Você está na página 1de 108

Aula 02

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor


Fiscal) - 2021 - Pré-Edital

Autor:
Fábio Dutra
Aula 02

17 de Fevereiro de 2021

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02

AULA: LIMITAÇÕES AO PODER DE TRIBUTAR:


IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS
Sumário
OBSERVAÇÕES SOBRE A AULA ......................................................................................................................... 3
1 - IMUNIDADES ................................................................................................................................................. 4
1.1 - Conceito de Imunidade, Isenção e Não Incidência ................................................................................. 4
1.2 - Imunidades e Obrigações Acessórias ..................................................................................................... 7
1.3 – Classificação das Imunidades Segundo a Doutrina ............................................................................... 9
1.3.1 - Classificação quanto ao parâmetro para concessão: subjetivas, objetivas ou mistas ..................... 9
1.3.2 - Classificação quanto à origem: ontológicas e políticas ................................................................. 10
1.3.3 - Classificação quanto à forma de previsão: 1390253explícitas ou implícitas .............................................. 10
1.3.4 - Classificação quanto à necessidade de regulamentação: incondicionadas e condicionadas ....... 10
2 – ESPÉCIES DE IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS .................................................................................................... 13
2.1 – Imunidade Recíproca ........................................................................................................................... 13
2.2 – Imunidade Religiosa ............................................................................................................................ 22
2.3 Imunidade dos Partidos Políticos, Entidades Sindicais dos Trabalhadores, Instituições de Educação e de
Assistência Social........................................................................................................................................... 25
2.4 – Imunidade Cultural .............................................................................................................................. 35
2.5 – Imunidade em favor da produção musical brasileira .......................................................................... 39
3 - OUTRAS ESPÉCIES DE IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS ...................................................................................... 43
3.1 – A imunidade das entidades assistenciais, relativas a contribuição para a seguridade social ............ 45
4 – QUESTÕES COMPLEMENTARES COMENTADAS ........................................................................................ 51
Conceito e Classificação das Imunidades Tributárias ................................................................................... 51
Imunidade Recíproca..................................................................................................................................... 55
Imunidade Religiosa ...................................................................................................................................... 59
Imunidade dos Partidos Políticos, Entidades Sindicais dos Trabalhadores, Instituições de Educação e de
Assistência Social........................................................................................................................................... 63
Imunidade Cultural ........................................................................................................................................ 69
Imunidade em Favor da Produção Musical Brasileira ................................................................................... 71
Outras Espécies de Imunidades Tributárias ................................................................................................... 78
5 – LISTA DAS QUESTÕES COMPLEMENTARES ............................................................................................... 83
Conceito e Classificação das Imunidades Tributárias ................................................................................... 83
Imunidade Recíproca..................................................................................................................................... 85
Imunidade Religiosa ...................................................................................................................................... 87
Imunidade dos Partidos Políticos, Entidades Sindicais dos Trabalhadores, Instituições de Educação e de
Assistência Social........................................................................................................................................... 89
Imunidade Cultural ........................................................................................................................................ 93
Imunidade em Favor da Produção Musical Brasileira ................................................................................... 94
Outras Espécies de Imunidades Tributárias ................................................................................................... 99
6 - GABARITO DAS QUESTÕES COMPLEMENTARES ..................................................................................... 102
7 – RESUMO DOS ASSUNTOS MAIS IMPORTANTES ..................................................................................... 103
Conceito e Classificação das Imunidades Tributárias ................................................................................ 103
Imunidade Recíproca................................................................................................................................... 103

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


1
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Imunidade Religiosa .................................................................................................................................... 104


Imunidade dos Partidos Políticos, Entidades Sindicais dos Trabalhadores, Instituições de Educação e De
Assistência Social......................................................................................................................................... 105
Imunidade Cultural ...................................................................................................................................... 106
Imunidade em Favor da Produção Musical Brasileira ................................................................................. 106
Outras Espécies de Imunidades Tributárias ................................................................................................. 106

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


2
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

OBSERVAÇÕES SOBRE A AULA


Olá, servidores públicos em formação! Tudo bem?

É com grande satisfação que iniciamos mais uma aula do nosso curso de Direito Tributário aqui no Estratégia
Concursos!

Eu estou realmente entusiasmado em trazer até vocês hoje uma aula incrível, e peço que vocês estejam, a
partir de agora, muito motivados em aprender esse conteúdo! Esse é um pressuposto básico para uma boa
compreensão e memorização do que será lido!

Vamos tratar das imunidades tributárias, um assunto que é muito cobrado em provas de concursos públicos!

Antes de começarmos, deixo aqui uma frase motivacional para reflexão:

"Todo progresso acontece fora da zona de conforto" – Michael John Bobak

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


3
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

1 - IMUNIDADES
O tema que será tratado nesta aula é de suma importância para concursos públicos. As bancas adoram cobrar
imunidades tributárias nas provas de Direito Tributário.

Desta forma, vamos abordar o assunto no grau de profundidade que ele merece, com o intuito de deixá-lo
totalmente preparado para qualquer prova sobre o assunto.

Assim, iniciaremos explicando o conceito de imunidade, isenção e não incidência. Posteriormente, serão
abordadas as classificações doutrinárias das imunidades. Por fim, vamos estudar as imunidades em espécie!
Vocês verão que o assunto é bem tranquilo, embora tenha certa riqueza de jurisprudência.

1.1 - Conceito de Imunidade, Isenção e Não Incidência

Você precisa saber que imunidade, isenção e não incidência geram o mesmo efeito prático para a pessoa
beneficiada: não pagar tributo. Uma pessoa isenta ou imune não paga o tributo objeto da imunidade ou da
isenção. Então, na prática, o efeito é o mesmo!

Porém, juridicamente, e nas provas de concursos públicos, existem distinções relevantes, e é por isso que as
estudaremos, você precisa estar pronto no dia da prova! Vamos lá!

A fim de compreendermos com exatidão a diferença entre os conceitos de imunidade, isenção e não
incidência, é necessário que entendamos primeiramente o que vem a ser incidência tributária.

Quando uma lei institui determinado tributo, ela prevê os elementos essenciais para que seja possível sua
cobrança (hipótese de incidência, sujeitos ativo e passivo, base de cálculo e alíquota).

Veja que a hipótese de incidência, como elemento essencial na instituição dos tributos, prevê na lei uma
situação que, ocorrida no mundo real, dará origem ao fato gerador do tributo. Dessa forma, quando a
situação prevista em lei se concretizar, houve incidência tributária (ocorre o fato gerador). Nós já vimos
superficialmente isso na aula anterior, você se lembra?

Agora que já sabemos o que é incidência tributária, o que poderia ser considerado não incidência? Podemos
citar três situações:

• A pessoa política não faz uso da competência tributária que lhe foi conferida. Podemos dizer que seria o
caso de um tributo instituído “pela metade”, em que o ente não prevê todas as hipóteses de incidência
capazes de gerar a tributação;

• A pessoa política não possui competência tributária para determinar certas situações fáticas como hipótese
de incidência. Esta hipótese se refere a situações que fogem do raio de incidência daquele tributo. Por
exemplo, o IPVA não pode incidir sobre bicicletas;

• A pessoa política é “barrada” pela CF/88. Ou seja, há certo dispositivo constitucional que inibe a
possibilidade de o ente prever aquela situação como hipótese de incidência do tributo.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


4
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Observação: Competência tributária é o poder conferido pela Constituição aos entes


federados para instituírem tributos (impostos, taxas etc.), sempre por meio de lei. Como a
CF/88 não cria tributos, é o exercício da competência tributária que torna possível a
cobrança dos tributos. O tema será estudado em outra aula.

Todas as três situações acima se referem a não incidência tributária. Contudo, a última pode ser considerada
como hipótese de não incidência constitucionalmente qualificada. Por tal motivo, é denominada
IMUNIDADE.

A imunidade pode ser considerada uma incompetência tributária.

Perceba, pela explicação inicial do tópico, que tanto na imunidade propriamente dita, como nas demais
situações que de não incidência, não há a ocorrência do fato gerador. Guarde isso!

Precisamos nos atentar ainda para o conceito de isenção. Trata-se de um benefício fiscal concedido pelo
ente político, por intermédio de lei. Ou seja, é a dispensa legal do pagamento do tributo, sendo considerada
uma decisão política.

Neste caso, há uma hipótese de incidência prevista na lei que instituiu o tributo e, por esse motivo, o fato
gerador ocorre. Contudo, o tributo não vem a ser cobrado, pois a isenção é uma hipótese de exclusão do
crédito tributário. Não iremos nos aprofundar neste conceito, por enquanto, para não ter o risco de
confundirmos. O momento irá chegar.

O que importa, por enquanto, é saber que a isenção decorre do exercício da competência tributária e o fato
gerador do tributo chega a ocorrer, e a obrigação tributária chega a existir. Isto é, o ente poderia cobrar
aquele tributo, mas decide isentar os contribuintes, mediante a edição de uma lei. Nesta aula, estamos
adotando a doutrina clássica, pois é o posicionamento adotado pelo STF (ADI 286).

Há divergência doutrinária sobre a existência ou não da obrigação tributária nos casos de


isenção.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


5
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

A doutrina clássica, preconizada por Amílcar de Araújo Falcão1, dentre outros, defende que
a isenção constitui apenas em dispensa legal do pagamento do tributo, isto é, o fato
gerador ocorre, a obrigação tributária chega a existir, mas não o crédito tributário, tendo
em vista que ocorre a sua exclusão, nos termos do art. 175, I, do CTN. Esta é a linha adotada
pelo STF (ADI 286).

A doutrina mais moderna entende que, em casos de isenção, não há ocorrência do fato
gerador, de forma que a obrigação tributária não chega a existir. Nesta linha, De acordo
com o autor Roque Antônio Carraza2, “a isenção pode ser definida como limitação legal do
âmbito de validade da norma jurídica tributária, que impede que o tributo nasça ou faz com
que ele surja de modo mitigado.”

Dando continuidade ao nosso estudo, por outro lado, a imunidade é uma delimitação da competência
tributária, ou melhor, uma limitação constitucional ao poder de tributar, posicionando-se ao lado dos
princípios constitucionais tributários. Ou seja, existe um limite além do qual o ente instituidor não pode
tributar, por expressa disposição constitucional. Vimos também que não ocorre o fato gerador neste caso.

Por último, há que se ressaltar que não importa a terminologia utilizada pela CF/88 para tratar das
imunidades, visto que o simples fato de estar no texto constitucional dá ao instituto o título de imunidade.

Neste sentido, o STF (RMS 22.192/DF) já decidiu que, embora o art. 195, § 7°, da CF/88, mencione a palavra
“isentas”, a interpretação que deve ser dada é a de que se trata de verdadeira imunidade.

Repare que, embora diferenciamos não incidência de imunidade, esta está inserida dentro
do conceito daquela, com a ressalva de que foi prevista constitucionalmente.

Espero que o quadro abaixo possa auxiliá-los a entender melhor o que dissemos até agora.

1
FALCÃO, Amílcar de Araújo. Fato gerador da obrigação tributária. 6ª Edição. 2002. Pág. 66
2
CARRAZA, Roque Antônio. ICMS. 9ª Edição. Editora Malheiros. 2003

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


6
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Não
Imunidade Isenção
Incidência
Situação não
a) Limitação ao 1. Opção política
prevista na lei
poder de do ente
instituidora ou
tributar; tributante;
impossível;

2. Previsão em
b) Previsão no
Não há norma norma
texto
que preveja; infraconstitucio-
constitucional;
nal;

Não ocorre fato c) Não ocorre 3. Ocorre fato


gerador; fato gerador; gerador;

Por fim, cabe destacar o conceito de alíquota zero, que é mais uma hipótese em que o tributo acaba não
sendo cobrado. Nesse caso, ocorre o fato gerador, contudo, o valor do tributo é nulo, já que a alíquota é
zero. Isso ocorreria, por exemplo, se o Governo Federal decidisse reduzir a alíquota de Imposto de
Importação a zero sobre determinados produtos essenciais ao País.

1.2 - Imunidades e Obrigações Acessórias

Sempre que falamos de imunidade, estamos falando do não recolhimento do tributo. Então, dizer que uma
pessoa é imune a determinado imposto, significa dizer que a pessoa está, por determinação constitucional,
dispensada do recolhimento do imposto.

Neste ponto da aula, é importante trazer um conceito que não é o foco central da aula, mas que toma
relevância por estar relacionado com a imunidade tributária. Trata-se das obrigações tributárias.

Uma obrigação tributária significa uma obrigação do contribuinte com a Fazenda Pública, que pode ter como
objeto o pagamento de tributo, mas também pode ter como objeto outras prestações, como, por exemplo,
apresentar uma declaração, emitir notas fiscais, etc.

Então, sempre quando se fala em obrigação tributária, não estamos falando necessariamente de obrigação
de pagar tributos, mas sim de deveres que o contribuinte possui em relação à Fazenda. Correto?

Indo um pouco além, existem obrigações tributárias “principais”, que sempre se refere ao pagamento
(tributo ou multas tributárias) e também existem as obrigações tributárias “acessórias”, que representam os
demais deveres despidos do caráter patrimonial (notas fiscais, declarações etc.), ou seja, são as obrigações
do contribuinte perante o Fisco, que não envolvem “dinheiro”.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


7
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Repetindo: todas as obrigações tributárias representam obrigações para os contribuintes, mas nem sempre
essas obrigações se referem ao “pagamento”. Quando tais obrigações se referirem a pagamento, são
obrigações principais; quando não se relacionarem a um pagamento, são acessórias. Ok?

Então, nós já sabemos que a imunidade recai sobre as obrigações principais, afinal, como já foi dito, se uma
pessoa é imune a determinado imposto, estará dispensado do seu “pagamento”, e pagamento é obrigação
tributária principal.

Mas onde queremos chegar?

As obrigações acessórias não dependem da obrigação principal, são autônomas. Por isso, a dispensa da
obrigação principal, seja pela isenção ou imunidade, não dispensa o contribuinte de continuar cumprindo
obrigações acessórias que tenham relação com o tributo objeto do benefício fiscal concedido.

Antes de estudarmos as imunidades, gostaria de deixar claro que, embora se trate de uma dispensa
constitucional do pagamento de tributos, a imunidade não exime certo ente das obrigações acessórias
instituídas pela legislação tributária.

Nesse sentido, para o STF (RE 250.844), “exigir de entidade imune a manutenção de livros fiscais é
consentâneo com o gozo da imunidade tributária (...)”. Nesse ponto da aula você já sabe que a manutenção
de livros fiscais é um exemplo de obrigação acessória.

Em maio de 2020, o STF também decidiu (ACO 1098, Informativo 980) que não há violação ao princípio da
legalidade, caso as obrigações acessórias sejam instituídas por atos infralegais.

Ainda que em gozo de imunidade tributária, a pessoa jurídica não está dispensada de
cumprir obrigações acessórias e de se submeter à fiscalização tributária.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


8
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

1.3 – Classificação das Imunidades Segundo a Doutrina

Neste tópico, iremos abordar as principais classificações das imunidades adotadas pela doutrina. À medida
que expusermos uma classificação, traremos exemplos estatuídos na própria CF/88, com o objetivo de
facilitar a absorção do assunto.

1.3.1 - Classificação quanto ao parâmetro para concessão: subjetivas,


objetivas ou mistas

A Constituição Federal, ao instituir as imunidades, pode adotar como parâmetro tanto as pessoas (imunidade
subjetiva), quanto as coisas (imunidade objetiva). Podemos ter ainda imunidades que consideram as coisas
e as pessoas ao mesmo tempo, sendo estas denominadas imunidades mistas.

As imunidades subjetivas podem ser exemplificadas pela imunidade recíproca. De acordo com o art. 150, VI,
a, da CF/88, é vedado à União, aos Estados, ao DF e aos Municípios instituir impostos sobre o patrimônio, a
renda ou serviços, uns dos outros. Observe que a imunidade é direcionada a pessoas políticas, mas não o é
às empresas privadas, por exemplo. Com isso, fica clara a importância que tem a “pessoa” para se definir
se haverá ou não imunidade.

Cabe observar que a imunidade subjetiva não exime as pessoas por ela abrangidas da responsabilidade pela
retenção de tributos, caso estejam designadas pela lei. Sendo assim, a União fica, a título de exemplo,
responsável pela retenção do imposto de renda incidente sobre os rendimentos de seus servidores, pois
estes não são imunes.

Observação: Responsável tributário, como veremos em momento oportuno, é a pessoa


que, embora não tenha relação pessoal com a situação que fez surgir o fato gerador, está
a ela ligada por expressa disposição legal.

Ainda que esteja imune, a “pessoa” pode estar sujeita, por meio de lei, a fazer retenção e
recolhimento dos tributos devidos por outrem.

Temos aqui mais um exemplo obrigação acessória: o fato de a empresa estar obrigada a
descontar os tributos devidos por terceiros e recolhê-los. Veja que não há encargo
financeiro, mas tão somente a obrigação de “fazer algo”.

No que se refere às imunidades objetivas, o exemplo amplamente utilizado é o da imunidade cultural. De


acordo com o art. 150, VI, d, da CF/88, é vedado a todos os entes federativos instituir impostos sobre os

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


9
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão. Desta forma, não importa qual pessoa esteja
vendendo um jornal, por exemplo. O que é relevante para a aplicação da imunidade é o bem que está sendo
objeto de comercialização.

Por último, as imunidades mistas podem ser ilustradas pela imunidade que impede a incidência do Imposto
sobre Propriedade Territorial Rural sobre as pequenas glebas rurais definidas em lei, quando as explore o
proprietário que não possua outro imóvel. Atente para o fato de que as glebas rurais constituem o aspecto
objetivo e, o fato de seu proprietário não poder possuir outro imóvel, revela o aspecto subjetivo da referida
imunidade.

Até aqui, tudo compreendido? Passemos, pois, para a segunda classificação.

1.3.2 - Classificação quanto à origem: ontológicas e políticas

As imunidades ontológicas são aquelas que decorrem do princípio da isonomia e do pacto federativo. Ou
seja, são imunidades que, ainda que não houvesse sua previsão constitucional, existiriam.

Nesse sentido, podemos adotar como exemplo a imunidade recíproca. Repare que tal imunidade busca
preservar a autonomia financeira dos entes federativos, protegendo, por isso mesmo, o pacto federativo.

Por outro lado, as imunidades políticas são aquelas que só existem por decisão expressa do legislador
constituinte. Isso não quer dizer que elas não protegem outros princípios constitucionais. Por exemplo, a
imunidade cultural impede a cobrança de imposto sobre os livros, jornais, periódicos e o papel destinado à
sua impressão.

1.3.3 - Classificação quanto à forma de previsão: explícitas ou implícitas

Configuram-se explícitas as imunidades expressas no próprio texto constitucional. Trata-se das hipóteses
que o legislador já previu, no momento da elaboração da Constituição Federal.

É possível também que algumas imunidades não tenham sido reconhecidas expressamente, mas, por
decorrerem de princípios constitucionais, a jurisprudência passe a aceitá-las da mesma forma que as que
estão confeccionadas na CF. A essas imunidades, a doutrina denominou implícitas. Até o momento, não
temos exemplos de imunidades implícitas.

Perceba que podemos fazer uma interligação entre o que foi visto aqui e o que vimos na classificação quanto
à origem das imunidades. As imunidades políticas são sempre explícitas, pois necessariamente devem estar
previstas no texto da Constituição.

Por outro lado, vimos que as imunidades ontológicas, ainda que não fossem previstas na CF, existiriam.
Desta maneira, podemos afirmar que tais imunidades podem ser tanto explícitas como implícitas.

1.3.4 - Classificação quanto à necessidade de regulamentação:


incondicionadas e condicionadas

Esta classificação diz respeito à necessidade de que a imunidade, para surtir efeitos no mundo concreto,
esteja regulamentada por norma infraconstitucional, ou seja, por leis.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


10
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Neste contexto, se as imunidades forem incondicionadas, como, por exemplo, a imunidade recíproca, não
há necessidade de edição de lei, produzindo efeitos imediatamente.

Devemos lembrar que também há as imunidades condicionadas, que são aquelas que dependem de
regulamentação por lei, para que possam produzir efeitos. Como exemplos, podemos citar a imunidade
prevista no art. 150, VI, c, da CF/88. Trata-se da imunidade referente às instituições de educação e assistência
social sem fins lucrativos. Estas só poderão gozar da benesse constitucional, caso haja regulamentação legal.

Recuperando os seus estudos de Direito Constitucional, podemos dizer que as imunidades condicionadas
constituem normas de eficácia limitada, pois se faz necessária uma regulamentação infraconstitucional.

1. Classificação quanto ao alcance: gerais e específicas

Em alguns casos, o legislador constituinte optou por incluir vários tributos e todos os entes federativos
dentro de certas imunidades. Por exemplo, a imunidade recíproca veda a instituição de diversos impostos
(sobre patrimônio, renda ou serviços) e tal vedação é extensiva à União, aos Estados, ao DF e aos Municípios.
Neste caso, tal imunidade é denominada geral ou genérica.

Todas as imunidades previstas no art. 150, VI, da CF/88, são consideradas genéricas.

Por outro lado, em algumas situações, as imunidades são mais restritas, alcançando tributos específicos e,
por consequência, apenas o ente competente para instituí-los. Cite-se, por exemplo, o caso da imunidade
concedida ao IPI sobre operações de exportação (art. 153, § 3°, III). Tal imunidade pode ser denominada
específica, tópica ou especial.

(PGE-MA-Procurador/2016) A imunidade tributária expressa a incompetência do ente para instituição do


tributo na situação ali prevista, podendo ser fixada na Constituição Federal ou em lei complementar.
Comentário: É verdade que a imunidade tributária expressa a incompetência do ente para instituição do
tributo sobre o que foi imunizado. Contudo, a imunidade deve necessariamente estar prevista na
Constituição Federal.
Gabarito: Errada
(TJ-PE-Titular de Serviços de Notas e de Registros/2013) A imunidade tributária
a) pode vir definida em lei ou na Constituição Federal, mas nunca em decreto.
b) para ser concedida depende de requerimento do interessado à autoridade administrativa competente.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


11
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) pode ser criada por lei do ente competente para instituir o tributo, podendo ser em caráter geral ou em
caráter específico.
d) é prevista na Constituição Federal, que fixa as hipóteses de incompetência para o ente instituir o tributo
nas situações por ela definidas.
e) é prevista na Constituição Federal, mas sua aplicação depende sempre de despacho de autoridade
administrativa fiscal competente que reconheça a não incidência.
Comentário:
Alternativa A: A imunidade tributária apenas pode ser definida na Constituição Federal. Alternativa errada.
Alternativa B: A imunidade não fica sujeita à deferimento por parte da autoridade administrativa. Alternativa
errada.
Alternativa C: Essa regra aplica-se à isenção, mas não à imunidade, visto que esta só pode ser definida na
CF/88. Alternativa errada.
Alternativa D: Realmente, a imunidade é prevista na Constituição Federal, fixando hipóteses de
incompetência tributária para o ente instituir o tributo, ou seja, traça limites ao poder de tributar dos entes
federativos. Alternativa correta.
Alternativa E: Embora seja realmente prevista na CF, sua aplicação independe de despacho de autoridade
administrativa. Alternativa errada.
Gabarito: Letra D

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


12
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

2 – ESPÉCIES DE IMUNIDADES TRIBUTÁRIAS


Neste tópico, abordaremos as principais imunidades de forma aprofundada, e mencionaremos as demais,
previstas fora do Capítulo do Sistema Tributário Nacional, apenas para que você tenha conhecimento da
existência delas. Ok?

2.1 – Imunidade Recíproca

Mencionamos a imunidade recíproca em vários exemplos no estudo da classificação doutrinária das


imunidades, certo? Por esse motivo, creio que vocês acabaram tendo uma noção do que se trata.

Na verdade, tal imunidade – também denominada imunidade intergovernamental – existe para proteger a
autonomia financeira dos entes federados e, consequentemente, o pacto federativo. Podemos afirmar,
portanto, que ela configura uma cláusula pétrea, no entendimento da Suprema Corte (ADI 939).

Como é viabilizada esta proteção que acabamos de dizer? Ora, de acordo com o art. 150, VI, a, da CF/88, é
vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir impostos sobre o patrimônio,
renda ou serviços uns dos outros.

Você precisa estar atento ao fato de que as únicas espécies de tributos abrangidas por esta imunidade são
os impostos. Além disso, note que o conceito é ainda mais restrito: apenas os impostos sobre o patrimônio,
renda ou serviços foram alcançados pela imunidade recíproca.

Para entender o assunto que vamos estudar, é necessário que você conheça o conceito de contribuinte de
direito e contribuinte de fato. Esse tema toma relevância em situações nas quais as pessoas que arcam, de
fato, com o ônus tributário não são as mesmas que recolhem o tributo ao erário. Isso ocorre nos
denominados tributos indiretos.

Imaginemos que determinado cidadão compra uma TV de LED em uma loja de eletrodomésticos. Sobre a
incidência do ICMS nesta operação, a loja é eleita pela lei como contribuinte e é ela que vai recolher tal
imposto, correto? No entanto, quem sofre o ônus do tributo não é a loja, mas, sim, a pessoa física que
adquiriu a TV. Isso ocorre, porque a loja simplesmente acrescenta o custo daquele tributo no valor da TV.

Dessa forma, dizemos que contribuinte de direito é aquele eleito pela lei para recolher o tributo, e
contribuinte de fato é o que arca realmente com o ônus do tributo. Entendido?

Tudo isso será visto com maiores detalhes em outras aulas. O importante agora é que você saiba distinguir
tais figuras, para entender com precisão o que será dito a seguir.

Vejamos, então, como é o entendimento da Suprema Corte em relação à aplicabilidade da imunidade


recíproca sobre os tributos indiretos:

Ementa: TRIBUTÁRIO. ICMS. SERVIÇOS DE ENERGIA ELÉTRICA. MUNICÍPIO. CONTRIBUINTE DE


FATO. IMUNIDADE RECÍPROCA. ART. 150, VI, A, DA CONSTITUIÇÃO. INAPLICABILIDADE. AGRAVO
IMPROVIDO. I - A imunidade do art. 150, VI, a, da Constituição somente se aplica ao imposto

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


13
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

incidente sobre serviço, patrimônio ou renda do próprio ente beneficiado, na qualidade de


contribuinte de direito. II - Como o Município não é contribuinte de direito do ICMS relativo a
serviços de energia elétrica, não tem o benefício da imunidade em questão, uma vez que esta
não alcança o contribuinte de fato. Precedentes. III – Agravo regimental improvido.

(STF, ARE 663.552-AgR/MG, Segunda Turma, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, Julgado em
28/02/2012)

Para a Suprema Corte (ARE 663.552), a imunidade recíproca somente se aplica se o ente beneficiado estiver
na condição de contribuinte de direito, não o alcançando como contribuinte de fato.

Vejam que quem faz o recolhimento do tributo, relativo aos serviços de energia elétrica, são as próprias
prestadoras de serviço, sendo elas denominadas contribuinte de direito.

Por outro lado, a referida imunidade pode se aplicar em operações de importação de bens, quando o ente
federado for o importador. Neste caso, perceba que há a identidade do contribuinte de fato e do
contribuinte de direito, não havendo transferência do ônus tributário (STF, AI 518.405-AgR).

Além destas situações, podemos acrescentar que o STF (AI AgR/RS 174.808 e RE 196.415/PR) já considerou
ilegítima a incidência de IOF sobre aplicações financeiras dos entes federados, bem como a tributação da
renda resultante de tais aplicações pelo IR.

O reconhecimento da imunidade tributária às operações financeiras não impede a autoridade fiscal de


examinar a correção do procedimento adotado pela entidade imune. Constatado desvio de finalidade, a
autoridade fiscal tem o poder-dever de constituir o crédito tributário e de tomar as demais medidas legais
cabíveis (STF, RE 259.976-AgR). Para fins de provas, é interessante visualizarmos toda a emenda deste
julgado, conforme se transcreve abaixo:

EMENTA: PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. PROPÓSITO MODIFICATIVO.


EXCEPCIONALIDADE AUSENTE. ALEGADA CONTRADIÇÃO. INEXISTÊNCIA. ACÓRDÃO QUE TOMA
COMO PREMISSA A VINCULAÇÃO DA IMUNIDADE TRIBUTÁRIA RECÍPROCA À ATIVIDADE
ESSENCIAL DA ENTIDADE PROTEGIDA. APLICAÇÃO AO PRODUTO DE OPERAÇÕES FINANCEIRAS
PARA AFASTAR O IOF.

1. Conforme assentado em uma série de precedentes e no próprio acórdão embargado, a


imunidade tributária é indiferente à integral gratuidade dos serviços prestados e abarca os meios
de existência da entidade, ainda que inconfundíveis com a respectiva atuação institucional. 2. O
benefício não será aplicável, dentre outros motivos, se ficar constatado (i) desvio de finalidade
ou (ii) risco à concorrência e à livre iniciativa. 3. Tanto a decisão agravada como o acórdão
recorrido indicaram explicitamente que as razões de recurso extraordinário basearam-se em
meras presunções, que não são toleradas à luz do devido processo legal de constituição do crédito
tributário.

(...)

(STF, RE 259.976 AgR-ED/RS, Segunda Turma, Rel. Min. Joaquim Barbosa, Julgado em
19/10/2010)

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


14
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Observação: O caso concreto se referia à imunidade recíproca extensiva à OAB. Ainda hoje
estudaremos mais detalhes sobre esta situação.

