Você está na página 1de 108

1. SUMÁRIO EXECUTIVO

Devido ao grande impacto causado pelo setor moveleiro no meio ambiente, a Casa Naturi nasce como uma opção frente à produção de móveis tradicionais, agregando aos nossos produtos aspectos ambientais e se preocupando com as externalidades de nossas atitudes.

A Casa Naturi se destaca por possuir processos produtivos menos

agressivos ao meio ambiente, utilizar matérias primas recicladas ou recicláveis,

basear-se no ecodesign e ter como premissa a multifuncionalidade, ou seja, desenvolver produtos com mais de uma função. Dentre a gama de produtos da

empresa fazem parte sofás, camas, cadeiras, mesas, criado-mudo, estantes e poltronas.

O setor moveleiro brasileiro promete lucrar 20 bilhões neste ano, além

de ter crescido o quíntuplo desde 1990, sendo que cerca de 66% deste lucro é

devido as micro e pequenas empresas, as quais representam 98% do total de empresa. Porém, a empresa atua no segmento de móveis sustentáveis, o qual terá um crescimento de 5% a 7% ao ano e teve seu inicio a partir da preocupação na diminuição de custos e no reaproveitamento de materiais.

Localizada na Avenida Interlagos no Bairro Interlagos Grande São Paulo, a Casa Naturi conta com uma loja e um galpão para a fabricação de seus produtos. Sua localização foi escolhida, pois é nesta região onde se localiza o público-alvo da empresa: homens e mulheres solteiros com idade entre 22 e 50 anos, recém-casados, casais com filhos menores de 6 anos, sendo que estes públicos pertencem a classe A e B brasileira.

Já os concorrentes foram avaliados na esfera do Estado de São Paulo, a

qual apresentou 5 empresas fabricantes de móveis sustentáveis, sendo que apenas 1 se encontra fora da cidade de São Paulo. Lembra-se também que todas as empresas são de micro ou pequeno porte de acordo com o SEBRAE. Para iniciar suas atividades a Casa Naturi necessitará de um investimento de R$ 125.000 (cento e vinte e cinco mil), visto que os quatro sócios entrarão com um capital de R$ 40.000 no total. Para o restante do investimento, a empresa recorrerá a possíveis opções de financiamentos, como o BNDES, PROGER e SEBRAE, sendo que estas organizações possuem

programas de auxílio para micro e pequenas empresas, principalmente para aquelas que possuem preocupação ambiental. De acordo com o nosso plano financeiro, a empresa apresentará lucro a partir do segundo ano e o retorno do investimento se dará depois do quarto ano de atividade. A Casa Naturi também possui perspectivas de posicionamento no mercado moveleiro paulista depois do quinto ano de atividade. Para alavancar as vendas e criar credibilidade no mercado, a empresa contará com algumas parcerias como a Tok & Stok, Etna e Leroy Merlin, todas localizadas na cidade de São Paulo. Por último, a estrutura organizacional da empresa é de caráter horizontal, e tem como objetivo incentivar a comunicação e melhor a eficiência nos processos. Deste modo contamos com 7 profissionais para realizar tarefas administrativas e operacionais, sendo eles: gestor, designer, técnico de qualidade, assistente financeiro, assistente de logística, estagiário e operários.

2.

IDÉIA

A partir de um projeto acadêmico do curso de Bacharel de Administração

com ênfase em Gestão Ambiental do Cento Universitário Senac, nos foi proposto um trabalho a partir do tema “Empresa Verde”. Diante disto, o presente grupo decidiu elaborar um projeto sobre ecodesign. Visto que este setor contempla diversos temas, resolvemos focar na área de criação de móveis sustentáveis, já que este era um tema ainda não trabalhado pelos integrantes do grupo.

Por final escolhemos como fatores de inovação a multifuncionalidade dos produtos e as premissas do ecodesign.

3. JUSTIFICATIVA

A indústria moveleira tem como principal função a produção de móveis

em escala industrial, resultando na extração e transformação de produtos naturais, direta ou indiretamente. Segundo dados do Relatório Anual de Informações Sociais (RAIS/MTE), existiam no Brasil mais de 18 mil empresas fabricantes de móveis em 2005, 74,3% eram micro empresas e 23,8% empresas de pequeno porte, perfazendo um total de 98,1% de empresas com menos de 100 funcionários. Por sua vez, apenas 2% das empresas do setor moveleiro podiam ser classificadas como médias ou grandes empresas. Já os anos de 2006 e 2007, foram bastante positivos para a indústria moveleira. Segundo dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física (PIM-PF), a produção de móveis apresentou uma evolução positiva ao longo deste período, e isto se deve à retomada do crescimento da demanda doméstica, em boa parte determinada pela vigorosa expansão da construção civil. A demanda de móveis está diretamente relacionada ao desempenho da construção civil, particularmente de imóveis residenciais, como é a situação atual.

Atualmente, de acordo com SHIMAMURA (2010), a indústria moveleira continua a crescer mesmo após a crise financeira mundial, e tem como foco a

classe B. Este fato se dá, pois, a classe B é a que mais cresce e também a que mais sonha com uma “casa própria”. Porém, todo esse crescimento tem grande impacto no meio ambiente devido à grande extração de recursos naturais, tanto para a indústria de construção civil quanto para a moveleira, e a quantidade de resíduos. Devido a isso é necessário que se crie outra opção frente ao método tradicional de produção de móveis. Neste novo método deve-se levar em consideração a variável meio ambiente e tentar unificar o conforto e qualidade dos nossos produtos ás necessidades de conservação do ambiente. Devido a isto, as empresa de móveis atuais procuram agregar a sua marca rótulos ou certificações ambientais, como FSC ou ISO 9001/14001. Esse tipo de atitude acaba por agregar valor ao produto, e, automaticamente, gerando mais lucro a empresa. Portanto, a integração dos lucros junto a sustentabilidade se transforma em uma estratégia de marketing e também de vendas. Diante disto, a empresa Casa Naturi surge como uma das opções mencionadas ao tipo de produção tradicional, trazendo com ela novas sugestões ambientais que poderão mudar futuros cenários. Além disso, a empresa pretende não só produzir móveis mais ecológicos, mas também servir de exemplo como uma empresa verde que busca integração entre os funcionários e estrutura horizontal, incentivando a boa comunicação e o surgimento de novas ideias.

4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA

A Casa Naturi é uma empresa limitada que foi criada para satisfazer a

demanda de móveis sustentáveis para residências e, inicialmente, atende a cidade de São Paulo. Devido à diminuição dos recursos naturais e da maior preocupação com o meio ambiente, o mercado moveleiro teve que se reestruturar para atender as novas necessidades dos seus clientes. A partir deste atual cenário, a Casa Naturi mantém uma margem competitiva ao desenvolver produtos que possuam processos produtivos

menos agressivos ao meio ambiente que os processos tradicionais, multifuncionais e baseados no ecodesign.

A empresa possui um gerenciamento que considera as adversidades

externas e as necessidades de seus clientes, e para atendê-los com singularidade possuímos uma fábrica e uma loja, localizadas na Avenida Interlagos em São Paulo. Geramos produtos de alta qualidade e diferenciados

e pretendemos ampliar nosso mercado a partir da busca de novos

fornecedores e matérias-primas, o que possibilitará um aumento na nossa

gama de produtos e no atendimento de novas demandas.

4.1 Missão

Oferecer móveis residenciais sustentáveis que sejam multifuncionais e de qualidade através de processos produtivos menos agressivos ao meio ambiente. Deste modo, a Casa Naturi compartilha valores como a ética, responsabilidade socioambiental e transparência para a melhoria da qualidade

de vida das pessoas.

A Casa Naturi atende para clientes que se preocupam com o meio

ambiente e que busquem móveis de qualidade e beleza para suas residências.

4.2 Visão

Ser reconhecida como líder no mercado de produção e venda de móveis residenciais sustentáveis até 2020 a partir de uma diminuição nos custos dos materiais utilizados e do aumento do mercado atingido.

5. NEGÓCIO

A Casa Naturi é uma empresa que fabrica móveis residências sustentáveis multifuncionais como sofás, camas, poltronas, mesas, cadeiras, criado-mudo e estantes. Todos os produtos serão desenvolvidos por profissionais capacitados e com experiência na área, além de nos basearmos nas premissas de ecodesign para elaborarmos nossos produtos desde as primeiras idéias. Diante disto, a Casa Naturi observará todas as conseqüências de seu processo de produção e considerará os impactos ambientais da compra de seus produtos e da sua utilização. Também trabalharemos com a Logística Reversa de nossos produtos, o que, de acordo com LEITE (2003), é um processo logístico de retirar produtos novos ou usados de seu ponto inicial na cadeia de suprimento, como devoluções de clientes, inventário excedente ou mercadoria obsoleta, e redistribuí-los usando regras de gerenciamento dos materiais que maximizem o valor dos itens no final de sua vida útil. Esta técnica é fundamental para que possamos diminuir os resíduos produzidos pelos nossos processos produtivos e utilização dos nossos produtos. Segundo NOLASCO (2007), desde o corte da árvore até a produção de um móvel, cerca de 70% da madeira é perdida durante este processo. Nossos produtos serão desenvolvidos com matérias-primas reutilizadas, ou que causem um menor impacto ambiental e social durante seu processo de produção. Além disso, a empresa trabalhará com os serviços de orçamento, entrega de produtos, montagem dos produtos, assistência técnica e logística reversa.

6. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

De acordo com HALL (2004), uma estrutura organizacional é a distribuição das pessoas entre posições que influenciam os relacionamentos entre os papéis das pessoas. Essas estruturas podem ser tanto hierárquicas como horizontais, porém possuem a mesma função dentro de uma organização. Uma estrutura hierárquica, ainda de acordo com HALL (2004), é marcada por regras que especificam, em grau variado, como as pessoas de determinados níveis devem se comportar. Já a horizontal é marcada por uma maior comunicação entre os cargos e maior abertura para novas idéias, o que faz com que haja maior dinamismo e rapidez nos processos e integração dos trabalhadores. Porém, este último tipo de estrutura pode gerar perda de controle sobre a organização e atrito entre os trabalhadores. Portanto, escolhemos como representante da nossa empresa uma estrutura horizontal que se desenvolve a partir de funções, a qual varia de acordo com a função do trabalhador dentro da empresa. Também adotamos uma formalização média da nossa empresa, que significa que trabalhamos com processos flexíveis, ou seja, podem ser remodelados de acordo com as necessidades da empresa. Apesar das desvantagens ao adotar essa estrutura, buscamos profissionais que estejam de acordo com a missão, visão e valores da Casa Naturi, o que dispensará a formalização de um líder e atrito entre os funcionários. Diante disto, a Casa Naturi é composta pelo seguinte quadro de pessoal competente, motivado e alinhado com nossas diretrizes e valores:

2 gestores

1 designer

1 técnico de qualidade e meio ambiente

1 assistente financeiro

1 assistente de logística

2 assistentes/estagiários

4 operários (2 marceneiros/2 assistentes de marceneiros)

A

partir

de

uma

estrutura

horizontal

funcional,

a

Casa

Naturi

é

estruturada através da seguinte Imagem1:

Imagem 1:Estrutura Organizacional Casa Naturi

Imagem1: Imagem 1:Estrutura Organizacional Casa Naturi A quantidade de profissionais trabalhando em cada função

A quantidade de profissionais trabalhando em cada função pode aumentar ou diminuir de acordo com o crescimento e necessidade da Casa Naturi.

7. ANÁLISE DO MERCADO

Para melhor apresentar as perspectivas e os dados atuais do setor moveleiro sustentável atual, este capítulo se dividirá em duas partes. A primeira explicará a situação do setor moveleiro no Brasil, visto que este representa o cenário macro do mercado de móveis. Já a segunda parte apresentará o mercado de móveis sustentáveis no Brasil e como este consumo responsável se tornou essencial para firmar este nicho na economia.

7.1 Situação da Indústria Moveleira no Brasil

A previsão do faturamento para 2010, do mercado moveleiro, segundo a Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário), é um aumento de 10% em relação a 2009, ano que houve declínio no segmento devido à crise, a qual afetou o mercado mundial de móveis. Em 2008 a produção da indústria brasileira de móveis faturou R$ 21 bilhões, e no ano seguinte este número recuou para R$ 18 bilhões. Um dos fatores que mais impulsiona o crescimento da indústria moveleira é o desejo por parte dos consumidores de móveis, o qual se encontra no 4° lugar de produtos mais desejados pela população brasileira (Gráfico 1).

Gráfico 1: Produtos mais desejados pelos brasileiros no ano de 2007

1: Produtos mais desejados pelos brasileiros no ano de 2007 Fonte: GÓES, 2007 A previsão do

Fonte: GÓES, 2007

A previsão do faturamento deste ano deve-se ao fato da redução do IPI (Impostos sobre Produtos Industrializados). Por exemplo, a loja de móveis Multiflex, localizada em Arapongas, São Paulo, já obteve um aumento de 30% sobre a venda de móveis nos primeiros três meses do ano. Segundo dados da IBGE (2009), o Brasil possui 15 mil empresas moveleiras, que geram 228 mil empregos indiretos e produzem mais de 309 milhões de peças. Isso faz com que sejamos um dos 60 países mais produtores de móveis (Tabela 1), sendo que hoje a maior produção ocorre na União Européia, devido a criação de design inovador próprio e tecnologia avançada em maquinário e mão de obra, e movimenta 88,6 bilhões de dólares ao ano. Já o Brasil movimenta 8,7 bilhões de dólares ao ano somente com a produção de móveis e lucra um bilhão com exportações, ou seja, o que é produzido no país tende a ser vendido para o mercado interno, o qual está em crescimento.

Tabela 1: 60 maiores produtores de móveis no mundo

Tabela 1: 60 maiores produtores de móveis no mundo Fonte: ABDI, 2008 Além disso, o país

Fonte: ABDI, 2008

Além disso, o país vem demonstrando crescimento na área desde a década de 1990 (Gráfico 2), devido à especialização da mão-de-obra, o avanço da tecnologia e o barateamento de alguns materiais.

Gráfico 2: Mercado Brasileiro de Móveis 1990 a 1997

Gráfico 2: Mercado Brasileiro de Móveis – 1990 a 1997 Fonte: ABIMOVEL, 1997 Nota-se então que

Fonte: ABIMOVEL, 1997

Nota-se então que desde 1990 o Brasil dobrou seus lucros no setor e, desde 1997, o país teve um aumento de mais de 2 bilhões na sua receita. Estudos e dados do Instituto de estudos e marketing social (2009) mostram que no país, o mercado de móveis é fragmentado, não existindo monopólios e oligopólios. Dentre as 15 mil indústrias já mencionadas, 74,3% são micro empresas, 23,8% de pequeno porte e somente 2% poderiam ser

11

consideradas de médio e grande porte (Gráfico 3), sendo que estes 2% detêm menos de 30% da produção. Ou seja, a indústria brasileira não é marcada por grandes empresas, e sim por pequenas empresas que, em sua maioria, se apresentam instáveis ás turbulências externas devido ao baixo poder de investimento e recursos gerenciais. Além disto, existem dificuldades como a baixa margem de lucro e, conseqüentemente, muitas empresas não conseguem superar o valor de seus ativos.

Gráfico 3: Composição da indústria moveleira do Brasil

2 23,8 78,4 Fonte: ABDI, 2008 (adaptado)
2
23,8
78,4
Fonte: ABDI, 2008 (adaptado)

MicroPequena Média/Grande

PequenaMicro Média/Grande

Média/GrandeMicro Pequena

Já entre os períodos de 2006-2007, foi bastante positivo para a indústria moveleira. Segundo a ABDI (2008), a produção de móveis apresentou uma evolução positiva ao longo deste período, com taxas de crescimento superiores ao da produção física do total da indústria de transformação (Gráfico 4). Isto se deve à retomada do crescimento da demanda doméstica, em boa parte determinada pela vigorosa expansão da construção civil, visto que a demanda de móveis está diretamente relacionada ao desempenho da construção civil, particularmente de imóveis residenciais, como é a situação atual.

Gráfico 4: Setor Moveleiro e Indústria Brasileira - Variação da produção física

e Indústria Brasileira - Variação da produção física Fonte: ABDI, 2008 Entretanto, na maior parte dos

Fonte: ABDI, 2008

Entretanto, na maior parte dos pólos, os quais serão tratados a seguir, as empresas ainda não foram capazes de, em conjunto, enriquecer a localidade com novas capacitações técnicas, gerenciais e produtivas que permitissem inovações em design e marketing, e que agregassem maior valor ao móvel brasileiro, além de ganhos de escala e de flexibilização produtiva. Com relação às exportações, entre os anos de 2001 e 2004, houve uma expansão das exportações e um recuo das importações, de forma que o saldo comercial mais do que dobrou neste período (Gráfico 5). Por sua vez, entre 2004 e 2007, verifica-se uma estagnação das exportações e uma significativa expansão das importações, particularmente no ano de 2007. Estas variações decorreram, em grande parte, da variação cambial. O período 2001-2003 foi marcado pela desvalorização da moeda brasileira, enquanto o período seguinte iniciou-se uma trajetória de forte valorização do real. Desta maneira, pode-se concluir que o comércio internacional do setor moveleiro tem na taxa de câmbio o seu principal determinante. Este destoa do cenário de 1997, no qual o país possuía lucros de 300 milhões de dólares em exportações. (ABIMOVEL, 1997).

Gráfico 5: Comércio Externo da Indústria Brasileira de Móveis

5: Comércio Externo da Indústria Brasileira de Móveis Fonte: ABDI, 2008 No cenário interno brasileiro, o

Fonte: ABDI, 2008

No cenário interno brasileiro, o país é representado por cinco grandes pólos moveleiros: São Paulo, Rio Grande do Sul, Mato Grosso, Fortaleza, Maranhão, Paraná. Neste trabalho será dada ênfase ao estado de São Paulo e mais especificamente a Região Metropolitana de São Paulo, pois é onde se localiza a Casa Naturi. A Grande São Paulo é a 6° maior fabricante de móveis do país, e o Estado de São Paulo ocupa o primeiro lugar na lista (Imagem 2), englobando 2.541 empresas, 26% da produção total do país, e lucrando 3.559.008 milhões ao ano em 2007.

Imagem 2: Concentração de Fabricantes de Móveis no Brasil

Imagem 2: Concentração de Fabricantes de Móveis no Brasil Fonte: GÓES, 2007 Porém, ainda hoje o

Fonte: GÓES, 2007

Porém, ainda hoje o Estado de São Paulo se apresenta como líder de produção, apesar da região da Grande São Paulo não ocupar o primeiro lugar dentre os maiores produtores. Na tabela abaixo pode-se ver que no ano de 2004 a Grande São Paulo ocupava o primeiro ligar dentro os maiores produtores, mas hoje a região perdeu o lugar para a região de Arapongas no Paraná.

