Você está na página 1de 38

O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE

CULTURA
O CONCEITO ANTROPOLÓGICODE
CULTURA
 Uma sociedade é um grupo relativamente importante de seres
humanos em interação constante, que reconhecem uma experiência
comum e a institucionalizam. Este grupo perpetua-se por meio da
reprodução biológica, gerida por regras de parentesco.
 Cada sociedade é portadora de uma cultura ou civilização.
 Por oposição ao biológico, a civilização é o domínio do que é
adquirido por aprendizado no interior de uma dada sociedade.
O CONCEITO ANTROPOLÓGICODE
CULTURA
 “Cultura é todo complexo que inclui
conhecimento, crença, arte, moral, lei,
costume e quaisquer outras capacidades e
hábitos adquiridos pelo homem na condição
de membro da sociedade.” (Edward Tylor,
Primitive culture, 1871)
O CONCEITO ANTROPOLÓGICODE
CULTURA
 “A vida total de um povo, a herança social que o
indivíduo adquire de seu grupo. Ou pode a
cultura ser considerada como aquela parte do
ambiente que o próprio homem criou” (Clyde
Kluckhon, 1945)
O DESENVOLVIMENTO
DO CONCEITO DE
CULTURA
O DESENVOLVIMENTO DO CONCEITO
DE CULTURA
 O Renascimento
 1453: a tomada de Constantinopla pelos turcos
 1450-1500: As grandes navegações
 Os Ensaios de Montaigne (1580)
 O nascimento do mito do bom selvagem
 O século das luzes (1715-1800)
 O gênero literário dos relatos e relatórios de viagens.
O DESENVOLVIMENTO DO CONCEITO
DE CULTURA
 O evolucionismo social do século XIX
 A reação ao evolucionismo com Franz Boas (1858-1949)
 “A limitação do método comparativo da Antropologia” (1896)
 Atribuiu à antropologia a execução de duas tarefas:
 A reconstrução da história de povos ou regiões particulares;
 A comparação da vida social de diferentes povos, cujo desenvolvimento segue as
mesmas leis.
 Desenvolveu o particularismo histórico (ou a chamada Escola Cultural
Americana), segundo a qual cada cultura segue os seus próprios
caminhos em função dos diferentes eventos históricos que enfrentou.
A CRÍTICA AOS
DETERMINISMOS
O DETERMINISMO
BIOLÓGICO
O DETERMINISMO BIOLÓGICO
 Os antropólogos estão totalmente convencidos de que as diferenças
genéticas não são determinantes das diferenças culturais.
 As diferenças se explicam, antes de tudo, pela história cultural de
cada grupo.
 O comportamento dos indivíduos depende de um aprendizado, de
um processo que chamamos de endoculturação.
O DETERMINISMO BIOLÓGICO
 Margaret Mead: Sexo e Temperamento
 Arapesh
 A cultura não estabelece um padrão comportamental distinto
para homens e mulheres
 Docilidade
O DETERMINISMO BIOLÓGICO
 Margaret Mead: Sexo e Temperamento
 Mundugumor
 A cultura não estabelece um padrão comportamental distinto
para homens e mulheres
 Agressividade
O DETERMINISMO BIOLÓGICO
 Margaret Mead: Sexo e Temperamento
 Tchambuli
 Inversão total dos padrões comportamentais ocidentais.
O DETERMINISMO
GEOGRÁFICO
O DETERMINISMO GEOGRÁFICO
 O determinismo geográfico considera que as diferenças do
ambiente físico condicionam a diversidade cultural.
 A partir de 1920, a antropologia refutou este tipo de
determinismo e demonstrou que existe uma limitação na
influência geográfica sobre os fatores culturais. E mais: que é
possível e comum existir uma grande diversidade cultural
localizada em um mesmo tipo de ambiente físico.
 Ex.: Lapões e os esquimós; Os índios Pueblo e Navajo, do sudoeste
americano; O Parque Nacional do Xingu.
