Você está na página 1de 3

Estudo 03: Efésios 3.

1-21
Somos privilegiados

Introdução: Eu já tive a oportunidade de entrar em um centro de pesquisa superavançado para filmar


um comercial. Era um dos privilégios de trabalhar com publicidade. O que você considera um privilégio
especial em sua vida? Que oportunidades isso te deu? (família, cultura, etc).

Leiam Efésios 3.1-21

Observando o Texto

1. Paulo parece bastante empolgado com aquilo que tem a transmitir às pessoas: o mistério
revelado! Que coisa misteriosa era essa que agora está revelada? (v. 6)

2. Compare os versículos 1 e 13. Qual era a condição de Paulo? Como ele se denomina?

3. No pedido primeiro pedido da oração de Paulo, como é descrito o lugar da atuação do


poder de Deus nos crentes? (v. 16) Qual é o segundo pedido que ele faz? (v. 17)

Conversando sobre o texto: 4 privilégios por estar em Cristo

O privilégio de saber

O mistério revelado: “A promessa do evangelho de Deus abençoar todas as nações era conhecida desde Abraão
(Gn 12.1-3). O que era completamente desconhecido e inacessível a ‘outras gerações’ não era o plano de Deus
em salvar todas as nações, mas, sim, como Deus poderia realizar um plano tão grandioso”. Richard Coekin

1. O versículo 5 diz que qualquer crente sabe mais a respeito dos planos de Deus do que
Abraão, Moisés, ou mesmo um dos grandes profetas, como Isaías – sabemos a resposta do
mistério! Como você vê crentes expressarem em atitudes a alegria desse privilégio? Que
tipo de responsabilidade acompanha este privilégio?

O privilégio de fazer

Paulo se declarar ministro de Deus, significa que “ele é um homem sob o comando de Deus e está maravilhado
com ser permitido a ele estar nessa condição. (...) nunca conheceremos a alegria de servir ao Rei até que
percebamos como isso é um privilégio imerecido.” Richard Coekin

2. Paulo se sente muito privilegiado pela oportunidade servir a Deus em seu grande plano de
redenção da humanidade. O cristianismo de hoje demonstra ter noção de estar envolvido
no mesmo serviço, para o mesmo Deus, neste mesmo plano grandioso? Quando ele falha
nisso? Que efeitos deixar de se maravilhar com este privilégio produzem na vida cristã?

O privilégio de sofrer

“A vida de Paulo existia – e a nossa existe – para fazer que outros soubessem que o único Salvador abriu a todos,
em todas as nações, o único caminho para a salvação. Portanto, embora sofresse por sua dedicação a Cristo,
Paulo se sentia encorajado porque o evangelho era proclamado. (...) Isso confere significado, propósito e valor
ao nosso sofrimento, pois Jesus nos convida a participar de sua boa obra, de modo a vermos vidas
transformadas e curadas pelo poder do evangelho.” (p. 134)

3. Paulo fala de suas tribulações, mas não parece nenhum pouco arrasado por elas. Ao
contrário, ele vê sua própria prisão como parte do seu chamado ao serviço. Ele não é
prisioneiro de Roma, até nisso sua identidade bastante clara, ele é prisioneiro de Cristo.
Como a identidade em Cristo pode ser tão poderosa assim ao ponto de reinterpretar o
próprio sofrimento de alguém? O que significa sofrer por Cristo? Todo o sofrimento de um
cristão pode ser resumido a um sofrimento pelo evangelho?

O privilégio de ser transformado

“Viver a vida cristã requer poder, não para evitar todo tipo de sofrimento, dominar sobre outras pessoas e
alcançar nossos desejos egoístas, mas para que nos tornemos cada vez mais semelhantes a Jesus Cristo em
coisas como honestidade, santidade, amor, sabedoria, coragem, humildade e perseverança.” (p. 143)

4. Quando Paulo pede que o poder de Deus atue no íntimo do ser dos crentes de Éfeso, isso
parece que trará um efeito muito diferente daquilo que o meio gospel criou como
manifestação do poder de Deus. O poder de Deus em ação transformando o caráter é
realmente o poder de Deus em ação. Por isso mesmo, ajude ao grupo perceber a atuação
do poder de Deus dando um testemunho pessoal de transformação (aquele que ninguém
poderia ver, mas você sabe que foi transformado no íntimo do seu ser pelo poder de Deus).

Aplicando o texto

1. Como o privilégio de saber a revelação do mistério te envolve na responsabilidade de


compartilhar o evangelho? O que você tem feito pelas pessoas próximas e descrentes? O
que poderíamos fazer juntos?

Toda a semana, a reunião de cada igreja local i é uma exposição da multiforme sabedoria de Deus: “a reunião de
uma igreja em nome de Cristo é uma celebração e uma declaração acerca da vitória espiritual eterna de Deus na
cruz sobre Satanás, o pecado e a morte” (Richard Coekin).

2. Uau! Isso muda um pouco a nossa perspectiva do porquê participar dos cultos na igreja
local, aliás, o quanto isso muda a sua perspectiva? O que o culto passa a significar a partir
disso? Como você deve tratar as pessoas ali presentes?

“Visto que aflições tanto nos custam, elas são preciosas demais para ser desperdiçadas. [Deus] pode fazer uso
delas para a glória dele, para o benefício de outros e para o seu crescimento – se você estiver em Cristo. Quando
deixarmos de dissecar nosso sofrimento e de tentar evitá-lo, quando o recebermos como uma oportunidade em
Cristo de crescer, glorificar a Deus e partilhar o evangelho, só então começaremos a ‘não desanimar’ e a
encontrar alegria em nossas circunstâncias, sejam quais forem elas.” (p. 131-2)

3. Você já sofreu pelo evangelho? Ainda que não, Deus promete usar todas as maneiras que o
sofrimento pode chegar na nossa vida para usar em seu plano de nos resgatar e resgatar
pessoas ao nosso redor. Você consegue compartilhar como já sofreu e como isso foi
transformador para a sua vida?

4. Saber que o poder de Deus nos transforma pelo amor, faz a transformação mais desejável e nos
entregamos a ela com mais facilidade. A qual a transformação de caráter você deve se render,
confiando no poder de Deus e no Seu amor?

Desafio – memorizar: Ef 3.20-21: 20 Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que
pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós, 21 a ele seja a glória na igreja e em
Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre! Amém!
i
Ainda que seja virtual – Paulo afirma se reunir com os Coríntios quando estava longe em espírito (1Co 5.4). Isso não quer dizer aquelas
paradas de religiões demoníacas de sair do corpo e tal, é só um jeito de se referir à disposição interior de estar junto em pensamentos,
coração e vontade. Culto online é culto sim! Trate-o como tal.