Tabela 2: Principais Pólos Moveleiros do Brasil em 2004

Tabela 2: Principais Pólos Moveleiros do Brasil em 2004 Fonte: ABDI, 2004 Em 1997 São Paulo

Fonte: ABDI, 2004

Em 1997 São Paulo era responsável por 40% do faturamento do setor, quase a metade do número total de estabelecimentos da época, e concentrava 80% da produção nacional de móveis de escritório. Nota-se, portanto, que houve uma descentralização da produção em São Paulo devido ao aumento do preço do espaço físico e dos gastos gerais gerados pelo crescimento da metrópole. (ABIMOVEL, 1997) A indústria da Grande São Paulo apresenta características bastante particulares, ao se comparar com os demais pólos moveleiros do país. De certa forma, não é correto referir-se à indústria moveleira da Grande São Paulo como sendo um Arranjo Produtivo Local 1 produtor de móveis, devido à sua elevada heterogeneidade e baixo grau de associativismo. Atualmente, são mais de duas mil empresas cadastradas no SINDIMOV Sindicato da Indústria do Mobiliário de São Paulo. Apesar da elevada heterogeneidade, a indústria moveleira da Grande São Paulo pode ser dividida em dois segmentos: o de móveis residenciais e o de móveis para escritório. A quase totalidade do segmento de móveis residenciais é composta de micro e pequenas empresas, como a Casa Naturi, sendo em sua maioria marcenarias que fabricam móveis de madeira maciça sob encomenda para residências e empresas da própria região. O dinamismo tecnológico da indústria moveleira é determinado, principalmente, pelo aprimoramento do design e pela introdução de novos

1 conjuntos de fatores econômicos, políticos e sociais, localizados em um mesmo território, desenvolvendo atividades econômicas correlatas e que apresentam vínculos de produção, interação, cooperação e aprendizagem (ABDI, 2008)

16

materiais (vide página 51). Dentre eles, o único fator próprio da indústria moveleira é o design e na indústria brasileira são raras as empresas que têm adotado a estratégia de desenvolvimento de um design próprio de forma a ser um elemento de vantagem competitiva. Por último, as perspectivas de crescimento para o setor de móveis podem ser traçadas como se segue:

a) Situação mais favorável para os próximos períodos irá depender da capacidade de direcionar a produção para o mercado doméstico, visto que os estímulos fiscais do governo até meados de 2010 significam um fôlego a mais para os setores industriais se recuperarem da crise. b) A recuperação das vendas externas é mais lenta e apesar das melhorias registradas nos últimos meses, as variáveis ainda não recuperaram seus níveis pré-crise. (ABDI, 2009)

7.2. Situação da Indústria Moveleira Sustentável

A grande preocupação com a integração dos aspectos ambientais

durante o desenvolvimento e produção dos móveis surgiu com a empresa Móveis Artísticos Z, a qual foi fundada em 1948 e permaneceu funcionando até 1961, na cidade de São José dos Campos, interior paulista. Os móveis produzidos eram voltados para a classe média da época e a empresa era uma das únicas no país a exercer esse tipo de preocupação.

A empresa se preocupava com a modulação e com o aproveitamento

total das chapas de compensado, tornando os produtos baratos e acessíveis. Já a empresa Mobília Contemporânea se preocupou com a modulação e o móvel em série, definindo toda sua produção como industrial. Essa empresa possuía como diferencial uma das vantagens competitivas da Casa Naturi: a

multifuncionalidade.

A Mobília Contemporânea se preocupava com a multifuncionalidade do

modelo e do uso de cada peça, proporcionando o aproveitamento múltiplo de

cada componente, a desmontagem total e a reposição imediata de peças, além, da homogeneidade na usinagem e no acabamento total, resultando em um móvel resistente aos modismos.

Porém, o grande marco da produção de móveis sustentáveis foi a partir da década de 70, com a moveleira contemporânea, a qual introduziu no mercado a preocupação em encontrar novos tipo de matérias-primas e desenvolver produtos multifuncionais. Já na década de 90, os novos designers trabalham a partir do expressivo desenvolvimento tecnológico que vem afetando o design de mobília dos anos anteriores, em termos de matéria-prima, produção e novas metodologias. Além destes fatores, é nesta década que o fator meio ambiente entra como elemento de reflexão que faz as empresas pensarem sobre o impacto dos seus produtos durante sua vida útil. Na contemporaneidade, o fazer artesanal estabelece a diretriz fundamental de algumas soluções de projetos do design do móvel brasileiro que, também vinculam à sua produção a preocupação ecológica na utilização dos recursos naturais além de referenciar-se à elementos simbólicos da cultura brasileira. São exemplos os trabalhos dos designers André Marx (Imagem 3) e Hugo França (Imagem 4).

Imagem 3: Banco Curvo Década de 90

André Marx (Imagem 3) e Hugo França (Imagem 4). Imagem 3: Banco Curvo – Década de

Fonte: ARRUDA, 1999

Imagem 4: Chaise longue Yaba Década de 90

Imagem 4: Chaise longue Yaba – Década de 90 Fonte: ARRUDA, 1999 Ainda na década de

Fonte: ARRUDA, 1999

Ainda na década de 90, a acessibilidade aos produtos de design às várias classes sociais começa a acontecer em diversos setores, a experimentação de materiais e a preocupação ecológica difundem-se, a reciclagem e o reaproveitamento de materiais e objetos em contextos inusitados, torna-se marca registrada de algumas obras. Porém, voltando à década de 70, foi nesta época que o conceito de ecodesign foi lançado no mercado e é difundido até hoje. A partir deste conceito foi integrado aos produtos uma analise do seu ciclo de vida e projeto de ciclo de vida linear, que está sendo alimentado pelos resíduos dos produtos anteriores. A partir de 2000 houve grande crescimento de empresas preocupadas com o meio ambiente devido ao maior rigor dos clientes frente a estas questões, maior fortalecimento da legislação ambiental, chegada de novos selos e certificações ambientais e padronização de normas internacionais. Portanto, isso fez com que as empresas se tornassem “corretas ecologicamente” apenas para não ferir a legislação ou para conquistar mercada, e não por consciência ambiental. De acordo com ARRUDA (1999), devido às grandes mudanças na década de 90 as empresa moveleiras que surgiram a partir daí dificilmente não possuem nenhum selo ou norma de qualidade e preocupação ambiental, sendo encontrados principalmente o Eco-selo e o Cerflor.

Tabela 3: Principais acontecimentos da Indústria Moveleira Sustentável

Ano

Acontecimentos

1960

Aproveitamento do material

Diminuição de custos

1970

Produtos multifuncionais

Ecodesign

1980

Inovações tecnológicas

Crescimento do número de empresas de móveis

1990

Preocupação ecológica

Reaproveitamento

2000

Cobrança do cliente

Rigor da legislação ambiental

Atualmente, o mercado de móveis sustentáveis é apenas uma pequena porcentagem do comércio moveleiro, mas atualmente o Brasil aponta para grandes oportunidades de desenvolvimento do mercado sustentável. Segundo Dourado (2010), este mercado deve crescer entre 5% e 7% ao ano, até 2020. Mesmo nível do avanço estimado pra o mercado mundial, de 6,5% ano nas duas primeiras décadas deste século, sendo assim, um negócio de previsões positivas para investimento. Devido a uma busca feita pelos integrantes deste trabalho, que filtrava os aspectos ambientais e a atuação no mercado residencial, foram encontradas cinco empresas entro do estado de São Paulo que trabalham não apenas com móveis residenciais, mas que fabricam móveis residenciais de maneira sustentável, sendo elas: Galeazzo Design, Milênio Móveis, Nadalini e

A2.

A empresa Nadalini é a que se encontra no mercado por mais tempo (43 anos), e a partir do histórico da empresa, nota-se que em seu início esta não agregava aos seus móveis valores ambientais, e esta mudança pode ser relacionada a mudança nas leis ambientais e a exigência do consumidor. Já a empresa A2, localizada no município de São Paulo é a mais nova do grupo, tendo como tempo de atuação apenas um ano. A empresa foi montada por dois estudantes de Design Industrial e tem como base a produção

de móveis por madeira descartada. Neste caso a empresa já nasceu com o propósito de agregar aos seus produtos o fator ambiental, visto que atualmente isto é essencial para empresas que estão se formando e precisam de credibilidade. De acordo com o Serviço de Apoio ás Micro e Pequenas Empresas SEBRAE (2007) e a Fundação do Comércio Exterior FUNCEX (2007), é definido como empresa de micro porte aquelas que possuem menos de R$ 244.000 de receita bruta, e pequena empresa aquelas que variam entre R$ 244.000 e R$ 1.200.000. Sendo assim, foi feito uma tabela com os representantes de empresas de móveis sustentáveis para definir seu porte frente ao conceito mencionado.

Tabela 4: Definição do porte das empresas de móveis sustentáveis em São Paulo

Empresa

Porte

Galeazzo Design

Pequena

Milênio Móveis

Pequena

Nadalini Móveis

Pequena

A2

Micro

Casa Naturi

Micro

Nota-se, portanto, que a maioria das empresas são de pequenas porte e duas de micro porte, isso confirma os dados de porte de empresa de móveis tradicionais visto no sub-capítulo anterior. Tanto em São Paulo como no Brasil o grande número de empresas de móveis é de micro ou pequeno porte, sendo estas, retentoras da maior parte do lucro no setor.

7.3. Estudo dos Clientes

Para realizar um estudo dos nossos possíveis clientes o presente trabalho analisou as seguintes esferas do mercado: consumidores de móveis

residenciais e consumidores de produtos sustentáveis. Devido à falta de informação atual para encontrar dados específicos sobre consumo de móveis residenciais sustentáveis, o grupo proponente fez uma pesquisa sobre as duas esferas já mencionadas com o intuito de se aproximar o máximo possível do mercado a ser atingido.

7.3.1 Consumidores de móveis residenciais

A motivação do consumidor tem seu início com o reconhecimento da necessidade, que é ativada quando existe uma discrepância entre o estado desejado de “ser” e o estado real. Essa discrepância resulta da ativação de uma condição de despertar, chamada impulso (GÓES, 2007 apud ENGEL, BLACKWELL e MINIARD, 2005). De acordo com KOTLER (1998) existem quatro fatores que impactam o comportamento do consumidor: os fatores culturais, os sociais, os pessoais e os psicológicos. Com relação aos fatores pessoais, o consumidor pode comprar um móvel pelo seu valor simbólico, o qual pode não ser compreendido por outros atores. Já os fatores culturais e sociais podem fazer com que o indivíduo compre um móvel apenas para satisfazer necessidades de auto- estima e de auto-realização. Outro fator que pode influenciar durante a tomada de decisão é o estilo de vida levado pelo consumidor. Este estilo de vida é definido por fatores como idade, renda, sexo, atitudes relacionados ao gastar e economizar e características de personalidade. Após apresentados os fatores de influência, é necessário compreender o processo de tomada de decisão para compra de um móvel, o qual de acordo com GÓES (2007), apud ENGEL, BLACKWEEL e MINIARD (2005) se baseia no reconhecimento da necessidade, busca de informações, avaliação de alternativas pré-compra, compra, consumo, avaliação pós-consumo e descarte (Imagem 5).

Imagem 5: Modelo do processo de decisão de compra do consumidor

5: Modelo do processo de decisão de compra do consumidor Fonte: GÓES (2007), apud ENGEL, BLACKWEEL

Fonte: GÓES (2007), apud ENGEL, BLACKWEEL e MINIARD (2005)

Porém, nem sempre os consumidores passam por todas as etapas e podem até invertê-las, como no caso da compra de refrigerantes, os consumidores reconhecem a necessidade e passam direto para a decisão de compra, visto que, por conhecer ligarem a necessidade diretamente a marca não existe a etapa de busca de informações. Com relação às necessidades mencionadas acima, de acordo com GÓES (2007), a compra de móveis residenciais é baseada nos seguintes itens baseados na Hierarquia de Necessidades de Maslow 2 (Imagem 6):

Imagem 6: Hierarquia de Necessidades de Maslow para a compra de móveis residências

(Imagem 6): Imagem 6: Hierarquia de Necessidades de Maslow para a compra de móveis residências Fonte:

Fonte: GÓES, 2007

2

23

Nota-se então que as pessoas comprar móveis residenciais de acordo com suas necessidades fisiológicas, ou seja, pela sua razão de ser ou função básica. Por exemplo, durante a compra de um sofá, este pode ter surgido da necessidade fisiológica de descanso, porém, pode possuir outra necessidade menos atenuante, como a compra de um sofá importado ou de uma marca reconhecida, o que inclui neste processo a necessidade de estima/status. No caso da Casa Naturi a empresa poderia ser escolhida pela necessidade funcional/fisiológica, e também pelo reconhecimento que o consumidor teria ao comprar um produto sustentável, ou seja, pelo próprio marketing pessoal e por uma imagem melhor. De acordo com GÓES (2007), os consumidores de móveis residenciais são principalmente casais com filhos com menos de seis anos, recém casados (adultos sem filhos) ou adultos a partir de 25 anos, prevalecendo o sexo feminino com renda mensal a partir de 750 reais. De acordo com KOTLER (1998), no caso dos casais com filhos estes apresentam muitas despesas domésticas e mudanças constantes no ciclo de vida devido as crianças, já os recém casados possuem o “sonho da casa própria” e por isso vão a busca de novos produtos mobiliários que atendam suas necessidades. Por último, os adultos com mais de 25 anos que, apesar de poucos compromissos financeiros, possuem uma maior opinião sobe tendências de estilo e se interessam pelo novo. O foco é no publico feminino, pois este possui mais interesse em harmonizar o ambiente domestico e tem mais contato com revistas de decoração (ex.: Casa Cláudia). Estes consumidores pesquisam por produtos em revistas de decoração e internet, sendo essas duas as principais fontes de pesquisa de móveis. Já para comprar os consumidores vão direito a shoppings especializados, como o Interlar, localizado no Bairro de Interlagos na capital de São Paulo, ou em lojas especializadas. Por final, segundo GÓES (2007), o potencial de consumo dos brasileiros para móveis residências chegou a 20.260.000 milhões de reais, apresentando um aumento de 19% comprado ao ano de 2002 (Tabela 5)

Tabela 5: Potencial de consumo brasileiro de móveis residenciais

5: Potencial de consumo brasileiro de móveis residenciais Fonte: GOÉS, 2007 7.3.2 Consumidores de produtos

Fonte: GOÉS, 2007

7.3.2 Consumidores de produtos sustentáveis

Cada vez mais nota-se que o padrão do consumo dos brasileiros vem mudando e integrando aos elementos de tomada de decisão os aspectos ambientais do produto em questão. Apesar de ainda, a maior parte da população se basear no preço como elemento primordial para a tomada de decisão, fatores ambientais que antes nem existiam agora já são até levados em consideração e conhecidos pelos consumidores. Porém, além do preço, um dos motivos que faz com que este elemento não seja aderido pela grande parte de consumidores é a falta de confiança que estes possuem com a marca, visto que muitas empresas se utilizam do “marketing verde” colocando selos e normas em seus produtos que não garantem preocupação frente aos problemas ambientais. Isso faz com que o consumidor passe a duvidar prontamente da qualidade dos produtos sustentáveis. De acordo com a pesquisa feita pela Folha (2010) sobre o consumo sustentável, 45% dos brasileiros afirmaram que confiam nas marcas que afirma ser sustentáveis, menos que metade dos potenciais consumidores. Para KOTLER (2002), o marketing ecológico ou verde consiste na prática de todas as ferramentas do marketing, porém, incorporando a preocupação ambiental que contribui com a conscientização da preservação. Porém incorporar características ambientais aos produtos não é tão simples, é uma tarefa que envolve, em alguns casos, mudanças drásticas no processo produtivo, visando o abandono de tudo aquilo que possa comprometer a qualidade ambiental do que está sendo produzido. Mas o que se vê hoje é essa

integração da preocupação ambiental ao marketing do produto sem realmente ocorrer mudanças significativas que confirmem isso.

Por final, KOTLER (2002), também afirma que se os consumidores continuarem comprando produtos que agridam a natureza sem nenhum receio não vale a pena para as empresas continuarem investindo nisso.

De acordo com pesquisas realizadas pela Good Purpose (2010), os consumidores brasileiros estão mudando, cada vez mais preocupados em proteger o meio ambiente. Eles estão reconhecendo as atitudes de empresas que realizam a “boa causa” (ambiental e social), apoiando a marca. Segundo a pesquisa 81% dos consumidores brasileiros recomendariam uma marca que apóia uma boa causa e 82% dos consumidores brasileiros ajudariam uma marca a promover seus produtos se houvesse uma boa causa por trás deles. Com relação a dois produtos com preço e qualidade semelhantes, 71% dos consumidores brasileiros escolhem um deles pela causa social/ambiental. O segundo fator que pesa na escolha, no Brasil, é design e inovação, com 18%. Se o preço não fosse um fator determinante, 79% iriam preferir uma casa ambientalmente correta, e 21%, uma casa grande. Em uma pesquisa feita pelo IBOPE (2008) junto a WWF para descobrir o perfil de consumo dos brasileiros foi identificado que as classes A e B são as que mais consideram critérios como qualidade e aspectos ambientais para a decisão de compra de um produto. E de acordo com o aumento da renda familiar esta preocupação vai se tornando ainda maior (Tabela 6).

Tabela 6: Fatores para tomada de decisão para a compra de um produto sustentável.

tomada de decisão para a compra de um produto sustentável. Fonte; IBOPE, 2008 Ainda de acordo

Fonte; IBOPE, 2008

Ainda de acordo com a pesquisa do IBOPE (2008), a classe A/B possui menos pontos a serem avaliados se comparados a classe D/E, tendo como diferença entre uma e outra 51% de pontos a serem avaliados (Tabela 7). Porém, visto que a classe A/B possui maior poder de consumo, a pesquisa afirma que se este nicho continuar consumindo deste modo o planeta não agüentará suprir as necessidades da população no geral.

Tabela 7: Pontos a serem reavaliados por classe social

as necessidades da população no geral. Tabela 7: Pontos a serem reavaliados por classe social Fonte:

Fonte: IBOPE, 2008

27

No ultimo ano 75% dos brasileiros entrevistados afirmaram ter comprado

um produto sustentável para ajudar o meio ambiente, mesmo que este tenha

sido mais caro e de acordo com a Folha (2010), os brasileiros pagariam até 8%

a mais para ter um produto sustentável. Por final 83% dos brasileiros mudariam

de marca se outra marca, de qualidade semelhante, apoiasse uma boa causa.

Ainda de acordo com a pesquisa da Folha (2010), 63% dos

consumidores preocupados com o meio ambiente utilizam a internet como

fonte de busca de informações e 28% consultam amigos e familiares para tratar

questões deste tipo e também para informações sobre selos e normas.

