Você está na página 1de 3

Hipertensão Arterial – DIAGNÓSTICO: 13/04/2011

Objetivos:
1. confirmar a elevação da PA
2. avaliar presença de lesões em órgão alvo (hipertrofia do ventrículo E >>
hipertensos; alterações de fundo de olho, alterações da carótida {relação íntima-
média}, disfunção do VE antes mesmo da hipertrofia)
3. detectar formas secundárias
4. determinar condições associadas e fatores de risco associados

Aferição da PA:
- ambiente, posições e nº de medidas
- equipamento
- manguito (braquial >> medial)
- manômetro
- método palpatório e auscultatório
- sons de Korotkoff
1º Primeiro batimento (sistólica)
2º Batimentos suaves
3º Batimentos fortes
4º Ruídos abafados
5º Ruídos desaparecem (diastólica)

*Quando não ocorrer a 5ª fase, a PA deverá ser descrita com 3 números (por exemplo, na
insuficiência aórtica >> 140/40/0). Ocorre um abafamento, auscultar até 0.

Rotina de Dx e Seguimento:
Na primeira avaliação, as medidas devem ser obtidas em ambos os membros
superiores e, em caso de diferença, utiliza-se sempre o braço com maior valor de pressão
para as medidas subseqüentes.
Em cada consulta, deverão ser realizadas pelo menos 3 medidas, com intervalo de 1
minuto entre elas, sendo a média das 2 últimas considerada a pressão arterial do indivíduo.
*A PA no membro inferior é sempre MAIOR (pq tem maior massa muscular). Vai ser
menor quando >> COARCTAÇÃO DA AORTA.

Caso as pressões sistólicas e/ou diastólicas obtidas apresentam diferença maior que
4mmHg entre elas, deverão ser realizadas novas medidas até que se obtenham medidas com
diferença inferior ou igual a 4mmHg, utilizando-se a média das 2 últimas medidas como a
pressão arterial do indivíduo.
A posição recomendada é a sentada.

PREPARO DO PACIENTE PARA A MEDIDA DA PA:


1) Explicar o procedimento ao paciente.
2) Repouso pelo menos 5 min em ambiente calmo.
3) Evitar bexiga cheia.
4) Não praticar exercícios físicos 60 a 90 min antes.
5) Não ingerir bebidas alcoólicas, café ou alimentos e não fumar 30 min antes.
6) Manter pernas descruzadas, pés apoiados no chão, dorso recostado na cadeira e
relaxado.
7) Remover roupas do braço no qual será colocado o manguito.
8) Posicionar o braço na altura do coração (nível do ponto médio do esterno ou 4º
espaço intercostal), apoiado, com a palma da mão.

PROCEDIMENTO DE MEDIDA DA PA:


1) Medir a circunferência do braço do paciente.
2) Selecionar o manguito de tamanho adequado ao braço.
3) Colocar o manguito sem deixar folgas acima da fossa cubital, cerca de 2 a 3cm.
4) Centralizar o meio da parte compressiva do manguito sobre a artéria braquial.
5) Estimar o nível da PAS (palpar o pulso radial e inflar o manguito até seu
desaparecimento, desinflar rapidamente e aguardar 1 min antes da medida).
6) Palpar a artéria braquial na fossa cubital e colocar a campânula do estetoscópio sem
compressão excessiva.
7) Inflar rapidamente até ultrapassar 20 a 30 mmHg o nível estimado da pressão
sistólica.
8) Proceder à deflação lentamente (velocidade de 2 a 4mmHg/s)
9) Determinar a pressão sistólica na ausculta do primeiro som (fase I de Korotkoff),
que é um som fraco seguido de batidas regulares, e após, aumentar ligeiramente a
velocidade de deflação.
10) Determinar a PD no desaparecimento do som (fase V de Korotkoff).

*Usar manguito ideal. Se usar manguito menor, valores de pressão serão medidas maiores
do que a real.

MEDIDA RESIDENCIAL DA PA:

II Diretriz Brasileira de MRPA:

- A MRPA é o registro da PA por método indireto, com 3 medidas pela manhã e 3 à


noite, por 5 dias, realizado pelo paciente ou pessoa treinada.
- A MRPA permite a obtenção de grande nº de medida de PA de modo simples,
eficaz e pouco dispendioso.
- Não deve ser confundida com auto-medida da PA, que é o registro não-
sistematizado de acordo com a orientação do médico.
- São consideradas anormais as médias de PA acima de 135/85mmHg.
- Identificação e seguimento do hipertenso do avental branco (é hipertenso no
consultório).
- Identificação do efeito do avental branco (continua sendo hipertenso tanto em casa
quanto no consultório, mas tem um efeito de jaleco branco).
- Identificação de hipertensão mascarada (no consultório pressão normal e fora dele
elevada).
- Avaliação da terapêutica anti-hipertensivo.

MONITORIZAÇÃO AMBULATORIAL DA PA:


IV Diretriz Brasileira de MAPA:

- A MAPA é um registro de 24 hrs enquanto o paciente realiza as suas atividades


habituais.
- Estudos indicam que este método é superior à medida casual da PA em predizer
eventos CV fatais como infarto do miocárdio e AVC.
- São consideradas anormais as médias de PA acima de 130/80.

- Suspeita de hipertensão do avental branco.


- Avaliação da eficácia terapêutica anti-hipertensiva:

Situações especiais de medidas de PA: crianças (presença de hipertensão de jaleco branco é


maior), idosos (tem peseudo-hipertensão por enrijecimento de artéria e hiato auscultatório)
e gestantes.

Hipertensão:
- Essencial: 95 %
- Secundária: 5%

HÁ de Causa Identificável – ABCDE ***


- A: Acurácia, apnéia, aldosteronismo
- B: sopro (coarctação da aorta), barorreflexos
- C: doença que aumente catecolaminas, coarctação, síndrome de Cushing
- D: drogas, dieta
- E: eritropoietina, doença endócrina

TTO:
- redução do peso corporal
- redução da ingesta de sódio
- aumentar a ingesta de alimentos ricos em K e magnésio
- redução do consumo de bebidas alcoólicas
- exercícios físicos regulares *