Ressalte-se ainda que, para o STF (ADI 2.024 e RE 364.202/RS, respectivamente), a imunidade recíproca não
pode ser invocada para as contribuições previdenciárias e para as taxas. Sendo assim, por exemplo, uma
repartição federal poderia estar sujeita a pagar taxa pela coleta de lixo.

Até aqui vimos a aplicabilidade da imunidade recíproca aos entes federados. No entanto, há que se lembrar
de que esta limitação constitucional ao poder de tributar é extensiva a outras pessoas jurídicas, de acordo
com o art. 150, § 2°, da CF/88, a seguir transcrito:

“Art. 150: (...)

§ 2º - A vedação do inciso VI, "a", é extensiva às autarquias e às fundações instituídas e


mantidas pelo Poder Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços,
vinculados a suas finalidades essenciais ou às delas decorrentes.”

A citada extensão é denominada “imunidade tributária recíproca extensiva”, por parcela da doutrina. Note
que há uma restrição neste parágrafo: a necessidade de que o patrimônio, a renda e os serviços das referidas
entidades estejam vinculados às finalidades essenciais ou às delas decorrentes. Perceba ainda que esta
restrição não foi feita em relação aos entes políticos, como demonstra a ementa do seguinte julgado:

"O julgado recorrido contempla a conclusão de que a União não está condicionada ao ônus de
comprovar vinculação do bem tributado a uma finalidade pública, o que somente ocorre nos
casos das autarquias e fundações instituídas e mantidas pelo poder público no que se refere à
tributação do patrimônio, renda e serviços vinculados a suas finalidades essenciais. (...)”

(STF, RE 635.012/RJ, Decisão Monocrática, Rel. Min. Dias Toffoli, Julgado em 07/02/2013)

De qualquer modo, é interessante destacar a jurisprudência do STJ, no sentido de que há presunção de que,
os imóveis pertencentes às entidades autárquicas, se destinam aos seus fins institucionais:

PROCESSUAL CIVIL. IMUNIDADE TRIBUTÁRIA. IPTU. PRESUNÇÃO DE QUE O IMÓVEL SE DESTINA


AOS FINS INSTITUCIONAIS DA ENTIDADE AUTÁRQUICA.

ÔNUS DA PROVA EM CONTRÁRIO. INCUMBÊNCIA DO PODER TRIBUTANTE.

1. Conforme a jurisprudência dominante do STJ, presume-se que o imóvel de entidade


autárquica esteja afetado a destinação compatível com seus objetivos e finalidades
institucionais. Portanto, o ônus de provar que o patrimônio da autarquia está desvinculado dos
seus objetivos institucionais e, portanto, não abrangido pela imunidade tributária prevista no art.
150 da Constituição, recai sobre o poder tributante. Com efeito, assim como cabe ao executado-
embargante o ônus da prova de sua pretensão desconstitutiva, incumbe ao embargado, réu no
processo de embargos à execução, a prova do fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito
do autor. Precedentes citados.

2. Recurso especial não provido.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


15
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

(STJ, Segunda Turma, REsp 1.335.220/RJ, Rel. Min. Mauro Campbell Marques, Julgamento em
21/08/2012)

Para o STJ, o ônus de provar que o patrimônio da autarquia está desvinculado dos seus
objetivos institucionais é do ente tributante.

Destaque-se que, muito embora o texto constitucional restrinja a aplicação desta imunidade às autarquias e
às fundações públicas, o entendimento predominante no STF (RE 407.099/RS e AC 1.550-2) é o de que a
benesse é extensível também às empresas públicas (EP) e às sociedades de economia mista (SEM)
prestadoras de serviço público de prestação obrigatória e exclusiva do Estado.

A princípio, você poderia pensar que isso seria proibido pelo art. 173, § 2°, da CF/88, segundo o qual “as
empresas públicas e as sociedades de economia mista não poderão gozar de privilégios fiscais não extensivos
às do setor privado”.

Contudo, o que deve ser considerado é que existem dois tipos de EP e SEM, isto é, há aquelas exploradoras
de atividade econômicas (sujeitas ao art. 173, da CF/88) e há as prestadoras de serviços públicos (sujeitas ao
art. 175, da CF/88). As únicas abrangidas pela imunidade recíproca são as prestadoras de serviço público.

Nesse sentido, o STF já concedeu imunidade às seguintes EP e SEM:

• Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) – (STF, RE 407.099);


• Infraero – (STF, RE 524.615-AgR);
• Companhia de Águas e Esgoto de Rondônia (CAERD) – (STF, AC 1.550-2/RO);
• Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) – (STF, RE 253.472)
• Casa da Moeda do Brasil (CMB) – (STF, RE 610.517)
• Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) (STF, ACO 2.568)

Observação: Em 2014, tivemos mais três decisões favoráveis à imunidade gozada pela ECT.
Senão, vejamos:

Em 15/10/2014, o STF reconheceu a imunidade relativa ao IPTU incidente sobre imóveis de


propriedade da ECT, bem assim os por ela utilizados.

Em 12/11/2014, o Plenário do STF decidiu que não incide o ICMS sobre o serviço de
transporte de bens e mercadorias realizado pela Empresa Brasileira de Correios e
Telégrafos – ECT.

Em 26/11/2014, a Suprema Corte (ACO 879/PB) reafirmou sua jurisprudência a respeito da


imunidade tributária relativa ao IPVA, gozada pela ECT.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


16
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Além dos casos acima citados, o entendimento do STF (RE 580.264/RS) tem sido o de que “as sociedades de
economia mista prestadoras de ações e serviços de saúde, cujo capital social seja majoritariamente estatal,
gozam da imunidade tributária prevista na alínea a do inciso VI do art. 150 da Constituição Federal”.

Na direção oposta do que vimos, o STF (RE 285.716-AgR) negou à Petrobrás, sociedade de economia mista
destinada à exploração econômica em benefício de seus acionistas, a imunidade recíproca. De acordo com a
Suprema Corte, “é irrelevante para definição da aplicabilidade da imunidade tributária recíproca a
circunstância de a atividade desempenhada estar ou não sujeita a monopólio estatal”. Dessa forma,
podemos memorizar que o fato de a atividade estar sujeita a monopólio estatal não traz como consequência
a aplicação de imunidade.

Ressalte-se que a OAB – entidade não integrante da administração pública indireta – também foi alcançada
pela imunidade recíproca, no entendimento do STF (RE 259.976-AgR). De acordo com a Suprema Corte, a
OAB desempenha atividade própria de Estado, motivo que faz com que ela também esteja imune.

Embora a OAB esteja inserida no seleto rol de entidades abrangidas pela imunidade recíproca, o STF já
chegou a decidir que as Caixas de Assistência dos Advogados, mesmo integrando a estrutura da OAB, não
são imunes (STF, RE 662.816/BA-AgR), sob a argumentação de que as Caixas de Assistência têm sua área de
atuação voltada aos benefícios individuais dos associados. Trata-se de entidade destinada a prover
benefícios pecuniários e assistenciais a seus associados, não desempenhando as atividades inerentes à
Ordem dos Advogados do Brasil (defesa da Constituição, da ordem jurídica do Estado democrático de direito,
dos direitos humanos, da justiça social Também não lhe compete privativamente promover a representação,
a defesa, a seleção e a disciplina dos advogados em toda a República Federativa do Brasil).

Tal posicionamento, contudo, foi superado no julgamento dos embargos de declaração, opostos contra outra
decisão proferida pela Segunda Turma do STF (RE 405267 AgR-segundo-ED / MG). Neste julgamento, o
relator, Min. Edson Fachin, destacou que as caixas de assistência dos advogados prestam serviço público
delegado, possuem caráter jurídico de ente público e não exploram atividade econômica com intuito
lucrativo.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) é imune.

As Caixas de Assistência dos Advogados também são imunes.

Outro ponto a ser destacado é que nos serviços públicos prestados por meio de delegação pelo poder
público, a atividade delegada em si, caso seja exercida com intuito lucrativo, não há que se falar em
imunidade. É o caso, por exemplo, dos serviços de registros públicos, cartorários e notariais que, por terem
intuito lucrativo e serem devidamente remunerados, não estão imunes (STF, ADI 3.089). Por conta desse
entendimento, faz-se necessário transcrever parte da ementa do acórdão proferido pelo STF no julgamento
da ADI 3.089:

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


17
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

As pessoas que exercem atividade notarial não são imunes à tributação, porquanto a
circunstância de desenvolverem os respectivos serviços com intuito lucrativo invoca a exceção
prevista no art. 150, § 3º da Constituição. O recebimento de remuneração pela prestação dos
serviços confirma, ainda, capacidade contributiva.

A imunidade recíproca é uma garantia ou prerrogativa imediata de entidades políticas


federativas, e não de particulares que executem, com inequívoco intuito lucrativo, serviços
públicos mediante concessão ou delegação, devidamente remunerados.

Não há diferenciação que justifique a tributação dos serviços públicos concedidos e a não-
tributação das atividades delegadas. Ação Direta de Inconstitucionalidade conhecida, mas
julgada improcedente.

(STF, ADI 3.089/DF, Pleno, Rel. Min. carlos Britto, Julgado em 13/02/2008)

O simples fato de o serviço ter natureza pública não basta para ficar caracterizada a
imunidade!

Para concluir o tema, precisamos estudar a última norma que versa sobre a imunidade recíproca, que é o §
3° do art. 150, que diz o seguinte:

“Art. 150: (...)

§ 3º - As vedações do inciso VI, "a", e do parágrafo anterior não se aplicam ao patrimônio,


à renda e aos serviços, relacionados com exploração de atividades econômicas regidas
pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em que haja contraprestação ou
pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o promitente comprador da
obrigação de pagar imposto relativamente ao bem imóvel.”

Uma leitura atenta do dispositivo permite inferir que há duas hipóteses que escapam da abrangência da
imunidade recíproca.

A primeira diz respeito a quando o patrimônio, a renda e os serviços são utilizados para exploração de
atividades econômicas em concorrência com os empreendimentos privados. O que se deve ficar atento é ao
motivo que fez o legislador constituinte inserir esta exceção, que é o fato de não permitir que haja
concorrência desleal. Ou seja, seria injusto que determinadas entidades utilizassem da imunidade para
concorrer no mercado, certo?

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


18
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Ainda devemos tratar sobre os casos de delegação de serviços públicos, nos quais são cedidos imóveis dos
entes públicos a pessoas jurídicas de direito privado, para exploração da atividade. Em tais casos, o STF
mantinha o entendimento de que a imunidade recíproca se estendia ao imóvel pertencente à União utilizado
por empresa privada, sob o regime de concessão.

Porém, no julgamento do RE 601.720/RJ, foi considerada a exigência do IPTU em tal situação. O caso concreto
envolveu a INFRAERO, que é uma pessoa jurídica de direito privado (empresa pública) com imunidade
pacificamente reconhecida pelo STF, e uma empresa privada (Barrafor – concessionária de veículos Ford),
sendo o bem imóvel objeto da concessão de uso pertencente à União.

O entendimento da maioria dos ministros da Suprema Corte foi o de que a imunidade recíproca não é
aplicável ao caso em razão do disposto no art. 150, § 3º, da CF/88, por se tratar de atividade privada
desenvolvida no local, evitando que haja violação à livre concorrência, pela aplicação de uma imunidade a
uma empresa em detrimento de seus concorrentes que atuam no mesmo segmento.

Há que se destacar que o STF (RE 242.827) já decidiu que a imunidade recíproca extensiva alcança o INCRA
– autarquia federal -, desobrigando-o de pagar ICMS sobre a exploração de unidade agroindustrial. No
entendimento do tribunal, a exploração é ocasional e está inserida no âmbito de sua destinação social. Trata-
se de um caso muito específico, mas é bom que você saiba que o STF assim já se posicionou.

A segunda hipótese afirma que a imunidade recíproca não exonera o promitente comprador da obrigação
de pagar imposto relativamente ao bem imóvel.

A situação se refere a quando uma pessoa particular (promitente comprador) assina um contrato de compra
e venda, adquirindo um imóvel de um ente imune. Lembre-se de que a mera assinatura do contrato não
transfere a propriedade do bem, mas o comprador passa a ter sobre o bem o direito real de aquisição de
coisa alheia, bastando, segundo a CF/88, para ser tributado normalmente.

Nesse contexto, o STF já sumulou o seguinte entendimento:

Súmula STF 583 - Promitente-comprador de imóvel residencial transcrito em nome de autarquia


é contribuinte do imposto predial territorial urbano.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


19
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Patrimônio Extensiva a
IMUNIDADE
Impostos Renda autarquias e
RECÍRPOCA
Serviços fundações públicas

Não se aplica: EP e SEM Vinculação a


Não se aplica: prestadoras de finalidades
Taxas serviço público essenciais
- Explor. Ativ. Econ.
Contr. Previd.
- Contrib. De fato
- Serv. Cartoriais

(SEFAZ-DF-Auditor Fiscal/2020) A imunidade tributária recíproca dos entes federativos não é extensível às
respectivas autarquias e fundações públicas.
Comentário: De acordo com o art. 150, § 2º, da CF/88, a imunidade recíproca é extensiva às autarquias e às
fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços,
vinculados a suas finalidades essenciais ou às delas decorrentes.
Gabarito: Errada
(MPE-CE-Promotor de Justiça/2020) A União não pode instituir tributos de nenhuma natureza sobre o
patrimônio dos estados e municípios.
Comentário: A imunidade recíproca, prevista no art. 150, VI, "a", da CF/88, é específica para os impostos,
não alcançando outras espécies tributárias. Ao resolver a questão, o candidato precisa ter muito cuidado
para não confundir imposto" com "tributo".
Gabarito: Errada
(PGM-Campo Grande-Procurador/2019) As imunidades recíprocas são limitações constitucionais ao poder
de tributar e têm status de cláusulas pétreas.
Comentário: De fato, a imunidade recíproca atua protegendo o princípio federativo, garantindo autonomia
financeira aos entes federativos. Por essa razão, é considerada cláusula pétrea.
Gabarito: Correta

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


20
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

(PGE-PE-Procurador/2018) As hipóteses de limitação ao poder de tributar decorrente do princípio


constitucional da imunidade recíproca incluem
a) proibir a União de instituir impostos sobre o patrimônio de estados e municípios.
b) vedar as limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos interestaduais ou intermunicipais.
c) proibir que estado estabeleça diferença tributária entre bens e serviços em razão do município de
procedência ou de destino.
d) vedar isenções de tributos da competência de outros entes federativos.
e) proibir a instituição de tributo federal que não seja uniforme em todo o território nacional.
Comentário:
Alternativa A: A imunidade recíproca impede a instituição e cobrança de impostos sobre o patrimônio, renda
e serviços, sendo tal vedação aplicável a todos os entes federativos, inclusive a União. Alternativa correta.
Alternativa B: Trata-se, neste caso, do princípio constitucional da liberdade de tráfego. Alternativa errada.
Alternativa C: Trata-se de princípio da não discriminação em razão da procedência ou destino. Alternativa
errada.
Alternativa D: Trata-se do princípio da vedação às isenções heterônomas. Alternativa errada.
Alternativa E: Trata-se do princípio da uniformidade geográfica da tributação. Alternativa errada.
Gabarito: Letra A
(SEFAZ-PI-Auditor Fiscal/2015) A Constituição Federal estabelece limitações ao poder de tributar, concedido
aos entes federados. No que se refere a estes limites, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e
aos Municípios, instituir tributos sobre a renda e patrimônio uns dos outros, inclusive em relação às
autarquias, fundações e empresas públicas, instituídas ou mantidas por estes entes federados.
Comentário: Primeiramente, devemos nos atentar ao fato de que a referida imunidade citada na questão
se restringe aos impostos, não sendo extensiva aos “tributos” de um modo geral. Ademais, além desse erro,
as empresas públicas não foram consideradas imunes no texto constitucional, mas apenas as autarquias e
fundações instituídas e mantidas pelo poder público.
Gabarito: Errada
(ICMS-PE/2014) As sociedades de economia mista prestadoras de ações e serviços de saúde, ainda que seu
capital social seja majoritariamente estatal, não gozam da imunidade tributária recíproca.
Comentário: O STF já decidiu que as sociedades de economia mista prestadoras de ações e serviços de saúde,
cujo capital social seja majoritariamente estatal, gozam da imunidade tributária prevista na alínea a do inciso
VI do art. 150 da Constituição Federal.
Gabarito: Errada
(TRT-16ª Região – Analista Judiciário/2014) Facundo, Auditor Fiscal da Receita Federal, pretende multar a
Fundação “Vida e Paz”, fundação instituída e mantida pelo Poder Público, haja vista que a mesma jamais
pagou imposto sobre seu patrimônio, renda e serviços. Nesse caso,
a) Facundo apenas pode cobrar tributo pelos serviços exercidos pela fundação, mas não sobre a renda e o
patrimônio, os quais detém imunidade tributária.
b) correta a postura de Facundo, vez que a citada fundação não detém imunidade tributária.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


21
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) correta a postura de Facundo, pois apenas as autarquias possuem imunidade tributária.


d) incorreta a postura de Facundo, vez que a fundação possui imunidade tributária relativa aos impostos
sobre seu patrimônio, renda e serviços, vinculados a suas finalidades essenciais ou as delas decorrentes.
e) Facundo apenas pode cobrar tributo sobre a renda da fundação, mas não sobre seus serviços e patrimônio,
os quais detém imunidade tributária.
Comentário: Sabemos que a imunidade recíproca foi estendida às autarquias às fundações instituídas e
mantidas pelo Poder Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços, vinculados a suas
finalidades essenciais ou às delas decorrentes, conforme determina o art. 150, § 2º, da CF/88. Portanto,
Facundo não pode multar a referida fundação, sob o fundamento de que tal entidade jamais pagou imposto
sobre seu patrimônio, renda e serviços.
Gabarito: Letra D
(ICMS-PE/2014) A sociedade de economia mista prestadora de serviço público de água e esgoto não é
abrangida pela imunidade tributária recíproca.
Comentário: O STF já se manifestou no sentido da extensão da imunidade tributária recíproca às sociedades
de economia mista prestadora de serviços públicos. Assim, já foi concedida imunidade para a CAERD
(Companhia de Águas e Esgoto de Rondônia), uma sociedade de economia mista prestadora de serviço
público de água e esgoto.
Gabarito: Errada

2.2 – Imunidade Religiosa

O art. 150, VI, b, da CF/88, veda que todos os entes federativos cobrem impostos sobre os templos de
qualquer culto. Levando em consideração o disposto no art. 5°, VI, da CF/88, podemos dizer que a liberdade
de culto é um direito individual, o que faz com que a imunidade ora analisada se configure uma cláusula
pétrea.

Verifica-se também que, pelo fato de o Brasil ser um país laico, a imunidade religiosa alcança todas as
religiões, sem qualquer distinção.

A imunidade religiosa é incondicionada! Grave isso!

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


22
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Há que se ressaltar, nesse contexto, que, da mesma forma como ocorre com as demais imunidades inseridas
no art. 150, VI, da Magna Carta, a imunidade religiosa somente alcança os impostos, não sendo extensiva,
no entendimento do STF (RE 129.930), às contribuições sindicais.

Ainda seguindo o raciocínio do STF (RE 325.822), embora o texto constitucional mencione que a imunidade
protege os “templos”, devemos entender que o legislador constituinte quis dizer que a vedação abrange
também o patrimônio, a renda e os serviços relacionados com as finalidades essenciais da entidade
religiosa.

Neste rumo, ainda que um imóvel pertencente a determinada entidade religiosa encontre-se alugado para
terceiros, a imunidade subsiste, pois embora a atividade exercida não esteja de acordo com o disposto no
art. 150, § 4°, da CF/88, para o STF, basta que os recursos gerados estejam sendo vertidos para as finalidades
essenciais de tais entidades. Ademais, a Suprema Corte (RE 578.562), dando entendimento extensivo à
imunidade religiosa, entende que os cemitérios que consubstanciam extensões destas entidades também
são alcançados pela vedação constitucional em tela.

Perceba que não são todos os cemitérios que estão abrangidos pela imunidade, mas
apenas aqueles que são, de fato, mera extensão da entidade religiosa.

Por fim, cabe-nos ressaltar a decisão do STF (RE 562.351) no sentido de que a maçonaria não é alcançada
pela imunidade religiosa, já que nas lojas maçônicas não se professa qualquer religião.

Relacionados
com finalidades RECURSOS
essenciais GERADOS

Alcança Imóveis
IMUNIDADE Patrimônio/Renda
Impostos Alugados a
RELIGIOSA /Serviços
Terceiros

Não se aplica: Cemitérios


Maçonaria (Extensão)

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


23
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

(SEFAZ-MA-Auditor Fiscal/2016) De acordo com as regras constitucionais atinentes às limitações do poder


de tributar, é VEDADO
a) aos Estados, instituir e cobrar a “Taxa de Fiscalização de Prestação de Serviços de Interesse à Saúde”,
relativamente a estabelecimento pré-escolar (maternal), entidade sem fins lucrativos e que exerce suas
atividades essenciais.
b) aos Municípios, instituir e cobrar o ISS sobre a prestação de serviço de saúde por hospitais de propriedade
de entidade de economia mista, que cobra pelos serviços que presta, e cuja maior parte do capital pertence
ao Estado.
c) aos Municípios, instituir e cobrar a “taxa de lixo” das repartições públicas estaduais, pertencentes à
Administração direta estadual.
d) instituir e cobrar contribuição de melhoria decorrente da valorização de um terreno baldio de propriedade
de instituição religiosa.
e) aos Estados, instituir e cobrar o IPVA sobre veículos de propriedade de órgão da Administração direta da
União.
Comentário:
Alternativa A: A referida taxa, a ser cobrada em razão do poder de polícia, não é vedada, haja vista que a
imunidade das entidades educacionais sem fins lucrativos abrange apenas impostos sobre seu patrimônio,
renda ou serviços. Alternativa errada.
Alternativa B: O STF já julgou caso semelhante, mas se referia à entidade que tinha sua receita proveniente
exclusivamente de repasses públicos, atendendo unicamente pelo SUS, ou seja, não havia cobrança pelos
seus serviços, o que não é o caso dessa questão, que não menciona se tratar de entidade sem fins lucrativos.
Alternativa errada.
Alternativa C: A imunidade recíproca abrange exclusivamente a espécie tributária impostos, não alcançando
as taxas. Portanto, não há que se falar em tal vedação. Alternativa errada.
Alternativa D: A imunidade religiosa se restringe aos impostos incidentes sobre seu patrimônio, renda ou
serviços. Dessa forma, é plenamente possível instituir e cobrar contribuição de melhoria decorrente da
valorização de um terreno de propriedade de instituição religiosa. Alternativa errada.
Alternativa E: O IPVA é um imposto que incide sobre o patrimônio (veículos). Portanto, é vedado aos Estados
instituir e cobrar o IPVA sobre veículos de propriedade de órgão da Administração direta da União, em
virtude da imunidade recíproca, prevista no art. 150, VI, “a”, da CF/88. Alternativa correta.
Gabarito: Letra E
(ICMS-SP/2013) É uma das limitações constitucionais do poder de tributar a imunidade aos impostos, taxas
e contribuições de melhoria dos templos de qualquer culto.
Comentário: A imunidade religiosa restringe-se apenas aos impostos, não alcançando as taxas e
contribuições de melhoria.
Gabarito: Errada

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


24
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

(TJ-PE-Juiz/2013) A imunidade sobre o templo de qualquer culto apenas alcança os impostos, sendo devidas,
portanto, as taxas e contribuição de melhoria incidentes sobre o imóvel destinado ao templo.
Comentário: De fato, a imunidade religiosa (sobre templos de qualquer culto) alcança tão somente os
impostos, sendo devidas as taxas e contribuições de melhoria incidentes sobre as entidades religiosas.
Gabarito: Correta
(TRF-3ª Região-Analista Judiciário/2014) A renda auferida pelas igrejas com dízimo (doação em dinheiro
feita pelos fiéis) é imune de imposto de renda.
Comentário: A renda auferida pelas entidades religiosas não sofre a incidência do imposto de renda, tendo
em vista haver imunidade tributária.
Gabarito: Correta

2.3 Imunidade dos Partidos Políticos, Entidades Sindicais dos


Trabalhadores, Instituições de Educação e de Assistência Social

De acordo com o art. 150, VI, c, da CF/88, é vedado a todos os entes políticos cobrar impostos sobre o
patrimônio, a renda e os serviços dos partidos políticos e suas fundações, dos sindicatos de trabalhadores e
das instituições de educação e assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os requisitos da lei.

O art. 150, VI, “c”, trata da imunidade de várias entidades. Qual é a extensão dos termos
“sem fins lucrativos” e “atendidos os requisitos da lei”?

De acordo com Regina Helena Costa3:

sem fins lucrativos → “Requisito a ser preenchido tão somente pelas instituições de
educação e assistência social, uma vez que os partidos políticos e suas fundações, bem
como as entidades sindicais de trabalhadores, são entes que, por sua própria natureza, não
objetivam lucro.”

atendidos os requisitos da lei → “Aplicável a todas as pessoas nele mencionadas.”

3
COSTA, Regina Helena. Curso de direito tributário: Constituição e Código Tributário Nacional. 4ª Edição.
2014.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


25
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Somente sindicatos de trabalhadores estão abrangidos pela imunidade. Os sindicatos dos


empregadores ou de setores (ou categorias) econômicos não estão.

O que nos chama a atenção – e por tal motivo eu o negritei – é o fato de a norma constitucional exigir a
edição de uma lei, para que as instituições de educação e assistência social gozem da referida imunidade.
Além disso, seria uma lei ordinária ou complementar?

Para dirimir as dúvidas, será necessário recorrer ao entendimento do STF acerca do assunto, conforme
vemos a seguir (grifos nossos):

“Conforme precedente no STF (RE 93.770, Muñoz, RTJ 102/304) e na linha da melhor doutrina, o
que a Constituição remete à lei ordinária, no tocante à imunidade tributária considerada, é a
fixação de normas sobre a constituição e o funcionamento da entidade educacional ou
assistencial imune; não, o que diga respeito aos lindes da imunidade, que, quando susceptíveis
de disciplina infraconstitucional, ficou reservado à lei complementar.”

(STF, ADI-MC 1.802/DF, Plenário, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, Julgamento em 27/08/1988)

Perceba que, quando uma lei for fixar normas sobre a constituição e o funcionamento das referidas
entidades, basta que se edite uma lei ordinária. É o que ocorreu com a edição da Lei 9.532/97, estabelecendo
diversas regras relacionadas às entidades objeto da imunidade. No julgamento acima, o STF teve a
oportunidade de analisar os requisitos previstos no § 2º, do art. 12, desta norma, e decidiu que a maioria
deles se referiam à constituição e funcionamento dessas entidades, podendo, pois, serem regulados pela via
de lei ordinária.

Observação: De acordo com o art. 146, II, da CF/88, é necessária a edição de lei
complementar para regular tais limitações ao poder de tributar.

Outra pergunta pertinente seria: qual lei complementar cumpre com esse papel? Ora, trata-se de uma lei
muito conhecida por nós (ou que ainda o será), que é o CTN. Em seu art. 14, a Lei 5.172/66 elenca os
requisitos para que as já mencionadas entidades gozem da imunidade:

“Art. 14 – (...)

I – não distribuírem qualquer parcela de seu patrimônio ou de suas rendas, a qualquer


título;

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


26
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

II - aplicarem integralmente, no País, os seus recursos na manutenção dos seus objetivos


institucionais;

III - manterem escrituração de suas receitas e despesas em livros revestidos de


formalidades capazes de assegurar sua exatidão.”

Na falta de cumprimento destes requisitos, a autoridade competente pode suspender a


aplicação do benefício da imunidade tributária, conforme preconiza o art. 14, § 1°.

Perceba que, ao lermos na CF/88 que tais entidades não podem ter fins lucrativos, não quer dizer que elas
não podem obter resultado financeiro positivo, pois isso é essencial para que qualquer entidade se
desenvolva. No entanto, o que é vedado pelo CTN é que haja distribuição de seu patrimônio ou de suas
rendas, a qualquer título, inclusive aos sócios, gerentes etc.

Também não se pode confundir a repartição de lucros com a justa remuneração de seus colaboradores pelos
trabalhos desenvolvidos na entidade. Isso é permitido.

Outro ponto a ser discutido em nosso curso, de suma importância para o conhecimento amplo da imunidade
estudada, é a restrição de que somente o patrimônio, a renda e os serviços vinculados às finalidades
essenciais da entidade estarão imunes aos impostos sobre eles incidentes. Trata-se, pois, da mesma
restrição feita à imunidade religiosa, disposta no art. 150, § 4°, da CF/88.

Repare que a imunidade religiosa não se submete às restrições do art. 14 do CTN.

Vale ressaltar que, da mesma forma como tem ocorrido com a imunidade religiosa, o STF tem sido bastante
flexível na análise da vinculação asseverada na CF. Nesse sentido, vamos citar, a partir de agora, alguns
julgados, da própria Corte, que já foram ou que há grandes chances de serem cobrados em prova. Portanto,
atenção total!

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


27
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Súmula Vinculante 52 - Ainda quando alugado a terceiros, permanece imune ao IPTU o imóvel
pertencente a qualquer das entidades referidas pelo art. 150, VI, “c”, da Constituição Federal,
desde que o valor dos aluguéis seja aplicado nas atividades para as quais tais entidades foram
constituídas.