Por final, verificou-se que 81% dos entrevistados eram mulheres e 19%

homens. A maior parte dos consumidores tem idade entre 26 e 54 anos e

renda familiar superior a três mil reais, e mais de 80% apresentavam nível

de instrução com graduação e pós-graduação completas.

7.4 Público -Alvo

Após estudos sobre o perfil dos consumidores de móveis residenciais

sustentáveis e consumidores de produtos sustentáveis, este sub-capítulo tem

como objetivo localizar o público-alvo da Casa Naturi a partir das semelhanças

encontradas nestes dois públicos. Para isso foi feita uma tabela onde estão

apresentados os principais pontos a serem analisados (tabela 8).

Tabela 8: Perfil dos consumidores de móveis residenciais e produtos

sustentáveis

SEXO

IDADE

CICLO DE VIDA Solteiros Casais com filhos com menos de 6 anos Recém- casados

RENDA

Móveis

Residenciais

Feminino

25/56

(+) R$ 750,00

26/54

-

(+) R$ 3.000

Produtos Sustentáveis Feminino

Apesar de o público mais predominante ser o feminino, este trabalho irá

considerar o público recém-casado e o público solteiro feminino e

masculino como público-alvo devido ao maior potencial de consumo do nicho

de recém-casado e a identificação do ciclo de vida de pessoas solteiras em ambos os estudos. Com relação a idade nota-se que a diferença de idade dos perfis é praticamente a mesma, e que para ser um potencial consumidor de qualquer um dos nichos a idade mínimo não chega a ser muito elevada. Para os moveis residenciais a idade mínima é 25 anos, pois hoje estes produtos estão mais acessíveis até para quem não tem uma situação financeira estável. Já para os produtos sustentáveis essa idade é avaliada em 26 anos devido ao tipo de informação que essa geração recebe em escolas e universidades, a qual agrega os aspectos ambientais como parte de aprendizagem. Além disso, essa geração possui maior preocupação com o meio-ambiente diante do boom de noticias que recebemos nos últimos anos. A região a ser abordada será a Grande São Paulo, visto que o município esta entre os maiores pólos de fabricação de moveis do Brasil e é a primeira cidade do ranking de maior potencial de consumo feito pela ICP Target em 2010. Na tabela 9 é apresentado como renda mínima para a compra de móveis residenciais o valor de 750 reais e para o consumo de produtos sustentáveis o valor de 3000 reais, sendo os dois valores calculados por família. Diante disto, se vendermos nossos produtos a um preço acessível aos consumidores sustentáveis não iremos atingir todos os potenciais consumidores de móveis residenciais. Portanto, a Casa Naturi terá como público-alvo as classes A1, A2, B1 e B2, que possuem renda entre 2.950 reais e 14.530 reais, mínima para a classe A1. (IPC TARGET, 2008)

Tabela 9: Classes sociais brasileiras

Classe

   

Renda média

Social

Consumo

População

familiar

A1

4,6%

0,7%

R$ 14.530

A2

17,5%

3,9%

R$ 9.850

B1

20%

9%

R$ 5.350

B2

24,6%

19,4%

R$ 2.950

C1

17,4%

23%

R$ 1.650

C2

9,9%

22,8%

R$ 1.100

D

5,7%

19,5%

R$ 750

E

0,3%

1,8%

R$ 410

Fonte: IPC Target, 2010

Na tabela acima também observa-se que as classes escolhidas possuem o maior potencial de consumo, sendo que juntas somam 66,7% do potencial de consumo brasileiro e representam 23% da população brasileira. (BIZELLI, 2003) Em relação a cidade de São Paulo, essa população se encontra ou na região sudeste interna e centro interna e externa, visto que a classe A1 esta localizada nos Bairros de Interlagos, Santo Amaro, Campo Belo, Campo Grande, Vila Mariana, Moema, Itaim, Jardins, Pinheiros e Alto de Pinheiros (Mapa 1).

Mapa 1: Concentração da Classe A1 no município de São Paulo

1: Concentração da Classe A1 no município de São Paulo Fonte: PAIVA, 2008 Já as classes

Fonte: PAIVA, 2008

Já as classes A2, B1 e B2, se encontram principalmente no centro interno e externo (Mapa 2) nos bairros de Santana, Cambuci, Bom Retiro, Tremembé, Liberdade, Bela Vista, Consolação e Santa Cecília.

Mapa 2: Concentração das Classes A2, B1 e B2 no município de São Paulo

das Classes A2, B1 e B2 no município de São Paulo Fonte: PAIVA, 2008. Além disso,

Fonte: PAIVA, 2008.

Além disso, como pode ser observado na Gráfico 6, classe B lidera o potencial de consumo brasileiro, e grande parte de seu investimento está sendo destinada a manutenção do lar, que incluem reformas, consertos, aquisição de móveis e utensílios domésticos. No ano de 2009 a classe B apresentou um potencial de consumo de 43% e neste ano de 2010 o consumo aumentou para 48%. (IPC TARGET, 2010)

Gráfico 6: Potencial de Consumo Brasileiro Classe B

Gráfico 6: Potencial de Consumo Brasileiro Classe B Fonte: IPC Marketing, 2010. 7.5 Estudo dos Concorrentes

Fonte: IPC Marketing, 2010.

7.5 Estudo dos Concorrentes

A preocupação com o meio ambiente ficou em evidencia, e tal tema ganhou destaque em grandes organizações e na mudança de cultura e valor da sociedade. Está evidencia abriu um novo mercado na sociedade e fez os antigos buscarem novos desafios e se adaptarem as novas necessidades do mundo. A maior demanda do setor moveleiro é a madeira, que é responsável por 86% do mercado. Entretanto, o comércio está procurando alternativas à está

matéria prima e grandes eventos e designers estão apostando em materiais reciclados e com maior durabilidade. Para estudo dos nossos concorrentes fizemos um estudo dos principais

concorrentes da Casa Naturi na esfera Estado de São Paulo, os quais fabricam

e vendem móveis residenciais sustentáveis.

A-) Galeazzo Design Descrição: Empresa de arquitetura e design Tempo de atuação: 15 anos Localização: São Paulo - SP Área de atuação: Segmento do “ecoluxo” e projeta cômodos a partir do estudo psicológico do cliente. Conceito de móvel sustentável: Utilização de métodos sustentáveis como o reaproveitamento de materiais e uso de matérias primas naturais.

B-) Miênio Móveis Descrição da empresa: Venda de móveis sob medida para a decoração de casas e ambientes comerciais. Localização: São Paulo SP Tempo de Atuação: 10 anos. Área de atuação: Fabrica e revende móveis para decoração de interiores e ambientes externos. Possui uma linha de móveis com materiais em madeira de demolição, ecológica e teca e móveis em fibra natural.

Conceito de móvel sustentável: Utilização de madeira de demolição, ecológica

e fibra natural.

C-) Móveis Nadalini Descrição da empresa: Empresa fabricante de móveis para residências e escritórios. Localização: Serra Negra- SP Tempo de Atuação: 43 anos Área de atuação: Fabricação de móveis para residências e escritórios com o uso de madeira reflorestada. Conceito de móveis sustentáveis: Uso de madeira com manejo adequado

D-) A2

Descrição da empresa: Empresa de fabricação de móveis de forma artesanal e

sustentável

Localização: São Paulo - SP

Tempo de Atuação: 1 ano

Área de atuação: atua na área de moveis residências e para escritórios tendo

como premissa a reutilizando madeiras de descarte e materiais de menor

impacto ambiental.

Conceito de móvel sustentável: Móveis trabalhados em madeira já descartada

e materiais com menor impacto ambiental.

De acordo com Biagio e Batocchio (2005), a Casa Naturi sofre o tipo de

concorrência industrial, a qual se baseia na fabricação da mesma classe de

produtos, e a concorrência de marca, que e defini pela venda destes produtos

semelhantes para consumidores também parecidos.

Além disso, foi feito uma análise dos indicadores que demonstram a

desempenho dos concorrentes frente a itens como atendimento, canais de

distribuição, divulgação, garantias, localização política de crédito, preços e

qualidade e uma pesquisa sobre os preços dos produtos vendidos.

Tabela 10: Indicadores de análise da concorrência

   

Galeazzo

Miênio

Móveis

 

Design

Móveis

Nadalini

A2

Atendimento

   

6

 

3

 

4

5

Atendimento pós venda

 

5

 

5

 

5

6

Canais de distribuição

 

3

 

3

 

3

2

Divulgação

   

6

 

6

 

6

2

Garantias oferecidas

 

4

 

4

 

4

6

Localização

   

6

 

6

 

6

5

Política de crédito

 

3

 

4

 

4

4

Preços

   

2

 

3

 

5

5

Qualidade

   

6

 

5

 

4

6

Reputação

   

6

 

5

 

5

2

1= Muito ruim

2= Ruim

3= Regular

4= Bom

5= Muito bom

6= Excelente

Na tabela de preço foi elencado como concorrente o preço de uma loja

de móveis tradicionais residenciais como ferramenta comparativa localizada na

região de Sul de São Paulo em Interlagos, mesma região que a Casa Naturi. A empresa encontra-se destacada em azul para evitar equívocos.

Tabela 11: Tabela de preços dos concorrentes

 

Galeazzo

Milênio

Nadalini

A2

Breton

Design

Móveis

Móveis

Criado-

630

500

135

450

2773

mudo

Sofá

3460

2224

-

-

3000

Cama

2548

2538

-

-

3423

Mesa

3950

2000

1842

900

2702

Poltrona

2350

2400

2100

-

3107

Cadeira

845

600

253

175

1036

Projeto

-

-

-

-

-

módulos

Rack

2598

2396

1936

1320

3233

7.6. Análise SWOT

A análise SWOT deste plano de negócio tem como objetivo identificar os pontos fortes e fracos da Casa Naturi, além de analisar as ameaças e oportunidades que o mercado oferece depois de feitos estudos de concorrentes, clientes e sobre o segmento.

1. Pontos Fracos

Por ser uma empresa nova, a marca Casa Naturi ainda não possui tradição e reconhecimento, sendo que neste tipo de segmento o

tempo de atuação é levado em consideração na hora da decisão de compra.

Os clientes podem se sentir inseguros ao adquirir um produto visto que não existem muitas referenciais sobre a qualidade da empresa, sendo o marketing “boca a boca” muito utilizado na área de móveis residenciais.

Apesar de a empresa ter preços compatíveis aos do mercado, a Casa Naturi não pode competir com marcas de móveis residências tradicionais do município de São Paulo que possuam preços mais baixos.

Durante a execução da analise de mercado a empresa não constou com informações concretas sobre o número de empresas de móveis residenciais sustentáveis no Brasil e como estas estão crescendo na esfera do Estado de São Paulo. Isso dificulta a elaboração de estratégias para superar as barreiras competitivas.

Apesar de publicarmos nossos produtos na internet, e este ser um meio muito utilizado para negócios, a Casa Naturi não poderá expor seus produtos em revistas de decoração e eventos como o Casa Cor devido ao investimento inicial da empresa que não permite tal estratégia de promoção.

2. Pontos Fortes

Localização da Casa Naturi é de fácil acesso por carro ou transporte público e se localiza em um dos maiores pólos moveleiros do país

A empresa possui quesitos de vantagem competitiva que a diferenciam tanto de empresas de móveis residenciais tradicionais como de móveis sustentáveis, como por exemplo, o ecodesign e a multifuncionalidade.

O tipo de publicidade a ser usado (internet) é o tipo mais utilizado tanto pelos consumidores de móveis residências como de produtos sustentáveis quando querem procurar um produto especifico antes de irem às lojas.

Por possuirmos as certificações ISO 14001 e ISSO 9001, além de selos e rótulos ambientais, nossos processos produtivos possuem menos riscos e externalidades negativas que os processos produtivos de móveis tradicionais e até de outros produtos sustentáveis. Isso agrega a empresa maior segurança por parte do cliente ao adquirir produtos da Casa Naturi e também por parte dos fornecedores, os quais vêem suas marcas diretamente ligadas à marca Casa Naturi.

A Casa Naturi possui serviços complementares aos serviços normalmente oferecidos por empresas de móveis, como a logística reversa. Além disso, a empresa possui profissionais capacitados para a realização de todos os serviços de forma eficiente aos clientes.

Presença de profissionais formados para integrar os aspectos ambientais tanto na formação e gestão da empresa como no desenvolvimento de produtos.

As normas ISO 9001 e 14001 trazem também maior envolvimento dos funcionários, os quais se sentem parte importante do funcionamento empresarial e tornam-se mais motivados a alcançarem os resultados determinados.

A empresa conta com um produto único dentro os possíveis concorrentes (Projeto Módulo), o qual fará parte do grupo de produtos que serão “carro chefe” da produção inicial.

3. Oportunidades

O mercado de móveis possui perspectivas para crescimento durante os próximos anos, além disso, a classe B tende a centralizar o poder de consumo dos brasileiros.

Outro mercado também em crescimento é o da indústria civil, o qual está diretamente ligado com o crescimento do consumo de móveis.

Desde a década de 90 nota-se maior interesse por parte da população global pelas causas ambientais e por produtos que prejudiquem cada vez menos o meio ambiente. Além disso, a compra

de produtos sustentáveis agrega ao cliente certo status como um consumidor consciente.

O número de estabelecimentos que vendem móveis residências sustentáveis ainda não ocupa uma porcentagem relevante dentro do consumo e da produção de móveis no geral. Diante disto, a concorrência e a rivalidade entre empresas tende a ser tênue.

Ao implantar a ISO 9001 e a ISO 14001, além de trazer benefícios internos para a empresa, essas normas também trazem maior confiança aos fornecedores e benefícios mútuos entre estes dois atores. Nestas normas se inclui o ciclo PDCA 3 , o qual garante a melhoria contínua dos processos da empresa, aumentando o número de oportunidades que a Casa Naturi pode ter no decorrer do tempo.

Por possuir um produto diferenciado dentre os concorrentes a Casa Naturi pode se destacar dos demais, tendo a oportunidade de se tornar mais reconhecida no mercado.

4. Ameaças

Apesar do preço da Breton avaliado acima, os preços dos móveis tradicionais ainda são mais baixos que os móveis sustentáveis, fazendo o consumidor optar pela escolha mais acessível.

Atualmente as empresas de móveis sustentáveis ainda não possuem uma alta rivalidade, porém com o crescente aumento do número de produtos sustentáveis, este mercado tende a aumentar e surgir mais empresas fabricantes do mesmo produto.

Por ser uma empresa nova a Casa Naturi não possui uma marca conhecida no mercado, e isto pode ser uma ameaça visto que os consumidores deste tipo de produto podem optar por uma empresa mais conhecida no mercado.

7.6.1 Oportunidades de melhoria

empresa

fortalecerá sua publicidade e promoção do produto apresentando suas

Para

fortalecimento

dos

pontos

fracos

a

Casa

Naturi

a

3 O Ciclo PDCA é uma ferramenta da maioria das normas da família ISSO, e se baseia em quatro pontos:

Planejar, fazer, checar e agir.

vantagens frente aos produtos tradicionais de modo que os consumidores

saibam o que realmente integra o preço de um produto que é sustentável. Com

o aumento do consumo de produtos sustentáveis as preocupações

relacionadas a este tema se tornarão mais evidenciadas, o que pode abrir um maior leque de oportunidades para a empresa. Com relação à reputação da marca dentro do mercado, a Casa Naturi pretende atender seus clientes com qualidade e eficiência para que o marketing feito pelos clientes a outros clientes potenciais seja feito de maneira positiva. Além disso, a empresa conta com preços (ver pagina 36) compatíveis

aos do mercado, apesar de ter seu foco em diferenciação. A Casa Naturi também usará alguns de seus pontos fortes como estratégia amenizadora dos pontos fracos e ameaças. Um exemplo é o tipo de serviços oferecido pela empresa aos clientes, o qual envolve garantia, assistência técnica, logística reversa, orçamento e montagem dos produtos dentro das residências. Esses serviços trazem mais conforto e segurança ao cliente, além de criar um vínculo mais forte entre os dois. Para a formação da análise de mercado o grupo proponente teve dificuldades em encontrar fontes concretas para a análise do segmento de moveis residenciais sustentáveis devido ao tamanho do mercado que ainda

está se formando. Diante disto, procuramos cruzar as informações da pesquisa

de moveis tradicionais com a pesquisa feita para móveis sustentáveis, deste

modo organizamos os pontos em comum e integramos a analise de móveis sustentáveis dentro da análise de moveis tradicionais. Essa estratégia foi necessária para a criação de uma base para o desenvolvimento da estratégia

de marketing, plano financeiro e principais ações.

Com relação a ameaça de rivalidade a Casa Naturi pretende estar consolidada no mercado até o momento de aparição de grande número de empresas de móveis sustentáveis, além disso, a empresa poderá se destacar a partir de suas vantagens competitivas já mencionadas. Outra estratégia da empresa frente aos concorrentes é a abertura das negociações para a formação de parecerias, como por exemplo, com a Etna e o Leroy Merlin (página 85). Esse tipo de parceria, apesar de reduzir o preço de venda do produto, tem um grande impacto no mercado tendo em vista o poder de abrangência destas duas empresas dentro das classes A e B. Além disso, seria

vantajoso para a Casa Naturi ter sua marca relacionada com grandes empresas do ramo moveleiro, as quais já possuem confiança e credibilidade por parte de fornecedores e clientes. Para fortalecer nossas oportunidades a Casa Naturi tentará focar seu público-alvo, em grande parte, na classe B, visto que esta é a que mais cresce, diante também ao crescimento das classes inferiores. Com maior aumento do consumo em geral, e, principalmente, dos produtos sustentáveis, a classe b torna-se ainda mais chamativa para ser foco dos negócios, ainda mais porque esta elenca os produtos domésticos como um dos itens mais desejados para se comprar. Outra oportunidade a ser explorada é a criação de novos produtos. Com o auxílio de um designer profissional a Casa Naturi desenvolveu o protótipo de três novos produtos, sendo um deles o grande destaque (Projeto Módulo), pois não se encontra dentro da gama de produtos dos concorrentes. A empresa tem como objetivo a criação de outros produtos que se destaquem dentro do mercado e que sejam automaticamente ligados ao nome Casa Naturi. Por último, a empresa manterá seu sistema de Gestão Ambiental e de Qualidade com o intuito de melhorar a comunicação interna, assim como a integração da empresa, aumentar a eficiência dos processos, aplicar as práticas ambientais na cultura organizacional e, consequentemente, agregar valor aos funcionários, os quais serão motivados a alcançar os objetivos junto á empresa.

7.7 ANÁLISE DAS FORÇAS DO MERCADO

A metodologia usada neste presente trabalhar para avaliar a qualidade de um setor de negócio é uma ordenação de Zacarelli (1996) ao modelo de Porter. A análise é qualitativa e se baseia no preenchimento de formulários para cada uma das cinco forças do mercado: Barreiras de entrada, barreiras de saída, rivalidade, substitutos e poder de negociação (clientes e fornecedores).

