Você está na página 1de 114

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR

 As células de nosso organismo precisam


constantemente de nutrientes para manutenção do seu
processo vital, os quais são levados até elas pelo
sangue.

 Estes elementos nutritivos são constituídos por


proteínas, hidratos de carbono e gordura, desdobrados
nas suas moléculas elementares (prótidos, lípidos e
glícidos) e ainda sais minerais, água e vitaminas.
SISTEMA CARDIOVASCULAR

 A função básica do sistema cardiovascular é a de levar


nutrientes e oxigénio às células.

 O sistema circulatório é um sistema fechado, sem


comunicação com o exterior, constituído por vasos, e
pelo coração que tem como função impulsionar o
sangue para toda a rede vascular.
SISTEMA CARDIOVASCULAR

 O sistema cardiovascular consiste no SANGUE, no


CORAÇÃO e nos VASOS SANGUÍNEOS.
 Para que o sangue possa atingir as células corporais e
fazer trocas com elas, deve ser, constantemente,
propulsionado ao longo dos vasos sanguíneos.
 O coração é a bomba que promove a circulação de
sangue por cerca de 100 mil quilómetros de vasos
sanguíneos.
CORAÇÃO

 O coração fica apoiado sobre o diafragma, perto


da linha média da cavidade torácica, no
mediastino, a massa de tecido que se estende do
esterno à coluna vertebral; e entre os
revestimentos (pleuras) dos pulmões. Cerca de 2/3
de massa cardíaca ficam a esquerda da linha
média do corpo. A posição do coração, no
mediastino, é mais facilmente apreciada pelo
exame de suas extremidades, superfícies e limites.
CORAÇÃO

 A extremidade bicuda do coração é o ápex, dirigida


para frente, para baixo e para a esquerda.

 A porção mais larga do coração, oposta ao ápice,


é a base, dirigida para trás, para cima e para a
direita.
Margens do coração

 Superior
 Inferior
 Direita
 Esquerda
Face esterno-costal (anterior)
Face Pulmonar (lateral)

Aurícula esquerda

Aurícula direita
PAREDE CARDIACA

Pericárdio: camada mais externa, serosa, possui áreas com tecido adiposo
Miocárdio: camada intermediária, composta de células musculares
cardíacas, unidas por TC, que dão suporte estrutural
Endocárdio: camada lisa mais interna; continua com a camada endotelial
MIOCÁRDIO
• Características:
Estriado, interconectado, age
como um sincício funcional.
GRANDES VASOS DO CORAÇÃO

• Tronco pulmonar: artéria pulmonar esquerda e direita


•Aorta ascendente (3 ramos): tronco braquiocefálico, carótida comum
esquerda e subclávia
Coração – parte interna
O coração possui quatro câmaras: duas aurículas e
dois ventrículos. As aurículas (as câmaras superiores)
recebem sangue; os ventrículos (câmaras inferiores)
bombeiam o sangue para fora do coração.
A aurícula direita é separado da
esquerda por uma fina divisória
chamada septo interauricular; o
ventrículo direito é separado
do esquerdo pelo septo
interventricular.
VALVULAS CARDÍACAS
ESTENOSE MITRAL

Causas:
Febre reumática, depósitos de cálcio
PROLAPSO MITRAL

Causa desconhecida ou genética


Aurícula Direita
A aurícula direita forma a
borda direita do coração
e recebe sangue rico em
dióxido de carbono
(venoso) de três veias:
• veia cava superior,
• veia cava inferior
•e seio coronário.
Aurícula Direita
•A veia cava superior,
recebe sangue da cabeça e
parte superior do corpo,
•A inferior recebe sangue
das partes mais inferiores
do corpo,
•O seio coronário recebe o
sangue que nutriu o
miocárdio e leva o sangue á
aurícula direita.
Aurícula Direita

O sangue passa da aurícula direita para ventrículo


direito através de uma válvula chamada tricúspide
(formada por três folhetos - válvulas ou cúspides).
Aurícula Esquerda
O átrio esquerdo tem
parede fina, com paredes
posteriores e anteriores
lisas, que recebe o sangue
já oxigenado; por meio de
quatro veias pulmonares. O
sangue passa a aurícula
esquerda para o ventrículo
esquerdo, através da
valvula bicúspide (mitral),
que tem apenas duas
cúspides.
Ventrículo direito

- Forma a face anterior.


