Você está na página 1de 11

SISTEMA IMUNITáRIO

Vigilância Imunitária
Vigilância Imunitária
 Uma das principais funções da
imunidade mediada por células é
reconhecer e destruir células
cancerosas.
Relação do Sistema
imunitário e células
cancerosas
Rejeição de enxertos

rejeitado o enxerto ao fim de 10 dias.

rísticas do dador e do receptor quando se procede a um enxerto de um tecido ou ao transplante de um


Conclusões

Os dados experimentais mostram que há rejeição de


enxertos quando o dador e o receptor pertencem a estirpes


diferentes, em que se verificam diferenças genéticas mais ou
menos acentuadas.

Os linfócitos T do receptor reagem contra as células


estranhas do enxerto destruindo-as.


Quando se reincide, repetindo um enxerto que já


previamente tinha sido rejeitado, a resposta imunitária é mais
intensa e mais rápida. Esta reacção é devida à presença de
linfócitos T de memória.

Para minimizar as reacções de rejeição no
organismo humano, procuram-se tecidos
ou órgãos que sejam, tanto quanto
possível, compatíveis com as
características bioquímicas do receptor.
Aplicam-se também ao receptor várias

drogas que suprimem a resposta


imunitária, mas estas drogas, como são
pouco selectivas, podem comprometer a
capacidade do sistema imunitário em
relação a outras infecções.
Numa situação de enxerto ou
de transplante é de
considerar:
Memória imunitária e
vacinação
Conclusões
 Quando o antigénio X é injectado aparece uma
resposta imunitária primária, traduzida pelo
aumento do número de linfócitos B produtores de
anticorpos, que atingem um máximo, começando
depois a baixar progressivamente.

 Se ocorrer um novo contacto como mesmo antigénio


X, surge uma resposta imunitária secundária mais
rápida, de maior intensidade e de duração mais
longa. É bem claro que o sistema imunitário
"relembra" o antigénio X e responde mais
eficientemente num segundo encontro.

 A memória é específica em relação ao antigénio X,


pois o primeiro contacto com o antigénio!
desencadeia uma resposta imunitária primária em
relação a esse antigénio, produzindo anticorpos
anti-antigénio Y, mas não produz linfócitos B
Vacinas

 O princípio da memória imunitária pode ser utilizado
na imunização do organismo, recorrendo a vacinas.
Uma vacina clássica é, em regra, uma solução,
preparada em laboratório, de agentes patogénicos
mortos ou inactivados de modo que não se
reproduzam. Muitas vezes utilizam-se os antigénios
do agente infeccioso ou mesmo, apenas,
determinantes antigénicos.

 Embora o risco de uma vacina provocar a doença seja


ínfimo, ele não é nulo. Actualmente trabalha-se, por
exemplo, para se conseguir produzir vacinas
comestíveis, incorporadas em órgãos vegetais
manipulados geneticamente, o que poderá tornar
as vacinas mais baratas e mais seguras