7.7.1. Avaliação das barreiras de entrada De acordo com Zacarelli (1996), as barreiras de entrada referem-se a dificuldade para um empreendedor instalar uma nova empresa dentro de um setor do mercado. Essa avaliação irá se basear nos seguintes indicadores:

Tabela 12: Avaliação das barreiras de entrada

 

Avaliação

Tamanho mínimo para a empresa ser viável. Quanto maior mais difícil aparecer um novo concorrente.

3

Sofisticação tecnológica mínima para viabilizar a empresa. Quanto mais tecnologia, menor a chance de surgir outro concorrente.

2

Necessidade de identidade de marca nos produtos.

5

Reputação a ser construída perante o público geral.

5

Complexidade na formação da rede de distribuição dos produtos/serviços

2

Disponibilidade de fontes de insumos para novas empresas

3

Normas governamentais restringindo a entrada no negócio.

3

Retaliação esperada

2

Dificuldade para clientes mudarem de fornecedor

4

De acordo com análise de setor já apresentada, foi explicado que no Brasil a maioria das empresas é de micro ou pequeno porte, e representam cerca de 67% da receita dentro do setor moveleiro. Porém, apesar de serem bem sucedidas dentro do mercado as empresas de grande porte possuem mais oportunidade de publicidade de seus produtos e atuam dentro de um público-alvo mais abrangente. Sendo assim, as empresas de grande porte são mais “chamativas” dentro do mercado moveleiro, e isso pode representar uma dificuldade ás micro e pequenas empresas. Já com relação à inovação tecnológica do setor, este é um mercado que depende de poucas máquinas para seu funcionamento, além de estas serem mais acessíveis financeiramente que o maquinário usado em outros setores. O

mercado moveleiro, ao contrário do mercado automobilístico, por exemplo, não possui como diferencial a inovação tecnológica, mas sim do design e do tipo de matéria prima utilizada. Os dois itens com maiores barreias são relacionados a marca e sua reputação frente aos clientes. No mercado moveleiro, quanto mais tempo uma empresa esta no ramo, mais sucesso ela terá, visto que a idade da empresa é relacionada a confiança dos clientes e qualidade dos produtos. Diante disto, apesar dos processos da Casa Naturi possuírem normas de gestão de qualidade, a identidade inicial da empresa será fraca frente a empresas com a mais tempo no mercado. Outro ponto de causa da fraqueza da marca inicialmente é a falta de recursos financeiros para a promoção da marca em eventos como o Casa Claudia, Craft e Museu da Casa Brasileira. As fontes de insumos e a legislação se mostram como dificuldades a entrada de novos negócios no mercado de moveis sustentáveis. Os insumos naturais ou reciclados são mais caros e não possuem pontos de distribuições acessíveis a todas as regiões devido a fraca demanda por estes. A Casa Naturi, por exemplo, compra dois tipos de matérias primas de fornecedores fora do estado de São Paulo para o desenvolvimento de seus produtos, sendo que para esses dois materiais os pontos de venda são únicos no Brasil. Já a legislação, apesar de não definir o conceito de produto sustentáveis, permeia toda a construção do negócio, como no caso da utilização de mão-de-obra decente aos trabalhadores, tratamento de resíduos e despejo adequado dos materiais. Além disso, existem as normas ISO 9001 e ISO 14001 que possuem foco nos processos do negócio, porém exigem dedicação da equipe envolvida, recursos financeiros e integração de toda a empresa. Com relação à concorrência, esta não apresenta nenhuma estratégia de grande efetividade sob os novos entrantes, visto que esse mercado amplia sua gama de clientes ao vender produtos de qualidade e que tenham garantia após a compra. Por último, pelos fornecedores não serem abundantes, ao encontrar um bom fornecedor para certa matéria prima, o cliente passa a depender deste, visto que seria difícil encontrar outro com fornecedores, principalmente em

casos de crises ou problema de logística que impeçam a entrega do material para a produção dos moveis, podendo afetar a qualidade do produto final.

7.7.2. Avaliação das barreiras de saída

De acordo com Zacarelli (1996), as barreiras de saída são empecilhos que dificultam a saída das empresas do mercado e o encerramento de suas atividades, essa barreira diminui o número de competidores dentro do setor.

Tabela 13: Avaliação barreiras de saída

 

Avaliação

Número de concorrentes no mercado

2

Recuperação dos investimentos

2

Despesas com fechamento por indenizações, obrigações legas, multas e etc.

1

Restrições legais que impedem ou dificultam o fechamento deste negócio

1

Serviço de logística reversa

2

Com relação ao número de concorrentes, o mercado de móveis sustentáveis, apesar prometer crescer cerca de 6% por ano até 2020, atualmente se encontra bem menor que o mercado de móveis tradicionais. Devido a isso, a barreira de concorrentes não seria determinante, visto que o número de concorrentes não é definido. Para a barreira de recuperação de investimento a nota foi dois, ou seja, fácil, visto que, apesar de o projeto estar sujeito a provação do financiador, a Casa Naturi apresenta um plano financeiro baseado em suas projeções de venda e produção que cobre seu investimento inicial depois de certo tempo. Além disso, o mercado de móveis apresenta crescimento desde a década de 1990, com exceção da crise financeira de 2008.

As restrições legais e as despesas para fechamento, a nota foi 1, pois nenhum destes itens é muito relevante para o encerramento das atividades de uma pequena ou micro empresa limitado de móveis sustentáveis. A última barreira e a mais difícil da Casa Naturi é a logística reversa, visto que a empresa se compromete com esse serviço para todos os seus produtos. Seria necessária a elaboração de uma estratégia que sirva de “cobertura” em caso de encerramento da empresa para que os clientes não sejam prejudicados por qualquer externalidade.

7.7.3. Avaliação da Rivalidade

Fizemos um estudo dos principais concorrentes da Casa Naturi na esfera Estado de São Paulo, e estes concorrentes fabricam e vendem móveis residenciais sustentáveis. Segundo Zacarelli a Análise da Rivalidade trata da intensidade da competição entre as empresas existentes no mercado. A lista de aspectos a considerar não inclui características pessoais dos dirigentes, a estrutura do negócio é suficiente para determinar o nível de rivalidade.

Tabela 14: Avaliação da Rivalidade

Concorrentes todos equilibrados. Em geral, quanto mais similares entre si forem os competidores, maior será a rivalidade entre eles.

4

Taxa de crescimento do mercado. Nos mercados que crescem lentamente existe alta rivalidade entre os concorrentes.

3

Custos fixos relativos. Quanto maior o custo fixo em relação ao custo variável, maior a disputa para vender mais.

2

Excesso de capacidade. Quanto maior a capacidade ociosa, maior a disputa.

3

Diferenciação do produto ou marca. A falta de diferenciação de características do produto ou da marca aumenta a rivalidade.

5

Módulo mínimo de crescimento da capacidade. Se esse módulo for grande, quem aumentar a capacidade precisa lutar para aumentar sua participação no mercado.

2

45

Barreira de saída. Quanto maior a dificuldade de encerrar as atividades de uma empresa, mais as empresas disputam a sobrevivência.

1

O primeiro item alega que quanto mais similares forem os concorrentes,

maior será a rivalidade entre eles, no caso da Casa Naturi isso não ocorre

facilmente visto que os produtos Casa Naturi apresentam requisitos de inovação específicos, como o ecodesign e multifuncionalidade.

O mercado moveleiro sustentável no Brasil promete crescer 6% ano até

2010, diante disto, inicialmente o crescimento do mercado não será um indicador relevante para avaliar a rivalidade. Em relação aos custos fixos e variáveis da Casa Naturi em comparação aos concorrentes, não alteram de forma significativa ao preço de venda do produto, desta forma os produtos dos concorrentes e da Casa Naturi não são altamente distintos. Com relação a diferenciação dos nossos produtos, a rivalidade será baixa, pois diferentemente dos concorrentes, a Casa Naturi possui a peculiaridade de ter como principio a multifuncionalidade em seus produtos, utilização de matérias-prima 100% renováveis e a sustentabilidade empresarial.

7.7.4. Avaliação dos Substitutos

Os substitutos da Casa Naturi são os moveis convencionais e atualmente o setor convencional ainda domina o mercado, já que olhando unicamente pelo lado lucrativo, a produção é mais viável e mais barata. Sendo assim, o desafio da Casa Naturi é mostrar para o mercado, que a utilização de materiais de baixo impacto ambiental na produção de moveis, pode trazer retorno financeiro em médio prazo e essa estratégia pode enriquecer muito a imagem da empresa. De acordo com Zacarelli (1996), a avaliação dos substitutos existentes, são aqueles que trazem outro tipo de empresa para a competição no mercado, reduzindo a qualidade do negócio. Os aspectos a serem avaliados são:

46

Tabela 15: Avaliação dos Substitutos

 

Avaliação

Preço/benefício do substituto comparado ao do produto em avaliação

 

5

Custo

da

mudança

que

um

cliente

tem

que

passar

ao

usar

o

 

produto/serviço substituto

 

3

Comparação da confiabilidade e funcionalidade do substituto com o atual

4

Propensões afetivas dos clientes

 

3

Comparação por segmento de mercado

 

2

De acordo com a Tabela 15, o item “Preço/Beneficio”, recebeu pontuação 5 visto que os produtos dos substitutos, apesar de não integrarem as externalidades, possuem um preço de venda menor que o da Casa Naturi e as mesmas funcionalidades primárias.

O item “Custo de Mudança de um cliente”, recebeu pontuação 3, já que

em alguns tipos de moveis sustentáveis o cliente irá pagar mais em relação ao

convencional. Porem, essa comparação é relativa, depende do nível de empresa convencional que se compara. Em relação ao item “Comparação da confiabilidade e funcionalidade do substituto com o atual”, a Casa Naturi ganhou pontuação 5, já que essa e uma das barreiras mais difíceis a serem destruídas. O comprador que está acostumado a comprar móveis convencionais possui uma grande dificuldade para mudar para o ecológico, por questões de tradição, aparência e qualidade.

A Casa Naturi em relação ao item “Propensões efetivas dos Clientes”,

ganhou 4, já que apenas uma pequena parte dos clientes possui alguma

tendência afetiva em relação a moveis ecológicos. A classe que a Casa Naturi pretende atingir em peso são os jovens casais, porque estes possuem uma consciência maior em relação as questões ambientais, que podem refletir na decoração de seus novos apartamentos.

E por ultimo, o item “Comparação por segmento de mercado”, a Casa

Naturi, ganhou pontuação 3 pelo fato de que ao comprar um produto “verde” a

pessoa sente que está fazendo algo para mudar o mundo e esta atitude pode mexer com o estado emocional e afetivo que ela cria com aquele produto. É

necessário que haja melhor divulgação dessas alternativas e que ocorra o surgimento de mais empresas com essa visão, para que a sociedade comece a enxergar os benefícios dessa troca. O último item destaca um ponto positivo a Casa Naturi visto que ao afunilar os produtos por segmento a Casa Naturi não possui substitutos fortes, pois as características de sustentabilidade e multifuncionalidade não são fáceis de serem encontradas em um produto.

7.7.5. Avaliação do Poder de Negociação

Este item foi avaliado de acordo com o poder de negociação de cada ator: fornecedor e clientes, baseando-se em indicadores apresentados em suas respectivas tabelas.

7.7.5. i) Avaliação dos Fornecedores

A empresa Casa Naturi é especializada na produção de móveis residências sustentáveis e trabalha com empresas que forneçam materiais de qualidade e que possuam valores éticos e ambientais. Através da relação com os nossos fornecedores, podemos garantir total qualidade de nossos produtos além de negociar um preço justo aos nossos clientes. Devido a isso, a Casa Naturi trabalha com serviços de encomenda, o que envolve um prévio orçamento sem compromisso, entrega do produto na residência e a montagem do mesmo. Esse orçamento será definido a partir do preço dos materiais utilizados, a quantidade de produtos, o tamanho exigido e a localização da residência. Segundo Zacarelli (1996), a avaliação dos fornecedores e feita através da avaliação e da comparação com o fornecedor-comprador identificando quem tem maior poder de negociação. Em seguida avalia-se a distribuição do lucro agregado entre os diversos tipos de empresas participantes daquela cadeia de fornecimento.

Tabela 16: Avaliação dos fornecedores

 

Avaliação

Alternativas para transacionar

4

Datas limites

3

Volumes Relativos

5

Possibilidade de "blefe" no decorrer das negociações

3

Disposição para negociar

4

De acordo com a tabela 16, o item “Alternativas para transacionar” recebeu pontuação 4, porque o segmento em que a Casa Naturi atua possui poucos compradores, visto que o numero de empresas de moveis sustentáveis ainda representa uma parcela pequena do numero de empresas de móveis no geral.

O item “Datas Limites”, recebeu pontuação 3, porque a Casa Naturi

possui estoque de segurança em sua produção e seus produtos não são de natureza perecível, sendo assim, este item deixa equilibrado o quesito de data limite, visto que os dois atores possuem certa dependência entre eles. Em relação ao item “Volumes Relativos”, a empresa ganhou pontuação 5, porque de uma hora para outra poderemos transacionar para outro fornecedor se um outro fornecedores atender nossas expectativas de melhor forma na forma de promoções ou outros benefícios. Já os fornecedores poderão transacionar no caso da abertura de uma empresa nova ou uma grande expansão de uma empresa já existente.

A Casa Naturi em relação ao item “Possibilidade de blefe”, ganhou

pontuação 3, porque tanto a empresa quanto os fornecedores na hora da compra e venda da matéria prima poderão usar de alternativas para negociação. E por fim, no item “Disposição para negociar”, a Casa Naturi levou pontuação 4, pois a empresa necessita de preços baixos para conseguir vender seus produtos e aumentar sua atividade no mercado.

7.7.5. ii) Avaliação dos Clientes

Para análise do setor de móveis sustentáveis, em relação aos clientes, foi utilizada a tabela abaixo (tabela 8). A pontuação distribuída variou de 1 a 5, onde um significa que a empresa ficou com “migalhas” e cinco com o “leão”.

Tabela 17: Avaliação do poder nas negociações: Clientes

Alternativas para transacionar. Leva vantagem quem tiver maior número de alternativas. Poucos compradores e muitos vendedores dão vantagem aos compradores e vice -versa.

1

Datas limites. Quem tem uma data limite para fechar a negociação porque o produto ou não é estocável, ou é perecível, ou tem prazos rígidos leva desvantagem na negociação, principalmente quando se aproxima do prazo final.

3

Volumes relativos. Quem transaciona frequentemente pequenas quantidades leva vantagem na negociação sobre quem transaciona grandes quantidades de uma vez só

4

Possibilidade de "blefe" no decorrer das negociações

3

Disposição para negociar. Quanto maior for a porcentagem de custo total decidido na negociação, maior será a disposição e empenho dos negociadores para levar vantagem.

3

Com relação aos clientes a Casa Naturi não tem muito poder de negociação, pois os clientes podem substituir os produtos por outros substitutos que atendem suas necessidades primárias. Porém, quando ocorre esta transição ela é feita por pequenas quantidades, visto que para todas as empresas de móveis os clientes precisam criar confiança com a marca e se a escolhem dificilmente a trocam se esta continuar atendendo suas necessidades. Com relação ao blefe, ambas as partes possuem poder, pois a empresa quer conseguir um preço mais alto positivo e os clientes querem alcançar o menor preço possível. Isso também acontece para as datas limites os clientes precisam entender que a empresa necessita de um prazo mínimo para a produção dos produtos por encomenda e os clientes também precisam do produto no prazo mais curto possível.

7.8. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO NEGÓCIO EM SI

Este capítulo busca, a partir na análise feita das forças do mercado, concluir se o setor e o segmento de negócio da Casa Naturi são considerados de qualidade boa. A partir disto ainda será usada a metodologia de Zaccarelli (1996), o qual, após de preenchido, auxiliou o desenvolvimento do seguinte quadro:

 

BOM NEGÓCIO

 

MAU NEGÓCIO

 

5

4

3

2

1

 

1

Barreiras de entrada

Alto

         

Baixa

2

Barreiras de saída

Baixo

         

Alta

3

Rivalidade

Pequeno

         

Grande

4

Produtos substitutos

Nenhum

         

Vários

 

Poder de

Forte

         

Fracos

5

negociação

 

A partir do quadro acima nota-se que o setor em que se encaixa a Casa Naturi é considerado bom devido às notas obtidas pelos seus indicadores de forças de mercado. Os pontos positivos do negócio são as barreiras de entrada, barreiras de saída e o poder de negociação, sendo que o item rivalidade se encontra equilibrado. Porém, a grande fraqueza do negócio são os substitutos (móveis tradicionais), pois o mercado de móveis sustentáveis ainda não integra uma grande parcela do mercado de móveis tradicionais e a demanda, apesar de estar crescendo, não é suficiente para igualar a situação dos móveis tradicionais com os móveis sustentáveis. Já as barreiras de entrada e saída criam um bom ponto forte para a Casa Naturi, que limita os novos entrantes e facilita o encerramento das atividades quando necessário sem grandes impactos nos clientes.

8. ESTRATÉGIA DE MARKETING

As premissas do presente Plano de Marketing foram baseadas em KOTLER e ARMSTRONG (2007) e explicará como os produtos serão comercializados a partir de propagadas e promoções.

