos passos anteriores do ADAM, tendo
em atenção os passos seguintes onde estas opções
serão avaliadas e priorizadas e onde poderão vir
a ser integradas, por exemplo, em instrumentos de
planeamento e gestão territorial ou em outras estra-
tégias e planos municipais similares.
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
Tabela 2. Exemplos de opções de adaptação que utilizam uma abordagem associada à minimização dos riscos de implementação (custo-
-eficazes) (fonte: UKCIP 2013, UKCIP 2007)

TIPOLOGIAS DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO QUE MINIMIZAM RISCOS DE IMPLEMENTAÇÃO

Arrependimento Gestão flexível


Sem arrependimento Sempre vantajosas
baixo ou limitado ou adaptativa

Dimensionar margens
e limites de segurança, Gestão de cheias que inclua a
Adiar implementação
em novos investimentos criação ou restabelecimento de
Elaborar uma EMAAC que de medidas específicas en-
(por exemplo ventilação e zonas que aumentem a capaci-
preveja monitorização quanto se explora
drenagem) que permitam dade de retenção e, ao mesmo
e revisão de objetivos e a modificação
modificações consistentes tempo, apoiem objetivos
riscos de planos, 'standards'
com as alterações projetadas de conservação de habitats e
ou regulamentos
(por exemplo temperatura e biodiversidade
precipitação)

Introduzir o recuo
progressivo nas zonas
Evitar edificar em Modificar o planeamento de
Restringir o tipo e costeiras mais vulneráveis
zonas de alto risco contingência e a gestão de
a dimensão da edificação em e planeamento, criação
(por exemplo planícies de riscos de forma a incluir riscos
zonas de alto risco ou restabelecimento de áreas
cheia e falésias instáveis) climáticos
de inundação consistentes
com os riscos projetados

Investimento progressivo em 15
atividade turísticas consisten-
Melhorar a capacidade de
tes com as
Promover a criação arrefecimento dos edifícios
Diminuir perdas no trans- alterações projetadas
e preservação de espaço através de mecanismos de
porte e abastecimento de (por exemplo aproveitamen-
que suporte a biodiversidade sombreamento ou de sistemas
água to de atividades
(urbana e rural) de arrefecimento com menor
turísticas durante todo
consumo energético
o ano ou em épocas
diferentes das atuais)

Partilhar o desenvolvimento
Telhados e paredes ‘verdes’
e operação
com múltiplos benefícios em
de infraestruturas
Planeamento urbano que termos de controlo térmi-
de armazenamento
minimize efeitos co, controlo de escorrências, -
de água (por exemplo
de ‘ilha de calor’ aumento das áreas verdes, ali-
reservatórios multifunções
mento e redução de consumos
para abastecimento
energéticos
e combate a incêndios)

Reduzir danos por


inundação, utilizando
materiais resistentes
à água (por exemplo chão, - - -
paredes) e colocando
material sensível a cotas
ClimAdaPT.Local

mais elevadas

Desenhar equipamentos
recreativos para
- - -
funcionamento durante
todo o ano
4. IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
• Utilizar os resultados do ‘passo 2’ na identificação
ADAM de opções de adaptação apropriadas para responder
‘Apoio à Decisão em Adaptação Municipal’ aos riscos e oportunidades que os cenários de altera-
ções climáticas representam para o município.
PASSO 3. IDENTIFICAR E CARACTERIZAR
O ‘passo 3’ consiste numa única tarefa:
OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
Adaptar significa agir também de forma a manter TAREFA 3.1 - IDENTIFICAR E CARACTERIZAR
os riscos associados às alterações climáticas dentro POTENCIAIS OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
de limites considerados como aceitáveis pelo mu-
O objetivo desta tarefa é o de identificar, registar
nicípio, assim como permitir um correto aproveita-
e caracterizar um alargado conjunto de opções de
mento de oportunidades que se proporcionem.
adaptação que permitam responder às principais
necessidades, objetivos, vulnerabilidades e riscos
O ‘passo 3’ do ADAM irá apoiar os decisores e técni-
climáticos (atuais e futuros), com base no trabalho
cos autárquicos a:
efetuado para o município nos ‘passos 0, 1 e 2’ da
• Identificar um conjunto alargado de potenciais op-
metodologia ADAM.
ções de adaptação:
16 Os exemplos apresentados neste manual poderão
• Caraterizar e descrever as opções selecionadas;
servir de ilustração para, em conjunto com a equipa
• Lançar as bases para o desenvolvimento de um do projeto, elaborar-se uma primeira abordagem sis-
programa de monitorização e avaliação dos resul- temática às opções de adaptação para o município.
tados da EMAAC, após a sua implementação.
Estima-se que o tempo mínimo necessário para
Neste passo será importante: completar este passo seja de aproximadamente

• Revisitar as reflexões e observações registadas no quatro semanas. Sugere-se que este passo seja
iniciado assim que o ‘passo 2’ esteja completo.
‘passo 0’. Desta forma será possível enquadrar me-
lhor as motivações e os objetivos iniciais do municí- As datas-chave a reter para a entrega dos resul-
pio em relação à adaptação, as potenciais barreiras à tados do ‘passo 3’ (ver tabela 3.1) são:
sua implementação, os atores-chave que é necessá- Lisboa e Vale do Tejo e Ilhas: 05 de junho
rio envolver para as ultrapassar e os setores de maior de 2015

relevância que não deverão ser esquecidos durante Sul: 12 de junho de 2015
Norte: 19 de junho de 2015
esta fase de desenvolvimento da EMAAC;
Centro: 26 de junho de 2015
• Utilizar os resultados do ‘passo 1’ na identificação de
É fundamental uma leitura atenta deste ma-
opções de adaptação apropriadas, tendo em conta
nual antes de iniciar o preenchimento da ta-
o conhecimento já adquirido sobre como o município bela 3.1, uma vez que tal facilitará a com-
é afetado pelo clima atual, as suas principais vulne- preensão do processo e ajudará na análise
rabilidades e capacidade de resposta; e, a realizar posteriormente.
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
O anexo I apresenta um conjunto alargado de fontes diferentes processos relacionados com a adaptação.
de informação e exemplos, que podem ser uteis na Dever-se-á utilizar os dados resultantes dos ‘passos 0
identificação e caracterização de opções de adapta- a 2’ do ADAM, bem como as grelhas de identificação
ção (passo 3 do ADAM). dos atores.

A tabela 3.1 é composta por nove colunas que deve- • Coluna 8: corresponde à identificação dos principais
rão ser todas preenchidas: ‘tipos de eventos climáticos’ e ‘impactos/consequên-
cias’ (atuais e futuros) de maior importância no âm-
• Colunas 1-2: destinam-se a identificar (n.º e de-
bito da EMAAC, para os quais a opção é relevante
signação) as potenciais opções de adaptação que
como ‘resposta’ de adaptação. Dever-se-à utilizar os
permitam responder aos impactos identificados ou
dados resultantes dos ‘passos 1 e 2’ do ADAM e das
aproveitar oportunidades por eles geradas. Há que
tabelas 2.2 e 2.3.
identificar um conjunto o mais alargado possível
de opções e considerar opções que possam ser im- • Coluna 9: destina-se ao registo de qualquer nota ou
plementadas tanto individualmente pelo município, observação pertinente para a caracterização da opção
como em parceria com outros agentes ou escalas de (tal como incertezas, complexidades técnicas e finan-
governação. ceiras, exemplos utilizados e endereços eletrónicos
relevantes). Aqui, há que tentar identificar e registar
• Colunas 3-4: visam caracterizar cada opção de acor-
as lacunas na informação disponível e/ou o trabalho
do com a sua tipologia de ação (isto é, infraestrutu-
adicional necessário para melhor caracterizar a opção
17
ras cinzentas, verdes ou não-estruturais) e com o seu
(e futuras medidas dentro dessa opção). Por exemplo,
âmbito (ou seja, melhorar a capacidade adaptativa ou
uma opção já utilizada noutro país poderá parecer
diminuir vulnerabilidades/aproveitar oportunidades).
interessante, mas a sua aplicabilidade em Portugal
Estas categorias não são mutuamente exclusivas (cada
poderá estar dependente de legislação nacional
opção deverá ser descrita em ambos os campos).
específica.
• Colunas 5-6: servem para descrição dos principais
De forma a apoiar o preenchimento da tabela 3.1,
‘objetivos’ a que a opção responde e das ‘potenciais
o anexo I deste manual disponibiliza várias fontes
barreiras’ que se esperam, por exemplo, aquando
de informação que podem servir como exemplo para
da sua implementação através de medidas concre-
refletir sobre potenciais opções de adaptação.
tas. Neste ponto, dever-se-ão utilizar os dados re-
sultantes dos ‘passos 0 a 2’ do ADAM e respetivos Neste contexto, haverá que analisar e considerar se
relatórios. experiências de outros países ou organizações po-
derão vir a ser aplicadas para os eventos e impactos
• Coluna 7: tem como finalidade a identificação dos
identificados no município. A consulta desta infor-
principais ‘sectores’ e ‘atores-chave’ que deverão ser
mação permitirá refletir sobre experiências similares
considerados no desenho e implementação da op-
em outros países, municípios, organizações ou co-
ção (e potenciais medidas) de adaptação. Os atores-
munidades que enfrentam riscos climáticos similares
ClimAdaPT.Local

