Você está na página 1de 7

Quantificação e neutralização das emissões de dióxido de carbono pela frota de veículos no campus I da Universidade Católica de Brasília

Mariana da Silva Soares 1 , Melissa Sendic Sudbrack 2 , Alessandra Costa Lunas 3 , Elizandra Monique Monteiro da Silva 4 e Gustavo Macedo de Mello Baptista 5

RESUMO CURRICULAR

1 - Acadêmica do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Brasília e estagiária do Laboratório de Ecologia da Paisagem – WWF/Brasil

2 - Acadêmica do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Brasília e estagiária do Ministério do Meio Ambiente

3 - Acadêmica do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Brasília e estagiária da Gerência de Planejamento e Gestão de Bacias Hidrográficas/Companhia de Saneamento Ambiental do distrito Federal CAESB)

4 - Acadêmica do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Brasília diretora de

Políticas Sociais da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (CONTAG) e membro da coordenação de Meio Ambiente da referida entidade

5 - Professor Adjunto RTC do Curso de Engenharia Ambiental e do Programa de Pós Graduação Stricto Sensu em Planejamento e Gestão Ambiental da Universidade Católica de Brasília.

3ª avenida área especial 02 lote T/U apartamento 115 Núcleo Bandeirante – DF CEP 71720-585 Tel: (61) 30362764 / (61) 8147-8462 mariana.ambiental@gmail.com

Quantificação e neutralização das emissões de dióxido de carbono pela frota de veículos no Campus I da Universidade Católica de Brasília

INTRODUÇÃO

O desenvolvimento econômico das atividades humanas teve como base combustível fóssil que, em

conseqüente à sua queima, aumentam a concentração de gases de efeito estufa. Novas tecnologias proporcionam a diminuição e neutralização das emissões e da concentração desses gases, como exemplo

o dióxido de carbono ou CO 2 .

A neutralização desse gases por ser feita por meio de inúmeras metodologias, dentre elas, programas

baseados no conceito de seqüestro de carbono, que visam compensar as emissões, principalmente de CO 2

a partir da incorporação do mesmo na biomassa das plantas por meio da fotossíntese.

Considerando-se que a Universidade Católica de Brasília (UCB) é uma instituição que procura acompanhar a atualidade dentro do contexto ambiental, é de suma importância buscar tornar-se a primeira Universidade da Região Centro Oeste e até do Brasil a realizar a neutralização de suas emissões de CO 2 .

Portanto, a presente pesquisa visou analisar as emissões de dióxido de carbono pelos veículos que freqüentam o Campus I da Universidade Católica de Brasília, propondo a neutralização das emissões, com o intuito de tornar a UCB uma Universidade Neutra. O estudo foi realizado na própria Universidade

Católica de Brasília durante o ano letivo de 2007, tendo como objetivos específicos avaliar o atual potencial de neutralização das emissões na área do Campus I por meio do seqüestro florestal de carbono, além de estimar a área necessária para o plantio de mudas visando neutralizar a totalidade de emissões no Campus I. Considerando-se que, de acordo com Soares et al. (2003), o Campus I da Universidade Católica de Brasília (Figura 1) possui uma área total de 590.200 m 2 , situado na cidade de Taguatinga no Distrito Federal, sendo que sua área verde total é de 312.468 m 2 composta por 1.733 m² de vegetação arbórea e 310 735m² de gramíneas. Possui um grande tráfego de veículos, gerando uma quantidade considerável de

CO 2 . Apesar de parte de essa emissão ser absorvida pela fotossíntese da vegetação já existente no Campus

I, acredita-se que a emissão é superior à incorporação e, portanto, para a neutralização será necessário o

plantio de mudas.

MATERIAL E MÉTODOS

O presente estudo foi executado adotando-se 4 passos metodológicos: Cálculo de distância percorrida

pelos estudantes usuários de veículo automotivo próprio, quantificação das emissões de CO2 pelos mesmos, quantificação da incorporação desta emissão de CO2 por meio da fotossíntese no Campus I da Universidade Católica de Brasília, balanço Emissão/Incorporação.

Cálculo de distância percorrida pelos estudantes; A distância total percorrida foi calculada por meio de três bases de informação:

Para identificação das distâncias percorridas pelos veículos dos alunos, da cidade de origem até o campus, foram tomados como dados primários os resultados da pesquisa interna realizada pela UCB fornecidos pela coordenação do curso de Engenharia Ambiental, no qual são demonstrados endereços dos alunos matriculados em 2007;foi calculada por meio de três bases de informação: Com o auxílio da ferramenta “trajeto” do

Com o auxílio da ferramenta “trajeto” do Google Earth© foram estabelecidas as distâncias médias entre as cidades do entorno e o Campus Google Earth© foram estabelecidas as distâncias médias entre as cidades do entorno e o Campus I sendo considerada, para efeito de cálculo, a entrada central do Campus I da Universidade Católica de Brasília como ponto de chegada da frota de carros e como ponto de referência de partida o centro das cidades. A ferramenta “trajeto” é capaz de gerar a melhor rota entre um ponto de saída e um ponto de chegada pré-estabelecido. Essa função tem como produto uma rota traçada com distância em quilômetros.

Dados da Alfa Park (concessionária dos serviços de estacionamento) sobre o número de veículos freqüentadores do Campus I foram utilizados para se calcular a quilometragem total percorrida mensalmente. Os dados de número de veículos foram interligados com os dados referentes ao número de alunos. Por meio de média ponderada foi possível calcular a quilometragem total mantendo-se as devidas proporções referentes às porcentagens de alunos provenientes de diferentes cidades. A média ponderada consistiu multiplicar o número de alunos residente em cada cidade peloe um ponto de chegada pré-estabelecido. Essa função tem como produto uma rota traçada com distância

deslocamento do centro da cidade (em quilômetros) à UCB. Sendo o valor das multiplicações dividido pelo número total de alunos, obtendo-se assim a quilometragem total média verossímil.

Quantificação das emissões de CO 2 pela frota de veículos freqüentadora do Campus I da Universidade Católica de Brasília;

Foram utilizados dados fornecidos pela empresa Alfa Park, responsável pelo estacionamento interno do Campus I da Universidade Católica, como base de cálculo da quantidade estimada de veículos que diariamente freqüentam o estacionamento.do Campus I da Universidade Católica de Brasília; Neste projeto somente foram considerados veículos leves já

Neste projeto somente foram considerados veículos leves já que é a maioria dos veículos que freqüentam o Campus I da UCB, e motores com potência entre 1.0 e 1.4 movidos à gasolina.de veículos que diariamente freqüentam o estacionamento. As características do combustível considerado para os

As características do combustível considerado para os cálculos foram referentes à gasolina comum com 20% de álcool anídrico para um motor cujo consumo considerado é de 12 km/L.e motores com potência entre 1.0 e 1.4 movidos à gasolina. A estimativa da emissão atmosférica

A estimativa da emissão atmosférica de automóveis de passeio por pessoa parte da equação exposta na figura 01, onde é relacionado a emissão de CO2 com a quantidade, em l/km, de combustível consumido por viagem, a distância percorrida pelo automóvel, a densidade e o teor de carbono do combustível utilizado.para um motor cujo consumo considerado é de 12 km/L. Emissão ( Kg ) CCxDPxDCxTCx 3,6

Emissão(Kg)

CCxDPxDCxTCx3,6

Figura 01: Equação da quantificação da emissão de CO2 Fonte: TANIZAKI, 2007.

Sendo:

CC: Consumo de combustível (l/km) ou massa de combustível consumida por viagem DP: Distância percorrida (km) DC: Densidade do combustível (kg/l) TC: Teor de carbono no combustível (%)

Como cada combustível possui um teor específico de carbono o cálculo das emissões precisa ser apresentado em unidades de massa de gás carbônico. Portanto, é necessário fazer a relação de concentração em carbono com a produção de CO2. Sendo a massa do CO2 cerca de 44 e a do carbono igual a 12, considera-se o fator de conversão de C para CO2 igual a 3,6 (44/12). Isto é, para cada tonelada de carbono queimada gera-se 3,6 toneladas de CO2.combustível (kg/l) TC: Teor de carbono no combustível (%) No quadro 1 constam os cálculos realizados

No quadro 1 constam os cálculos realizados para cada tipo de combustível em veículos leves (de passeio) variando-se a potência do motor e obtendo-se como unidade de emissão kg de CO2 por pkm. Sendo que o pkm é um fator de emissão para cada potência do motor/tipo de combustível e meio de transporte. Esse fator é uma taxa média de emissão de CO2 por pessoa por kilometro percorrido (TANIZAKI, 2007).tonelada de carbono queimada gera-se 3,6 toneladas de CO2. Quadro 01: Valores de emissões de CO2

