Universidade Estadual Vale do Acaraú – UEVA Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas – CCET Campus Cidao Curso: Engenharia Civil

Disciplina: Edificações 1 Professor: Caio Sander Acadêmico: Adam Sales Silva

Estaca Strauss, Fundação indireta profunda

Sobral, CE – 2011

3.1.SUMÁRIO 1. Concreto 7.1. Método Executivo 4.1. Descrição geral do equipamento 4.2.1.Projeto e execução de fundações 7. Estaca moldadas no local tipo Strauss 2. Perfuração 4. Estaca tipo Strauss 7. Breve introdução 1.3.4.1. Carga estrutural admissível 8. Bibliografia .1. Concretagem 7.2. Indicações 1. Perfuração 7. NBR 6122/1996 . Armadura 7. Introdução e vantagens 3. Estacas armadas 6. Concretagem da estaca 5.2. Conclusão 9. Execução 1.1.4.1. Limitações 2.

1. Abrangem a faixa de carga entre 200 e 400 kN.2. enquanto que as camisas metálicas são retiradas com guincho manual.Limitações: capacidade de carga menor que as estacas Franki e pré-moldadas de concreto. Execução: Abre-se um furo no terreno com um soquete para colocação do primeiro tubo (coroa).3. com diâmetro variando entre 25 e 40 cm. 1. Possui limitação contra o nível do lençol freático. rosqueia-se o tubo seguinte até a escavação atingir a profundidade determinada. . Após a concretagem.4. Podem ser utilizadas também em locais com restrições a vibrações. Breve introdução: Estacas Strauss: Fundação em concreto simples ou armado executada com revestimento metálico recuperável. Aprofunda-se o furo com golpes de sonda de percussão. Também apresenta dificuldade para escavar solo mole de areia fofa por causa do estrangulamento do fuste. terrenos acidentados e interior de construções existentes com o pé direito reduzido. lançado no tubo e apiloa-se o material com o soquete formando uma base alargada na ponta da estaca. Conforme a descida do tubo. Para formar o fuste o concreto é lançado na tubulação e apiloado. Indicações: Locais confinados. então. e de 38 cm chega a suportar até 40 t. colocam-se barras de aço de espera para ligação com blocos e baldrames na extremidade superior da estaca. de 32 cm até 30 t. Uma estaca do tipo Strauss com diâmetro de 25 cm pode suportar até 20 t. O concreto é. 1.1.

Introdução e Vantagens As estacas moldadas no local tipo strauss foram imaginadas. • Facilidade de locomoção dentro da obra. • Possibilidade de montar o equipamento em terrenos de pequenas dimensões. consiste na retirada de terra com sonda e a simultânea introdução de tubos metálicos rosqueáveis entre si. porém eficaz. • Possibilidades de execução em áreas construídas com pé-direito reduzido. pois a retirada de amostras permite a comparação com a sondagem à percussão. • Possibilidade da constatação das diversas camadas e natureza do solo. • Possibilidade de verificar. Por se tratar de um equipamento leve e econômico. O processo. inicialmente. bastante simples. Estacas Moldadas no Local Tipo Strauss 2. • Possibilidade de execução de estacas próximas à divisa. diante da facilidade de adaptação do equipamento.2. constitui um tipo de estaca que reúne algumas vantagens: • Ausência de trepidações e vibrações em prédios vizinhos. permitindo a mudança de locação antes da concretagem. e posterior concentragem com apiloamento e retirada da tubulação. • Possibilidade de execuções da estaca com o comprimento projetado. permitindo cotas de arrasamento abaixo da superfície do terreno. • Possibilidade de executar estacas abaixo do lençol freático. como alternativa as estacas pré-moldadas cravadas por percussão pelo desconforto causado pelo processo de cravação. Largamente utilizada na Europa e nos Estados Unidos. quer quanto à vibração ou quanto ao ruído. Limitações: Capacidade de carga < estaca Franki e pré. desde o principio desse século.1. diminuindo assim a excentricidade nos blocos. etc. até atingir a profundidade desejada.moldadas de concreto Baixa produtividade se comparada às escavadas com trado mecânico Limitada ao nível do lençol freático. matacões. entre nós sua utilização acentua-se durante e após a 2ª Grande Guerra. durante a perfuração. a presença de corpos estranhos no solo. .

