Você está na página 1de 23

Formação para o trabalho –

Informática Básica
Prof. Ms. Paulo Henrique de Menezes
Brandão

Software livre
Evolução Tecnológica
Software é uma estrutura lógica, um
programa que realiza funções dentro
de um sistema computacional.

Sistemas operacionais, drivers que controlam o


comportamento de alguns hardwares e todos os
aplicativos utilizados pelos usuários finais.
Programador
Cozinheiro

Código fonte Receita

Linguagem de
Ingrediente
programação

Bolo

Software
SOFTWARE PROPRIETÁRIO
Para utilizar, copiar, ter acesso ao código-fonte
ou redistribuir, deve-se solicitar permissão ao
proprietário, ou pagar para poder fazê-lo: será
necessário, portanto, adquirir uma licença,
tradicionalmente onerosa, para cada uma
destas ações.
– Windows, MS Office, SAP
Mas pode ser gratuito: – MS Internet Explorer,
Outlook Express
Negócio: venda de licenças de uso
• Licenças de uso restritivas
• Copyright: direitos do autor
Licença de Software

Definição de ações autorizadas (ou proibidas) no âmbito


do direito de autor de um programador de software de
computador concedidas (ou impostas) ao usuário deste
software.

Entende-se por usuário qualquer entidade legal, empresas


ou um "usuário final (doméstico)", origem da expressão
End User License Agreement (EULA).

Quando uma licença acrescenta restrições para além das


existentes no direito de autor, o usuário tem normalmente
de aceitar que lhe sejam impostas estas restrições para
poder sequer utilizar o software.
SOFTWARE LIVRE

Todo e qualquer programa de computador


cuja licença de direito de autor conceda ao
utilizados as seguintes 4 liberdades :
– Liberdade 0: A liberdade de executar o programa, para
qualquer propósito.

– Liberdade 1: A liberdade de estudar como o programa


funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao
código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade.

– Liberdade 2: A liberdade de redistribuir cópias de modo


que você possa ajudar ao seu próximo.

– Liberdade 3: A liberdade de aperfeiçoar o programa, e


liberar os seus aperfeiçoamentos, de modo que toda a
comunidade se beneficie. Acesso ao código-fonte é um pré-
requisito para esta liberdade.
SOFTWARE LIVRE

Liberdade para usar, modificar e distribuir


• Copyleft: autor abre mão dos direitos
• Não necessariamente é gratuito
• Negócio: indireto (venda de
treinamento, suporte, alavancagem de
vendas para outros produtos, etc.)
•Richard Stallman
•Idealizador do movimento de software livre
•Gnu Public License
•http://www.fsf.org
Alguns mascotes e símbolos do
software livre GNU, FreeBSD daemon
e Tux, do Linux.
Licenças de Software Livre
• Direitos autorais
– Ao disponibilizar um programa, seus autores escolhem o grau
de liberdade com que modificações e redistribuições podem
ser efetuadas.
• Tipos de licenças
– GNU Public License (“copyleft”): qualquer modificação de SL
também deve ser SL
• Impede que SL seja integrado em software proprietário.
– BSD-like: poucas restrições sobre a forma de uso, alterações
e redistribuição do software licenciado.
• O software pode ser vendido e não há obrigações quanto a
inclusão do código fonte, podendo o mesmo ser incluído
em software proprietário.
– GNU Library License: SL pode ser incluído em software
proprietário.
• Produto final deve ter a parte de SL distribuída livremente
B
O
L
O
www.softwarelivre.gov.br

Portal do Governo Federal, onde é disponibilizado amplo material sobre a


difusão e uso do software livre.
Linus Torvalds
• Criador do Linux (1991)
• Esforço colaborativo mais
amplo e de maior sucesso na
Internet
• Revolucionário em todos os
sentidos
Dê um pouco,
pegue muito
Lema da comunidade
de código aberto
(Businessweek, 31 de
janeiro de 2005)
Inclusão digital
• Obter os conhecimentos necessários para
utilizar, com um mínimo de proficiência, os
recursos de tecnologia de informação e
comunicação existentes;

• Dispor de acesso físico regular a esses


recursos.
Software Livre e inclusão digital

- Estimula naturalmente a difusão do conhecimento


permitindo que mais pessoas tenham acesso às
oportunidades abertas pelas novas tecnologias;

- Cria uma rede de compartilhamento de usuários no uso


de softwares livres;

- Estimula o desenvolvimento da tecnologia nacional


porque os desenvolvedores brasileiros podem criar
soluções totalmente adaptadas à realidade nacional, a
partir dos programas desenvolvidos pela comunidade
mundial de programadores;
- Auxilia
a estabilização da economia, pois não é mais
necessário o envio de dinheiro ao exterior a título de
compra e serviços de software proprietário;

- Incentiva o desenvolvimento de tecnologia local;

- Permite interagir e compartilhar soluções com sua


comunidade, seja física ou virtual;

- O usuário não permanece dependente de novas


versões/inovações de softwares proprietários com
preços abusivos que, eventualmente, apresentam
incompatibilidades com versões antigas.
Referências Bibliográficas:

•http://pt.wikipedia.org/wiki/Software_livre
•Projeto GNU
http://www.gnu.org/home.pt.html
•Manifesto de Hipatia (em português)
http://www.hipatia.info/mh.pt.html
•Projeto Software Livre Bahia
http://www.psl-ba.softwarelivre.org
•Debian GNU/Linux
http://www.debian.org