8.1 Produto

Os produtos da Casa Naturi são baseados nos conceitos de ecodesign, os quais, segundo LAVILLE (2009), se baseiam na funcionalidade dos produtos, diminuição das externalidades negativas e expansão das positivas e agregar aspectos ambientais em todas as etapas do processo de produção até a venda do produto. A Casa Naturi também trabalhará com materiais ecológicos 4 , outra disparidade da indústria moveleira tradicional. Esse processo faz com que diminuamos o consumo de recursos, visto que alguns deles já são reciclados, e restrinjamos nossos impactos negativos na sociedade, trazendo para a empresa uma imagem positiva frente aos clientes. Outro diferencial da Casa Naturi é a busca pela multifuncionalidade dos produtos, ou seja, ao adquirir um único produto, este poderá ser usado para mais de uma função, diminuindo o espaço normalmente utilizado assim como o uso de recursos naturais. De acordo com Castro e Oliveira (2008), móveis sustentáveis são aqueles feitos de material natural e de origem adequada, e estes independem da estética que possuem. Os autores também afirmam que os aspectos como versatilidade e multiuso fazem parte deste conceito de sustentabilidade, visto que junto á inovação trazem opções para a decoração moderna. Já Malaguti (2005), apesar de acreditar na sustentabilidade afirma que não existem produtos ecologicamente corretos, visto que para a produção de um novo produto o meio ambiente será impactado de alguma forma. Porém, é considerado como produto sustentável aquele que segue premissas como ciclo de vida circular, o qual promove a reutilização de materiais, funcionalidade do

4 Materiais que possuam menos impacto ambiental que os tradicionais (MANZINI e VEZZOLI, 2002)

produto, ecodesign e as trocas compensatórias. A autora afirma que troca compensatória é uma análise feita sobre os impactos ambientais e seus aspectos, onde o produtor escolhe o aspecto que menos oferece impacto e mais benefícios. Por último, Manzini e Vezzoli (2002), trazem como conceito de produtos sustentáveis o uso de recursos renováveis, otimização do emprego dos recursos não renováveis e eco-eficiência 5 . Além disso, os autores propõem estratégias para diminuir o uso de recursos e de embalagem como forma de diminuir o custo do produto. Porém, na definição de produtos sustentáveis, o conceito de Manzini e Vezzoli difere por afirmar que um produto sustentável deve ser capaz de sobreviver ao ambiente globalizado, e que estes produtos devem ser superiores aos tradicionais, ou seja, carregar preceitos como tradição e suas próprias premissas. A Casa Naturi conta com oito produtos no total, sendo eles: mesa, criado-mudo (Imagem 7), Projeto Módulos (Imagem 8), cama, sofá (Imagem 9), poltrona, cadeira e rack. Os produtos serão fabricados na fábrica/galpão, localizada na Avenida Interlagos, e será oferecido aos clientes no próprio galpão, onde será a loja Casa Naturi. Imagem 7: Criado-mudo

onde será a loja Casa Naturi. Imagem 7: Criado-mudo Fonte: João Ruben Sammarco de Oliveira, 2010

Fonte: João Ruben Sammarco de Oliveira, 2010

5 Relação entre o valor de um produto e o seu impacto ambiental

O móvel acima pode ser usado como mesa ou como criado-mudo, dependendo da necessidade do usuário. Ao permanecer fechado, como mostra a primeira figura da direita pra esquerda, o móvel terá as dimensões de 50cmx50cm e, devido a isso terá altura para ser utilizado ao lado de camas ou poltronas. Já na segunda figura da direita pra esquerda, poderá ser utilizado como mesa de apoio para computadores ou na hora das refeições. Já a última imagem é o produto embalado, nota-se, portanto, que a embalagem se adéqua as formas do produto, e este acaba fazendo parte do transporte do produto já embalado. O material utilizado para a produção do Criado-Mudo é madeira de demolição e tamburado, já que este último apresenta leveza em seu peso, facilitando o transporte e o manuseio.

Imagem 8: Projeto Módulos

o transporte e o manuseio. Imagem 8: Projeto Módulos Fonte: João Ruben Sammarco de Oliveira, 2010

Fonte: João Ruben Sammarco de Oliveira, 2010

O Projeto Módulos é um dos pontos fortes da empresa, visto que dentre os produtos dos concorrentes, este é um produto único da Casa Naturi e apresenta medidas de médias de 50cmx45cm. O cliente pode escolher a quantidade de módulos necessários, e poderá combiná-los de diversas formas.

Na imagem acima o Projeto Módulos é usado como um jogo de mesas e cadeiras em sua primeira perspectiva, e na parede ele é apresentado como estante ou nichos para a organização de materiais. Este produto também é de fácil movimentação e pode ser guardado empilhando os módulos de forma a ocupar o menor espaço possível. Os módulos poderão ser feitos a partir de tamburato, madeira ecológica ou madeira certificada, além do uso de tintas e vernizes a base de água (ver capítulo sobre matéria-prima).

Imagem 9: Sofá

água (ver capítulo sobre matéria-prima). Imagem 9: Sofá Fonte: João Ruben Sammarco de Oliveira, 2010 O

Fonte: João Ruben Sammarco de Oliveira, 2010

O sofá apresentado acima também tem como ferramenta principal a

estrutura de módulos, visto que pode ser combinado de diversas maneiras. Na

sua perspectiva do fundo o sofá se apresenta de forma tradicional tendo como função um objeto de descanso e como valor ampliado um objeto de conforto. (KOTLER, 1998). Na primeira perspectiva os dois encostos laterais do sofá estão abaixados, e estes são transformados em mesas de apoio quando for necessário. Nota-se também que os dois assentos laterais se locomovem e de maneira a formarem dois assentos separados, dando um novo formato à estrutura da sala.

O sofá possui as dimensões de 2,1mx0,70m e é produzido a partir de

madeira certificada ou de demolição, espuma ecológica e tecido de pet.

Os móveis apresentado acima foram feitos com o auxílio de João Ruben Sammarco de Oliveira, aluno do 6° semestre do curso de Design Industrial do Centro Universitário SENAC. No primeiro mês de funcionamento a casa Naturi investirá R$9860 em matéria prima para fabricação de seus móveis, referente à quantidade a ser produzida, que podem ser observadas na tabela abaixo (tabela 19).

Tabela 19: Quantidade inicial de matéria prima

Produto

Mesa

Criado Mudo

Módulos

Cama

Sofá

Poltrona

Cadeira

Rack

TOTAL

Quantidade

2

5

5

2

5

2

4

2

27

Preço de Custo

R$ 320

R$ 160

R$ 420

R$ 430

R$ 620

R$ 330

R$ 160

R$ 530

R$ 2.970

TOTAL

R$ 640

R$ 800

R$ 2.100

R$ 860

R$ 3.100

R$ 660

R$ 640

R$ 1.060

R$ 9.860

A produção dos meses seguintes será dependente das vendas do mês

anterior. Ou seja, a empresa fabricará seus móveis de acordo com a demanda, portanto, caso a quantidade produzida não seja vendida, ela ficará no estoque da empresa para ser vendida no mês seguinte. No plano financeiro é possível visualizar a projeção mensal de vendas do primeiro ano de exercício da casa Naturi. No primeiro ano a Casa Naturi produzirá 213 móveis, no ano seguinte ela planeja produzir aproximadamente 255 produtos, obtendo uma receita de R$255.594, ou seja, um aumento de 20% sobre o primeiro ano. Para isso planeja-se fortalecer parcerias com fornecedores e conquistar mais clientes. As estratégias para tal estão descritas no plano financeiro

8.2 Promoção

A Casa Naturi irá empregar campanhas de propaganda e promoção com

objetivos de consolidar sua marca no mercado, estimular as vendas dos produtos e conquistar e informar os fornecedores a fim de solidificar parcerias com estes. As táticas de promoção e publicidade definidas para a apresentação da

A publicidade por meio da mídia online será realizada através de banner,

malas diretas virtuais, que consistem no envio de e-mails informativos ou promocionais a um grande número de pessoas, e sites de relacionamento. Segundo BNDES e BUNGE (2001), tal tática possui alto grau de credibilidade,

alta capacidade de segmentação e alcance. O tempo de reação funciona em curto prazo e a capacidade de reforçar a marca é grande. Portanto ela seria utilizada para atrair o público alvo, possíveis clientes, consolidar a marca e exibi-la aos fornecedores. Visto que, segundo Antonioli (2010), 97% das empresas utilizam a internet e conforme Avellar e Duarte (2010), 87% da população brasileira possui acesso à internet. Além disso, segundo a Análise de Mercado já apresentada, os consumidores de móveis residências e produtos sustentáveis utilizam a internet como principal meio de busca por produtos antes de irem pesquisar nas próprias lojas. O marketing direto consiste principalmente no envio de cartas, panfletos entre outros via correio a um público previamente selecionado. Esta tática traz algumas vantagens, além de ser possível segmentar bem o público-alvo, de o tempo de resposta ser baixo e de contribuir para a o alto grau de credibilidade, ela pode ser útil para passar mensagens explicativas, que seriam importantes para a descrição da missão da loja e dos produtos aos stakeholders. Nos eventos/convenções pretendemos divulgar os produtos da Casa Naturi, como por exemplo, na Bienal do Design, que é uma convenção onde são apresentadas as novidades do mercado do design do Brasil e do mundo. Neste evento inúmeras empresas aproveitam para divulgar seus produtos para o público. Outro exemplo é a Casa Cor, onde diversas empresas do ramo promovem suas inovações no setor, além de trazer temas como sustentabilidade para seus eventos.

8.3 Preço

. A definição do preço de venda é baseado na estrutura de custos (matéria prima e mão de obra), características dos produtos e preço praticado pela concorrência. Na tabela 20 é possível verificar o preço de custo de cada móvel produzido. Tabela 20: Preço de custo dos móveis Casa Naturi

Produto

Mesa

Criado Mudo

Módulos

Cama

Sofá

Poltrona

Cadeira

Rack

Preço de Custo

R$ 320

R$ 150

R$ 420

R$ 430

R$ 620

R$ 330

R$ 160

R$ 530

Após a definição do preço de custo é possível compor o preço de venda. Diante disto, os produtos Casa Naturi vão agregar o seguinte preço de venda 6 comparado aos seus concorrentes:

Tabela 21: Preço de venda dos produtos Casa Naturi

Galeazz Milênio Nadalini     Casa

Galeazz

Milênio

Nadalini

   

Casa

o

A2

Breton

Design

Móveis

Móveis

Naturi

Criado-mudo

630

500

135

450

2773

510

Sofá

3460

2224

-

-

3000

2015

Cama

2548

2538

-

-

3423

1790

Mesa

3950

2000

1842

900

2702

1320

Poltrona

2350

2400

2100

-

3107

750

Cadeira

845

600

253

175

1036

380

Projeto

         

1200

módulos

-

-

-

-

-

Rack

2598

2396

1936

1320

3233

1930

Os preços de venda podem ser alterados de acordo com a disponibilidade de matéria prima e as questões de oferta e demanda do próprio mercado. A empresa Breton é fabricante de móveis residenciais tradicionais, e o preço de venda de seus produtos serve como comparativo ao mercado de móveis residenciais tradicionais, visto que a empresa é médio porte e oferece produtos a classe A/B de São Paulo. Nota-se que apesar de o preço da Breton ser maior que o preço da Casa Naturi, mesmo assim a empresa não poderá competir com empresas de móveis de preços mais acessíveis tendo em vista o custo para a produção unitária de seus produtos. Além disso, a Breton está no mercado moveleiro há mais tempo e, portanto possui mais credibilidade frente aos consumidores. Já ao comparar a Casa Naturi aos outros concorrentes diretos pode-se ver que o preço de venda de seus produtos não destoa muito dos preços referenciais, sendo este um ponto forte e uma oportunidade para a empresa entrar no mercado.

6 Preço dado em reais.

Como elencado na análise SWOT, uma das ameaças e ponto fraco da Casa Naturi é o preço de seus produtos dentro do mercado de móveis tradicionais, visto que grande parte da população ainda não tem conhecimento dos aspectos ambientais que devem ser considerados ao desenvolver o preço de um produto sustentável. Diante disto, a única comparação feita ao comprar um produto é seu preço de venda, e não seus aspectos de produção e desenvolvimento. Para isso a Casa Naturi possui como estratégia a apresentação aos consumidores, fornecedores e contribuintes as vantagens em se obter um produto sustentável, e como esta vantagem pode perdurar durante mais tempo que a vantagem de um produto tradicional. Além disso, a empresa conta com o aumento de conscientização dos consumidores para elevar o valor agregado à marca e, consequentemente, ganhar maior confiabilidade no mercado. Por final, adotaremos o tipo de estratégia genérica de diferenciação, ou seja, nossa vantagem competitiva será a multifuncionalidade dos produtos, o uso de matérias-primas alternativas e o ecodesign e isso nos deixará bem posicionado frente aos outros concorrentes,.

8.4 Praça

O show room e a fábrica estarão localizados no mesmo local: Avenida

Interlagos na zona sul de São Paulo, bairro de Interlagos, entre os distritos de Cidade Dutra e de Socorro.

O distrito onde se localiza Interlagos possui total de 191.389 habitantes e

seu Índice de Desenvolvimento Humano - EDH esta próximo de 0,815, que é considerado um numero elevado. A escolha do local foi baseada principalmente no custo benefício localização, vizinhança, fácil acesso e logística, visto que a loja se encontra próxima a Avenida Nações Unidas que tem como continuação a Marginal Pinheiros, avenida de fácil acesso para quase todos os pontos de São Paulo. Interlagos é um dos bairros que contem um grande numero de população de classe média e alta, porém ainda é carente de infraestrutura

urbana, no momento possui apenas linha C (Osasco Jurubatuba) e a linha F (Brás-Calmon Viana).

A Avenida Interlagos é considerada como comercial e empresarial, pois engloba diversas empresas de grande porte, como a AVON, Leroy Merlin, C&C

e os shoppings Interlagos e Interlar (shopping de móveis e artigos para casa). Apesar de ser uma rua comercial, está situada em um bairro residencial, onde vive, predominantemente, uma parcela da população das classes A, público alvo da Casa Naturi. Outro fator importante a ser citado é que a região de Interlagos é muito conhecida pelo Autódromo de Interlagos. Nesse autódromo são realizadas as principais competições de Automobilismo do Brasil, além de ser conhecido internacionalmente por sediar a etapa do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1, atualmente sendo o único de toda a América Latina no calendário do campeonato. A Avenida Interlagos também se localiza perto de nossos fornecedores, visto que os principais localizam-se em São Paulo e apenas dois complementares se localizam fora do estado de São Paulo.

9. PLANO OPERACIONAL

O Plano Operacional representa como a Casa Naturi pretende operar, gerenciar seus negócios, distribuir e controlar seus produtos. Para que isso aconteça de forma satisfatória aos nossos clientes, também iremos detalhes

nossa matriz de responsabilidade definindo as funções dos nossos funcionários

e a importância dos mesmos para a empresa.

9.1 Matriz de Responsabilidade

Nossa matriz foi baseada a partir de nossa estrutura organizacional, a qual conta com os cargos que afetam diretamente a produção da Casa Naturi.

Tabela 22: Matriz de Responsabilidade

CARGO

RESPONSABILIDADES

QUALIFICAÇÕES

 

Responsável pela elaboração das principais estratégias da empresa, seleção de pessoal, busca por inovações, administrar os outros eixos da empresa

Formado em Administração, três anos de experiência no ramo, dinâmico, comunicativo, responsável, conhecimento avançado do Pacote Office

Gestor

 

Elaboração do desenho de novos produtos e busca por materiais mais ecológicos.

Formado em Design Industrial, dois anos de experiência no ramo, conhecimento avançado em Rhinoceros.

Designer

 

Monitorar a IS0 9000 e treinar os funcionários para saúde e segurança no trabalho

Certificado em cursos de IS0 9000, 14000 e OHSAS, habilidades para treinamento de funcionários.

Técnico de Qualidade

 

Organizar tarefas relacionadas ao orçamento, notas ficais, pagamentos internos e externos e outras tarefas administrativas.

Cursando bacharel em administração ou técnico de administração, conhecimento do Pacote Office, flexibilidade, disponibilidade mínima para 6 horas

Assistente financeiro

   

Formado em Engenharia ou cursos especializados em logística, conhecimento da cadeia produtiva moveleira, técnicas de controle de estoque e distribuição de produtos.

Assistente de

Administrar os

recursos,

logística

equipamentos, máquinas, estoques, transporte e distribuição dos produtos.

   

Cursando qualquer curso de graduação ou escola técnica, maiores de 18 anos, disponibilidade mínima de 6 horas, conhecimento avançado do Pacote Office.

Assistente/Estagiário

Dar suporte a qualquer uma das áreas da empresa.

   

2° Grau completo e quatro anos de experiência na área

Operários

Produção dos móveis

 
 

9.2 Descrição das Unidades Físicas

A Casa Naturi contará com 1 unidade física, sendo esta divida entre galpão industrial, escritório administrativo e show room dos produtos. Devido à otimização da nossa logística, contaremos com um espaço de 150m² no total, que representará um escritório, um galpão fabril e um espaço para exposição dos produtos. Essa unidade será equipada com estacionamento de 4 vagas, mapa de risco, equipamentos no caso de emergências, além de ser de fácil acesso pela Avenida Interlagos, São Paulo. Teremos como localização inicial o bairro de Interlagos na Zona Sul de São Paulo (Imagem 10).

Imagem 10: Localização do galpão fabril e escritório da Casa Naturi

Localização do galpão fabril e escritório da Casa Naturi Fonte: Google Earth, 2010 9.3 Produção A

Fonte: Google Earth, 2010

9.3 Produção

A Casa Naturi produzirá seus móveis a partir de prévias encomendas e também pela sua produção padrão, no caso dos produtos encontrados no show room. No grupo dos produtos por encomenda podemos citar os sofás, camas e os racks, os quais variam de acordo com as necessidades dos clientes, tamanho dos móveis e preferências por modelos. Já os produtos encontrados na loja são as cadeiras, mesas, criado-mudo, mesa de centro e poltronas, os quais possuem um processo mais padronizado e não dependem de dimensões especificas para serem desenvolvidos. Para compreender melhor o processo produtivo da Casa Naturi e reconhecer os erros durante os procedimentos, a empresa fará o controle dos produtos por processo, pois este engloba as entradas e saídas de móveis. Seguem abaixo os dois processos da Casa Naturi incluindo os serviços oferecidos aos clientes ao escolherem a empresa:

Imagem 11: Produção por encomenda

Imagem 11: Produção por encomenda Imagem 12:Produção para estoque No caso da Imagem 11, produção por

Imagem 12:Produção para estoque

Produção por encomenda Imagem 12:Produção para estoque No caso da Imagem 11, produção por encomenda, o

No caso da Imagem 11, produção por encomenda, o processo se inicia a partir da procura do cliente, o qual nos informa sobre suas necessidades e produtos escolhidos. Para que o produto desejado possa ser produzido, a Casa Naturi extrai as dimensões necessárias da residência ou aquelas que o cliente haja adequada. A partir disso, elaboraremos um orçamento junto aos dados de matéria-prima, localização da residência, quantidade e tamanho.

63

Se o cliente aceitar o orçamento proposto a Casa Naturi definirá um projeto inicial para ser seguido durante toda a etapa de desenvolvimento do produto. É nesta etapa que, quando necessário, entraremos em contato com os fornecedores sobre os materiais utilizados. Entre a etapa de projeto e produção a Casa Naturi recebe 10% do total como entrada, pois é uma forma de se assegurar diante possíveis externalidades. Os operários serão informados sobre os produtos e as exigências dos clientes para darem início a produção. Ao término do produto o mesmo é embalado e definido como “pronto para entrega”. Por termos um serviço de entrega terceirizado, nas últimas etapas da produção entramos em contato com a empresa de serviço e agendamos a data e o endereço de destino. Ao entregar o produto, um profissional da Casa Naturi será responsável pela montagem dos móveis nas residências e por informar ao cliente sobre técnicas de conservação e manuseio. Isso é necessário, pois a manutenção correta dos produtos garante a qualidade e a duração do produto, assegurando sua funcionalidade. Já o processo de produção para lojas e estoques (Imagem 12) se iniciará a partir de um cálculo sobre os materiais necessários para atingir a produção desejada. Após o contato com os fornecedores sobre a disponibilidade dos materiais necessários e a chegada dos mesmos no estoque da Casa Naturi, o departamento de marketing e venda informará aos operários sobre o que deve ser produzido e a partir de quais materiais. Após a finalização do produto o mesmo poderá ir para o estoque, para suprir demandas futuras, ou ir direto para loja para necessidades mais prioritárias.

