Você está na página 1de 5

Hidroterapia aplicada à reabilitação de Joelho

1.1Introdução
Existem registros de meados de 2.400 a.C, que civilizações utilizavam a água como meio
de cura [4]. Décadas atrás, os ortopedistas indicavam a hidroginástica (exercícios dentro da
água para um grupo de pessoas, sendo que nem todos os indivíduos do grupo apresentavam
algum acometimento na articulação do joelho, as aulas são ministradas por educadores físicos).
Atualmente, com resultados mais eficazes e estudos comprovados, os médicos encaminham
seus pacientes para sessões de HIDROTERAPIA - Exercícios aquáticos realizados
individualmente por fisioterapeutas que dominam as patologias que envolvem a articulação do
joelho, assim como os exercícios benéficos para a evolução do paciente, os princípios físicos da
água, os efeitos terapêuticos e fisiológicos do corpo humano dentro de uma piscina aquecida e os
efeitos do organismo quando submetido a exercícios na água.

1.2 Propriedades Físicas da água


1. A água possui algumas propriedades físicas, uma em especial, para os
pacientes com algum tipo de acometimento nos joelhos facilita a realização dos exercícios
dentro da piscina, é a redução da ação da gravidade, o indivíduo tem a sensação do peso
corporal ser mais leve. E a redução da gravidade é proporcional a profundidade, ou seja, quanto
mais submerso estiver o paciente, menor é a força de compressão agindo sobre o corpo. Por
exemplo: um indivíduo dentro da piscina com a água na altura do processo xifóide (altura
próxima aos mamilos), está +/- 75% mais leve [3], ou seja, os membros inferiores sustentam
neste caso apenas 25% do peso corporal. Isto justifica a facilidade que o paciente possui em
ficar de pé, sustentar o peso do corpo e iniciar o treino de marcha antes na água do que em
terra, sem se preocupar com possíveis prejuízos das estruturas em restabelecimento.
Outra propriedade física importante para muitos pacientes com acometimentos nos
joelhos é a pressão hidrostática. É definida como a pressão que a água produz em qualquer
estrutura que estiver submersa, ela é proporcional à profundidade, ou seja, quanto mais
profundo estiver o joelho maior será a pressão hidrostática nesta articulação. Esta pressão reduz
a tendência de líquidos ficarem nas extremidades (joelhos, tornozelos e pés) diminuindo os
possíveis edemas e conseqüentemente melhorando o retorno venoso. Pacientes pós -
operatórios de Ligamento Cruzado Anterior, por exemplo, tendem a apresentar edema, na
água estes pacientes sofrerão a ação da pressão hidrostática, ocorrerá portanto um
melhor retorno venoso, o que previne a estagnação do sangue nas extremidades
inferiores.
Outra significante propriedade da água em uma reabilitação de joelho é a viscosidade,
responsável pelo fornecimento de resistência a um corpo, o movimento produz uma resistência
que é aplicada a toda a superfície de um membro.Varia de acordo com o braço de alavanca. Por
exemplo, paciente com fraqueza de quadríceps, podemos trabalhar esta musculatura de várias
formas, porém se comparamos: 1- Paciente na posição vertical (em pé), realiza movimento de
flexão de quadril com o joelho em extensão e 2- Paciente na posição horizontal (deitado,
flutuando), realiza movimento de flexão de quadril com o joelho em extensão. O paciente nº 1
por realizar o exercício com um maior braço de alavanca, estará recrutando um maior número de
fibras musculares (estará fazendo mais força para realizar o movimento). Portanto, aplicando de
forma correta esta propriedade física, o fisioterapeuta tornará a piscina, um ambiente útil para o
treino de fortalecimento muscular.