Na extremidade superior. movimentações das máquinas. . em cerca de 1/3 do comprimento é colocado lastro de chumbo. mudanças etc.50 metros de comprimento com roscas macho e fêmea. também chamada de “piteira”. com diâmetro menor que os da tubulação. Tubulações. Para a concretagem. torre ou cavalete metálico com carretilha de aço no topo. e um ajudante na etapa de escavação. é necessária uma equipe adicional em função das características da estaca e do conteiro de obras. para i levantamento dos tubos. é soldado o “gancho gira” ou girador para deixar o cabo de aço solto evitando dobras ou nós. para permitir a continuidade da coluna dos tubos no terreno e também impedir a entrada de água através das roscas. Na extremidade inferior localiza-se a válvula mecânica. bem ajustadas e apertadas. simples ou dupla. Sonda ou Piteira e Soquete As tubulações são tubos de aço de 2. Logo abaixo.3. maciço com diâmetro menor que o tubo e peso mínimo de 300 kg.50 metros. • Tripé. para aumentar peso. um auxiliar para retirara o solo do interior da sonda e rosquear os tubos também chamado de “pé de sonda”. A equipe necessária à execução de uma estaca é composta pelo operador. acoplado ao guincho por meio de correias de borracha em “V” • Chassi de madeira reforçado para suportar o conjunto motor-guincho. Descrição Geral do Equipamento Componentes Mecânicos: • Guincho mecânico. O soquete é metálico. freio e cabo de aço. cilíndrico. o tubo é aberto no sentido longitudinal em duas janelas para permitir a saída do material escavado. A sonda mecânica. alavanca para acionamento. • Motor a explosão ou elétrico. constitui-se basicamente de um tubo de 2. fixada através de dobradiças que se abre quando o solo é cortado pelas bordas afiadas da piteira e fecha com o peso próprio do solo escavado. capacidade mínima de 1. quando do uso de guincho mecânico simples que ocorre na execução de estacas leves. Acima. • Guincho manual com engrenagem própria de redução de velocidade.

tendo já no seu interior a sonda mecânica. cortando o terreno com auxílio de água lançada manualmente. segundo o lançamento do concreto previamente preparado no interior do tubo. coleta amostras do solo escavado para comparação com a sondagem próxima e definição do comprimento final da estaca. Tendo a sonda avançada no solo aproximadamente o comprimento de um seguimento de tubo.1. é lançado através do funil no interior dos tubos em quantidade suficiente para se Ter uma coluna de aproximadamente 1 m em seu interior. estando o furo completamente revestido. O soquete é lavado e posicionado acima do tubo. soltando a piteira ou soquete que irá formar um pré-furo no terreno.2. previamente preparado. com a movimentação do conjunto. a perfuração e colocação total dos tubos no solo. e a seguir retirando a sonda e descarregando o material escavado pelas janelas longitudinais. A seguir. Esta operação consiste no posicionamento de uma haste de aço pela janela da sonda e por furos de uma luva rosqueada no topo do tubo. o concreto. coloca-se o primeiro tubo com extremidade inferior dentada. repetindo-se a operação até que o segundo tubo seja introduzido no solo. Em seguida. para cima e para baixo. iniciam-se os trabalhos. PERFURAÇÃO: Uma vez instalado o equipamento e a piteira ou soquete. inicia-se a manobra conjunta da onda com o tubo. Método executivo Podemos dividir em duas fases distintas a execução da estaca: primeiro. Durante a manobra conjunta. 4. A seguir o operador vai manobrando a sonda para cima e para baixo. A água e a lama são totalmente removidas pela sonda. chamada de “coroa”. e. Sucessivamente repete-se a operação até atingir a profundidade desejada. Em seguida. posicionados em cima do piquete de locação. o operador corrige a verticalidade dos tubos e. é lançada água no interior da tubulação para limpeza dos tubos. CONCRETAGEM DA ESTACA: Concluída a perfuração.4. . até que o primeiro tubo seja introduzido no solo. 4. é rosqueado outro tubo. ao mesmo tempo. dentro e fora da tubulação.

