Você está na página 1de 17

Universidade Federal do Tocantins

Mestrado Profissional em Letras – ProfLetras


Programa de Pós-Graduação em Letras
Câmpus Universitário de Araguaína

JAQUELENE MENDES MARTINS


ORIENTADOR: PROFESSOR DR. WAGNER RODRIGUES SILVA

LETRAMENTO CIENTÍFICO A PARTIR DE LEITURA, ANÁLISE LINGUÍSTICA


E PRODUÇÃO TEXTUAL EM AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

Araguaína
2018
Justificativa

Ao visualizarmos a escola como um local democrático para


práticas de aprendizagem e ensino que oportunizassem a
expressividade, fomentação de ideias e reflexão de todos os
sujeitos envolvidos, propomos atividades pedagógicas que
efetivassem um processo de ensino–aprendizagem
relevante para a vida, que gerassem autonomia, iniciativa,
investigação e olhar complexo de maneira que os sujeitos
tivessem acesso à cultura, ao conhecimento e ao
empoderamento.
OBJETIVOS
Pergunta Geral
 Como a abordagem do LC contribui em diferentes estratégias pedagógicas
para o fortalecimento de leitura, análise linguística e produção textual no
ensino básico.
OBJETIVOS –

Específicos

 Refletir sobre os estudos e práticas desenvolvidos na perspectiva do Letramento Científico em pesquisas


realizadas no Mestrado Profissional em Letras;
 Participar de discussões de caráter científico com professores e comunidade acadêmica a fim de delinear
demandas e práticas em pesquisas articuladas no âmbito do Mestrado Profissional em Letras.
 Investigar ferramentas inovadoras para o processo ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa que habilitem
os discentes para as práticas sociais como: informar, argumentar, propor, criticar, entreter, articular etc.;
 Desenvolver situações de aprendizagem que despertem, no aprendiz, o pensamento crítico e reflexivo sobre a
funcionalidade textual;
 Desenvolver ações específicas de intervenção para melhorar a qualidade do ensino de Língua Portuguesa no
ensino básico.
Fundamentação Teórica

1. Concepções de Letramento
• O letramento é imprescindível à sobrevivência do cidadão na atual
sociedade da Ciência, da Tecnologia e da Informação que, para
acompanhar essas novas demandas contemporâneas, precisa ler,
interpretar e posicionar-se;
• Professor como agente de letramento (Kleiman, 2014, p. 88),
favorecendo a participação do aluno conforme suas aptidões,
habilidades e competências;
• “Autonomia e emancipação” dos atores do processo.
• “o letramento não é entendido como um produto, como algo acabado,
mas sim, como algo profundo, complexo e processual“ (SILVA, 2018);
• Silva (2007; 2015), Street (2014) e Soares (1998).
Fundamentação Teórica

2. Letramento Científico
• Ampliar conteúdos científicos para além das aulas de Ciências,
com valor cultural de maneira contextualizada em que o docente
atue com ação flexível, significativa e sustentável (SILVA, 2016)
• Reis (2016, p. 90) na abordagem do LC em seu trabalho de
mestrado, que “ultrapasse o caráter informativo, mas que
propicie aos envolvidos analisar as informações que são
oferecidas, dissecar a língua e construir novos conceitos”.
• Santos (2007), Rodrigues, Leite e Gallão (2016), Cunha (2017).
Fundamentação Teórica

3. O texto no planejamento da LT

• Concepções de texto da Linguística Textual - uma


unidade repleta de sentido, porém condicionada por uma
série de fatores linguísticos, cognitivos, socioculturais e
interacionais.
METODOLOGIA

Como metodologia no desenvolvimento deste projeto e no desejo de


continuar desenvolvendo uma pesquisa iniciada no Mestrado
Profissional, pretendo utilizar a pesquisa participante como método de
investigação e construção de dados na trajetória do curso de doutorado.
Para Brandão e Streck (2006), a pesquisa participativa se caracteriza por
se desenvolver com a colaboração ativa da pesquisadora e dos
pesquisados como protagonistas no processo de descobertas,
envolvidos pela partilha, participação social e construções de saberes em
conjunto.
METODOLOGIA
Esse abarcamento se dá como um

convite feito a várias vozes e segundo vários estilos, para que


aprendamos também a não apenas pensar o outro através de nós
mesmos – nossas práticas, nossas ideias, nossas posturas e teorias,
mas a nós pensarmos a nós mesmos através do outro (BRANDÃO;
STRECK, 2006, p. 8).
Em outras palavras, nesta modalidade de pesquisa, há uma espécie de
aprendizado mútuo, pois, ainda segundo os citados autores, “todos aprendem uns
com os outros” (GABARRÓN; LANDA, 2006, p. 113). Sob esse ponto de vista, os
autores propõem a pesquisa participante como “uma proposta metodológica inserida
em uma estratégia de ação definida, que envolve seus beneficiários na produção de
conhecimento”.
METODOLOGIA

 Tomamos como ferramenta de organização da UD o


“Círculo Curricular Mediado por Gêneros” (CCMG),
inspirado nos pressupostos teóricos da Linguística
Sistêmico-Funcional (LSF).
 É metodologicamente configurado para estabelecer
relações entre diferentes saberes e capaz de propor um
planejamento de aula de modo diferenciado, mais
produtivo e funcional.
 O modelo está organizado em três etapas no trabalho
com os gêneros discursivos: Modelagem, Negociação
Conjunta de Textos e Construção do Texto de Forma
Independente.