O MITO DOS
INSTINTOS
O MITO DOS INSTINTOS
 Instinto de conservação
 Instinto materno
 Instinto filial
 Instinto sexual
 O conceito de cultura pode ser pensado a partir dos
seguintes pontos:
 A cultura, mais do que a herança genética, determina
comportamento do homem e justifica as suas
realizações;
 O homem atua de acordo com seus padrões
culturais;
 A cultura é um modo de adaptação aos diferentes
ambientes. Para se adaptar aos diversos ambientes
ecológicos, o homem não modifica seu aparato
biológico, mas sim constrói diferentes respostas
culturais;
 O conceito de cultura pode ser pensado a partir dos
seguintes pontos:
 Mesmo contando com uma estrutura física mais frágil que a de
outros animais, o homem superou limites do meio ambiente e
estendeu sua influência por toda a Terra;
 Adquirindo cultura, o homem passou a depender muito mais
do aprendizado do que a agir através de atitudes geneticamente
determinadas;
 É este processo de aprendizagem que determina o seu
comportamento e sua capacidade artística ou profissional;
 A cultura é um processo cumulativo que resulta da experiência
adquirida das gerações anteriores.
 O conceito de cultura pode ser pensado a
partir dos seguintes pontos:
 Mesmo contando com uma estrutura física mais
frágil que a de outros animais, o homem
superou limites do meio ambiente e estendeu
sua influência por toda a Terra;
 Adquirindo cultura, o homem passou a
depender muito mais do aprendizado do que a
agir através de atitudes geneticamente
determinadas;
IDEIAS SOBRE A
ORIGEM DA CULTURA
IDEIAS SOBRE A ORIGEM DA CULTURA
 A cultura surgiu no momento em que o homem convencionou a
primeira regra: a proibição do incesto (Claude Lévi-Strauss)
 A passagem do estado animal para o estado humano ocorreu
quando o cérebro do homem foi capaz de gerar símbolos (Leslie
White)
COMO OPERA A
CULTURA
COMO OPERA A CULTURA
 A cultura condiciona a visão de mundo do homem
 A cultura é como uma lente através da qual o homem vê o mundo.
 A cultura interfere no plano biológico
 Desenvolvimento corporal
 As mortes causadas por feitiçaria; cura xamânica; doenças psicossomáticas
 Os indivíduos participam diferentemente de sua cultura
 Nenhuma pessoa é capaz de participar de todos os elementos de sua cultura
 A cultura tem uma lógica própria
 A cultura é dinâmica
 Existem dois tipos de mudança cultural: uma que é interna, resultante da
dinâmica do próprio sistema cultural, e uma segunda que é o resultado do
contato de um sistema cultural com outro.
ETNOCENTRISMO E RELATIVISMO
CULTURAL
 Etnocentrismo: é o conceito antropológico que
define o que ocorre quando um determinado
indivíduo ou grupo de pessoas, que têm os
mesmos hábitos e caráter social, discrimina outro,
julgando-se melhor, seja por causa de sua condição
social, pelos diferentes hábitos e modos de viver.
Do ponto de vista intelectual, etnocentrismo é a
dificuldade de pensar a diferença, de ver o mundo
com os olhos dos outros.
ETNOCENTRISMO E RELATIVISMO
CULTURAL
 Como podemos abandonar essa tendência ao
etnocentrismo, própria de toda sociedade?
 Adotando a prática do relativismo cultural.
Dessa forma, não hierarquizamos formas e estilos
de vida, mas reconhecendo que é justamente na
variedade de formas de viver que reside a riqueza
da vida humana.
 Globalização e multiculturalismo
O MÉTODO
ANTROPOLÓGICO
O MÉTODO ANTROPOLÓGICO
 Etnografia e a observação participante
 É um método clássico que visa realizar a descrição dos
significados pertencentes a um determinado grupo.
Todo grupo social atribui significados às suas
experiências de vida. A etnografia atua enfatizando a
exploração da natureza e de um fenômeno social
particular; realiza entrevistas em profundidade; inicia
observação; analisa o discurso dos informantes;
investiga os detalhes de um fato; lança perspectiva
microscópica; e por fim interpreta os significados e
práticas sociais.
O MÉTODO ANTROPOLÓGICO
 Transformar o exótico no familiar
 Transformar o familiar no exótico