Você está na página 1de 13

Sumário

1. Administração de materiais:.....................................................3 2. Sistema de planejamento de produção:.....................................4 3. Planejamento da capacidade de produção:................................6 4. Controle da atividade de produção:...........................................8 5. Compras: ................................................................................9

Essas diferenças enfocam principalmente o modo pelo qual os fluxos são iniciados e sincronizados e a seleção das fontes de fornecimento. Trata do fluxo de produtos para a firma ao invés de a partir dela. Existem algumas diferenças que são chave da boa administração do fluxo de suprimento. • • • • • • • • • • Natureza da administração de materiais. Administração de materiais: A administração de materiais é o inverso da distribuição física.1. O canal de suprimentos Objetivos da administração de materiais Responsabilidade compartilhada O papel de obtenção Atendimento dos requisitos de operação Criação da programação operacional Desdobramento do programa de montagem Suprimento para estoque Suprimento direto para produção 3 . Muitas atividades da administração de materiais são compartilhadas com a distribuição física.

para o indivíduo e para a sociedade como um todo. p. pois estas transformam as entradas do sistema de produção (recursos de capital. objetivando maior produtividade. organização dos recursos humanos e de capital para produção eficiente de bens e serviços. uma vez que a eficácia deste sistema depende do projeto dos subsistemas componentes e das tarefas desempenhadas pelo trabalhador alocado ao sistema (Stoner. Sob o ponto de vista de Giannesi & Correia (1993) Sistemas de Administração da Produção são aqueles que disponibilizam as informações para a tomada de decisão gerencial inteligente. de acordo com os objetivos empresariais". 4 . Monks (1987) associa as atividades de produção à base do sistema econômico de uma nação. a fim de agregar valor. • Coordenação das atividades internas com as atividades de fornecedores e distribuidores. organização. Monks (1987. • Utilização de mão-de-obra e equipamentos. segundo Stoner (1985). fluindo dentro de um sistema definido. Atualmente os termos Administração de Produção e Administração Operacional.2. são empregados indistintamente. direção e acompanhamento da produção são importantes não só para a organização mas também. direção.4) define Administração de Produção como sendo "a atividade pela qual os recursos. 1985). são reunidos e transformados de uma forma controlada. constituindo em: planejamento dos objetivos do sistema de produção/operações e o estabelecimento de diretrizes para consecução destes objetivos. Sistema de planejamento de produção: O planejamento. recursos de material e recursos humanos) em bens e serviços de maior valor. liderança e motivação dos empregados. acompanhamento e controle do desempenho do sistema de produção para garantir a consecução dos objetivos organizacionais. propiciando uma administração eficaz no que se refere a: • Fluxo de materiais.

• Reanálise do planejamento estratégico em vista dos resultados de curto prazo. o ciclo do sistema de produção é contínuo. • Fabricação dos produtos. Controle de Quantidade e Controle de Custos. devendo o plano estratégico da organização ser utilizado como diretriz coerente para as políticas produtivas. constituído das seguintes etapas: • Formulação dos planos de curto prazo e disponibilização dos mesmos em operação. especificando metas e objetivos que possam ser atingidos pelo sistema produtivo. as capacidades do sistema produtivo devem ser consideradas na formulação da estratégia organizacional (ibidem). Conforme relaciona Harding (1992). • Execução de controle nos setores de Controle de Qualidade. Desta forma. • Desenvolvimento do aperfeiçoamento ou alteração nos planos de curto prazo. o sistema produtivo deve ser projetado de modo compatível com as estratégias da organização e reciprocamente. Stoner (1985) ressalta que o sistema produtivo atua dentro do quadro mais amplo da estratégia organizacional.• Comunicação com os clientes buscando relacionar suas necessidades operacionais. 5 . • Execução das alterações necessárias para viabilizar a consecução dos planos de curto prazo.

