Você está na página 1de 2

Esc. Sec.

Camilo Castelo Branco 200__/200__

Cidadania e Mundo Actual


Ficha Informativa nº __ - História do Banho
NOME : _______________________________________ __º ANO Tª-__ Nº - __
8ºE

• Se bem que, para nós, é normal chegar ao fim do dia a


casa e tomar uma banhoca, nem sempre foi assim nos tempos
antigos. Nessa altura, a água não era lá muito bem vista, e houve
mesmo uma época em que era pecado tomar banho!

• Os primeiros registos históricos que existem do banho (no


mundo ocidental) são do tempo dos egípcios. Sabe-se que este
povo passava muito tempo a tomar banhos com óleos
perfumados.

• Os gregos e os romanos mantiveram estes hábitos:


reuniam-se nos "banhos públicos", que se tornaram em verdadeiros locais de discussões e
decisões políticas e sociais.
Bom, também não devemos esquecer que estes locais ficavam em zonas bem quentes, e um
banhinho, num dia de calor, sabe muito bem.

• Porém, na Idade Média tudo mudou. As ideias religiosas, levadas ao exagero, puseram
um ponto final na limpeza. As saunas eram consideradas locais de pecado, porque as pessoas
se viam nuas umas às outras (uma coisa natural que acontece hoje nos balneários dos
ginásios).

• Os banhos foram totalmente proibidos, aumentando as doenças e em


especial a peste. Dizia-se que a água "amolecia" a alma. Aliás, dizia-se
ainda que o facto de a água quente dilatar os poros da pele facilitava a
entrada de doenças no corpo! Ridículo! Mas era a "ciência" da altura.
• Como não podia deixar de ser, os piolhos (e toda a restante bicharada
do corpo) não faltavam, mas eram disfarçados pelo uso permanente de
chapéus e (mais tarde) de perucas. Um nojo!

• Assim, nesta época, a higiene passava por vestir roupa lavada e usá-la
até ficar suja. A ideia é que a roupa absorvia a sujidade! Os dentes eram
lavados com um produto 100% natural: chichi e cinzas!!!

• Quanto a lenços de assoar, nem se fazia a mínima ideia do que seriam: usavam-se os
dedos ou as mangas! Surgiram mais tarde, nas classes altas, mas mais para andar com um na
mão do que para a pessoa se assoar.

• A roupa não era lavada, apenas sacudida e carregada de perfume.


As mãos eram lavadas apenas de três em três dias. Lavar a cara estava fora de questão, para
não estragar a pele que se podia desgastar. E a sujidade era escondida com doses enormes
de maquilhagem.

• Chegou-se a um ponto tal que, durante a época das Descobertas, os europeus eram
conhecidos pelos povos que visitavam como "mal-cheirosos e porcos"! Que vergonha... É que
o Oriente manteve os hábitos saudáveis de limpeza e higiene dos povos antigos.

• Durante o século XVII os banhos continuaram a ser olhados como algo perigoso e
desaconselhado a pessoas doentes. Sabias que foi nesta época que, para disfarçar o cheiro,
as classes altas começaram a importar e a usar perfumes? A indústria cosmética teve um
enorme avanço!

• E sabias que o rei francês Luís XIV (séc. XVII) tomou banho apenas duas vezes na vida?
Quando nasceu e quando casou!
• Há um relato que conta que o príncipe Filipe II de Portugal (séc. XVI-XVII) lavou as
pernas, pela primeira vez, aos 7 anos!
• O conceito de higiene surge apenas no século XIX, depois das descobertas de Pasteur
(1822-1895) e dos seus trabalhos sobre a importância da higiene na saúde.
Assim, os hospitais e outros locais de contacto com doenças passaram a ser limpos
regularmente.

• Ainda neste campo, contribuiu muito a acção e o empenho da enfermeira inglesa


Florence Nightingale (1820-1910) que organizou os hospitais, e aplicou noções de higiene
básica a locais e pessoas.

• Estudos médicos provaram que a maior causa de morte nos doentes tinha a ver com
infecções provocadas por falta de higiene dos médicos, que não lavavam as mãos antes e
depois de verem e tratarem os doentes. Passaram, então, a ser obrigados a desinfectar
sempre as mãos.

• Foi apenas no século XX que o duche entrou nos


hábitos dos europeus e, mesmo se ainda não se trata de
um momento diário, estamos certamente muito melhor. No
entanto, um longo caminho teve de ser percorrido em
nome da higiene e da saúde. E um caminho por vezes
demasiado seco! :)

Interesses relacionados