Você está na página 1de 1

NOME COMPLETO DO TRABALHO

Obs.: não alterar a formatação (fonte, tamanho, espaço, etc)

Autores:
1 LIMA J. M..; 2 KUWAHARA M.; 3 BUSELLI A. A. P. T.; 4 FERREIRA F. J. H.; 5 MORAIS M. H. C.; 6 JONH F. M. L.

INTRODUÇÃO RESULTADOS E DISCUSSÃO


As construções apresentam uma característica que as diferenciam de Rebello (2008) cita que recalque são as deformações sofridas pelo solo quando
outros produtos: elas são construídas para atender aos seus usuários submetido às cargas da estrutura, provocando em alguns casos o deslocamento
durante muitos anos, e ao longo deste tempo de serviço devem da fundação, esta movimentação propicia danos irreversíveis na estrutura da
apresentar condições adequadas. Nesse sentido, Interligado ao avanço edificação.
tecnológico desencadeou uma grande expansão no ramo da De acordo com a NBR 6122 (1996) o recalque é definido pelo movimento
construção civil. Entretanto, apesar desse aperfeiçoamento no campo vertical descendente de um elemento estrutural, por exemplo uma sapata.
das técnicas, processos e materiais de construção, tem-se identificado Define também o recalque diferencial específico como sendo a relação entre as
uma grande quantidade de construções apresentando patologias das diferenças dos recalques de dois apoios e a distância entre eles.
mais variadas espécies. Um dessas patologias é o recalque que ocorre De acordo com FALCONI (1998), distorção angular é a rotação da linha
devido deformação que ocorre no solo quando submetido a cargas. ligando dois pontos, depois de descontado o desaprumo. Sendo causado
Essa deformação provoca movimentação na fundação que, principalmente por recalques diferencias.
dependendo da intensidade, pode resultar em sérios danos a estrutura, Tabela 1 – Resultados da caracterização mecânica dos compósitos de bambu,
variabilidade do solo gera recalques desiguais( Quem foi o Autor). cipó-titica e sisal de fração mássica 3,90%.
Reforço Fração Mássica Reforço (FM)% Resist. Tração () (MPa) Média (Desvio Padrão)

OBJETIVO Bambu 3,90 24,05 (± 1,86)

O objetivo geral é apresentar uma pesquisa acadêmica sobre as formas


principais de reaproveitamento dos resíduos gerados a partir da Cipó-titica 3,90 25,05 (± 2,21)

aplicação do gesso na construção civil através da exposição de Sisal 3,90 26,97 (± 2,59)

resultados bem sucedidos.


OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Objetivos específicos CONSIDERAÇÕES FINAIS
 Objetivos específicos •O gesso em aterros é um problema, porque acaba criando bolsões e
desestabiliza o terreno, além do que pode e deve ser reciclado seguindo
METODOLOGIA assim o conceito de sustentabilidade e atendendo assim à legislação.
O processo de reutilização do resíduo do gesso obedece as seguintes
etapas: •A resolução Nº 307 do CONAMA alterou a classificação do gesso
para a classe B, passando para a categoria de reciclagem obrigatória,
•Coleta do resíduo;
pois o resíduo do gesso é 100% aproveitado.
•Segregação;
•Deve-se apostar na idéia que sustentabilidade é a palavra dita hoje que
•Secagem;
terá reflexo amanhã e que todos terão que se adaptar para não sofrerem
•Trituração; prejuízos incalculáveis e assim gerando empregos, conservando os
recursos naturais e preservação de meio ambiente.
•Moagem e peneiramento.
• Deve-se apostar na idéia que sustentabilidade é a palavra dita hoje
que terá reflexo amanhã e que todos terão que se adaptar para não
sofrerem prejuízos incalculáveis.

REFERÊNCIAS
DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO DE MINÉRIO – DNPM: Gipsita. Sumário
Mineral, 2012. Disponível em:<https: //sistemas.dnpm. gov.br/ publicacao/mostra_
imagem.asp?IDBancoArquivo Arquivo=7393>. Acesso em: 18 de julho de 2013.

PINHEIRO, S. Gesso reciclado: avaliação de propriedades para uso em componentes. Tese


(Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e
Urbanismo. Campinas, 2011.

SAVI, O: Produção de placas de forro com a reciclagem de gesso. Dissertação (Mestrado) –


Universidade Estadual de Maringá, Centro de Tecnologia, Programa de Pós-graduação em Engenharia
Figura 01 – Fluxograma do processo de reciclagem do gesso. Urbana. Maringá, 2012.

1 Prof. Me. de Engenharia Civil – Faci DeVry (jefferson.lima@faculdadeideal.edu.br); 2 Aluna de Arquitetura e Urbanismo – Faci DeVry (email@domínio.com.br); 3 Aluno de Engenharia Civil –
Faci DeVry (email@domínio.com.br); 4 Profa. DRa. – Faci DeVry (email@domínio.com.br); 5 Prof. Me. – Faci DeVry (email@domínio.com.br); 6 Profa. DRa. – Faci DeVry
(email@domínio.com.br)