Quadro 01: Valores de emissões de CO2 para carro de passeio em função do tipo de combustível

Combustível

Gasolina*

Gasolina*

Diesel

Diesel

GNV

GNV

Teor de C

0,67

0,67

0,84

0,84

0,75

0,75

Densidade (kg/L ou m³)

0,8

0,8

0,84

0,84

0,75

0,75

Potência do motor

de 1,0 a 1,4

de 1,5 a 2,0

de 1,0 a 1,4

de 1,5 a 2,0

de 1,0 a 1,4

de 1,5 a 2,0

Consumo km/L (ou l/km)

12 (0,08)

10 (0,1)

12 (0,08)

10 (0,1)

12 (0,08)

10 (0,1)

Emissões

0,161

0,194

0,212

0,254

0,169

0,203

*- Com 20% de álcool incluído. Fonte: TANIZAKI, 2007.

Quantificação da incorporação de CO 2 por meio da fotossíntese no Campus I da Universidade Católica de Brasília;

Coleta de dados referentes à área verde do Campus I da Universidade Católica de Brasília de Soares et al, 2003 et al, 2003

Coleta de dados referentes à incorporação de carbono por cobertura arbórea típica do Cerrado e por cobertura de gramíneas no de Amthor et al, 1998.Universidade Católica de Brasília de Soares et al, 2003 Coletados os dados base mencionados acima, Amthor

Coletados os dados base mencionados acima, Amthor et al, 1998 fornece valores referentes à incorporação de carbono pela vegetação arbórea típica do Cerrado (7,9 tC/m²/ano), por gramíneas (3,5 tC/m²/ano) e por floresta plantada (6,7 tC/m²/ano). Assim sendo, unindo-se essas duas fontes bibliográficas, associando a área (em m²) do Campus I e os dados de incorporação para cada tipo de cobertura vegetal foi possível quantificar a totalidade de dióxido de carbono absorvida no local:Cerrado e por cobertura de gramíneas no de Amthor et al, 1998. Total de Carbono incorporado

Total de Carbono incorporado ( tC/ano) = A1* I1 + A2* I2

Sendo:

A1 = área de vegetação arbórea ( m²)

I1 =

A2 = área de gramínea (m²) I2 = incorporação por gramínea (tC/m²/ano)

incorporação por vegetação arbórea típica do Cerrado ( tC/m²/ano)

Balanço Emissão/Incorporação Foi realizada a comparação dos valores de emissão e incorporação, obtendo-se o balanço de CO 2 .

RESULTADOS Cálculo de distância percorrida pelos estudantes Quadro 02: Cidades de origem dos alunos da UCB em 2007.

CIDADES DEORIGEM DOS ALUNOS

CIDADES

% DE ALUNOS

QUANTIDADE DE ALUNOS

Taguatinga

32,05

4553

Plano Piloto

8,76

1245

Ceilândia

14,09

2002

Guará

6,50

923

Núcleo Bandeirante

4,29

610

Gama

4,22

599

Águas Claras

6,29

894

Cruzeiro

2,84

403

Samambaia

6,17

876

Riacho Fundo

3,51

499

Recanto das Emas

1,94

275

Brazlândia

1,00

142

Santa Maria

1,85

263

Outros

6,49

923

Total

100,00

14207

Fonte: Cadastro de alunos UCB/2007.

Percebe-se que cerca de 1/3 dos alunos residem em Taguatinga, sendo assim a cidade com maior numero de alunos, seguido por Ceilândia e Plano Piloto. Quadro 03: Distância entre os centros das cidades de origem dos alunos em relação à entrada principal da UCB.

Cidades

Distâncias (km)

Taguatinga

4,4

Núcleo Bandeirante

8,6

Cruzeiro

20

Brazlândia

37

Plano Piloto

28

Gama

25

Guará

14

Ceilândia

15

Samambaia

18

Santa Maria

32

Riacho Fundo

4,2

Recanto das Emas

19

Águas Claras

9

Fonte: GoogleEarth, 2007.

Fazendo-se uma média ponderada das distâncias e do número de alunos provenientes de cada cidade obteve-se como percurso médio total 341862 km sendo 24,06 km/veículo/dia.

