Você está na página 1de 23
Fig.1- Rim, região cortical (labirinto cortical e raios medulares), cápsula seta.

Fig.1- Rim, região cortical (labirinto cortical e raios medulares), cápsula seta.

Fig.2- Rim, região cortical (labirinto cortical e raios medulares).

Fig.2- Rim, região cortical (labirinto cortical e raios medulares).

Fig.3- Rim, região cortical (labirinto cortical). Corpúsculo renal, túbulos contornados proximais a esquerda e

Fig.3- Rim, região cortical (labirinto cortical). Corpúsculo renal, túbulos contornados proximais a esquerda e contornado distal em corte longitudinal a direita. Macula densa, seta.

Fig.4- Rim, região cortical (labirinto cortical). Corpúsculos renais, túbulos contornados proximais(mais corados) e

Fig.4- Rim, região cortical (labirinto cortical). Corpúsculos renais, túbulos contornados proximais(mais corados) e contornados distais em corte longitudinal no raio medular, centro da figura.

Co ME
Co
ME

Fig.5- Rim, córtex profundo (Co) bem corada e região medular externa palidamente corada (ME).

Co ME
Co
ME

Fig.5- Rim, córtex profundo (Co) bem corado devido a presença de túbulos contorcidos proximais eosinofílicos e região medular externa palidamente corada, neste local observamos túbulos contornados distais (ME).

Co ME
Co
ME

Fig.5- Rim, córtex profundo (Co) e região medular externa (ME). Artéria e veia arqueada (seta).

Fig.6- Rim, região medular externa, corte longitudinal. Túbulo coletor medular externo (seta).

Fig.6- Rim, região medular externa, corte longitudinal. Túbulo coletor medular externo (seta).

Fig.9- Rim, região medular externa, corte transversal. Túbulo Reto (cabeça de seta).

Fig.9- Rim, região medular externa, corte transversal. Túbulo Reto (cabeça de seta).

Fig.10- Rim, região medular interna, corte transversal. Túbulo coletores (com células apresentando o citoplasma pouco

Fig.10- Rim, região medular interna, corte transversal. Túbulo coletores (com células apresentando o citoplasma pouco corado) e túbulo intermediário (cabeça de seta).

vs
vs

Fig.11- Rim, região medular interna, corte transversal. Túbulo

coletores (com células apresentando o citoplasma pouco

corado e limites celulares bem evidentes) e túbulo intermediário (seta), vasos sanguíneos (v s).

MI Ca
MI
Ca

Fig.12- Rim, região medular interna (MI) . Túbulo coletores (corte

longitudinal ) e região de mucosa de cálice (Ca).

Fig.13- Rim, região medular interna (MI) . Túbulo coletores (corte longitudinal ) e região de

Fig.13- Rim, região medular interna (MI) . Túbulo coletores

(corte longitudinal ) e região de mucosa de cálice (Ca).

Fig.14- Ureter, corte transversal. Podemos visualizar região da mucosa , muscular e adventícia. Observar as

Fig.14- Ureter, corte transversal. Podemos visualizar região da mucosa , muscular

e adventícia. Observar as pregas formadas pela mucosa dando aspecto estrelado a

luz do órgão.

Fig.15- Ureter, corte transversal. Podemos visualizar região da mucosa , muscular e adventícia. Observar as

Fig.15- Ureter, corte transversal. Podemos visualizar região da mucosa , muscular e adventícia. Observar as pregas formadas pela mucosa dando aspecto estrelado a luz do órgão.

Fig.16- Ureter, corte transversal. Podemos visualizar região da mucosa e muscular. Observar as pregas formadas

Fig.16- Ureter, corte transversal. Podemos visualizar região da mucosa e muscular. Observar as pregas formadas pela mucosa dando aspecto estrelado a luz do órgão, epitélio de transição, lâmina própria.

L C
L
C

Fig.17- Bexiga. Podemos visualizar região da mucosa e muscular. Observar as pregas formadas pela mucosa (lâmina própria muito

vascularizada, seta), e camada muscular (longitudinal L, e circular C)

Fig.18- Bexiga. Podemos visualizar região da mucosa (epitélio de transição e lâmina própria). Epitélio com

Fig.18- Bexiga. Podemos visualizar região da mucosa (epitélio de transição e lâmina própria). Epitélio com células superficiais em

forma de raquete e binucleada, seta.

Fig.19- Uretra feminina. Podemos visualizar região da mucosa (epitélio e lâmina própria). Lâmina própria com

Fig.19- Uretra feminina. Podemos visualizar região da mucosa (epitélio e lâmina própria). Lâmina própria com glândula ureterais e com abundância de seios venosos, setas.

M
M

Fig.20- Uretra feminina. Podemos visualizar região da mucosa

(epitélio e lâmina própria). Lâmina própria com glândula ureterais e

com abundância de seios venosos e camada muscular M.

Fig.21- Uretra feminina. Podemos visualizar região da mucosa (epitélio de transição e lâmina própria).

Fig.21- Uretra feminina. Podemos visualizar região da mucosa (epitélio

de transição e lâmina própria).

M
M

Fig.22- Uretra masculina (uretra prostática). Podemos visualizar região da

mucosa (epitélio de transição e lâmina própria) e Camada muscular M.

Cc Cc
Cc
Cc

Fig.23- Uretra masculina (uretra esponjosa). Podemos visualizar região da

mucosa (epitélio e lâmina própria). Lâmina própria rica em seios venosos, seta.