- Cone arterial.
- Trabéculas cárneas.
-Músculos papilares
(ant/post e septal).
- Cordas tendíneas.
- Válvula auriculo-ventricular dtª.
- Septo interventricular.
-Válvula do tronco pulmonar.
Estrutura do ventrículo direito
Lado esquerdo do coração
- Forma a base do coração.
- Aurícula esquerda.
- Músculos pectíneos.
- Óstio auriculo-ventricular
esq.
- Óstios das veias
pulmonares.
Ventrículo esquerdo
Forma o ápice do coração.
- Parede espessa.
- Válvula auriculo-ventricular esq.
- Trabéculas cárneas.
- Músculos papilares.
VASCULARIZAÇÃO
ELETROFISIOLOGIA CARDÍACA

• SISTEMA DE CONDUÇÃO

Sistema eléctrico e especializado do coração:

1. Geração de impulsos ritmados → contracção


rítmica do miocárdio

2. Condução dos impulsos


SISTEMA DE CONDUÇÃO

Células auto-rítmicas
ou marca-passo:

- Localizadas no nodo
SA e nodo AV

- Iniciam o potencial de
acção
SISTEMA DE CONDUÇÃO
Localização: Mediastino:
1. No centro da
cavidade torácica

Divisão:
1. Superior
Abertura superior
do tórax
Ângulo do externo
2.Inferior
Anterior
Médio
Posterior
Organização estrutural do Mediastino
Mediastino:
Mediastino
Vascularização do coração
Irrigação arterial

Artérias Coronárias

Ramos da aorta.
Coronária dtª
Coronária esqª
Artéria Circunflexa
Artéria descendente
anterior
Vascularização do coração
Drenagem venosa

Seio coronário
V. cardíaca magna.
V. oblíqua da aurícula
esquerda
V. ventricular esq
V. cardíaca média
V. cardíaca parva
Esquema da circulação cardiaca

Aurícula esquerda

Válvula do tronco pulmonar Válvula Auriculo-ventricular esquerda - MITRAL

Válvula da Aorta

Válvula Auriculo-ventricular direita - tricúspide


CICLO CARDÍACO
 Sístole Auricular:

• Válvulas tricúspide abertas


• Válvulas semilunares fechadas
• Sangue passa para os ventrículos
CICLO CARDÍACO
 Sístole Ventricular:

• Válvulas tricúspide fechadas (1º ruído)


• Válvulas semilunares abertas
• Sangue passa para as artérias
CICLO CARDÍACO
 Diástole Geral

• Miocárdio relaxa
• Sangue entra nas aurículas e parcialmente os
ventrículos
•Válvulas tricúspides abertas
•Válvulas semilunares fechadas (2º ruído)
CICLO CARDIACO
• Eventos associados com o fluxo sanguíneo no coração:

Sístole

Diástole
Esquema de Circulação Cardíaca

Inicio da diástole Abertura das válvulas Contracção auricular Encerramento das Abertura das válvulas
após encerramento auriculo.ventriculares durante os válvulas da aorta e do tronco
das válvulas da durante os momentos momentos finais da auriculo.ventriculares pulmonar durante a
aorta e tronco iniciais da diástole diástole logo após inicio da sístole
pulmonar sístole
CICLO CARDÍACO
Sistema Circulatório
Sistema Linfático Sistema Sanguíneo

L. Circulante Vasos linfáticos (Glânglicos linfáticos)


Linfa
L. Intestinal Espaços entre as células
(defesa do
organismo)

Sangue Coraçã
Plasma Glóbulos o

Brancos Vaso
s
Sistema Circulatório
Grandes vasos
Veias
- Jugular interna + Subclávia
- Braquiocefálicas D. e E.
- Ducto linfático D
- Ducto torácico
- Cava superior
- Cava inferior
- Veias pulmonares (4)
Sistema Circulatório
Grandes vasos
Artérias
- Arco da aorta
- Tronco braquiocefálico
- Carótida comum dtª
- Subclávia dtª
- Carótida comum esqª
- Subclávia esqª
- Ligamento arterial (Ducto
arterial fetal)
- N. laríngeo recorrente
Vasos Sanguíneos