-chave podem fazer parte da estrutura municipal ou


('benchmarking') e, desta forma, avaliar se as opções
serem externos à mesma, nomeadamente personali-
de adaptação poderão ser transferidas para o con-
dades ou entidades que participem ou influenciem os
texto específico do próprio município.
Neste momento do trabalho há que pensar de for-
que, para além do presente manual, será entre-
ma criativa, de modo a não limitar as opções. Nes-
gue nessa sessão um ‘Manual para a Avaliação de
ta fase, não existem ‘respostas erradas’; todas as
Vulnerabilidades Climáticas Futuras’.
opções e medidas serão posteriormente avaliadas
e selecionadas. O correto preenchimento da tabela 3.1 servirá
de base para a avaliação e seleção das opções
de adaptação que será realizada no ‘passo 4’ do
Poder-se-á, por exemplo, consultar colegas e ADAM.
outros departamentos/divisões dentro do muni-
cípio (ver resultados ‘passo 0’) ou outras entida-
Após esta formação, cada município continuará a
des de relacionamento territorial ('stakeholders'),
contar com o apoio técnico-científico permanen-
de modo a incluir nesta ‘longa lista’ um leque o
te de uma equipa transdisciplinar ligada ao projeto
mais alargado possível de ideias.
ClimAdaPT.Local.
A tarefa 3.1 iniciar-se-á após a sessão formativa
#2 (consultar tabela 2 do ‘Guia Metodológico’)
que decorre em paralelo com a formação inicial LISTA DE VERIFICAÇÃO
sobre ‘Vulnerabilidades climáticas futuras’ (‘pas-
Como conclusão do ‘passo 3’, recorrer-se-á à seguin-
so 2’).
te lista de verificação ('checklist'), de modo a garantir
Esta sessão formativa irá providenciar uma in-
o devido cumprimento das tarefas que constituem
18 trodução geral à temática das vulnerabilidades
este passo (tabela 3).
climáticas futuras e adaptação e servirá ainda
para apresentar o processo necessário para com- Nesta lista encontram-se, entre outras informações,
pletar os ‘passos 2 e 3’ da metodologia ADAM. datas-chave importantes e indicações sobre os re-

Apesar de sequenciais, estes passos deverão ser cursos disponibilizados para a realização das diferen-
realizados de forma interativa e integrada, pelo tes tarefas.

Tabela 3. Lista de verificação com sistematização de tarefas, recursos e tempo para o ‘passo 3’ da metodologia ADAM

TAREFAS E ATIVIDADES A DESENVOLVER RECURSOS DATAS (✓/X)

Tarefa 3.1 - Identificar e registar uma lista de potenciais opções de adaptação

LVT e Ilhas 23-24/3/2015


Workshop regional: formação
Atividade 3.1a Sul 30-31/3/2015
sobre vulnerabilidades climáti-
(Formação) Norte 8-9/4/2015
cas futuras e adaptação.
Centro 13-14/4/2015

Atividade 3.1b LVT e Ilhas 5/6/2015


(Preenchimento da tabela 3.1. para Sul 12/6/2015
Anexo II deste manual.
identificação de opções Norte 19/6/2015
de adaptação) Centro 26/6/2015
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
5. ANEXOS.
O presente manual inclui recursos de apoio dispo-
nibilizados para a realização do ‘passo 3’, os quais
fazem parte integrante do mesmo, nomeadamente:

• Anexo I: Fontes de informação relevantes


Será disponibilizado, através da plataforma do pro-
jeto, um conjunto alargado de exemplos úteis sobre
opções de adaptação encontrados na literatura da
especialidade.