9.4 Matéria - Prima

A Casa Naturi possui como banco de matérias-prima básicas para confecção de seus produtos os seguintes materiais seguidos de suas aplicações, descrição e diferencial ambiental:

Ecomosaico

 Ecomosaico Fonte: Fatto a Mano, 2010 móveis. Descrição: Mosaico feito de material reciclado que utiliza
 Ecomosaico Fonte: Fatto a Mano, 2010 móveis. Descrição: Mosaico feito de material reciclado que utiliza

Fonte: Fatto a Mano, 2010

móveis.

Descrição: Mosaico feito de material reciclado que utiliza o resíduo eliminado

marmorarias.

paredes

Aplicação:

revestimento

de

e

decoração

de

de

pelas máquinas de

Diferencial ambiental: economia e reuso da água na sua produção -

gestão de resíduos.

corte

Selador stain a base de água

de resíduos. corte  Selador stain a base de água Fonte: Leroy Merlin, 2010 Aplicação: Proteção

Fonte: Leroy Merlin, 2010

Aplicação: Proteção para madeira Descrição: Produto sem odor, isento de COVs (compostos orgânicos voláteis) Diferencial ambiental: substitui os similares convencionais à base de

65

solventes voláteis, não agride a camada de ozônio e garante a boa qualidade interna do ar.

Tinta colaza eco-paint clarus

qualidade interna do ar .  Tinta colaza eco-paint clarus Fonte: Leroy Merlin, 2010. Aplicação: Descrição:

Fonte: Leroy Merlin, 2010.

Aplicação:

Descrição: Produto ecológico, biodegradável, aquoso, com alto poder de

durabilidade.

Diferencial ambiental: Livre de Composto Orgânico Voláteis (COV´s), portanto, não agride a atmosfera, não possui odores desagradáveis das tintas convencionais e garante a boa qualidade do ambiente interno.

recobrimento

forros.

Pintura

de

paredes

alta

e

e

Madeira de demolição

Pintura de paredes alta e e  Madeira de demolição Fonte: Madeira de Demolição, 2010. piso.
Pintura de paredes alta e e  Madeira de demolição Fonte: Madeira de Demolição, 2010. piso.

Fonte: Madeira de Demolição, 2010.

piso.

Descrição: Madeiras nobres de lei, em extinção, provenientes principalmente

Aplicação:

Produção

de

móveis,

revestimento

de

de elementos de antigas construções, como esquadrias, assoalhos entre outros. Diferencial ambiental: Possibilita o reuso de peças que seriam descartadas, diminuindo a demanda por madeiras novas.

Tamburato

diminuindo a demanda por madeiras novas .  Tamburato Fonte: Portal Moveleiro, 2010 Aplicação: Confecção

Fonte: Portal Moveleiro, 2010

Aplicação: Confecção

Descrição: O painel estrutural é composto de duas camadas externas de partículas finas de madeira prensada, e miolo colméia de papel reciclado. Diferencial ambiental: Certificado FSC, o produto é adequado para fabricação de móveis robustos, que exigem espessuras grossas, leveza no peso e excelente desempenho.

móveis.

de

Biofuton

que exigem espessuras grossas, leveza no peso e excelente desempenho. móveis. de  Biofuton Fonte: Biofuton,

Fonte: Biofuton, 2010.

Decoração.

Descrição: É um produto elaborado com enchimento natural de algodão orgânico e látex revestido com tecidos sustentáveis. Diferencial ambiental: Confeccionado com materiais renováveis e orgânicos, reduz impactos ambientais. O Futon favorece o fluxo de energia corporal e dá uma sustentação especial à sua coluna.

Aplicação:

Tecido eco juta

especial à sua coluna. Aplicação:  Tecido eco juta Fonte: Coletivo Verde, 2010. Aplicação: Decoração

Fonte: Coletivo Verde, 2010.

Aplicação: Decoração Descrição: Tecido composto de 60% algodão e 40% juta Diferencial ambiental: Desenvolvidos a partir da fibra da juta, cujo plantio não utiliza fertilizantes ou defensivos. No descarte, a juta se decompõe em dois anos enquanto o algodão leva 10, e o poliéster pode chegar a 100 anos.

Sedas artesanais

 Sedas artesanais Fonte: Portal Moveleiro, 2010 Aplicação: Confecção de cortinas, almofadas, revestimento de

Fonte: Portal Moveleiro, 2010

Aplicação: Confecção de cortinas, almofadas, revestimento de estofados, etc. Descrição: Tecidos artesanais em fio 100% seda. Diferencial ambiental: Produzidos a partir de casulos refugados da indústria e tingidos naturalmente.

Fibra de bambu

da indústria e tingidos naturalmente.  Fibra de bambu Fonte: Fibra Artesanal, 2010. Aplicação: Decoração.

Fonte: Fibra Artesanal, 2010.

Aplicação: Decoração. Descrição: Confeccionados manualmente com fios de fibra de bambu e algodão.

Diferencial ambiental: Resgata antigas técnicas manuais gerando renda para mais de 100 artesãs.

Madeira plástica PAD

para mais de 100 artesãs.  Madeira plástica – PAD Fonte: Revista Residenciais, 2010. Aplicação: Pisos

Fonte: Revista Residenciais, 2010.

Aplicação: Pisos e móveis de madeira

Descrição: Polietileno de Alta Densidade (PAD)

Diferencial Ambiental: A madeira plástica é feita a partir do Polietileno de Alta Densidade (PAD), encontrado em plásticos descartados como lixo. Ela substitui, com vantagens, a madeira convencional na fabricação de portas, janelas, móveis, assoalhos, dormentes e diversos outros produtos que já são comercializados no Brasil.

Revestimento lepri organic

que já são comercializados no Brasil.  Revestimento lepri organic Fonte: Diálogos Universitários, 2010. 70
que já são comercializados no Brasil.  Revestimento lepri organic Fonte: Diálogos Universitários, 2010. 70

Fonte: Diálogos Universitários, 2010.

Aplicação: Revestimento de móveis em geral.

Descrição: Esmalte feito a partir de cinzas de madeira, cerâmica e vidro reciclado.

Diferencial ambiental: As ecopastilhas da Lepri utilizam duas tecnologias ecologicamente corretas: esmalte confeccionado a partir das cinzas geradas nas queimas de madeira de olarias e cerâmicas e também o vidro reciclado na massa da cerâmica, este vidro é proveniente do reaproveitamento de resíduos de lâmpadas fluorescentes, (material que contém mercúrio em sua composição, que contamina o solo, os seres humanos e o meio ambiente, e que demoraria 200 anos para ser absorvido pela natureza).

Tecidos de pet

anos para ser absorvido pela natureza).  Tecidos de pet Fonte: Revestir Cerâmicas, 2010 Aplicação: Revestimento

Fonte: Revestir Cerâmicas, 2010

Aplicação: Revestimento de estofados, alternativa de tecido.

Descrição: Tecido obtido da reciclagem de garrafas PET

Diferencial Ambiental: O tecido de pet é feito a partir da reciclagem do plástico e pode evitar que novas matérias-primas sejam produzidas, além de reaproveitar o material que iria para o lixo. Os tecidos produzidos a partir das embalagens PET são os mesmos dos revestimentos comuns de

poliéster. A diferença é que em vez de utilizar o Tereftalato de Etileno virgem, a indústria recicla o plástico das garrafas e o transforma em fibras de poliéster.

9.5 Fornecedores

A empresa Casa Naturi é especializada na produção de móveis residências sustentáveis e trabalha com empresas que forneçam materiais de qualidade e que possuam valores éticos e ambientais. Através da relação com os nossos fornecedores, podemos garantir total qualidade de nossos produtos além de negociar um preço justo aos nossos clientes. Devido a isso, a Casa Naturi trabalha com serviços de encomenda, o que envolve um prévio orçamento sem compromisso, entrega do produto na residência e a montagem do mesmo. Esse orçamento será definido a partir do preço dos materiais utilizados, a quantidade de produtos, o tamanho exigido e a localização da residência. Ao aceitar o orçamento feito pela empresa é firmado um contrato com o cliente para que possamos concluir o processo da compra. Seguem abaixo os fornecedores da Casa Naturi para o anos de 2010 e 2011:

1. Fatto a Mano

Ecomosaico: Mosaico feito de material reciclado que utiliza o resíduo eliminado pelas máquinas de corte de marmorarias, o que diminui a produção de resíduos e utiliza menos água na sua produção LOCALIZAÇÃO: Rua 444, 97 Itapema - Santa Cataria.

2. IDHEA Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica

Eco-stain: Produto natural atóxico e sem cheiro, feito a base de óleos e resinas vegetais, desenvolvido para proteger e preservar a madeira. LOCALIZAÇÃO: São Paulo, SP.

3.

Clarus Brasil

Tinta Colaza Eco-Paint: Biodegradável, aquoso, com alto poder de durabilidade, usado para tingir forros e também paredes. LOCALIZAÇÃO: Via Anhanguera, km 123 - Americana, São Paulo.

4.

Madeira de Demolição

Madeira de Demolição: Madeira de qualidade usada para piso e construção de diversos móveis, reutiliza restos de madeira e madeiras de demolição impedindo a geração de resíduos e uma nova extração. LOCALIZAÇÃO: Av. 19 de Janeiro, 679 - Vila Carrão - São Paulo - SP

5.

Eucatex

Tamburato: um painel estrutural composto, produzido com camadas externas de partículas finas de madeira prensada e miolo Honeycomb (colméia de papel reciclado). LOCALIZAÇÃO: Estrada Municipal Botucatu/Itatinga, s/n Botucatu, São Paulo

6.

Biofuton

Futon ecológico: Futon feito a partir de materiais orgânicos, reciclados e naturais. LOCALIZAÇÃO: São Paulo, SP.

7.

Ecofábrica

Locomotiva Juta: Produto que une a lona, a juta e o PET

para a fabricação de um tecido de fácil decomposição e origem natural. LOCALIZAÇÃO: Rua Carlos Dietzsch, 1177 - Curitiba - PR Brasil

8.

O Casulo Feliz

Seda Artesanal: Origem 100% natural, não acumula umidade e pode ser usada nos complementos decorativos dos nossos produtos, como almofadas e outros detalhes. LOCALIZAÇÃO: São Paulo, SP.

9. Wisewood

Madeira Plástica: A Madeira Plástica é um produto composto de matéria-prima totalmente proveniente do lixo plástico reciclado, além de não conter nenhuma substância tóxica, das encontradas na madeira tratada, é ecologicamente correta por evitar o desmatamento e ser novamente reciclada. LOCALIZAÇÃO: Avenida Osvaldo Berto, 405 - Itatiba - SP

10. Companhia Brasileira de Florestas Tropicais Projeto Radica das Três Pontes

Após o corte das árvores, dos tocos e raízes enterradas o material retirado vai para aterros, olarias ou abandono. Isso resulta no apodrecimento, gerando assim emissões de CO² na atmosfera. Visando diminuir este impacto no ambiente, o projeto “Radica das Três Pontes” está pesquisando o uso deste material para movelaria e artesanato. Esta iniciativa busca fixar o CO² evitando sua emissão na atmosfera, contribuindo assim com a redução do efeito estufa. LOCALIZAÇÃO: R. Antonio Castro Prado, 370 -Taquaral - Campinas - SP

11. Justa Trama

Algodão Orgânico: Algodão produzido de forma orgânica, integrando práticas de conversação de solo e água sem o uso de agrotóxicos.

12.

Wantage do Brasil

Tecido de PET: Tecido produzido a partir da reciclagem de garrafas PET, técnica que retira do meio ambiente 370 garrafas por rolo de tecido. LOCALIZAÇÃO: Rua Angelo Piazza, 41 - Bairro Vila Dolores- SP

13. Bambu Carbono Zero

Fibra de Bambu: Tecido fabricado a partir do bambu com técnicas de produção orgânica. LOCALIZAÇÃO: R: Antônio de Macedo Soares, 570 - Campo Belo - São Paulo.

9.6 Equipamentos

Para qualquer um dos tipos de produção a nossa fábrica contará com três máquinas para os serviços de marcenaria:

1 lixa

1 serra de Mesa

1 serra de fita

Além disso, contaremos com bancadas para preparação do produto, testes de qualidade e ajustes finais e uma área para estocagem. Com relação às ferramentas necessárias, estas são divididas em 6 grupos de acordo com o Manual de Marcenaria (2000): Ferramentas de medir e marcar, corte dentado, corte com gume moldador, tornear e polir, percussão e extração, perfuração e pressão. Após uma visita ao laboratório de Design Industrial do Centro Universitário SENAC Santo Amaro, SP, e estudo de produção de móveis em diversas marcenarias, definimos como principais ferramentas unitárias a serem usadas na nossa produção:

Compasso

Falso esquadro

Esquadro

Metro articulado

Lápis

Serrote com costas

Serrote comum

Bisel ligeiramente côncavo

Escopros

Formões

Lima de meia-cana

Lima de Limatão

Lima Chata

Lima Grossa

Maço de fibra

Martelo

Martelo de rabo

Brocas

Chaves de parafuso

Berbequim

Alicate de ferro

Prensa de quadro

Prensa circular

Grampo

9.7 Layout

A Casa Naturi possuirá um layout que permiti a maior eficiência do fluxo de processo, tanto em termos de distância quanto de custos. Devido a isso, escolhemos o layout funcional para representar nossa produção, pois este se adéqua as necessidades de crescimento da empresa, tipo de produção e distribuição das máquinas e equipamentos.

De acordo com BIAGIO (2005), o layout funcional atende com maior freqüência as pequenas e até médias empresas, pois é usado quando as máquinas forem de difícil manuseio, houver grande variedade de produtos, houver grandes variações nos tempos requeridos para diferentes operações e houver pequena demanda ou intermitente. Segundo BORGES (2001), o layout funcional leva a um arranjo físico mais o qual possui maior flexibilidade em adaptar-se aos produtos variados, é mais fácil de perceber falhas nos processos, as conseqüências dos erros não são tão graves visto que as operações possuem certa independência e também permite a implantação de sistemas de incentivo individuais.

9.8 Qualidade

A Casa Naturi possuirá ISO 9001, sistema que garante a qualidade de nossos produtos assim como um ambiente justo e agradável aos trabalhadores. Além disso, nos concentramos na prevenção de problemas, de modo que diminuímos nossos custos extras com inspeções e testes e também diminuindo o tempo de paradas dos processos produtivo, gerando maior eficiência. A qualidade de nossos produtos começará na procura de um fornecedor, os quais deverão partilhar os mesmos valores que a Casa Naturi, como ética, responsabilidade, transparência e qualidade. Além disso, iremos procurar empresas que sejam bem qualificadas por seus clientes, trabalhem dentro do prazo estipulado e possuam práticas de negociação corretas. Como critérios de avaliação a Casa Naturi irá considerar os seguintes itens a serem alcançados:

Ergonomia;

Funcionalidade;

Condições de quinas e bordas retas;

Durabilidade;

Dimensões;

Características de revestimento;

Condições dos puxadores;

Estabilidade;

Estética.

Os requisitos mencionados são necessários para que a empresa possa saber se os produtos serão confortáveis e atingirão sua função principal. As quinas e as bordas retas deverão ser simétricas e possuir as mesmas formas, pois este fator afeta na estética final do produto. As características de revestimento são relacionadas à cobertura de tinta ou de verniz, a qual deverá cobrir a parte adequada do produto, garantindo sua durabilidade. Os puxadores também deverão ser simétricos e estarem acoplados de forma segura aos móveis para que sua função seja exercida sem nenhuma falha. Por último, atentamos ao fator estético, o qual foi definido como um fator- chave para a decisão de compra, além de agregar valor ao produto.

9.9 Serviços Terceirizados

Com intuito de diminuir os custos no início da abertura da empresa, a Casa Naturi contará com os seguintes serviços terceirizados para atender necessidades e garantir a qualidade dos produtos:

Entrega de móveis

Empresa responsável: Móveis Móveis

Localização: São Paulo SP

Estofamento

Empresa responsável: Profissional autônomo Localização: São Paulo SP

Material Gráfico e Site

Empresa responsável: Aluno do Centro Universitário Senac Design Industrial/Gráfico Localização: São Paulo SP

Treinamento Empresa Responsável: Senac Localização: São Paulo SP

10. ASPECTOS SOCIAIS E AMBIENTAIS

Com o crescimento das preocupações ambientais e aumento da pressão pública e medidas regulamentares, está mudando a maneira das pessoas fazerem negócios ao redor do mundo. Clientes, consumidores e outras partes interessadas estão aumentando a demanda de produtos e serviços ambientalmente corretos que são oferecidos por organizações socialmente responsáveis. Está se tornando cada vez mais importante para as organizações demonstrarem que, não só por suas filosofias, mas também por suas estratégias de investimentos e operações diárias, são sustentáveis. Visto isso a CASA NATURI pretende ser uma empresa de produção industrial no ramo de móveis, um dos nichos de maior impacto ambiental. Para que esses impactos sejam reduzidos e/ou mitigados devem ser implantado dentro da empresa um Sistema de Gestão Ambiental através da certificação ISO 14001, reduzindo o uso de recursos naturais e minimizando custos, além de ser um processo voltado à mitigar e/ou prevenir os problemas de caráter ambiental, visando um desenvolvimento sustentável. Segundo a NBR ISO 14001, o SGA compreende a estrutura organizacional, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos e recurso para aplicar, elaboração e revisão da política ambiental da empresa, o que gera benefícios para a empresa. A CASA NATURI pretende também adotar a norma ISO 9001, demonstrando o seu comprometimento com a qualidade do seu produto e durante sua produção, diminuindo erros e desperdícios e aumento da segurança do trabalho visando a melhoria contínua. Além de possuir certificações ambientais e de qualidade, a Casa Naturi terá como principio usar fontes de matérias-prima renováveis e que sejam menos agressivas ao meio ambiente, reduzindo impactos durante a produção.