Artérias Transporte do sangue para o resto do Arteríolas


corpo
 Paredes espessas e elásticas
 Grande calibre

Veias Transporte do sangue para o Vénulas


coração
 Grande calibre
 Paredes delgadas e elásticas

Capilares
 Calibre reduzido
 Parede fina
SISTEMA CARDIOVASCULAR

 Circulação Pulmonar - leva sangue do ventrículo direito


do coração para os pulmões e de volta ao átrio esquerdo
do coração.

 Ela transporta o sangue pobre em oxigénio para os


pulmões, onde liberta o dióxido de carbono (CO2) e
recebe oxigénio (O2).

 O sangue oxigenado, então, retorna ao lado esquerdo do


coração para ser bombeado para circulação sistémica.
SISTEMA CARDIOVASCULAR

 Circulação Sistêmica - é a maior circulação;

 Fornece o suprimento sanguíneo para todo o organismo.


A circulação sistémica carrega oxigénio e outros
nutrientes vitais para as células, e capta dióxido de
carbono e outros resíduos das células.
SISTEMA CARDIOVASCULAR

 O sangue é composto por uma parte líquida, o


plasma, constituído de substâncias nutritivas e
elementos residuais das reacções celulares. O plasma
também possui uma parte organizada, os elementos
figurados, que são os glóbulos sanguíneos e as
plaquetas.
Sangue

Glóbulos Vermelhos:
 Transporte de oxigénio e de dióxido carbono

Glóbulos Brancos: Elementos figurados


 Defesa do organismo

Plaquetas:
 Coagulação do sangue

Plasma:
 Transporte de elementos figurados; gases; nutrientes; hormonas; produtos de excreção
SISTEMA CARDIOVASCULAR

 Os glóbulos dividem-se em vermelhos e bancos. Os


glóbulos vermelhos são as hemácias, células sem
núcleo contendo hemoglobina, um pigmento vermelho
do sangue responsável pelo transporte de oxigénio e
de gás carbónico. Os glóbulos brancos são os
leucócitos, verdadeiras células nucleadas, incumbidas
da defesa do organismo. São eles: neutrófilos,
basófilos, eosinófilos, monócitos e linfócitos.
Vasos sanguíneos
Formam uma rede de tubos que transportam sangue
do coração em direcção aos tecidos do corpo e de
volta ao coração. Os vasos sanguíneos podem ser
divididos em sistema arterial e sistema venoso:
Sistema Arterial: Constitui um conjunto de vasos que
partindo do coração, vão se ramificando, cada ramo
em menor calibre, até atingirem os capilares.
Sistema Venoso: Formam um conjunto de vasos que
partindo dos tecidos, vão se formando em ramos de
maior calibre até atingirem o coração.
Sistema Cardiovascular
A partir das arteríolas, o sangue é
capaz de realizar as suas funções
de nutrição e de absorção
atravessando uma rede de canais
microscópicos, chamados capilares,
os quais permitem ao sangue
trocar substâncias com os tecidos.
Dos capilares, o sangue é captado
em vénulas; em seguida, através das
veias de diâmetro maior, alcança de
novo o coração. Esta passagem de
sangue através do coração e dos
vasos sanguíneos é chamada de
CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA.
Vasos sanguíneos - Histologia
Estrutura dos vasos
Túnica adventícia ou externa:
composta por tecido conjuntivo. Nesta
túnica encontramos pequenos filetes
nervosos e vasculares que são
destinados à enervação e à irrigação
das artérias. Só grandes artérias.
Túnica média: camada
intermediária composta por fibras
musculares lisas e pequena quantidade
de tecido conjuntivo elástico. Está na
maioria das artérias do organismo.
Túnica íntima: forra internamente
e sem interrupções as artérias,
inclusive capilares. São constituídas por
células endoteliais.
Artéria e veia de grande calibre

A artéria possui luz arredondada e ampla, e parede espessa.