Observação: Esta súmula vinculante possui a mesma redação da Súmula 724 do STF. Isso
significa que já se tratava de entendimento pacífico no STF. A distinção é que, a partir da
sua publicação, o posicionamento nela contido possui efeito vinculante em relação aos
demais órgãos do Poder Judiciário e à administração pública direta e indireta.

Semelhantemente ao que estudamos na imunidade religiosa, o STF também entende que se aplica a
imunidade quando o imóvel, pertencente às entidades referidas no art. 150, VI, c, estiver alugado a terceiros.
A única condição é que a renda gerada seja aplicada nas atividades essenciais das entidades.

Além disso, de acordo com a mesma Corte (RE 144.900), são imunes os serviços não relacionados às
finalidades essenciais das entidades, desde que a receita deles destine-se ao financiamento de tais
finalidades. No caso concreto, foi considerado imune de ISS o serviço de estacionamento de veículos
prestado por hospital em pátio interno. Vejamos a íntegra da ementa desse julgado:

EMENTA: IMUNIDADE TRIBUTÁRIA. ART. 150, VI, C, DA CONSTITUIÇÃO. INSTITUIÇÃO DE


ASSISTÊNCIA SOCIAL. EXIGÊNCIA DE IMPOSTO SOBRE SERVIÇO CALCULADO SOBRE O PREÇO
COBRADO EM ESTACIONAMENTO DE VEÍCULOS NO PÁTIO INTERNO DA ENTIDADE. Ilegitimidade.
Eventual renda obtida pela instituição de assistência social mediante cobrança de
estacionamento de veículos em área interna da entidade, destinada ao custeio das atividades
desta, está abrangida pela imunidade prevista no dispositivo sob destaque. Precedente da
Corte: RE 116.188-4. Recurso conhecido e provido.

(STF, Primeira Turma, RE 144.900/SP, Rel. Min. Ilmar Galvão, Julgamento em 22/04/1997)

Na esteira desse entendimento, também foi considerado imune do IPTU imóvel de propriedade de uma
entidade beneficente, em cujas instalações era mantida uma livraria. A imunidade subsiste, neste caso,
pois o que importa é que as rendas auferidas sejam revertidas para a manutenção de suas atividades
institucionais.

Sobre a renda destinada às finalidades essenciais, destaque-se que também já foi considerada imune pelo
STF “a renda obtida pelo SESC na prestação de serviços de diversão pública, mediante a venda de ingressos
de cinema ao público em geral”.

Para o STF, as escolas de ensino profissionalizante estão enquadradas no rol de entidades


do art. 150, VI, c. Cite-se, como exemplo, o SENAC e o SENAI.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


28
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Além disso, ainda que os imóveis estejam sendo utilizados como escritório e residência de membro da
entidade, continuam imunes. Senão, vejamos:

Instituições de educação e assistência social sem fins lucrativos (...). O fato de os imóveis estarem
sendo utilizados como escritório e residência de membros da entidade não afasta a imunidade
prevista no art. 150, VI, alínea c, § 4º, da CF."

(STF, RE 221.395, Segunda Turma, Rel. Min. Marco Aurélio, Julgamento em 08/02/2000)

Diferentemente do que acaba de ser visto, em 2010, a Segunda Turma do STF havia afastado a aplicação da
imunidade prevista no art. 150, VI, “c”, da CF/88, aos terrenos baldios sem vinculação às finalidades
essenciais das entidades imunes.

Contudo, em 2013, a Primeira Turma da Colenda Corte, de forma divergente, decidiu que a constatação de
que imóvel vago ou sem edificação não seria suficiente, por si só́, para destituir a garantia constitucional
da imunidade tributária. A ementa do julgamento do RE 385.091/DF foi parcialmente transcrita abaixo:

EMENTA: Imunidade. Entidade de assistência social. Artigo 150, VI, c, CF. Imóvel vago. Finalidades
essenciais. Presunção. Ônus da prova.

1. A regra de imunidade compreende o reverso da atribuição de competência tributária. Isso


porque a norma imunitória se traduz em um decote na regra de competência, determinando a
não incidência da regra matriz nas áreas protegidas pelo beneplácito concedido pelo constituinte.

(...)

3. No caso da imunidade das entidades beneficentes de assistência social, a Corte tem conferido
interpretação extensiva à respectiva norma, ao passo que tem interpretado restritivamente as
normas de isenção.

(...)

5. A constatação de que um imóvel está vago ou sem edificação não é suficiente, por si só, para
destituir a garantia constitucional da imunidade. A sua não utilização temporária deflagra uma
neutralidade que não atenta contra os requisitos que autorizam o gozo e a fruição da
imunidade.

6. Recurso extraordinário a que se nega provimento.

(STF, Primeira Turma, RE 385.091/DF, Min. Rel. Dias Toffoli, Julgamento em 06/08/2013)

Certamente, essa divergência entre as turmas causa dúvidas no candidato sobre qual posicionamento levar
para a prova. A orientação mais sensata é a de que seja seguido o mais recente julgamento, direcionado à
manutenção da referida imunidade, em caso de imóvel vagos ou sem edificação.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


29
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Ainda no que se refere à imunidade em tela, quando nossa análise recai sobre o ICMS (tributo indireto), há
que se relembrar dos conceitos que já vimos sobre contribuinte de direito e de fato. Você se lembra, certo?
Caso não tenha certeza, retorne ao tópico da imunidade recíproca e leia novamente. Vamos lá, então:

“O Plenário do Supremo Tribunal Federal, ao apreciar o RE 210.251 - EDv/SP, fixou entendimento


segundo o qual as entidades de assistência social são imunes em relação ao ICMS incidente
sobre a comercialização de bens por elas produzidos, nos termos do art. 150, VI, "c" da
Constituição. Embargos de divergência conhecidos, mas improvidos.”

(STF, RE 186.175 ED-EDv/SP, Pleno, Rel. Min. Ellen Gracie, Julgamento em 23/08/2006)

Embora já tenha havido decisões em sentido contrário em ocasiões anteriores, atualmente, o


entendimento predominante no STF é o de que a imunidade das entidades de assistência social abrange o
ICMS incidente sobre a comercialização de bens por elas produzidos.

Esse posicionamento foi corroborado pelo STJ, no julgamento do RMS 46.170-MS, ao reafirmar que a
jurisprudência do STF é firme no sentido de que a imunidade prevista no art. 150, VI, c, da CF também se
aplica ao ICMS, desde que a atividade seja relacionada com as finalidades essenciais da entidade.

Contudo, o STJ (RMS 46.170-MS, julgado em 23/10/2014) ressaltou que tal imunidade não se aplica
em relação ao ICMS decorrente da prática econômica desenvolvida por entidade de assistência social sem
fins lucrativos que tem por finalidade realizar ações que visem à promoção da pessoa com deficiência,
quando desempenhar atividade franqueada da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

Dessa forma, ainda que a renda obtida pela entidade seja revertida em prol de suas atividades
essenciais, a imunidade em relação ao ICMS não pode ser concedida no caso, porquanto a atividade
econômica fraqueada dos Correios foge dos fins institucionais da entidade, ou seja, o serviço prestado não
possui relação com seus trabalhos na área de assistência social.

Memorize para a prova: desempenho de atividade franqueada da ECT por entidade de


assistência social sem fins lucrativos não a isenta do ICMS incidente sobre as operações.

Ademais, ainda sobre a imunidade de tais entidades, o STF decidiu o seguinte:

“Não há invocar, para o fim de ser restringida a aplicação da imunidade, critérios de


classificação dos impostos adotados por normas infraconstitucionais, mesmo porque não é
adequado distinguir entre bens e patrimônio, dado que este se constitui do conjunto daqueles. O
que cumpre perquirir, portanto, é se o bem adquirido, no mercado interno ou externo, integra
o patrimônio da entidade abrangida pela imunidade.”

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


30
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

(STF, RE 203.755/ES, Segunda Turma, Rel. Min. Carlos Velloso, Julgamento em 17/09/1996)

Com base no entendimento de que o que importa é saber se o bem adquirido no mercado interno ou
externo integra o patrimônio da entidade imune, o STF estendeu a citada imunidade às aquisições no
mercado interno:

ICMS. IMUNIDADE. (ART. 150, VI, C, DA CF). AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS NO


MERCADO INTERNO. ENTIDADE BENEFICENTE. 1. A imunidade tributária prevista no art. 150,
VI, c, da Constituição, compreende as aquisições de produtos no mercado interno, desde que
os bens adquiridos integrem o patrimônio dessas entidades beneficentes. 2. Agravo regimental
improvido.

(STF, AI 535.922-AgR/RS, Segunda Turma, Rel. Min. Ellen Gracie, Julgamento em 30/09/2008)

No que se refere à figura do contribuinte de fato (adquirente de mercadorias ou serviços), o


entendimento do STF é o mesmo aplicável à imunidade recíproca (também visto nesta aula):

EMENTA: AGRAVO REGIMENTAL EM AGRAVO DE INSTRUMENTO. TRIBUTÁRIO. ICMS. ENTIDADE


SEM FINS LUCRATIVOS. IMUNIDADE RECÍPROCA. IMPOSSIBLIDADE. BENEFÍCIO DA IMUNIDADE
NÃO ALCANÇA CONTRIBUINTE DE FATO. AGRAVO IMPROVIDO. I – Entidade educacional que não
é contribuinte de direito do ICMS relativo a serviço de energia elétrica, não tem benefício da
imunidade em questão, uma vez que esta não alcança o contribuinte de fato.

(STF, AI 731.786-AgR/SC, Primeira Turma, Rel. Min. Ricardo Lewandowski, Julgamento em


19/10/2010)

Embora os dois últimos julgados se refiram a situações em que a entidade imune é contribuinte de
fato, há uma diferença entre eles: no AI 535.922, os bens adquiridos passam a integrar o patrimônio da
entidade; no AI 731.786 se refere a mero consumo do serviço de energia elétrica.

O que você precisa guardar para a prova é o seguinte:

-Se a questão mencionar que o bem foi adquirido e passou a integrar o patrimônio da
entidade, haverá imunidade.

-Se houver apenas menção de que a entidade está na posição do contribuinte de fato, não
haverá imunidade.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


31
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Além de tais casos, devemos guardar que a imunidade prevista no art. 150, VI, c, da CF/88, também “abrange
o Imposto de Importação e o Imposto sobre Produtos Industrializados, que incidem sobre bens a serem
utilizados na prestação de seus serviços específicos” (STF, RE 243.807).

Destaque-se que tal imunidade estende-se ao Imposto sobre operações financeiras (IOF) (STF, RE 192.899-
AgR):

EMENTA: IOF. Imunidade tributária. Instituição de educação sem fins lucrativos. A imunidade
tributária prevista no art. 150, VI, c, da Constituição, estende-se ao imposto sobre operações
financeiras. Precedente: RE 230.128-AgR, 1ª T., 8.10.2002, Ellen Gracie, DJ 8.11.2002.

(STF, RE 192.899/MG, Primeira Turma, Rel. Min. Sepúlveda Pertence, Julgamento em


20/06/2006)

O ensino de línguas estrangeiras também caracteriza-se como atividade educacional para aplicação da
imunidade tributária, consoante o entendimento firmado pelo STF no RMS 24.283.

A cobrança de mensalidades pelas entidades educacionais não descaracteriza a


imunidade, se não houver distribuição de rendas, lucro ou participação nos seus
resultados.

Com o intuito de finalizar este tópico, vamos discorrer agora sobre a possibilidade de as entidades fechadas
de previdência social serem abrangidas pela imunidade ora em análise.

Eis o posicionamento do STF para este assunto:

Súmula STF 730 - A imunidade tributária conferida a instituições de assistência social sem fins
lucrativos pelo art. 150, VI, c, da Constituição, somente alcança as entidades fechadas de
previdência social privada se não houver contribuição dos beneficiários.

Nesse contexto, de acordo com a Suprema Corte, somente serão alcançadas pela imunidade conferida às
entidades de assistência social as entidades fechadas de previdência social privada, quando não houver
contribuição dos beneficiários.

As entidades fechadas de previdência social privada são aquelas criadas por certas organizações, com o
intuito de complementar o valor que será pago de aposentadoria pelo INSS aos seus funcionários.
Normalmente, a contribuição ocorre tanto parte do patrocinador (organização) como do beneficiário
(empregado).

Observe, entretanto, que a CF/88 não abarcou no art. 150, VI, c, as entidades de previdências, mas tão
somente as de assistência social. Então, no entender do STF, somente se não houver contribuição dos
beneficiários, é que a entidade se caracterizará como assistencial, fazendo jus, assim, à imunidade.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


32
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Outro ponto digno de nota é o que foi disposto no art. 202, § 3°, da CF/88, como vemos a seguir:

“Art. 202 – (...)

§ 3º É vedado o aporte de recursos a entidade de previdência privada pela União, Estados,


Distrito Federal e Municípios, suas autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades
de economia mista e outras entidades públicas, salvo na qualidade de patrocinador,
situação na qual, em hipótese alguma, sua contribuição normal poderá exceder a do
segurado.”

O dispositivo menciona que os entes políticos e as entidades a eles vinculadas (administração indireta)
somente contribuirão com entidades de previdência privada na condição de patrocinadores e, mesmo
assim, as contribuições deles não podem exceder às dos segurados.

Agora eu lhe pergunto: se as contribuições dos patrocinadores devem ser menores que a dos segurados, é
porque sempre deve haver contribuições dos segurados, para que os entes públicos participem como
patrocinadores, concorda?

Fazendo uma relação, portanto, com o que acabamos de ver, não será possível que uma entidade tenha
patrocinadores públicos e, ao mesmo tempo, goze da imunidade do art. 150, VI, c.

Como de praxe nesta aula, vamos esquematizar a estudada imunidade (incluindo apenas o principal):

IMUNIDADE Art.
150, VI, “c”

Partidos Políticos
Impostos

Sindicato Trab.
Patrimônio/Renda/S
erviços
Inst. Educacionais

Abrange IOF
Inst. Assistenciais

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


33
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

(Pref. Caruaru-PE-Procurador/2018) A imunidade tributária


a) recíproca alcança todos os tributos previstos na Constituição Federal.
b) aplica-se incondicionalmente a entidades de assistência social sem fins lucrativos.
c) aplica-se exclusivamente à propriedade de imóveis de entidades educacionais, desde que não tenham fins
lucrativos.
d) aplica-se aos bens, rendas e serviços relacionados às atividades essenciais dos partidos políticos.
e) trata-se de política parafiscal com sede constitucional, que não exclui a competência tributária plena.
Comentário:
Alternativa A: A imunidade recíproca se restringe aos impostos sobre patrimônio, renda ou serviços.
Alternativa errada.
Alternativa B: Tal imunidade fica condicionada ao cumprimento dos requisitos estabelecidos em lei
complementar. Alternativa errada.
Alternativa C: Esta imunidade alcança o patrimônio, renda ou serviços das entidades educacionais, desde
que não tenham fins lucrativos. Alternativa errada.
Alternativa D: Realmente, a imunidade prevista no art. 150, VI, "c", aplica-se aos bens, rendas e serviços
relacionados às atividades essenciais dos partidos políticos.Alternativa correta.
Alternativa E: A imunidade tributária exclui parte da competência tributária, impedindo, por ordenança
constitucional, a cobrança de impostos sobre determinadas pessoas ou bens. Alternativa errada.
Gabarito: Letra D
(ICMS-PE/2014) A imunidade tributária conferida a instituições de assistência social sem fins lucrativos
somente alcança as entidades fechadas de previdência social privada, se não houver contribuição dos
beneficiários.
Comentário: De acordo com a Súmula 730, do STF, a imunidade tributária conferida a instituições de
assistência social sem fins lucrativos pelo art. 150, VI, c, da Constituição, somente alcança as entidades
fechadas de previdência social privada se não houver contribuição dos beneficiários.
Gabarito: Correta
(ICMS-SP/2013) A imunidade tributária conferida a instituições de assistência social sem fins lucrativos pela
Constituição Federal somente alcança as entidades fechadas de previdência social privada se não houver
contribuição dos beneficiários.
Comentário: De acordo com a Súmula 730, do STF, a imunidade tributária conferida a instituições de
assistência social sem fins lucrativos pelo art. 150, VI, c, da Constituição, somente alcança as entidades
fechadas de previdência social privada se não houver contribuição dos beneficiários.
Gabarito: Correta

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


34
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

2.4 – Imunidade Cultural

O art. 150, VI, d, da CF/88, estabelece que é vedado a todos os entes federados instituírem impostos sobre
os livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão.

Trata-se da imunidade cultural – também denominada imunidade de imprensa – cujo principal objetivo é
favorecer o acesso aos meios culturais, como livros, jornais e periódicos.

De imediato, percebemos uma grande diferença entre as demais imunidades já vistas durante a aula e a
cultural: esta é objetiva, incidindo sobre “coisas”, ao passo que as demais são subjetivas, sendo parâmetro
para concessão a “pessoa”.

Seguindo essa linha de entendimento, poderíamos dizer que a imunidade não alcança o Imposto de Renda,
por exemplo, incidente sobre os lucros auferidos pelas editoras:

EMENTA: TRIBUTÁRIO. ANISTIA DO ART. 150, VI, D, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. IPMF. EMPRESA
DEDICADA À EDIÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE LIVROS, JORNAIS, REVISTAS E
PERIÓDICOS. Imunidade que contempla, exclusivamente, veículos de comunicação e informação
escrita, e o papel destinado a sua impressão, sendo, portanto, de natureza objetiva, razão pela
qual não se estende às editoras, autores, empresas jornalísticas ou de publicidade -- que
permanecem sujeitas à tributação pelas receitas e pelos lucros auferidos. Consequentemente,
não há falar em imunidade ao tributo sob enfoque, que incide sobre atos subjetivados
(movimentação ou transmissão de valores e de créditos e direitos de natureza financeira).
Recurso conhecido e provido.

(STF, RE 206.774, Rel. Min. Ilmar Galvão, Julgamento em 03/08/1999)

No mesmo sentido, as operações financeiras realizadas pelas empresas que industrializam tais produtos
não podem ser imunizadas do IOF (STF, RE 504.615-AgR).

Ademais, a referida imunidade acaba por defender o direito à liberdade de expressão, caracterizado nos
incisos IV, V, IX e XIV do art. 5º da CF/88, o que a torna uma cláusula pétrea.

Vistos os conceitos iniciais da imunidade cultural, é necessário que conheçamos a jurisprudência a ela
atinente, sendo de suma importância para as provas de concurso público.

Assim sendo, a jurisprudência consagrada no STF era a de que, além dos livros, jornais, periódicos e o papel
destinado à sua impressão, também estavam imunes os outros insumos assimiláveis ao papel. Foi nessa
linha que o STF demonstrou, por meio da Súmula 657, que a imunidade cultural abrange os filmes e papéis
fotográficos necessários à publicação de jornais e periódicos:

Súmula STF 657 - A imunidade prevista no art. 150, VI, d, da CF abrange os filmes e papéis
fotográficos necessários à publicação de jornais e periódicos.

Ocorre que, ao julgar o Recurso Extraordinário 202.149, a Primeira Turma do STF chegou a considerar que a
imunidade tributária relativa a livros, jornais e periódicos é ampla, total, apanhando produto, maquinário e
insumos. A referência, no preceito, a papel seria, então, meramente exemplificativa e não exaustiva.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


35
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Contudo, posteriormente, o Min. Celso de Mello admitiu e julgou embargos de divergência (DJe 16/04/2015),
apresentados pela União, ocasião em que demonstrou que a decisão tomada pela Primeira Turma divergia
da jurisprudência consagrada do STF, conhecendo e dando provimento ao recurso extraordinário da União.

Sem nos aprofundarmos neste momento no rito processual, para nossa prova, isso significa que, atualmente,
é recomendável seguir o entendimento mais restritivo, qual seja: apenas estão imunes livros, jornais,
periódicos e o papel destinado a sua impressão, bem como outros insumos, desde que assimiláveis ao
papel!

Em maio de 2018, a Primeira Turma do STF (ARE 1100204 AgR/SP), reiterando o referido entendimento,
decidiu que a imunidade é extensível a qualquer material assimilável a papel utilizado no processo de
impressão e à própria tinta especial para jornal, mas não abarca o maquinário utilizado no processo de
produção de livros, jornais e periódicos.

Observação: Já tivemos decisão anterior em que o STF considerava inaplicável a imunidade


cultural à tinta para jornal. Porém, nessa decisão mais recente (e que tende a ser
considerada na prova), a Suprema Corte mencionou que a tinta especial para jornal é
considerada imune.

Acrescente-se que, para a Suprema Corte, não há proteção constitucional à prestação de serviços de
composição gráfica ou de impressão onerosos a terceiros (RE 723.018-AgR).

Na linha desse mesmo entendimento, o STF (RE 630.462-AgR) também considerou que os serviços de
distribuição de periódicos, revistas, publicações, jornais e livros não estão abrangidos pela imunidade
cultural. Portanto, nesse caso, incide o ISS (Imposto sobre Serviços) normalmente.

Além disso, não há que se falar em análise do valor cultural, como requisito para conceder a imunidade. De
acordo com o STF, “os álbuns de figurinhas e os respectivos cromos adesivos estão alcançados pela
imunidade tributária prevista no art. 150, VI, “d”, da Constituição Federal”.

A concessão da imunidade sobre livros, jornais e periódicos independe da prova do valor


cultural ou pedagógico da publicação.

A referida imunidade também abrange as apostilas:

“EMENTA: IMUNIDADE. IMPOSTOS. LIVROS, JORNAIS, PERIÓDICOS E PAPEL DESTINADO À


IMPRESSÃO. APOSTILAS. O preceito da alínea "d" do inciso VI do artigo 150 da Carta da
República alcança as chamadas apostilas, veículo de transmissão de cultura simplificado.”

(STF,RE 183.403/SP, Segunda Turma, Rel. Min. Marco Aurélio, Julgamento em 07/11/2000)

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


36
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Ainda no que diz respeito à imunidade cultural, destacamos o julgamento do Recurso Extraordinário
330.817/RJ, com repercussão geral reconhecida, no qual ficou decidido pelo Supremo Tribunal Federal
que livros eletrônicos e os suportes próprios para sua leitura são alcançados pela imunidade. Assim,
podemos dizer que não apenas os livros digitais (e-books), mas também os denominados e-readers, isto é,
equipamentos eletrônicos elaborados exclusivamente para viabilizar o acesso aos livros digitais.

Se a extensão da imunidade cultural aos livros eletrônicos já era considerada muito relevante, o tema tomou
ainda mais relevância para as próximas provas de concursos púbicos com a aprovação, em abril de 2020, da
Súmula Vinculante 57, cujo enunciado é o seguinte:

Súmula Vinculante 57 - A imunidade tributária constante do artigo 150, VI, d, da CF/88 aplica-se
à importação e comercialização, no mercado interno, do livro eletrônico (e-book) e dos suportes
exclusivamente utilizados para fixá-los, como leitores de livros eletrônicos (e-readers), ainda que
possuam funcionalidades acessórias

Livros digitais e os equipamentos eletrônicos destinados à sua leitura são imunes da


incidência de impostos! Isso vai cair nas próximas provas! É a Súmula Vinculante 57!

Destaque-se que a inserção de anúncios e publicidade em listas telefônicas, com o objetivo de permitir a
divulgação das informações a custo zero para os assinantes, não descaracteriza a imunidade em tela (RE
199.183).

No entanto, é de se ressaltar que os encartes de propaganda com exclusiva índole comercial não podem ser
considerados imunes, como vemos a seguir:

“EMENTA: TRIBUTÁRIO. ENCARTES DE PROPAGANDA DISTRIBUÍDOS COM JORNAIS E


PERIÓDICOS. ISS. ART. 150, VI, d, DA CONSTITUIÇÃO. Veículo publicitário que, em face de sua
natureza propagandística, de exclusiva índole comercial, não pode ser considerado como
destinado à cultura e à educação, razão pela qual não está abrangido pela imunidade de
impostos prevista no dispositivo constitucional sob referência, a qual, ademais, não se
estenderia, de qualquer forma, às empresas por eles responsáveis, no que concerne à renda
bruta auferida pelo serviço prestado e ao lucro líquido obtido.”

(RE 213.094/ES, Rel. Min. Ilmar Galvão, julgamento em 22/6/1999)

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


37
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Observação: Mais uma vez podemos perceber o caráter objetivo da imunidade, a qual não
alcançou as empresas! Nesse caso, excepcionalmente, a imunidade não alcançou nem
mesmo os bens, por terem exclusiva índole comercial!

Não Abrange: Encartes de


propag./Serv. Composição
Livros, Jornais e Gráfica
IMUNIDADE Periódicos
Impostos
CULTURAL Papel destinado sua
impressão Abrange: Álbum de
Figurinhas/
Apostilas/Filmes e papéis
As pessoas jurídicas não fotográficos
estão protegidas.
Incide: IOF/IR/ISS

(MPE-CE-Promotor de Justiça/2020) Livros e jornais gozam de isenção tributária.


Comentário: O que se tem é um caso de imunidade, prevista no art. 150, VI, "d", da CF/88, que não pode ser
confundida com isenção, sendo esta prevista sempre em lei.
Gabarito: Errada
(SEFAZ-PE/Auditor Fiscal do Tesouro Estadual/2014) Em relação às imunidades tributárias, é correto
afirmar:
a) Os serviços notariais e de registro, por serem exercidos em caráter público, por delegação do Poder
Público, sujeitam-se à imunidade tributária recíproca.
b) A sociedade de economia mista prestadora de serviço público de água e esgoto não é abrangida pela
imunidade tributária recíproca.
c) As sociedades de economia mista prestadoras de ações e serviços de saúde, ainda que seu capital social
seja majoritariamente estatal, não gozam da imunidade tributária recíproca.
d) A imunidade tributária conferida a instituições de assistência social sem fins lucrativos somente alcança
as entidades fechadas de previdência social privada, se não houver contribuição dos beneficiários.
e) A imunidade tributária sobre livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão não se aplica
ao álbum de figurinhas.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


38
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Comentário:
Alternativa A: Tal tema já foi enfrentado pelo STF, que afastou a imunidade no caso. Alternativa errada.
Alternativa B: O STF já reconheceu, por exemplo, a imunidade da companhia de água e esgoto do Estado de
Rondônia (CAERD). Alternativa errada.
Alternativa C: Pelo contrário. Nessa hipótese tais sociedades de economia mista farão jus à imunidade.
Alternativa errada.
Alternativa D: É a literalidade da súmula 730 do STF. Alternativa correta.
Alternativa E: O STF já reconheceu a imunidade em tal situação. Alternativa errada.
Gabarito: Letra D
(ICMS-PE/2014) A imunidade tributária sobre livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua impressão
não se aplica ao álbum de figurinhas.
Comentário: Vimos durante a aula que o STF já decidiu favoravelmente à extensão da imunidade cultural ao
álbum de figurinhas.
Gabarito: Errada

2.5 – Imunidade em favor da produção musical brasileira

Nesse momento, vamos tratar de uma emenda constitucional, que acrescentou mais uma imunidade ao
texto constitucional, que afeta diretamente o tema estudado na aula de hoje. Trata-se da EC 75/2013, cujo
projeto foi denominado PEC da Música. Vamos ver o que diz o seu texto:

“Art. 1º O inciso VI do art. 150 da Constituição Federal passa a vigorar acrescido da seguinte
alínea e:

VI . instituir impostos sobre:

e) fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais


ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas
brasileiros bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os contenham, salvo
na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.”

O que isso significa? A emenda trouxe mais uma imunidade tributária.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


39
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Lembre-se do que estudamos na semana passada: é permitido que uma emenda


constitucional venha acrescentar novos direitos aos contribuintes, instituindo outras
limitações ao poder de tributar!

Vamos entender os termos mencionados no dispositivo constitucional:

Fonogramas → Registro sonoro em suporte material (CDs ou disco de vinil)

Videofonogramas → Registro de imagem e som em suporte material (DVDs).

Obras Musicais → Relativas a música.

Obras Literomusicais → Espetáculos ou reunião social em que se leem trechos literários


ou poemas e que há apresentações musicais.

Sabendo-se que imunidade é uma forma de não incidência constitucionalmente qualificada, qual seria,
portanto, a limitação imposta ao Estado pela EC 75/2013? Ora, está vedado a todos os entes federativos
instituir impostos (e não tributos, como as bancas adoram cobrar) sobre fonogramas e videofonogramas
musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras
em geral interpretadas por artistas brasileiros, bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os
contenham.

Destaque-se que a etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser foi excepcionada, não
estando imune aos impostos.

Para facilitar a memorização de tal exceção, faz-se necessário entender o motivo de ela ter sido incluída no
texto constitucional. Levando em consideração que a grande maioria dos CDs e DVDs fabricados no Brasil sai
da Zona Franca de Manaus, o que houve foi a tentativa de manter aquele pólo industrial atrativo para as
empresas.

Explique-se melhor: caso o processo de replicação se tornasse imune, não haveria motivo para as fábricas
responsáveis por esta etapa industrial continuarem instaladas naquela longínqua região já que, o benefício
fiscal lá concedido, hoje estaria imune em todo o território nacional. Entendeu?

