Você está na página 1de 37

|  |



 |  | |
  
  
Formador
António Carlos Rodrigues Gomes
6ª sessão ± 23 de Fevereiro de 2010
4  

4orque a Escrita é
uma Ferramenta
alternativa à
memória humana.
Ela altera a
capacidade do
homem armazenar e
gerir a informação
| 
A motivação para a
aprendizagem da escrita terá
obrigatoriamente que fazer
ressaltar
este factor de interacção
comunicativa: escreve-se para
se ser lido, para transmitir ao
outro
aquilo que não poderia ser
transmitido de outro modo com
a mesma eficácia
      

Ë

Ä 
 
 
  

 
  

›   
  
   
 
  
     
› 
      
      

×

ð 
 


›   
       
 
  
›        
 
     
      

6

¢ 
Ä 


| 
        
!
"
#          
 
      

J

¢ 
ð 
 

?       


$ 
› 
    
 

    
      
      


¢ 

¢ 

 

4        



    
%         
  
 
   
      
  
 
a
      

x

¢ 
Ë ! 

?
    
   



   
       
   

 

à"  ÷$#  % 
! 
 
     

 #  
  
 
   
 
 
#       
  '
„  
  
    # 
'
 
›
'   
%  
|
  
 '   

&
 
| 
  '  
#
  

 
 
'

   
 
4
 

Contribuem para a clareza


na escrita e para a
obtenção de informações à
   
adicionais na leitura

2  
10
   
| 


11

÷$# # 




# 
&
^ '  
 
# ^ à ( 
 

  
(  %  +   
 
,  
  
-
)
 #    
   )
$
   '  ' 
''*
$      '    

 
$     ' 
 *
$*

4ereira, Luísa Álvares; Azevedo, Flora (200× à   


  


   
4orto: Areal Editores
   


%

   
)  
  
     

   
  


  %    


 
   .    
 

     (a
descoberta de que as letras
! representam os sons da fala
 
 

  
  ›     
 
 
    
   

  
Ä    
   
 

 /0  $ 


    
V início da aprendizagem formal da escrita
constitui um momento para o professor observar:

Ä As concepções que os alunos possuem quanto à escrita;


por exemplo, para que serve, quais são os seus elementos
(letras, palavras, sinais de pontuação , como se organiza, etc. ;

2. A capacidade dos alunos para operarem com as unidades


fonológicas implicadas na representação escrita,
designadamente os fonemas; por exemplo, a criança que usa,
no jardim-de-infância, as letras AU para escrever gato mostra
que identifica claramente estes fonemas na palavra gato.

 !  


6      




6 |  
  


4ara escreverem palavras correctamente as
crianças deverão ser capazes de :

6       




6         


 

6         



      
        

w

 

  
 
§ |      
  
 &
 
 
 $  
           
   &
        $   1
  .      1      
   
     &    .  

    1   &'

§ |    

        2  

             
$ 
   

    
   '

§ |
       
    
 
     '      
$
 
 
  
          
 
    
   
 
w

 

!  

  "  
Corresponde à aprendizagem das regras que Liga directamente a forma ortográfica à sua
estabelecem a representação do som em causa, representação em termos de significado (sem
em diferentes contextos, a fim de se efectuar a passar pela análise dos fonemas nem pela
conversão dos fonemas em grafemas de forma conversão dos fonemas em grafemas .
correcta.
Ex. -m- antes de -p- ou -b- para nasalizar a Ex. paço  palácio; passo  caminhar
vogal
É activada nas palavras cuja ortografia fixámos.

por si só não permite 4ermite associar aos diferentes significados a
diferenciação entre palavras homófonas grafia das palavras homófonas procedendo a
(concelho/conselho  igual forma análise semântica e sintáctica (noz/nós .
fonológica podem escrever de forma igual;
Nem sempre a forma fonológica encontra 
nas palavras de escrita
correspondência gráfica exacta (ex. cereja . desconhecida.