• Anexo II: Tabela 3.1. - Identificação de opções de


adaptação
Será disponibilizada em suporte digital (formato Ex-
cel), para registo e caracterização das opções iden-
tificadas.

19

ClimAdaPT.Local
6. GLOSSÁRIO
Adaptação - processo de ajustamento ao clima atual ser uma opção, enquanto se investigam outras me-
ou projetado e aos seus efeitos. Em sistemas huma- didas mais robustas e de longo prazo (UKCIP, 2013).
nos, a adaptação procura moderar ou evitar danos
e/ou explorar oportunidades benéficas. Em alguns Capacidade de adaptação (ou adaptativa) - a capa-
sistemas naturais, a intervenção humana poderá fa- cidade que sistemas, instituições, seres humanos e
cilitar ajustamentos ao clima projetado e aos seus outros organismos têm para se ajustar a potenciais
efeitos. (IPCC, 2014a). danos, tirando partido de oportunidades ou respon-
dendo às consequências (IPCC, 2014a).
Alterações climáticas - qualquer mudança no clima
ao longo do tempo, devida à variabilidade natural ou Cenário climático - simulação numérica do clima no
como resultado de atividades humanas. Este concei- futuro, baseada em modelos de circulação geral da
to difere do que é utilizado na ‘Convenção Quadro atmosfera e na representação do sistema climático
das Nações Unidas para as Alterações Climáticas’ e dos seus subsistemas. Estes modelos são usados
(UNFCCC), no âmbito da qual se define as “alterações na investigação das consequências potenciais das
climáticas” como sendo "uma mudança no clima que alterações climáticas de origem antropogénica e
seja atribuída direta ou indiretamente a atividades como informação de entrada em modelos de impac-
humanas que alterem a composição global da at- to (IPCC, 2012).
20
mosfera e que seja adicional à variabilidade climática
natural observada durante períodos de tempo com- Comunidade - conjunto de pessoas, cuja coesão
paráveis" (AVELAR and LOURENÇO, 2010). passa pela partilha de uma cultura e/ou memória
comum. Podem ou não estar ligadas a um território
Anomalia climática - diferença no valor de uma va- geográfico específico. Une-as relações de proximi-
riável climática num dado período relativamente ao dade, valores sociais, sentimentos de pertença, inte-
período de referência. Por exemplo, considerando a resses e atividades quotidianas (por exemplo, comu-
temperatura média observada entre 1961/1990 (pe- nidade de pescadores, comunidade de moradores).
ríodo de referência), uma anomalia de +2ºC para um
período futuro significa que a temperatura média será Dias de chuva - segundo a Organização Meteoroló-
mais elevada em 2ºC que no período de referência. gica Mundial são dias com precipitação igual ou su-
perior a 1mm num período de 24 horas.
Atitude perante o risco - consiste no nível de risco
que uma entidade está preparada para aceitar. Este Dias muito quentes - segundo a Organização Meteo-
nível terá reflexo na estratégia de adaptação da mes- rológica Mundial, são dias com temperatura máxima
ma entidade, ajudando a avaliar as diferentes opções superior ou igual a 35ºC.
disponíveis. Se o município tiver um elevado grau de
aversão ao risco, a identificação e implementação de Dias de geada - segundo a Organização Meteoroló-
soluções rápidas que irão diminuir a vulnerabilidade gica Mundial, são dias com temperatura mínima in-
de curto prazo associada aos riscos climáticos poderá ferior ou igual a 0ºC.
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
Dias de verão - segundo a Organização Meteoroló- Impacto potencial - resulta da combinação da expo-
gica Mundial, são dias com temperatura máxima su- sição com a sensibilidade. Por exemplo, uma situação
perior ou igual a 25ºC. de precipitação intensa (exposição) combinada com
vertentes declivosas, terras sem vegetação e pouco
Exposição - de todos os componentes que contri- compactas (sensibilidade), irá resultar em erosão dos
buem para a vulnerabilidade, a exposição é o único solos (impacto potencial) (FRITZSCHE [et al.], 2014).
diretamente ligado aos parâmetros climáticos, ou
seja, à magnitude do evento, às suas características Limiar crítico - limite físico, temporal ou regulatório, a
e à variabilidade existente nas diferentes ocorrên- partir do qual um sistema sofre mudanças rápidas ou
cias. Tipicamente os fatores de exposição incluem repentinas e que, uma vez ultrapassado esse limiar,
temperatura, precipitação, evapotranspiração e ba- causa consequências inaceitáveis ou gera novas opor-
lanço hidrológico, bem como os eventos extremos tunidades para o território do município; ponto ou ní-
associados, nomeadamente chuva intensa/torren- vel a partir do qual emergem novas propriedades em
cial e secas meteorológicas (FRITZSCHE [et al.], 2014). sistemas ecológicos, económicos ou de outro tipo, que
tornam inválidas as previsões baseadas em relações
Extremos climáticos - a ocorrência de valores su- matemáticas aplicáveis a esses sistemas (IPCC, 2007).
periores (ou inferiores) a um limiar próximo do valor
máximo (ou mínimo) observado (IPCC, 2012). Má-adaptação (‘maladaptation’) - ações de adaptação
que podem levar a um aumento do risco e/ou da vul-
21
Frequência - consiste no número de ocorrências de nerabilidade às alterações climáticas, ou seja, à dimi-
um determinado evento por unidade de tempo (ver nuição do bem-estar, agora ou no futuro (IPCC, 2014a).
probabilidade de ocorrência).
Medidas de adaptação - ações concretas de ajusta-
Forçamento radiativo - balanço (positivo ou negati- mento ao clima atual ou futuro que resultam do con-
vo) do fluxo de energia radiativa (irradiância) na tro- junto de estratégias e opções de adaptação, consi-
popausa, devido a uma modificação numa variável deradas apropriadas para responder às necessidades
interna ou externa ao sistema climático, tal como a específicas do sistema. Estas ações são de âmbito
variação da concentração de dióxido de carbono na alargado podendo ser categorizadas como estruturais,
troposfera ou da radiância solar. Mede-se com W/m2 institucionais ou sociais (adaptado de IPCC, 2014b).
(adaptado de IPCC, 2013).
Mitigação (das alterações climáticas) - intervenção
Grupo social - grupo constituído por um conjunto de humana através de estratégias, opções ou medidas
pessoas estatisticamente definido por um critério para reduzir a fonte ou aumentar os sumidouros
formal de pertença segundo fatores múltiplos como de gases com efeitos de estufa, responsáveis pe-
a idade, género, tipo de formação. Definem-se por las alterações climáticas (adaptado de IPCC, 2014a).
características socioculturais, sociodemográficas ou Exemplos de medidas de mitigação consistem na uti-
ClimAdaPT.Local