Circuito Curricular Mediado por Gênero


Fonte: Silva (2015, p. 1047)
METODOLOGIA

Caracterização da modelagem do contexto

O primeiro estágio, configurado pela


modelagem, aborda o contexto com ênfase
na função social do gênero. Nessa etapa, o
aluno entra em contato com o gênero e
analisa em que contexto social e com que
funções ele é gerado e utilizado na
sociedade, além de compartilhar experiências
a partir das temáticas textuais.

Fonte: (GARCIA, 2015, p. 49)


METODOLOGIA
Caracterização da modelagem do texto

Nesta fase, os elementos textuais foram


analisados, especificamente, em sua
materialidade linguística. Assim, focalizamos
no esquema estrutural do texto levando em
consideração a escolhas gramaticais e
lexicais que caracterizam sua materialidade
linguística e o tornam um todo significativo.

Fonte: (GARCIA, 2015)


METODOLOGIA
Caracterização das etapas de produção textual

O segundo momento é o da negociação conjunta de


texto, nesse estágio,
organizam-se as informações sobre o gênero que
será produzido pela turma, através de
atividades de: observação, pesquisa, anotação,
discussão, ensaio e a função social do
gênero estudado.

Fonte: (GARCIA, 2015)


METODOLOGIA
Caracterização das etapas de produção textual

O terceiro momento do CCMG corresponde ao


estágio construção do texto de
forma independente. Esse estágio demanda um
esforço especial do professor,
pois requer um trabalho mais individualizado
com os alunos. É necessário corrigir cada
um dos textos individualmente, fazer as devidas
observações a fim de que possa ajudar
o aluno a refletir que sua produção não se finda
ao final da primeira versão de seu texto,
e que a reescrita é necessária como parte do
processo de reelaboração da produção
textual. Fonte: (GARCIA, 2015)
CRONOGRAMA
SEMESTRES
ATIVIDADES A SERES DESENVOLVIDAS
2019 2020 2021 2022 2023

                   
Cumprimento dos créditos referentes às disciplinas
                   
Pesquisa bibliográfica
                   
Pesquisa participante/Geração de dados

Leitura e sumarização e levantamento e fichamento de citações                    

relevantes
                   
Análise dos dados
                   
Redação inicial da tese de doutorado
                   
Escrita dos capítulos teóricos
                   
Apresentação de resultados parciais/qualificação
                   
Participação em eventos científicos
                   
Publicação de artigos científicos relativos à pesquisa
                   
Revisão de ajustes no texto final da tese de doutorado
                   
Apresentação de resultados finais da pesquisa
                   
Defesa pública da tese de doutorado
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao concluir esta pesquisa e olhar para o trajeto percorrido durante o trabalho desenvolvido em aulas de LP, revivemos o mundo de
desafios, possibilidades e novas aprendizagens desde o momento em que nos prontificamos a realizá-la. Rememorar todos os momentos
vividos durante o processo investigativo e os surpreendentes resultados conquistados, fazem ascender um sentimento de gratidão ao
ProfLetras.
 Como a abordagem do LC contribui para o desenvolvimento de práticas de linguagens (leitura, escrita e análise linguística),
contextualizadas no trabalho investigativo com propagandas por alunos do 9º ano?
 Identificar situações interacionais de pesquisa instauradas na intervenção realizada, observando como elas contribuem para a
formação de uma postura crítica e reflexiva por parte dos alunos diante do funcionamento da linguagem;
 Identificar algumas mudanças provocadas na organização das aulas de língua materna na intervenção realizada, quando comparadas
ao trabalho pedagógico costumeiro por nós realizado antes da intervenção;
 Identificar alguns desafios enfrentados pelos alunos durante a familiarização com práticas investigativas na intervenção realizada;
 Identificar alguns desafios que enfrentamos como professora-pesquisadora durante a intervenção pedagógica informada pela
abordagem do LC.
Por fim, salientamos que esse trabalho possibilitou-nos direcionar um novo olhar para a pesquisa. Nesse sentido, entendemos como
essencialmente necessária a (re)aprendizagem de novas práticas, mecanismos e metodologias para nossa atuação em sala de aula. Dessa
forma, esta dissertação representa apenas o passo inicial, há ainda muitas contribuições do LC a serem investigadas para aprofundar
questões teóricas e práticas no ensino de LP. A pesquisa deve ser, portanto, um processo ininterrupto em nossa docência.
Referências
KLEIMAN, A. B. SANTOS, C. B. Estudo de letramento do professor: percursos metodológicos. In: GONÇALVES, A. V.; GÓIS, M. L. S.;
SILVA, W. R. (Orgs.) Visibilizar a Linguística Aplicada: Abordagens teóricas e metodológicas. Campinas, SP: Pontes Editores, p. 183-
204, 2014.

SANTOS, W. L. P. Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista
Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 36, dez. 2007.

SILVA, W. R. Empoderamento de participantes de pesquisa em linguística aplicada. Raído, Dourados, v. 4, n. 8, p. 119-139, nov.


2011. Disponível em: <http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/Raido/article/view/1382>. Acesso em: 04 de março de 2018.

______. Gêneros textuais em aulas de Língua Portuguesa no Ensino Médio brasileiro. Linguagem & Ensino (UCPel. Impresso) v. 15,
p. 387-418, 2012.

______. Letramento científico na formação inicial do professor. Revista Práticas de Linguagem, v. 6, p. 8-23, 2016.

SOARES, M. Concepções de Linguagem e o Ensino da Língua Portuguesa. In: Bastos, N. B. (ORG). Língua Portuguesa: História,
Perspectivas, Ensino. 1ªed, São Paulo: EDUC, v. 1, 1998.