deveremos alterar pelo menos um dos fatores determinantes dessa capacidade. cada qual trabalhando 8 horas diárias. permitem determinar a acuracidade do planejamento. gerados pela comparação dos níveis de produção executados com os níveis planejados. caso estejam ocorrendo desvios significativos. o desempenho de cada centro produtivo e o desempenho do sistema de manufatura. obter dados para futuros planejamentos de capacidade mais precisos. a capacidade do departamento. será: 5 empregados montagens/dia x 8 horas/dia x 20 montagens/hora empregado = 800 Se quisermos aumentar a capacidade de uma unidade produtiva. expressa em número de montagens do componente por dia. O Controle da Capacidade tem a função de acompanhar o nível da produção executada. compará-la com os níveis planejados e executar medidas corretivas de curto prazo. uma simples máquina ou posto de trabalho. enquanto que outros dependem de mudanças mais 6 . se em um determinado departamento de montagem tivermos 5 empregados. etc. estabelecer a programação de curto prazo e estimar prazos viáveis para futuras encomendas. identificação de gargalos. O Planejamento da Capacidade fornece informações que possibilitam: a viabilidade de planejamento de materiais. Os índices de eficiência. realizando a montagem de um componente à razão de 20 montagens por hora e por empregado. como um departamento. Alguns deles não impõem grandes dificuldades para isso. Assim. Por unidade produtiva entendemos tanto uma fábrica. Planejamento da capacidade de produção: É a atividade que tem como objetivo calcular a carga de cada centro de trabalho para cada período no futuro. visando prever se o chão-de-fábrica terá capacidade para executar um determinado plano de produção para suprir uma determinada demanda de produtos ou serviços.3.

• COMPOSIÇAO DE PRODUTOS OU SERVIÇOS Produtos uniformes dão oportunidade para padronização de métodos e materiais. • FATORES EXTERNOS Algumas vezes a capacidade pode ser afetada por fatores que nascem fora das fronteiras da própria empresa. Um bom arranjo pode resolver um problema imediato de capacidade. Havendo diferenças sensíveis na capacidade de processamento de um equipamento para outro. • O PROJETO DO PROCESSO Para facilitar. resultando no aumento da habilidade e experiência.custosas ou que tomam tempo ou ambas as coisas simultaneamente. de forma a adiar a mudança de local para novas instalações. observamos que os equipamentos ou setores mais lentos acabarão por determinar a velocidade dos demais. • FATORES OPERACIONAIS Os fatores operacionais podem ser organizados de forma a conduzir a capacidades ou pelo menos de maneira a facilitar ou dificultar o aproveitamento da capacidade existente em potencial. 7 . ao projetar a unidade. demanda. Produtos diferentes podem exigir constantes e demoradas preparações das maquinas quando se passa de um produto a outro. tenta-se deixar um espaço vago para expansões futuras. Os fatores mais importantes influentes na capacidade são: • INSTALAÇÔES Sempre que possível. suponhamos que os processos possam ser classificados em manuais. às vezes até de forma mais marcante que os fatores internos. Um bom exemplo são os padrões de qualidade e desempenho exigidos dos produtos por parte dos clientes. Dentro dessa ótica simples. • FATORES HUMANOS O corpo de funcionários é que costuma chamar de “capital humano” da organização e que pode ser melhorado através de treinamento. semi-automáticos e automáticos. cada tipo de processo leva a uma quantidade ótima de produção e conseqüentemente a uma capacidade ótima de acordo com a necessidade. reduzindo tempos de operação e aumentado a capacidade.

4. 8 . que padrões sejam obedecidos. que os recursos estejam sendo usados de forma eficaz e que a qualidade desejada seja obtida. promove a monitoração dos três elementos do sistema de produção. pois. O sistema de controle. Controle da atividade de produção: Sistema de controle é a designação genérica que se dá ao conjunto de atividades que visa assegurar que programações sejam cumpridas.