A veia possui luz irregular com uma parede mais delgada.
Geralmente são observadas dispostas lado a lado.
Artérias de grande calibre
(artéria elástica)
Na parede de uma artéria de grande calibre
observa-se a túnica íntima, a túnica média bem
desenvolvida e com várias camadas de músculo
liso e também a túnica adventícia, constituída de
tecido conjuntivo frouxo
contendo pequenos vasos sanguíneos,
responsáveis pela nutrição
das células das paredes
da artéria, chamados
de vasa vasorum.
Veia de grande calibre
Na veia de grande calibre, a túnica íntima é constituída por
endotelio e tecido conjuntivo subendotelial. A túnica média é
pouco desenvolvida, apresentando poucas camadas de fibras
musculares lisas. A túnica adventícia é muito espessa e contém
vasa vasorum.
Artéria e Veia de médio calibre
As artérias de médio calibre (musculares) possuem uma
túnica íntima constituída endotélio, tecido conjuntivo
subendotelial e lâmina elástica interna. A túnica média é
espessa, com várias camadas de fibras musculares
lisas. A túnica adventícia tem a mesma espessura da
túnica média e consiste em tecido conjuntivo frouxo com
vasa vasorum,
fibras elásticas
e fibras colágenas.
.
Artéria e Veia de médio calibre
Na veia de médio calibre, a túnica íntima é formada por
um endotélio achatado e uma fina camada de tecido
conjuntivo subendotelial contendo fibras musculares
lisas. A túnica média contém várias camadas de
músculo liso e a adventícia é a camada mais
desenvolvida, apresentando tecido conjuntivo frouxo,
fibras colágenas,
vasa vasorum e
fibras musculares
lisas.
Arteriola e Vénula
As arteríolas regulam o fluxo sanguíneo para os leitos
capilares. A túnica média é formada por uma ou duas
camadas de músculo liso. Os capilares drenam para as
vénulas, as quais possuem uma ou duas camadas de
células musculares lisas.
Nas vénulas menores, a
parede é formada por
uma camada contínua
de pericitos, circundada
por fibras colágenas.
Arteriola e Vénula
Os capilares são os vasos sanguíneos que apresentam
o menor calibre e onde ocorrem as trocas de gases e
metabolitos entre as células dos tecidos e o sangue. O
principal componente da parede do capilar é a célula
endotelial pavimentosa,
que repousa sobre uma
lâmina basal. São
encontrados com
frequência em tecidos
de alta actividade
metabólica.
Estrutura dos vasos

Vasa vasorum:
São vasos sanguíneos que irrigam a túnica
adventícia e a túnica media.

Anatomoses artério-venosas:
Permitem que o sangue circule das artérias
para as veias sem passar pelos capilares. A sua
função é regular a temperatura.
Estrutura dos vasos
O Polígono de Willis
Exemplo de uma anastomose,
formando um polígono. Ocorre no
cérebro para garantir uma acesso de
oxigênio as células nervosas, ou seja,
caso ocorra a obstrução de uma
artéria cerebral, a região irrigada pelo
vaso lesado ainda receberá sangue
proveniente de outra artéria do
polígono, preservando o tecido
nervoso.
Capilares Sanguíneos
De acordo com o seu diâmetro e permeabilidade
podem ser classificados em:
Contínuos – Músculos, tecido nervoso. São menos
permeáveis a grandes moléculas por a sua parede não ter
fendas entre as células endoteliais. 7 a 9 μm de Ǿ;
Fenestrados – tecidos onde os capilares são altamente
permeáveis como nas vilosidades intestinais, olho, plexos
coroideus do SNC e glomérulos renais. Têm muitas
fenestras.
Capilares sinusoidais – são os de maior diâmetro. Possuem
fenestras maiores que as anteriores e encontram-se nas
glândulas endócrinas.
Capilares Sanguíneos
Sinusoides – São capilares sinusoidais de grande diâmetro.
São comuns no fígado e na medula óssea. os macrófagos
estão intimamente associados as células endoteliais dos
sinusóides hepáticos.

