Você está na página 1de 4

Fatos da Lngua Culta

Afim / A fim de Apesar de ele ser meu parente afim, ns no temos ideias afins. Est a fimde trocar uma ideia agora? Por quanto / Porquanto Por quanto vocs me venderiam este livro? Estudo no EVP, porquanto me til.

Frustrado, Intitular, Infarto, Ibero, nterim, Meteorologia, Projtil, Prazerosamente, Privilgio, Percentagem, Rptil, Superstio, Xrox...

gerar dificuldade
Aterrissar, Autpsia, Beneficente, Cabeleireiro, Contemporaneidade,

Digladiar, Diabete, Empecilho, Estupro, Estuprador, Engajado, Fragrncia, Frustrado, Intitular, Infarto, Ibero, nterim, Meteorologia, Projtil, Prazerosamente, Privilgio, Percentagem, Rptil, Superstio, Xrox...
a tese de que seria impossvel, pois as prprias caractersticas humanas e um conjunto de foras naturais e sociais reforariam essa cultura da violncia, tornando difcil sua superao. Mas, mesmo reconhecendo o poder dessas foras, Boff considera que, nesse momento, indispensvel estabelecermos uma cultura da paz contra a da violncia, pois esta estaria nos levando extino da vida humana no planeta. Segundo o autor, seria possvel construir essa cultura, pelo fato de que os seres humanos so providos de componentes genticos que nos permitem sermos sociais, cooperativos O artigo est disponvel em: www.leonardoboff.com e no Jornal do Brasil, de 18/02/2004

Em nossos estudos acadmicos, somos orientados a realizar diversos resumos, que revelaro a nossa percepo sobre o estudo de determinado objeto, especificamente em texto indicado pelo professor. A seguir, o resumo de um artigo; veja como o produtor deste resumo demarcou os movimentos do textoobjeto de estudo:

Leonardo Boff inicia o artigo A cultura da paz apontando o fato de que vivemos em uma cultura que se caracteriza fundamentalmente pela violncia. Diante disso, o autor levanta a questo da possibilidade de essa violncia poder ser superada ou no. Inicialmente, ele apresenta argumentos que sustentam, criadores e dotados de recursos para limitar a violncia e de que a essncia do ser humano seria o cuidado, definido pelo autor como sendo uma relao amorosa com a realidade, que poderia levar superao da violncia. A partir dessas constataes, o telogo conclui, incitando-nos a despertar as potencialidades humanas para a paz, construindo a cultura da paz a partir de ns mesmos, tomando a paz como projeto pessoal e coletivo.