financeiros. Por este e outros fatores. evidenciam-se grandes impactos nos lucros quando são gerados pequenos ganhos devidos a uma melhoria na produtividade. torna-se cada vez mais importante a atualização da informação e o dinamismo por parte das pessoas que trabalham nesta área. Como tal. Relativamente aos produtos ou serviços finais são necessários gastos nas compras de componentes para a produção dos mesmos. que compactua com todos os departamentos de uma empresa. induz-se também que comprar é uma responsabilidade de todos. Tais gastos refletem entre 50 a 80% do total das receitas brutas. sobretudo. a gestão de compras é tida em conta como um fator estratégico nos negócios. Os departamentos de compras têm como principais responsabilidades a escolha de fornecedores adequados e a negociação de preços. A função desta atividade. É legítimo afirmar que são necessários contributos de outros departamentos tanto para a pesquisa e avaliação de fornecedores como para a negociação de preços. e num sentido amplo. • O ciclo de compras • Seleção de fornecedores o Escolha e seleção de fornecedores • Negociação em compras • Stocks o Controle de compras e stock o Importância do stock de segurança o Dimensionamento de stocks de segurança 9 . tem como objetivos de eficiência a obtenção dos materiais certos. Compras: Atualmente. como a reestruturação tecnológica das empresas. focalizando o volume de recursos. das entregas antecipadas e dos preços mais vantajosos. Segundo a observação anterior. das quantidades corretas.5.

Estes podem ser orientados em 3 categorias de exigências: • Quantidade 10 .o A formação do stock de segurança com base no modelo clássico o A formação do stock de segurança em ambientes de planejamento • Desenvolvimento tecnológico na área de compras • Referências • Ver também O ciclo de compras O processo de aquisição de materiais. é definido pelo ciclo representado na Figura 1: Figura 1 : Ciclo de Compras O ato de comprar deriva de uma tomada de decisão baseada na observação de certos fatores. sejam eles de qualquer tipo.

Seleção de fornecedores Atualmente. Posto isto. • Fonte simples Este tipo de fornecimento requer planejamento por parte das empresas. os departamentos de compras analisam os fornecedores utilizando critérios de baixo custo e qualidade. as empresas necessitam cada vez mais de desenvolver produtos com qualidade e capazes de concorrer no mercado. Para o discernimento da melhor opção a tomar. Destaca-se ainda a interligação existente entre a funcionalidade e a qualidade para que o produto tenha êxito no mercado. No que diz respeito ao produto. são utilizados mais do que um fornecedor.A evolução dos mercados é a condição que determina a quantidade a adquirir. O custo de produção é então fortemente influenciado pela quantidade adquirida. sendo que esta sugere de forma preponderante a maneira de como o produto será utilizado. produção e utilização do produto. o que dá azo a uma maior concorrência entre si. o planejamento surge como principal fator por tratar do projeto. • Fonte múltipla Tal como o nome indica. o produto é então avaliado qualitativamente pelo consumidor final. bons prazos de entrega e preços acessíveis. O fornecimento à empresa pode ser caracterizado segundo três fontes: • Fonte única O Fornecimento segundo fonte única requer exclusividade. a alienação da sua forma com o seu desempenho revela dificuldades para uma prospecção de sucesso. escolhido entre vários. Compactuase com um fornecedor. são necessários bons fornecedores com capacidade de garantirem materiais de qualidade. Para que tal seja possível. • Funcional A exigência funcional é a categoria mais importante por ser aquela que regula as outras exigências. isto. desencadeando melhores preços e serviços para as empresas. • Preço As exigências de preço têm por base o estudo do produto perante os desenvolvimentos de mercado e o seu valor econômico. com o intuito de um fornecimento por longo prazo. porque o mesmo passará pela satisfação a níveis estéticos ou práticos por parte do cliente. Com vista à obtenção de qualidade. Escolha e Seleção de fornecedores 11 . devido à tipologia do produto ou a especificações por parte do fornecedor.