O principal aspecto sobre essa novidade é saber como as bancas podem cobrar este assunto. Eu diria que
elas vão permanecer estendendo aos tributos a imunidade que só abrange impostos, considerando incorreta
a assertiva.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


40
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Outra possibilidade é cobrar a exceção que nós vimos (sobre a replicação das mídias), bem como a restrição
de que apenas os fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil e que contenham obras
de autores brasileiros – e/ou interpretadas por artistas brasileiros – estão imunes aos impostos.

Enfim, você deve saber o seguinte:

1. Os fonogramas e videofonogramas devem ser produzidos no Brasil;


2. As obras não precisam ser dos autores brasileiros. Entretanto, devem ser, no mínimo,
interpretadas por artistas brasileiros;
3. Abrange os suportes materiais ou arquivos digitais que os contenham;
4. A etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser não está imune.

(TJ-RR-Juiz Substituto/2015) Mary, Juan, Cristina e François são quatro amigos que tinham, originariamente,
as respectivas nacionalidades: americana, mexicana, brasileira e canadense. Eles acabaram de se graduar em
música, na Juilliard School, de Nova Iorque.
Em 2010, os quatro músicos decidiram passar o carnaval no Brasil. Os estrangeiros se encantaram com a
terra, com o povo e, principalmente, com a variedade de sons da música brasileira.
Juan gostou tanto que, em 2011, naturalizou-se brasileiro. François, por sua vez, conseguiu visto de
residência permanente no Brasil já em 2012.
Em 2014, Mary produziu, em Belo Horizonte, um CD com canções sertanejas de Marcelo & Marcelinho,
autores gaúchos, que interpretaram as canções de sua autoria; Juan produziu, no Rio de Janeiro, um DVD
com melodias do cancioneiro indígena da Amazônia; Cristina produziu, na Argentina, um CD com letras e
músicas de sua criação e, por fim, François produziu, em São Paulo, um CD instrumental com melodias
folclóricas medievais de autores franceses.
Com base nas informações acima e no que dispõe a Constituição Federal a respeito das limitações ao poder
de tributar, o ICMS NÃO incide sobre as operações de comercialização, no território nacional, do
I. CD produzido por Cristina.
II. CD produzido por Mary.
III. DVD produzido por Juan.
IV. CD produzido por François.
Está correto o que se afirma APENAS em
a) I, II e IV.
b) I e IV.
c) II e III.
d) II e IV.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


41
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

e) III e IV.
Comentário: A imunidade da música nacional alcança os impostos sobre fonogramas e videofonogramas
musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras
em geral interpretadas por artistas brasileiros bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os
contenham, salvo na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.
Analisemos, caso a caso:
Mary: Trata-se de fonograma contendo obras musicais interpretadas por artistas brasileiros e foi produzido
no Brasil. Portanto, está imune da incidência do ICMS.
Juan: Sendo Juan brasileiro naturalizado, o DVD (videofonograma) por ele produzido no Brasil com melodias
do cancioneiro indígena da Amazônia está imune da incidência do ICMS.
Cristina: Não se enquadra na regra da imunidade, porque, embora seja brasileira, sua obra foi produzida no
exterior (Argentina).
François: Não se enquadra na regra da imunidade, porque, embora seja uma obra produzida no Brasil, não
contém obras de autores brasileiros ou interpretadas por artistas brasileiros.
Gabarito: Letra C
(SEFAZ-PI-Auditor Fiscal/2015) A Constituição Federal estabelece limitações ao poder de tributar, concedido
aos entes federados. No que se refere a estes limites, é vedado instituir impostos sobre livros, jornais,
periódicos e papel destinado à sua impressão, e sobre fonogramas musicais produzidos no Brasil, com obras
musicais de autores brasileiros, natos ou naturalizados, salvo na etapa de replicação industrial de mídias
ópticas de leitura a laser.
Comentário: A imunidade cultural veda realmente a instituição de impostos sobre livros, jornais, periódicos
e papel destinado à sua impressão. Ademais, foi acrescentada ao texto constitucional a imunidade que veda
a instituição de impostos sobre fonogramas (e videofonogramas também!) musicais produzidos no Brasil,
com obras musicais de autores brasileiros, natos ou naturalizados, ou interpretadas por artistas brasileiros,
ficando ressalvada dessa imunidade a etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.
Gabarito: Correta
(TCM-GO-Auditor de Controle Externo/2015) De acordo com a Constituição Federal, é vedado aos
Municípios instituir
a) impostos e contribuições sobre patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, especificamente
naquilo que se relaciona com as finalidades essenciais dessas entidades.
b) impostos e taxas sobre patrimônio, renda ou serviços, da União, dos Estados e do Distrito Federal e de
outros Municípios.
c) impostos sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou
literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros.
d) tributos sobre templos de qualquer culto, no que diz respeito ao patrimônio, renda e serviços,
relacionados ou não com as suas finalidades essenciais.
e) impostos sobre livros, jornais, periódicos, papel, tinta e demais insumos empregados na sua impressão.
Comentário:
Alternativa A: A imunidade dos partidos políticos abrange apenas os impostos sobre seu patrimônio, renda
ou serviços. Alternativa errada.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


42
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Alternativa B: A imunidade recíproca abrange apenas os impostos, não alcançando as taxas. sobre
patrimônio, renda ou serviços. Alternativa errada.
Alternativa C: De fato, o texto constitucional impede a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
de instituírem impostos sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras
musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros.
Alternativa correta.
Alternativa D: A imunidade religiosa somente alcança os impostos e, ainda, apenas no que se refere ao
patrimônio, renda e serviços, relacionados com as suas finalidades essenciais. Alternativa errada.
Alternativa E: A imunidade cultural abrange apenas os impostos sobre livros, jornais, periódicos e o papel
destinado à sua impressão, e materiais assimiláveis ao papel, porém não de forma ampla, alcançando todo
e qualquer insumo. Alternativa errada.
Gabarito: Letra C

3 - OUTRAS ESPÉCIES DE IMUNIDADES


TRIBUTÁRIAS
Além das imunidades até agora estudadas, há várias outras espalhadas pela Constituição.

Em alguns casos, como no art. 195, § 7, o texto constitucional trata tais limitações ao poder de tributar como
isenção. Não obstante tais previsões, de acordo com o STF, são consideradas imunidades.

Como já vimos, a isenção seria a dispensa legal do pagamento do tributo, e não um preceito constitucional,
condicionando o exercício da competência tributária.

Feitas tais observações e revisões, seguem abaixo as demais imunidades mencionadas no corpo do texto
constitucional:

• São a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas: (a) o direito de petição aos
Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder; (b) a obtenção de
certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse
pessoal (art. 5°, XXXIV);

• Ação popular, salvo comprovada má-fé, é isento (imune) de custas judiciais, as quais são consideradas
taxas pelo STF (art. 5°, LXXIII);

• São gratuitos para os reconhecidamente pobres, na forma da lei, o registro civil de nascimento e a
certidão de óbito (art.5°, LXXVI);

• São gratuitas as ações de “habeas-corpus” e “habeas-data”, e, na forma da lei, os atos necessários ao


exercício da cidadania (art. 5°, LXXVII);

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


43
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

• As contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico não incidirão sobre as receitas


decorrentes de exportação (art. 149, §2°, I);

• O IPI não incidirá sobre produtos industrializados destinados ao exterior (art. 153, §3°, III);

• O ITR não incidirá sobre pequenas glebas rurais, definidas em lei, quando as explore o proprietário que
não possua outro imóvel (art. 153, §3°, II);

• O ouro, quando definido em lei como ativo financeiro ou instrumento cambial, sujeita-se
exclusivamente à incidência do IOF, sendo imune de qualquer outro tributo (art. 153, §5°);

• O ICMS não incidirá (art. 155, §2°, X):

a) sobre operações que destinem mercadorias para o exterior, nem sobre serviços prestados a
destinatários no exterior;

b) sobre operações que destinem a outros Estados petróleo, inclusive lubrificantes, combustíveis líquidos
e gasosos dele derivados, e energia elétrica;

c) nas prestações de serviço de comunicação nas modalidades de radiodifusão sonora e de sons e


imagens de recepção livre e gratuita;

• À exceção do II, IE e ICMS nenhum outro imposto poderá incidir sobre operações relativas a energia
elétrica, serviços de telecomunicações, derivados de petróleo, combustíveis e minerais do País (art. 155,
§3°);

Observação: A imunidade se refere a todos os demais impostos, com exceção do II, IE e


ICMS. Nesse sentido, vejamos uma importante súmula do STF:

Súmula STF 659 - É legítima a cobrança da COFINS, do PIS e do FINSOCIAL sobre as


operações relativas a energia elétrica, serviços de telecomunicações, derivados de
petróleo, combustíveis e minerais do País.

• O ITBI não incidirá sobre a transmissão de bens ou direitos incorporados ao patrimônio de pessoa jurídica
em realização de capital, nem sobre a transmissão de bens ou direitos decorrente de fusão, incorporação,
cisão ou extinção de pessoa jurídica, salvo se, nesses casos, a atividade preponderante do adquirente
for a compra e venda desses bens ou direitos, locação de bens imóveis ou arrendamento mercantil (art.
156, §2°,I);

• São isentas (imunes) de impostos federais, estaduais e municipais as operações de transferência de


imóveis desapropriados para fins de reforma agrária (art. 184, §5°);

• A contribuição previdenciária não incide sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral
de previdência social (art. 195, II);

• São isentas (imunes) de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência
social que atendam às exigências estabelecidas em lei (art. 195, §7°);

• A celebração do casamento é gratuita, portanto, imune a taxas (art. 226, § 1º).

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


44
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Antes que você se desespere, pensando que não vai conseguir decorar tudo isso, posso garantir que, durante
o curso, veremos todas as principais imunidades que são cobradas nas provas de Direito Tributário (as que
foram inseridas dentro do capítulo que se dedica ao trato do Sistema Tributário Nacional).

Portanto, à medida que formos explicando a matéria, você verá que a “decoreba” será quase que natural.
Não se desespere, pois o objetivo deste tópico é que você tenha conhecimento da existência de tais
imunidades. Tudo bem?

Antes de partirmos para as questões, vamos estudar a seguir a imunidade prevista no art. 195, § 7º.

3.1 – A imunidade das entidades assistenciais, relativas a


contribuição para a seguridade social

Digno de tópico específico, sobretudo por ser cobrado com certa riqueza de detalhes pelas bancas
examinadoras, o art. 195, § 7º, da CF/88, estabelece o seguinte:

Art. 195 - (...):

§ 7º - São isentas de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de


assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei.

Inicialmente, cumpre-nos destacar que, muito embora o legislador constituinte tenha dito que tais entidades
são “isentas”, podemos afirmar, com base nos conceitos vistos no início da aula, que se trata de imunidade
(STF, RMS 22.192/DF).

Observação: Tenha muito cuidado com as questões literais, que podem transcrever a
literalidade do texto constitucional, algo que será indubitavelmente correto.

Destaque-se que o benefício é concedido às entidades beneficentes de assistência social com a finalidade
de prestação de serviços nas áreas de assistência social, saúde ou educação, conforme prevê o art. 1º, da
Lei 12.101/2009:

Art. 1º - A certificação das entidades beneficentes de assistência social e a isenção de


contribuições para a seguridade social serão concedidas às pessoas jurídicas de direito
privado, sem fins lucrativos, reconhecidas como entidades beneficentes de assistência
social com a finalidade de prestação de serviços nas áreas de assistência social, saúde ou
educação, e que atendam ao disposto nesta Lei.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


45
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Não são imunes apenas as entidades com a finalidade de prestação de serviços na área de
assistência social, mas também na área da saúde ou educação.

Cabe ressaltar também que o art. 2º da mesma norma dispõe que tais entidades deverão obedecer ao
princípio da universalidade do atendimento, sendo vedado dirigir suas atividades exclusivamente a seus
associados ou a categoria profissional.

Para gozar da imunidade prevista no art. 195, § 7º, a Lei 12.101/2009 estabelece que a entidade beneficente
deve estar certificada e que, para isso (certificação ou renovação), é necessário observar os seguintes
requisitos :

Art. 3º - A certificação ou sua renovação será concedida à entidade beneficente que


demonstre, no exercício fiscal anterior ao do requerimento, observado o período mínimo
de 12 (doze) meses de constituição da entidade, o cumprimento do disposto nas Seções I,
II, III e IV deste Capítulo, de acordo com as respectivas áreas de atuação, e cumpra,
cumulativamente, os seguintes requisitos:

I - seja constituída como pessoa jurídica nos termos do caput do art. 1º; e

II - preveja, em seus atos constitutivos, em caso de dissolução ou extinção, a destinação


do eventual patrimônio remanescente a entidade sem fins lucrativos congêneres ou a
entidades públicas.

Parágrafo único. O período mínimo de cumprimento dos requisitos de que trata este
artigo poderá ser reduzido se a entidade for prestadora de serviços por meio de contrato,
convênio ou instrumento congênere com o Sistema Único de Saúde (SUS) ou com o Sistema
Único de Assistência Social (Suas), em caso de necessidade local atestada pelo gestor do
respectivo sistema. (Redação dada pela Lei nº 12.868, de 2013)

Observação: As sessões I, II, III e IV trazem regras específicas sobre a certificação das
entidades da área da saúde, assistência social e educação, fugindo do escopo desse curso.

O certificado ao qual estamos nos referindo é o CEBAS (Certificado de Entidade Beneficente de Assistência
Social). Trata-se de um certificado que, basicamente, comprova que a entidade preenche as condições de
constituição e funcionamento, que devem ser atendidas para que a entidade receba o benefício
constitucional.

Retornando à redação do dispositivo constitucional (art. 195, § 7º), é dito que a imunidade só alcança as
entidades beneficentes de assistência social que atendam às exigências estabelecidas em lei. Neste

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


46
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

momento, uma pergunta que deve ser feita é a seguinte: a lei exigida pelo constituinte seria ordinária ou
complementar?

Da mesma forma, como foi explicado na imunidade prevista no art. 150, VI, c, da CF/88 (já estudada por nós),
você deve memorizar o seguinte:

Lei Ordinária → Fixação de normas sobre a constituição e o funcionamento da entidade


educacional ou assistencial imune (Requisitos formais para o gozo da imunidade);

Lei Complementar → Lindes da imunidade (Condições materiais para o gozo da


imunidade)

Observação: De acordo com o art. 146, II, cabe à lei complementar regular as limitações
constitucionais ao poder de tributar. A imunidade, como já estudamos, é uma limitação ao
poder de tributar.

Por analogia, a lei complementar aplicável ao caso é aquela prevista no art. 14 do CTN, que
se refere à imunidade do art. 150, VI, c.

Destaque-se que a emissão do CEBAS significa o mero reconhecimento de que a entidade preenche as
condições de constituição e funcionamento, estando apta a gozar da imunidade prevista no art. 195, § 7º,
da CF/88. Portanto, os requisitos para receber o CEBAS podem ser definidos em lei ordinária (Lei
12.101/2009).

Sendo assim, o STF (RMS 27.093/DF) entende que não ofende a CF/88 a exigência de emissão e renovação
periódica do CEBAS. Neste caso, não há direito adquirido ao regime jurídico relativo à imunidade tributária,
isto é, em caso de renovação, a entidade se sujeita às novas leis que porventura tenham alterado os
requisitos e condições para renovação do CEBAS.

Explique-se melhor: para a emissão do CEBAS, a entidade deve se adequar aos requisitos legais naquele
momento. Posteriormente, na época da renovação, não há alegação de direito adquirido ao regime jurídico
anterior, ou seja, devendo se sujeitar à legislação superveniente.

Além disso, o STF também decidiu que a exigência de renovação periódica do CEBAS não ofende o disposto
no art. 146, II, da CF/88, que reserva à lei complementar regulação das limitações ao poder de tributar.

Nesse contexto, é válido citar a Súmula 352 do STJ:

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


47
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Súmula STJ 352 - A obtenção ou a renovação do Certificado de Entidade Beneficente de


Assistência Social (Cebas) não exime a entidade do cumprimento dos requisitos legais
supervenientes.

Cabe ressaltar que a Lei 12.101/2009 também determina alguns requisitos para fruição da imunidade,
previstos em seu art. 29. Ao que parece, o legislador ordinário segue à risca o previsto na CF/88, entendendo
tratar-se de isenção, e não de imunidade. Isso porque, se considerasse o dispositivo como imunidade que é,
deveria haver lei complementar para regular os requisitos para o gozo da cláusula de não incidência
constitucionalmente qualificada. Em vista dessa problemática, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados
do Brasil (CFOAB) propôs, no Supremo Tribunal Federal (STF), a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI)
4891, pendente de julgamento.

Por fim, ressaltamos o entendimento do STF no sentido de que a entidade que satisfaz os requisitos da lei,
faz jus à imunidade, não podendo ser obstada por autoridade administrativa, com o objetivo de restringir a
eficácia do disposto no art. 195, § 7º, da CF/88 (norma que prevê a imunidade):

A Associação Paulista da Igreja Adventista do Sétimo Dia, por qualificar-se como entidade
beneficente de assistência social - e por também atender, de modo integral, as exigências
estabelecidas em lei - tem direito irrecusável ao benefício extraordinário da imunidade
subjetiva relativa às contribuições pertinentes à seguridade social.

(...)

Tratando-se de imunidade - que decorre, em função de sua natureza mesma, do próprio texto
constitucional -, revela-se evidente a absoluta impossibilidade jurídica de a autoridade
executiva, mediante deliberação de índole administrativa, restringir a eficácia do preceito
inscrito no art. 195, § 7º, da Carta Política, para, em função de exegese que claramente distorce
a teleologia da prerrogativa fundamental em Referência, negar, à entidade beneficente de
assistência social que satisfaz os requisitos da lei, o benefício que lhe é assegurado no mais
elevado plano normativo.

(STF, Primeira Turma, RMS 22.192/DF, Rel. Min. Celso de Mello, Julgamento em 28/11/1995)

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


48
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

(Pref. Campinas-SP-Procurador/2016) Existe imunidade de ITBI para, dentre outras, a hipótese de


incorporação de uma pessoa jurídica por outra, desde que a atividade preponderante da incorporadora não
seja a compra e venda desses bens ou direitos, locação de bens imóveis ou arrendamento mercantil.
Comentário: De acordo com o art. 156, § 2º, I, da CF/88, O ITBI não incide sobre a transmissão de bens ou
direitos incorporados ao patrimônio de pessoa jurídica em realização de capital, nem sobre a transmissão de
bens ou direitos decorrente de fusão, incorporação, cisão ou extinção de pessoa jurídica, salvo se, nesses
casos, a atividade preponderante do adquirente for a compra e venda desses bens ou direitos, locação de
bens imóveis ou arrendamento mercantil. Portanto, a questão está correta.
Gabarito: Correta
(TJ-PI-Juiz Substituto/2015) Empresa Pecúnia Informática S/A, tem sede em Teresina, Piauí. No regular
exercício de suas atividades, foi contratada em 2014 pelo Município de São Paulo para prestar serviços de
informática de janeiro a dezembro de 2015, prevendo-se no contrato o pagamento mensal dos valores
devidos à empresa contratada.
Um cidadão propõe uma ação popular questionando a lisura da contratação direta, formalizada em 2014,
entre a empresa Pecúnia Informática S/A e o Município de São Paulo, tendo por objeto a prestação de
serviços de informática.
Segundo o art. 5° , LXXIII da Constituição da República, qualquer cidadão é parte legítima para propor ação
popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de entidade de que o Estado participe, à
moralidade administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o autor, salvo
comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus da sucumbência.
Considerando os confins da competência constitucional tributária, o dever de não pagar as custas judiciais,
na hipótese em apreço, decorre de
a) anistia.
b) isenção.
c) imunidade.
d) não-incidência.
e) remissão.
Comentário: Trata-se de uma imunidade, uma vez que é o próprio texto constitucional restringindo a
competência tributária, impedindo a cobrança de custas judiciais (taxas) na hipótese de ação popular.
Gabarito: Letra C
(TCM-RJ-Auditor-Substituto de Conselheiro/2015) Acerca das imunidades tributárias, é correto afirmar que
a) a imunidade dos templos de qualquer culto abrange o local de culto e também imóveis de propriedade da
entidade religiosa locados a terceiros, desde que o aluguel reverta em benefício da atividade religiosa.
b) as entidades fechadas de previdência privada estão amparadas pela imunidade, devido à natureza
assistencial.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


49
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) são aplicáveis exclusivamente em relação aos impostos.


d) a imunidade relativa às operações com petróleo, combustíveis e minerais alcança os tributos em geral,
compreendendo impostos e contribuições.
e) a imunidade recíproca beneficia as empresas públicas e sociedades de economia mista.
Comentário:
Alternativa A: De acordo com a jurisprudência do STF, a imunidade religiosa alcança, além dos templos
destinados aos cultos religiosos, os imóveis de propriedade da entidade religiosa locados a terceiros, desde
que o aluguel reverta em benefício da atividade religiosa. Alternativa correta.
Alternativa B: Nem todas entidades fechadas de previdência privada estão amparadas pela imunidade, pois,
de acordo com o STF, a imunidade tributária só alcança as entidades fechadas de previdência social privada
se não houver contribuição dos beneficiários. Alternativa errada.
Alternativa C: Existem diversas imunidades em nosso texto constitucional aplicáveis a outras espécies
tributárias além dos impostos, como as taxas, por exemplo. Alternativa errada.
Alternativa D: Este assunto ainda será estudado em aula posterior. Porém, de antemão, podemos afirmar
que a referida imunidade alcança apenas os impostos, ressalvados o Imposto de Importação, Imposto de
Exportação e o ICMS. Alternativa errada.
Alternativa E: A imunidade recíproca não beneficia todas as empresas públicas e sociedades de economia
mista, mas tão somente aquelas prestadoras de serviço público de prestação obrigatória e exclusiva de
Estado. Alternativa errada.
Gabarito: Letra A

Mais uma etapa cumprida, futuro servidor!

Você encontrará inúmeras questões comentadas em áudio para treinar, e a abordagem de alguns temas
específicos que você estudou neste material na minha Comunidade do Telegram:

Comunidade no Telegram:

https://t.me/ProfFabioDutraConcursos
Instagram:

@ProfFabioDutra

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


50
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

4 – QUESTÕES COMPLEMENTARES COMENTADAS

Conceito e Classificação das Imunidades Tributárias

1. CESPE/TJ-SC-Juiz Estadual/2019
A respeito de imunidade tributária e isenção tributária, é correto afirmar que
a) a isenção está no campo infraconstitucional e corresponde a uma hipótese de não incidência da norma
tributária.
b) a imunidade está no plano constitucional e proíbe a própria instituição do tributo relativamente às
situações e pessoas imunizadas.
c) a isenção é criada diretamente pela Constituição Federal de 1988, sendo uma norma negativa de
competência tributária.
d) a imunidade pressupõe a incidência da norma tributária, sendo o crédito tributário excluído pelo
legislador.
e) a imunidade está no plano de aplicação da norma tributária, sendo equivalente ao estabelecimento de
uma alíquota nula.

Comentário:

Alternativa A: A isenção realmente está no campo infraconstitucional, mas não corresponde a uma hipótese
de não incidência da norma tributária porque o fato gerador chega a ocorrer, mas o tributo não chega a ser
exigido. Alternativa errada.

Alternativa B: Realmente, a imunidade tributária, como forma de incompetência tributária, está no plano
constitucional e proíbe a própria instituição do tributo relativamente às situações e pessoas imunizadas.
Alternativa correta.

Alternativa C: A isenção é criada pela lei, e não pela CF/88. Alternativa errada.

Alternativa D: Na realidade, a imunidade pressupõe a não incidência da norma tributária. A assertiva trouxe
a definição de isenção. Alternativa errada.

Alternativa E: A imunidade tributária está no plano constitucional e proíbe a própria instituição do tributo
relativamente às situações e pessoas imunizadas. Alternativa errada.

Gabarito: Letra B

2. CESPE/TCE-PR-Analista de Controle Externo/2016


O estabelecimento das hipóteses de imunidade tributária é reservado a lei complementar.

Comentário: A imunidade tributária, por ser limitação ao poder de tributar, somente é definida na própria
CF/88.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


51
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Gabarito: Errada

3. CESPE/TCE-RN-Auditor/2015
A imunidade tributária visa preservar valores políticos, religiosos, sociais, econômicos e éticos da sociedade,
com vistas a evitar que determinadas atividades sejam oneradas pela incidência dos tributos.

Comentário: De fato, esse é o real objetivo das imunidades tributárias, isto é, preservar valores políticos,
religiosos, sociais, econômicos e éticos da sociedade, com vistas a evitar que determinadas atividades sejam
oneradas pela incidência dos tributos. Assim, por exemplo, a imunidade recíproca existe para proteger a
autonomia financeira dos entes federados. Questão correta.

Gabarito: Correta

4. FCC/Câmara Municipal de SP - Procurador Legislativo/2014


Na seção denominada das “limitações constitucionais ao poder de tributar” o texto constitucional dispõe
sobre
a) capacidade tributária para cobrar tributos.
b) imunidades e isenções tributárias.
c) todos os institutos tributários que atuam no campo da cobrança dos tributos instituídos na Constituição
Federal.
d) princípios e regras que disciplinam o exercício da competência para instituir e modificar tributos.
e) o rol taxativo dos impostos instituídos pela Constituição Federal para os entes federados, que não têm
poder de instituir, mas apenas para cobrar.

Comentário: Tal seção na CF/88 dispõe sobre princípios e regras que estabelecem o exercício da
competência tributária.

Gabarito: Letra D

5. FCC/MPE-PA-Promotor de Justiça/2014
Sobre a Lei Complementar nº 87/96 - Lei Kandir, é correto afirmar que institui imunidades tributárias
relativas ao ICMS dos Estados e Distrito Federal, dentre elas as operações com ouro, quando definido em lei
como ativo financeiro ou instrumento cambial e operações de arrendamento mercantil, não compreendida
a venda do bem arrendado ao arrendatário.

Comentário: A Lei Kandir tratou de diversos assuntos relacionados ao ICMS. Contudo, não é necessário
conhecer nada sobre isso para que você acerte a questão acima. Basta saber que a imunidade tributária é
definida apenas em norma constitucional. Portanto, lei complementar não pode instituir imunidades
tributárias relativas ao ICMS ou a qualquer outro tributo.

Gabarito: Errada

6. FGV/CODEMIG-Advogado Societário/2015
A norma que impede que a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituam e cobrem
mutuamente impostos sobre seus patrimônios, rendas ou serviços é uma espécie de:

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


52
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

a) imunidade;
b) suspensão;
c) isenção;
d) exclusão;
e) extinção.

Comentário: Se a norma atua limitando a competência tributária dos entes federados, será imunidade
tributária. No caso em comento, trata-se da imunidade recíproca.

Gabarito: Letra A

7. FGV/TCM-SP-Agente de Fiscalização/2015
De acordo com o sistema constitucional tributário, a previsão de imunidade é:
a) limitação à instituição de tributos estaduais e municipais, imposta pela União, através de lei complementar
nacional;
b) dispensa legal do pagamento do tributo ou penalidade pecuniária;
c) modalidade especial de extinção do crédito tributário;
d) não incidência qualificada pela lei;
e) limitação constitucional ao poder de tributar.

Comentário:

Alternativa A: A imunidade constitui limitação ao poder de tributar, imposta única e exclusivamente pela
Constituição Federal. Alternativa errada.

Alternativa B: A dispensa legal do pagamento de tributo ou penalidade pecuniária denomina-se isenção e


anistia, respectivamente. Alternativa errada.

Alternativa C: A imunidade é uma forma de não incidência constitucionalmente qualificada, não se


confundindo com modalidade de extinção do crédito tributário. Alternativa errada.

Alternativa D: A imunidade é uma forma de não incidência constitucionalmente qualificada, e não


qualificada pela lei. Alternativa errada.

Alternativa E: De fato, a imunidade tributária constitui limitação constitucional ao poder de tributar.


Alternativa correta.

Gabarito: Letra E

8. VUNESP/TJ-SP-Juiz/2015
Na disciplina das isenções, imunidades e hipóteses de não incidência, é correto afirmar que
a) quem pode isentar também pode conceder imunidade.
b) quem pode tributar pode isentar.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


53
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) alíquota zero e isenção são expressões juridicamente equivalentes.


d) não incidência é situação juridicamente distinta de imunidade e de não competência.

Comentário:

Alternativa A: Apenas a CF/88 pode conceder imunidade. Já as isenções podem ser concedidas por qualquer
ente federativo, por meio de lei, em relação aos tributos de sua competência. Alternativa incorreta.

Alternativa B: De fato, o ente competente para instituir o tributo (tributar) pode também conceder
benefícios fiscais (isentar). Alternativa correta.

Alternativa C: Embora o efeito prático seja o mesmo, juridicamente são institutos diferentes com
implicações distintas. Alternativa incorreta.

Alternativa D: Não se pode distinguir desta forma. A imunidade é uma forma de não incidência prevista na
CF/88. A imunidade se caracteriza como não competência ou incompetência. Alternativa incorreta.

Gabarito: Letra B

9. VUNESP/Câmara Municipal de Itatiba - SP-Advogado/2015


A imunidade e a isenção
a) são institutos que possuem a mesma origem.
b) identificam-se por representarem, ambas, liberalidades fiscais.
c) distinguem-se porque a primeira verifica-se no âmbito do poder de tributar, ao passo que a segunda
constitui-se em mero não exercício da competência tributária.
d) identificam-se em nível da lei que as concede.
e) confundem-se quanto ao efeito que produzem, na medida em que o crédito tributário constituído será
dispensado da cobrança relativamente ao contribuinte, em ambos os casos.