socioeconómicas (por exemplo, idosos, jovens, do- lização de fontes de energias renováveis, processos
mésticas, minorias étnicas não localizadas, grupos de diminuição de resíduos, utilização de transportes
profissionais). coletivos, entre outras.
Modelo climático - representação numérica (com di- ano de uma década, sendo exemplo para Portugal a
ferentes níveis de complexidade) do sistema climá- normal climatológica de 1961/1990.
tico da terra baseado nas propriedades, interações
e respostas das suas componentes físicas, químicas Onda de calor - considera-se que ocorre uma onda
e biológicas, tendo em conta todas ou algumas das de calor quando, num intervalo de pelo menos seis
suas propriedades conhecidas. O sistema climático dias consecutivos, a temperatura máxima diária é
pode ser representado por modelos com diferentes superior em 5ºC ao valor médio diário no período de
níveis de complexidade para qualquer um desses referência (média dos últimos 30 anos).
componentes ou a sua combinação, podendo dife-
rir em vários aspetos como o número de dimensões Opções de adaptação - alternativas/decisões para
espaciais, a extensão de processos físicos, químicos operacionalizar uma estratégia de adaptação. São a
ou biológicos que são explicitamente representados base para definir as medidas a implementar e res-
ou o nível de parametrizações empíricas envolvidas. ponder às necessidades de adaptação identificadas.
Os modelos disponíveis atualmente com maior fia- Consistem na escolha entre duas ou mais possibili-
bilidade para representarem o sistema climático são dades, sendo a proteção de uma área vulnerável ou
os modelos gerais/globais de circulação atmosfera- a retirada da população um exemplo (adaptado de
-oceano (Atmosphere-Ocean Global Climate Models SMIT and WANDEL, 2006).
- AOGCM). Estes, são aplicados como ferramentas
para estudar e simular o clima e disponibilizam re- Probabilidade de ocorrência - normalmente é defini-
22
presentações do sistema climático e respetivas pro- da por períodos de retorno e expressa em intervalos
jeções mensais, sazonais e interanuais (IPCC, 2012). de tempo. A probabilidade de ocorrência, ou o perío-
do de retorno, refere-se ao número médio de anos
Modelo Climático Regional (RCM) - modelos com entre a ocorrência de dois eventos sucessivos com
uma resolução maior que os modelos climáticos glo- uma magnitude idêntica (ANDRADE [et al.], 2006).
bais (GCM), embora baseados nestes. Os modelos
climáticos globais contêm informações climáticas Projeção climática - projeção da resposta do siste-
numa grelha com resoluções entre os 300 km e os ma climático a cenários de emissões ou concentra-
100 km, enquanto os modelos regionais usam uma ções de gases com efeito de estufa e aerossóis ou
maior resolução espacial, variando a dimensão da cenários de forçamento radiativo, frequentemente
grelha entre os 11 km e os 50 km (UKCIP, 2013). obtida através da simulação em modelos climáticos.
As projeções climáticas dependem dos cenários de
Noites tropicais - segundo a Organização Meteoro- emissões/concentrações/forçamento radiativo utili-
lógica Mundial, são noites com temperatura mínima zados, que são baseados em assunções relacionadas
superior ou igual a 20ºC. com comportamentos socioeconómicos e tecnoló-
gicos no futuro. Estas assunções poderão, ou não,
Normal climatológica - designa o valor médio de vir a acontecer estando sujeitas a um grau substan-
uma variável climática, tendo em atenção os valores cial de incerteza (IPCC, 2012). Não é possível fazer
observados num determinado local durante um pe- previsões do clima futuro, pois não se consegue atri-
ríodo de 30 anos. Este período tem início no primeiro buir probabilidades aos cenários climáticos obtidos
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
por meio de diferentes cenários de emissões de ga- como sensíveis se contribuírem diretamente para os
ses com efeito de estufa. impactos climáticos (FRITZSCHE [et al.], 2014).

