Você está na página 1de 22

Biossegurança e Precauções por

Vias de Transmissão

José Antonio de Melo Silva

Biossegurança e Precauções por Vias de Transmissão José Antonio de Melo Silva
Biossegurança e Precauções por Vias de Transmissão José Antonio de Melo Silva
Introdução  Profissionais de saúde – exposição diaria a diversas doenças infecto-contagiosas.  Doenças

Introdução

Introdução  Profissionais de saúde – exposição diaria a diversas doenças infecto-contagiosas.  Doenças
Introdução  Profissionais de saúde – exposição diaria a diversas doenças infecto-contagiosas.  Doenças
Introdução  Profissionais de saúde – exposição diaria a diversas doenças infecto-contagiosas.  Doenças

Profissionais de saúde exposição diaria a diversas

doenças infecto-contagiosas.

Doenças passíveis de serem transmitidas pelo contato com sangue e outros líquidos corporais.

Necessidade de adoção de medidas de isolamento na prática assistencial tem sido recomendada, para qquer paciente independente do conhecimento diagnóstico.

Introdução  IMPORTANTE!  Qualquer paciente atendido deve ser considerado como potencialmente portador de uma

Introdução

Introdução  IMPORTANTE!  Qualquer paciente atendido deve ser considerado como potencialmente portador de uma
Introdução  IMPORTANTE!  Qualquer paciente atendido deve ser considerado como potencialmente portador de uma
Introdução  IMPORTANTE!  Qualquer paciente atendido deve ser considerado como potencialmente portador de uma

IMPORTANTE!

Qualquer paciente atendido deve ser considerado como potencialmente portador

de uma doença infecto-contagiosa

transmissível pelo sangue e/ou fluídos corpóreos.

Epidemiologia das Infecções FONTE DOS MICRORGANISMOS MODOS DE TRANSMISSÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO

Epidemiologia das Infecções

Epidemiologia das Infecções FONTE DOS MICRORGANISMOS MODOS DE TRANSMISSÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO
Epidemiologia das Infecções FONTE DOS MICRORGANISMOS MODOS DE TRANSMISSÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO
FONTE DOS MICRORGANISMOS MODOS DE TRANSMISSÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO
FONTE DOS
MICRORGANISMOS
MODOS DE
TRANSMISSÃO
MEDIDAS DE
PREVENÇÃO

Diretrizes para precauções e isolamento em serviços de saúde

Precauções Padrão

e isolamento em serviços de saúde Precauções Padrão  Destinadas para tdos os pacientes independente do
e isolamento em serviços de saúde Precauções Padrão  Destinadas para tdos os pacientes independente do

Destinadas para tdos os pacientes independente do

seu estado infeccioso.

Lavagem das mãos

Antes e após todo contato com paciente e de entre dois procedimentos realizados no mesmo paciente,

utilizando água e sabão.

Uso de luvas

Quando há possibilidade de contato com sangue, fluidos corporais, secreção, excreção ou materiais

potencialmente infectantes.

Diretrizes para precauções e isolamento em

serviços de saúde Precauções Padrão

isolamento em serviços de saúde – Precauções Padrão  Uso de avental  Quando há possibilidade
isolamento em serviços de saúde – Precauções Padrão  Uso de avental  Quando há possibilidade

Uso de avental

Quando há possibilidade de contato da pele ou

roupas do profissional de saúde com sangue ou líquidos corporais potencialmente infectantes.

Uso de máscara, óculos e protetor facial:

Quando há possibilidadede respingos de sangue ou líquidos corporais potencialmente infectantes atingirem a face do profissional de saúde.

Diretrizes para precauções e isolamento em

serviços de saúde Precauções Padrão

isolamento em serviços de saúde – Precauções Padrão  Descarte de materiais pérfuro-cortantes  Em caixas
isolamento em serviços de saúde – Precauções Padrão  Descarte de materiais pérfuro-cortantes  Em caixas

Descarte de materiais pérfuro-cortantes

Em caixas específicas para descarte que devem ser

dispostas em locais visíveis e de fácil acesso. O re- encape de agulhas é proibido.

