Você está na página 1de 20

AJUDA

Custos no Comércio

APRESENTAÇÃO

Este aplicativo desenvolvido totalmente em MS. EXCEL foi baseado


em metodologia desenvolvida pelo SEBRAE –SP, fruto de um trabalho de autoria
de Luiz Alberto Fernandes Lobrigatti, consultor de finanças do U.O.O.E. do Sebrae
SP, disponível em:
http://www.sebraesp.com.br/principal/Abrindo%20seu%20negócio/produtos%20se
brae/saiba%20mais/default.aspx
Recomendamos a leitura do trabalho, fazendo uma ressalva quanto a
uma observação que consta na página 11
Esse percentual encontrado indica quanto deverá ser considerado no Preço de Venda
da Mercadoria para ajudar a pagar as Despesas Fixas. Porém, por questões de
concorrência de preços, pode ser que se tenha que aplicar 13% em algumas
mercadorias e 17% em outras.
É a estratégia da empresa no momento em que determina por quanto cada
mercadoria será vendida. Sobre formação do Preço de Venda sugerimos, se
necessário, que você procure o SEBRAE mais próximo para mais orientações.
porque não podemos concordar que por razões de concorrência se
mascare o custo real de um produto. Se o preço de venda está fora do mercado,
mexa-se sim, na margem e ponto final. Vamos imaginar um mix de apenas 20
produtos, se adotássemos a recomendação como poderíamos calcular os
percentuais de margem de contribuição de cada produto? Como saberíamos quais
os produtos com maior margem de contribuição real? Quando sabemos o custo
real de um produto e também a margem de lucro que está sendo atribuída, temos
como saber qual o seu percentual de margem de contribuição e então sim,
podemos decidir se podemos definir outro preço mexendo na margem.
Definitivamente este critério não pode ser levado em consideração.
De resto, o trabalho é bom.
No aplicativo de demonstração disponibilizado no sítio
http://www.ivansantos.com.br estamos usando todos os exemplos mencionados
no aludido trabalho, desde o custo de entrada de mercadorias até depreciação
como forma de facilitar o entendimento tanto do aplicativo quanto do trabalho.
Daqui para a frente resta à você o trabalho, agora extremamente
facilitado por um aplicativo que automatiza os procedimentos, tornando possível
conhecer custos sem a tradicional canseira.
Mãos à obra!
2

1 – PRESSUPOSTOS

A implementação de um sistema de custos eficiente implica na adoção


de algumas posturas básicas que decorrem da necessidade incontestável de
encarar a FUNÇÃO CUSTO COMO PERMANENTE E NÃO ESPORÁDICA dentro
da empresa.
Daí a necessidade de haver uma perfeita integração entre Custo e
Contabilidade.
Isto não significa que a pequena empresa tenha que dispor de um
contador em seu quadro funcional, o sistema pode ser facilmente implantado,
mesmo utilizando os serviços de Escritórios de Contabilidade.
Internamente a pequena empresa tem que criar um sistema de
informações que possa fornecer os dados necessários para análise de custos e
formação do preço de venda. Podendo ser incluído no pacote do aplicativo
“CUSTOS NO COMÉRCIO” desenvolvido em MS. EXCEL, também um banco de
dados “CONTROLE ESSENCIAL DE DESPESAS” desenvolvido em MS.
ACCESS, que permite ao pequeno empresário, utilizando o mesmo plano de
contas da contabilidade, monitorar os controles contábeis e extra-contábeis.

