Estrutura do envoltório nuclear

Profa. Maristela Ruberti

Oenvoltório nuclear protege o material genético:
O envoltório nuclear separa o núcleo do citoplasma e permite que a célula controle o acesso a seu material genético. y O envoltório nuclear é constituído por duas subunidades de membrana concentricas que limitam uma cavidade interna a cisterna perinuclear y A membrana externa tem ribossomos aderidos e apresenta continuidade com o retículo endoplasmático rugoso, razão pela qual é considerada uma porção especializada do retículo.
y

As membranas do envoltório são lipoprotéicas apresentando em torno de 30% de liídeos e 70% de proteínas dentre as quais glicoproteínas. Cerca de 90% são fosfolipídeos e 10% são trigicerídeos, colesterol e ésteres de colesterol.

Esquema da lâmina nuclear e a cromatina presa a ela.

Micrografia eletrônica mostrando envoltórios nucleares compostos por duas mebranas e os poros nucleares. .

Em alguns pontos a fusão da membrana interna com a membrana externa leva ao estabelecimento dos poros. cuja função principal é regular o trânsito de macromoléculas entre o núcleo e o citoplasma. os complexos de poros. Esses poros são preenchidos por agregados protéicos. .O envoltório nunclear é perfurado pelos complexos de poros O envoltório nuclear não é contínuo como as demais membranas biológicas. Os poros são uniformemente espaçados e sua quantidade varia conforme o tipo celular e/ou seu estado funcional.

Poro nuclear a parte intranuclear forma um anel contínuo .

Ran proteína da família das enzimas que quebram GTP em GDP GTPases. Os receptores de importação nuclear (importinas) e de exportação (exportinas) possuem dois domínios um que se liga a Ran e outro que se liga à molécula a ser transportada. Ran hidrolisa GTP e fornece energia para o transporte das macromoléculas .A Ran controla o sentido de translocação de moléculas pelo poro.

.Diafragmas na região do poro nuclear estruturas arredondadas (setas). Permeabilidade seletiva.

. Observe as duas membranas e o poro.Elétron-micrografia de material preparado pelo método de criofratura.

A lâmina nuclear confere forma e estabilidade ao envoltório nuclear: Rede protéica com 10-20nm de espessura. 3 do tipo B e 2 do tipo C Mutações nesses genes causam laminopatias (doenças genéticas que causam distrofia muscular) Exemplo: Síndrome de Emery-Dreifuss (EDMD). . Nos vertebrados existem 3 genes que codificam 7 tipos de laminas: 2 do tipo A.

primeiramente. com a evolução da doença a condução cardíaca é alterada.A distrofia muscular de Emery-Dreifuss é uma forma de distrofia muscular freqüentemente associada a contraturas articulares e defeitos de condução cardíaca. podendo levar o paciente à morte . Atinge. os músculos dos calcanhares. que pode ser causada pela deficiência da proteína emerina na membrana nuclear interna das fibras musculares. cotovelos e pescoço.

nucleosídeos e íons. onde estão mergulhados os nucléolos e a cromatina. RNAs. .Nucleoplasma: solução aquosa de proteínas.

com exceção dos nucléolos.O material genético está na forma de cromatina O termo cromatina deriva do grego croma. cor e designa. . constituindo os cromossomos. Sua organização é dinâmica e se altera conforme a fase do ciclo celular e com o grau de atividade da célula. Assim a cromatina e os cromossomos constituem aspectos morfológicos e fisiológicos de uma mesma estrutura. No núcleo interfásico a cromatina se apresenta compactada e/ou descompactada. No núcleo em divisão a cormatina se encontra altamente compactada. toda porção do núcleo que se cora e é visível ao microscópio de luz.

Elétron-micrografia de corte da medula óssea. .

A cromatina é constituída por DNA complexado com proteínas Essas proteínas são as histonas e as não histônicas e um pouco de RNA também sempre é encontrado em associação ao DNA .

Estrutura molecular da Cromatina Nucleossomo : 4 tipos de histonas (duas de cada). Uma molécula H1 ou H5 se liga na parte externa e em associação com o filamento de DNA. .

.