Comentário:

Alternativa A: A imunidade tributária pode ser definida como uma hipótese de não incidência tributária
constitucionalmente qualificada, pelo fato de que qualquer imunidade deve estar prevista na Constituição
Federal. As isenções são desonerações realizadas na lei e é considerada como causa de exclusão do crédito
tributário, nos termos do art. 175, I, CTN. Alternativa incorreta.

Alternativa B: O termo “liberalidade” dá ideia de que algo é feito fora dos limites da lei ou da Constituição,
o que é vedado. Alternativa incorreta.

Alternativa C: Exatamente, como já informado, a imunidade tributária é conhecida como uma


incompetência, ou seja, estamos tratando de uma limitação ao poder de tributar. Já a isenção é uma dispensa
legal de pagamento, realizada no bojo da lei. Trata-se de uma hipótese de não pagamento previsto pelo
legislador, que opta por não exercer sua competência em determinadas situações, como por exemplo
isenções concedidas às pessoas que são portadoras de necessidades especiais. Alternativa correta.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


54
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Alternativa D: Não, as imunidades estão previstas sempre na Constituição, já as isenções nas leis. Alternativa
incorreta.

Alternativa E: Não, a redação da assertiva trata do efeito trazido em decorrência da isenção e não da
imunidade tributária. Alternativa incorreta.

Gabarito: Letra C

Imunidade Recíproca

10. CESPE/PGM-Manaus-Procurador/2018
É proibida a cobrança de tributo sobre o patrimônio e a renda dos templos de qualquer culto.

Comentário: A vedação é específica para os impostos. Não podemos confundir “tributo” com “imposto”, já
que esta é apenas uma espécie dos tributos.

Gabarito: Errada

11. CESPE/DPF-Delegado de Polícia Federal/2018


Os estados e os municípios estão imunes à instituição de contribuições sociais, pela União, sobre os seus
serviços.

Comentário: A imunidade recíproca veda apenas a cobrança de impostos sobre o patrimônio, renda e
serviços dos entes federativos. Não se estende, por conseguinte, às contribuições sociais.

Gabarito: Errada

12. CESPE/EMAP-Analista Portuário/2018


Conforme o entendimento do Supremo Tribunal Federal, a imunidade tributária recíproca prevista na
Constituição Federal de 1988 foi estendida às empresas públicas.

Comentário: De acordo com o STF, a imunidade recíproca foi estendida às empresas públicas e sociedades
de economia mista prestadoras de serviços públicos.

Gabarito: Correta

13. CESPE/Pref. Fortaleza-Procurador/2017


A imunidade tributária recíproca que veda à União, aos estados, ao DF e aos municípios instituir impostos
sobre o patrimônio, renda ou serviços uns dos outros é cláusula pétrea.

Comentário: De fato, como vimos, por proteger a autonomia financeira dos entes federativos, a imunidade
recíproca é reconhecida como cláusula pétrea.

Gabarito: Correta

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


55
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

14. CESPE/PGE-AM-Procurador/2016
A imunidade recíproca beneficia sociedades de economia mista que prestem serviços públicos estatais
essenciais e exclusivos, como, por exemplo, o serviço de saneamento básico, ainda que tais serviços sejam
remunerados por tarifas.

Comentário: A imunidade recíproca beneficia sociedades de economia mista prestadoras de serviços


públicos estatais essenciais e exclusivos, mesmo que tais serviços ensejem a cobrança de tarifas, conforme
jurisprudência do STF.

Gabarito: Correta

15. FCC/CREMESP - Analista de Gestão Financeira e Contábil/Contábil/2016


É possível identificar relação entre a competência para instituir tributos e as imunidades tributárias, na
medida em que
a) as normas que veiculam imunidades tributárias constituem comandos genéricos que orientam o exercício
da competência tributária após a instituição dos tributos.
b) ambos representam limitações ao poder de tributar, estando definidos na Constituição Federal e não
sendo passíveis de delegação ou renúncia por parte dos entes federados.
c) as imunidades vedam a instituição de tributos reciprocamente entre os entes federados aos quais é
atribuída constitucionalmente a competência para instituir tributos.
d) as imunidades incidem para impedir que os Municípios instituam impostos sobre Estados, Distrito Federal
e União, bem como Estados e Distrito federal sobre União, não havendo vedação em sentido inverso, em
razão da prevalência de interesses e da supremacia do interesse público.
e) a competência para instituir tributos é repartida constitucionalmente, sendo possível que a União cobre
impostos originalmente atribuídos aos Estados, no caso de inércia desses, até que sobrevenha legislação
estadual, mas não poderá desrespeitar as regras de imunidade.

Comentário:

Alternativa A: As normas que instituem imunidades são comandos objetivos que devem orientar o exercício
da competência tributária quando da instituição dos tributos. Alternativa errada.

Alternativa B: De fato, ao se atribuir a competência para tributar a determinado ente, há uma limitação para
que ente diverso institua o referido tributo. Alternativa correta.

Alternativa C: A imunidade recíproca é referente a impostos, e não a tributos em geral. Alternativa errada.

Alternativa D: A vedação é nos dois sentidos, tanto da União para Estados e Municípios, quanto dos
Municípios para Estados e União. Alternativa errada.

Alternativa E: O não exercício da competência tributária não a defere a pessoa jurídica de direito público
diversa daquela a que a Constituição a tenha atribuído. Alternativa errada.

Gabarito: Letra B

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


56
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

16. VUNESP/ISS-Guarulhos-Inspetor Fiscal de Rendas/2019


A imunidade recíproca, prevista na Constituição Federal,
a) não alcança autarquias e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.
b) alcança os serviços relacionados com exploração de atividades econômicas regidas pelas normas
aplicáveis a empreendimentos privados prestados por empresas estatais.
c) alcança os serviços em que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário.
d) exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente ao bem imóvel.
e) não alcança taxas, contribuições de melhoria e contribuições sociais.

Comentário:

Alternativa A: A imunidade recíproca alcança autarquias e fundações instituídas e mantidas pelo Poder
Público, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços, vinculados a suas finalidades essenciais ou
às delas decorrentes. Alternativa errada.

Alternativa B: A imunidade recíproca não alcança os serviços relacionados com exploração de atividades
econômicas regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados prestados por empresas estatais.
Alternativa errada.

Alternativa C: A imunidade recíproca também não alcança os serviços em que haja contraprestação ou
pagamento de preços ou tarifas pelo usuário. Alternativa errada.

Alternativa D: A imunidade recíproca também não exonera o promitente comprador da obrigação de pagar
imposto relativamente ao bem imóvel. Alternativa errada.

Alternativa E: A imunidade recíproca é restrita aos impostos. Não alcança, portanto, taxas, contribuições de
melhoria e contribuições sociais. Alternativa correta.

Gabarito: Letra E

17. FGV/SEFAZ-RO-Auditor Fiscal/2018


Determinado Estado da Federação cedeu um imóvel de sua propriedade à pessoa jurídica de direito privado
ABC, para que esta exerça atividade econômica com fins lucrativos, no local do imóvel. Em relação à cobrança
de Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) do imóvel, assinale a afirmativa correta.
(A) É vedada a cobrança do IPTU do imóvel, tendo em vista a imunidade recíproca das pessoas de direito
público, princípio garantidor da Federação e cláusula pétrea.
(B) É vedada a cobrança do IPTU do imóvel, tendo em vista que o Estado é isento do pagamento do IPTU de
imóveis de sua propriedade.
(C) O IPTU é devido e o Estado, contribuinte do imposto, deve realizar o pagamento.
(D) O IPTU não é devido, uma vez que o Estado não é sujeito passivo da exação.
(E) O IPTU é devido e a pessoa jurídica de direito privado é a responsável tributária e quem deve realizar o
pagamento.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


57
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Comentário: Como a pessoa jurídica de direito privado, exploradora de atividade econômica, não faz jus à
imunidade recíproca, o IPTU torna-se devido e a pessoa jurídica de direito privado é a responsável tributária
e quem deve realizar o pagamento. Não se pode dizer que o Estado é o sujeito passivo, pois este é
constitucionalmente imune.

Gabarito: Letra E

18. FGV/Câmara Municipal de Recife-PE-Consultor Legislativo/2014


As imunidades atuam no plano da definição da competência tributária, tem previsão constitucional e são
hipóteses de não-incidência qualificada. Nesse sentido, a imunidade recíproca impede que:
a) o Estado cobre contribuição de melhoria em relação a bem da União valorizado em decorrência de obra
pública;
b) o Município cobre a taxa de licenciamento de obra do Estado;
c) o Estado cobre tarifa de esgoto de imóvel da União;
d) a União cobre Imposto de Renda sobre os juros das aplicações financeiras dos Municípios;
e) a União Federal cobre contribuições destinadas ao custeio da Seguridade Social dos Estados e dos
Municípios.

Comentário: A imunidade recíproca impede que os entes federados cobrem impostos sobre o patrimônio,
renda ou serviços uns dos outros.

Alternativa A: A imunidade recíproca somente alcança a espécie tributária impostos. Alternativa errada.

Alternativa B: A imunidade recíproca somente alcança a espécie tributária impostos. Alternativa errada.

Alternativa C: A imunidade recíproca somente alcança a espécie tributária impostos. Alternativa errada.

Alternativa D: De fato, a imunidade recíproca impede a União de cobrar Imposto de Renda sobre os juros
das aplicações financeiras dos Municípios, porque os juros representam renda dos Municípios. Alternativa
correta.

Alternativa E: A imunidade recíproca somente alcança a espécie tributária impostos. Alternativa errada.

Gabarito: Letra D

19. FGV/ISS-Cuiabá/2014
Pretendendo adquirir, no mercado doméstico, caminhões para uso em serviço, o Município de Cuiabá pede
ao Estado de Mato Grosso que afaste a incidência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços
(ICMS) nessa operação específica. Assinale a solução juridicamente adequada a ser dada ao caso exposto.
a) O Estado deve acolher o pleito mediante prova cabal de que os veículos serão mesmo empregados em
atividades inerentes às atribuições do Município, pois, mesmo inexistindo lei estadual nesse sentido, o caso
é de isenção de tributos.
b) O Estado deve acolher o pleito mediante prova cabal de que os veículos serão mesmo empregados em
atividades inerentes às atribuições do Município, pois o caso é de imunidade de tributos.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


58
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) O Estado poderá acolher o pleito mediante decisão administrativa afastando a incidência do ICMS ao caso.
d) O Estado não poderá acolher o pleito, ainda que os caminhões sejam mesmo empregados em atividades
inerentes às atribuições do Município, pois é vedada a concessão de tratamento tributário diferenciado a
entidades públicas que explorem a atividade econômica.
e) O Estado não poderá acolher o pleito, pois a imunidade não favorece o Município neste caso concreto, já
que ele é apenas o contribuinte de fato, e não o contribuinte de direito.

Comentário: Esta questão cobra a jurisprudência do STF, no sentido de que a imunidade recíproca, em se
tratando de tributos indiretos (como o ICMS), somente se aplica aos casos em que o ente imune está na
condição de contribuinte de direito, e não na condição de contribuinte de fato, como foi apresentado no
enunciado desta questão. Portanto, o Estado não pode acolher tal pleito, razão pela qual a alternativa correta
é a Letra E.

Gabarito: Letra E

Imunidade Religiosa

20. CESPE/CAGE-RS-Auditor do Estado/2018


Determinada entidade religiosa presta serviços de batismo e casamento, revende artigos religiosos
produzidos por uma fábrica e vende artesanato sacro produzido pelos membros da entidade. Além disso, a
entidade tem, além do imóvel onde funciona o templo, outros imóveis cuja renda é revertida à composição
do patrimônio da entidade.
Nessa situação hipotética, a imunidade religiosa relativa ao pagamento de impostos
a) não abrange a venda do artesanato.
b) abrange todas as situações mencionadas.
c) não abrange o IPTU em caso de configuração de concorrência desleal.
d) não abrange os serviços de batismo e casamento.
e) abrange o ICMS relativo à compra e à venda de artigos religiosos da fábrica.

Comentário:

Alternativa A: A venda do artesanato sacro produzido pelos membros da entidade não é excluída da
imunidade, pois não há desvio de finalidade. Alternativa errada.

Alternativa B: Não se pode afirmar que a imunidade abrange todas as situações mencionadas, conforme o
comentário das demais alternativas. Alternativa errada.

Alternativa C: Se a locação dos imóveis colocar a entidade em situação de concorrência desleal, a imunidade
não subsistirá. Alternativa correta.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


59
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Alternativa D: A prestação dos serviços de batismo e casamento também estão ao abrigo da imunidade
religiosa. Alternativa errada.

Alternativa E: Quanto ao ICMS referente ao comércio de artigos religiosos produzidos por uma fábrica, não
há que se falar em imunidade. Alternativa errada.

Gabarito: Letra C

21. FCC/Pref. Teresina-PI-Auditor Fiscal/2016


Determinado Município brasileiro decidiu adotar as seguintes medidas, no exercício de 2014:
(I) lançou e promoveu a cobrança do IPTU em relação ao terreno em que se localiza um cemitério que é
comprovadamente extensão de entidade de cunho religioso, e cuja doutrina não aceita o sepultamento dos
fiéis falecidos em cemitérios que não sejam esses;
(II) concedeu isenção desse mesmo imposto a um grupo limitado de munícipes, exclusivamente em razão de
sua condição de servidores públicos municipais;
(III) editou decreto, no mês de novembro de 2014, para vigorar a partir do exercício seguinte, majorando a
base de cálculo do IPTU, redundando esse fato, inclusive, em aumento superior à variação dos índices oficiais
de inflação.
Considerando as limitações ao poder de tributar, arroladas no texto da Constituição Federal, a medida
a) III violou o princípio da anterioridade.
b) II violou o princípio da isonomia tributária.
c) I não violou qualquer regra constitucional limitadora do poder de tributar.
d) III violou o princípio da anterioridade nonagesimal (noventena).
e) II não violou qualquer regra constitucional limitadora do poder de tributar, mas a medida I violou o
princípio da irretroatividade.

Comentário:

Item I: A jurisprudência do STF é pacífica quanto à extensão da imunidade religiosa aos cemitérios que
configurem extensão de entidades de cunho religioso. A situação retratada neste item viola a imunidade
religiosa.

Item II: O princípio da isonomia, previsto no art. 150, II, da CF/88, veda qualquer tratamento tributário
diferenciado em razão de ocupação profissional ou função exercida pelo contribuinte. A situação descrita
neste item viola o princípio da isonomia.

Item III: A nítida majoração do imposto, perpetrada por meio de decreto, viola o princípio da legalidade
tributária. O princípio da anterioridade aplicável à majoração da base de cálculo, contudo, não foi violado.

Assim sendo, a única alternativa que corresponde ao exposto acima é a Letra B, já que no item II houve
violação ao princípio da isonomia.

Gabarito: Letra B

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


60
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

22. FCC/TCE-CE- Conselheiro Substituto (Auditor)/2015


Um cidadão cria uma organização religiosa (igreja), com inscrição no CNPJ e demais órgãos competentes, e
passa a adquirir bens imóveis (apartamentos de alto padrão e veículos automotores importados e de luxo)
em nome desta nova organização. Neste caso, sobre a incidência de impostos por fatos geradores praticados
por esta organização religiosa é correto afirmar que
a) não há incidência de impostos por existir lei federal concessiva de isenção de impostos para organização
religiosa (templo de qualquer culto).
b) só haverá imunidade de impostos para patrimônio, renda e serviços relacionados com as finalidades
essenciais da organização religiosa.
c) não há incidência de tributos por existir lei federal concessiva de isenção de impostos para organização
religiosa (templo de qualquer culto).
d) só haverá imunidade de tributos para patrimônio, renda e serviços relacionados com as finalidades
essenciais da organização religiosa.
e) haverá imunidade para todos os tributos relacionados com a organização religiosa (templo de qualquer
culto).

Comentário: A norma constitucional que concede a imunidade religiosa restringe a aplicabilidade dessa
benesse ao patrimônio, renda e serviços vinculados às finalidades essenciais da entidade religiosa.

Alternativa A: Não se trata de isenção, mas de imunidade aplicável aos impostos, prevista na CF/88.
Contudo, isso não significa que os bens estão imunes. Alternativa errada.

Alternativa B: De fato, como comentado, só haverá imunidade de impostos para patrimônio, renda e
serviços relacionados com as finalidades essenciais da organização religiosa. Alternativa correta.

Alternativa C: Não se trata de lei federal concedendo o referido benefício, mas sim da própria Constituição
Federal. Além disso, a imunidade se refere apenas aos impostos, e não aos tributos de um modo geral.
Alternativa errada.

Alternativa D: A imunidade se refere apenas aos impostos, e não aos tributos de um modo geral. Alternativa
errada.

Alternativa E: Conforme já comentamos, a imunidade se refere apenas aos impostos, e não aos tributos de
um modo geral. Alternativa errada.

Gabarito: Letra B

23. FGV/AL-MA-Consultor Legislativo/2013


Assinale a alternativa em que as duas afirmativas estão corretas e a segunda completa o sentido da primeira.
a) A Igreja do Culto Bem‐vindos da Boa Fé goza de imunidade quanto ao IPVA de sua frota. / Os veículos
imunes estão vinculados à atividade fim da Instituição Religiosa.
b) A frota do partido político “Unidos Venceremos” goza de isenção. / A isenção é concedida desde que o
partido mantenha correta escrita fiscal.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


61
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) Os veículos do Corpo Diplomático são imunes. / A imunidade decorre do princípio da territorialidade da


tributação.
d) Tratores e máquinas de terraplanagem, utilizados em ambiente urbano, são isentos do IPVA. / A isenção
é concedida desde que a potência das máquinas seja inferior a 50 cilindradas.
e) A empresa de serviços de ambulância Alpha Resgate goza de isenção do IPVA. / A isenção é concedida
desde que aplique seus recursos na manutenção de seus objetivos institucionais.

Comentário:

Alternativa A: A imunidade religiosa alcança o IPVA, desde que os veículos estejam vinculados à atividade
fim da instituição religiosa. Alternativa correta.

Alternativa B: O partido político goza de imunidade, e não de isenção, como afirmado. Alternativa errada.

Alternativa C: Não há qualquer regra constitucional imunizante nesse sentido. Portanto, a alternativa está
errada.

Alternativa D: Não há qualquer regra constitucional imunizante nesse sentido. Portanto, a alternativa está
errada.

Alternativa E: A isenção de IPVA é concedida pelo respectivo Estado ou Distrito Federal. Portanto, não
podemos fazer tal afirmação. Alternativa errada.

Gabarito: Letra A

24. VUNESP/TJ-SP-Juiz/2017
Assinale a alternativa correta.
a) a imunidade do artigo 150, VI, “b” da Constituição Federal deve ser interpretada ampliativamente de modo
a incluir todos os imóveis da entidade religiosa, sem restrição, uma vez que o Estado Brasileiro, embora laico,
garante o exercício da fé religiosa, segundo orientação do Supremo Tribunal Federal.
b) a imunidade prevista no artigo 150, VI, “b” da Constituição Federal de 1988 deve ser estendida aos
cemitérios de cunho religioso, segundo orientação do Supremo Tribunal Federal.
c) a imunidade conferida aos templos se estende à Maçonaria, em cujas lojas se professa culto no sentido
empregado pela Constituição Federal, segundo decisão do Supremo Tribunal Federal.
d) a imunidade do artigo 150, VI, “b” da Constituição Federal de 1988 estende-se aos cemitérios, ainda que
ostentem natureza privada e empresarial, uma vez que ali se realizam ritos relacionados com a fé religiosa,
segundo orientação do Supremo Tribunal Federal.

Comentário:

Alternativa A: Não, a imunidade prevista no art. 150, VI, “b”, CF, deve compreender o patrimônio, a renda e
os serviços relacionados com as finalidades essenciais das entidades religiosas. Alternativa incorreta.

Alternativa B: O STF decidiu no RE 578.562 que é possível a aplicação da imunidade tributária aos cemitérios,
desde que sejam uma extensão da entidade religiosa. Alternativa correta.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


62
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Alternativa C: O STF a entender que as lojas maçônicas não são alcançadas pela imunidade religiosa uma vez
que a maçonaria é uma ideologia de vida, não uma religião. Veja mais no RE 562.351. Alternativa incorreta.

Alternativa D: Como vimos na justificativa da alternativa B, aos cemitérios é aplicável a imunidade tributária
desde que sejam considerados uma extensão da entidade religiosa. O STF entendeu ainda que quem tem
que comprovar que não está de acordo com as finalidades institucionais da entidade é a Administração
Tributária, conforme decisão emanada no ARE 800.395 AgR. Alternativa incorreta.

Gabarito: Letra B

Imunidade dos Partidos Políticos, Entidades Sindicais dos


Trabalhadores, Instituições de Educação e de Assistência Social

25. CESPE/PGE-PE-Analista Judiciário/2019


Partido político perde a imunidade de IPTU sobre imóvel de sua propriedade caso o alugue para terceiro,
ainda que o valor dos aluguéis seja investido, por exemplo, em propaganda partidária.

Comentário: De acordo com a Súmula Vinculante 52, do STF, as entidades da alínea “c” do art. 150, V, da
CF/88 (incluindo os partidos políticos) não perdem a imunidade de IPTU sobre imóvel de sua propriedade
caso o alugue para terceiro, ainda que o valor dos aluguéis seja investido na manutenção das suas finalidades
essenciais.

Gabarito: Errada

26. CESPE/PGE-PE-Analista Judiciário/2019


A imunidade tributária das instituições de assistência social sem fins lucrativos está condicionada à
inexistência de contribuição por parte de seus beneficiários.

Comentário: Esta linha foi seguida pelo STF para determinar, na Súmula 730, que as entidades fechadas de
previdência social privada somente configuram entidades assistenciais e gozam da imunidade tributária se
não exigirem contribuição por parte dos seus beneficiários.

Gabarito: Correta

27. CESPE/MPE-RR-Promotor de Justiça/2017


A imunidade tributária assegurada às instituições de educação sem fins lucrativos garante imunidade apenas
para os
a) impostos, não vedando a instituição de outras modalidades de tributos.
b) tributos que incidam sobre sua renda e seu patrimônio, não afastando a cobrança de tributos que incidam
sobre os serviços por elas prestados.
c) impostos e contribuições sociais, não impedindo a cobrança de taxas, empréstimos compulsórios e
contribuições de melhoria.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


63
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

d) tributos de competência da União, não prevendo a não incidência de tributos que sejam de competência
dos estados, dos municípios ou do DF.

Comentário:

Alternativa A: A imunidade em questão abrange apenas os impostos, não vedando a instituição de outras
modalidades de tributos. Alternativa correta.

Alternativa B: A referida imunidade abrange o patrimônio, a renda e os serviços dessas entidades


educacionais. Alternativa errada.

Alternativa C: A imunidade se restringe aos impostos. Alternativa errada.

Alternativa D: A imunidade se restringe aos impostos. Alternativa errada.

Gabarito: Letra A

28. FCC/METRO SP - Advogado Júnior/2016


Considere:
I. Partidos políticos.
II. Fundações de partidos políticos.
III. Entidades sindicais dos trabalhadores.
IV. Entidades sindicais dos empregadores.
Observados os requisitos legais, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, cobrar
impostos sobre o patrimônio, a renda ou serviços dos entes indicados APENAS em
a) I, II e III.
b) I, III e IV.
c) I e II.
d) III e IV.
e) III.

Comentário: A imunidade recíproca abrange todas as pessoas acima mencionadas, com exceção dos
sindicatos de empregadores (donos de empresas).

Gabarito: Letra A

29. FCC/TCE AM – Auditor/2015


A Constituição Federal ora estabelece que é vedado às pessoas jurídicas de direito público instituir impostos
em determinadas circunstâncias, ora estabelece que um imposto específico não incidirá em determinada
circunstância. De acordo com o texto constitucional,
a) é vedado aos Municípios instituir o IPTU sobre terrenos de propriedade de empresas públicas estaduais,
cuja utilização não esteja vinculada às finalidades essenciais da respectiva empresa.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


64
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

b) não incidirá o ITR sobre pequenas glebas rurais, definidas em lei, quando as explore o proprietário, seu
cônjuge, seus descendentes ou seus parentes colaterais, até o terceiro grau.
c) é vedado aos Estados instituir o ICMS sobre as operações de circulação de suportes materiais que
contenham videofonogramas musicais produzidos no Brasil, contendo obras musicais de autores brasileiros.
d) é vedado à União instituir qualquer imposto sobre o ouro, quando definido em lei como ativo financeiro
ou instrumento cambial.
e) é vedado aos Municípios instituir o ISSQN sobre templos de qualquer culto, salvo disposição de lei
complementar em contrário.

Comentário:

Alternativa A: Não há tal vedação. As Sociedades de Economia Mista e Empresas Públicas podem ser sim
tributadas por impostos, salvo quando sejam prestadoras de serviço público essencial, tal como os Correios,
por exemplo. Alternativa errada.

Alternativa B: O art. 153, §4º, II da CF/88 prevê apenas a exploração pelo seu proprietário, nada dispondo
sobre cônjuge, descendentes, ascendentes e parentes colaterais até o 3º grau. Alternativa errada.

Alternativa C: É a imunidade cultural, prevista no art. 150, VI, “c” da CF/88.Alternativa correta.

Alternativa D: O ouro, quando definido em lei como ativo financeiro ou instrumento cambial, se sujeitará
apenas ao IOF, conforme art. 150 §5º da CF/88. Alternativa errada.

Alternativa E: Não há essa ressalva na imunidade religiosa, prevista no art. 150, VI, “b” da CF/88. Alternativa
errada.

Gabarito: Letra C

30. FCC/SEAD PI - Analista de Planejamento e Orçamento/2013


A imunidade recíproca, prevista na Constituição Federal,
I. veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituírem impostos sobre renda,
patrimônio ou serviços uns dos outros.
II. é extensiva às autarquias, às fundações e às empresas públicas instituídas e mantidas pelo Poder Público,
no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços, vinculados as suas finalidades essenciais ou às delas
decorrentes.
III. não se aplica ao patrimônio, à renda e aos serviços relacionados com exploração de atividades econômicas
regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em que haja contraprestação ou
pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o promitente comprador da obrigação de pagar
imposto relativamente ao bem imóvel.
Está correto o que se afirma APENAS em
a) II e III.
b) I e III.
c) I.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


65
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

d) I e II.
e) III.

Comentário:

Item I: Exatamente o que menciona o art. 150, VI, “a” da CF/88. Item correto.

Item II: O art. 150, VI, “c” da CF/88 assegura tal imunidade a autarquias e fundações, mas não a Empresas
Públicas. Item incorreto.

Item III: É a literalidade do §3º do art. 150 que afasta a imunidade em tal situação. Item correto.

Gabarito: Letra B

31. FCC/SEFAZ-PI-Auditor Fiscal/2015


A Constituição Federal estabelece limitações ao poder de tributar, concedido aos entes federados. No que
se refere a estes limites, é vedado cobrar tributos das instituições de educação sem fins lucrativos, dos
partidos políticos e das entidades sindicais dos trabalhadores e patronais, desde que atendidos os requisitos
da lei e a finalidade social de redução das desigualdades.

Comentário: Primeiramente, devemos nos atentar ao fato de que a referida imunidade citada na questão se
restringe aos impostos, não sendo extensiva aos “tributos” de um modo geral. Ademais, além desse erro,
apenas as entidades sindicais de trabalhadores são imunes, não alcançando, portanto, as entidades
patronais. Por fim, também houve distorção na condição da imunidade, ao mencionar que será concedida
desde que atendidos os requisitos da lei e a finalidade social de redução das desigualdades, conforme já
comentamos durante a aula.

Gabarito: Errada

32. VUNESP/Prefeitura de São José dos Campos - SP-Procurador/2017


A Constituição Federal confere poder de tributar à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios,
mas estabelece limitações ao exercício desse mesmo poder. Nesse sentido, é correto afirmar que a tarefa de
regular as limitações constitucionais ao poder de tributar é matéria que a Constituição Federal confere
a) à lei complementar.
b) à lei ordinária no âmbito da competência de cada ente tributante.
c) a qualquer espécie normativa, desde que no âmbito territorial de cada ente tributante.
d) à lei ordinária específica de cada tipo de tributo.
e) somente às Constituições Estaduais e às Leis Orgânicas.

Comentário: A Constituição Federal é clara que cabe à lei complementar regular as limitações constitucionais
ao poder de tributar. Art. 146, II, CF.

Gabarito: Letra A

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


66
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

33. VUNESP/ TJ-SP-Titular de Serviços de Notas e de Registros - Provimento/2016


É correto dizer que a imunidade tributária
a) é outorgada a Municípios, Estados, Distrito Federal e União, excetuando impostos indiretos como ICMS.
b) é outorgada a templos de qualquer culto, livros, periódicos e papel destinado à sua impressão.
c) é outorgada às fundações, desde que estas não distribuam lucros.
d) é assegurada às entidades públicas e privadas sem fins lucrativos.

Comentário:

Alternativa A: A imunidade tributária recíproca é aplicável em relação ao patrimônio, renda ou serviços dos
entes federados, nos termos do art. 150, VI, “a”, CF. Da maneira como foi colocada, a imunidade seria
aplicável em outras hipóteses. Realmente, a imunidade tributária só tem lugar quando se trata de
contribuinte de direito, não podendo ser invocada quando o ente se encontra na posição de contribuinte de
fato. Assim, perceba que a assertiva misturou parte que está correta e outra que não está a fim de confundir
o candidato. Alternativa incorreta.