As substancias atravessam a parede dos capilares por difusão


através das células endoteliais, através das fenestras e por
entre as células endoteliais. As substanciais lipossolúveis
difundem-se facilmente pela membrana plasmática, as
substancias hidrossolúveis de maior dimensão têm de
passar pelas fenestras entre as células endoteliais.
Capilares Sanguíneos
 Todo o aparelho circulatório é revestido por
epitélio pavimentoso simples:

– ENDOTÉLIO-

 CAPILARES: São constituídos apenas por


Endotélio

 O músculo liso da túnica média é inervado por


fibras simpáticas.
CIRCULAÇÃO DO SANGUE

Aurícula Artéria
Artérias Arteríolas
Esquerda Aorta

Circulação Capilares Sistémicos


Sistémica

Aurícula Vénulas
Veia Cava Veias
Direita
CIRCULAÇÃO DO SANGUE

Arteríolas Capilares Pulmonares Vénulas

Artéria Veias
Pulmonar Pulmonares
Circulação
Pulmonar
Ventrículo Aurícula
Direito Esquerda
Sistema Venoso
É constituído e veias que tem como função conduzir o sangue
dos capilares para o coração. As veias, também como as
artérias, pertencem a grande e a pequena circulação.

O circuito que termina na aurícula esquerda através das


quatro veias pulmonares trazendo sangue arterial dos pulmões
chama-se de pequena circulação ou circulação pulmonar. E o
circuito que termina na aurícula direita através das veias cavas
e do seio coronário retornando com sangue venoso chama-se
de grande circulação ou circulação sistémica.
Sistema Venoso
Veias da circulação pulmonar : As veias que conduzem o
sangue que retorna dos pulmões para o coração após sofrer a
hematose (oxigenação), recebem o nome de veias pulmonares.

São quatro veias pulmonares, duas para cada pulmão, uma


direita superior e uma direita inferior, uma esquerda superior e
uma esquerda inferior.

As quatro veias pulmonares vão desembocar na aurícula


esquerda. Estas veias são formadas pelas veias segmentares que
recolhem sangue arterial dos segmentos pulmonares.
Sistema Venoso
Veias da circulação sistêmica: Duas grandes veias
desembocam na aurícula direita trazendo sangue venoso para
o coração. São elas:

Veia Cava Superior e Veia Cava Inferior.

Temos também o seio coronário que é um amplo conduto


venoso formado pelas veias que trazem sangue venoso que
circulou no próprio coração.
Sistema Venoso
Veia cava superior

Veia cava superior: a veia cava

superior tem o comprimento de cerca de 7,5cm e diâmetro


de 2cm e origina-se dos dois troncos braquiocefálicos (ou veia
braquiocefálica direita e esquerda).

Cada veia braquiocefálica é constituída pela junção da veia


subclávia (que recebe sangue do membro superior) com a veia
jugular interna (que recebe sangue da cabeça e pescoço).
Veia cava inferior
Traz o
sangue da
cabeça e
Traz o pescoço
sangue dos toráx e
membros membros
inferiores e superores à
órgãos aurícula
abdominais direita
à aurícula
direita

 Veia cava inferior:

A veia cava inferior é a maior veia do corpo, com diâmetro de


cerca de 3,5cm e é formada pelas duas veias ilíacas comuns
que recolhem sangue da região pélvica e dos membros
inferiores.
Seio Coronário e veias Cardíacas
É a principal veia do coração. Recebe quase
todo o sangue venoso do miocárdio. Fica
situado no sulco coronário abrindo-se na
aurícula direita. É um amplo canal venoso
para onde drenam as veias. Recebe a veia
cardíaca magma (sulco interventricular
anterior) na sua extremidade esquerda, veia
cardíaca média (sulco interventricular
posterior) e a veia cardíaca parva na sua
extremidade direita. Diversas veias cardíacas
anteriores drenam directamente para a
aurícula direita.
Veias da cabeça e pescoço

VEIA REGIAO DRENADA

Jugular interna Encéfalo, face e pescoço

Jugular Externa Crânio e face

Estruturas profundas do
Vertebral pescoço(vértebras e medula cervical e
alguns músculos do pescoço)
Veias da cabeça e pescoço
Seio Sagital Inferior

