Você está na página 1de 47

QUÍMICA DO PETRÓLEO

AULA 01 – ORIGEM DO PETRÓLEO


IMPORTÂNCIA DO PETRÓLEO
IMPORTÂNCIA DO PETRÓLEO
DERIVADOS DO
PETRÓLEO
• Alimentos;
• Plásticos;
• Chicletes;
• Remédios;
• Cosméticos;
• Batom;
• Asfalto;
• Produtos de
limpeza;
• Lápis de cera;
• Etc.
MATRIZ ENERGÉTICA MUNDIAL

MAIORES PRODUTORES
DE PETRÓLEO EM 2017

1. Estados Unidos;
2. Rússia;
3. Arábia Saudita;
4. Canadá;
5. Iraque;
6. China;
7. Irá
MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA

Qual o destino do
petróleo no Brasil?
PRODUÇÃO DE DERIVADOS

Se o Brasil é
autossuficiente em
Petróleo, por que
importar tanto
combustível?
ENERGIA RENOVÁVEIS

Por que existe discrepância entre o


Brasil e o mundo em relação a
utilização de fontes renováveis?
HISTÓRIA DO PETRÓLEO

 Antiga Babilônia  Usado como


asfalto;
 Fenícios  Usado em embarcações;
 Egípcios  Pavimentação de
estradas, embalsamar os mortos,
pirâmides;
 Gregos e romanos  Fins bélicos;
 Incas, maias  Diversas aplicações;
HISTÓRIA DO PETRÓLEO

 Edwin Laurentine Drake  foi um perfurador de poços


de petróleo estado-unidense, popularmente considerado o
primeiro a perfurar poços de petróleo nos Estados Unidos da
América (1859).
CICLO OTTO
DESTILAÇÃO ATMOSFÉRICA

 No século XIX e nos primeiros anos do séculos


XX, o refino de petróleo consistia apenas no
processo de destilação a pressão atmosférica, no
qual o petróleo cru era separado em frações com
diferentes pontos de ebulição.

Asfalto 11°
API
Derivados Óleo bruto pesado 18°
API
Óleo bruto leve 36°
API
Nafta 50°
PROCESSOS FUNDO DE BARRIL

 Craqueamento Catalítico Aumento da produção de gasolina e qualidade;

Energia de ativação: é a energia mínima necessária nas colisões das partículas


para posterior formação de produtos.

Energia de ativação Velocidade de reação

Energia de ativação Velocidade de reação


O QUE É PETRÓLEO?

Petróleo
Do latim Petra (pedra) e oleum (óleo)
Óleo que vem da pedra

Compostos Composição
(%)
Parafinas normais 14
Parafinas ramificadas 16
Parafinas cíclicas ( naftênicos) 30
Aromáticos 30
Resinas e asfaltenos 10
CONSTITUINTES DO PETRÓLEO
Óleos
Parafínicos
Querosene de aviação;
Diesel;
Lubrificantes;
Parafinas.

Óleos Naftênicos

Gasolina;
Nafta petroquímica;
QAV;
Lubrificantes.
Óleos Aromáticos

Gasolina;
Solventes;
Asfalto.
CLASSIFICAÇÃO DE PETRÓLEO
Uma amostra de petróleo pode ser classificada segundo o grau de densidade
API, como segue:

Petróleos Leves: acima de 30°API ( < 0,72 g / cm3 )


°API Petróleos Médios: entre 21 e 30°API
Petróleos Pesados: abaixo de 21°API ( > 0,92 g / cm3 )

Segundo o teor de enxofre da amostra, tem-se a seguinte classificação para o


óleo bruto:
Petróleos “Doces” (sweet): teor de enxofre < 0,5 %
de sua massa
Teor de enxofre
Petróleos “Ácidos” (sour): teor de enxofre > 0,5 %
em massa
°API

Uma amostra de petróleo e mesmo suas frações podem ser ainda caracterizadas
pelo grau de densidade API (OAPI), do American Petroleum Institute, definida por:

Quanto maior o valor de °API, mais leve é o composto.


Petróleos Leves: acima de 30°API (< 0,72g/cm3 ); ƒ
Petróleos Médios: entre 21 e 30°API; ƒ
Petróleos Pesados: abaixo de 21°API (> 0,92g/cm3 )
TIPOS DE PETRÓLEO
PROPRIEDADES FÍSICO QUÍMICAS

 TEOR DE SAL: indica a quantidade de sal dissolvido na água presente no óleo em forma
de emulsão;

 PONTO DE FLUIDEZ: Indica a menor temperatura que permite que o óleo flua em
determinadas condições de teste;

 TEOR DE CINZAS: Estabelece a quantidade de constituintes metálicos no óleo após sua


combustão completa.
ONDE ENCONTRAMOS O PETRÓLEO?
ORIGEM NO PETRÓLEO

 Teoria Orgânica
TEORIA ORGÂNICA

 Surge da matéria orgânica depositada sobre sedimentos.

• Microrganismos
Matéria orgânica • Algas
marinha • Fitoplanctons

A necessidade de condições não-oxidantes pressupõe um ambiente de deposição composto por


sedimentos de baixa permeabilidade inibidor da ação da água circulante.

• Matéria orgânica; • Fitoplanctons • Hidrocarbonetos líquidos


Hidrocarboneto • Intensidade do processo.
gerado • Vegetal lenhoso • Hidrocarbonetos gasosos
TEORIA ORGÂNICA

 DIAGÊNES Faixa de temperatura mais baixas, até 65°C;


Atividade bacteriana;
E
Reorganização celular (querogênio);
Produto – Metano bioquímico.

 CATAGÊNES Temperatura até 165ºC;


E Quebra das moléculas de querogênio;
Hidrocarbonetos líquidos e gás.

 METAGÊNES Temperatura até 210ºC;


E Quebra das moléculas de hidrocarboneto líquido;
Produto – gases leves.

 METAMORFISM Acima de 210ºC;


O Degradação do hidrocarboneto gerado;
Produto – grafite, gás carbônico, gás metano.
MIGRAÇÃO DO PETRÓLEO

Armadilha Rocha
Rocha fonte
geológica reservatório

Fase de expulsão da água das rochas geradoras que leva o petróleo consigo
durante os processos de compactação.

Microfraturação da rocha Explica o fluxo através da rocha de


geradora. baixa permeabilidade (rochas
argilosas).

MIGRAÇÃO PRIMÁRIA
ONDE É PETRÓLEO É ENCONTRADO NA
NATUREZA?
TIPOS DE ROCHAS
ROCHAS RESERVATÓRIO

Arenitos – rocha sedimentar composta


principalmente por partículas do tamanho
de grãos de areia.

Carbonatos – rocha sedimentar cuja


composição primária são os carbonatos.
Ex: calcário (CaCO3) e dolomito
(CaMg(CO3)2.
ROCHA SELANTE

Impermeável
 Rocha selante Ex: Folhelos , Evaporitos
Plasticidade

A disposição espacial entre rochas-reservatório e rochas selantes propicia a


acumulação de petróleo.
MIGRAÇÃO DO PETRÓLEO

Para se ter uma acumulação de petróleo é necessário que, após o processo de


geração, ocorra a migração e que esta tenha seu caminho interrompido pela
existência de algum tipo de armadilha geológica.

Migração
secundária

Migração
primária
PROSPECÇÃO DE PETRÓLEO

 Método Sísmico de Reflexão


MÉTODOS SÍSMICOS
ACIDENTES GEOLÓGICOS
Sinclinal: dobra com convexidade para baixo, quando conhecidas suas relações
estratigráficas, ou seja, rochas mais novas encontram-se no seu núcleo.

Anticlinal: dobra com convexidade para cima, quando conhecidas suas relações
estratigráficas, ou seja, rochas mais antigas encontram-se no seu núcleo.
RESERVATÓRIO
Na zona superior: “capa” de gás rico em metano (CH4), conhecido como Gás
Associado. Composto por outros hidrocarbonetos (no estado gasoso) como o gás
sulfídrico (H2S) e o dióxido de carbono (CO2).
Na zona intermediária, está o óleo, contendo água emulsionada e componentes
presentes no gás associado.
A zona inferior, encontramos água livre com Sais Inorgânicos dissolvidos e
Sedimentos.
TIPOS DE RESERVATÓRIOS
TIPOS RESERVATÓRIOS

Reservatório de
óleo
Reservatório de gás

Apesar da temperatura do reservatório se


manter praticamente constante durante a
sua vida produtiva, as condições a que fica
submetido o
fluido que permanece vão se alterando.
RESERVATÓRIO DE ÓLEO

Apesar da temperatura do reservatório


se
manter praticamente constante durante
a sua vida produtiva, as condições a
que fica submetido o fluido que
permanece vão se alterando.

Óleo de baixa contração X Óleo de alta contração


RESERVATÓRIO DE GÁS

 Reservatório de gás seco;


 Reservatório de gás úmido;
 Reservatório de gás retrógrado.

Reservatório de Óleo: RGL < 900 m3 std/m3 std;


Reservatório de Gás Condensado: 900 m3 std/m3 std < RGL < 18.000 m3
std/m3 std;
Reservatório de Gás Seco: RGL > 18.000 m3 std/m3 std.
PERFURAÇÃO DO POÇO

Acessar o reservatório
para extrair seus
fluidos (petróleo, gás
ou agua) ou para
injetar fluidos (agua,
gás ou vapor).
COMO CHEGAR NO ALVO?

1 ª Etapa: Perfuração

Qual equipamento é
utilizado para realizar
esse procedimento?
BROCA DE PERFURAÇÃO

Quais os elementos
principais?

1- Estrutura cortante e
 Parte móveis rolamento;
2- Rolamento.

Principal função das brocas


tricônicas?

1- Raspagem;
2- Lascamento;
3- Esmagamento;
BROCA DE PERFURAÇÃO COM PARTES MOVEIS
BROCA DE PERFURAÇÃO

 Sem partes móveis:


 Menor possibilidade de falha;

Principais tipos:
 Integral de lâminas de aço;
 Diamantes naturais;
 Diamantes artificiais.
ESTABILIDADE DO POÇO

Como manter a estabilidade do


poço?
ESTABILIDADE DO POÇO

Como manter o poço estável?

1º Passo:
Preenchendo o poço com FLUIDO
DE PERFURAÇÃO.

Pressão hidrostática
PH = ρ.g.h

ρ - densidade
g - gravidade
h - altura
BLOW-OUT
BLOW-OUT
REVESTIMENTO

 O poço é perfurado em fases;

 Geralmente 3 a 4 fases,
podendo chegar a 8.

 Cada fase é finalizada com o


revestimento e cimentação.