2 – O Aplicativo

O aplicativo é constituído de 10 planilhas abaixo nominadas e de um


arquivo de ajuda no formato .pdf que exige para poder ser lido ter instalado no
computador o Acrobat Reader, com links disponibilizados no sítio para download
gratuito:
1. Preço SIMPLES
2. Preço ICM
3. Faturamento
4. Custos Fixos
5. CEM (custo de entrada de mercadorias)
6. Depreciação
7. LPSIMPLES
8. LPICM
9. Analisar Ponto de Equilíbrio
10. Sobre
11. Este arquivo de ajuda que você abriu.
Vamos explicitar o funcionamento de cada uma das planilhas na ordem
em que devem ser acessadas para ativar o aplicativo.
3

2.1 Atualizar Depreciação (Planilha depreciação)

A depreciação faz parte das despesas fixas, é preciso pensar nos


investimentos realizados na aquisição de equipamentos, móveis, veículos,
computadores, instalações do prédio e vitrines etc. Coisas que a empresa não fica
comprando todos os meses e que na verdade usa por vários anos.
Do valor total desses investimentos, já pagos ou ainda a serem pagos,
também é necessário apurar o valor mensal, que será considerado como
depreciação, face ao desgaste pelo uso. O valor da Depreciação mensal deve ser
somado com o total das Despesas Fixas para ser aplicado ao custo total das
mercadorias. Mas por que isso é preciso? Para ter nos preços de vendas um valor
que possibilite a reposição desse investimento quando já estiver sem condições
de uso.
Uma forma de encontrar o valor da depreciação é levar em
consideração três informações, que veremos a seguir. As três informações
necessárias para saber a Depreciação são:
• Valor de Aquisição do Bem - é o valor efetivamente pago por ele.
• Valor Residual - é o valor que alguém está disposto a pagar (no caso
de ser vendido mesmo estando usado).
• Tempo de Vida Útil do Bem - é o tempo estimado, em meses, de
duração do bem.
Tendo essas três informações o valor da depreciação pode ser
encontrado pela conta:
(Valor do Bem - Valor Residual) ÷ Tempo de Vida útil em meses.
• primeiro subtraia do Valor do Bem o Valor residual, depois divida o
resultado encontrado pelo tempo de vida útil em meses e obtenha o valor da
depreciação.
Exemplo:
Valor de Compra de um veículo novo = R$ 16.000,00
Tempo de Vida Útil = 60 meses (5 anos)
Valor de Mercado para esse mesmo Veículo quando com 5 anos de uso
= R$ 5.000,00
Valor da Depreciação Mensal = (16.000,00 - R$ 5.000,00) ÷ 60 meses
Valor da Depreciação Mensal = R$ 11.000,00 ÷ 60 meses
Valor da Depreciação Mensal = R$ 183,33
Esse é o valor que as vendas tem que ajudar a fazer sobrar no caixa da
empresa para que seja possível trocar o veículo ao final dos 60 meses. Portanto,
deve ser somado ao total das despesas fixas mensais para ser aplicado aos
custos.
Observação: É muito comum pequenos empresários desprezarem a
questão da depreciação sob a alegação que as máquinas e equipamentos que
estão utilizando já foram adquiridos usados, ou que tudo é muito antigo.
Desprezando a questão contábil, queremos lembrar que por mais usado
ou antigo o equipamento, se está em uso e produzindo, resta algum valor, por
isso, mesmo que legalmente já não seja possível utilizar os benefícios da
depreciação, internamente deve ser considerada, pois se houver a necessidade
4

de substituição mesmo por outra máquina ou equipamento usado, com certeza vai
haver desembolso, portanto, é mais do que salutar provisionar recursos.

Entre com o percentual


Este é o valor da
que corresponda ao Entre com o número de depreciação mensal que
presumível valor do anos em que o bem deverá ser lançado
bem ao final do período presumivelmente terá mensamente no seu
de utilização que ser substituído controle de custos fixos.

2.2 Atualizar Custos Fixos (Planilha CustosFixos)


Para conhecermos todas as despesas que representam custos,
devemos primeiramente obter da contabilidade um “demonstrativo das contas de
resultado” da empresa, que deveria ser fornecido mensalmente, haja vista tratar-
se de excelente instrumento gerencial, que entre outras coisas possibilita
mensalmente a “análise vertical de demonstração de resultados” e/ou
demonstrativos extracontábeis gerados internamente.
De posse do(s) documento(s) devemos separar os custos diretos dos
custos indiretos e identificar também os custos variáveis. Os custos indiretos
constituem na realidade os custos fixos.
Observação: Algumas despesas que constituem custo, quando
ocorrem em apenas uma ou duas vezes dentro de um exercício devem ser
diluídas dentro de todo o ano. Não observar este critério, pode desvirtuar o
custo real. Identifique estas contas, normalmente se referem a seguros,
assinaturas de revistas e jornais, associações de classe, ipva, impressos,
contribuição sindical etc. e divida o seu valor por 12 alocando mensalmente
1/12 avos. As contas dessas características devem ser excluídas dos controles
mensais das despesas fixas para que a sua incidência não seja duplicada
5

Custos Fixos: são todos os gastos que acontecem independentemente


de ocorrer ou não vendas na empresa. São valores gastos com o funcionamento
da empresa, ou seja, a estrutura montada para comprar, fabricar, estocar e prestar
serviços.
Os gastos mais comuns neste caso são:
• aluguel;
• IPTU;
• salários fixos;
• encargos sobre salários (férias, 13º salário, FGTS, INSS - parte do em
pregador, rescisões contratuais e outros que sua empresa tenha);
• contas de telefone, água, gás e energia elétrica;
• contador (inclusive 13º, se estiver acertado assim);
• material de escritório (notas fiscais, impressos etc.);
• embalagens;
• manutenções: do prédio, de vitrines, de equipamentos e veículos etc.;
• propaganda (ainda que feita só de vez em quando);
• consumo de combustível e pedágios;
• despesas bancárias;
• serviços de apoio e proteção ao crédito;
• Associação Comercial e sindicatos;
• treinamento dos funcionários e do empresário etc.
MUITO IMPORTANTE: Queremos chamar a atenção para despesas
que muitas vezes ocorrem e que na verdade não são custos. Digamos que o
seu estabelecimento foi invadido pelas águas de uma enxurrada, os
prejuízos decorrentes podem ser considerados como custo? Veja bem! Este
tipo de despesa não pode ser imputado aos custos, trata-se de um caso
fortuito. Fique atento!
No tocante à remuneração do dono da empresa, pró-labore, é
necessário que fique claro que é uma despesa que deve ser considerada como
fixa, e ter seu valor definido em função da possibilidade da empresa pagar, e não
em função das necessidades pessoais do dono. É preciso estabelecer esse valor
e respeitá-lo no caixa.
Tenha muito cuidado com essa questão do pró-labore em sua empresa!
Com tantos tipos de gastos que são considerados como despesas fixas
(e olha que os valores desses gastos a cada mês podem ser diferentes - a conta
do telefone, água,de energia etc.), é necessário que se apure o montante mensal
desses gastos, incluindo os gastos do famigerado caixa 2.
O aplicativo permite que você registre mensalmente estas despesas,
permitindo o seu controle e o conhecimento dos seus valores, proporcionando o
seu domínio quanto a:
• apurar quanto esses gastos representam mensalmente;
• definir quanto será preciso vender ao menos para pagar as despesas
fixas. Ponto de equilíbrio (break even point);
• Equalizar os valores totais de despesas fixas em função do
faturamento;
• saber exatamente quanto o volume total vendido no mês apresentou
de resultado e se isso foi lucro ou prejuízo;
6

• considerar no preço de venda, juntamente com os custos das


mercadorias, um percentual de lucro que contribua para pagar as despesas fixas e
gerar um resultado positivo.

Preliminarmente esclarecemos que todas as células em cor cinza são


editáveis, ou seja, podem ter os seus valores alterados livremente. Todas as
demais estão protegidas e portanto não podem ser modificadas. Todas as células
que apresentam um pequeno triângulo vermelho no canto superior direito tem um
comentário que é aconselhável ler.

1
2

5 6

1 ENCARGOS: Os encargos incidentes sobre a folha de pagamento as


vezes podem ter alguns itens que passam desapercebidos, porém existem. Por
esta razão, sugerimos os itens seguintes e seus percentuais, não os reputando
como definitivos, recomendamos pois a sua discussão com a contabilidade,
haja vista que pode haver variação para maior dependendo do caso. Encontramos
casos na indústria têxtil, onde existem sindicatos extremamente atuantes, que o
percentual de encargos incidentes sobre os salários atingiu 102%.

TABELA DE ENCARGOS Normal Simples


Previdência Social 23,40% 8,00%
Seguro de Acidente de Trabalho (SAT) 2,50% 0,00%
7

Fundo de Garantia por tempo de Serviço 8,00% 8,00%


Provisão de Férias 9,01% 9,01%
Provisão Adicional 1/3 de férias 3,00% 3,00%
Provisão 13º Salário 8,33% 8,33%
Licença médica (com atestado) 3,00% 3,00%
Previdência Social sobre férias 2,33% 2,33%
Fundo de Garantia sobre 13º Salário 0,67% 0,67%
Aviso Prévio (2 anos) 4,16% 4,16%
Indenização do Fundo de Garantia 3,20% 3,20%
Faltas abonadas 2,40% 2,40%
TOTAL 70,00% 52,10%

Sugerimos considerar como custos indiretos e portanto fixos as


despesas tais como abaixo:

Assistência médica
Vale transporte
Vale alimentação
Seguro de vida em grupo
Plano de Saúde
Refeição industrial
Auxílio moradia etc.

2 Após conversar com o seu contador, averiguando quais as despesas e


respectivos percentuais que correspondem ao seu enquadramento preencha os
campos em cinza com os títulos e os respectivos percentuais.

3 Digite a opção de enquadramento, (1) para o Simples (2( para ICMS.

4 Entre com os valores líquidos do pró labore e dos salários do mês


anterior.

5 Entre com o valor da depreciação mensal correspondente ao mês


anterior.

6 Entre com o valor das despesas que serão diluídas em todo o exercício,
1/12 avos.

7 Depois de nomear os campos com o nome das contas do seu plano de


contas entre com o valor correspondente do mês anterior.

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: O sistema funciona baseado nos totais


anuais das despesas fixas e faturamento e na média das despesas fixas e dos
faturamentos anteriores. Por isso você sempre estará calculando preços de venda
com base nos seus históricos. Assim, exemplificando, quando estiver calculando
preços em Junho a última informação que deve ter sido atualizada é a do mês de
8

Maio. O mesmo princípio vale para a atualização do faturamento. Estas


informações devem ser atualizadas no último dia de cada mês ou no
primeiro dia do mês subseqüente, juntamente com a atualização do
faturamento.
9

2.3 Atualizar Faturamento (Planilha Faturamento)


Preliminarmente esclarecemos que todas as células em cor cinza são
editáveis, ou seja, podem ter os seus valores alterados livremente. Todas as
demais estão protegidas e, portanto, não podem ser modificadas.

1 DEPENDÊNCIA/SEÇÃO: Todos os títulos podem ser substituídos, eles


estão parcialmente preenchidos para chamar a sua atenção para algo muito
importante para o sucesso do seu negócio, a estratégia.
Pense no seguinte, se no seu ramo for possível segmentar os produtos,
significa que você pode praticar margens diferenciadas de acordo com a
conjuntura do mercado e os seus interesses, melhorando as vendas e o lucro. Isto
é ótimo não é mesmo? Vamos continuar a pensar! Como este aplicativo foi
estruturado a partir de um cadastro de produtos, (clique em Atualizar Entrada de
Mercadorias e analise a estrutura da planilha “CEM”) se você de forma organizada
cadastrar os produtos em seqüências de segmento, estes mesmos produtos
estarão na mesma seqüência nas planilhas de cálculo do preço de venda(clique
“Calcular preços SIMPLES e Calcular Preços ICM”), haja vista que a propagação
do cadastro é automática, permitindo que você visualize e manipule as margens
de acordo com a sua estratégia. Já pensou como fica mais fácil encarar a
concorrência ou decidir uma promoção?

2
10

2 Nestas colunas registra-se simplesmente o faturamento, o global se


você não tiver controle sobre segmentos de produtos ou os valores segmentados
segundo a sua metodologia ou a metodologia do mercado.