formando uma espécie de bulbo. e acompanhar a subida por marcas no cabo de aço Para garantia de continuidade do fuste. o concreto é lançado dentro do tubo à medida que é apiloado. Recomenda-se sacar lentamente o tubo e acompanhar a subida por marcas na armação instalada. Dessa forma. também. movimentando-se o soquete de diâmetro menor que o da armação pelo seu interior. Após a formação do “bulbo”. uma coluna de concreto de 6 metros de altura. sem constituírem armação devido a esforços de tração ou não axial. A concretagem prossegue até um diâmetro acima da cota de arrasamento da estaca. o procedimento é descrito a seguir. Estes ferros são apenas para amarração da estaca ao bloco ou baldrames.Sem sacar a tubulação. de forma a viabilizar a estaca. deixando-os acima da cota de arrasamento o comprimento indicado em projeto. Para execução do fuste. Usa-se. Por esta razão não se arma estaca com uso de tubo de revestimento de diâmetro inferior a 25 cm. suficiente para ocupar o espaço perfurado e eventual vazios de perfuração. a armação de projeto é instalada e a concretagem prossegue como estacas não armadas. o soquete não tem possibilidade de entrar em contato com o solo da parede da perfuração e provocar solapamento e mistura de solo ao concreto. . apiloa-se o concreto com o soquete. o tubo vai sendo retirado com o suo do guincho. 5. A última operação será a colocação dos ferros de espera para armação aos blocos ou baldrames. sendo excesso cortado para o preparo da cabeça da estaca. Recomenda-se sacar lentamente o tubo. deve ser mantida dentro da tubulação. Estacas Armadas O projeto da armadura deverá obedecer a critérios geométricos e construtivos. Este comprimento é usualmente a altura do bloco de coroamento menos 10 cm. vibrar o concreto por golpes sucessivos do soquete no topo do tubo e completar o nível do concreto. pela expulsão do concreto. durante o apiloamento. que são simplesmente introduzidos no concreto fresco.

razão pela qual. • Em argilas muito moles saturadas e em areias submersas. .6. nestes casos. que são as principais desvantagens deste tipo de estaca: • Quando a vazão de água for tal que impeça o esgotamento da água no furo. O traço deverá eliminar a pedra 2. Concreto O concreto nas estacas comuns (não armadas) deve ter consumo mínimo de cimento de 300kg/m³. Neste ponto cabe fazer observações importantes. consistência plástica (abatimento mínimo = 8 cm) e fck = 15 Mpa (150kgf/cm²). a solução em Strauss não é recomendável. caso necessário executivamente. esta solução não é indicada • Controle rigoroso da concretagem da estaca é indispensável para que não ocorram falhas como. O concreto utilizado nas estacas armadas deve Ter consistência francamente plástica (abatimento mínimo de 12 cm) e fck = 15Mpa (150kgf/cm²). com a sonda. A maior parte das ocorrências de danos nestas estacas se deve a deficiência de concretagem durante a retirada dos tubos. o risco de seccionamento do fuste pela entrada de solo é muito grande.

à medida que é apiloado.1. NBR 6122/1996 . o revestimento com o tubo pode ser parcial. é rosqueado o tubo seguinte. e assim por diante.1. por golpes sucessivos. vai retirando o solo do interior e abaixo da “coroa”. vão sendo retirados os tubos com o emprego do guincho manual. chamado “coroa”. . o soquete é substituído pela sonda (piteira). para formar uma espécie de bulbo.2. b) Recomenda-se que as estacas Strauss tenham o seu diâmetro limitado a 500 mm. Notas: a)Caso as características do terreno o permitam. Estacas tipo Strauss 7. que vai sendo introduzida no terreno.Projeto e execução de fundações Tipo Strauss 7. Com o furo completamente esgotado e limpo. Imediatamente antes da concretagem. deve ser feita a limpeza completa do fundo da perfuração. com total remoção da lama e da água eventualmente acumuladas durante a perfuração. 7. Concretagem 7.1. Perfuração É iniciada com um soquete. Para a execução do fuste. a qual.1.2.2.1. dentado na extremidade inferior.2. até que se atinja a profundidade prevista para a perfuração ou as condições previstas para o terreno. Após a introdução da coroa. o concreto é lançado dentro da linha de tubos e.7. O furo feito com o soquete serve de guia para introdução do primeiro tubo de revestimento. apiloa-se o concreto. Sem puxar a linha de tubos de revestimento. é lançado o concreto em quantidade suficiente para se ter uma coluna de aproximadamente 1m. até uma profundidade de 1 m a 2 m. 7.1.1. Quando a coroa estiver toda cravada.