Cromatina e a expressão da informação genética .

. Em um nível maior de compactação encontra-se a heterocromatina que não é transcrita em RNA permanecendo sempre inativa. A mesma fibra cromatínica pode apresentar regiões eucromáticas contínuas com regiões heterocromáticas. e o restante. que é menos condensada. Eucromatina: 10% na forma ativa. mais condensado é a eucromatina inativa.Estados funcionais da Cromatina Os estudos ao microscópio de luz revelaram dois padrões distintos de coloração da cromatina que corresponem aos estágios de compactação da mesma: a heterocromatina de coloração intensa e uma menos corada a eucromatina.

Pode conter sequências gênicas em cópias únicas ou mediamente repetitivas passíveis de transcrição. A heterocromatina facultativa é a parte da heterocormatina que. em um mesmo organismo. mas que são inativadas. o cromossomo X. Essa inativação é aleatória e em algumas células o cromossomo inativado é de origem materna e em outras de origem paterna. A heterocromatina constitutiva é formada por sequências gênicas altamente repetitivas. . O exemplo mais comum deste tipo de heterocrormatina é a cromatina sexual dos mamíferos fêmeas. Um dos cromossomos X nas fêmeas é inativado ainda durante a vida intra-uterina . que nunca são transcritas.A heterocromatina também se divide em heterocromatina constitutiva e heterocromatina facultativa. se apresenta descondensada em algumas células e condensadas em outras.

Nas células do epitélio bucal a cromatina sexual aparece como uma pequena massa densa aderida à membrana nuclear. tem aspecto de uma raquete saliente e presa a um lobo do núcleo. . que é irregular nesse tipo de célula.Morfologia da cromatina sexual (sexo feminino). no neutrófilo.

denominadas ´regiões organizadoras de nucléolos Nors (do inglês nucleolar organizations regions) . Os genes que codificam os rRNAs estão localizados em porções de fibras cromatínicas compactação. após sua constituir as de Essas de secundárias específicos.No nucléolo ocorre a síntese do RNA ribossômico. constrições cromossomos regiões foram irão que.

ITS= espaçador transcrito interno .Síntese e processamento do RNA ribossômico ETS = espaçador transcrito externo.

Estrutura do cromossomo metafásico: complexidade do empacotamento da molécula de DNA .

Organização estrutural dos cromossomos .

O número de cromossomos de uma espécie é constante e é mantido durante os ciclos de divisão que a célula passa. Exceção a meiose formação dos gametas. o qual se denomina cariótipo. Espécie Ascaris megalocefala Culex pipiens (mosquito) Homo sapiens (homem) Gorilla gorilla (gorila) Capra hircus (cabra) Equus caballus (cavalo) Solanum tuberosum (batata) Nº de cromossomos 2 6 46 48 60 66 48 .O complemento cromossômico de uma espécie é constante Toda espécie animal e vegetal tem um complemento cromossômico característico . O cariótipo é o conjunto de características constantes dos cromossomos da espécie. quanto ao número tamanho e morfologia.

Cromossomos politênicos .

Cromossomos politênicos Fotomicrografia dos cromossomos politênicos de núcleo interfásico das glândulas salivares do inseto díptero Rhynchosciara angelae. . Tamanho pode variar de 150 a 250mm.

Fotomicrografia dos cromossomos politênicos de núcleo interfásico das glândulas salivares do inseto díptero Rhynchosciara angelae. . Em A a região após a regressão do pufe. As setas indicam as regiões de pufe ou região de transcrição.

.inseto díptero Telmatoscopus sp. Fotomicrografia .Cromossomos politênicos.

Cromossomos plumosos .

Fotomicrografia de dois ovócitos primários. As células se apresentam em meiose o nucléolo é bem visível e pode-se observar os cromossomos bem condensados. .

Cariótipo Humano Faixas .

Estrutura da molécula de DNA Os ácidos nucléicos são polímeros de nucleotídeos .

Estrutura da molécula de DNA e RNA .

O RNA contém uma Uracila no lugar da Timina .

4nm .Estrutura da molécula de DNA 3.

Estrutura da molécula de DNA .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful