Você está na página 1de 24

FRATURA, DENSIDADE, FLUÊNCIA E

SELEÇÃO DE MATERIAIS

giselecaboclo@yahoo.com.br
Aula 4
1
FRATURA

 Consiste na separação do material em 2 ou


mais partes devido à aplicação de uma carga
estática à temperaturas relativamente baixas
em relação ao ponto de fusão do material

2
FRATURA

 Dúctil a deformação plástica continua até uma


redução na área para posterior ruptura (É OBSERVADA EM
MATERIAIS CFC)
 Frágil não ocorre deformação plástica, requerendo
menos energia que a fratura dúctil que consome energia
para o movimento de discordâncias e imperfeições no
material (É OBSERVADA EM MATERIAIS CCC E HC)
O tipo de fratura que ocorre em um dado material depende
da temperatura
3
MECANISMO DA FRATURA
DÚCTIL
a- formação do pescoço
b- formação de cavidades
c- coalescimento das
cavidades para promover
uma trinca ou fissura
d- formação e propagação
da trinca em um ângulo
de 45 graus em relação
à tensão aplicada
e- rompimento do material
por propagação da trinca

Material dúctil submetido ao ensaio de tração 4


FRATURA DÚCTIL
E ASPECTO MACROSCÓPICO

Fratura após ensaio de tração


5
FRATURA DÚCTIL
E ASPECTO MICROSCÓPICO

6
FRATURA FRÁGIL
ASPECTO MACROSCÓPICO
Material frágil submetido ao ensaio de tração

A fratura frágil ocorre com a formação e propagação de uma trinca


que ocorre a uma direção perpendicular à aplicação da tensão
7
FRATURA FRÁGIL
ASPECTO MACROSCÓPICO

Início da fratura por formação de trinca

8
Análise de tensões nas trincas
 Modo I (Abertura ou tração)
 Modo II (deslizamento ou cisalhamento puro)
 Modo III (modo de rasgamento)

9
ENSAIO DE TENACIDADE À
FRATURA

A tenacidade é avaliada comparando-se as curvas


para diferentes materiais com diferentes comprimentos de trincas

10
 Relações Importantes

Onde: σ é a tensão de projeto


YOde forma
objetivo do em
consiste cp determinar
e da trinca
K = y σ π a
K para o projeto e comparar com Kc
(característico) do material determinado em ensaios de laboratório

K
 Que corresponde a máxima tensão admissível em função
do comprimento da trinca σ= Ic

y πc

11
Tenacidade à Fratura
Graphite/
Metals/ Composites/
Ceramics/ Polymers
Alloys fibers
Semicond
100

K metals
C-C(|| fibers)1
70 Steels
60 Ti alloys
c
50
40
Al alloys

aumenta
30 Mg alloys
K Ic (MPa · m0.5)

20 comp
Al/Al oxide(sf)2 Kc
Y 2O 3/ZrO2(p)4
10 C/C( fibers)1
Al oxid/SiC(w)3
Diamond Si nitr/SiC(w)5
7 Al oxid/ZrO2(p)4
6 Si carbide Glass/SiC(w)6
5 PET
Al oxide
poly
4 Si nitride
PP K cer
c ≈ Kc
3 PVC

2 PC

1 <100>
Si crystal PS Glass 6
<111>
0.7 Glass-soda
0.6 Polyester
Concrete
0.5
Densidade

13
Densidade
 Depende de 3 fatores:
- Peso dos átomos
- Tamanho dos átomos
(não varia muito de um átomo para outro ∼ 2x10-29m3)
- Estrutura cristalina

14
Densidade dos Materiais

15
Fluência
Fluência
Fluência
Fluência
Fluência
deformação, ε

σ Aumento de T
σ ,ε
terciária

0 t primária secundária

elastico T < 0.4 T


m
tempo
0
• Primária: taxa de deformação diminui lentamente (encruamento)
• Secundária: taxa de deformação constante (encruamento / recuperação)
• Terciária: taxa de deformação aumenta (formação de vazios, separação de grãos)
Fadiga

 Falha em estruturas devido a cargas dinâmicas e tensões


variáveis → pontes, aviões, componentes de máquinas
 A falha ocorre a tensão consideravelmente menor que σ Y
 90 % de todas as falhas são devidas a fadiga
 Fracturas frágeis, súbitas, mesmo em materiais dúcteis
Fadiga

• Limite de fadiga, Sfat : • Algumas vezes, o


--não há falha por fadiga se limite de fadiga é zero!
S < Sfat

S = amplitude de tensão S = amplitude de tensão


Caso do caso do
inseguro aço (tip.) inseguro Al(tip.)

Sfat
seguro seguro

103 105 107 109 103 105 107 109


N = ciclos até falha N = ciclos até falha
Fadiga
 A Fadiga ocorre através de:
1. Iniciação de fenda
2. Propagação estável de fenda
3. Propagação instável de fenda, se a ≥ aC

Estrias
Fadiga

Materialfrágil Material tenaz