! 
#        (  

    


1. Incorrecção por falhas de transcrição;


2. Incorrecção por transcrição de formas da oralidade corrente;
3. Incorrecção por inobservância de regras ortográficas :
- de base fonológica:
-contextuais; ou relativas à posição acentual (tónicas /átonas ;
Ë. Incorrecção por inobservância de regras de base morfológica
×. Incorrecção quanto à forma ortográfica específica das
palavras (não previsível por regras ² critério lexical ;
6. Incorrecção de acentuação.
J. Incorrecção por utilização incorrecta de minúsculas e
maiúsculas;
a. Incorrecção por inobservância da unidade gráfica da
palavra;
x. Incorrecção de translineação.
Classificação das incorrecções ortográficas

1 
  

     

‡ sílabas iniciadas por grupos consonânticos, como em pedra, escrito *peda;
‡ sílabas terminadas por consoante, como perto, escrito *peto, animal
escrito *animale
‡ sílabas em que o núcleo é constituído por um ditongo, como em *quemar
por queimar
‡ à transcrição da nasalidade
‡ sentaram-se escrito *setaram-se
‡ à discriminação da oposição surda/sonora *foram escrito voram , etc.
d÷  
‡ treino da consciência fonológica
‡ sistematização da aprendizagem de determinadas sequências
sonoras/gráficas que levantem problemas (integradas em palavras reais
Classificação das incorrecções ortográficas

ð    


 
d  
 por  

d   por  
d  

÷  
G reforçar a consciência das variações e usos da língua
G proporcionar acesso à forma do registo cuidado e padrão (que
geralmente constitui a referência para a ortografia
Classificação das incorrecções ortográficas

¢    #


  

 
(que podem ter na sua base aspectos contextuais ou acentuais

à%# !# 
_  K 
 

     
  

_  _
 

 proporcionar e estimular a fixação na memória da forma
gráfica destas palavras
 reforçar a consciência de regras específicas (contextuais e
acentuais
Classificação das incorrecções ortográficas

Ë    #


  
 

d   por 
d
 por

d   por   
 
d   por  

÷  
Gmobilizar a informação morfológica, colocando-a
em confronto com a informação fonológica
Classificação das incorrecções ortográficas

×   $



 


d
 por

d  por  
d
 
d

 por
 
÷  
d treino do acesso a estas palavras pela via lexical
Classificação das incorrecções ortográficas

=   


(por
exemplo,    !    "#  por
#  $


J 
   
 
 ligadas ao critério do referente, ou seja, à representação dos nomes
comuns/próprios (ex. *    %   
ligadas à organização das frases no texto (designadamente à
utilização de maiúscula no início de período .
Classificação das incorrecções ortográficas

a  #


a junção de palavras (ex.:      
b separação de elementos de uma palavra ex.: 

x  
(ex.:         
w $  

      



A correcção deve ser um instrumento eficaz para a
aprendizagem. Deve ser concebida como uma técnica didáctica
variada, flexível ± às vezes prescindível ±, e não como uma
operação de controlo obrigatória após cada texto.
É uma actividade que pode realizar-se de muitas maneiras:
individual, em grupo, aos pares, com ou sem o professor, pode ser
divertida, activa e motivante, que pode implicar e responsabilizar
o aluno.
A primeira regra para rentabilizar o nosso trabalho, é definir a
utilidade didáctica que vamos dar-lhe.

! 
   


       


   
   
       
         

  


 

%&  '    



 

ð&!      


 
  

¢&      


    
| 

 

  


 

  #  
   $#
 
       

v/f

 

ch/j


 
 
³farco´ por ³fraco´

 

| 
implicam
6      
 , através do contacto frequente com a
palavra e da atenção prestada à sua forma;
 Construção de vocabulários ou listas com palavras em que o(s aluno(s apresenta(m
dificuldades;
 Reforço da frequência do contacto com a palavra, tornando-a visível no ambiente que
rodeia os alunos;
 Construção de paradigmas ou conjuntos de palavras em que a mesma dificuldade
ortográfica esteja presente.