1.3 Efeitos terapêuticos da água


Em relação aos efeitos terapêuticos da hidroterapia, os mais importantes são:
− Aumento do relaxamento muscular global
− Redução de espasmos e contraturas musculares localizadas
− Diminuição da dor
− Melhora a movimentação articular (Amplitude de Movimento)
− Aumento da autoconfiança do paciente
− Aumento da sensação de “leveza” e bem estar

1.4 Efeitos fisiológicos do corpo durante exercícios em água


aquecida
Alguns fatores influenciam os efeitos fisiológicos, como por exemplo, a temperatura da
água e a intensidade do exercício. A seguir os efeitos fisiológicos que menos sofrem
influencias destes fatores acima citados:
− Aumento da circulação periférica
− Melhora do retorno venoso
− Aumento do metabolismo muscular
− Redução de edemas

2. Objetivos

Os objetivos da hidroterapia são em curto prazo, dirigidos especificamente para as


limitações de cada paciente. Isto faz da hidroterapia um tratamento individualizado. Porém,
grande parte dos pacientes com acometimentos nos joelhos apresenta quadro clínico
(características, limitações) semelhante:
− Dificuldade na marcha - Vários fatores podem influenciar: fraqueza da musculatura de
membros inferiores, limitação na amplitude de movimento, falta de equilíbrio, edema articular,
insegurança, dor. A marcha do paciente deve ser monitorada e corrigida, evitando
compensações, transferindo gradualmente a profundidade da água de níveis maiores para
menores e finalmente para sustentação completa de peso (fora da água).
− A água aquecida auxilia no relaxamento muscular e na diminuição da dor, reduzindo
espasmos e contraturas musculares, os indivíduos que apresentam dificuldade em realizar a
flexão ou extensão da articulação do joelho, encontram no ambiente aquático uma evolução
mais rápida quando comparados aos indivíduos que realizam o mesmo trabalho somente na
fisioterapia terrestre, aumentando consideravelmente a amplitude de movimento articular.
− O fortalecimento muscular é conseguido de forma progressiva, através de ilimitados
exercícios multidirecionais (cadeia aberta e fechada), alternando posição vertical e horizontal do
corpo humano na piscina e utilizando diferentes tipos de resistências e velocidade do
movimento (varia de acordo com os objetivos do tratamento).

3. Indicação para o tratamento de hidroterapia:


- Pós-operatórios. Por exemplo: reconstrução do ligamento cruzado anterior e ligamento
cruzado posterior, lesão meniscal (meniscectomia), suturas meniscais, realinhamento patelar
total e parcial, lesão condral, artroplastia (prótese) total e unicompartimental, entre outras
cirurgias;
- Artrose (desgaste articular)
- Fraqueza muscular de membros inferiores
- Dificuldade na deambulação (andar)
- Pós – imobilização. Por exemplo: fratura de platô tibial, fratura de patela
- Limitação na amplitude de movimento (dificuldade em fazer a flexão e extensão do
joelho)
- Manutenção do condicionamento cardio vascular (atletas lesionados que necessitam
manter o condicionamento físico)

4. Observação
Embora os princípios terapêuticos do tratamento envolvendo a articulação do joelho de
indivíduos sedentários e esportistas sejam semelhantes, a conduta e as metas variam bastante.

Para os atletas, o meio aquático oferece a oportunidade do trabalho imediato de


manutenção do condicionamento cardio vascular de forma segura e funcional, além de proteger
as articulações dos membros inferiores de esforços excessivos, compensações e lesões,
evitando a perda de condicionamento físico, o que é comum na reabilitação de atletas que
utilizam apenas a fisioterapia terrestre.

Referências Bibliográficas
1. Becker BE, Cole AJ. Terapia Aquática Moderna. São Paulo: Manole; 2000.
2. Case LA. Condicionamento físico na água. São Paulo: Manole;19985.
3. Cole AJ, Morris DM, Ruoti RG. Reabilitação Aquática. São Paulo: Manole;1997.
4. Hanson B, Norm A. Exercícios Aquáticos Terapêuticos. São Paulo: Manole;
1996.
5. Mazarini C, Salve M J dos Santos, Marques Al. Natação na Terceira Idade. São
Paulo: Santos;2006.
6. Nicoletti, Flávia. Lesões nos Esportes.Em: Cohen M, Abdalla RJ. São Paulo:
Revinter;2003. p.410 -16

Interesses relacionados