Resiliência - a capacidade de sistemas sociais, econó- ‘Tempo de vida’ - o ‘tempo de vida’ (ou horizonte
micos ou ambientais em para lidar com perturbações, temporal) da decisão em adaptação pode ser defini-
eventos ou tendências nocivas, respondendo ou reor- do como a soma do tempo de implementação (‘lead
ganizando-se de forma a preservar as suas funções time’), ou seja, o tempo que decorre desde que uma
essenciais, a sua estrutura e a sua identidade, en- opção ou medida é equacionada até que é executada,
quanto também mantêm a sua capacidade de adap- com o tempo da consequência (‘consequence time’),
tação, aprendizagem e transformação (IPCC, 2014a). isto é, o tempo ao longo do qual as consequências
da decisão se fazem sentir (SMITH [et al.], 2011). No
Risco climático - definido como a probabilidade de contexto das alterações climáticas, os conceitos rela-
ocorrência de consequências ou perdas danosas tivos ao tempo remetem muitas vezes para os hori-
(morte, ferimentos, bens, meios de produção, in- zontes temporais relativos à ocorrência de impactos.
terrupções nas atividades económicas ou impactos De forma mais ou menos informal, estes prazos são
ambientais), que resultam da interação entre o clima, normalmente referidos como sendo ‘curtos’ (a 25
os perigos induzidos pelo homem e as condições de anos), ‘médios’ (a 50 anos) ou ‘longos’ (a 100 anos)
vulnerabilidade dos sistemas (adaptado de ISO 31010, e poderão, ou não, ser diferentes do ‘tempo de vida’
2009, UNISDR, 2011). das decisões tomadas.
23

