Você está na página 1de 14

Cássio Rodrigo Pereira 0873179

Ensaio de Dureza Rockwell

São Paulo

2010 II .

Cássio Rodrigo Pereira 0873179 Ensaio de Dureza Rocwell Trabalho apresentado como requisito parcial para aprovação da disciplina de Materiais para Construção Mecânica II do curso de Graduação em Engenharia de Produção Mecânica do Instituto Federal de Educação. dos professores Henrique e São Paulo 2 . Ciência e Tecnologia de São Paulo sob a orientação Givanildo.

2010 4 .

.................................................9 Procedimentos.........................................................6 Justificativa...........................................8 Máquina Utilizada...................5 Objetivo..........................................................................................................10 Dados Obtidos.............................Sumário Sumário.......................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................11 Conclusão..........................13 Bibliografia.............................................................................................................................14 5 ...................................7 Corpo de Prova.................

verificação da eficácia de tratamentos térmicos. etc.Objetivo O ensaio de dureza de rocwell realizado no laboratório de ensaios mecânicos no Instituto Federal de São Paulo – IFSP foi realizado com intuito de se analisar a medida de resistência à penetração de um material duro no outro. ou seja. usinagem de metais. tratamentos químicos superficiais. E em termos práticos. medir a resistência de diversos tipos de materiais a uma deformação plástica localizada no material ensaiado. o ensaio de dureza é aplicado para controle de qualidade. 6 .

Justificativa Verificar. usando-se máquina de ensaio de Dureza Rockwell. as durezas dos diversos materiais ensaiados e compará-los. 7 .

• 4º Material: Alumínio • 5º Material: Aço 1010 ou 1020 8 . molibdênio) – material foi substituído.Corpo de Prova Os corpos de provas ensaiados têm que ser de forma plana. Não tem imagem. ou seção transversal retangular. prejudicando o ensaio de dureza. Os materiais ou corpos de provas ensaiados foram os materiais descritos abaixo com suas respectivas imagens: • 1º Material: Metal Duro • 2º Material: Ferro Fundido (FoFo) • 3º Material: Super-Cobalto 12% (tungstênio. pois não era plano. para não haver um resultado fora do comum e para não prejudicar o ensaio de dureza rocwell. valadio.

Rockwell Superficial e Brinell Seletor de forças de ensaio Nível incorporado Zero automático do relógio Cava: 133 mm Passagem sob o penetrador: 230 mm Peso aproximado: 70 kg 9 .RASN Marca: Pantec • • • • • • • • Versões analógica ou digital Rockwell Normal.Máquina Utilizada Abaixo encontra-se a imagem da máquina de Dureza Rocwell utilizada: Especificações: Durômetro de Bancada – Modelo .

com o objetivo de não prejudicar a região elástica do corpo de prova.588mm. 10 . 3º) remover a carga de 150kgf voltando a alavanca para posição original. . esperamos 30 segundos para não prejudicar a região elástica do CP. fez-se a leitura do relógio que indicou a dureza Rockwell (HRc) do material. O penetrador utilizado foi o cônico de 120º de conicidade. empurramos a alavanca para trás aplicando a carga principal de 150Kgf e esperamos 90 s. Resumidamente: 1º) aplicar pré carga (10kgf. Ao verificar que o ponteiro do relógio estabilizou normalmente após 90 segundos. 2. 2º)empurrar a alavanca para trás (carga de 150kgf) aguardar 90 segundos para estabilizar a região elástica.Procedimentos No laboratório ensaios mecânicos do IFSP com o auxilio dos professores. posicionamos o corpo de prova na base da máquina e giramos a rosca até o penetrador atingir o corpo de prova. Este ensaio foi realizado 3 vezes em pontos diferentes de cada material. tempo necessário para estabilizar a região elástica. inicialmente foi aplicado uma pré-carga de 10Kgf.após isso. giramos a rosca de forma lenta e cautelosa por duas voltas e meias. tempo necessário para estabilizar a região elástica do material.5 voltas) por 30 segundos. Norma utilizada ASTM E18 89 a. com diâmetro de 1. foi adotado os seguintes procedimentos para o Ensaio de Dureza Rockwell: Primeiramente.