2.4 Atualizar Entrada de mercadorias


Esta é a única planilha desprotegida do aplicativo, como as demais, as
células em amarelo não podem ser alteradas sob pena de danificá-la e
comprometer o funcionamento de todo o sistema. Ela esta desprotegida para dar
acesso ao uso de um filtro que permite, por ordem alfabética, localizar qualquer
produto cadastrado, imagine só, este aplicativo permite o cadastramento de 500
produtos, contudo, o EXCEL dispõe de 65.536 linhas, o que permite uma enorme
expansão, ficaria complicado fazer atualizações.

Esta planilha alimenta automaticamente as planilhas de cálculo do


preço de venda para empresas enquadradas no SIMPLES e no ICMS. Quando
você descreve um produto insere a quantidade, o preço de entrada e as demais
despesas como será visto, nas respectivas planilhas de cálculo automaticamente
são inseridos a descrição e o custo unitário final de acordo com o enquadramento.

1 Neste campo descreva os produtos, entretanto, nada impede que você


achando importante segmentá-los, proceda como o exemplo abaixo:
11

Para uma revenda de veículos multimarcas que trabalha com


automóveis e utilitários:

Nas planilhas de cálculo de preços ficará de acordo com a imagem à


seguir.
12

2 Neste campo informe a quantidade da mercadoria descrita. Preste


bastante atenção ao inserir este valor, ele está atrelado ao valor unitário que
por sua vez vai determinar o preço de venda. Explico melhor: Se você é um
atacadista que recebe massa de tomate em caixa e vende somente em caixa o
seu valor unitário será caixa e o seu preço de venda também, portanto as
quantidades vão se referir ao número de caixas. No entanto se você recebe em
caixa, mas faz vendas fracionadas, o valor unitário deverá ser a unidade do
produto, ou seja uma lata de massa de tomate, ou seja, multiplique o número de
caixas pela quantidade de cada caixa. Nas planilhas de cálculo o valor unitário
estará sendo calculado com as informações que você inserir aqui.

3 O valor unitário como explicado acima deve se referir à unidade que


está sendo utilizada.

4 Se a mercadoria que está sendo cadastrada for taxada pelo IPI, nesta
coluna registre o seu valor, ele será acrescido ao custo da mercadoria. Queremos
salientar que este imposto tem várias alíquotas, dependendo do produto, em
alguns casos é absurdamente alta, impactando severamente o custo.
13

5 Se a sua empresa estiver enquadrada como contribuinte do ICMS,


neste campo insira o valor da alíquota do seu Estado (consulte seu contador)
OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Quando a empresa está enquadrada
como contribuinte do ICMS o valor do ICMS pago na compra da mercadoria
deve ser deduzido do valor da mercadoria, é o que se chama de
aproveitamento do crédito de ICMS. Esta planilha fará isto para você.
Nota: As alíquotas de ICMS podem ser diferentes em função do
tipo de mercadoria ou do Estado em que são compradas.

6 Se a compra tiver sido feita em um Estado que tenha alíquota de ICMS


inferior ao seu Estado, insira neste campo a diferença, ela será acrescida ao seu
custo.Consulte novamente o seu contador pois a forma de pagamento da
diferença do ICMS quando a empresa é optante pelo SIMPLES e compra
mercadorias de outros Estados, cuja alíquota do ICMS é menor que a alíquota do
ICMS do seu Estado, pode apresentar peculiaridades próprias.

7 Neste campo insira o valor percentual do frete que você obtém dividindo
o valor do frete pelo valor da compra e multiplicando por 100.
EX: ((valor do frete = 42,00 / valor da compra = 870,00) X 100) = 4,83%
O valor resultante da aplicação deste percentual sobre o valor da
mercadoria será acrescido ao custo.

8 Insira neste campo o valor percentual do ICMS incidente sobre o frete

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: Quando a empresa está enquadrada


como contribuinte do ICMS o valor do ICMS pago no frete deve ser deduzido
do valor da mercadoria a exemplo do ICMS sobre a compra, aproveitando o
crédito de ICMS, como explicitado no item 3 acima.

