Você está na página 1de 42

A Crise do Paradigma Progressista

Curso de Extensão – Depto. de Administração UFPR

“A procura pela felicidade é um dos fatores básicos para a infelicidade. ”


HOFFER, Eric.
Proposta de abordagem do tema

1) Entender o problema.

2) Rastrear suas causas mais imediatas.

3) Entrever possíveis alternativas e vias de solução.

4) Discutir os fatores geradores do problema, bem como


as alternativas vislumbradas.
 Em sentido estrito, seria a geração
nascida entre a penúltima década
do segundo milênio (1980) e a
primeira década do terceiro
milênio (anos 2000).

 Em sentido lato e menos usual,


seriam todas as pessoas que
vivenciaram esta mudança de
época ou que respiram os ares do
ambiente pós-moderno ou
“hipermoderno” (Lipovetsky).
“Na juventude e na beleza
a sabedoria é escassa.”
Homero
 Geração com um alto nível de
interconectividade por meio das novas
tecnologias, mas que também vivencia  Elevado grau de engajamento político,
uma crescente tendência de ansiedade, consciência ambiental e preocupações
aversão à convivência, reclusão social, sociais... nos círculos de debate
apatia e solidão. universitário, grupos de militância e
nas mídias sociais! Na banalidade diária,
o indiferentismo e o individualismo moral
 No discurso hegemônico, a virtude da parecem prevalecer.
tolerância foi elevada ao máximo grau
de importância em detrimento de todas  Excessiva preocupação com a aparência
as demais virtudes (L. Strauss). Porém, na (seja para atrair, seja para denotar
prática, a intolerância às diferenças não originalidade ou sucesso ou forjar uma
validadas pelo mainstream thinking identidade).
parece revelar-se, paradoxalmente, cada
dia mais acentuada.  Deficiências familiares, poucos irmãos,
carência de afeto e de senso de orientação
moral.
 Carência ou falta de algo considerado importante.
 Estado de inquietude ou perturbação existencial, sofrimento
psíquico, tormento interior, infelicidade. (Houaiss)

 Em Kierkegaard (1813-1855), sentimento de ameaça inerente à


condição humana, pelo fato de que o homem sempre se defronta com
possibilidade de fracasso, de sofrimento e, no limite, de morte.

 Em Heidegger (1889-1976), situação afetiva fundamental despertada


pela consciência da inevitabilidade da morte.

 Em Sartre (1905-1980), consciência da responsabilidade decorrente da


infinita liberdade humana.
“A cultura socialista, em sentido amplo, desenvolve-
se antes da tomada do poder. Por dentro da sociedade
burguesa, ou melhor, por dentro da própria cultura
burguesa, desenvolvem-se produções científicas,
artísticas e filosóficas, além das estritamente políticas,
que apontam para outra forma de sociedade.
Realizam-se produções culturais em que se exerce a
crítica mais ou menos radical da cultura e modo de
vida burgueses. “

Octavio Ianni, Revolução e Cultura, 1983, p. 107


“A noção de uma ordem instintiva não-repressiva deve
ser primeiramente testada nos mais ‘desordenados’ de
todos os instintos: os da sexualidade.”

Herbert Marcuse, Eros e Civilização, 1975, p. 174.


CONTRACULTURA
Pressão do establisment cultural pela dissolução dos papéis sexuais continua
HOJE
Escopo: “Desconstruir” padrões normativos tradicionais.
Efeitos: dilui as identidades, deteriora os relacionamentos, debilita a instituição familiar

Usar calças é mesmo


uma escolha sua?
Yves Saint Laurent, estilista homossexual,
escandalizou o mundo quando introduziu
o smoking e as calças no vestuário das
mulheres nos anos 60. Seu “marido”, o
rico empresário Pierre Bergé, financiou a
difusão do seu trabalho. Tal inovação foi
um dos primeiros passos para a dissolução
da feminilidade nas sociedades ocidentais.

Revista IstoÉ e Jornal O Globo


promovendo o uso de saias
pelos homens.
Maratonar séries, ver novos filmes, estar sempre sabendo dos últimos acontecimentos
divulgados pela mídia, constantemente conectados às redes – tudo isso tem levado
muitos millennials a se evadirem da realidade concreta de suas vidas, deixando de
desenvolver seus potenciais e de enfrentar seus problemas e buscar soluções reais para
eles, preferindo viver de fantasia, obcecados por uma virtualidade da qual se tornaram
dependentes. Com o tempo, tornam-se personalidades atrofiadas.
“Quais são as condições que permitem que o mal floresça? [...] Os
intelectuais propuseram a ideia de que o homem precisava se
libertar das correntes da convenção social e do autocontrole, e o
governo, livre de constrangimentos, passaria leis que promovessem
comportamentos desimpedidos e criaria um sistema de bem-estar
social que protegesse as pessoas das consequências econômicas dessa
política. Aprendi que quando as barreiras que seguram o mal são
derrubadas, o mal floresce [...] Em 1921, ano em que minha mãe
nasceu, havia um crime registrado para cada 370 habitantes da
Inglaterra e de Gales; oitenta anos depois, havia um crime para cada
dez habitantes. Houve um crescimento de doze vezes desde 1941, e um
crescimento ainda maior em relação aos crimes com violência.”

Theodore Dalrymple, Nossa Cultura... Ou o que restou dela, 2017.


“Todos nós desejamos o progresso, mas se você está na estrada errada,
progresso significa fazer o retorno e voltar para a estrada certa; nesse caso, o
homem que volta atrás primeiro é o mais progressista.” C. S. Lewis
“[Está em curso] um processo revisionista, uma espécie de
inventário negativo, encerrando a indulgência plenária de que
68 gozou durante tanto tempo. [...] Condena-se 68 como
responsável distante pelos desregramentos do mundo atual.
Tudo teria tido origem ali: a permissividade, a decadência dos
valores morais, o enfraquecimento das instituições, a tirania
do prazer, a falência do ensino, o desrespeito à lei, o culto das
drogas, a falta de limite dos adolescentes.”

Zuenir Ventura, 1968: O que fizemos de nós, 2008, p. 95


“Quando o sexo se apresenta como um evento fisiológico do corpo e a
palavra ‘sensualidade’ pouco evoca senão uma prazerosa sensação
física, ele não está livre de fardos supérfluos, avulsos, inúteis,
incômodos e restritivos. Está, ao contrário, sobrecarregado, inundado
de expectativas que superam sua capacidade de realização [visa a
performance]. As íntimas conexões do sexo com o amor, a
segurança, a permanência e a imortalidade via continuação da
família não eram, afinal de contas, tão inúteis e constrangedoras como
se imaginava, se sentia e se acusava que fossem. Os antigos
companheiros do sexo, supostamente antiquados, talvez fossem
seus sustentáculos necessários”

Zygmunt Bauman, Amor Líquido, p. 64-65


“O Maio de 68 impôs o relativismo moral e
intelectual a todos nós. Impôs a idéia de que
não existia mais qualquer diferença entre
bom e mau, verdade e falsidade, beleza e
feiura. Sua herança introduziu o cinismo na
sociedade e na política, ajudando a
enfraquecer a moralidade do capitalismo,
a preparar o terreno para o inescrupuloso
capitalismo das regalias e das proteções para
executivos velhacos.”

Nicolas Sarkozy, 23º presidente da França.


Quais as causas culturais da indigência moral contemporânea
e suas patentes consequências sociais?

- A erosão das bases éticas, o relativismo existencial, a


indiferença ante a questão da verdade, o laxismo moral e
a sex lib contribuíram para perpetuar condições de
angústia, violência e sofrimento, a despeito de todo o
progresso material e técnico que tivemos.

- A intelligentzia e os outros grandes formadores de


opinião (grande mídia, artistas, experts, etc) são os
responsáveis diretos por esse estado de coisas
angustiante.
 Paz + Quietude + Contentamento = Tranquilidade?...

 Ataraxia: Imperturbabilidade do espírito. (Estoicismo, Hesicasmo)

 Felicidade pacificada?... Realização do ser?...

 Felicidade hedônica/sensual: Fruição / gozo dos prazeres carnais ou


intelectuais/estéticos extraídos do mundo material por meio dos sentidos.

 Felicidade eudaimônica: Realização plena conforme a natureza


do ser humano, desempenho pleno do seu potencial para a excelência.

 Beata vita: Reconexão com a fonte e a fim últimos do homem,


causa verdadeira e única plenitude de suas alegrias (religare).
Andrômaca e Heitor
Quíron, o centauro Deméter
Penélope, esposa de Ulisses/Odisseu
Pigmalião
Orfeu
Antígona
“Todo aquele que se exaltar será “A minha alma engrandece o Senhor...
humilhado, e quem se humilhar será porque olhou para a humildade de sua
exaltado.” (Lc 18, 14) serva.” (Lc 1, 46-48)
El Cid Campeador Sta. Joana D’Arc
S. Bento de Núrsia Sta. Hildegarda de Bingen
Augusto Matraga
“Procuro a verdade, pela qual nenhum homem jamais foi ferido.”
Marco Aurélio