6      


  $
     
, pelo
que se torna necessário aprender a forma ortográfica específica de determinadas
palavras;

6    , nomeadamente


as que estão ligadas pela origem, pelo sentido e também pela partilha de características
ortográficas.
 


6   
            $
 
    

6       


          
  
 

6              


    $
    
      
    

6         


       
       
 4      
  
      !        
      

6           !     


     
 |       
            '  ! 

            !
   
 4 

V Assinado em Lisboa a 16 de Dezembro de 1xx0.


Aprovado para ratificação pela Resolução da Assembleia da República n.º
26/x1, de 23 de Agosto.
V Resolução da Assembleia da República n.º 3×/200a
Aprova o Acordo do Segundo 4rotocolo Modificativo ao Acordo
Vrtográfico da Língua 4ortuguesa, adoptado na V Conferência dos Chefes
de Estado e de Governo da Comunidade dos 4aíses de Língua 4ortuguesa
(C4L4 , realizada em São Tomé em 26 e 2J de Julho de 200Ë.
VV novo Acordo Vrtográfico entrou em vigor em Janeiro de 200x. Mas,
até 2012, decorre um período de transição, durante o qual ainda se pode
utilizar a grafia actual.
   
 4 


 
     
 
1.º V alfabeto da língua portuguesa é formado por 26 letras, cada uma
delas com uma forma minúscula e outra maiúscula:
a A (á i I (i
s S (esse
b B (bê j J (jota
t T (tê
k K (capa ou cá
c C (cê u U (u
l L (ele m
v V (vê
d D (dê M M (eme
w W (dáblio
e E (é n N (ene
x X (xis
o V (ó
f F (efe y Y (ípsilon
p 4 (pê
z Z (zê
g G (gê ou guê q Q (quê
h H (agá r R (erre
   
 4 

  


Ä !   ) #  # 
&
- 3 

         
'
s-     
   )    ' 
s'   
_-  .  +.     
    4     
   
   4     .  

  -) 
                    
 s  
s
-       _ s 

-  
   +     
 -) 
 + )  
-'
-  &.  .  + 

 
  4 -) 

 K     s_    s
 _   s' 
    + 

  -'  
-                 + 


 4 -) 
  + 
  - 

_ + 

_-'   


  + !  !

   -
›
4   )
   
 4 

  


! ) # # 
&
-  
.    
 )
 K '_   "#$ %
'
s-  
.    
 )
! s !   
 &    

 ' ( '
_-       
 
. )
 
' 
)
'
-       

 )
*


   +   
      _ _ '
-     
  
 )

  _ &     
 '
-  

   .  

)
     
    +# -'
-  
    
     

)

 
5  
 
 4
  "    
,  
  _ 

    

 
'
   
 4 


 V   
Ä 'V   &
- 4
)  ( _   ,     '
s-|
       ) -. -. /
ð 'V  #  &
-6   
    


   )
     ' 

  .  .   + 

 s_ .
 s . s      
-'
s-6       
   
   
 
  
)s s   .  . . %  . s .s  . s 
.
  


783 
$  

   
 
   

 

   )
  ( _)
   _._

.(

0 . s  
Ë83   $  
  )/
   
 4 

  

   

*         *


R            *

 9           *


 *        *

 
 
 
 
 *
 * 
 
  
 
*
   
 4 

  



    :;    7; 
 

          *

    


  

     
 *
*  
   


 #
   . 
+- +   -
 + -  + 

-
 + -  + 

-
+- %+
. -

*   )  


  2
 2
   
 4 

  

|#   #   &

 4 &
     
 
   

   
  
 .     
*

 4 &
     
 
 
 
 
 
  

 
  &
  *

    
    
  



 +