Você está na página 1de 9

“Da multidão dos que creram era um o coração e a alma”.

Atos 4:32
AGENDA DA REUNIÃO
(COM TODOS OS LÍDERES)

ATENÇÃO:

• Qualquer mudança planejada para o seu grupo de


DECADUM deverá ser informada à coordenação.
• Incentive os líderes a dirigirem o grupo. Dê opiniões,
apoio e incentive sempre.
• Toda segunda retomem o objetivo do DECADUM:
MULTIPLICAÇÃO.
• Recompense os liderados que trouxerem visitantes.
• Estejam sempre orando pelos outros grupos, pelos
missionários e pela Betel.
• Incentive os seus liderados a pagarem o preço de
estarem na ESCOLA DOMINICAL, para que eles possam
crescer
• Qualquer dúvida em relação à dinâmica, vocês podem
procurar a coordenação.
• O material recebido para as dinâmicas é de
responsabilidade dos líderes, por isso, cuide bem deles!
• Estude a dinâmica com antecedência. Faça o melhor
para o Senhor!
• NÃO ESQUEÇAM DE PREPARAR UMA MEDITAÇÃO PARA
TODA SEMANA....MAS BREVE........NÃO DEIXE DE FALAR
DA PALAVRA DE DEUS!
REFLEXÃO

Dinâmica de Grupo
Entrevista com Maria Cristina Consalter e Filomena Storti Minetto
Publicado em 09.03.2007

Todos nós participamos da vida de vários grupos, e tanto somos influenciados pelo
comportamento dos outros, como também exercemos influência. Estamos envolvidos
em relações de trocas, que proporcionam aprendizagem, desenvolvimento
interpessoal e o suprimento de necessidades. A Dinâmica de Grupo tem o propósito
de compreender e intervir nas experiências em grupo, sendo de grande importância no
desenvolvimento de lideranças e equipes.

Para nos orientar e esclarecer este assunto, convidamos Maria Cristina Costa
Consalter e Filomena Storti Minetto, co-coordenadoras do curso "A Dinâmica de Grupo
como intervenção nos grupos de desenvolvimento", oferecido pela Faculdade de
Teologia ISBL. Maria Cristina atua como facilitadora em processos grupais. Possui
pós-graduação em Recursos Humanos e Marketing Interno; em Mediação e
Arbitragem e Psicologia Organizacional e do Trabalho. Filomena possui formação em
Psicologia, é pós-graduada em Administração de Recursos Humanos e
Comportamento Organizacional. Coordenadora de Grupos pela Sociedade Brasileira
de Dinâmica de Grupo, é docente em cursos de graduação e pós-graduação. Ambas
atuam como consultoras e possuem parceria com o Sebrae.

Qual seria a melhor definição para Dinâmica de Grupo?

Maria Cristina e Filomena - A Dinâmica de grupo é um ramo de conhecimento


específico sobre o comportamento humano em grupo e tem como questão principal
entender e saber como lidar com os processos de grupo (como os membros do grupo
funcionam na medida em que se relacionam).

Para que tipo de situações ou objetivos elas são mais indicadas?

Para programas de auto-desenvolvimento, desenvolvimento de líderes,


desenvolvimento de equipes e processo seletivo.

Quais os aspectos ou resultados mais positivos que se pode obter pela


realização de Dinâmicas de Grupos?

Através do modelo da aprendizagem vivencial, os membros do grupo experimentam


uma situação conjunta, tendo a oportunidade de expressar seus sentimentos e
emoções naquela situação e fazer correlações com o seu comportamento cotidiano e,
assim, fazer insigths (trazer a consciência) sobre o seu próprio funcionamento,
podendo, com isso, gerar aprendizagens e mudanças de atitudes.
Há casos em que pode gerar também uma repercussão negativa no grupo?

Quando a escolha da técnica não é apropriada ao momento e as necessidades do


grupo, este tende a não funcionar adequadamente naquela situação. Por exemplo: Se
o grupo está passando por uma fase onde os conflitos interpessoais estão bastante
acirrados e o Coordenador apresenta uma atividade para se trabalhar competição,
sem antes ter trabalhado aproximação interpessoal e integração. O grupo pode não
ter condições nesse momento para elaborar e aprender sobre o seu processo, quando
suas relações estão calcadas na competição e não na cooperação.