9 Todos os campos em amarelo contêm fórmulas, alterando ou


modificando-as o funcionamento da planilha ficará prejudicado.
14

2.5 Calcular Preços SIMPLES (Planilha PrecoSIMPLES)

Esta planilha e a planilha Calcular Preços ICM, são exatamente iguais,


você vai usar uma ou outra de acordo com a opção exercida na planilha “Custos
Fixos” onde você digitou a opção e inseriu as despesas de comercialização
inerentes à sua opção. Estas planilhas estão intimamente ligadas à planilha que
analisa o ponto de equilíbrio, por isso ao explicarmos o funcionamento desta
faremos muitas referências ao ponto de equilíbrio.
Como você já está acostumado, os únicos campos editáveis são os
campos em cinza, os demais são produto de cálculo.

1 Este campo assume automaticamente as descrições de produtos e


eventuais divisões e subdivisões de produtos que foram inseridas na planilha de
custo de entrada de mercadorias

2 Neste campo o sistema insere automática e exclusivamente o custo


unitário do respectivo enquadramento. Desta forma, se você estiver enquadrado
como contribuinte do ICMS e tiver lançado na planilha CEM o aproveitamento do
ICMS o reflexo deste lançamento somente aparecerá na Planilha que calcula os
preços deste enquadramento.
15

3 Estas células em ambas as planilhas calculam o valor do rateio de


custos fixos que incidem sobre o valor de entrada do produto. Este cálculo está
relacionado com os valores que foram informados nas planilhas: CEM; Custos
Fixos e Faturamento. Como o método baseia-se no preço de venda final, é um
cálculo de cima para baixo, por esta razão quando a margem de lucro é atribuída
o valor do rateio se altera para maior apanhando a margem de contribuição do
produto. Vale dizer que quanto maior a margem de lucro maior será a participação
do produto no rateio dos custos fixos. É sobre este princípio que se baseia o
cálculo do Ponto de equilíbrio.

4 Quando na planilha Custos Fixos você informou os percentuais de


despesas de comercialização a que está sujeito o seu negócio, automaticamente
esta planilha e a planilha Preço ICM passam igualmente a calcular as despesas de
comercialização de cima para baixo. Valendo também dizer que quanto maior a
margem de lucro maior será o valor destas despesas, que juntamente com os
valores rateados de custos fixos passam a compor o custo do produto.

5 Este campo calcula o lucro líquido de uma unidade de produto de


acordo com a margem atribuída. Desta forma se por questões estratégicas você
resolver trabalhar com margem ZERO em algum produto este campo ficará ZERO
e no campo “Preço de venda” aparecerá simplesmente o custo final do produto,
então, você realmente não estaria ganhando nada, mas, também não estaria
perdendo. O percentual de margem de contribuição do produto também seria
ZERO em nada contribuindo para baixar o ponto de equilíbrio.

6 Este campo mostra qual o percentual bruto que está sendo aplicado DE
CIMA PARA BAIXO sobre o produto.

7 Aqui está o coroamento de todo o esforço, o conhecimento do PREÇO


DE VENDA, com lucro, sem lucro ou com prejuízo, quando no campo (8) você
ajustar a margem para chegar ao preço de mercado. Na pior hipótese, se ao
ajustar a sua margem o seu preço de venda ficar abaixo do seu custo na coluna
(5) ”Resultado líquido”, aparecerá o prejuízo entre parênteses e em vermelho.

8 Nesta coluna você vai fazer a atribuição da margem de lucro que você
acha conveniente. LEMBRE-SE PORÉM QUE O PREÇO É DITADO PELO
MERCADO. O ajuste da margem ao preço de mercado é um exercício de tentativa
e erro, ou seja, você atribui o percentual e observa o resultado, se não ficou bom
vá tentando com outros percentuais.

