LEV VYGOTSKY

Teoria sócio-interacionista

Matriz da aprendizagem: o conhecimento é construído socialmente. Nos anos 60 seus livros chegam no Ocidente e nos 70-80 são lidos no Brasil [expansão Construtivismo]. contemporâneo de Piaget.VYGOTSKY [1896 – 1934]  Psicólogo russo. Primeiro psicólogo moderno a sugerir que a cultura insere-se na natureza das pessoas. Influenciado por Piaget. mas o critica: não deu devida atenção ao meio.    . Obra silenciada pelo regime stalinista.

Visão de mundo: interacionista. Ser humano: sujeito ativo.Teoria sócio-interacionista  Modelo: marxismo. partícipe das atividades sociais. Objetivo:demonstrar como os processos sócio-históricos produzem mudanças e interferem nas funções cognitivas.    .

relação mediada entre sujeito e meio. planejamento. atenção involuntária] às superiores [consciência.    . Socialização: constituinte do desenvolvimento cognitivo. Sociabilidade promove o desenvolvimento de funções psicológicas elementares [reflexos. Base intrapessoal [genética] e interpessoal [relacional] em interação [interdependentes].Desenvolvimento cognitivo  Resultado de um processo sócio-histórico. deliberação].

Mudanças sociais configuram o desenvolvimento das funções psicológicas e cognitivas.Desenvolvimento cognitivo  Aprendizagem: base nas experiências sociais. transforma formas de pensar e o que pensar. na interação entre sujeito do conhecimento e contexto. Fonte de conhecimentos culturais e linguísticos. O conhecimento é descontínuo. Cultura amplia as possibilidades naturais.     .

memória.    . mas as relações entre as diferentes funções. linguagem] surgem e dependem da interação social. atenção. O desenvolvimento cognitivo consiste na formação de funções compostas: sistema de funções integradas. O desenvolvimento cognitivo é um processo de internalização das experiências sociais. O fundamental não é o progresso de cada função cognitiva vista em separado.Desenvolvimento cognitivo  Funções psicológicas [percepção.

Ex: voa porque criou o avião.Microgênese História de cada pequeno fenômeno psicológico. Ex: puberdade. velhice. passagens.Plano genético de 1º plano . seqüências. Como “x” aprendeu? Histórias singulares x momento da vida do sujeito. Espécie humana: plasticidade do cérebro.Ontogênse Entradas Desenvolvimento do ser. Não há 2 histórias iguais. Ritmo. não voar. bípede. História espécie [humano membro espécie]: limites e possibilidades de desenvolvimento. 4º plano . desenvolvimento em aberto. Cada cultura organiza o desenvolvimento de forma diferente. .Sociogênese História onde o sujeito está inserido. 3º plano . 2º plano .Filogênese desenvolvimento Ex: pinça. Cultura alargada as potencialidades.

Pesquisa [Vygotsky e Luria. criam novas atividades cognitivas. A passagem de modos primitivos de vida à modos mais complexos resulta em variações cognitivas? As transformações sócio-culturais influenciam o conteúdo do pensamento e as formas de vida? SIM: mudanças sócio-históricas introduzem novos conteúdos ao pensamento. alteram as formas de organização social.    . 1931]  Regiões primitivas.

Intervalo entre o nível de desenvolvimento real [já formado] e potencial [capacidade de aprender]. mas a “recortes do real” operados por sistemas simbólicos. Mediação: as pessoas não tem acesso direto aos objetos.Zona desenvolvimento proximal [ZDP]  Distância entre o que a criança faz sozinha e o que passa a fazer após a mediação de um adulto. Domínio do sistema de signos. aprender. A “mediação” auxilia a criança a desenvolver novos conhecimentos para resolver problemas.    .

O papel central da linguagem  Língua: fala. nomear e classificar. imagens. Desenvolve sistema simbólico [semiótico]: representacional.     . Simulacro do objeto: conceitos. generalizações. Função: 1º) comunicação. discurso dos grupos humanos. troca 2º) pensamento generalizante. recriar. criança aprende que “tudo tem um nome”. Cultura: universo de significações que permite interpretar o real. escrita] a pessoa se apropria da cultura e transita pelo tempo e espaço [verbos]. Ao apropriar-se da língua [falada. Sistema simbólico [signos]. Significados: fenômenos do pensamento. processar informações advindas do meio.

. suporte para transmissão de idéias e conceitos.Linguagem escrita  Relação pensamento e palavra. conceitos]. palavras. A escrita torna-se um instrumento: formato socializado.  Sistema de representação da realidade. O pensamento existe com o suporte da língua [linguagem.

Não é uma ação direta do sujeito sobre a realidade. O lugar do “outro social”: ser humano se prolonga nos demais.Como aprendemos?  Base biológica: limites e possibilidades para o desenvolvimento. interação].    . brincadeira. O “eu” não existe sem o outro [“self”]. Aprendizagem: mediada pelas informações recebidas do meio [jogo. Construção do conhecimento: interações entre a pessoa x meio.

  . Experimentação de papéis. Relação com os significados. regras.Como aprendemos? Brincadeira  Acesso ao mundo simbólico. não só com os objetos: “representação” da realidade. Ex: toquinho x carrinho. lúdico.

   . Motor de novas conquistas psicológicas. Desafio às etapas posteriores. Dimensão meta cognitiva: aquisição de conhecimentos baseados na interdependência de conceitos dentro de uma rede que permite passar facilmente de um a outro. Prática pedagógica:"desenvolvimento artificial”.Educação: Intervenção pedagógica  Fundamental na aquisição da linguagem oral e formação de um sistema conceitual. Escola: Aquisição rede de conceitos.

 Vygotsky: O desenvolvimento cognitivo depende das trocas mediadas entre sujeito e meio social. A evolução do conhecimento é linear: formas complexas substituem formas simples.Diferenças básicas entre Piaget e Vygotsky Piaget: O desenvolvimento cognitivo depende da maturação  biológica. Sujeito aprende porque se desenvolve. Sujeito atua sobre os objetos (meio).  . mas depende da interação pessoa-meio. Sujeito se desenvolve porque aprende. Sujeito se relaciona com os objetos (meio). não são simplesmente substituídos. Diferentes conhecimentos co-existem. Ambos são construtivistas: admitem que o conhecimento não é somente uma função mental. Há uma mediação entre sujeito-meio.