Quantificação das emissões de CO 2 pela frota de veículos freqüentadora do Campus I da Universidade Católica de Brasília; A Empresa Alfa Park Estacionamentos, por meio de sua assessoria Administrativa, informou que

em média 5000 veículos freqüentam diariamente a Universidade de segunda à sexta-feira e que cerca de 2000 veículos freqüentam aos sábados. Totalizando, portando, 27000 veículos por semana. Os valores, portanto, usados para o cálculo da emissão são:

Consumo de Combustível (CC) = 12 l/km;valores, portanto, usados para o cálculo da emissão são: Distância percorrida (DP)= 24,06 km/veículo/dia =144,36

Distância percorrida (DP)= 24,06 km/veículo/dia =144,36 km/veículo/semanada emissão são: Consumo de Combustível (CC) = 12 l/km; Total de veículos por semana =

Total de veículos por semana = 27000(DP)= 24,06 km/veículo/dia =144,36 km/veículo/semana Teor de Carbono no combustível (TC) = 0,67; Densidade do

Teor de Carbono no combustível (TC) = 0,67;km/veículo/semana Total de veículos por semana = 27000 Densidade do Combustível (DC) = 0,8 Assim sendo,

Densidade do Combustível (DC) = 0,8 Assim sendo, a emissão da frota de veículos freqüentadores da UCB resulta em:semana = 27000 Teor de Carbono no combustível (TC) = 0,67; Cálculo da Emissão = 12

Cálculo da Emissão = 12 * 144,36* 27000*0,8*0,67*3,6 Emissão total = 90252486,144 kg /semana Emissão total = 90252,5 tC/semana

Quantificação da incorporação de C por meio da fotossíntese no Campus I da Universidade Católica de Brasília De acordo com o método exposto, foi calculada a incorporação de CO2:

Cálculo de Carbono incorporado ( tC/ano) = A 1 * I 1 + A 2 * I 2 Total de Carbono incorporado ( tC/ano) = 1101263,2 Cálculo de Carbono incorporado ( tC/semana) = 1101263,2/52 Total de Carbono incorporado =21178,14 tC/semana

Considerando:

A 1 (área de vegetação arbórea) = 1733 m² I 1 (incorporação por vegetação arbórea típica do Cerrado) = 7,9 tC/m²/ano A2 (área de gramínea) = 310735 m² I 2 (incorporação por gramínea) = 3,5 tC/m²/ano

Balanço Emissão/Incorporação De acordo com os resultados obtidos acima se constata que a emissão é superior à incorporação. Emissão total = 90252,5 tC/semana Total de Carbono incorporado = 1101263,2/52 = 21178,14 tC/semana A diferença entre emissão e incorporação fornece um excedente de 69074,36 tC/semana.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Por meio dos resultados obtidos foi possível concluir que, devido ao fato da emissão ser superior à incorporação, faz-se necessário a implantação e implementação de medidas mitigadoras. Três opções de medidas mitigadoras a serem abordadas conjuntamente são: o plantio de mudas no Campus I, a realização de programas de carona solidária e disposição de ônibus da Universidade para os alunos. O plantio de mudas visa aumentar a incorporação das emissões de carbono na biomassa das plantas, a carona solidária consiste em estimular que os alunos compartilhem seus veículos particulares e a disposição de ônibus pela Universidade visa propiciar que os alunos utilizem transporte coletivo de qualidade e com segurança.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DE TAGUATINGA. Disponível em:

< http://www.taguatinga.df.gov.br/ > Acesso em: 17 maio 2007.

AMTHOR, J. A. et al. Terrestrial Ecossistem responsesto global change: A research estrategy. In:

Evironmental Science Division. Tenese: Oak Ridge National Laboratory, 1998. v. 4821.

SOARES, J.A. et al. Avaliação das Interferências Antrópicas no Ciclo Hidrológico, no Campus I da Universidade Católica de Brasília, Por Meio de Imagens Hiperespaciais. In: II Simpósio Brasileiro de Engenharia Ambiental, 2003, Itajaí, SC. Livro de Resumos. Itajaí: Univali, 2003. v. 1.

TANIZAKI, K. Base teórica para o cálculo de emissões de CO2 relacionadas a meios de transporte. Disponível em: <http://www.florestasdofuturo.org.br/paginas/home.php?pg=emissao_CO2_index> Acesso em: 01 maio 2007.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA. Censo 2007. Brasília: Universidade Católica de Brasília,

2007.