Alternativa B: Exato, nos termos do art. 150, VI, “b” e “c”, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal
e aos Municípios instituir impostos sobre templos de qualquer culto, bem como sobre livros, jornais,
periódicos e o papel destinado a sua impressão. Alternativa correta.

Alternativa C: De acordo com o art. 150, § 2.º, CF, a imunidade tributária é aplicada para as fundações e
autarquias, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços, desde que vinculados a suas finalidades
essenciais ou que sejam delas decorrentes. Alternativa incorreta.

Alternativa D: Não existe esta imunidade na CF de 1988. Alternativa incorreta.

Gabarito: Letra B

34. FGV/Pref. Recife-Auditor do Tesouro Municipal/2014


Determinada escola foi autuada pelo Fisco Municipal por não ter recolhido o imposto sobre os serviços que
presta, apesar de ter recebido o título de instituição de utilidade pública, tendo sua imunidade reconhecida
por meio de ato declaratório próprio, não possuindo fins lucrativos. A Fazenda alega que a escola não se
cadastrou junto à Secretaria de Educação, órgão que estabelece os critérios para que um estabelecimento
possa ser considerado “educacional” e, portanto, imune, sendo essa exigência ato privativo do Poder
Executivo, que pode condicionar a fruição do benefício ao cumprimento de obrigações acessórias.
Nesse caso, a Fazenda agiu
a) incorretamente, uma vez que a exigência de cadastro representa limite, a ser fixado por lei complementar,
à imunidade gozada pela escola.
b) corretamente, já que cabe ao Poder Executivo fixar a organização das entidades imunes.
c) corretamente, eis que cabe à Secretaria de Educação exercer controle sobre as escolas.
d) incorretamente, já que as exigências quanto à organização das entidades imunes devem ser veiculadas
por lei complementar.
e) corretamente, uma vez que, mesmo imune, a escola tem que cumprir as obrigações acessórias.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


67
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Comentário: Sabemos que a regulação das limitações ao poder de tributar, como a imunidade tributária,
deve ser realizada apenas por meio de lei complementar, conforme estabelece o art. 146, II, da CF/88. Sendo
assim, a Fazenda não pode exigir cadastro junto à Secretaria de Educação, pois isso representa uma condição
para o gozo da imunidade, que deve ser fixado apenas em lei complementar.

Gabarito: Letra A

35. FGV/CONDER-Advogado/2013
Entidade beneficente, sem fins lucrativos, que atende aos requisitos legais e foi declarada de utilidade
pública federal, importou, para fins de integralizar seu ativo fixo, um maquinário a ser usado na atividade
que presta.
Entretanto, no momento do desembaraço aduaneiro, o fiscal do Estado lhe exige o pagamento do ICMS
incidente sobre a importação da mercadoria, alegando que a imunidade da entidade é sobre seu patrimônio
e não sobre a atividade de importação, sobre a qual recai a exação.
Neste caso, a entidade
(A) deve pagar o ICMS, contabilizar o imposto como crédito e posteriormente compensar o que pagou.
(B) não deve pagar o ICMS, já que a imunidade tributária a torna não contribuinte de qualquer espécie
tributária.
(C) deve pagar o ICMS e quando integralizar a máquina em seu ativo imobilizado, compensar o que pagou.
(D) só deve pagar o ICMS na operação se a máquina não for usada para a atividade beneficente que presta.
(E) não deve pagar o ICMS, já que é beneficiada por imunidade constitucionalmente prevista, bastando
comprovar que cumpre os requisitos legais para seu gozo.

Comentário: Como houve importação de maquinário que passou a integrar o patrimônio da entidade
beneficente, sem fins lucrativos, tal operação está imune ao ICMS. Portanto, a referida entidade não deve
pagar o ICMS, já que é beneficiada por imunidade constitucionalmente prevista, bastando comprovar que
cumpre os requisitos legais para seu gozo.

Gabarito: Letra E

36. FGV/AL-MA-Consultor Legislativo/2013


A Fundação Pública Estadual Lar dos Idosos, cujo objeto é dar assistência a pessoas carentes e idosas, que
estejam em situação de risco, não distribui lucros e aplica tudo o que arrecada em sua atividade fim. A
Fundação, quanto à frota de veículos que possui,
a) está isenta de pagar o IPVA
b) é contribuinte de fato do IPVA
c) está imune quanto ao IPVA
d) é remida quanto ao pagamento do IPVA
e) é anistiada do IPVA

Comentário: Em se tratando de entidade beneficente de assistência social que obedeça aos requisitos
definidos no art. 14, do CTN, há aplicabilidade da imunidade tributária prevista no art. 150, VI, “c”, da CF/88.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


68
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Gabarito: Letra C

Imunidade Cultural

37. FGV/Pref. Salvador-BA-Técnico de Nível Superior-Direito/2017


A Editora WW Ltda. publica livros impressos e livros eletrônicos (e-books), além de comercializar aparelhos
eletrônicos especializados em leitura de obras digitais (e-readers). O sócio-gerente dessa editora, diante da
dúvida quanto à incidência de imunidade tributária objetiva sobre os itens por ela publicados e
comercializados, consulta Roberto, advogado tributarista, a respeito do tema.
Levando em conta a Constituição da República e a jurisprudência consolidada do Supremo Tribunal Federal,
assinale a opção que apresenta a resposta de Roberto.
a) A imunidade objetiva prevista na CRFB/88 abarca livros impressos e livros eletrônicos, mas não alcança
aparelhos eletrônicos especializados em leitura de obras digitais.
b) A imunidade objetiva prevista na CRFB/88 abarca apenas e tão somente livros impressos.
c) A imunidade objetiva prevista na CRFB/88 abrange livros impressos, livros eletrônicos e aparelhos
eletrônicos especializados em leitura de obras digitais.
d) A imunidade objetiva prevista na CRFB/88 abrange livros eletrônicos e aparelhos eletrônicos
especializados em leitura de obras digitais. Quanto aos livros impressos, a hipótese é de mera isenção legal.
e) A imunidade subjetiva prevista na CRFB/88 abrange livros impressos, livros eletrônicos e aparelhos
eletrônicos especializados em leitura de obras digitais.

Comentário: A imunidade prevista no texto constitucional se restringe aos “livros, jornais, periódicos e o
papel destinado a sua impressão”. Porém, ao julgar o RE 330.817/RJ, o STF considerou que os livros
eletrônicos e os aparelhos eletrônicos especializados em leitura de obras digitais também são alcançados
pelo preceito constitucional em comento. Hoje, o tema é objeto da Súmula Vinculante 57!

Gabarito: Letra C

38. VUNESP/ TJ-SP-Juiz substituto/2017


Considerando-se o disposto no artigo 150, VI, “d” da Constituição Federal de 1988, notadamente a expressão
“… e o papel destinado à sua impressão”, é de se concluir corretamente que
a) a imunidade deve ser estendida também aos livros com suportes em CD e outros meios eletrônicos, em
face das interpretações evolutiva e teleológica.
b) somente o livro de papel deve ser imune a impostos, uma vez que, operando a imunidade como limitação
ao poder de tributar de que dotado o Estado, sua interpretação há de ser restritiva.
c) somente o livro de papel é imune a impostos, à vista da cláusula expressa “… e o papel destinado à sua
impressão”. (artigo 150,VI, “d”, Constituição Federal).
d) se a Constituição não distinguiu o suporte tecnológico de elaboração de livros, jornais e periódicos, não
pode o intérprete fazê-lo para o fim de ampliar a imunidade.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


69
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Comentário: Para responder a questão o aluno deve conhecer a jurisprudência do STF que amplia a
imunidade tributária constante do art. 150, VI, d, da CF/88 aos livro eletrônico (e-book), inclusive aos
suportes exclusivamente utilizados para fixá-lo (e-readers), conforme decido no RE 330.817 e no RE 595.676.
Assim, podemos afirmar com certeza que a letra “a” é a alternativa correta, pois atende ao julgado do STF.
As demais assertivas impedem que este entendimento seja aplicado.

Gabarito: Letra A

39. ESAF/ANAC-Especialista em Regulação/2016


Quanto à imunidade tributária, assinale a opção correta.
a) Os templos de qualquer culto são imunes a todos os tributos.
b) A imunidade dos partidos políticos alcança impostos e taxas.
c) A imunidade das entidades educacionais é descaracterizada pela cobrança de mensalidades.
d) A imunidade dos livros, dos jornais e dos periódicos é subjetiva.
e) O sujeito passivo imune não é dispensado do cumprimento de obrigações acessórias.

Comentário: Temos aqui uma questão bastante ampla, cobrando várias imunidades. Vamos analisar cada
alternativa:

Alternativa A: A imunidade das entidades religiosas é relativa apenas aos impostos. Alternativa errada.

Alternativa B: A imunidade dos partidos políticos alcança apenas os impostos. Alternativa errada.

Alternativa C: A cobrança de mensalidades não descaracteriza a entidade imune, se não há distribuição de


rendas, lucro ou participação nos seus resultados. A imunidade das entidades educacionais apenas define
que tais entidades não tenham finalidade lucrativa, não vedando a cobrança de mensalidades. Alternativa
errada.

Alternativa D: Trata-se de imunidade claramente objetiva, já que o que está sendo protegido é o objeto
(livro, jornal, periódicos e o papel destinado à sua impressão). Alternativa errada.

Alternativa E: Ainda que imune, a pessoa fica submetida ao cumprimento de obrigações acessórias perante
o Fisco. Alternativa correta.

Gabarito: Letra E

40. FCC/TJ-PE-Juiz/2013
Há isenção de imposto sobre comercialização de livro, jornal, periódico e sobre a comercialização de papel
destinado a impressão destes produtos.

Comentário: O que há, na verdade, é imunidade de imposto sobre os livros, jornais, periódicos, bem como
sobre o papel destinado a impressão destes produtos.

Gabarito: Errada

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


70
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Imunidade em Favor da Produção Musical Brasileira

41. CESPE/TCE-RN-Assessor Técnico Jurídico/2015


Os fonogramas musicais produzidos no Brasil, contendo obras musicais ou literomusicais de autores
brasileiros, salvo na etapa de replicação industrial de mídias óticas de leitura a laser, são imunes às
contribuições de intervenção econômica e aos impostos em geral, mas não às contribuições para a
seguridade social, como as contribuições previdenciárias.

Comentário: A imunidade dos fonogramas e videofonogramas produzidos no Brasil se restringe aos


impostos, não alcançando as contribuições de intervenção econômica, nem qualquer outra espécie
tributária.

Gabarito: Errada

42. FCC/Prefeitura de Manaus - Técnico Fazendário/2019


De acordo com a Constituição Federal, o Município pode
a) instituir, lançar e cobrar o IPTU relativamente a bem imóvel no qual se realizam os cultos e cerimônias
religiosos e cujo proprietário é a instituição religiosa “HÁ VIDA NO ALÉM”.
b) instituir, lançar e cobrar o ITCMD em relação aos serviços gratuitos de orientação pedagógica e
educacional prestados pela instituição de educação “Escola para Todos Ltda.”, instituição sem fins lucrativos.
c) cobrar o ITBI no exercício subsequente àquele em que tiver sido publicada a lei que aumentou sua base
de cálculo, dispensada a observância do princípio da anterioridade nonagesimal.
d) instituir, lançar e cobrar o ISSQN sobre a prestação de serviços de fonografia, atinente à produção, no
território do Município, de fonogramas contendo poesias não musicadas, de autoria do poeta chileno Pablo
Neruda, e recitadas por artista de nacionalidade chilena.
e) instituir, lançar e cobrar o IPTU sobre a propriedade de imóvel em que funciona a Secretaria de Fazenda
do Estado, imóvel este que é de propriedade do governo estadual.

Comentário:

Alternativa A: Os entes federados são vedados de instituir impostos sobre templos religiosos, em
decorrência da imunidade religiosa prevista no art. 150, VI, “b”, da CF/88. Alternativa errada.

Alternativa B: Os entes federados são vedados de instituir impostos sobre instituições de educação sem fins
lucrativos, nos termos do art. 150, VI, “c” da CF/88. Alternativa errada.

Alternativa C: O ITBI não é exceção ao princípio da anterioridade nonagesimal. Alternativa errada.

Alternativa D: Ainda que os fonogramas ou videofonogramas sejam produzidos no Brasil, a autoria ou a


interpretação (pelo menos uma delas) deve ser feita por brasileiro. Como o poeta é chileno e o artista que
as interpreta também é estrangeiro, não é possível aplicar tal imunidade. Alternativa correta.

Alternativa E: Aos entes federados é vedado de instituir impostos sobre patrimônio, renda e serviços uns
dos outros, conforme art. 150, VI, “a” da CF/88. Alternativa errada.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


71
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Gabarito: Letra D

43. FCC/SEFAZ GO - Auditor Fiscal da Receita Estadual/2018


A Constituição Federal contempla várias regras que têm por finalidade limitar o poder de tributar das pessoas
jurídicas de direito público interno. De acordo com essas regras, é vedado aos Estados
a) instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente, facultada,
para fins de desoneração tributária total ou parcial, a distinção em razão de origem étnica, de nível de
escolaridade, de ocupação profissional e de função por eles exercida.
b) cobrar tributos em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da regulamentação da lei que os
houver instituído, aumentado ou reduzido.
c) cobrar tributos antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido regulamentada a lei que os
instituiu ou aumentou, podendo o referido prazo ser reduzido, nos casos em que seu término ocorrer no
exercício subsequente, hipótese em que o tributo poderá ser cobrado desde o primeiro dia do novo exercício.
d) estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos interestaduais ou
intermunicipais, ressalvada a cobrança de pedágio pela utilização de vias conservadas pelo Poder Público.
e) instituir impostos sobre videofonogramas musicais produzidos no Mercosul, contendo obras musicais ou
literomusicais de autores brasileiros, e obras em geral, interpretadas por artistas brasileiros ou por artistas
cidadãos de países integrantes do Mercosul, bem como sobre os suportes materiais ou arquivos digitais que
os contenham, inclusive na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.

Comentário:

Alternativa A: O artigo 150, II, veda o tratamento desigual entre contribuintes que se encontre em situação
equivalente. Alternativa errada.

Alternativa B: A vedação de se cobrar tributos em relação a fatos geradores ocorridos antes da vigência da
Lei que instituiu ou aumentou tal tributo. Alternativa errada.

Alternativa C: A noventena é contada a partir da publicação da Lei, e não da sua regulamentação. Alternativa
errada.

Alternativa D: É o princípio da Liberdade de Tráfego de bens e pessoas, previsto no art. 150 V da CF/88.
Alternativa correta.

Alternativa E: A imunidade cultural é devida a obras de brasileiros ou obras estrangeiras mas interpretadas
por brasileiros, cujos fonogramas ou videofonogramas musicais tenham sido produzidos no Brasil, conforme
art. 150, VI, “e”. Alternativa errada.

Gabarito: Letra D

44. FCC/ TRT 24ª Região - Analista Judiciário/Contabilidade/2017


O Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região, órgão da Administração Pública Federal direta, precisando
renovar a frota de veículos automotores de sua propriedade, procedeu à análise do custo anual de
manutenção desta frota, composta por cinco veículos, todos eles com seis anos de uso. O resultado desse
estudo seria o parâmetro para a renovação da frota.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


72
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Em razão disso, foram elaborados os devidos estudos dos custos dos diversos itens relacionados com a frota,
tais como os de manutenção mecânica, de limpeza, de estacionamento, de consumo de combustíveis e
lubrificantes e, inclusive, os de natureza tributária.
No tocante especificamente aos custos anuais de natureza tributária, o mencionado estudo, para ser
considerado correto à luz das normas constitucionais, deveria ter concluído que o referido Tribunal
a) não incorrerá em despesas tributárias relativamente ao Imposto sobre Propriedade de Veículos
Automotores − IPVA, pois é vedado aos Estados instituir impostos sobre o patrimônio da União, mas poderá
incorrer nessas despesas relativamente às taxas, tais como a taxa de licenciamento de veículos, pois não é
vedada constitucionalmente sua instituição.
b) não incorrerá em despesas tributárias, pois é vedado aos Estados instituir tributos estaduais sobre o
patrimônio, renda ou serviço da União.
c) incorrerá em despesas tributárias, pois é vedado aos Estados, mas não à própria União, neste caso, instituir
tributos estaduais sobre o seu próprio patrimônio, atendendo ao princípio do tratamento isonômico entre
contribuintes.
d) não incorrerá em despesas tributárias relativamente às taxas, tais como a taxa de licenciamento de
veículos, pois é vedado aos Estados instituir taxas sobre o patrimônio da União, mas incorrerá nessas
despesas relativamente ao IPVA, pois não é vedada a instituição de impostos sobre o patrimônio da União,
desde que haja previsão legal nesse sentido.
e) poderá incorrer em despesas tributárias, pois o IPVA e a taxa de licenciamento de veículos podem ser
instituídos, no presente caso, sobre o patrimônio da União, porque são tributos de competência estadual.

Comentário:

A imunidade do art. 150, VI, “a” da CF/88 é para impostos. Assim, é vedado que a cobrança de IPVA sobre a
frota de veículos do tribunal. Contudo eventuais taxas e outras exações de natureza tributária poderão ser
cobradas.

Gabarito: Letra A

45. FCC/CGM São Luís - Auditor de Controle Interno/2015


De acordo com a Constituição Federal, exceto na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura
a laser, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir impostos sobre
a) videofonogramas musicais produzidos no Mercosul, contendo obras musicais ou literomusicais de autores
brasileiros.
b) obras em geral, interpretadas por artistas brasileiros, excluídos os suportes materiais ou arquivos digitais
que os contenham.
c) fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou literomusicais
de autores brasileiros, ou de autores estrangeiros residentes no Brasil, há, pelo menos, dois anos.
d) fonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais de autores brasileiros.
e) obras em geral, compostas no Brasil, interpretadas por artistas brasileiros ou por artistas estrangeiros
residentes no Brasil há, pelo menos, dois anos, excluídos os suportes materiais ou arquivos digitais que os
contenham.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


73
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Comentário:

A questão cobra conhecimento do art. 150, VI, “e” da CF/88.

Tal dispositivo veda a instituição de imposto sobre obras musicais desde que: fonograma ou videofonograma
tenha sido produzido no Brasil; o autor da obra seja brasileiro ou ainda que o autor seja estrangeiro, a obra
seja interpretada por brasileiro. Tal imunidade alcança os suportes materiais ou arquivos digitais que os
contenham.

Assim a alternativa que atende os requisitos constitucionais é a letra D.

Gabarito: Letra D

46. FCC/SEFAZ-PI-Auditor Fiscal/2015


A Constituição Federal estabelece limitações ao poder de tributar, concedido aos entes federados. No que
se refere a estes limites, é vedado instituir impostos sobre livros, jornais, periódicos e papel destinado à sua
impressão, e sobre fonogramas musicais produzidos no Brasil, com obras musicais de autores brasileiros,
natos ou naturalizados, salvo na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.

Comentário: A imunidade cultural veda realmente a instituição de impostos sobre livros, jornais, periódicos
e papel destinado à sua impressão. Ademais, foi acrescentada ao texto constitucional a imunidade que veda
a instituição de impostos sobre fonogramas (e videofonogramas também!) musicais produzidos no Brasil,
com obras musicais de autores brasileiros, natos ou naturalizados, ou interpretadas por artistas brasileiros,
ficando ressalvada dessa imunidade a etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.

Gabarito: Correta

47. FCC/TCM-GO-Auditor de Controle Externo/2015


De acordo com a Constituição Federal, é vedado aos Municípios instituir
a) impostos e contribuições sobre patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, especificamente
naquilo que se relaciona com as finalidades essenciais dessas entidades.
b) impostos e taxas sobre patrimônio, renda ou serviços, da União, dos Estados e do Distrito Federal e de
outros Municípios.
c) impostos sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou
literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros.
d) tributos sobre templos de qualquer culto, no que diz respeito ao patrimônio, renda e serviços,
relacionados ou não com as suas finalidades essenciais.
e) impostos sobre livros, jornais, periódicos, papel, tinta e demais insumos empregados na sua impressão.

Comentário:

Alternativa A: A imunidade dos partidos políticos abrange apenas os impostos sobre seu patrimônio, renda
ou serviços. Alternativa errada.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


74
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Alternativa B: A imunidade recíproca abrange apenas os impostos, não alcançando as taxas. sobre
patrimônio, renda ou serviços. Alternativa errada.

Alternativa C: De fato, o texto constitucional impede a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios
de instituírem impostos sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras
musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros.
Alternativa correta.

Alternativa D: A imunidade religiosa somente alcança os impostos e, ainda, apenas no que se refere ao
patrimônio, renda e serviços, relacionados com as suas finalidades essenciais. Alternativa errada.

Alternativa E: A imunidade cultural abrange apenas os impostos sobre livros, jornais, periódicos e o papel
destinado à sua impressão, e materiais assimiláveis ao papel, porém não de forma ampla, alcançando todo
e qualquer insumo. Alternativa errada.

Gabarito: Letra C

48. FCC /TJ CE- Juiz Estadual/2014


Raquel, violonista, Flávia, flautista e Beatriz, pianista, também são cantoras de música popular brasileira.
Essas três artistas brasileiras decidiram, em novembro de 2013, gravar um DVD com canções, cujas letras e
melodias são de autores brasileiros. Decidiram produzir o DVD no Estado do Ceará, porque, além de ser mais
barato do que produzi-lo em outro Estado, ou até mesmo no exterior, foram informadas de que o DVD já
estaria nas lojas a tempo para as vendas de Natal. A criação desse DVD
a) está sujeita ao ICMS, nas vendas dos DVDs pelos estabelecimentos varejistas aos consumidores finais.
b) está sujeita ao Imposto sobre Produtos Industrializados, na fase de multiplicação industrial de seus
suportes materiais gravados.
c) está sujeita ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, relativamente à gravação das canções.
d) não está sujeita a imposto algum, desde a gravação do videofonograma até sua comercialização no varejo,
porque Raquel, Flávia e Beatriz são brasileiras.
e) não está sujeita a imposto algum, desde a gravação do videofonograma até sua comercialização no varejo,
porque os autores das canções são brasileiros.

Comentário: Trata-se da imunidade prevista no art. 150, VI, “e” da CF/88 Sendo a obra produzida no Brasil,
de autor brasileiro ou ainda que de autor estrangeiro, mas interpretada por brasileiros, fará jus a imunidade
impostos.

Como o DVD foi produzido no Ceará, e as intérpretes são brasileiros, haverá direito à imunidade sobre tal
DVD.

Contudo, ainda que a imunidade afaste o imposto sobre a comercialização, na fase de multiplicação
industrial dos suportes materiais gravados, não haverá direito à imunidade, conforme vedação expressa do
art. 150, VI, “e” da CF/88 Assim estará sujeito ao IPI na fase de multiplicação industrial de seus suportes
materiais gravados.

Gabarito: Letra B

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


75
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

49. FCC/TCE-PI-Auditor de Controle Externo/2014


Paulo, de nacionalidade argentina, Antonio, de nacionalidade paraguaia, Mário, de nacionalidade espanhola,
e Eduardo, de nacionalidade peruana, todos residentes no Brasil, formam um grupo musical, que compõe e
executa melodias brasileiras e estrangeiras. Apresentam-se em todos os Estados brasileiros.
Seu trabalho musical é divulgado de diversas maneiras: apresentações públicas em programas televisivos,
espetáculos abertos ao público em geral, com entrada gratuita, e comercialização de CDs e DVDs de suas
apresentações.
(1) O último DVD desse quarteto, com canções folclóricas andinas, cujas letras e melodias foram criadas por
autores bolivianos residentes no Brasil, foi produzido nos Estados Unidos.
(2) Antes de Antonio juntar-se ao grupo, Paulo, Mário e Eduardo formaram um trio que chegou até a
produzir, no Rio Grande do Sul, um CD com melodias de autoria de artistas gaúchos e letras criadas por
artistas uruguaios.
(3) Recentemente, o quarteto produziu, no Piauí, um DVD com canções, cujas melodias foram compostas
por autores brasileiros, mas as letras foram compostas por autores paraguaios.
(4) Antonio produziu um CD, solo, instrumental, na Itália, interpretando apenas melodias (sem letra)
compostas por autores piauienses.
Com base nas afirmações acima e no que dispõe a Constituição Federal a respeito de imunidades tributárias,
são abrangidas por essas imunidades APENAS as situações de números
a) 2 e 4.
b) 1 e 4.
c) 1 e 2.
d) 2 e 3.
e) 3 e 4.

Comentário: A imunidade da música nacional alcança os impostos sobre fonogramas e videofonogramas


musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras
em geral interpretadas por artistas brasileiros bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os
contenham, salvo na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.

Analisemos, caso a caso:

1) Como o DVD foi produzido no exterior (Estados Unidos), já podemos descartar a imunidade em apreço.
Item errado.

2) Como o CD foi produzido no Brasil e contém melodias de autoria de artistas brasileiros, há imunidade
neste caso. Item correto.

3) Como o DVD foi produzido no Brasil e contém melodias compostas por autores brasileiros, também há
imunidade neste caso. Item correto.

4) Como o DVD foi produzido no exterior (Itália), já podemos descartar a imunidade em apreço. Item errado.

Gabarito: Letra D

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


76
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

50. FCC/SEAD PI - Analista de Planejamento e Orçamento/2013


Visando à elaboração de projeto estruturante de interesse do Estado do Piauí para o ano de 2015, você, na
condição de Analista de Planejamento e Orçamento da Secretaria da Administração, verifica a necessidade
urgente de aumentar a arrecadação do Estado no ano de 2014, a fim de viabilizar financeiramente o seu
projeto. Para tanto, você encomendou estudo a ser realizado pela Secretaria da Fazenda do Estado neste
sentido. A proposta que NÃO afronta o disposto na Constituição Federal é
a) instituir em 2013 aumento de 2% de alíquota do ICMS concernente a todas as operações internas relativas
à circulação de mercadorias a serem realizadas no Estado do Piauí, com cobrança efetiva para fatos
geradores ocorridos a partir do dia 01 de janeiro de 2014.
b) conceder, por meio de Decreto do Executivo Estadual, isenção de IPVA para os proprietários de veículos
de uso industrial, com a finalidade de atrair empresas de outros Estados para o território piauiense.
c) instituir ainda em 2013 aumento de 2% de alíquota do ICMS relativo a todas as operações internas relativas
à circulação de mercadorias a serem realizadas no Estado do Piauí, com cobrança a ser feita na data da
publicação da lei instituidora.
d) cobrar IPVA em relação aos automóveis considerados não populares registrados em nome das entidades
religiosas registradas no Piauí.
e) cobrar ICMS nas operações relativas à circulação de periódicos que tenham conteúdo considerado pela
Secretaria de Cultura do Estado como pornográfico.

Comentário:

Alternativa A: Aqui é uma questão que o candidato deve ter flexibilidade e comparar com as demais. Veja
que a princípio não se diz em que momento do ano de 2013 tal lei será instituída, mas se for instituída até
90 dias antes do exercício, será possível sua cobrança a partir de 1º/01/2014. A partir dessa premissa, tal
alternativa se torna a única “correta” dentre as demais. Alternativa correta.

Alternativa B: A isenção de IPVA deve ser por meio de Lei, e não Decreto. Alternativa errada.

Alternativa C: O ICMS obedece a ambas as anterioridades, anual e nonagesimal. Alternativa errada

Alternativa D: Os veículos de propriedade das entidades religiosas são abarcados pela imunidade do art.
150, VI, “c”. Alternativa errada.

Alternativa E: A imunidade de periódicos não é passível de tal arbítrio, abrangendo todos os periódicos,
independente do seu teor. Alternativa errada.

Gabarito: Letra A

51. VUNESP/Prefeitura de São José dos Campos - SP-Procurador/2017


A vedação à incidência de impostos sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil
contendo obras musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por
artistas brasileiros bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os contenham, salvo na etapa
de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser, consiste no que a doutrina denomina como
a) isenção.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


77
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

b) remissão.
c) imunidade.
d) hipótese de não incidência diferida.
e) hipótese de incidência diferida.

Comentário: Como sabemos, a imunidade tributária pode ser definida como uma hipótese de não incidência
constitucionalmente qualificada. Toda imunidade deve estar prevista na Constituição Federal. Trata-se,
portanto, de uma delimitação da competência tributária, já que impede os entes federados de tributarem o
objeto ou a pessoa imune. Tal imunidade consta do art. 150, VI, “e”, CF.

Gabarito: Letra C

Outras Espécies de Imunidades Tributárias

52. CESPE/TCE-RN-Auditor/2015
A CF prevê a aplicação de imunidade tributária sobre contribuições sociais, e não somente sobre impostos.

Comentário: De fato, também existem imunidades relativas a outras espécies tributárias, como as
contribuições sociais, não se restringindo aos impostos.

Gabarito: Correta

53. CESPE/PROCURADOR-MP-TCDF/2013
Conforme jurisprudência do STF fundamentada no princípio da seletividade, operações e bens relacionados
à saúde são imunes a tributação.

Comentário: Não há que se alegar que os bens essenciais ao ser humano devem ser imunes, por conta do
princípio da seletividade. Há outros princípios que devem ser levados em consideração, como o da
capacidade contributiva, da concorrência e da livre iniciativa.