Descontaminação de superfícies

Caso haja presença de sangue ou líquidos corporais

potencialmente infectantes em superfícies.

Artigos e Equipamentos

Limpeza e desinfecção ou esterilização após o uso.

Sequência de uso de equipamento de

proteção individual

Sequência de uso de equipamento de proteção individual  PARAMENTAÇÃO  1 ° Avental  2
Sequência de uso de equipamento de proteção individual  PARAMENTAÇÃO  1 ° Avental  2

PARAMENTAÇÃO

1° Avental

2° Máscara (ou N 95)

3° Óculos de proteção

4° Luvas

DESPARAMENTAÇÃO

1° Luvas

2° Óculos de proteção

3° Avental

4°Máscara (ou N 95)

Higienização das mãos  Antes e após contato com paciente.  Após retirada das luvas.

Higienização das mãos

Higienização das mãos  Antes e após contato com paciente.  Após retirada das luvas. 
Higienização das mãos  Antes e após contato com paciente.  Após retirada das luvas. 

Antes e após contato com paciente.

Após retirada das luvas.

Após contato com sangue, fluídos corpóreos, secreções, excreções, objetos contaminados.

Lavagem com água e sabão seguida do uso de

álcool 70%.

Procedimento com mãos livres.

Toalha de papel para secagem.

Precauções baseadas nas vias de

transmissão - isolamento

Precauções baseadas nas vias de transmissão - isolamento  São aquelas recomendadas para pacientes suspeitos ou
Precauções baseadas nas vias de transmissão - isolamento  São aquelas recomendadas para pacientes suspeitos ou

São aquelas recomendadas para pacientes

suspeitos ou sabidamente infectados e/ou

colonizados por patógenos altamente transmissíveis e epidemiologicamente importantes.

São baseadas em três vias de transmissão:

Transmissão aérea por perdigotos (gotículas de saliva)

Transmissão aérea por aerossol ( com o ar).

Transmissão por contato.

Precauções na Transmissão aérea por

Perdigotos ( gotículas de saliva)

Transmissão aérea por Perdigotos ( gotículas de saliva)  Gotículas respiratórias  Geradas por tosse,
Transmissão aérea por Perdigotos ( gotículas de saliva)  Gotículas respiratórias  Geradas por tosse,

Gotículas respiratórias

Geradas por tosse, espirro ou procedimentos.

Geralmente >5 µm de diâmetro.

Gotículas não se propagam mas de 1 metro da fonte.

Transmissão envolve contato da gotícula com mucosa ou conjuntiva da boca ou nariz do indivíduo suscetível.

Uso de máscara ao entra no quarto, a menos de 1 metro do

paciente.

Partículas permanecem suspensas no ar por periodos prolongados.

Quarto privativo, não é necessário sistema especial de ventilação.

Precauções na Transmissão aérea por

Perdigotos ( gotículas de saliva)

Transmissão aérea por Perdigotos ( gotículas de saliva)  Transporte do paciente deve ser limitado ao
Transmissão aérea por Perdigotos ( gotículas de saliva)  Transporte do paciente deve ser limitado ao

Transporte do paciente deve ser limitado ao

mínimo possível e deve usar máscara

cirúrgica.

Doenças com isolamento por gotículas:

Caxumba, coqueluche, influenza

Meningite por Haemophilus influenzae Pneumococo, rubéola, difteria.

H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH
H. Dr.
Arthur
Ribeiro de
Saboya
APECIH
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l
Transporte
Transporte
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l
Privativo com porta fechada
Privativo
com porta
fechada
Uso pelo profissiona l
Uso pelo
profissiona
l
Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l Uso pelo

Uso pelo paciente

Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissiona l Uso pelo

Precauções na Transmissão aérea por

aerossóis

Precauções na Transmissão aérea por aerossóis  Aerossóis:  < 5 µm diâmetro / EX: Herpes-zoster,
Precauções na Transmissão aérea por aerossóis  Aerossóis:  < 5 µm diâmetro / EX: Herpes-zoster,

Aerossóis:

< 5 µm diâmetro / EX: Herpes-zoster, sarampo,

tuberculose pulmonar e larígea, Varicela

Pode ficar suspenso no ar por longos períodos. E podem ser dispersos a longas distâncias.

Proteção respiratória especial / máscara N95.

Quarto privativo com sistema de ventilação especial/ Unidades de isolamento com pressão negativa com

sistema de exaustão / Filtro HEPA

H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte
H. Dr.
Arthur
Ribeiro de
Saboya
APECIH
Transporte
Privativo com porta fechada
Privativo
com porta
fechada
Uso pelo profissional
Uso pelo
profissional
Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissional Uso pelo

Uso pelo paciente

Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Transporte Privativo com porta fechada Uso pelo profissional Uso pelo
Quarto e Transporte de pacientes  Quarto individual com porta fechada  Limitar a movimentação

Quarto e Transporte de pacientes

Quarto e Transporte de pacientes  Quarto individual com porta fechada  Limitar a movimentação ou
Quarto e Transporte de pacientes  Quarto individual com porta fechada  Limitar a movimentação ou

Quarto individual com porta fechada

Limitar a movimentação ou transporte do paciente fora do quarto.

Transporte do paciente com máscara

cirúrgica.

Orientação ao paciente tossidor / toilette respiratória.

Orientações ao paciente tossidor  Cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar.  Usar

Orientações ao paciente tossidor

Orientações ao paciente tossidor  Cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar.  Usar lenços
Orientações ao paciente tossidor  Cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar.  Usar lenços

Cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar. Usar lenços de papel.

Descartar lenços após uso.

Higienização das mãos após contato com secreção respiratória.

Sentar a pelo menos 1 metro de distância de outros pacientes.

Procedimentos que geram aerossóis

Precauções para aerossóis

que geram aerossóis Precauções para aerossóis  Intubação, sucção e nebulização.  Limitar
que geram aerossóis Precauções para aerossóis  Intubação, sucção e nebulização.  Limitar

Intubação, sucção e nebulização.

Limitar procedimentos indutores.

Se necessário:

Limitar exposição de profissionais de saúde ao

essencial.

Uso de EPI adequado:

Respiradores N95, avental, luvas, protetor ocular.

Uso de dispositivos de sucção fechados.

Precauções de Contato  Transmissão direta através do contato  Transmissão indireta / objetos intermediários

Precauções de Contato

Precauções de Contato  Transmissão direta através do contato  Transmissão indireta / objetos intermediários
Precauções de Contato  Transmissão direta através do contato  Transmissão indireta / objetos intermediários

Transmissão direta através do contato

Transmissão indireta / objetos intermediários

contaminados.

Usar luvas e avental ao entrar no quarto.

Descarte de luvas e avental ao sair do quarto.

Esfignomanômetro, estetoscópio e termômetro uso

individual.

Quarto privativo.

Transporte do paciente / conter as secreções.

H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH
H. Dr.
Arthur
Ribeiro de
Saboya
APECIH
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Privativo Se contato com o paciente Uso individual Transporte
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Privativo Se contato com o paciente Uso individual Transporte
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Privativo Se contato com o paciente Uso individual Transporte
H. Dr. Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Privativo Se contato com o paciente Uso individual Transporte

Privativo

Se contato com o paciente
Se contato
com o
paciente
Arthur Ribeiro de Saboya APECIH Privativo Se contato com o paciente Uso individual Transporte Secreções contidas
Uso individual
Uso
individual
Transporte
Transporte
Secreções contidas
Secreções
contidas