Seio Sagital Superior Seio Recto

Seios Cavernosos
Seio Transverso Direito Seio Transverso Direito

Seio Sigmoide Seio Sigmoide


Jugular Direito Esquerdo Jugular
Externa Externa
Direita Direita
Subclávia Jugular Jugular Subclávia
Direita Interna Direita Interna Esquerda Esquerda
Vertebral
Vertebral
Direita
Esquerda
Braquiocefálica Braquiocefálica
Direita Esquerda
Veia Cava Superior
Crânio
A rede venosa do interior do crânio é
representada por um sistema de canais
comunicantes denominados:
Seios da dura-máter
São verdadeiros túneis escavados na membrana
dura-máter. Esta, é a membrana mais externa das
meninges.
Estes canais são forrados por endotélio.
Os seios da dura-máter podem ser divididos em
seis ímpares e sete pares.
Seios da dura-máter
Seios da dura-máter
Face
Normalmente as veias tireóidea superior, lingual, facial e
faríngica anastomosam-se formando um tronco comum que vai
desembocar na veia jugular interna.
O plexo pterigoídeo recolhe o sangue do território
vascularizado pela artéria maxilar, inclusive de todos os dentes,
mantendo anastomose com a veia facial e com o seio
cavernoso.
Os diversos ramos do plexo pterigoídeo anastomosam-se com
a veia temporal superficial, para constituir a veia
retromandibular.
A veia retromandibular vai unir-se com a veia auricular
posterior para dar origem à veia jugular externa.
A cavidade orbital é drenada pelas veias oftálmicas superior e
inferior que vão desembocar no seio cavernoso.
A veia oftálmica superior mantém anastomose com o início da
veia facial.
Pescoço
Descendo pelo pescoço, encontramos quatro
pares de veias jugulares.
Essas veias jugulares têm o nome de:
- Interna,
- Externa,
- Anterior,
- Posterior.
Pescoço
Veia jugular interna: anastomosa-se com a veia subclávia
para formar o tronco braquiocefálico venoso.
Veia jugular externa: desemboca na veia subclávia.
Veia jugular anterior: origina-se superficialmente ao nível
da região supra-hioídea e desemboca na terminação da veia
jugular externa.
Veia jugular posterior: origina-se nas proximidades do
occipital e desce posteriormente ao pescoço para ir
desembocar no tronco braquiocefálico venoso. Está situada
profundamente.
Veias da cabeça e pescoço
Veias do tórax e abdómen
Tórax: encontramos duas excepções principais:
- A primeira refere-se ao seio coronário que se abre
directamente na aurícula direita.
- A segunda disposição venosa diferente é o sistema
de ázigos.
As veias do sistema de ázigo recolhem a maior parte
do sangue venoso das paredes do tórax e abdómen. -
- Do abdómen o sangue venoso sobe pelas veias
lombares ascendentes;
- Do tórax é recolhido principalmente por todas as
veias intercostais posteriores.
Veias do tórax e abdómen
O sistema de ázigo forma um "H" por diante dos corpos
vertebrais da porção torácica da coluna vertebral.

O ramo vertical direito do "H" é chamado veia ázigos.

O ramo vertical esquerdo é subdividido pelo ramo horizontal


em dois segmentos, um superior e outro inferior.

O ramo horizontal é anastomótico, ligando os dois segmentos


do ramo esquerdo com o ramo vertical direito.

Finalmente a veia ázigo vai dar á Veia Cava Superior.


Veias do tórax e abdómen
Sistema da Veia Porta sistema venoso e que recolhe
sangue das vísceras abdominais para transportá-lo ao fígado.

A Veia Porta é formada pela anastomose da veia esplênica


(recolhe sangue do baço) com a veia mesentérica superior.

A veia esplênica, antes de se anastomosar com a veia


mesentérica superior, recebe a veia mesentérica inferior.