Gabarito: Errada

54. FCC/METRÔ-SP-Analista Desenvolvimento Gestão Júnior/2014


São imunes:
a) os partidos políticos e os templos de qualquer culto, em relação ao ICMS embutido no preço dos bens por
eles adquiridos e destinados às suas atividades sociais.
b) as entidades de assistência social sem fins lucrativos que atenderem aos requisitos previstos em lei
complementar, em relação às contribuições e doações recebidas para aplicação em seus objetivos sociais.
c) as empresas públicas que desempenhem atividades econômicas não sujeitas ao monopólio público, em
relação ao ICMS ou ISS, conforme o caso, sobre bens e serviços por elas fornecidos.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


78
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

d) as operações de exportação de mercadorias ao exterior, em relação ao ICMS, desde que haja efetivo
ingresso de divisas.
e) as remunerações dos dirigentes de partidos políticos e de entidades sindicais, em relação à contribuição
previdenciária pelos serviços por eles prestados.

Comentário:

Alternativa A: Como se trata de contribuintes de fato, não há que se falar em aplicação da imunidade
tributária a este caso. Alternativa errada.

Alternativa B: Em relação à renda das entidades de assistência social sem fins lucrativos que atendam aos
requisitos previstos em lei complementar, há imunidade tributária. Alternativa correta.

Alternativa C: Na realidade, é irrelevante o fato de a empresa estar ou não desempenhando atividade sujeita
a monopólio. O simples fato de haver exploração de atividade econômica com o objetivo de lucro impede a
aplicação da imunidade, conforme jurisprudência do STF. Alternativa errada.

Alternativa D: A imunidade existe por força do disposto na CF/88, não havendo qualquer condicionamento
ao efetivo ingresso de divisas. Alternativa errada.

Alternativa E: Não há qualquer imunidade no texto constitucional relativa à contribuição previdenciária


sobre as remunerações dos dirigentes de partidos políticos e de entidades sindicais. Alternativa errada.

Gabarito: Letra B

55. FCC/TJPE - Juiz Estadual/2013


Sobre imunidade e isenção, analise os itens abaixo.
I. A Constituição Federal assegura isenção no pagamento de taxa para obtenção de certidões em repartições
públicas e privadas que prestam serviço público, para defesa de direitos e esclarecimento de situações de
interesse pessoal.
II. A imunidade sobre o templo de qualquer culto apenas alcança os impostos, sendo devidas, portanto, as
taxas e contribuição de melhoria incidentes sobre o imóvel destinado ao templo.
III. Há isenção de imposto sobre comercialização de livro, jornal, periódico e sobre a comercialização de papel
destinado a impressão destes produtos.
IV. Possui imunidade de contribuição social para seguridade social a entidade beneficente de assistência
social que atenda às exigências estabelecidas em lei sobre a folha de salários e demais rendimentos do
trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo
empregatício.
Está correto o que se afirma APENAS em
a) I, II e III.
b) II, III e IV.
c) I e II.
d) II e IV.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


79
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

e) I e III.

Comentário:

Item I: A CF/88 assegura a imunidade, e não isenção, de taxas. Item incorreto.

Item II: É necessário que o conceito de imunidade religiosa, fique claro: esta é para IMPOSTOS apenas, não
sendo vedado que outros tributos incidam sobre a entidade religiosa. Item correto.

Item III: O que há é imunidade, decorrente da CF/88, e não isenção, que decorre de Lei. Item incorreto.

Item IV: O artigo 195, §7º prevê tão imunidade (apesar de que faltou técnica legislativa, em que o
Constituinte denomina tal imunidade como isenção). Item correto.

Gabarito: Letra D

56. FGV/Pref. Paulínia-SP-Procurador/2016


As imunidades são normas constitucionais que afastam a possibilidade de tributação de determinadas
pessoas ou bases econômicas.
As opções a seguir apresentam hipóteses de imunidade, à exceção de uma. Assinale-a.
a) Patrimônio, serviços e renda, vinculados à finalidade essencial das autarquias, no que se refere aos
impostos.
b) A obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situações
de interesse pessoal, em relação às taxas.
c) Patrimônio, renda e serviços das editoras de livros e periódicos, em relação aos impostos.
d) O imóvel de propriedade de determinada igreja que, alugado a terceiro, tem o valor do aluguel destinado
às suas finalidades essenciais, em relação aos impostos.
e) As operações de transferência de imóveis desapropriados para fins de reforma agrária, no que se refere
aos impostos.

Comentário: Deseja-se a alternativa que não apresenta imunidade tributária. Analisemos cada uma delas:

Alternativa A: Trata-se da imunidade recíproca, extensível às autarquias e fundações instituídas e mantidas


pelo Poder Público, referente aos impostos. Alternativa correta.

Alternativa B: Trata-se de imunidade aplicável às taxas. Alternativa correta.

Alternativa C: Na realidade, tal imunidade (cultural) se aplica apenas ao objeto imune (livros, jornais,
periódicos e o papel destinado à sua impressão), não alcançando as entidades fabricantes de tais produtos.
Alternativa errada.

Alternativa D: A jurisprudência do STF admite a imunidade sobre o imóvel de propriedade de determinada


igreja que, alugado a terceiro, desde que o valor do aluguel seja destinado às suas finalidades essenciais da
entidade. Alternativa correta.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


80
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Alternativa E: Trata-se de imunidade relativa aos impostos federais, estaduais e municipais. Alternativa
correta.

Gabarito: Letra C

57. FGV/Pref. Recife-PE-Analista de Controle Interno/2014


Com relação às limitações ao poder de tributar, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa.
( ) A imunidade é regra de exclusão legal da competência tributária.
( ) A imunidade é aplicável apenas aos tributos não vinculados.
( ) A imunidade recíproca é extensiva às autarquias federais, estaduais e municipais.
As afirmativas são, respectivamente,
a) V, F e V
b) F, V e F.
c) F, F e V.
d) V, V e F.
e) F, V e V.

Comentário:

Item I: A imunidade é sempre decorrente de norma constitucional, nunca legal. Item errado.

Item II: A imunidade é aplicável tanto aos tributos não vinculados como aos vinculados, já que existem
imunidades relativas às taxas. Item errado.

Item III: A CF/88 estabelece que a imunidade recíproca alcança as autarquias, sejam elas federais, estaduais
ou municipais, no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços, vinculados a suas finalidades essenciais
ou às delas decorrentes. Item correto.

Gabarito: Letra C

58. VUNESP/TJ-RJ-Juiz/2012
A União não poderá exigir o Imposto Territorial Rural sobre pequenas glebas rurais, assim definidas em lei,
quando as explore o proprietário que não possua outro imóvel. A situação em questão diz respeito ao
instituto tributário da
a) não incidência de fato.
b) remissão.
c) imunidade.
d) isenção.

Comentário:

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


81
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

A Constituição Federal prevê no art. 153, § 4.º, II, que não deve incidir ITR sobre pequenas glebas rurais,
definidas em lei, quando as explore o proprietário que não possua outro imóvel. Ainda que a Constituição
remeta ao legislador a definição do que venha a ser considerado pequenas glebas de terra para fins de
tributação, é nítido que se trata de uma imunidade tributária, uma vez que a própria Constituição determina
a não incidência.

Gabarito: Letra C

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


82
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

5 – LISTA DAS QUESTÕES COMPLEMENTARES

Conceito e Classificação das Imunidades Tributárias

1. CESPE/TJ-SC-Juiz Estadual/2019
A respeito de imunidade tributária e isenção tributária, é correto afirmar que
a) a isenção está no campo infraconstitucional e corresponde a uma hipótese de não incidência da norma
tributária.
b) a imunidade está no plano constitucional e proíbe a própria instituição do tributo relativamente às
situações e pessoas imunizadas.
c) a isenção é criada diretamente pela Constituição Federal de 1988, sendo uma norma negativa de
competência tributária.
d) a imunidade pressupõe a incidência da norma tributária, sendo o crédito tributário excluído pelo
legislador.
e) a imunidade está no plano de aplicação da norma tributária, sendo equivalente ao estabelecimento de
uma alíquota nula.

2. CESPE/TCE-PR-Analista de Controle Externo/2016


O estabelecimento das hipóteses de imunidade tributária é reservado a lei complementar.

3. CESPE/TCE-RN-Auditor/2015
A imunidade tributária visa preservar valores políticos, religiosos, sociais, econômicos e éticos da sociedade,
com vistas a evitar que determinadas atividades sejam oneradas pela incidência dos tributos.

4. FCC/Câmara Municipal de SP - Procurador Legislativo/2014


Na seção denominada das “limitações constitucionais ao poder de tributar” o texto constitucional dispõe
sobre
a) capacidade tributária para cobrar tributos.
b) imunidades e isenções tributárias.
c) todos os institutos tributários que atuam no campo da cobrança dos tributos instituídos na Constituição
Federal.
d) princípios e regras que disciplinam o exercício da competência para instituir e modificar tributos.
e) o rol taxativo dos impostos instituídos pela Constituição Federal para os entes federados, que não têm
poder de instituir, mas apenas para cobrar.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


83
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

5. FCC/MPE-PA-Promotor de Justiça/2014
Sobre a Lei Complementar nº 87/96 - Lei Kandir, é correto afirmar que institui imunidades tributárias
relativas ao ICMS dos Estados e Distrito Federal, dentre elas as operações com ouro, quando definido em lei
como ativo financeiro ou instrumento cambial e operações de arrendamento mercantil, não compreendida
a venda do bem arrendado ao arrendatário.

6. FGV/CODEMIG-Advogado Societário/2015
A norma que impede que a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituam e cobrem
mutuamente impostos sobre seus patrimônios, rendas ou serviços é uma espécie de:
a) imunidade;
b) suspensão;
c) isenção;
d) exclusão;
e) extinção.

7. FGV/TCM-SP-Agente de Fiscalização/2015
De acordo com o sistema constitucional tributário, a previsão de imunidade é:
a) limitação à instituição de tributos estaduais e municipais, imposta pela União, através de lei complementar
nacional;
b) dispensa legal do pagamento do tributo ou penalidade pecuniária;
c) modalidade especial de extinção do crédito tributário;
d) não incidência qualificada pela lei;
e) limitação constitucional ao poder de tributar.

8. VUNESP/TJ-SP-Juiz/2015
Na disciplina das isenções, imunidades e hipóteses de não incidência, é correto afirmar que
a) quem pode isentar também pode conceder imunidade.
b) quem pode tributar pode isentar.
c) alíquota zero e isenção são expressões juridicamente equivalentes.
d) não incidência é situação juridicamente distinta de imunidade e de não competência.

9. VUNESP/Câmara Municipal de Itatiba - SP-Advogado/2015


A imunidade e a isenção
a) são institutos que possuem a mesma origem.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


84
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

b) identificam-se por representarem, ambas, liberalidades fiscais.


c) distinguem-se porque a primeira verifica-se no âmbito do poder de tributar, ao passo que a segunda
constitui-se em mero não exercício da competência tributária.
d) identificam-se em nível da lei que as concede.
e) confundem-se quanto ao efeito que produzem, na medida em que o crédito tributário constituído será
dispensado da cobrança relativamente ao contribuinte, em ambos os casos.

Imunidade Recíproca

10. CESPE/PGM-Manaus-Procurador/2018
É proibida a cobrança de tributo sobre o patrimônio e a renda dos templos de qualquer culto.

11. CESPE/DPF-Delegado de Polícia Federal/2018


Os estados e os municípios estão imunes à instituição de contribuições sociais, pela União, sobre os seus
serviços.

12. CESPE/EMAP-Analista Portuário/2018


Conforme o entendimento do Supremo Tribunal Federal, a imunidade tributária recíproca prevista na
Constituição Federal de 1988 foi estendida às empresas públicas.

13. CESPE/Pref. Fortaleza-Procurador/2017


A imunidade tributária recíproca que veda à União, aos estados, ao DF e aos municípios instituir impostos
sobre o patrimônio, renda ou serviços uns dos outros é cláusula pétrea.

14. CESPE/PGE-AM-Procurador/2016
A imunidade recíproca beneficia sociedades de economia mista que prestem serviços públicos estatais
essenciais e exclusivos, como, por exemplo, o serviço de saneamento básico, ainda que tais serviços sejam
remunerados por tarifas.

15. FCC/CREMESP - Analista de Gestão Financeira e Contábil/Contábil/2016


É possível identificar relação entre a competência para instituir tributos e as imunidades tributárias, na
medida em que
a) as normas que veiculam imunidades tributárias constituem comandos genéricos que orientam o exercício
da competência tributária após a instituição dos tributos.
b) ambos representam limitações ao poder de tributar, estando definidos na Constituição Federal e não
sendo passíveis de delegação ou renúncia por parte dos entes federados.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


85
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) as imunidades vedam a instituição de tributos reciprocamente entre os entes federados aos quais é
atribuída constitucionalmente a competência para instituir tributos.
d) as imunidades incidem para impedir que os Municípios instituam impostos sobre Estados, Distrito Federal
e União, bem como Estados e Distrito federal sobre União, não havendo vedação em sentido inverso, em
razão da prevalência de interesses e da supremacia do interesse público.
e) a competência para instituir tributos é repartida constitucionalmente, sendo possível que a União cobre
impostos originalmente atribuídos aos Estados, no caso de inércia desses, até que sobrevenha legislação
estadual, mas não poderá desrespeitar as regras de imunidade.

16. VUNESP/ISS-Guarulhos-Inspetor Fiscal de Rendas/2019


A imunidade recíproca, prevista na Constituição Federal,
a) não alcança autarquias e fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público.
==1536ad==

b) alcança os serviços relacionados com exploração de atividades econômicas regidas pelas normas
aplicáveis a empreendimentos privados prestados por empresas estatais.
c) alcança os serviços em que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo usuário.
d) exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente ao bem imóvel.
e) não alcança taxas, contribuições de melhoria e contribuições sociais.

17. FGV/SEFAZ-RO-Auditor Fiscal/2018


Determinado Estado da Federação cedeu um imóvel de sua propriedade à pessoa jurídica de direito privado
ABC, para que esta exerça atividade econômica com fins lucrativos, no local do imóvel. Em relação à cobrança
de Imposto sobre Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) do imóvel, assinale a afirmativa correta.
(A) É vedada a cobrança do IPTU do imóvel, tendo em vista a imunidade recíproca das pessoas de direito
público, princípio garantidor da Federação e cláusula pétrea.
(B) É vedada a cobrança do IPTU do imóvel, tendo em vista que o Estado é isento do pagamento do IPTU de
imóveis de sua propriedade.
(C) O IPTU é devido e o Estado, contribuinte do imposto, deve realizar o pagamento.
(D) O IPTU não é devido, uma vez que o Estado não é sujeito passivo da exação.
(E) O IPTU é devido e a pessoa jurídica de direito privado é a responsável tributária e quem deve realizar o
pagamento.

18. FGV/Câmara Municipal de Recife-PE-Consultor Legislativo/2014


As imunidades atuam no plano da definição da competência tributária, tem previsão constitucional e são
hipóteses de não-incidência qualificada. Nesse sentido, a imunidade recíproca impede que:
a) o Estado cobre contribuição de melhoria em relação a bem da União valorizado em decorrência de obra
pública;
b) o Município cobre a taxa de licenciamento de obra do Estado;

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


86
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) o Estado cobre tarifa de esgoto de imóvel da União;


d) a União cobre Imposto de Renda sobre os juros das aplicações financeiras dos Municípios;
e) a União Federal cobre contribuições destinadas ao custeio da Seguridade Social dos Estados e dos
Municípios.

19. FGV/ISS-Cuiabá/2014
Pretendendo adquirir, no mercado doméstico, caminhões para uso em serviço, o Município de Cuiabá pede
ao Estado de Mato Grosso que afaste a incidência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços
(ICMS) nessa operação específica. Assinale a solução juridicamente adequada a ser dada ao caso exposto.
a) O Estado deve acolher o pleito mediante prova cabal de que os veículos serão mesmo empregados em
atividades inerentes às atribuições do Município, pois, mesmo inexistindo lei estadual nesse sentido, o caso
é de isenção de tributos.
b) O Estado deve acolher o pleito mediante prova cabal de que os veículos serão mesmo empregados em
atividades inerentes às atribuições do Município, pois o caso é de imunidade de tributos.
c) O Estado poderá acolher o pleito mediante decisão administrativa afastando a incidência do ICMS ao caso.
d) O Estado não poderá acolher o pleito, ainda que os caminhões sejam mesmo empregados em atividades
inerentes às atribuições do Município, pois é vedada a concessão de tratamento tributário diferenciado a
entidades públicas que explorem a atividade econômica.
e) O Estado não poderá acolher o pleito, pois a imunidade não favorece o Município neste caso concreto, já
que ele é apenas o contribuinte de fato, e não o contribuinte de direito.

Imunidade Religiosa

20. CESPE/CAGE-RS-Auditor do Estado/2018


Determinada entidade religiosa presta serviços de batismo e casamento, revende artigos religiosos
produzidos por uma fábrica e vende artesanato sacro produzido pelos membros da entidade. Além disso, a
entidade tem, além do imóvel onde funciona o templo, outros imóveis cuja renda é revertida à composição
do patrimônio da entidade.
Nessa situação hipotética, a imunidade religiosa relativa ao pagamento de impostos
a) não abrange a venda do artesanato.
b) abrange todas as situações mencionadas.
c) não abrange o IPTU em caso de configuração de concorrência desleal.
d) não abrange os serviços de batismo e casamento.
e) abrange o ICMS relativo à compra e à venda de artigos religiosos da fábrica.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


87
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

21. FCC/Pref. Teresina-PI-Auditor Fiscal/2016


Determinado Município brasileiro decidiu adotar as seguintes medidas, no exercício de 2014:
(I) lançou e promoveu a cobrança do IPTU em relação ao terreno em que se localiza um cemitério que é
comprovadamente extensão de entidade de cunho religioso, e cuja doutrina não aceita o sepultamento dos
fiéis falecidos em cemitérios que não sejam esses;
(II) concedeu isenção desse mesmo imposto a um grupo limitado de munícipes, exclusivamente em razão de
sua condição de servidores públicos municipais;
(III) editou decreto, no mês de novembro de 2014, para vigorar a partir do exercício seguinte, majorando a
base de cálculo do IPTU, redundando esse fato, inclusive, em aumento superior à variação dos índices oficiais
de inflação.
Considerando as limitações ao poder de tributar, arroladas no texto da Constituição Federal, a medida
a) III violou o princípio da anterioridade.
b) II violou o princípio da isonomia tributária.
c) I não violou qualquer regra constitucional limitadora do poder de tributar.
d) III violou o princípio da anterioridade nonagesimal (noventena).
e) II não violou qualquer regra constitucional limitadora do poder de tributar, mas a medida I violou o
princípio da irretroatividade.

22. FCC/TCE-CE- Conselheiro Substituto (Auditor)/2015


Um cidadão cria uma organização religiosa (igreja), com inscrição no CNPJ e demais órgãos competentes, e
passa a adquirir bens imóveis (apartamentos de alto padrão e veículos automotores importados e de luxo)
em nome desta nova organização. Neste caso, sobre a incidência de impostos por fatos geradores praticados
por esta organização religiosa é correto afirmar que
a) não há incidência de impostos por existir lei federal concessiva de isenção de impostos para organização
religiosa (templo de qualquer culto).
b) só haverá imunidade de impostos para patrimônio, renda e serviços relacionados com as finalidades
essenciais da organização religiosa.
c) não há incidência de tributos por existir lei federal concessiva de isenção de impostos para organização
religiosa (templo de qualquer culto).
d) só haverá imunidade de tributos para patrimônio, renda e serviços relacionados com as finalidades
essenciais da organização religiosa.
e) haverá imunidade para todos os tributos relacionados com a organização religiosa (templo de qualquer
culto).

23. FGV/AL-MA-Consultor Legislativo/2013


Assinale a alternativa em que as duas afirmativas estão corretas e a segunda completa o sentido da primeira.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


88
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

a) A Igreja do Culto Bem‐vindos da Boa Fé goza de imunidade quanto ao IPVA de sua frota. / Os veículos
imunes estão vinculados à atividade fim da Instituição Religiosa.
b) A frota do partido político “Unidos Venceremos” goza de isenção. / A isenção é concedida desde que o
partido mantenha correta escrita fiscal.
c) Os veículos do Corpo Diplomático são imunes. / A imunidade decorre do princípio da territorialidade da
tributação.
d) Tratores e máquinas de terraplanagem, utilizados em ambiente urbano, são isentos do IPVA. / A isenção
é concedida desde que a potência das máquinas seja inferior a 50 cilindradas.
e) A empresa de serviços de ambulância Alpha Resgate goza de isenção do IPVA. / A isenção é concedida
desde que aplique seus recursos na manutenção de seus objetivos institucionais.

24. VUNESP/TJ-SP-Juiz/2017
Assinale a alternativa correta.
a) a imunidade do artigo 150, VI, “b” da Constituição Federal deve ser interpretada ampliativamente de modo
a incluir todos os imóveis da entidade religiosa, sem restrição, uma vez que o Estado Brasileiro, embora laico,
garante o exercício da fé religiosa, segundo orientação do Supremo Tribunal Federal.
b) a imunidade prevista no artigo 150, VI, “b” da Constituição Federal de 1988 deve ser estendida aos
cemitérios de cunho religioso, segundo orientação do Supremo Tribunal Federal.
c) a imunidade conferida aos templos se estende à Maçonaria, em cujas lojas se professa culto no sentido
empregado pela Constituição Federal, segundo decisão do Supremo Tribunal Federal.
d) a imunidade do artigo 150, VI, “b” da Constituição Federal de 1988 estende-se aos cemitérios, ainda que
ostentem natureza privada e empresarial, uma vez que ali se realizam ritos relacionados com a fé religiosa,
segundo orientação do Supremo Tribunal Federal.

Imunidade dos Partidos Políticos, Entidades Sindicais dos


Trabalhadores, Instituições de Educação e de Assistência Social

25. CESPE/PGE-PE-Analista Judiciário/2019


Partido político perde a imunidade de IPTU sobre imóvel de sua propriedade caso o alugue para terceiro,
ainda que o valor dos aluguéis seja investido, por exemplo, em propaganda partidária.

26. CESPE/PGE-PE-Analista Judiciário/2019


A imunidade tributária das instituições de assistência social sem fins lucrativos está condicionada à
inexistência de contribuição por parte de seus beneficiários.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


89
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

27. CESPE/MPE-RR-Promotor de Justiça/2017


A imunidade tributária assegurada às instituições de educação sem fins lucrativos garante imunidade apenas
para os
a) impostos, não vedando a instituição de outras modalidades de tributos.
b) tributos que incidam sobre sua renda e seu patrimônio, não afastando a cobrança de tributos que incidam
sobre os serviços por elas prestados.
c) impostos e contribuições sociais, não impedindo a cobrança de taxas, empréstimos compulsórios e
contribuições de melhoria.
d) tributos de competência da União, não prevendo a não incidência de tributos que sejam de competência
dos estados, dos municípios ou do DF.

28. FCC/METRO SP - Advogado Júnior/2016


Considere:
I. Partidos políticos.
II. Fundações de partidos políticos.
III. Entidades sindicais dos trabalhadores.
IV. Entidades sindicais dos empregadores.
Observados os requisitos legais, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, cobrar
impostos sobre o patrimônio, a renda ou serviços dos entes indicados APENAS em
a) I, II e III.
b) I, III e IV.
c) I e II.
d) III e IV.
e) III.

29. FCC/TCE AM – Auditor/2015


A Constituição Federal ora estabelece que é vedado às pessoas jurídicas de direito público instituir impostos
em determinadas circunstâncias, ora estabelece que um imposto específico não incidirá em determinada
circunstância. De acordo com o texto constitucional,
a) é vedado aos Municípios instituir o IPTU sobre terrenos de propriedade de empresas públicas estaduais,
cuja utilização não esteja vinculada às finalidades essenciais da respectiva empresa.
b) não incidirá o ITR sobre pequenas glebas rurais, definidas em lei, quando as explore o proprietário, seu
cônjuge, seus descendentes ou seus parentes colaterais, até o terceiro grau.
c) é vedado aos Estados instituir o ICMS sobre as operações de circulação de suportes materiais que
contenham videofonogramas musicais produzidos no Brasil, contendo obras musicais de autores brasileiros.
d) é vedado à União instituir qualquer imposto sobre o ouro, quando definido em lei como ativo financeiro
ou instrumento cambial.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


90
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

e) é vedado aos Municípios instituir o ISSQN sobre templos de qualquer culto, salvo disposição de lei
complementar em contrário.

30. FCC/SEAD PI - Analista de Planejamento e Orçamento/2013


A imunidade recíproca, prevista na Constituição Federal,
I. veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituírem impostos sobre renda,
patrimônio ou serviços uns dos outros.
II. é extensiva às autarquias, às fundações e às empresas públicas instituídas e mantidas pelo Poder Público,
no que se refere ao patrimônio, à renda e aos serviços, vinculados as suas finalidades essenciais ou às delas
decorrentes.
III. não se aplica ao patrimônio, à renda e aos serviços relacionados com exploração de atividades econômicas
regidas pelas normas aplicáveis a empreendimentos privados, ou em que haja contraprestação ou
pagamento de preços ou tarifas pelo usuário, nem exonera o promitente comprador da obrigação de pagar
imposto relativamente ao bem imóvel.
Está correto o que se afirma APENAS em
a) II e III.
b) I e III.
c) I.
d) I e II.
e) III.

31. FCC/SEFAZ-PI-Auditor Fiscal/2015


A Constituição Federal estabelece limitações ao poder de tributar, concedido aos entes federados. No que
se refere a estes limites, é vedado cobrar tributos das instituições de educação sem fins lucrativos, dos
partidos políticos e das entidades sindicais dos trabalhadores e patronais, desde que atendidos os requisitos
da lei e a finalidade social de redução das desigualdades.

32. VUNESP/Prefeitura de São José dos Campos - SP-Procurador/2017


A Constituição Federal confere poder de tributar à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios,
mas estabelece limitações ao exercício desse mesmo poder. Nesse sentido, é correto afirmar que a tarefa de
regular as limitações constitucionais ao poder de tributar é matéria que a Constituição Federal confere
a) à lei complementar.
b) à lei ordinária no âmbito da competência de cada ente tributante.
c) a qualquer espécie normativa, desde que no âmbito territorial de cada ente tributante.
d) à lei ordinária específica de cada tipo de tributo.
e) somente às Constituições Estaduais e às Leis Orgânicas.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


91
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

33. VUNESP/ TJ-SP-Titular de Serviços de Notas e de Registros - Provimento/2016


É correto dizer que a imunidade tributária
a) é outorgada a Municípios, Estados, Distrito Federal e União, excetuando impostos indiretos como ICMS.
b) é outorgada a templos de qualquer culto, livros, periódicos e papel destinado à sua impressão.
c) é outorgada às fundações, desde que estas não distribuam lucros.
d) é assegurada às entidades públicas e privadas sem fins lucrativos.

34. FGV/Pref. Recife-Auditor do Tesouro Municipal/2014


Determinada escola foi autuada pelo Fisco Municipal por não ter recolhido o imposto sobre os serviços que
presta, apesar de ter recebido o título de instituição de utilidade pública, tendo sua imunidade reconhecida
por meio de ato declaratório próprio, não possuindo fins lucrativos. A Fazenda alega que a escola não se
cadastrou junto à Secretaria de Educação, órgão que estabelece os critérios para que um estabelecimento
possa ser considerado “educacional” e, portanto, imune, sendo essa exigência ato privativo do Poder
Executivo, que pode condicionar a fruição do benefício ao cumprimento de obrigações acessórias.
Nesse caso, a Fazenda agiu
a) incorretamente, uma vez que a exigência de cadastro representa limite, a ser fixado por lei complementar,
à imunidade gozada pela escola.
b) corretamente, já que cabe ao Poder Executivo fixar a organização das entidades imunes.
c) corretamente, eis que cabe à Secretaria de Educação exercer controle sobre as escolas.
d) incorretamente, já que as exigências quanto à organização das entidades imunes devem ser veiculadas
por lei complementar.
e) corretamente, uma vez que, mesmo imune, a escola tem que cumprir as obrigações acessórias.

35. FGV/CONDER-Advogado/2013
Entidade beneficente, sem fins lucrativos, que atende aos requisitos legais e foi declarada de utilidade
pública federal, importou, para fins de integralizar seu ativo fixo, um maquinário a ser usado na atividade
que presta.
Entretanto, no momento do desembaraço aduaneiro, o fiscal do Estado lhe exige o pagamento do ICMS
incidente sobre a importação da mercadoria, alegando que a imunidade da entidade é sobre seu patrimônio
e não sobre a atividade de importação, sobre a qual recai a exação.
Neste caso, a entidade
(A) deve pagar o ICMS, contabilizar o imposto como crédito e posteriormente compensar o que pagou.
(B) não deve pagar o ICMS, já que a imunidade tributária a torna não contribuinte de qualquer espécie
tributária.
(C) deve pagar o ICMS e quando integralizar a máquina em seu ativo imobilizado, compensar o que pagou.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


92
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

(D) só deve pagar o ICMS na operação se a máquina não for usada para a atividade beneficente que presta.
(E) não deve pagar o ICMS, já que é beneficiada por imunidade constitucionalmente prevista, bastando
comprovar que cumpre os requisitos legais para seu gozo.