1.1.3. quando a estaca for parcialmente revestida. O pilão não deve ter oportunidade de entrar em contato com o solo da parede ou base da estaca.1. durante o apiloamento.4. este cuidado deve ser reforçado no trecho eventualmente não revestido. Neste caso. Carga estrutural admissível 7. A determinação da carga estrutural deve ser feita utilizando-se a seção da estaca.1.1.1.2. adotando-se um coeficiente de minoração de resistência γ c = 1. e os estribos devem permitir livre passagem ao soquete de compactação e garantir um cobrimento da armadura. 7.1.1 As estacas Strauss podem ser armadas. quando a estaca for totalmente revestida. deve-se lançar um volume de concreto seco para obturar o furo.2. . Neste caso.4. consumo de cimento superior a 300 kg/m3 e consistência plástica. determinada pelo diâmetro do tubo de revestimento. sem esquadro na ponta.1. 7.1. o uso de estribos. deve-se desprezar a contribuição da ponta da estaca na sua capacidade de carga. tendo em vista as condições de concretagem.1.1. neste caso. 7. a ferragem longitudinal deve ser confeccionada com barras retas. não inferior a 3 cm.3. para não provocar desabamento ou mistura de solo com o concreto. deve-se providenciar uma ligação com o bloco através de uma ferragem que é simplesmente cravada no concreto.Para garantia de continuidade do fuste. deve ser mantida dentro da linha de tubos.3.4. Para a fixação da carga estrutural admissível não pode ser adotado fck maior do que 15 MPa. uma coluna de concreto suficiente para que este ocupe todo o espaço perfurado e eventuais vazios e deformações no subsolo. 7. O concreto utilizado deve apresentar fck não inferior a 15 MPa.3. Quando não armadas. Caso ao final da perfuração exista água no fundo do furo que não possa ser retirada pela sonda.4. ou pelo diâmetro da piteira. 7. dispensando-se. 7.8. Armadura 7.

A estaca strauss apresenta vantagem de leveza e simplicidade do equipamento que emprega. para a retirada de terra. com diâmetro variando entre 25 e 40 cm. executando-se estacas em concreto simples ou armado. o que possibilita a sua utilização em locais confinados. rosqueáveis entre si. Como característica principal. um guincho acoplado a um motor (combustão ou elétrico). o sistema de execução usa revestimento metálico recuperável. de ponta aberta. um soquete com aproximadamente 300 kg. de 32 cm até 30 t e de 38 cm chega a suportar 40 t. Outra vantagem operacional é de o processo não causa vibrações que poderiam provocar danos nas edificações vizinhas ou instalações que se encontrem em situação relativamente precária. podendo ser em solo seco ou abaixo do nível d’água. cabos de aço e ferramentas. A execução requer um equipamento constituído de um tripé de madeira ou de aço. um guincho manual para retirada da tubulação. com o pé direito reduzido. CONCLUSÃO Estas estacas abrangem a faixa de carga compreendida entre 200 e 800 kN. tubulação de aço com elementos de 2 a 3 metros de comprimento.8. em terrenos acidentados ou ainda no interior de construções existentes. Uma estaca do tipo strauss com diâmetro de 25 cm pode suportar até 20 toneladas. para permitir a escavação do solo. além de roldanas. . uma sonda de percussão munida de válvula em sua extremidade inferior.

282p. Carlan Seiler Zulian. Hélio Alves de.]. São Paulo: Pini. 1999. São Paulo: ABEF. AZEREDO. Roberto. Qualidade na aquisição de materiais e execução de obras. 1977. Manual prático de materiais de construção.[et al. O edifício e sua cobertura. Fundações: teoria e prática... CATÁLOGO BENAPAR. DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UEPG. 757p. 253p. Hélio Alves de. Notas de aulas da disciplina de Construção Civil. 2ª ed. 275p. SOUZA. Ernesto. São Paulo: Edgard Blücher. Elton Cunha Doná. Fundações. 182p. Geotecnia e Estruturas. Manual de especificações de produtos e procedimentos ABEF. RIPPER. São Paulo: Edgard Blücher. Ponta Grossa: DENGE. 1987. . AZEREDO. 2000. Bibliografia ABMS/ABEF. 1999. São Paulo: Pini. ABEF. 2ª ed.9. São Paulo: Pini. 1996. 1178p. 1995. O edifício e seu acabamento.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful