P. 1
TESOURA ELETROPNEUMÁTICA

TESOURA ELETROPNEUMÁTICA

|Views: 4.165|Likes:
O projeto é constituído de duas facas de metal duro, uma é a faca principal sendo movimentada através de um cilindro pneumático colocado em um suporte desenvolvido especialmente e montado sobre uma bancada. O cilindro é ativado por um comando Elétrico em uma válvula solenóide, a outra é uma faca fixa posicionada estrategicamente no suporte em sentido contrário á primeira. O processo de alimentação da maquina é realizado manualmente. A pesquisa, montagem e a elaboração do projeto foram feitas durante o terceiro semestre do curso sob a supervisão dos professores que nos guiaram e estiveram dispostos a tirar nossas duvidas e dar sugestões para o melhor andamento do trabalho. Para a elaboração do projeto o grupo se dividiu as tarefas para conseguir cumprir a programação dentro dos prazos estipulados pelo orientador. Após as pesquisas e a elaboração do projeto concluímos que apesar de ser uma máquina de pequeno porte, a tesoura - guilhotina seria um protótipo interessante para a construção civil, pois se produzida em maior porte poderia ser uma boa opção para a indústria se falarmos em ganho de tempo no corte de materiais, pois, por ser eletro pneumático ganha em velocidade dos sistemas hidráulicos.
O projeto é constituído de duas facas de metal duro, uma é a faca principal sendo movimentada através de um cilindro pneumático colocado em um suporte desenvolvido especialmente e montado sobre uma bancada. O cilindro é ativado por um comando Elétrico em uma válvula solenóide, a outra é uma faca fixa posicionada estrategicamente no suporte em sentido contrário á primeira. O processo de alimentação da maquina é realizado manualmente. A pesquisa, montagem e a elaboração do projeto foram feitas durante o terceiro semestre do curso sob a supervisão dos professores que nos guiaram e estiveram dispostos a tirar nossas duvidas e dar sugestões para o melhor andamento do trabalho. Para a elaboração do projeto o grupo se dividiu as tarefas para conseguir cumprir a programação dentro dos prazos estipulados pelo orientador. Após as pesquisas e a elaboração do projeto concluímos que apesar de ser uma máquina de pequeno porte, a tesoura - guilhotina seria um protótipo interessante para a construção civil, pois se produzida em maior porte poderia ser uma boa opção para a indústria se falarmos em ganho de tempo no corte de materiais, pois, por ser eletro pneumático ganha em velocidade dos sistemas hidráulicos.

More info:

Published by: Etec Rubens de Faria on Sep 07, 2009
Direitos Autorais:Traditional Copyright: All rights reserved

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

05/02/2014

ETEC RUBENS DE FARIA E SOUZA

TESOURA ELETROPNEUMÁTICA

SOROCABA 2009

1

ADRIANE FRANCINE PERES ALEXANDRE APARECIDO MARTINS PIRES ANDERSON MENDES DA SILVA CRISTIANO GOMES VIEIRA DAVID JUNIOR MOREIRA DA SILVA DOUGLAS HENRIQUE ALVARENGA ANTONIO EDVALDO VIEIRA FLAVIO LEME DA SILVA JUVENILDO ALVES DA SILVA

TESOURA ELETROPNEUMÁTICA

TCC apresentado à ETEC. “Rubens de Faria e Souza”, como exigência parcial para conclusão do curso de Mecânica em 15/06/2009. Orientador: Prof. Helio Canavesi Filho

SOROCABA 2009

2

Dedicamos, aos familiares pelo apoio e incentivo para não desistirmos no meio do caminho, aos amigos pelos sábios conselhos, aos professores, pois graças aos seus ensinamentos tornaram possível a conclusão desse ciclo de nossas vidas.

3

AGRADECIMENTOS
A Deus por iluminar e guiar nossos caminhos.

Aos Professores, em especial ao Prof. Hélio Canavesi Filho, que nos orientou durante esse longo caminho

percorrido com esforço e dedicação e ao Prof. Renato Dantas dedicação Nascimento, pela colaboração e disponibilidade de sua sala de aula para o desenvolvimento do TCC, a todos os colaboradores que tornaram possível a conclusão desse projeto.

Aos familiares que incentivaram e apoiaram desde o inicio dessa jornada. inicio

4

SUMÁRIO
RESUMO.................................................................................................................. 06 OBJETIVO................................................................................................................ 07 INTRODUÇÃO........................................................................................................... 08 1. DESENVOLVIMENTO.......................................................................................... 09 1.1 CRONOGRAMA................................................................................................. 10 1.2. PROCESSOS DE MONTAGEM....................................................................... 11 1.2.1 Suporte do pistão................................................................................... 11 1.2.2 Montagem da bancada.......................................................................... 12 1.2.3 Montagem do painel e caixa.........………………….........………………. 12 1.2.4 Montagem do sistema eletro-pneumático.............................................. 12 SEGURANÇA............................................................................................................ 14 2. CÁLCULOS UTILIZADOS..................................................................................... 15 2.1 Dimensionamento do cilindro.....................................................................15 2.2 Força de avanço do cilindro...................................................................... 15 2.3 Dimensionamento dos materiais a serem cortados.................................. 16 2.4 Dimensionamento da mesa....................................................................... 17 RESULTADOS OBTIDOS..........................................................................................19 CONCLUSÃO............................................................................................................ 20 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS........................................................................... 21 ANEXOS.................................................................................................................... 22

5

RESUMO
O projeto é constituído de duas facas de metal duro, uma é a faca principal sendo movimentada através de um cilindro pneumático colocado em um suporte desenvolvido especialmente e montado sobre uma bancada. O cilindro é ativado por um comando Elétrico em uma válvula solenóide, a outra é uma faca fixa posicionada estrategicamente no suporte em sentido contrário á primeira. O processo de alimentação da maquina é realizado manualmente. A pesquisa, montagem e a elaboração do projeto foram feitas durante o terceiro semestre do curso sob a supervisão dos professores que nos guiaram e estiveram dispostos a tirar nossas duvidas e dar sugestões para o melhor andamento do trabalho. Para a elaboração do projeto o grupo se dividiu as tarefas para conseguir cumprir a programação dentro dos prazos estipulados pelo orientador. Após as pesquisas e a elaboração do projeto concluímos que apesar de ser uma máquina de pequeno porte, a tesoura - guilhotina seria um protótipo interessante para a construção civil, pois se produzida em maior porte poderia ser uma boa opção para a indústria se falarmos em ganho de tempo no corte de materiais, pois, por ser eletro pneumático ganha em velocidade dos sistemas hidráulicos.

6

OBJETIVO
O presente projeto ‘Tesoura Eletropneumático’ tem como finalidade facilitar o corte de barras de aço para estrutura com diâmetro de até 1/8” e também barra de alumínio de diâmetro de 1/4” em construções civis de grande porte, por não ser uma máquina muito complexa e pesada fica fácil sua locomoção de uma obra para outra, assim facilita e agiliza o trabalho dos profissionais dessa área.

7

INTRODUÇÃO
O presente projeto tem como finalidade principal, facilita e agilizar o trabalho dos profissionais da construção civil, pensando também na questão de segurança ao manusear a máquina. Propusemo-nos a desenvolver a partir dos conhecimentos de máquinas similares, mas com outras finalidades, preocupando-nos com o tamanho da estrutura, para assim facilitar sua locomoção. Optamos por um pistão pneumático por questão de preço, por ser mais barato e pela velocidade que é superior a de um hidráulico, utilizamos também de cálculos para essa escolha, que comprovaram que o pistão pneumático atenderia nossas exigências. A nossa máquina teve quatro etapas de montagem; 1. Suporte do Pistão 2. Bancada 3. Painel e Caixa 4. Sistema Elétrico Pneumático Ressaltamos que no desenvolvimento do projeto, sempre fomos orientado quando à necessidade da importância da segurança do operador, assim como nos custos envolvidos, na facilidade de fabricação e manutenção, e demais itens, observamos a interdisciplinaridade dos conteúdos programáticos desenvolvidos no nosso curso, tais como: TP1, TP2, TP3, Desenho Técnico, CAD, TF1, TF2, TF3, TM1, TM2, TM3, TA1,TA2 e Solda.

8

1. DESENVOLVIMENTO
A idéia de construirmos essa máquina veio da necessidade de um elemento de corte de materiais para produção em grande escala e que fosse viável financeiramente. No decorrer do projeto, após analises e cálculos da capacidade de nosso cilindro, bancada e estrutura da mesa. Após o desenvolvimento do cronograma, o grupo dividiu-se para seguir com o projeto a fim de cumprir os prazos nele estipulados. Sob o acompanhamento do orientador, o grupo definiu os desenhos, cálculos e o processo de montagem do equipamento. Os desenhos foram feitos em 3D com apresentação em vídeo da montagem da máquina no inventor . Os cálculos foram feitos sob pesquisa em livros e consulta aos professores. A montagem foi feita pelos integrantes do grupo seguindo o processo de produção do projeto.

9

1.1 CRONOGRAMA

10

1.2

PROCESSOS DE MONTAGEM

1.2.1 SUPORTE DO PISTÃO

1 º Passo: Montagem da caixa. O suporte do pistão consiste inicialmente de duas chapas laterais, uma chapa inferior, e uma chapa superior com quatro furos para parafuso sextavado M12. A montagem delas foi constituída por solda.

2º Passo: Montagem dos dispositivos de fixação das facas. O primeiro dispositivo foi fixado na chapa por processo de soldagem, o segundo dispositivo foi simplesmente rosqueado na haste do pistão, as facas foram fixadas nos dispositivos através de parafusos sextavados M12.

3º Passo: Montagem dos Guias. Ouve a necessidade de colocarmos os guias para a faca movida pelo pistão para evitar a flexão da haste, que poderia causar danos ao pistão e interferência na precisão do corte, os guias foram fixados através de parafusos sextavados M8.

4º Passo: Montagem da Cantoneira. As cantoneiras foram fixadas através de solda na parte de fora da caixa nas chapas laterais. Ouve a necessidade de colocá-las para fixar a “BASE DO PISTÃO”.

11

1.2.2 MONTAGEM DA BANCADA.

1º Passo: Montagem dos perfis chatos. Os perfis chatos que constituem a estrutura da bancada foram montados através de solda.

2º Passo: Montagem da chapa superior. A chapa superior foi fixada sobre a estrutura através de solda. A sobra das bordas foram dobradas para baixo e soldadas.

2º Passo: Montagem da chapa inferior. A chapa inferior foi fixada em um ponto estratégico da estrutura para supostas colocação de acessórios extras (ferramentas, materiais, etc.).

1.2.3 MONTAGEM DO PAINEL E CAIXA.

1º Passo: Montagem do painel. O painel foi montado através de dobra e solda.

2º Passo: Caixa. A caixa foi montada através de dobra e solda.

1.2.4 MONTAGEM DO SISTEMA ELÉTRO PNEUMÁTICO

O sistema eletropneumático foi instalado após a montagem dos componentes; suporte do pistão, bancada, painel e caixa de acordo com esse esquema:

12

Esquema Elétrico
24V

B0 B0

B3

K1 B1 B2

K1

K1

K1

H1 H1 Verde H2

H2 Vermelho K1

H3 Vermelho

0V

H1

H2

13

SEGURANÇA
Desde o início do desenvolvimento do projeto nós nos preocupamos com a questão da segurança. Por se tratar de uma máquina cortante, era fundamental que nos preocupássemos com a segurança e o bem estar do operador. A partir de estudos realizados e orientações dos professores chegamos a conclusão que para a segurança do operador deveríamos recobrir o suporte do pistão, evitando assim um maior contato com a faca e prevenindo acidentes. De acordo com normas de segurança colocamos um botão de emergência, que quando acionado, automaticamente trava a máquina.

14

2. CÁLCULOS UTILIZADOS
Devido à orientação dos professores, de acordo com a análise do nosso projeto, foram utilizadas duas situações de cálculos:

1ª Situação: Calculo do conjunto Pneumático. Foram feitos cálculos para definição da capacidade de corte da máquina. Os cálculos são:

2.1 Dimensionamento do Cilindro Dados: Cilindro de Dupla Ação Diâmetro Externo = 80 mm Diâmetro da Haste = 25,4mm L = 50 mm P Máx = 10 Bar Temp. = 10° C a 80° C

S=π
4

. Ø2

S = Seção Externa do Cilindro Ø =Diâmetro Externo do Cilindro S=π

S=π

. (80mm)2
4

. 6400mm 2
4

S=5026,548mm 2

S=5026,548mm2
2.2 Força de Avanço do Cilindro

Fa = S. P.η

Fa = Força de Avanço S = Área de Avanço P = Pressão η = Rendimento

Fa = 5026,548mm2 . 7 bar. 0,8
15

5026,548 mm2= 50,265 cm2 7 bar = 7,137 kgf/cm2 1 kgf = 9,866 N Fa = 50,265 cm2 . 7,137 kgf/cm2 . 0,80 Fa = 286,993 kgf Fa = 2831,473 N Ø = 80 mm S=5026, 548 mm 2 Fa = 2831, 473 N
2.3 Dimensionamento dos Materiais a serem cortados Seção do ferro

Sc1 = π

. Ø21
4

Sc1 = Seção de corte do Material Sc1 = 7,917mm2

Ø1 = Diâmetro do Ferro Sc1 = π . (3,145 mm) ² Sc1 = π .10, 081mm² 4 4 Sc1 = 7,917mm2

Força Necessária para o corte do Aço para Estrutura = Ø 3,175 mm

Fc1 = Sc1. ‫ح‬c1

Fc1 = Força de Corte Sc1 = Seção 1

1

‫ح‬c1=

Tensão de Cisalhamento 1

Fc1 = 7,917 mm 2 . 32,4 kgf/ mm 2 Fc1 = 256,511 kgf Fc1 = 2530,737 N Fc1 = 2530,737 N
16

Seção do Alumínio

Sc2 = π

. Ø22
4

Sc2 = Seção de corte do Material 2 Ø2 = Diâmetro do Alumínio Sc2 = π. 22,677mm2
4

Sc2 = π . (4,762mm) ²
4

Sc2 =17,810 mm2

Sc2 =17,810 mm2
Força Necessária para o corte do Alumínio de Ø = 4,762 mm

Fc2 = Sc2. ‫ح‬c2

Fc2 = Força de Corte 2 Sc2= Seção 2

‫ح‬c2 = Tensão de Cisalhamento 2
Fc2 = 17,810 mm2 . 16 kgf/ mm 2 Fc2 = 284,960 N Fc2 = 2811,415 N Fc2 = 2811,415 N

2ª Situação: Cálculo da estrutura da bancada. Com a orientação dos professores foi necessário fazer alguns cálculos sobre a estrutura da bancada. Os cálculos são:

2.4 DIMENSIONAMENTO DA MESA Espessura da chapa base da mesa. Mf máx =31,636kg. 300mm = 9490,92 Ks.mm Mf máx = Ra.8242,8 Kg.mm 17

Wf = 400 e2 6 Tadmf = Mf máx Wf e2 = 6 Mf máx 400 Tadmf e= 0,015 Mf máx Tadmf 0,05 Mf máx 3 0,05 . 9420,92 3

e=

e=

e=

141,3138 3 47,1046 e = 6,863 mm

e=

CÁLCULO DE FLAMBAGEM DOS PÉS DA MESA. J= 20mm4 – 17mm4 = 160.000mm4 - 83521 mm4 = 76479mm4 12 12 12 J= 6373,25mm4

18

RESULTADOS OBTIDOS
Alcançamos os resultados esperados, a partir do desenvolvimento. O projeto atendeu todas as expectativas iniciais, após concluir a usinagem e montagem, realizamos os testes de funcionamento, foram feitos os ajustes necessários para o bom funcionamento da máquina. Os resultados dos testes foram aprovados, portanto obtivemos sucesso no desenvolvimento da GUILHOTINA ELETROPNEUMÁTICA.

19

CONCLUSÃO
Através das pesquisas realizadas concluímos que o projeto “Tesoura Eletro pneumática” trará muitos benefícios para os profissionais da construção civil. A Tesoura Eletro pneumática é uma inovação no mercado, pois terá a capacidade de obter bons resultados na questão de facilitar e agilizar o trabalho dos profissionais da área. A maquina proporciona facilidade e segurança em sua operação, ela também é muito acessível, pois se trata de um circuito eletro pneumático que reduz assim o seu custo. Nós podemos afirmar que, a Tesoura eletro pneumática é uma combinação de esforço, responsabilidade e determinação, para proporcionar ao consumidor melhor qualidade, tecnologia, segurança e praticidade em um único produto.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
20

PROVENZA, Eng° Francesco. Projetista de Máquinas. São Paulo: Escola Protec, 1978, 6ª Ed.

CATÁLOGO Parker Automation: Linha Pneumática. Catálogo 1001-6 BR, Janeiro de 2007.

MELCONIAN, Sarkis. Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais. São Paulo: Érica, 1988, 2° Ed.

• •

STEWART, Hally L. Pneumática e Hidráulica. São Paulo: Hemus, 1978.

THIBAUT, R. Automatismo: Pneumáticos e Hidráulicos. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos, 1979.

TIMOSHENKO, Stephen P. Resistências dos Materiais. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1975, 3ª Ed.

21

Anexos

22

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->