Depois de constituída, a veia porta recebe ainda as veias


gástrica esquerda e prepilórica.
Veias do tórax e abdómen
No hilo hepático, a veia porta bifurca-se em dois ramos
(direito e esquerdo), penetrando assim no fígado.
Vão-se ramificar em vénulas de calibre cada vez menor até à
capilarização.
Em seguida os capilares vão constituindo novamente vénulas
que se reúnem sucessivamente para formar as veias hepáticas
as quais vão desembocar na veia cava inferior.
A veia gonodal do lado direito vai desembocar num ângulo
agudo na veia cava inferior, enquanto a do lado esquerdo
desemboca perpendicularmente na veia renal.
Sistema Porta-Hepático
A circulação porta hepática desvia o sangue venoso dos
órgãos gastrointestinais e do baço para o fígado antes de
retornar ao coração.
A veia porta hepática é formada pela união das veias
mesentérica superior e esplênica.
A veia mesentérica superior drena sangue do intestino
delgado e partes do intestino grosso, estômago e pâncreas.
A veia esplênica drena sangue do estômago, pâncreas e partes
do intestino grosso.
A veia mesentérica inferior, que deságua na veia esplênica,
drena partes do intestino grosso.
O Fígado recebe sangue arterial (artéria hepática própria) e
venoso (veia porta hepática) ao mesmo tempo. Por fim, todo o
sangue sai do fígado pelas veias hepáticas que deságuam na
Veia Cava Inferior.
Sistema Porta-Hepático
Veias dos Membros Superiores
Veias dos Membros Superiores
Veias dos Membros Superiores
Veias dos Membros Inferiores
Veias dos Membros Inferiores
Veias dos Membros Inferiores
Artérias importantes
1 - Sistema do tronco pulmonar: o tronco pulmonar sai
do coração pelo ventrículo direito e bifurca-se em duas
artérias pulmonares, uma direita e outra esquerda. Cada
uma delas se ramifica a partir do hilo pulmonar em
artérias segmentares pulmonares.

2 - Sistema da artéria aorta (sangue oxigenado): É a


maior artéria do corpo, com diâmetro de 2 a 3 cm. As
suas quatro divisões principais são a aorta ascendente,
a crossa da aorta, a aorta torácica e aorta abdominal. A
aorta é o principal tronco das artérias sistêmicas. A parte
da aorta que emerge do ventrículo esquerdo, posterior
ao tronco pulmonar, é a aorta ascendente.
Artéria Aorta
Artéria Aorta
O começo da aorta contém as válvulas semilunares
aórticas. A artéria aorta ramifica-se na parte ascendente
em duas artérias coronárias, uma direita e outra
esquerda que vão irrigar o coração
Artéria Coronária Esquerda
Passa entre a aurícula esquerda e o tronco pulmonar.
Divide-se em dois ramos: ramo interventricular anterior
(ramo descendente anterior esquerdo) e um ramo
circunflexo. O ramo interventricular anterior passa ao
longo do sulco interventricular em direcção ao ápice do
coração e supre ambos os ventrículos. O ramo
circunflexo segue o sulco coronário em torno da
margem esquerda até a face posterior do coração,
originando assim a artéria marginal esquerda que supre
o ventrículo esquerdo.
Artéria Coronária Direita
A artéria coronária direita corre no sulco coronário ou
auriculo-ventricular e dá origem ao ramo marginal
direito que supre a margem direita do coração à medida
que corre para o ápice do coração. Após originar esses
ramos, curva-se para esquerda e contínua o sulco
coronário até a face posterior do coração, então emite a
grande artéria interventricular posterior que desce no
sulco interventricular posterior em direcção ao ápice do
coração, suprindo ambos os ventrículos.
Aorta torácica
Após a curva ou crossa da aorta, a artéria começa a
descer do lado esquerdo da coluna vertebral dando
origem aos ramos:

Viscerais (nutrem os órgãos):


1- Pericárdicos
2- Bronquicos
3- Esofágicos
4- Mediastinicos

Parietais (irrigam a parede dos órgãos):


5- Intercostais posteriores
6- Subcostais
7- Frênicas superiores
Aorta Abdominal

Ao atravessar o hiato aórtico do diafragma até


a altura da quarta vértebra lombar, onde
termina, a aorta é representada pela porção
abdominal.
Nesta porção a aorta fornece vários ramos
colaterais e dois terminais.
Aorta Abdominal

(colon
n ascendente e transverso)
(colon transverso, descendente,
sigmóide e reto)
Artérias dos Membros
Superiores

Cubital
Artérias dos Membros
Superiores

Artéria Cubital
Artérias dos Membros
Inferiores
Pressão e Velocidade do Sangue