Que ganhos os gestores das organizações podem obter com a experiência na


Dinâmica de Grupo?

Este aprendizado pode facilitar os gestores no exercício da sua liderança e na


coordenação das atividades de sua equipe de trabalho.

Qualquer pessoa pode coordenar uma atividade de Dinâmica de Grupo? Existe


um perfil ou competências ideais?

Alguns requisitos são fundamentais, por exemplo, um profissional que tenha formação
ou especialização na ciência do comportamento. É importante conhecer, ter formação
e experiência com grupos para desenvolver a habilidade de compreender processos
de grupo, e ao identificar as necessidades, utlizar-se de instrumentos e ferramentas da
Psicologia de grupos para uma intervenção mais adequada.

Que tipo de conhecimento ou preparo um coordenador deve buscar para que


possa orientar com eficácia uma Dinâmica de Grupo?

Conhecer melhor sobre si mesmo, suas motivações, suas expectativas e procurar


conhecer e estudar a respeito da vida dos grupos , suas fases e conseqüentemente
suas necessidades.

Muitas pessoas que acessam nosso site têm grande familiaridade com os
chamados "quebra-gelos”, sempre presentes no contexto das igrejas, em
reuniões e encontros de pequenos grupos. Os “quebra-gelos” são também
considerados Dinâmicas? Você diria que eles podem ser momentos
estratégicos para a liderança de grupos?

Os quebra-gelos são chamados de vitalizadores e são também considerados técnicas


de Dinâmica de Grupo. Eles têm a função de energizar o grupo, podendo ser utilizados
em situações como: aquecimento, descontração, integração e situações correlatas.

Há algum site, livro, cursos ou outra referência que vocês possam indicar às
pessoas que desejam se aperfeiçoar e conhecer mais sobre o assunto?

Como bibliografia básica, indicamos os livros Equipes dão certo e Desenvolvimento


Interpessoal, de Fela Moscovici, ambos pela José Olimpio Editora. Sugerimos também
que conheçam o site da Sociedade Brasileira de Dinâmica de Grupo –
www.sbdg.org.br, organização que oferece curso, em 19 encontros, de Formação de
Coordenadores de Grupo. Também coordenamos um curso de aperfeiçoamento em
Dinâmica de Grupos em Londrina, no ISBL, faculdade de Teologia, com uma carga
horária de 40 horas.
DATA: 15/03
Lo&Wande&Eliane
Natureza pecaminosa (todos caíram e destituídos foram das
glorias de Deus)

Material necessário: balões coloridos e um palito de dentes para


cada participantes.

Referência: Romanos 3. 10-18

Para iniciar a atividade, convide os participantes para ficarem


dispostos em um círculo, em pé e distribua um balão para cada um.
Comente sobre como certos comportamentos “gratuitos”, muitas
vezes inconscientes, acabam dificultando nossos relacionamentos
com colegas e como, freqüentemente, nos tornamos “cegos” para
isso. Determine que encham seus balões e, entregando um palito de
dentes para cada um, diga-lhes para protegerem seus balões a “todo
o custo” por um tempo mínimo de 03 minutos. Observe a reação do
grupo: provavelmente, tentarão “furar” os balões uns dos outros,
enquanto protegem os seus. Limite-se a observar: você não deu esta
ordem. Você apenas pediu que protegessem os seus próprios balões;
Após o tempo de 03 minutos, disponha os participantes novamente
em círculo, em pé e pergunte a todos:
Porque tentaram estourar os balões uns dos outros se você havia
determinado que “protegessem”, ao invés de “atacarem”?

Conclusão: Encerre a atividade comentando que, em diversas


ocasiões, inconscientemente, assumimos a posição de ataque e
como, ao fazermos isso, prejudicamos a qualidade dos nossos
relacionamentos, além de enxergarmos a partir deste momento todas
as coisas com um único ponto de vista, perdendo a capacidade de
avaliar as situações de forma imparcial.