Sensibilidade / Suscetibilidade - determina o grau Vulnerabilidade - consiste na propensão ou pre-


a partir do qual o sistema é afetado (benéfica ou disposição que determinado elemento ou conjunto
adversamente) por uma determinada exposição ao de elementos têm para serem impactados negati-
clima. A sensibilidade ou suscetibilidade está tipica- vamente. A vulnerabilidade agrega uma variedade
mente condicionada pelas condições naturais e fí- de conceitos, incluindo exposição, sensibilidade e a
sicas do sistema (por exemplo, a sua topografia, a capacidade de adaptação (adaptado de IPCC, 2014b).
capacidade dos solos para resistir à erosão ou o seu
tipo de ocupação) e pelas atividades humanas que
afetam as condições naturais e físicas do sistema
(por exemplo, práticas agrícolas, gestão de recur-
sos hídricos, utilização de outros recursos e pressões
relacionadas com as formas de povoamento e po-
pulação). Uma vez que muitos sistemas foram mo-
dificados tendo em vista a sua adaptação ao clima
atual (por exemplo, barragens, diques e sistemas de
irrigação), a avaliação da sensibilidade inclui igual-
ClimAdaPT.Local

mente a vertente relacionada com a capacidade de


adaptação atual. Os fatores sociais, como a densida-
de populacional, deverão ser apenas considerados
7. REFERÊNCIAS
Andrade, César; Pires, Henrique Oliveira; Silva, Pedro; Panel on Climate Change First Joint Session of
Taborda, Rui; Freitas, Maria da Conceição - Zo- Working Groups I and II, 2012.
nas Costeiras. Em (SANTOS, F. D. & MIRANDA,
P.) Alterações Climáticas em Portugal Cenários, IPCC - Climate Change 2013: The Physical Science Ba-
Impactos e Medidas de Adaptação, Projecto sis. Contribution of Working Group I to the Fifth
SIAM II. Lisboa: Gradiva, 2006. 4i. 989-616- Assessment Report of the Intergovernmental
081-3. Panel on Climate Change Cambridge University
Press, 2013 (disponível em http://www.clima-
Avelar, David; Lourenço, Tiago Capela - PECAC - Sec- techange2013.org/images/uploads/WGIAR5_
tor Adaptação. Relatório Final do Plano Estra- WGI-12Doc2b_FinalDraft_All.pdf).
tégico de Cascais face às Alterações Climáticas,
Câmara Municipal de Cascais. . Lisboa: Funda- IPCC - Climate Change 2014: Impacts, Adaptation,
ção da Faculdade de Ciências da Universidade and Vulnerability. Part B: Regional Aspects.
de Lisboa., 2010. Contribution of Working Group II to the Fifth
Assessment Report of the Intergovernmental
EC - White Paper on Adapting to climate change: Panel on Climate Change. Cambridge, United
Towards a European framework for action. Kingdom and New York, NY, USA: 2014a.
24
SEC(2009) 387. Brussels, Belgium: 2009.
IPCC - Summary for policymakers. United Kingdom
EC - An EU Strategy on adaptation to climate change. and New York: Cambridge University Press,
COM(2013) 216 final. Brussels, Belgium: 2013. 2014b.