que são fabricados pelo processo de metalurgia do pó.11% Os ferros fundidos dividem-se em três tipos principais: branco. mas com porcentagens entre 0. chamados aglomerantes (cobalto. O produto é obtido pela prensagem e sinterização de uma mistura de pós de carboneto e outros materiais de menor ponto de fusão. 1 teste: 76.60 HRc Super Cobalto 12%(Tungstênio. de um modo geral. produzido por metalurgia do pó.008 e 2. Sua diferença para o aço é que este também é uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono. Forma uma liga metálica de ferro. cinzento e nodular. A grande aplicação dos metais duros. Vanádio. se deve ao fato deles possuírem uma combinação de resistência ao desgaste. resistência mecânica e tenacidade em altos níveis.5 HRc Desvio Padrão: 0 HRc Ferro Fundido: É uma liga de ferro em mistura estética com elementos a base de carbono e silício. carbono (entre 2. 1 teste: 69 HRc 2 teste: 71 HRc 3 teste: 64 HRc Média: 68 HRc Desvio Padrão: 3.67%). níquel ou uma combinação deles). cromo. podendo conter outros elementos químicos.5 HRc Média: 76.5 HRc 3 teste: 76.5 HRc 2 teste: 76. silício (entre 1 e 3%). o principal uso da superliga de cobalto é dado pela sua alta resistência ao calor (tanto resistência mecânica como corrosão) em aplicações tais como: componentes de turbinas a vapor para geração de energia elétrica.11% e 6. componentes de motores alternativos (válvulas). equipamento de processamento de 11 . Molibdênio): É uma superliga.Dados Obtidos Metal Duro: é o nome dado a uma liga de carboneto de tungstênio.

1 teste: 16. A diferença fundamental entre ambos é que o aço. 1 teste: 17.11%. resistência à corrosão e baixo ponto de fusão lhe conferem uma multiplicidade de aplicações. condutividade elétrica. especialmente nas soluções de engenharia aeronáutica. Distingue-se do ferro fundido.materiais. enquanto que uma peça em ferro fundido é fabricada pelo processo de fundição.5 HRc 2 teste: 24 HRc 3 teste: 22 HRc Média: 20.83 HRc Desvio Padrão: 1. sendo o elemento metálico mais abundante da crosta terrestre.11% e 6. Entretanto.38 HRc Alumínio: É um elemento químico de símbolo Al. além das implicações ecológicas negativas no rejeito dos subprodutos do processo de reciclagem. Na temperatura ambiente é sólido. que também é uma liga de ferro e carbono. ou mesmo de produção do alumínio primário. 1 teste: 47 HRc 2 teste: 21 HRc Média: 34 HRc Desvio Padrão: 18.83 HRc Desvio Padrão: 3. mesmo com o baixo custo para a sua reciclagem. a elevada quantidade de energia necessária para a sua obtenção reduz sobremaneira o seu campo de aplicação. o que aumenta sua vida útil e a estabilidade do seu valor.5 HRc 2 teste: 19 HRc 3 teste 20 HRc Média: 18. laminação e extrusão.88 HRc Aço 1010 – 1020: É uma liga metálica formada essencialmente por ferro e carbono.25 HRc 12 . pela sua ductibilidade. e a ferramenta pedame mais conhecida como “ferramenta de sangramento” usada no torno para promover canais na peça.008 e 2. com percentagens deste último variando entre 0. Sua leveza. mas com teor de carbono entre 2.67%. é facilmente deformável por forja.

com desvio padrão de 1. ao notar a incoerência dos resultados. o corpo de prova deve-se encontrar em perfeito estado. por isso.38 HRc. sem imperfeições.25 HRc. de acordo com os resultados da média de dureza obtidos: Metal duro > Ferro Fundido > Super Cobalto > Alumínio > Aço 1010 ou 1020 Assim. Os materiais ensaiados encontram-se abaixo por ordem de dureza decrescente. e nota-se também que cada tipo de material exige um tipo de penetrador e escala especifica. ou seja. com desvio padrão de 18. com desvio padrão dos resultados em torno de 3. que foi causado pelo mal estado da peça e oxidação. 13 .Conclusão Para o metal duro ensaiado pôde-se notar homogeneidade nos resultado e na composição química do material em todos os pontos aplicados ao teste. sendo justificado pelas imperfeições e descontinuidades do material. para uma realização mais precisa do teste. Para o ferro fundido notou-se uma alternância nos resultados. como pode ser visto pelo alumínio e o aço 1010 ou 1020. sendo observado que a chapa de super cobalto não era plana. com desvio padrão igual a zero.60 HRc. do material mais duro para o menos duro.88 HRc Para o aço 1010 ou 1020 notou-se uma variação no resultado. e devido a inclinação o teste foi cancelado. Para o alumínio notou-se uma variação no resultado causado pelas imperfeições da peça. a média do resultado obtido ter saído fora do padrão para alguns materiais. Para o super cobalto o teste foi cancelado. com desvio padrão de 3.

br/ots/downloads/Ensaio%20de %20dureza.com.cimm.br/cimm/construtordepaginas/htm/3_24_7425.com/doc/3969877/Aula-12-Dureza-Rockwell http://www.pdf 14 .com.distribuidorots.htm http://www.Bibliografia http://java.scribd.

Interesses relacionados