DATA: 22/03
Diego&Naty
Simule um tribunal. Divida a turma em três equipes: Juízes,
testemunhas de acusação e promotoria. Crie uma história. Depois dê
aos participantes fatos isolados verídicos, mas não conte a versão
original. Peça aos participantes para fazerem suposições sobre o que
aconteceu de fato e dêem liberdade para apresentarem "provas" dos
fatos, uma equipe por vez, revezando entre promotoria e
testemunhas. Lembre: a suposição de agora não pode contradizer
uma que já foi posta.
No final peça o júri pra julgar.
Os participantes deverão refletir sobre como foi fácil mexer na
história, pq ela não tinha acontecido de fato. Da mesma forma nossa
história ainda não foi escrita, e temos o poder de fazer as escolhas
certas, que são as alinhadas com os propósitos de Deus pra nós.
Exemplo de história - fatos. Julieta acorda e vê a janela aberta, o
aquário quebrado e Romeu morto ao lado da cama.
Versão original: o vento abriu a janela durante a noite e derrubou o
aquário. Romeu morreu pq era um peixe.
ps.: não usem essa pois muita gente conhece.

DATA: 29/03
Diego&Naty
Dê aos participantes um objeto. Qualquer um. Pode ser uma laranja,
um copo, um celular...
Peça a cada um que conte um breve caso dando uma utilidade ao seu
objeto. O colega da direita, deve aproveitar a utilidade do primeiro
para criar uma utilidade para o seu objeto e assim sucessivamente.
Exemplo: eu tenho uma corda. Eu vou usar a corda para puxar meus
cadernos na hora d ir pra escola. meu colega tem um patins, vou
aproveitar que ele tem a corda e vou amarrado nos cadernos dele. O
outro tem uma pedra, vamos chamá-lo pra ir conosco para nos
defender de cachorros bravos no caminho da escola... e assim vai.
Os participantes devem refletir que mesmo q vc não tenha tido um
começo perfeito, vc tem amigos com dosn diferentes que podem t
ajudar a ter um futuro melhor: um tem o dom d t ouvir, outro de orar
por vc, outro é o companheiro ideal pra dar rolé, outro para t ajudar
nos estudo. Incentive-os a identificar suas qualidades e faça um
compromisso de usá-las uns com os outros.

DATA: 05/04

DECADUM GERAL – GRUPO RESPONSÁVEL: TODOS

DATA: 12/04
Héltrio
Desenvolvimento: Quem estiver dirigindo o deca começa a contar
uma história, ai vai passando a palavra para cada pessoa do grupo
continuar a historia ate que chegue no final e veja a história.
Aplicação: Podemos fazer a nossa historia ficar diferente, não
importando com aquilo que foi feito por alguém lá atrás ou por nós
mesmos. Também não precisamos pensar que a atual situação não
possa ser modificada pelo fato de alguém ter feito algo. Podemos
mudar de qualquer forma o final da história com a ação de Deus em
nossas vidas.

DATA: 19/04
Diego&Naty
Material: Câmera filmadora
Pessoas: 2 grupos – sem número de pessoas limitado.
Desenvolvimento: O facilitador irá propor que os participantes façam
um pequeno vídeo-filme em que o enredo e história será totalmente
construído por eles. É fundamental que os participantes criem a
própria história. Faça com que todos os participantes opinem de
alguma maneira contribuindo para o enredo.
Aplicação – Leve-os a refletir o quanto eles podem ser protagonistas
do filme da própria vida e o quanto as próprias decisões influenciam
no final do filme.