Fritzsche, Kerstin; Schneiderbauer, Stefan; Bubeck, Smit, Barry; Wandel, Johanna - Adaptation, adaptive
Philip; Kienberger, Stefan; Buth, Mareike; Ze- capacity and vulnerability. Global Environmen-
bisch, Marc; Kahlenborn, Walter - The Vulnera- tal Change. Vol. 16. n.º 3 (2006). pp. 282-292.
bility Sourcebook - Concept and guidelines for 0959-3780.
standardised vulnerability assessments. Ger-
many: adelphi, EURAC - Institute for Applied Smith, Mark Stafford; Horrocks, Lisa; Harvey, Alex; Ha-
Remote Sensing, Department of Geoinforma- milton, Clive - Rethinking adaptation for a 4°C
tics – Z_GIS, University of Salzburg, 2014. world. 2011 (disponível em http://rsta.royalso-
cietypublishing.org/roypta/369/1934/196.full.
IPCC - Climate Change 2007: Impacts, Adaptation and pdf).
Vulnerability. Intergovernmental Panel on Cli-
mate Change, 2007. 978-0-521-70597-4. UKCIP - Identifying Adaptation Options. Oxford, UK:
UK Climate Impacts Programme 2007.
IPCC - Managing the Risks of Extreme Events and Di-
sasters to Advance Climate Change Adaptation UKCIP - The UKCIP Adaptation Wizard v 4.0. Oxford,
- Special Report of the Intergovernmental UK: UK Climate Impacts Programme, 2013.
MANUAL PARA IDENTIFICAÇÃO DE OPÇÕES DE ADAPTAÇÃO
FICHA TÉCNICA
Como citar este manual:
Capela Lourenço, T., Dias, L. et al. (2016). ClimAdaPT.Local – Manual Identificação de Opções de Adaptação,
Lisboa, ISBN: 978-989-99697-0-4.

Projeto ClimAdaPT.Local
Autores: Tiago Capela Lourenço, Luís Dias, Vanja Karadzic, Tomás Calheiros, Susana Marreiros, Sílvia
Carvalho. CE3C/CCIAM - Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL)
Contributos e revisão: João Dinis (C.M. Cascais); Catarina Freitas, Patrícia Silva, Nuno Lopes (C.M. Almada);
Adriana Alves, Alexandra Baixinho, João Guerra, João Mourato, Luísa Schmidt, João Ferrão (ICS-UL);
João Tiago Carapau, Marta Lourenço (WE CONSULTANTS); Filipe Duarte Santos, João Silva, Gil Penha-Lopes
(CE3C/CCIAM – FCUL)
Coordenador do projeto: Filipe Duarte Santos (CE3C/CCIAM - FCUL)
Coordenador executivo: Gil Penha-Lopes (CE3C/CCIAM - FCUL)

ISBN: 978-989-99697-0-4
Lisboa, junho de 2016

25

ClimAdaPT.Local
Através dos fundos EEA Grants e Norway Grants, a Islândia, Liechtenstein e Noruega contribuem para reduzir
as disparidades sociais e económicas e reforçar as relações bilaterais com os países beneficiários na Europa.
Os três países doadores cooperam estreitamente com a União Europeia através do Acordo sobre o Espaço
Económico Europeu (EEE).

Para o período 2009-14, as subvenções do EEA Grants e do Norway Grants totalizam o valor de 1,79 mil milhões
de euros. A Noruega contribui com cerca de 97% do financiamento total. Estas subvenções estão disponíveis
para organizações não governamentais, centros de investigação e universidades, e setores público e privado
nos 12 Estados-membros integrados mais recentemente na União Europeia, Grécia, Portugal e Espanha. Há uma
ampla cooperação com entidades dos países doadores, e as atividades podem ser implementadas até 2016.

As principais áreas de apoio são a proteção do ambiente e alterações climáticas, investigação e bolsas de estudo,
sociedade civil, a saúde e as crianças, a igualdade de género, a justiça e o património cultural.

O projeto ClimAdaPT.Local está integrado no Programa AdaPT, gerido pela Agência Portuguesa do Ambiente,
IP (APA), enquanto gestora do Fundo Português de Carbono (FPC), no valor total de 1,5 milhões de euros, cofi-
nanciado a 85% pelo EEA Grants e a 15% pelo FPC. O projeto beneficia de um apoio de 1,270 milhões de euros da
Islândia, Liechtenstein e Noruega através do programa EEAGrants, e de 224 mil euros através do FPC. O objetivo
do projeto ClimAdaPT.Local é desenvolver estratégias municipais de adaptação às alterações climáticas.
26