9 Se você tem o salutar hábito de estar sempre de olho na concorrência,


utilize esta coluna para registrar os preços que o mercado está praticando, você
terá uma grande vantagem procedendo desta forma.
10 A coluna compara o preço de mercado, se ele foi registrado, com o
preço que está sendo praticado. Se o preço praticado estiver acima o campo
16

aparecerá em vermelho indicando a diferença, permitindo que você analise e tome


decisões. Se o preço que estiver sendo praticado for menor que o preço de
mercado vai aparecer a diferença com um número entre parênteses, isto significa
que há espaço para melhorar a margem praticada.
Isto será mais útil ainda quando você entrar com as informações do
Faturamento e dos Custos fixos do mês seguinte. Se o seu faturamento caiu mas
as despesas fixas permaneceram no mesmo patamar, significa uma elevação de
custos, conseqüentemente, com as margens de lucro ajustadas nos patamares do
mês anterior os seus preços automaticamente serão elevados. Cabe então uma
criteriosa avaliação de acordo com a sua estratégia. Tudo acontece da mesma
forma se o seu faturamento se mantiver no mesmo nível, mas as suas despesas
fixas se elevarem. Em ambas as hipóteses o seu Ponto de equilíbrio será afetado,
haja vista que ele sempre é calculado sobre os montantes anuais do faturamento
e das despesas fixas, então, as últimas informações adicionadas ao sistema vão
alterar para mais ou para menos a relação entre os dois. Se o seu faturamento
caiu o ponto de equilíbrio será calculado sobre uma nova relação como já
mencionado entre o faturamento e as despesas, modificando o percentual total
das margens de contribuição, uma vez que todo o método baseia-se em
informações já conhecidas.

11 Quando você concluir que os seus preços estão ajustados de acordo


com a estratégia e conveniência, este botão permite a geração de uma lista de
preços simples que poderá ser visualizada e impressa com o acionamento de um
dos botões “Visualizar Preços” do menu principal.
17

2.6 Visualizar Lista Preços SIMPLES(Planilha LPSIMPLES)

Esta planilha assim como a planilha LPICM acessível no botão


“Visualizar Lista Preços ICMS” é gerada pelo sistema quando se está operando
em qualquer uma das planilhas de cálculo do preço e é acionado o botão “Gerar
Lista de Preços”. Antes da impressão, chamamos a atenção para a data que
recomenda-se seja preenchida, pois há atividades onde ela será gerada quase
que diariamente (um atacado de hortifrutigranjeiros por exemplo).
Se você organizou a planilha CEM com alguma espécie de
segmentação, o campo “Dependência/seção” passa a ser muito importante, pois
você poderá imprimir listas individualizadas exclusivas para determinados setores
utilizando a propriedade de imprimir por seleção, utilizando esta opção você
sempre terá uma primeira página com o cabeçalho e outras com o segundo trecho
selecionado. Avalie as vantagens em termos estratégicos.
18