DATA: 26/04
Héltrio
O coordenador pede aos integrantes que pensem nas atividades que
gostariam de fazer nos próximos dias ou semanas (viagens, ir bem
numa prova, atividades profissionais, familiares, religiosas, etc.) ou
nos seus objetivos e motivos para participar do grupo.
Então, cada integrante deve iniciar um desenho que represente o seu
desejo no papel.
Após apenas trinta segundos o coordenador pede para que todos
parem e passem a folha para o vizinho da direita, para que o vizinho
continue a fazer o desenho, da maneira como achar melhor (o vizinho
pode continuar com sua própria idéia inicial ou tentar imaginar o que
o outro queria desenhar). Após trinta segundos passar adiante
novamente e assim sucessivamente até que as folhas voltem à
origem.
Então cada integrante mostra o desenho que tem em mãos, descreve
o que gostaria de ter desenhado e o que consegue entender do
desenho que recebeu ao final.
Levar o grupo a conversar sobre:
• Importância de conhecermos bem nossos objetivos individuais e
coletivos;
• Importância de sabermos expressar ao grupo nossos desejos e
nossas dificuldades em alcançá-los;
• O interesse em sabermos quais os objetivos de cada
participante do grupo e de que maneira podemos ajudá-los;
• A importância do trabalho em grupo para a resolução de
problemas, etc.. Dependendo da situação você pode então
pedir que definam objetivos para o grupo do qual participam.
Por exemplo, se são um grupo de jovens, quais os alvos que
querem atingir? (desde abstratos: fazer amizades, ao número
de reuniões por mês, atividades especiais, se as reuniões terão
tema, canto, etc..)

DATA: 03/05
DECADUM GERAL – GRUPO RESPONSÁVEL: TODOS

DATA: 10/05

Dinâmica: Sim – Não


Objetivo: É proporcionar ao grupo a oportunidade de desenvolver a
capacidade de dizer “sim” ou “não” quando necessário.
Desenvolvimento: Deverá pedir que o grupo feche os olhos, e se
lembrar de uma situação que disse sim, mas queria dizer não. Em
seguida deverá imaginar dizendo não nessa mesma situação e o que
implica dizer esse não. É importante que o grupo identifique como se
sente nos dois momentos. Ao abrir os olhos todos deverão
compartilhar os sentimentos.
Conclusão: Encerra-se com uma reflexão sobre as pessoas
submissas que sempre dizem sim, e as rebeldes que nunca se
submetem. Perceber se deseja ou não realmente submeter-se a uma
dada situação.

DATA: 17/05
Lo&Wande&Eliane

Zona de conforto
Material: 1 dado, fita crepe para montar o caminho e as casas,
papel.
Referência: Matheus 14. 23-33

Demarcar dois caminhos: 1 totalmente livre, sem dificuldade e o


outro com algumas dificuldades. Escolher uma pessoa para realizar a
tarefa e a mesma deverá escolher por qual caminho quer passar. O
“escolhido” deverá se movimentar pelo caminho conforme a
numeração do dado
Ex: Número dois... andar duas casas.
No caminho 2 haverão várias “casas” que serão representadas por
algumas pessoas do grupo, estes participantes receberão fichas com
as “dificuldades” que deverão representar e executar. Assim que
realizar a tarefa os mesmos deverão colar a ficha no "escolhido".
Logo após cada casa haverá um atalho para o caminho fácil, caso o
escolhido queira desistir. Ao final o escolhido ganhará um "prêmio".

Exemplos das dificuldades: Gerar dor, tristeza, indecisão, solidão...

Realização: O caminho será feito com casas grandes o suficiente


para que o escolhido possa permanecer dentro dela. (ex: Tabuleiro de
jogo)

DATA: 23/05
Lo&Wande&Eliane

Imagem em ação
Referência: Lucas 19. 1-10
Dividir o grupo em 2. Uma pessoa de cada grupo receberá uma ficha
e terá que fazer com que seu grupo adivinhe o que esta escrito na
mesma. O participante SOMENTE poderá usar mímica.
1- Parte:
O grupo "adversário" deverá escolher 1 participante para atrapalhar o
outro grupo com sinais, sem falar ou encostar no outro participante.
Fichas:
1- Entusiasmo
2- Compromisso
2- Parte:
Mesma atividade, porém não haverá nenhum participante
atrapalhando.
Fichas:
1- Perseverança
2- Comunhão
Obs. Um grupo de cada vez.

DATA: 29/10
DECADUM GERAL – GRUPO RESPONSÁVEL: TODOS

DATA: 05/11

DATA: 12/11

DATA: 19/11

DATA: 26/11
DECADUM GERAL – GRUPO RESPONSÁVEL: WANDERSON

DATA: 03/12

DATA: 10/12

DATA: 17/12
DECADUM GERAL