Algumas das premissas da empresa será a redução de resíduos e desperdícios durante o processo produtivo, inovação de tecnologias ambientais que visem a sustentabilidade. De acordo com a Lei 13.430 de 2002 na qual estabelece o Plano Diretor Estratégico da cidade de São Paulo, a fábrica da empresa será localizada numa área de zona industrial devidamente delimitada pelo Plano Diretor da cidade de São Paulo, e será devidamente licenciada para a realização de suas atividades. Sendo assim, demonstra consciência ambiental de seus impactos sobre as áreas arredores de seu galpão fabril. A Casa Naturi pretende obter parcerias com cooperativas que produzem matéria-prima para a confecção dos móveis, incentivando a criação de novas cooperativas. Este é um modo de impulsionar o crescimento econômico dentro de pequenas comunidades e colaborar diretamente e indiretamente trabalhadores independentes. Como política da empresa, selecionaremos nossos fornecedores de acordo com seus valores éticos e qualidade do seu serviço e produto, garantindo aos clientes um produto de confiança. Além disso, produziremos móveis multifuncionais que diminuem a compra de objetos supérfluos e incentivam a criatividade voltada para o real valor do objeto, ou seja, sua funcionalidade.

10.1. Certificações, Normas e Rótulos Ambientais

Como dito anteriormente, a CASA NATURI pretende ser uma empresa que carrega como principal razão de existência, ser uma empresa ambiental e socialmente correta, durante todo seu processo produtivo, levando em consideração todos impactos causados, e adotando medidas mitigadoras e/ou compensatórias de suas atividades, para isso, é preciso que algumas normas e certificações específicas para esse fim sejam adotas, com foco na qualidade ambiental, melhoria contínua, responsabilidade socioambiental e segurança no trabalho, tais como:

NBR ISO 9001:2008

De acordo com a ABNT o Certificado de Qualidade ISO 9001, resumidamente, significa que a empresa possui um sistema gerencial que visa à qualidade e que obedece aos requisitos de uma norma internacional. Tal norma não trata explicitamente da qualidade do produto ou serviço, todavia, assegura a estabilidade do seu processo de produção. Não há nada que imponha a uma empresa adotar a Certificação ISO 9001, no entanto, no mercado altamente competitivo em que estamos inseridos, possuí-la é uma forma de demonstrar ao cliente que o produto ou serviço gerado tem um controle ou padronização garantindo qualidade e eficiência. São muitas as vantagens que uma empresa como a CASA NATURI obtém com a certificação, dentre elas: aumento da credibilidade da empresa frente ao mercado consumidor, aumento da competitividade do produto ou serviço no mercado, abertura de novos mercados, maior conformidade e atendimento às exigências dos clientes, melhor uso dos recursos existentes, aumento da lucratividade e melhores condições para acompanhar e controlar os processos. Como desvantagens temos; o custo de sua implantação, uma vez que se não forem tomadas às devidas cautelas resultará em um ônus excessivo para o consumidor, e, a dificuldade para manter os funcionários motivados. Podem ser ressaltados também que o produto ou serviço certificado traz ao cliente segurança, proteção, satisfação e a certeza de que o produto ou serviço foi gerado de acordo com normas padrão de qualidade. Investir em uma certificação é estruturar a empresa a fim de que tenha uma melhor produção, canalizando seus esforços no atendimento ao cliente, dando maior ênfase a sua satisfação e buscando sempre uma melhoria contínua; objetivando aumentar as vendas e conseqüentemente o lucro. (ABNT, 2008).

NBR 14001:1996

A ISO 14001 é uma norma internacional, que estabelece as melhores práticas a serem adotadas no gerenciamento do Sistema de Gestão Ambiental na sua empresa. Trata-se de um modelo mundialmente reconhecido, que permite estabelecer através de um numero mínimo de procedimentos devidamente planejados, ações para promover proteção Ambiental e as

atitudes preventivas na poluição gerada, realização dos seus produtos ou serviços, assim como das atividades associadas a estes.

A ISO 14001 trará benefícios não somente para a CASA NATURI que implantará o SGA, mas também aos seus clientes, a sua rede de fornecedores, investidores, vizinhos, sociedade em geral, enfim, todas as partes interessadas. Os maiores benefícios são: melhorar a organização na empresa com relação ao tratamento do meio-ambiente; disciplina na execução das tarefas; estabelecimento de indicadores ambientais; ações preventivas constantes; um controle das emissões/resíduos gerados; redução nos custos operacionais com a diminuição dos desperdícios; planos de melhorias com objetivos e metas ambientais; compromissos; e resultado do trabalho em equipe com sinergia entre elas. Garante uma grande vantagem, a imagem da empresa junto aos clientes, órgãos públicos e sociedade, tanto no mercado nacional, como internacional, demonstra o compromisso e determina um grande diferencial estratégico, no cuidado e preservação do meio-ambiente. E que podemos constatar atualmente com grande tendência de evolução, é a disposição crescente dos consumidores e clientes em adquirir produtos e ou serviços de empresas ambientalmente corrretas, pró ativas em relação a preservação do meio ambiente e no controle do seus impactos ambientais. (ABNT, 1996)

10.1.1 Certificação Florestal FSC

Apesar da tendência da CASA NATURI que será a de priorizar materiais que não provenha da extração de madeira, a certificação FSC será também utilizada pela empresa, como alternativa para a escolha consciente dos clientes que optem por materiais de origem florestal. A certificação florestal FSC é uma ferramenta voluntária que atesta a origem da matéria-prima florestal em um produto. A certificação garante que a empresa ou comunidade maneja suas florestas de acordo com padrões ambientalmente corretos, socialmente justos e economicamente viáveis. A certificação Florestal FSC segue alguns princípios básicos, tais como:

Obediência às leis e aos princípios do FSC

O manejo florestal deve respeitar todas as leis aplicáveis no país onde

opera, os tratados internacionais e os acordos assinados por este país, e

obedecer a todos os Princípios e Critérios do FSC.

Direitos e responsabilidades de posse e uso

As posses de longo prazo e os direitos de uso sobre a terra e recursos florestais devem ser claramente definidos, documentados e legalmente

estabelecidos.

Direitos dos povos indígenas

Os direitos legais e costumários dos povos indígenas de possuir, usar e manejar suas terras, territórios e recursos devem ser reconhecidos e

respeitados.

Relações comunitárias e direitos dos trabalhadores

As atividades de manejo florestal devem manter ou ampliar, em longo prazo, o bem estar econômico e social dos trabalhadores florestais e das comunidades locais.

Benefícios das florestas

As atividades de manejo florestal devem incentivar o uso eficiente e otimizado dos múltiplos produtores e serviços da floresta para assegurar a viabilidade econômica e uma grande quantidade de benefícios ambientais e

sociais.

Impacto ambiental

O manejo florestal deve conservar a diversidade ecológica e seus valores

associados, os recursos hídricos, os solos, os ecossistemas e as paisagens

frágeis e singulares. Dessa forma estará mantendo as funções ecológicas e a integridade das florestas.

Plano de manejo

Um plano de manejo apropriado à escala e à intensidade das operações propostas deve ser escrito, implementado e atualizado. Os objetivos de longo prazo do manejo florestal e os meios para atingi-los devem estar claramente descritos.

Monitoramento e avaliação

O monitoramento deve ser conduzido apropriado à escala e à intensidade do manejo florestal para que sejam avaliados as condições da floresta, o rendimento dos produtos florestais, a cadeia de custódia, as atividades de manejo e seus impactos ambientais e sociais.

Manutenção de florestas de alto valor de conservação

Atividades de manejo de florestas de alto valor de conservação devem manter ou incrementar os atributos que definem essas florestas. Decisões

relacionadas às florestas de alto valor de conservação devem sempre ser consideradas no contexto de uma abordagem de precaução.

Plantações

As plantações de árvores devem ser planejadas de acordo com os princípios de 1 a 9, o Princípio 10 e seus Critérios. Considerando que as plantações de árvores podem proporcionar um leque de benefícios sociais e econômicos e contribuir para satisfazer as necessidades globais por produtos florestais, elas devem completar o manejo, reduzir as pressões e promover a restauração e a conservação das florestas naturais.

10.1.2 Benefícios da Certificação

A certificação florestal FSC é uma ferramenta eficaz para garantir que as florestas sejam manejadas de uma forma responsável, com benefícios socioambientais e econômicos - um dos objetivos e premissas da empresa.

Vantagens Socioambientais:

1. Reduz o impacto ecológico do aproveitamento florestal;

2. Conserva a capacidade de regeneração das florestas nativas;

3. Preserva os habitats de vida silvestre e protege os recursos hídricos;

4. Apóia o desenvolvimento econômico das populações locais;

5. Assegura que os direitos dos trabalhadores e das comunidades locais sejam respeitados.

6. Assegura que as práticas de manejo florestal sejam responsáveis e continuamente melhoradas.

7. Oferece oportunidade de interação e cooperação entre os vários atores envolvidos no manejo florestal responsável proprietários florestais, organizações sociais e ambientais na solução de problemas relativos ao manejo.

8. Proporciona uma alternativa economicamente viável às práticas destrutivas com maior segurança social às comunidades e aos funcionários das empresas florestais.

Vantagens competitivas:

A principal vantagem competitiva da certificação é a diferenciação e valorização do produto no mercado, principalmente por:

1. Aumentar a credibilidade junto a consumidores e demais instituições e entidades relacionadas aos aspectos sociais e econômicos;

2. Atender às novas exigências de mercado: atualmente os consumidores se movimentam em busca de produtos ambientalmente e socialmente corretos. Nesse contexto, a ampliação da rede de comércio certificado é uma realidade;

3. Aumentar o acesso a novos mercados: a certificação pode gerar novas oportunidades de negócios, principalmente em mercados ambientalmente e socialmente conscientes.

10.2. INTERNALIZAÇAO DOS CUSTOS DA EXTERNALIDADES AMBIENTAIS

Segundo Vasconcellos (2007) externalidades são efeitos indiretos da produção ou do consumo que afetam o bem estar de terceiros, mas que não são levados em consideração pelo mercado na formação dos preços dos bens ou serviços causadores desses efeitos. Nesse caso, os custos privados diferem tanto dos benefícios privados como dos custos sociais, fazendo assim com que haja uma ineficiência na alocação dos recursos, levando a uma diminuição do bem-estar social. Um exemplo clássico de externalidade negativa é a poluição produzida pelo processo de produção de uma indústria que é despejada sem tratamento em um rio, o que afeta negativamente a qualidade da água da população que vive abaixo da corrente do rio. De acordo com Vasconcellos (2007), aput Coase (1960), as externalidades existem porque nem a indústria nem a comunidade detêm a água que está sendo poluída e, por isso, falta um mercado: o mercado da poluição. Neste mercado alguns agentes estariam dispostos a pagar para ver a quantidade de produção de poluição reduzida, quer dizer, a poluição teria um preço. O produto ambientalmente correto internaliza os custos da poluição, e faz com que seu processo de produção se torne mais caro que um produto comum sem considerar seus impactos, pois o preço médio de cada bem produzido se torna maior com o custo fixo de premissas e atitudes ecológicas sendo inclusas. Nesse caso, as firmas diferenciaram a qualidade de bem público (qualidade ambiental) de seus produtos. Nesse caso, os consumidores que estiverem dispostos a internalizar a externalidade através de seu consumo, terão de pagar a diferença de preços repassada aos consumidores devido à diferença nos custos entre uma empresa verde e uma empresa comum. Ainda de acordo com Vasconcellos (2007) essa diferença no preço que os consumidores estão dispostos a pagar é chamada de „preço- prêmio‟, que representa a utilidade adicional gerada ao consumidor pela inclusão da característica pública ao bem. Pagar esse preço- prêmio seria equivalente a fazer uma doação direta para a provisão de serviços ambientais a uma organização especializada, só que esse pagamento é feito por meio do mercado verde, ou seja, de um modo indireto.

O mercado „verde‟, de produtos menos agressivos do ponto de vista ambiental, representa o meio pelo qual um bem público pode ser fornecido privadamente, ou seja, é um mercado de bens públicos impuros. Esse tipo de produto geralmente recebe um „preço-prêmio‟ pelo fato da disposição a pagar dos consumidores refletir o valor dado para os serviços ambientais que são produzidos em conjunto com o bem privado (Vasconcellos aput Ferraro et al,

2005).

Se um consumidor compra um produto „verde‟, ele voluntariamente internaliza parte das externalidades negativas do ciclo de vida do bem. Entretanto, é provável que ele não consiga perceber os efeitos de sua escolha no ambiente, pois geralmente apenas comportamentos individuais agregados conseguem afetar de maneira perceptível o meio-ambiente. Essa dificuldade na percepção e apropriação do esforço em favor do meio-ambiente pode levar ao problema do free rider. Uma motivação para a superação da distorção de incentivos gerada por esse problema é a consciência individual que dê importância a manter um padrão de consumo sustentável. Esse tipo consumidor atribui maior utilidade a bens e serviços que internalizem os custos externos gerados direta e indiretamente pelo seu consumo, independentemente do fato dos benefícios desse padrão de consumo poderem ser diretamente apropriados ou não.

10.2.1. CONSUMIDORES NO MERCADO VERDE

Os consumidores, na formação de suas preferências, são influenciados por diversos fatores. Além do preço e da qualidade do bem verde, da renda do consumidor, de suas preferências e padrões culturais, a disponibilidade de substitutos para o consumo e suas variações em preço e qualidade também podem afetar tanto o padrão de consumo dos indivíduos como também os impactos causados na qualidade do meio ambiente. Vasconcellos aput Kotchen (2005) analisa os efeitos da presença de bens substitutos sobre a demanda por bens verdes e sobre a qualidade ambiental, dependendo dos preços do mercado e da percepção ambiental dos consumidores. O modelo considera um bem público impuro, produzido

conjuntamente com características privadas e públicas, levando em consideração a disponibilidade de um bem substituto no mercado, podendo ser ou um bem convencional ou uma doação direta, pois é considerado que a característica ambiental de um bem verde pode ser disponibilizada separadamente, tanto por meio da compra de bens verdes como por doações diretas. O preço da qualidade privada se torna relativamente elevado, pois adquirir qualidade ambiental por meio de um bem verde se torna relativamente mais caro, o que faz com que os consumidores o substituam o bem verde por doações diretas. Dependendo da proporção desse efeito substituição, a demanda por qualidade ambiental pode até decrescer devido a uma diminuição da qualidade ambiental demandada do bem verde causada pelo aumento do preço relativo da característica privada. Dependendo da relevância do bem verde na qualidade ambiental, esta pode mesmo diminuir se as doações não aumentarem suficientemente. (Vasconcelos, 2007 aput Kotchen, 2005). Uma análise semelhante pode ser feita ao se considerar, ao invés da tecnologia como determinante da proporção entre o atributo ambiental e o privado de um bem, considerar a percepção ambiental como determinante dessa proporção demandada pelos consumidores. Programas de conscientização e selos ambientais buscam aumentar essa percepção. Uma maior consciência ambiental faz com que a diferença entre o preço do bem verde e do bem convencional diminua, ou seja, a “desvantagem” de se comprar um bem verde devido ao seu custo maior diminui em relação ao bem convencional devido ao aumento na disposição a pagar pela característica verde. Por isso, quanto maior for a percepção ambiental dos consumidores, maior será a proporção de característica ambiental demandada nos produtos.

10.2.2. PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS CONSUMIDORES

A demanda verde pode levar a diferentes efeitos no mercado, influenciando os incentivos das firmas. Um dos motivos para que as externalidades negativas da produção e consumo não sejam levadas em consideração pelos indivíduos ocorre devido ao problema de informação

assimétrica. Não é possível valorizar as características ambientais de um produto sem informação sobre elas, assim como quanto mais informação de qualidade estiver disponível, melhor será a percepção ambiental, e assim, mais precisa será a valoração ambiental da sociedade. A percepção ambiental influi na valoração dos atributos que formam as preferências individuais. No caso de um indivíduo que valore positivamente uma característica ambiental, ou seja, que tenha um aumento na sua utilidade proporcional ao aumento na qualidade oferecida, quanto mais apurada for sua percepção ambiental, maior será sua disposição a pagar pelo bem ou serviço ambiental. Por isso, variações no „peso‟ dado ao ambiente afeta diretamente a demanda por esse tipo de bens e serviços. Vasconcellos aput Rodriguez-Ibeas (2007) analisa os efeitos de mudanças na percepção ambiental dos consumidores sobre o meio ambiente. É considerado um modelo de diferenciação vertical em um duopólio, ou seja, um mercado com duas firmas que diferem na qualidade ambiental de seus produtos. Ambas as firmas produzem a mesma característica física, mas apenas a firma verde oferece um atributo adicional ambiental. A firma marrom, que não produz o atributo ambiental, polui o meio ambiente, enquanto a firma verde, que produz esse atributo, de não poluir, o que faz com que seu custo de produção seja maior do que o da firma marrom. Existem dois tipos de consumidores, os verdes, que estão dispostos a pagar um preço adicional pelo atributo ambiental, podendo comprar tanto bens verdes quanto marrons, dependendo da relação entre a valoração do atributo físico e do ambiental, e os consumidores marrons, que não se importam com o meio ambiente, comprando sempre da firma marrom, que, por ter menores custos, pode oferecer o produto por um preço menor. Existem também consumidores que estão fora do mercado por não estarem dispostos a pagar os preços pelos quais os bens são ofertados. Quando a proporção de consumidores verdes é muito baixa, as firmas competem apenas por essa pequena quantidade de consumidores verdes, pois os consumidores marrons não compram bens verdes por serem mais caros. Por tanto, não é necessário que as firmas se esforcem para diferenciarem seus produtos, pois os nichos de mercado já são bem definidos, fazendo com que a competição seja fraca, o que permite que ambas as firmas cobrem preços mais

altos. Nesse ponto, um aumento marginal na população de consumidores verdes, por exemplo, causado por uma campanha de conscientização, fará com que a competição entre as empresas se torne mais forte, pois há uma disputa maior pelos consumidores que estão migrando de um mercado para o outro. (Vasconcellos aput Rodriguez-Ibeas, 2007). O aumento na competição faz com que as duas empresas baixem seus preços, fazendo com que ambas vendam uma maior quantidade de bens. Entretanto, enquanto a diminuição do preço do bem verde faz com que o número de consumidores verdes aumente, a diminuição do preço do bem marrom atrai tanto alguns consumidores verdes mais sensíveis a variações de preços, como consumidores marrons que antes estavam fora do mercado. Essa diminuição pode ser maior do que a da firma verde devido às diferenças nos custos das empresas, e deve ser mais acentuada para poder tornar seu produto mais atrativo a consumidores verdes, mesmo não tendo o atributo ambiental. Esse efeito, causado pelo fortalecimento da competição, faz com a produção total da firma marrom aumente, aumentando conseqüentemente a poluição ambiental. Entretanto, ao se analisar o bem-estar social, a soma do excedente do consumidor e dos lucros agregados, em relação à percepção ambiental, chega- se à conclusão de que um aumento da consciência ambiental leva a um aumento no bem- estar. Sob um ponto de vista diferente, Vasconcellos (2007) aput Conrad (2005), usa um modelo de diferenciação horizontal. Nele, um aumento da relevância ambiental dada pelos consumidores diminui o preço dos bens de baixa qualidade e aumenta os preços dos de alta qualidade, aumentando a participação da firma de alta qualidade no mercado. Assim, quanto maior for a relevância ambiental dada pelos consumidores em relação aos custos de produção, maior será a qualidade dos bens produzidos em equilíbrio de mercado. Isso gera incentivos para que as firmas de baixa qualidade passem a produzir bens mais ambientalmente amigáveis, entrando no mercado verde e aumentando a competição pelo mesmo mercado, de bens de alta qualidade. . As duas sugestões de políticas para se atingir a qualidade de produtos que maximize o bem-estar social são: a adoção de um subsídio para a produção de bens de alta qualidade e/ou a promoção de uma campanha para

aumentar a relevância que os consumidores dão ao meio ambiente. O subsídio causa dois efeitos: Ele corrige a falha na percepção ambiental e corrige a imperfeição do mercado. Ao mesmo tempo em que incentiva a firma de baixa qualidade a melhorar seus produtos, diminui a diferença entre os produtos, aumentando a concorrência entre firmas (Vasconvellos, 2007 aput Conrad,

2005).