2.7 Analisar Ponto de Equilíbrio(Planilha P.Equilíbrio)

O PONTO DE EQUILÍBRIO, demonstra qual o mínimo de faturamento


que deve ser obtido para não ter nem lucro nem prejuízo. Portanto, determina o
volume de vendas necessário para cobrir o total dos custos fixos e variáveis, antes
de obter o lucro líquido.
O PONTO DE EQUILÍBRIO está intimamente ligado à margem de
contribuição unitária (diferença entre o preço de venda unitário e os custos
variáveis unitários). Considerando que a estrutura da empresa é basicamente
indicada pelos custos fixos, temos que tudo que conseguirmos de receita
descontados os custos variáveis será utilizado para manter esta estrutura da
empresa. Sendo assim, temos:
Margem de Contribuição = Receita Total (-) Custos Variáveis Totais.
Em qualquer bem ou serviço que é vendido com o objetivo de lucro, não
importa o segmento, indústria, comércio, ou prestação de serviço, sempre estão
presentes três componentes: CUSTOS FIXOS + CUSTOS VARIÁVEIS + LUCRO.
Quando do total de faturamento subtraímos os custos variáveis, resta o
lucro bruto. Quando o seu valor é igual aos custos fixos dizemos que este é o
PONTO DE EQUILÍBRIO, somente a partir deste valor a empresa começa a ter
lucro.
Como já explicado, este aplicativo parte de informações reais
conhecidas, o faturamento anual e os custos fixos anuais que vão resultar no
percentual de rateio que é atribuído a cada produto. Como o cálculo parte do
preço de venda, portanto de cima para baixo, sempre que o faturamento sofra
uma redução ou haja um aumento das despesas fixas, vai significar um aumento
de custos e conseqüentemente, mantidas as mesmas margens de lucro, os preços
são automaticamente majorados. Como quem dita o preço é o mercado a
conseqüência lógica é que você tente manter os preços apesar da elevação dos
custos. Então nas planilhas de cálculo do preço você vai reduzir as margens para
se manter no mercado o que vai resultar numa redução do percentual unitário e
total da margem de contribuição, o seu ponto de equilíbrio vai se elevar, a
recíproca também é verdadeira.
Queremos então enfatizar que o PONTO DE EQUILÍBRIO sempre
estará considerando a soma dos desempenhos anteriores em custos e
faturamento, ou seja, anualizado até o momento, não obstante estar sendo
calculado sobre as médias para que se tenha uma visão mais realista.
19

1 Campo calculado que mostra o valor médio dos custos fixos em relação
aos custos fixos e faturamento anualizados.

2 Demonstra o valor das despesas de comercialização sobre a média do


faturamento anualizado.

3 Campo calculado que mostra a média do custo dos produtos vendidos.


Este campo é obtido da seguinte forma:

Preço de venda 103,00


Custo Fixo rateado (-) 15,45
Despesas de Comercialização (-) 10,30
Resultado Líquido (-) 5,24
Custo do produto vendido 72,01

4 Campo calculado de extrema importância, mostra a margem de lucro


média que está sendo aplicada sobre todo o mix de produtos. Necessária quando
se analisa resultado, mormente em segmentos muito competitivos por questões de
estratégia de negócio muitas vezes o empresário é obrigado a sacrificar margens
de alguns produtos, porém é preciso compensar em outros sob pena de prejudicar
o resultado do todo.
20

5 Este campo está disponível para lançar a previsão de vendas do mês


que será comparada com o ponto de equilíbrio vigente que aparece no campo (6).

6 Diferença em relação a sua previsão de vendas e o ponto de equilíbrio


calculado pela média anual do faturamento e custos fixos.

7 O ponto de equilíbrio ativo que é calculado como já foi dito pela média
anual do faturamento e custos fixos, é determinado pelo percentual total de
margem de contribuição dos produtos cadastrados. Se todos os produtos que são
comercializados forem cadastrados e tiverem o seu preço determinado por um
percentual de margem de lucro, todos determinarão o valor do PONTO DE
EQUILÍBRIO, assegurando a sua confiabilidade.

MUITO IMPORTANTE: Como vimos, este aplicativo é uma poderosa


ferramenta para o gerenciamento de preços, possibilitando a inserção das
pequenas empresas na feroz competição do mercado com mais segurança.
Entretanto, a complexidade das estratégias desenvolvidas pelos
contendores nem sempre é entendida, ou não se busca entendê-las para que
se faça parte do jogo. Aí entra o famoso jeitinho brasileiro.
Se você achar irrelevante saber o percentual médio da margem de
lucro sobre o seu mix de produtos, se o ponto de equilíbrio também for
irrelevante, resumindo, você não precisa cadastrar todos os seus produtos.
O aplicativo pode ser usado sem o cadastro, basta que as planilhas custos
fixos e faturamento sejam regularmente preenchidas e que na planilha CEM
seja inserido um produto de cada vez. Ou seja, você pode determinar com
segurança a sua margem de lucro e o seu preço da mesma forma.
O potencial estratégico do aplicativo vai se reduzir drasticamente,
mas o conhecimento do preço de venda permanece intacto.
A escolha é sua!