36. FGV/AL-MA-Consultor Legislativo/2013


A Fundação Pública Estadual Lar dos Idosos, cujo objeto é dar assistência a pessoas carentes e idosas, que
estejam em situação de risco, não distribui lucros e aplica tudo o que arrecada em sua atividade fim. A
Fundação, quanto à frota de veículos que possui,
a) está isenta de pagar o IPVA
b) é contribuinte de fato do IPVA
c) está imune quanto ao IPVA
d) é remida quanto ao pagamento do IPVA
e) é anistiada do IPVA

Imunidade Cultural

37. FGV/Pref. Salvador-BA-Técnico de Nível Superior-Direito/2017


A Editora WW Ltda. publica livros impressos e livros eletrônicos (e-books), além de comercializar aparelhos
eletrônicos especializados em leitura de obras digitais (e-readers). O sócio-gerente dessa editora, diante da
dúvida quanto à incidência de imunidade tributária objetiva sobre os itens por ela publicados e
comercializados, consulta Roberto, advogado tributarista, a respeito do tema.
Levando em conta a Constituição da República e a jurisprudência consolidada do Supremo Tribunal Federal,
assinale a opção que apresenta a resposta de Roberto.
a) A imunidade objetiva prevista na CRFB/88 abarca livros impressos e livros eletrônicos, mas não alcança
aparelhos eletrônicos especializados em leitura de obras digitais.
b) A imunidade objetiva prevista na CRFB/88 abarca apenas e tão somente livros impressos.
c) A imunidade objetiva prevista na CRFB/88 abrange livros impressos, livros eletrônicos e aparelhos
eletrônicos especializados em leitura de obras digitais.
d) A imunidade objetiva prevista na CRFB/88 abrange livros eletrônicos e aparelhos eletrônicos
especializados em leitura de obras digitais. Quanto aos livros impressos, a hipótese é de mera isenção legal.
e) A imunidade subjetiva prevista na CRFB/88 abrange livros impressos, livros eletrônicos e aparelhos
eletrônicos especializados em leitura de obras digitais.

38. VUNESP/ TJ-SP-Juiz substituto/2017


Considerando-se o disposto no artigo 150, VI, “d” da Constituição Federal de 1988, notadamente a expressão
“… e o papel destinado à sua impressão”, é de se concluir corretamente que

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


93
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

a) a imunidade deve ser estendida também aos livros com suportes em CD e outros meios eletrônicos, em
face das interpretações evolutiva e teleológica.
b) somente o livro de papel deve ser imune a impostos, uma vez que, operando a imunidade como limitação
ao poder de tributar de que dotado o Estado, sua interpretação há de ser restritiva.
c) somente o livro de papel é imune a impostos, à vista da cláusula expressa “… e o papel destinado à sua
impressão”. (artigo 150,VI, “d”, Constituição Federal).
d) se a Constituição não distinguiu o suporte tecnológico de elaboração de livros, jornais e periódicos, não
pode o intérprete fazê-lo para o fim de ampliar a imunidade.

39. ESAF/ANAC-Especialista em Regulação/2016


Quanto à imunidade tributária, assinale a opção correta.
a) Os templos de qualquer culto são imunes a todos os tributos.
b) A imunidade dos partidos políticos alcança impostos e taxas.
c) A imunidade das entidades educacionais é descaracterizada pela cobrança de mensalidades.
d) A imunidade dos livros, dos jornais e dos periódicos é subjetiva.
e) O sujeito passivo imune não é dispensado do cumprimento de obrigações acessórias.

40. FCC/TJ-PE-Juiz/2013
Há isenção de imposto sobre comercialização de livro, jornal, periódico e sobre a comercialização de papel
destinado a impressão destes produtos.

Imunidade em Favor da Produção Musical Brasileira

41. CESPE/TCE-RN-Assessor Técnico Jurídico/2015


Os fonogramas musicais produzidos no Brasil, contendo obras musicais ou literomusicais de autores
brasileiros, salvo na etapa de replicação industrial de mídias óticas de leitura a laser, são imunes às
contribuições de intervenção econômica e aos impostos em geral, mas não às contribuições para a
seguridade social, como as contribuições previdenciárias.

42. FCC/Prefeitura de Manaus - Técnico Fazendário/2019


De acordo com a Constituição Federal, o Município pode
a) instituir, lançar e cobrar o IPTU relativamente a bem imóvel no qual se realizam os cultos e cerimônias
religiosos e cujo proprietário é a instituição religiosa “HÁ VIDA NO ALÉM”.
b) instituir, lançar e cobrar o ITCMD em relação aos serviços gratuitos de orientação pedagógica e
educacional prestados pela instituição de educação “Escola para Todos Ltda.”, instituição sem fins lucrativos.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


94
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) cobrar o ITBI no exercício subsequente àquele em que tiver sido publicada a lei que aumentou sua base
de cálculo, dispensada a observância do princípio da anterioridade nonagesimal.
d) instituir, lançar e cobrar o ISSQN sobre a prestação de serviços de fonografia, atinente à produção, no
território do Município, de fonogramas contendo poesias não musicadas, de autoria do poeta chileno Pablo
Neruda, e recitadas por artista de nacionalidade chilena.
e) instituir, lançar e cobrar o IPTU sobre a propriedade de imóvel em que funciona a Secretaria de Fazenda
do Estado, imóvel este que é de propriedade do governo estadual.

43. FCC/SEFAZ GO - Auditor Fiscal da Receita Estadual/2018


A Constituição Federal contempla várias regras que têm por finalidade limitar o poder de tributar das pessoas
jurídicas de direito público interno. De acordo com essas regras, é vedado aos Estados
a) instituir tratamento desigual entre contribuintes que se encontrem em situação equivalente, facultada,
para fins de desoneração tributária total ou parcial, a distinção em razão de origem étnica, de nível de
escolaridade, de ocupação profissional e de função por eles exercida.
b) cobrar tributos em relação a fatos geradores ocorridos antes do início da regulamentação da lei que os
houver instituído, aumentado ou reduzido.
c) cobrar tributos antes de decorridos noventa dias da data em que haja sido regulamentada a lei que os
instituiu ou aumentou, podendo o referido prazo ser reduzido, nos casos em que seu término ocorrer no
exercício subsequente, hipótese em que o tributo poderá ser cobrado desde o primeiro dia do novo exercício.
d) estabelecer limitações ao tráfego de pessoas ou bens, por meio de tributos interestaduais ou
intermunicipais, ressalvada a cobrança de pedágio pela utilização de vias conservadas pelo Poder Público.
e) instituir impostos sobre videofonogramas musicais produzidos no Mercosul, contendo obras musicais ou
literomusicais de autores brasileiros, e obras em geral, interpretadas por artistas brasileiros ou por artistas
cidadãos de países integrantes do Mercosul, bem como sobre os suportes materiais ou arquivos digitais que
os contenham, inclusive na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.

44. FCC/ TRT 24ª Região - Analista Judiciário/Contabilidade/2017


O Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região, órgão da Administração Pública Federal direta, precisando
renovar a frota de veículos automotores de sua propriedade, procedeu à análise do custo anual de
manutenção desta frota, composta por cinco veículos, todos eles com seis anos de uso. O resultado desse
estudo seria o parâmetro para a renovação da frota.
Em razão disso, foram elaborados os devidos estudos dos custos dos diversos itens relacionados com a frota,
tais como os de manutenção mecânica, de limpeza, de estacionamento, de consumo de combustíveis e
lubrificantes e, inclusive, os de natureza tributária.
No tocante especificamente aos custos anuais de natureza tributária, o mencionado estudo, para ser
considerado correto à luz das normas constitucionais, deveria ter concluído que o referido Tribunal
a) não incorrerá em despesas tributárias relativamente ao Imposto sobre Propriedade de Veículos
Automotores − IPVA, pois é vedado aos Estados instituir impostos sobre o patrimônio da União, mas poderá
incorrer nessas despesas relativamente às taxas, tais como a taxa de licenciamento de veículos, pois não é
vedada constitucionalmente sua instituição.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


95
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

b) não incorrerá em despesas tributárias, pois é vedado aos Estados instituir tributos estaduais sobre o
patrimônio, renda ou serviço da União.
c) incorrerá em despesas tributárias, pois é vedado aos Estados, mas não à própria União, neste caso, instituir
tributos estaduais sobre o seu próprio patrimônio, atendendo ao princípio do tratamento isonômico entre
contribuintes.
d) não incorrerá em despesas tributárias relativamente às taxas, tais como a taxa de licenciamento de
veículos, pois é vedado aos Estados instituir taxas sobre o patrimônio da União, mas incorrerá nessas
despesas relativamente ao IPVA, pois não é vedada a instituição de impostos sobre o patrimônio da União,
desde que haja previsão legal nesse sentido.
e) poderá incorrer em despesas tributárias, pois o IPVA e a taxa de licenciamento de veículos podem ser
instituídos, no presente caso, sobre o patrimônio da União, porque são tributos de competência estadual.

45. FCC/CGM São Luís - Auditor de Controle Interno/2015


De acordo com a Constituição Federal, exceto na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura
a laser, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir impostos sobre
a) videofonogramas musicais produzidos no Mercosul, contendo obras musicais ou literomusicais de autores
brasileiros.
b) obras em geral, interpretadas por artistas brasileiros, excluídos os suportes materiais ou arquivos digitais
que os contenham.
c) fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou literomusicais
de autores brasileiros, ou de autores estrangeiros residentes no Brasil, há, pelo menos, dois anos.
d) fonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais de autores brasileiros.
e) obras em geral, compostas no Brasil, interpretadas por artistas brasileiros ou por artistas estrangeiros
residentes no Brasil há, pelo menos, dois anos, excluídos os suportes materiais ou arquivos digitais que os
contenham.

46. FCC/SEFAZ-PI-Auditor Fiscal/2015


A Constituição Federal estabelece limitações ao poder de tributar, concedido aos entes federados. No que
se refere a estes limites, é vedado instituir impostos sobre livros, jornais, periódicos e papel destinado à sua
impressão, e sobre fonogramas musicais produzidos no Brasil, com obras musicais de autores brasileiros,
natos ou naturalizados, salvo na etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser.

47. FCC/TCM-GO-Auditor de Controle Externo/2015


De acordo com a Constituição Federal, é vedado aos Municípios instituir
a) impostos e contribuições sobre patrimônio, renda ou serviços dos partidos políticos, especificamente
naquilo que se relaciona com as finalidades essenciais dessas entidades.
b) impostos e taxas sobre patrimônio, renda ou serviços, da União, dos Estados e do Distrito Federal e de
outros Municípios.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


96
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

c) impostos sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou
literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros.
d) tributos sobre templos de qualquer culto, no que diz respeito ao patrimônio, renda e serviços,
relacionados ou não com as suas finalidades essenciais.
e) impostos sobre livros, jornais, periódicos, papel, tinta e demais insumos empregados na sua impressão.

48. FCC /TJ CE- Juiz Estadual/2014


Raquel, violonista, Flávia, flautista e Beatriz, pianista, também são cantoras de música popular brasileira.
Essas três artistas brasileiras decidiram, em novembro de 2013, gravar um DVD com canções, cujas letras e
melodias são de autores brasileiros. Decidiram produzir o DVD no Estado do Ceará, porque, além de ser mais
barato do que produzi-lo em outro Estado, ou até mesmo no exterior, foram informadas de que o DVD já
estaria nas lojas a tempo para as vendas de Natal. A criação desse DVD
a) está sujeita ao ICMS, nas vendas dos DVDs pelos estabelecimentos varejistas aos consumidores finais.
b) está sujeita ao Imposto sobre Produtos Industrializados, na fase de multiplicação industrial de seus
suportes materiais gravados.
c) está sujeita ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza, relativamente à gravação das canções.
d) não está sujeita a imposto algum, desde a gravação do videofonograma até sua comercialização no varejo,
porque Raquel, Flávia e Beatriz são brasileiras.
e) não está sujeita a imposto algum, desde a gravação do videofonograma até sua comercialização no varejo,
porque os autores das canções são brasileiros.

49. FCC/TCE-PI-Auditor de Controle Externo/2014


Paulo, de nacionalidade argentina, Antonio, de nacionalidade paraguaia, Mário, de nacionalidade espanhola,
e Eduardo, de nacionalidade peruana, todos residentes no Brasil, formam um grupo musical, que compõe e
executa melodias brasileiras e estrangeiras. Apresentam-se em todos os Estados brasileiros.
Seu trabalho musical é divulgado de diversas maneiras: apresentações públicas em programas televisivos,
espetáculos abertos ao público em geral, com entrada gratuita, e comercialização de CDs e DVDs de suas
apresentações.
(1) O último DVD desse quarteto, com canções folclóricas andinas, cujas letras e melodias foram criadas por
autores bolivianos residentes no Brasil, foi produzido nos Estados Unidos.
(2) Antes de Antonio juntar-se ao grupo, Paulo, Mário e Eduardo formaram um trio que chegou até a
produzir, no Rio Grande do Sul, um CD com melodias de autoria de artistas gaúchos e letras criadas por
artistas uruguaios.
(3) Recentemente, o quarteto produziu, no Piauí, um DVD com canções, cujas melodias foram compostas
por autores brasileiros, mas as letras foram compostas por autores paraguaios.
(4) Antonio produziu um CD, solo, instrumental, na Itália, interpretando apenas melodias (sem letra)
compostas por autores piauienses.
Com base nas afirmações acima e no que dispõe a Constituição Federal a respeito de imunidades tributárias,
são abrangidas por essas imunidades APENAS as situações de números

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


97
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

a) 2 e 4.
b) 1 e 4.
c) 1 e 2.
d) 2 e 3.
e) 3 e 4.

50. FCC/SEAD PI - Analista de Planejamento e Orçamento/2013


Visando à elaboração de projeto estruturante de interesse do Estado do Piauí para o ano de 2015, você, na
condição de Analista de Planejamento e Orçamento da Secretaria da Administração, verifica a necessidade
urgente de aumentar a arrecadação do Estado no ano de 2014, a fim de viabilizar financeiramente o seu
projeto. Para tanto, você encomendou estudo a ser realizado pela Secretaria da Fazenda do Estado neste
sentido. A proposta que NÃO afronta o disposto na Constituição Federal é
a) instituir em 2013 aumento de 2% de alíquota do ICMS concernente a todas as operações internas relativas
à circulação de mercadorias a serem realizadas no Estado do Piauí, com cobrança efetiva para fatos
geradores ocorridos a partir do dia 01 de janeiro de 2014.
b) conceder, por meio de Decreto do Executivo Estadual, isenção de IPVA para os proprietários de veículos
de uso industrial, com a finalidade de atrair empresas de outros Estados para o território piauiense.
c) instituir ainda em 2013 aumento de 2% de alíquota do ICMS relativo a todas as operações internas relativas
à circulação de mercadorias a serem realizadas no Estado do Piauí, com cobrança a ser feita na data da
publicação da lei instituidora.
d) cobrar IPVA em relação aos automóveis considerados não populares registrados em nome das entidades
religiosas registradas no Piauí.
e) cobrar ICMS nas operações relativas à circulação de periódicos que tenham conteúdo considerado pela
Secretaria de Cultura do Estado como pornográfico.

51. VUNESP/Prefeitura de São José dos Campos - SP-Procurador/2017


A vedação à incidência de impostos sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil
contendo obras musicais ou literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por
artistas brasileiros bem como os suportes materiais ou arquivos digitais que os contenham, salvo na etapa
de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser, consiste no que a doutrina denomina como
a) isenção.
b) remissão.
c) imunidade.
d) hipótese de não incidência diferida.
e) hipótese de incidência diferida.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


98
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Outras Espécies de Imunidades Tributárias

52. CESPE/TCE-RN-Auditor/2015
A CF prevê a aplicação de imunidade tributária sobre contribuições sociais, e não somente sobre impostos.

53. CESPE/PROCURADOR-MP-TCDF/2013
Conforme jurisprudência do STF fundamentada no princípio da seletividade, operações e bens relacionados
à saúde são imunes a tributação.

54. FCC/METRÔ-SP-Analista Desenvolvimento Gestão Júnior/2014


São imunes:
a) os partidos políticos e os templos de qualquer culto, em relação ao ICMS embutido no preço dos bens por
eles adquiridos e destinados às suas atividades sociais.
b) as entidades de assistência social sem fins lucrativos que atenderem aos requisitos previstos em lei
complementar, em relação às contribuições e doações recebidas para aplicação em seus objetivos sociais.
c) as empresas públicas que desempenhem atividades econômicas não sujeitas ao monopólio público, em
relação ao ICMS ou ISS, conforme o caso, sobre bens e serviços por elas fornecidos.
d) as operações de exportação de mercadorias ao exterior, em relação ao ICMS, desde que haja efetivo
ingresso de divisas.
e) as remunerações dos dirigentes de partidos políticos e de entidades sindicais, em relação à contribuição
previdenciária pelos serviços por eles prestados.

55. FCC/TJPE - Juiz Estadual/2013


Sobre imunidade e isenção, analise os itens abaixo.
I. A Constituição Federal assegura isenção no pagamento de taxa para obtenção de certidões em repartições
públicas e privadas que prestam serviço público, para defesa de direitos e esclarecimento de situações de
interesse pessoal.
II. A imunidade sobre o templo de qualquer culto apenas alcança os impostos, sendo devidas, portanto, as
taxas e contribuição de melhoria incidentes sobre o imóvel destinado ao templo.
III. Há isenção de imposto sobre comercialização de livro, jornal, periódico e sobre a comercialização de papel
destinado a impressão destes produtos.
IV. Possui imunidade de contribuição social para seguridade social a entidade beneficente de assistência
social que atenda às exigências estabelecidas em lei sobre a folha de salários e demais rendimentos do
trabalho pagos ou creditados, a qualquer título, à pessoa física que lhe preste serviço, mesmo sem vínculo
empregatício.
Está correto o que se afirma APENAS em
a) I, II e III.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


99
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

b) II, III e IV.


c) I e II.
d) II e IV.
e) I e III.

56. FGV/Pref. Paulínia-SP-Procurador/2016


As imunidades são normas constitucionais que afastam a possibilidade de tributação de determinadas
pessoas ou bases econômicas.
As opções a seguir apresentam hipóteses de imunidade, à exceção de uma. Assinale-a.
a) Patrimônio, serviços e renda, vinculados à finalidade essencial das autarquias, no que se refere aos
impostos.
b) A obtenção de certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situações
de interesse pessoal, em relação às taxas.
c) Patrimônio, renda e serviços das editoras de livros e periódicos, em relação aos impostos.
d) O imóvel de propriedade de determinada igreja que, alugado a terceiro, tem o valor do aluguel destinado
às suas finalidades essenciais, em relação aos impostos.
e) As operações de transferência de imóveis desapropriados para fins de reforma agrária, no que se refere
aos impostos.

57. FGV/Pref. Recife-PE-Analista de Controle Interno/2014


Com relação às limitações ao poder de tributar, assinale V para a afirmativa verdadeira e F para a falsa.
( ) A imunidade é regra de exclusão legal da competência tributária.
( ) A imunidade é aplicável apenas aos tributos não vinculados.
( ) A imunidade recíproca é extensiva às autarquias federais, estaduais e municipais.
As afirmativas são, respectivamente,
a) V, F e V
b) F, V e F.
c) F, F e V.
d) V, V e F.
e) F, V e V.

58. VUNESP/TJ-RJ-Juiz/2012
A União não poderá exigir o Imposto Territorial Rural sobre pequenas glebas rurais, assim definidas em lei,
quando as explore o proprietário que não possua outro imóvel. A situação em questão diz respeito ao
instituto tributário da
a) não incidência de fato.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


100
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

b) remissão.
c) imunidade.
d) isenção.

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


101
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

6 - GABARITO DAS QUESTÕES COMPLEMENTARES

1. B 21. B 41. E
2. E 22. B 42. D
3. C 23. A 43. D
4. D 24. B 44. A
5. E 25. E 45. D
6. A 26. C 46. C
7. E 27. A 47. C
8. B 28. A 48. B
9. C 29. C 49. D
10. E 30. B 50. A
11. E 31. E 51. C
12. C 32. A 52. C
13. C 33. B 53. E
14. C 34. A 54. B
15. B 35. E 55. D
16. E 36. C 56. C
17. E 37. C 57. C
18. D 38. A 58. C
19. E 39. E
20. C 40. E

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital


102
www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

7 – RESUMO DOS ASSUNTOS MAIS IMPORTANTES

Conceito e Classificação das Imunidades Tributárias

• A imunidade não exime certo ente das obrigações acessórias instituídas pela legislação tributária. As
obrigações acessórias são condutas impostas ao contribuinte, que não possuem caráter pecuniário,
criando obrigações de “fazer” ou “deixar de fazer” algo no interesse da arrecadação e fiscalização.

• A não incidência tributária pode ocorrer de formas distintas, a saber: a pessoa política não faz uso da
competência tributária que lhe foi conferida; a pessoa política não possui competência tributária para
determinar certas situações fáticas como hipótese de incidência; e a pessoa política é impedir de tributar
determinado fato pela própria CF/88. Neste último caso, temos a imunidade tributária.

• A isenção, por outro lado, decorre do exercício da competência tributária. Trata-se de situação que, a
princípio seria tributada, mas que, por decorrência de lei específica do ente competente para instituir o
tributo, se torna isenta.

Imunidade Recíproca

• A imunidade recíproca, prevista no art. 150, VI, a, da CF/88, veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal
e aos Municípios instituir impostos sobre o patrimônio, renda ou serviços uns dos outros. Tal imunidade
existe com o intuito de proteger a autonomia financeira dos entes federados e, consequentemente, o
pacto federativo.
• No que se refere aos tributos indiretos, o entendimento do STF é o de que a imunidade recíproca aplica-
se apenas quando a entidade imune se encontra na situação de contribuinte de direito.
• Vale destacar que, por decorrência de previsão na própria CF/88, a imunidade recíproca é extensiva às
autarquias e às fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, no que se refere ao patrimônio, à
renda e aos serviços, vinculados a suas finalidades essenciais ou às delas decorrentes.
• Outro aspecto importante sobre a imunidade recíproca é que não se aplica a ao patrimônio, à renda e
aos serviços, relacionados com exploração de atividades econômicas regidas pelas normas aplicáveis a
empreendimentos privados, ou em que haja contraprestação ou pagamento de preços ou tarifas pelo
usuário, nem exonera o promitente comprador da obrigação de pagar imposto relativamente ao bem
imóvel.
• Apresentamos a seguir um breve esquema sobre a imunidade recíproca:

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital 103


www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Patrimônio Extensiva a
IMUNIDADE
Impostos Renda autarquias e
RECÍRPOCA
Serviços fundações públicas

Não se aplica: EP e SEM Vinculação a


Não se aplica: prestadoras de finalidades
Taxas serviço público essenciais
- Explor. Ativ. Econ.
Contr. Previd.
- Contrib. De fato
- Serv. Cartoriais

Imunidade Religiosa

• A denominada imunidade religiosa, prevista no art. 150, VI, “b”, da CF/88, veda que todos os entes
federativos cobrem impostos sobre os templos de qualquer culto. Levando em consideração o disposto
no art. 5°, VI, da CF/88, podemos dizer que a liberdade de culto é um direito individual, o que faz com
que a imunidade ora analisada se configure uma cláusula pétrea.
• De acordo com o art. 150, § 4º, da CF/88, a referida imunidade compreende somente o patrimônio, a
renda e os serviços, relacionados com as finalidades essenciais das entidades religiosas.
• Apresentamos a seguir um breve esquema sobre a imunidade religiosa:

RECURSOS
GERADOS

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital 104


www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Imunidade dos Partidos Políticos, Entidades Sindicais dos


Trabalhadores, Instituições de Educação e De Assistência Social

• De acordo com o art. 150, VI, c, da CF/88, é vedado a todos os entes políticos cobrar impostos sobre o
patrimônio, a renda e os serviços dos partidos políticos e suas fundações, dos sindicatos de
trabalhadores e das instituições de educação e assistência social, sem fins lucrativos, atendidos os
requisitos da lei.
• Apresentamos a seguir um breve esquema sobre tal imunidade:

IMUNIDADE Art.
150, VI, “c”

Partidos Políticos
Impostos

Sindicato Trab.
Patrimônio/Renda/S
erviços
Inst. Educacionais

Abrange IOF
Inst. Assistenciais

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital 105


www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

Imunidade Cultural

• A imunidade cultural, prevista no art. 150, VI, “d”, da CF/88, estabelece que é vedado a todos os entes
federados instituírem impostos sobre os livros, jornais, periódicos e o papel destinado à sua
impressão. Trata-se de imunidade objetiva, alcançando apenas o objeto imune, e não a pessoa que
o produz ou comercializa.
• Apresentamos a seguir um breve esquema sobre a imunidade religiosa:

Não Abrange: Encartes de


propag./Serv. Composição
Livros, Jornais e Gráfica
IMUNIDADE Periódicos
Impostos
CULTURAL Papel destinado sua
impressão Abrange: Álbum de
Figurinhas/
Apostilas/Filmes e papéis
As pessoas jurídicas não fotográficos
estão protegidas.
Incide: IOF/IR/ISS

Imunidade em Favor da Produção Musical Brasileira

• A imunidade em favor da produção musical brasileira, contida no art. 150, VI, “e”, da CF/88, estabelece
que é vedado a todos os entes federativos instituir impostos (e não tributos, como as bancas adoram
cobrar) sobre fonogramas e videofonogramas musicais produzidos no Brasil contendo obras musicais ou
literomusicais de autores brasileiros e/ou obras em geral interpretadas por artistas brasileiros bem como
os suportes materiais ou arquivos digitais que os contenham.
• Acerca dessa imunidade tributária, você deve saber o seguinte:
o Os fonogramas e videofonogramas devem ser produzidos no Brasil;
o As obras não precisam ser dos autores brasileiros. Entretanto, devem ser, no mínimo,
interpretadas por artistas brasileiros;
o Abrange os suportes materiais ou arquivos digitais que os contenham;
o A etapa de replicação industrial de mídias ópticas de leitura a laser não está imune.

Outras Espécies de Imunidades Tributárias

• São a todos assegurados, independentemente do pagamento de taxas: (a) o direito de petição aos
Poderes Públicos em defesa de direitos ou contra ilegalidade ou abuso de poder; (b) a obtenção de
certidões em repartições públicas, para defesa de direitos e esclarecimento de situações de interesse
pessoal (art. 5°, XXXIV);

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital 106


www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa


Fábio Dutra
Aula 02
1390253

• Ação popular, salvo comprovada má-fé, é isento (imune) de custas judiciais, as quais são consideradas
taxas pelo STF (art. 5°, LXXIII);
• São gratuitos para os reconhecidamente pobres, na forma da lei, o registro civil de nascimento e a
certidão de óbito (art.5°, LXXVI);
• São gratuitas as ações de “habeas-corpus” e “habeas-data”, e, na forma da lei, os atos necessários ao
exercício da cidadania (art. 5°, LXXVII);
• As contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico não incidirão sobre as receitas
decorrentes de exportação (art. 149, §2°, I);
• O IPI não incidirá sobre produtos industrializados destinados ao exterior (art. 153, §3°, III);
• O ITR não incidirá sobre pequenas glebas rurais, definidas em lei, quando as explore o proprietário que
não possua outro imóvel (art. 153, §3°, II);
• O ouro, quando definido em lei como ativo financeiro ou instrumento cambial, sujeita-se exclusivamente
à incidência do IOF, sendo imune de qualquer outro tributo (art. 153, §5°);
• O ICMS não incidirá (art. 155, §2°, X):
• sobre operações que destinem mercadorias para o exterior, nem sobre serviços prestados a destinatários
no exterior;
o sobre operações que destinem a outros Estados petróleo, inclusive lubrificantes, combustíveis
líquidos e gasosos dele derivados, e energia elétrica;
o nas prestações de serviço de comunicação nas modalidades de radiodifusão sonora e de sons e
imagens de recepção livre e gratuita;
o exceção do II, IE e ICMS nenhum outro imposto poderá incidir sobre operações relativas a energia
elétrica, serviços de telecomunicações, derivados de petróleo, combustíveis e minerais do País
(art. 155, §3°);
• O ITBI não incidirá sobre a transmissão de bens ou direitos incorporados ao patrimônio de pessoa jurídica
em realização de capital, nem sobre a transmissão de bens ou direitos decorrente de fusão, incorporação,
cisão ou extinção de pessoa jurídica, salvo se, nesses casos, a atividade preponderante do adquirente for
a compra e venda desses bens ou direitos, locação de bens imóveis ou arrendamento mercantil (art. 156,
§2°,I);
• São isentas (imunes) de impostos federais, estaduais e municipais as operações de transferência de
imóveis desapropriados para fins de reforma agrária (art. 184, §5°);
• A contribuição previdenciária não incide sobre aposentadoria e pensão concedidas pelo regime geral de
previdência social (art. 195, II);
• São isentas (imunes) de contribuição para a seguridade social as entidades beneficentes de assistência
social que atendam às exigências estabelecidas em lei (art. 195, §7°);
• A celebração do casamento é gratuita, portanto, imune a taxas (art. 226, § 1º).

Direito Tributário p/ SEFAZ-PA (Auditor Fiscal) - 2021 - Pré-Edital 107


www.estrategiaconcursos.com.br
107

84361751234 - Filipe Alves da Costa