11. PLANO FINANCEIRO

O plano financeiro da Casa Naturi irá ajudar a empresa a dirigir suas produções e desenvolver estratégias de diminuição de gastos e otimização de recursos. Diante disto, será apresentado os gastos inicias, fluxo de caixa e o demonstrativo de resultado da empresa.

11.1 Plano para captação de recursos

A Casa Naturi desenvolverá mais de uma estratégia para a captação de recursos visando um bom funcionamento da empresa e um atendimento eficiente dos nossos clientes com relação a prazo e qualidade. Visto que a empresa dependerá de um investimento inicial de XXX para iniciar suas atividades, os quatro sócios entrarão com um capital de R$ 20.000,00 no total, sendo cada um responsável por uma parcela igual do investimento e, conseqüentemente, na repartição dos lucros. Porém, para o restante do investimento a empresas recorrerá para financiamentos do BNDES, PROGER e SEBRAE, visto que estas organizações possuem programas de auxílio para micro e pequenas empresas. No caso do BNDES o banco procura incentivar empresas que consideram os aspectos ambientais como fundamentais na hora de estruturar uma empresa e traçar suas estratégias, além disso, o banco busca oferecer empréstimos para empreendimentos que tragam benefícios para o desenvolvimento sustentável. (BNDES, 2010) Dentre as áreas de investimento do BNDES nota-se a existência de um segmento voltado para a área de benefícios ambientais, aonde o banco apóia empresas de saneamento básico, eco-eficiência, racionalização do uso de

recursos naturais, mecanismo de desenvolvimento limpo, recuperação e conservação de ecossistemas e biodiversidade, sistemas de gestão e recuperação de passivos ambientais. Além disso, a organização também possui um segmento de planejamento e gestão, o qual busca financiar projetos dentro das empresas que visam a implantação de Sistemas de Gestão Ambiental ou Sistema de Gestão Integrado, lembrando que a Casa Naturi possuirá IS0 14001 e a ISO 9001, as quais trazem a empresa maior segurança durante os processos e a diminuição de riscos internos e externos. Com relação à Taxa de Juros o BNDES apresenta o seguinte esquema:

Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) 7 + Remuneração do BNDES + Remuneração da Instituição Financeira Credenciada (Banco do Brasil).

Remuneração do BNDES: de 0,9% ao ano.

Taxa de Risco de Crédito: até 3,57% ao ano (conforme o risco do beneficiário).

Remuneração da Instituição Financeira Credenciada: negociada entre a instituição financeira credenciada, Banco do Brasil e Casa Naturi.

Nível de Participação do BNDES: até 80% para o empreendimento do município de São Paulo.

Outra opção de apoio mencionado é o PROGER, em seu segmento Urbano Empresarial, vinculado ao Banco do Brasil é um programa de ajudas a empresas com um faturamento anual de até cinco milhões de reais. Este financiamento conta com a implantação ou ampliação de empresas, incluindo a compra de equipamentos, máquinas e veículos. Como o BNDES o PROGER TAM participação de 80% em cima do projeto, além das seguintes condições:

Valor máximo do financiamento: R$ 200 mil, com ou sem capital de giro associado.

7 Segundo o programa, a TJLP do BNDES, tem um período de vigilância de um trimestre e é calculada a partir dos seguintes parâmetros

Prazo de até 72 meses, incluído período de carência de até 12 meses.

Taxa de TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo) mais 2,50% efetivos ao ano (taxa equivalente de 0,69% ao mês).

Garantias complementares do Fampe Fundo de Aval ás Micro e Pequenas Empresas - ou do Funproger - Fundo de Aval para a Geração de Emprego e Renda - em 80% do valor financiado.

Por ultimo existe a Agência de Apoio ao Empreendedor e Pequeno Empresário (SEBRAE), uma modalidade de financiamento que busca permitir o acesso dos pequenos empreendedores ao crédito. É um instrumento financeiro que se caracteriza por empréstimos de valores relativamente pequenos e utiliza-se de metodologia própria voltada ao perfil e às necessidades dos microempreendedores. Essa política de Microcréditos é voltada ao financiamento das atividades produtivas dos pequenos empreendedores e as taxas de juros geralmente são as do mercado do momento. Já as garantias exigidas pelas instituições de microcrédito são as mais simples e de acordo com as condições dos pequenos empreendimentos. Dessa maneira, as formas mais praticadas são o aval solidário e o aval individual, sendo raras as solicitações de garantias reais. Outro elemento importante é a simplificação da burocracia, a qual se mostra reduzida e mais eficiente para a aprovação e liberação dos recursos. Além disso, a empresa conta com a ajuda da Agência para administrar a aplicação dos recursos e o desenvolvimento do projeto. O objetivo do Programa Sebrae de Apoio ao Microcrédito é contribuir para a construção de um amplo e sólido segmento de microfinanças, auto- sustentável e integrado ao sistema financeiro nacional. O Programa está em linha com a prioridade estratégica da instituição de ampliar a oferta e reduzir os custos do crédito e dos demais serviços financeiros aos micro e pequenos empreendimentos.

11.2 Parcerias

Para fortalecer a marca dentro do mercado e como estratégia para a inserção da empresa dentro do mesmo, a empresa contará com algumas parcerias, sendo elas Tok & Stok, Etna e Leroy Merlin. A empresa Tok & Stok surgiu em 1978 com proposta de móveis diferenciados e que buscavam a funcionalidade dos móveis residenciais e para escritórios. A empresa nasceu de uma carência no mercado por produtos diferentes e com design arrojado que fugisse dos padrões brasileiros, além disso, tem com premissas a integração do bom design com a entrega rápida e preços acessíveis. A Tok & Stok é definida como empresa de grande porte e conta com escritórios e lojas em 18 cidades do Brasil. A empresa disponibiliza na sua loja cerca de 8 produtos novos por dia e possui mais de 600 fornecedores dentro e fora do país. Com relação ao público-alvo, este é definido como classes A e B,e a política de crédito da empresa faz com que seus produtos sejam até mais acessíveis as outras classes. O grande diferencial da empresa para com a Casa Naturi é que a Tok & Stok procura apoiar pequenas fornecedores para incentivar o design brasileiro. Outro fator analisado é que a empresa também possui programas de auxilio a empresas moveleiras que cumpram com o seu papel frente aos problemas ambientais. Por final, ao comparar alguns quesitos entre a Tok & Stok e a Casa Naturi, é observado que as duas possuem algumas semelhanças, como:

Otimização da embalagem;

Uso do design como diferencial;

Consideração dos aspectos ambientais de suas atividades;

Serviços como montagem e entrega.

Já a Etna possui a mesma atuação que a Tok & Stok, além de ter como premissas o conforto e a funcionalidade. Outro diferencial da empresa, é que, esta, busca móveis que aproveitem o espaço das residências e que possam combinar entre si.

Além disso, assim como a Tok & Stok a Etna possui uma boa política de crédito e serviços de montagem e entrega. Com relação ao publico alvo as duas lojas possuem a mesma cartela de possíveis clientes, visto que os produtos e os tipos de serviços são bem semelhantes e atuam nas mesmas regiões. Diferente da Tok & Stok, a Etna possui 10 lojas espalhadas pelo Brasil, sendo a maioria localizada dentro de shoppings. No casa da parceria com a Leroy Merlin, esta união não seria como um fornecedor, e sim como uma ajuda mútua para a publicidade das duas empresas. Visto que os clientes da Leroy Merlin procuram a loja para a compra de materiais de para reformas residenciais, decoração e construção, e que esta se encontra a menos de 5 quilômetros da Casa Naturi, a partir de um acordo entre as empresas a Casa Naturi poderia conceder parte dos lucros por produtos se estes forem vendidos através de indicações da Leroy Merlin. Outra alternativa seria a indicação da Leroy Merlin pela Casa Naturi, sabendo que o público-alvo da Casa Naturi seriam casais ou recém casados que estão prestes a reformar a casa por causa de filhos ou que querem construir uma casa nova. Deste modo, poderia ser criado um vínculo que ajudaria a publicidade das duas marcas.

11.3 Gastos e investimentos iniciais

Os gastos iniciais contarão com o registro da marca Casa Naturi na JUCESP e CNPJ, cadastro no Simples Nacional, o qual envolve benefícios ás micro e pequenas empresas, cadastro no INSS/FGTS e avaliação do Corpo de Bombeiro, visto que a Casa Naturi possuirá uma fabrica própria para a produção de seus produtos. O honorário do publicitário aparece como zero visto que a empresa com um designer já capacitado para a execução de tarefas relacionadas a publicidade.

Tabela 23: Gastos iniciais

Item

Espécie

Valor

1

Registro na marca na JUCESP

R$ 68,06

2

Registro da empresa no CNPJ

R$ 80, 00

3

Inscrição no Cadastro de Contribuintes Mobiliários

R$100,00

4

Cadastro no Simples Nacional

R$ 62,00

5

Cadastro no INSS/FGTS

R$200, 00

6

Honorários do Publicitário

R$ 0,00

7

Avaliação do Corpo de Bombeiros

R$ 80,00

Total

R$ 590,00

A Casa Naturi irá abrir seu mercado com um investimento inicial de

R$125.000 (cento e vinte e cinco mil), como pode ser observado na tabela 24.

Destes, R$40.000 serão aplicados pelas quatro sócias que abrirão o

empreendimento, onde cada uma investirá R$10.000. E os últimos R$85.000

foram recebidos por empréstimo do banco.

Tabela 24: Investimentos Iniciais

INVESTIMENTO INICIAL CASA NATURI

FONTES

em (R$)

Capital investido pelas sócias

40.000

Empréstimo

85.000

TOTAL

125.000

APLICAÇÕES

 

Pagamento da Luva do local alugado

1916,66

Equipamentos

2990

Reformas (instalação telefone, telefone, ligação elétrica, manutenção, pintura, etc)

10.000

Compra de materia-prima inicial

10.000

Estoque insumos

20.000

Capital de Giro

30.000

Reserva Caixa

50.000

TOTAL

124906,7

As primeiras aplicações descritas são referentes à abertura da fábrica. O local escolhido para seu funcionamento será alugado, e o investimento inicial

para sua locação é o valor da luva do aluguel, no valor total de R$23.000, que foram divididos em 12 vezes, a serem pagos no primeiro ano.

A compra de equipamentos (descritos no capitulo 8.3 do presente

trabalho), reformas, e estoque acumularam o total de R$22990, que são

essenciais para o início das atividades.

O capital de giro é o capital que a empresa deixará para atender as

necessidades operacionais imediatas e a reserva de caixa é investida para ficar no patrimônio líquido da empresa e funciona como um capital de emergência, caso ocorra alguma perda. Com acordos realizados com o banco, onde foi adquirido o empréstimo, foi possível negociar seu pagamento a longo prazo, e a Casa Naturi iniciará seu pagamento a partir do seu quinto ano de exercício, quando ela estará lucrando efetivamente, como pode ser observado nas demonstrações de resultados do exercício da empresa.

11.4

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCICIO E FLUXO DE CAIXA

A demonstração do resultado do exercício, que ilustra o lucro ou prejuízo do período, foi projetada de duas maneiras diferentes: mensal e anual, com objetivo de encontrar o ponto de equilíbrio da empresa, ou seja, quando ela não irá mais ter prejuízo. Observa-se na projeção mensal (Tabela 25), que a Casa Naturi terá no primeiro ano de exercício prejuízos. As deduções da receita bruta estão acumuladas nos primeiros meses, visto que estão contabilizadas as taxas inicias necessárias para abertura da fábrica. Já o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), possui seu pagamento obrigatório todo mês e seu cálculo baseou-se na média de 6% sobre a receita adquirida no mês.

Em relação ao total da receita liquida, ela oscilou entre os meses devido ao número de venda de mercadorias, consequente do valor da matéria prima, que foi calculada a partir da projeção de vendas dos 12 primeiros meses do primeiro ano de exercício (tabela 27). Quando a empresa vende menos do que se espera, ela acumula estoque, não sendo necessária a compra de mais materiais para o mês seguinte, já que a organização produzirá conforme a sua demanda. Segundo a projeção de vendas mensal (tabela 27), em seu primeiro ano de exercício a Casa Naturi produzirá 213 movéis, onde a quantidade de cada um está descrito na página 57 do presente trabalho. Conforme a tabela 27, no primeiro mês ela produzirá 27 produtos, destes10 foram vendidos. No segundo mês, devido à baixa venda do primeiro, não houve produção de novos produtos, pois a quantidade não vendida foi acumulada no estoque. A venda do segundo mês foi de 11 produtos. Portanto, ainda com estoque acumulado, o terceiro mês também não foi necessário à produção de novos produtos, e a venda foi de 15 móveis. No quarto mês a venda foi de 6 produtos. No quinto mês, a Casa Naturi retoma sua produção com a confecção de 28 produtos, destes 20 foram vendidos. Para o sexto mês, foram produzidos apenas 4 peças, e a venda foi de 13. No sétimo mês, as vendas começam a crescer, portanto para atender a demanda foram fabricados 20 produtos, e a venda foi de 16 moveis. No oitavo mês, a produção foi de 30 produtos, com venda de 17. Para o nono mês, 21 moveis foram produzidos e 21 foram vendidos. O décimo mês apresentou um cenário otimista para a loja, 12 produtos foram fabricados e vinte foram vendidos e pela primeira vez a quantidade vendida supera a produzida. No décimo primeiro mês, 27 produtos foram produzidos, e todos foram vendidos. Para o décimo segundo mês, 26 moveis foram produzidos, sendo que 30 foram vendidos. A necessidade de capital para cobrir os prejuízos dos meses e continuar a produção de móveis do primeiro ano de exercício foram atendidas pelo capital de giro da empresa. Na tabela 26 podemos analisar a projeção anual e verificar o total de cada item acumulado (soma dos primeiros 12 meses). No primeiro ano, a Casa

Naturi fechou com um prejuízo de R$18.300, a serem pagos com capital investido pelas quatro sócias, onde cada uma aplicará R$ 4.575 para cobrir a divida.

Já no segundo ano, com o prejuízo do primeiro coberto, e com a utilização do capital investido inicialmente no caixa para o continuo das atividades, a Casa Naturi planeja um aumento de 20% sobre a receita de vendas, baseado no cenário positivo de vendas dos últimos meses no primeiro ano e assim fechar o período com o lucro de R$ 8.381. Para gerar este continuo aumento de vendas, a empresa se apoiará em algumas estratégias como: as parcerias com revendedoras estarão mais firmadas, o que aumentará as vendas de nossos produtos, a própria Casa Naturi estará mais consolidada no mercado, tendo um reconhecimento maior dos clientes. Durante o primeiro ano de atuação da empresa, a Casa Naturi sempre postou em conquistar clientes “fiéis”, que continuarão a comprar nossos móveis, impactando positivamente o segundo ano de atuação da Casa Naturi. E por último a estabilização com os fornecedores, ou seja, com o aumento do número de vendas, sobe as compras de matéria primas, o que permite a compra em maiores quantidades, que com negociações é possível obter descontos na compra dos mesmos. No primeiro ano de vendas, a partir do sétimo mês, quando as vendas da loja aumentaram, a Casa Naturi negociou um desconto de 4% sobre as mesmas. No terceiro ano, a empresa planeja aumentar sua receita em 30% sobre a receita do segundo ano. O calculo foi baseado na melhoria de vendas do primeiro ao segundo ano. A empresa seguiu com as mesmas estratégias e com aumento do ativo, aumentará seu orçamento na área de marketing ao longo do ano, investindo em propagandas em revistas de casa e decoração. Para tanto, nos anos seguintes, excluindo a possibilidade de perdas e externalidades do ambiente externo, a loja de móveis planeja obter o retorno do investimento. Por último na tabela 18, foi realizada a demonstração do fluxo de caixa, que indica a origem de todo o dinheiro que entrou no caixa, bem como a aplicação de todo dinheiro que saiu do caixa em determinado período.

Tabela 25: Demonstração do resultado mensal

 

I

II

III

IV

V

VI

VII

VIII

IX

X

XI

XII

TOTAL

RECEITA BRUTA

                         

Vendas de Produtos

6.850

12.100

15.535

8.335

18.565

13.700

17.450

19.820

21.595

23.150

25.795

30.100

212.995

(-)Deduções

                         

ICMS

411

726

932,1

500,1

1113,9

822

1047

1189,2

1295,7

1389

1547,88

1806

12779,88

JUCESP

68,06

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

68,06

CNPJ

80

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

80

Cadastro de Contribuites Mobiliários

100

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

100

Cadastro Simples Nacional

278,75

278,75

278,75

278,75

0

0

0

0

0

0

0

0

1115

INSS/FGTS

50

50

50

50

0

0

0

0

0

0

0

0

200

TOTAL

987,81

1054,75

1260,85

828,85

1113,9

822

1047

1189,2

1295,7

1389

1547,88

1806

14342,94

RECEITA LÍQUIDA

5.862

11.045

14.274

7.506

17.451

12.878

16.403

18.631

20.299

21.761

24.247

28.294

198.652

(-)Custos do Periodo

                         

Matéria-prima

9.500

1.280

7.510

0

7.940

1.380

7.050

9.408

4.060

3.705

8.180

7.430

67.443

Mão-de-obra

5.000

5.000

5.000

5.000

5.000

5.000

5.000

5.000

5.000

5.000

5.000

5.000

60.000

Alguel da fábrica

2.500

2.500

2.500

2.500

2.500

2.500

2.500

2.500

2.500

2.500

2.500

2.500

30.000

Conta de luz

500

400

400

500

500

200

400

280

280

500

500

650

5110

Conta de água

600

600

550

500

650

600

500

250

300

300

600

550

6000

Internet, telefone

200

200

200

200

200