a matriz de posicionamento de compras surge como apoio ao negociador na sua argumentação. que deve ser o mais próximo possível do contratante para evitar falta de matéria-prima ou produtos. Este fator condiciona o poder de argumentação na negociação. que está a ser discutida. são os serviços pós-venda. Para mais. Após a escolha. Outros aspectos a ter em conta na escolha. existe também a necessidade de se atentar à suas estruturas e aos seus aspectos técnicos de forma a que permitam o suporte necessário para a realização dos produtos propostos. é a compra de milhares de produtos. na comunicação e na sociologia. A negociação é baseada nas teorias das decisões. torna-se necessária uma avaliação da procura de uma empresa relativa ao mercado total. e a localização do fornecedor. Para tal. Para o desenvolvimento de políticas de negociação enquadradas com a importância dos itens. salientam-se ainda a sazonalidade envolvida e o fato de que produtos diferentes possuem médias de entrada e saída diferentes. relegando importâncias para o seu sistema de suporte. Para tal. uma vez que. consoante o negócio em causa. Outro fator a considerar refere-se à relação existente entre a oferta e a procura. Um dos problemas inerentes a este processo prende-se com a hipótese da empresa em causa ter uma fraca participação nas vendas do fornecedor. 12 . Como contrabalanço poderá surgir uma forte competição entre fornecedores para os mesmos itens. pode ser utilizado um método de classificação onde são atribuídos pontos com ponderações por cada característica constante no controle de compras. Quando o objetivo das empresas passa por garantir o menor volume de stock possível. correm muitas vezes o risco de perder vendas por falta de produtos. é também importante uma análise referente à relação entre o fornecedor e a produção total do mercado. Sendo assim. à negociação de preços entre profissionais de vendas e o negociador da empresa. Negociação em compras A negociação em compras é um fator importante no que diz respeito. procede-se à Seleção de fornecedores com base no enquadramento do produto. com valores dos próprios. No desenvolvimento de um processo de negociação é fundamental ter um domínio relativamente grande quanto ao que se negoceia. Os riscos relacionados com o fornecimento são elaborados mediante a Seleção e escolha dos fornecedores mencionadas anteriormente. Analisando a matriz é observável os ganhos mais significativos de acordo com as características agrupadas.Tendo em consideração os dois critérios utilizados pelos departamentos de compras para a escolha de fornecedores. Stocks Para uma melhor compreensão sobre os stocks consideram-se dois fatores: quanto maior for o stock numa empresa maior é a quantidade de capital imobilizado e nunca deve faltar produto para venda. por exemplo.

mínimo e máximo para cada produto. Para o desenvolvimento desta atividade devem de se ter em conta os seguintes critérios: • • • • • • • • • • • • Atualizar constantemente o custo de cada produto. Identificar. Controlar o stock físico diariamente. Controlar a disponibilidade do stock para eventuais faltas repentinas. Determinar os períodos de compra e dos tamanhos dos lotes de cada produto para cada fornecedor.Com o intuito de garantir o equilíbrio nestes dois aspectos. Planear constantemente as quantidades de stock. as empresas devem ter a capacidade de reunir o máximo de informação possível. Realizar inventários periódicos com a finalidade de se compararem com os dados de controlo de stock. ordenar e etiquetar os produtos. Codificar os produtos para uma consulta mais rápida. Controle de compras e stock Para a otimização dos volumes de compras o planejamento de stocks surge como elemento essencial devido à ligação que efetua com a produção e as vendas. Estabelecer o stock de segurança. Os históricos de vendas por produto e por ano são dois exemplos que se devem ter em consideração. deve-se ter ainda ponderação quanto aos prazos de entrega dos fornecedores. baseadas em previsões de vendas. Colocar o stock num local estratégico. Comparar o custo de cada produto com o custo de o colocar em stock. isto é. Para a minimização de stocks. quanto menores forem os prazos menores serão os stocks. Atualizar os sistemas de informação para obter acessos e consultas rápidas de quantidades disponíveis de cada produto em stock 13 .

br/disserta96/armando/cap3/cap3. Atlas.com. SP. BALLOU.Referências: 1. http://www. Logística Empresarial.htm 14 .eps. R.br/Artigos/Administracao_da_Prod ucao. H. 1993 2.portaldomarketing. http://www.ufsc.htm 3.