P. 1
FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS Capacidade de carga

FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS Capacidade de carga

|Views: 2.670|Likes:
Publicado porFabrício Barboza

More info:

Published by: Fabrício Barboza on Aug 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/06/2013

pdf

text

original

Disciplina: FUNDAÇÕES Código: 101134

Professor: Erinaldo Hilário Cavalcante




Notas de Aula







FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS
Capítulo 4 – Capacidade de Carga

Aracaju, maio de 2005.











UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL
ÁREA DE GEOTECNIA E ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES
2
ÍNDICE
1.0 Definição 4
2.0 Relevância e Normalização das Fundações 4
2.1 Principais Normas Associadas a Fundações 4
3.0 Entidades Nacionais e Internacionais Ligadas à Engenharia de Fundações 4
4.0 Tipos de Fundações 5
4.1 Tipos de Fundações Superficiais, Rasas ou Diretas 5
4.2 Tipos de Fundações Profundas 6
5.0 Elementos Necessários ao Projeto de Fundações 7
5.1 Ações nas Fundações 7
6.0 Requisitos de um Projeto de Fundações 8
7.0 Fatores/Coeficientes de Segurança (Fs) 9
7.1 Fator de Segurança Global 9
7.2 Fator de Segurança Parcial 9
8.0 Deslocamentos em Estruturas e Danos Provocados 9
8.1 Definição de Deslocamentos e Deformações 10
8.2 Recalques Totais Limites 11
8.3 Distorções Angulares e Danos Associados 12
9.0 CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS 12
9.1 Mecanismos de Ruptura em Função do Solo 13
9.1.1 Campos de Deslocamentos das Rupturas 14
9.1.2 Fatores que Afetam o Modo de Ruptura 14
9.1.3 Tensões de Contato 15
9.2 FORMULAÇÃO DE TERZAGHI 15
10.0 DESENVOLVIMENTO DA EQUAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA 16
10.1 Casos Particulares 17
10.2 Superposição de Efeitos 17
10.2.1 SOLUÇÃO DE TERZAGHI PARA O CASO DE SOLOS FOFOS E MOLES
(localizada)
18
10.3 A SOLUÇÃO DE MEYERHOF (1963) 20
10.4 A SOLUÇÃO DE BRINCH HANSEN (1970) 21
10.5 A SOLUÇÃO DE VÉSIC (1973; 1975) 24
10.6 Influência do Lençol Freático 24
10.7 Avaliação dos Métodos 24
11.0 MÉTODOS SEMI-EMPÍRICOS 25
11.1 Métodos Baseados no SPT 25
3
11.2 Métodos Baseados no CPT 26
12.0 MÉTODOS EMPÍRICOS 26
12.1 Recomendações Gerais 27
12.1.1 Solos Granulares 27
12.1.2 Construções Sensíveis a Recalques 28
12.1.3 Aumento da Tensão Admissível com a Profundidade 28
12.1.4 Solos Argilosos 28
13.0 PROVAS DE CARGA SOBRE PLACAS – INTERPRETAÇÃO E
EXTRAPOLAÇÃO
28
13.1 Extrapolação dos Resultados para a Sapata 29
14.0 Fundação em Solos Não Saturados e Colapsíveis 30
15.0 Influência do Nível D´água em Areias 30
16.0 Estimativas de Parâmetros de Resistência e Peso Específico 31
17.0 EXEMPLO PRÁTICO 33
18.0 Bibliografia Consultada 35






















4
1.0 Definição

Entende-se por Fundação o conjunto formado pelo elemento estrutural mais o maciço de solo,
projetado para suportar as cargas de uma edificação. O elemento estrutural é responsável pela
transmissão das cargas da superestrutura ao solo sobre o qual se apóia. Uma estrutura de
fundação adequadamente projetada é aquela que transfere as cargas sem sobrecarregar
excessivamente o solo. A transferência de esforços (cargas ou tensões) além do que o solo
pode resistir resultará em recalques excessivos ou até mesmo a ruptura do solo, por
cisalhamento. Portanto, os engenheiros geotécnico e estrutural deverão avaliar a capacidade
de carga do solo.


2.0 Relevância e Normalização das Fundações
• Corresponde de 4% a 10% do custo total de uma edificação
• Não existe obra civil sem fundação
• As condições do solo não podem ser escolhidas – são as que existem no local
• Não dá para padronizar uma solução – cada obra difere das outras

2.1 Principais Normas Associadas a Fundações

ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS
NBR 6122 (1986) – Projeto e Execução de Fundações
NBR 6489 (1984) – Prova de Carga Direta Sobre Terreno de Fundação
NBR 6121/MB3472 – Estacas - Prova de Carga Estática
NBR 13208 (1994) – Estacas – Ensaio de Carregamento Dinâmico
NBR 8681 (1984) – Ações e Segurança nas Estruturas
NBR 6118 – Projeto e Execução de Obras de Concreto Armado

3.0 Entidades Nacionais e Internacionais Ligadas á Engenharia de Fundações

i) ABMS – Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia de Fundações
(www.abms.com.br)
ii) ABEF – Associação Brasileira de Empresas de Engenharia de Fundações
(www.abef.org.br)
iii) ISSMFE – International Society of Soil Mechanics and Geotechnical Engineering
(www.issmge.org)

5
4.0 Tipos de Fundações • Superficiais, rasas ou diretas
• Profundas

A diferença de acordo com a profundidade de embutimento do elemento no solo


Figura 1 – Mecanismos de ruptura em fundações.

A diferença de acordo com o mecanismo de ruptura
Superficial: mecanismo surge na superfície do terreno
Profunda: mecanismo não surge na superfície do terreno

4.1 Tipos de Fundações Superficiais, Rasas ou Diretas
Bloco
Sapata corrida
Viga de fundação
Grelha
Sapata associada
Radier








Figura 2 – Tipos de fundações superficiais.
6
4.2 Tipos de Fundações Profundas

Estaca


Tubulão


Caixão



Figura 3 – Tipos de fundações profundas.
Fundações Mistas

Estaca T

Estapata

Radier sobre
estacas

Radier sobre
tubulões



Figura 4 – Tipos de fundações mistas: (a) estaca “T”; (b) estapata; (c)
radier sobre estacas; (d) radier sobre tubulões.

Principais diferenças entre blocos e sapatas

Figura 5 – Principais diferenças entre blocos e sapatas.

maior altura
trabalha basicamente à compressão
concreto simples (em geral)

pequena altura
trabalha à flexão
concreto armado para resistir esforços
de tração e cisalhantes

7
5.0 Elementos Necessários ao Projeto de Fundações
i) Topografia da área
Levantamento topográfico
Dados sobre taludes e encostas
Dados sobre possibilidades de erosões na área de apoio da fundação
ii) Dados Geológicos-Geotécnicos
Investigação do Subsolo (preliminares e/ou complementar)
Análise de mapas, fotos aéreas, levantamentos aerofotogramétricos, etc.)
iii) Dados da Estrutura a Construir
Tipo e uso
Sistema estrutural
Cargas que serão transmitidas
iv) Dados das Construções Vizinhas
Nº de pavimentos, carga média por pavimento
Tipo de estrutura e fundações
Desempenho das fundações
Existência de subsolo
Possíveis efeitos de escavações e vibrações provocadas pela nova obra

5.1 Ações nas Fundações

⇒ Cargas Vivas





⇒ Cargas mortas ou
permanentes
OBS.: A NBR 8681
(1984) estabelece
critérios para
combinação destas
ações na verificação
dos estados limites de
uma estrutura.
8
ESTADO LIMITE: Estado a partir do qual a estrutura apresenta desempenho inadequado ao
desempenho da obra. São dois os estados limites:
i) Estado Limite Último ⇒ associa-se ao colapso parcial/total da obra;
ii) Estado Limite de Utilização ⇒ Quando a ocorrência de deformações, fissuras, etc.
compro metem o uso da construção.

6.0 Requisitos de um Projeto de Fundações
⌦ Deformações aceitáveis sob as condições de trabalho (requer verificação dos estados
limites de utilização);
⌦ Segurança adequada ao colapso do solo de fundação – estabilidade externa
(verificação dos estados limites últimos);
⌦ Segurança adequada ao colapso dos elementos estruturais – estabilidade interna
(verificação dos estados limites últimos).

OUTROS REQUISITOS
Segurança adequada ao tombamento e deslizamento provocados por forças horizontais
(estabilidade externa);
Níveis de vibração compatíveis com o uso da obra, verificados nos casos de cargas
dinâmicas.

Figura 6 – (a) Deformações excessivas, (b) colapso do solo, (c) tombamento, (d) deslizamento e (e)
colapso estrutural resultante de projetos deficientes.
9
7.0 Fatores/Coeficientes de Segurança (Fs)
Em fundações os valores de FS estão associados às incertezas, refletindo a soma dos
seguintes fatores:
Investigações geotécnicas disponíveis, tipo, qualidade, quantidade, etc.;
Parâmetros admitidos ou estimados;
Métodos de cálculo empregados;
As cargas que realmente atuam e
Os procedimentos de execução.

7.1 Fator de Segurança Global
Incorpora todos os fatores os fatores mencionados acima.
trab
σ
rup
σ
ou
trab
Q
últ
Q
FS =

Fatores de Segurança globais mínimos em geotecnia (Terzaghi & Peck, 1967).
Tipo de ruptura Obra Fator de Segurança (FS)
Cisalhamento
Obras de Terra
Estruturas de Arrimo
Fundações
1,3 a 1,5
1,5 a 2,0
2,0 a 3,0
Ação da Água
Subpressão, Levantamento
Gradiente de saída (piping)
1,5 a 2,5
3,0 a 5,0

Fatores de Segurança globais mínimos aplicados em Fundações no Brasil (NBR 6122, 1996).
Condição Fator de Segurança (FS)
Capacidade de carga de fundações superficiais 3,0
Capacidade de carga de estacas ou tubulões sem prova de
carga
2,0
Capacidade de carga de estacas ou tubulões com prova de
carga
1,6


7.2 Fator de Segurança Parcial

Consiste num valor de FS para cada tipo de ação, no caso das cargas atuantes, enquanto que
no caso das resistências, consiste em se adotar um coeficiente de minoração para cada
parcela de resistência do problema.
10
BRINCH HANSEN (1965) sugere:
• Cargas permanentes ⇒ FS = 1,0
• Cargas acidentais ⇒ FS = 1,5
• Pressões d´água ⇒ FS = 1,0
• Cálculo da estabilidade de taludes e Empuxos de Terra ⇒ Coesão: FS = 1,5
⇒ tg(φ): FS = 1,2
• Fundações superficiais ⇒ Coesão: FS = 2,0 ; tg(φ): FS = 1,2

♦Fórmulas estáticas Coesão: FS = 2,0 ; tg (φ): FS = 1,2
• Fundações profundas ♦Fórmulas de cravação FS = 2,0
♦Provas de carga FS = 1,6
♦Aço: FS = 1,35 (em relação à tensão de escoamento)
• Materiais estruturais ♦Concreto: FS = 2,7 (em relação à tensão de ruptura)
♦Outros materiais: dividir as tensões admissíveis por 1,4

8.0 Deslocamentos em Estruturas e Danos Provocados
Toda fundação está sujeita a:
• Deslocamentos verticais (recalques ou levantamentos)
• Deslocamentos horizontais
• Deslocamentos rotacionais

OBS.: Quando os valores desses deslocamentos ultrapassam certos limites, ocorre a
possibilidade do colapso da estrutura suportada. Isto acontece por causa do surgimento
de esforços para os quais a estrutura não foi dimensionada.

Deslocamentos admissíveis ⇒ não prejudicam a utilização (funcionalidade) da obra
Deslocamentos excessivos ⇒ podem comprometer a estrutura quanto à estética, função, ...

8.1 Definição de Deslocamentos e Deformações
• Deformação específica (ε): rel ação entre a variação de comprimento (δL) e o
comprimento
inicial (L) ⇒
L
L δ
ε =
• Recalque (r ou w): deslocamento para baixo (↓)
• Levantamento: deslocamento para cima (↑)
OBS.: Estes deslocamentos
dependem da interação solo-
estrutura apoiada.
11
Recalque diferencial (δr ou δw): deslocamento vertical de um ponto em relação a outro.
Rotação (φ): descreve a variação da inclinação da reta que une dois pontos de referência da
fundação.
Desaprumo (ω): rotação da estrutura como um todo.
Distorção angular (β): corresponde à rotação da reta que une dois pontos de referência
tomados para definir o desaprumo.

8.2 Recalques Totais Limites

w
máx
= 25 mm (SAPATAS)
AREIAS
w
máx
= 50 mm (RADIER)

w
máx
= 65 mm (SAPATAS
ARGILAS ISOLADAS)
w
máx
= 65 a 100 mm
(RADIER)


Figura 7 - Deslocamentos de uma fundação superficial.



Figura 8 – Deslocamentos que podem ocorrer com uma estrutura.


12
8.3 Distorções Angulares e Danos Associados

Figura 9 – Distorções angulares e danos associados.



9.0 CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS

Considerar uma sapata com as seguintes condições:
• Retangular, com dimensões B x L
• Apoiada na superfície do terreno
• Submetida a uma carga Q, crescente desde zero até à ruptura
• São medidos os valores de Q e dos deslocamentos verticais “w” (recalques)
A tensão aplicada ao solo pela sapata é:
B.L
Q
= σ

13

Figura 10 – Sapata de concreto armado embutida em solo.

Figura 11 – Comportamento de uma sapata sob carga vertical – curvas carga x recalque (Kézdi, 1970).

FASE I ⇒ ELÁSTICA: w é proporcional à carga Q
FASE II ⇒ PLÁSTICA: w é irreversível. O deslocamento w é crescente mesmo sem variar Q
FASE III ⇒ PLÁSTICA: w é irreversível. A velocidade do “w” cresce continuamente ⇒ ruptura.

9.1 Mecanismos de Ruptura em Função do Solo
Ruptura generalizada ⇒ brusca, bem caracterizada na curva σ x w (ocorre em solos
rígidos, como areias compactas a muito compactas e argilas rijas a duras)
Ruptura localizada ⇒ curva mais abatida. Não apresenta nitidez da ruptura. Típica de
solos fofos e moles (areias fofas e argilas média e mole).
Ruptura por puncionamento ⇒ mecanismo de difícil observação. À medida que Q cresce,
o movimento vertical da fundação é acompanhado pela compressão do solo logo abaixo. O
solo fora da área carregada não participa do processo.
14


Figura 12 – Rupturas: generalizada (a); localizada (b); por puncionamento (c) e (d) condições que
ocorrem, em areias (Vésic, 1963).

9.1.1 Campos de Deslocamentos das Rupturas


Figura 13 – Campos de deslocamentos das rupturas: generalizada (a); localizada (b) e por
puncionamento (c), segundo Lopes (1979).


9.1.2 Fatores que Afetam o Modo de Ruptura

• Propriedades do solo (rigidez/resistência)
• Geometria do carregamento (profundidade relativa D/B): se D/B aumenta ⇒ punção
• Estado de tensões iniciais (k
0
): Se k
0
aumenta ⇒ ruptura generalizada
15
9.1.3 Tensões de Contato
SAPATA APOIADA EM ARGILA


SAPATA APOIADA EM AREIA


SAPATA APOIADA EM ROCHA

Figura 14 – Tensões de contato entre a placa e o solo, dependendo da rigidez da placa e do tipo de solo
existente embaixo da placa.

9.2 FORMULAÇÃO DE TERZAGHI
Hipóteses:
i) a sapata é corrida, ou seja, L >>> B. Trata-se de um caso bidimensional (no plano);
ii) o embutimento da sapata (D) é menor que sua largura (B). Neste caso, é desprezada
a resistência ao cisalhamento do solo acima da cota de apoio da sapata e substitui-
se a camada pela sobrecarga q = γ.D;
iii) o maciço de solo sob a base da sapata é compacto ou rijo ⇒ ruptura generalizada.
16
10.0 DESENVOLVIMENTO DA EQUAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA

Na iminência da ruptura, em que a sapata aplica a tensão σ
r
ao solo, na cunha I, com peso W,
tem-se:


Figura 15 – Superfície potencial de ruptura.

Do equilíbrio de forças atuando na cunha de solo “I”, faces OR e O´R, vem: ∑
= 0 F
v


0 sen
a
2C
p
2E W xB
r
σ = − − + φ (1)
em que ( )x1xc
2
B
cos
a
C = φ
γ φ ⋅ |
.
|

\
|
= tg
4
2
B
W

E
p
é a componente vertical do
empuxo passivo
C
a
é a força coesiva
c é a coesão do solo
φ = ângulo de atrito interno do solo
B é a largura da sapata


Figura 16 – Cunha de solo sob a base da sapata.

ORST = SUPERFÍCIE POTENCIAL DE RUPTURA
OR e ST = TRECHOS RETOS
RS = ESPIRAL LOGARÍTMICA

Reescrevendo a equação (1), vem:
17
φ
γ
φ tg B.
4
− + =
|
|
|
.
|

\
|
c.tg
B
p
2E
r
σ (2)

A equação (2) é a solução geral do problema, desde que E
p
seja conhecido.
OBS.: Não há solução geral que leve em conta o peso do solo e a influência da sobrecarga.
Para simplificar, são analisados casos particulares e depois são superpostos os efeitos.

10.1 Casos Particulares
i) Solo sem peso e sapata à superfície do terreno: (c ≠ 0, D = 0, γ = 0)

c
c.N
r
σ = (2.1)
N
c
= fator de capacidade de carga função apenas de φ ⇒

|
.
|

\
|
− + = 1
2
45
2
cot
φ
φ π
φ tg
tg
e
c
g N
ii) Solo não coesivo e sem peso: (c = 0, D ≠ 0, γ = 0)

q
q.N
r
σ = (2.2)
N
q
= fator de capacidade de carga função também só de φ ⇒
|
.
|

\
|
+ =
2
45
2 φ φ π
tg
tg
e
q
N
Constata-se que φ g
q
N
c
cot 1
|
.
|

\
|
− = N
iii) Solo não coesivo e sapata à superfície (areia pura): (c = 0, D = 0, γ ≠ 0)

γ
γ N B. .
2
1
r
σ =

) cos(
2
.
4
φ α
γ
γ
− =
B
p
E
N

10.2 Superposição de Efeitos
No caso real de uma sapata corrida embutida em um maciço de solo com coesão (c) e ângulo
de atrito (φ), a capacidade de carga se compõe de três parcelas, que representa as
contribuições:
i) da coesão e do atrito de um material sem peso (W)e sem sobrecarga (q);
ii) do atrito de um material sem peso e com sobrecarga, e
18
iii) do atrito de um material com peso e sem sobrecarga.

Assim, a solução de TERZAGHI, considerando a superposição dos efeitos para ruptura geral é:
γ
γΒΝ + + =
2
1
q
qN
c
cN
r
σ (3)
Os fatores de capacidade de carga N
c
, N
q
e N
γ
são adimensionais e dependem apenas de φ. A
Tabela a seguir e o ábaco correspondente apresentam os valores desses fatores.

10.2.1 SOLUÇÃO DE TERZAGHI PARA O CASO DE SOLOS FOFOS E MOLES (localizada)

Reduzir os valores de c e de φ. Neste caso,
c
3
2
c´=
e
φ φ tg
3
2
´ tg =

Entrar no ábaco de Terzaghi com φ e obter N
c
´, N
q
´ e N
γ
´. A Equação (3) fica:

´
2
1
´
q
qN ´
c
c´N
r
σ
γ
γΒΝ + + = (4)

Tabela 1 – Fatores de capacidade de carga para aplicação da equação de Terzaghi.
φ FATORES DE CAPACIDADE DE CARGA PROPOSTOS POR TERZAGHI
(GRAUS) N
c
N
q
N
γ

0 5,7 1,0 0,0
5 7,3 1,6 0,5
10 9,6 2,7 1,2
15 12,9 4,4 2,5
20 17,7 7,4 5,0
25 25,1 12,7 9,7
30 37,2 22,5 19,7
34 52,6 36,5 36,0
35 57,8 41,4 42,4
40 95,7 81,3 100,4
45 172,3 173,3 297,5
48 258,3 287,9 780,1
50 347,5 415,1 1153,2
19

Figura 17 – Ábaco para obtenção dos fatores de capacidade de carga da equação de Terzaghi.

TERZAGHI também introduziu fatores de correção para levar em conta a forma da fundação.
Os fatores são s
c
e s
γ
, cujos valores são apresentados a seguir.
Equação final de Terzaghi para capacidade de carga:

γ γ
γΒΝ + + = s
2
1
q
qN
c
s
c
cN
r
σ (5)

Tabela 2 – Fatores de forma para aplicação da equação de Terzaghi.
VALORES DOS FATORES DE FORMA SUGERIDOS POR TERZAGHI
FATOR FORMA DA SAPATA

Corrida Circular Quadrada
s
c
1,0 1,3 1,3
s
γ
1,0 0,6 0,8

CASOS PARTICULARES:

Para φ = 0 ⇒ N
c
= 5,14 e Nγ = 0 ⇒ 6,17c 1,3xcx5,14
r
σ = = (sapata quadrada/cicrcular)
Para c = 0 ⇒ γ =
γ
= γxBxN 0,4x xBxN
2
0,8x
r
σ
γ
(sapata quadrada)
OBS 1: Para solos puramente coesivos a capacidade de carga independe de B;
OBS 2: Para solos puramente não-coesivos σ
r
só depende de B;
20
OBS IMPORTANTE.: A solução de TERZAGHI foi desenvolvida para casos onde D ≤ B;

10.3 A SOLUÇÃO DE MEYERHOF (1963)

Um aperfeiçoamento da solução de Terzaghi foi feita por Meyerhof. Ele passou a considerar a
resistência ao cisalhamento do solo situado acima da base da fundação. Assim, a superfície de
deslizamento intercepta a superfície do terreno.


Figura 18 – teoria de Meyerhof: mecanismo de
ruptura de fundações superficiais.
Meyerhof incluiu na Equação de Terzaghi o
fator de forma, s
q
, os fatores de profundidade
(d
c
, d
q
e d
γ
) e os fatores associados à
inclinação da carga aplicada em relação à
vertical (i
c
, i
q
, i
γ
). Os valores de N
c
e de N
q
são
praticamente os mesmos propostos por
TERZAGHI. Os fatores de capacidade de
carga propostos por MEYERHOF, estão
presentes na tabela onde também se
encontram os valores propostos por HANSEN
e VÉSIC, os dois últimos métodos a seguir.

As equações dos fatores propostas por Meyerhof são apresentadas abaixo.

N
γ
= (N
q
– 1) tg (1,4.φ)

N
q
= e
πtgφ
tg
2
(45 + 0,5. φ)

N
c
= (N
q
– 1) cotg φ

OBS.: Para profundidades D ≤ B, os resultados
da aplicação da solução de MEYERHOF não
diferem muito dos resultados obtidos com a
aplicação da solução de TERZAGHI.
21
10.4 A SOLUÇÃO DE BRINCH HANSEN (1970)
HANSEN (1970) propõe os mesmos fatores de capacidade de carga sugeridos por
MEYERHOF, mas alterou os valores de N
γ
e introduziu na equação de capacidade de carga de
MEYERHOF (1951, 1963) fatores de correção para levar em conta dois aspectos:

• a inclinação da base da sapata em relação à direção horizontal (b
c
, b
q
, b
γ
)
• a inclinação da superfície do solo suportando a sapata (g
c
, g
q
, g
γ
)

Para o caso de cargas excêntricas, Hansen também propôs o conceito de “Área Efetiva”, A´,
da fundação (A´ = B´ x L´). Em que:
B´ = B – 2e
B
e L´ = L – 2e
L

e
B
, e
L
= excentricidades nas direções de B e de L


Figura 19 – Áreas efetivas de fundação, inclusive áreas retangulares equivalentes.

Consultar instruções da Figura 20

10.5 A SOLUÇÃO DE VÉSIC (1973; 1975)

VÉSIC propõe os mesmos fatores de capacidade de carga propostos MEYERHOF e HANSEN,
com exceção do N
y
, que tem a seguinte expressão:

N
γ
= 2(N
q
+ 1) tg φ

Há diferenças também em relação a HANSEN nas expressões para cálculo dos fatores de
inclinação, solo e base (i
i
, b
i
e g
i
). Ver instruções na Figura 20.
22

FATORES DE CAPACIDADE DE CARGA
PROPOSTOS PARA OS MÉTODOS DE
MEYERHOF, HANSEN E VÉSIC. Os valores
de N
c
e N
q
são os comuns aos três métodos.
Porém, N
γ
tem um valor individual para cada
autor.
N
γ
(M) = proposta de Meyerhof
N
γ
(H) = proposta de Hansen
N
γ
(V) = proposta de Vésic



Tabela 3 – Fatores de capacidade de carga para as equações de Meyerhof, Hansen e Vésic.
φ FATORES DE MEYERHOF, HANSEN E VÉSIC
(GRAUS) N
c
N
q
N
γ
(M) N
γ
(H) N
γ
(V)
0 5,14 1,0 0,0 0,0 0,0
5 6,49 1,6 0,1 0,1 0,4
10 8,34 2,5 0,4 0,4 1,2
15 10,97 3,9 1,1 1,2 2,6
20 14,83 6,4 2,9 2,9 5,4
25 20,71 10,7 6,8 6,8 10,9
26 22,25 11,8 8,0 7,9 12,5
28 25,79 14,7 11,2 10,9 16,7
30 30,13 18,4 15,7 15,1 22,4
32 35,47 23,2 22,0 20,8 30,2
34 42,14 29,4 31,1 28,7 41,0
36 50,55 37,7 44,4 40,0 56,2
38 61,31 48,9 64,0 56,1 77,9
40 75,25 64,1 93,6 79,4 109,3
45 133,73 134,7 262,3 200,5 271,3
50 266,50 318,5 871,7 567,4 761,3







23

Figura 20 – Fatores de forma, de profundidade, de inclinação da base da sapata e do solo, para uso nos
métodos de Hansen e Vésic.













24

10.6 Influência do Lençol Freático
A água ao submergir o solo afeta o valor de γ, presente na 2ª e na 3ª parcelas da equação da
capacidade de carga:
q.N
q
= γ.D.N
q

γ
γ N
2
B
.










Dois casos podem ser analisados:
i) N.A acima da base da fundação
ii) N.A. entre a base da fundação e o limite da superfície de ruptura (≅ B)

Figura 21 Influência do lençol freático na capacidade de carga: (a)caso 1 e (b)
caso 2.
Procedimentos de correção
Caso i) • q = γ
nat
.d + γ´(D – d)

γ
γ N
2
B
.
´

Caso ii) • q = γ
nat
.D
• usar ( )
´ ´
γ γ γ γ − + =
nat
B


γ´= peso específico do solo submerso (γ´=γ
nat
- γ
água
)
γ
nat
= peso específico do solo acima do lençol freático


10.7 Avaliação dos Métodos

Tabela 4 – Avaliação dos métodos teóricos de previsão de capacidade de carga.
MÉTODO APLICABILIDADE RECOMENDADA
TERZAGHI
Solos muito coesivos e onde 1
B
D
≤ . Não indicado para casos
onde há geração de momentos na sapata e/ou forças
horizontais ou inclinações da base e do solo adjacente.
HANSEN, MEYERHOF, VÉSIC Indicados para qualquer situação. A critério do usuário.
HANSEN, VÉSIC
Indicados para uso quando a base da sapata é inclinada
e/ou quando o terreno adjacente é em talude e quando D>B.
25
11.0 MÉTODOS SEMI-EMPÍRICOS

A NBR 6122 (1996) considera métodos semi-empíricos aqueles em que as propriedades dos
materiais, estimadas com base em correlações, são usadas em teorias adaptadas da Mecânica
dos Solos.

11.1 Métodos Baseados no SPT
A tensão admissível (σ
adm
) de uma sapata pode ser obtida em função da resistência à
penetração do SPT (N
SPT
). A maioria das correlações foi determinada para sapatas apoiadas
em areias.
i) Correlação de Terzaghi & Peck (1948, 1967).

|
|
.
|

\
|
|
|
.
|

\
|
+ −
=
2B
1´ B
10
3 N
4,4
adm
σ

2
cm
kgf
(6)
em que,
B = menor dimensão da sapata (em pés). A expressão (6) é aplicada para B ≥ 4 pés.
N = resistência à penetração do SPT
A Equação (6) também foi apresentada em ábaco.

Figura 22 Ábacos para obtenção da tensão admissível de sapatas em areia (Peck et al., 1974).

ii) Correlação de Meyerhof (1965)

8
adm
N.r
adm
= σ para B ≤ 4´ (7a)
2
B
1´ B
12
adm
N.r
adm
|
|
|
.
|

\
|
+
= σ para B > 4´ (7b)
onde B é expresso em pés, r
adm
em polegadas e σ
adm
em kgf/cm
2
.
26
iii) No meio técnico brasileiro tem sido muito empregada a expressão para o caso de sapatas
assentes tanto em areias quanto em argilas:

50
N
adm
= σ (MPa) (8)
A Equação (8) é válida no intervalo (5 ≤ N ≤ 20). N é a resistência à penetração média obtida
no trecho compreendido da base da sapata até 2B abaixo (bulbo de tensões).

iv) Correlação de Mello (1975)

|
|
.
|

\
|
− = 1 N 0,1.
adm
σ (MPa) (4 ≤ N ≤ 16) (8)
v) Correlação de Parry (1977) para Areias com a profundidade de embutimento D ≤ B.

55
30.N
adm
= σ (9)

onde N
55
é a resistência à penetração obtida com um sistema SPT com eficiência de 55%.

11.2 Métodos Baseados no CPT

i) Correlação de Teixeira e Godoy (1996)

10
c
q

adm
= σ (≤ 4,0 MPa) (10a)
para argilas e
15
c
q

adm
= σ (≤ 4,0 MPa) (10b)
para areias,
onde q
c
é a resistência de ponta obtida do
Cone Penetration Test (Figura 23) no trecho
correspondente ao bulbo de tensões da
sapata (q
c
≥ 1,5 MPa).



Figura 23 Cone de penetração (CPT).

ii) Método Baseado no CPT para Areia e para Argilas de Acordo com a Forma da Sapata.

σ
rup
= 28 – 0,0052(300 – q
c
)
1,5
para sapata corrida [kgf/cm
2
] (11a)
σ
rup
= 48 – 0,009(300 – q
c
)
1,5
para sapata quadrada [kgf/cm
2
] (11b)

AREIAS
27
σ
rup
= 2 + 0,28.q
c
para sapata corrida [kgf/cm
2
] (12a)
σ
rup
= 5 + 0,34.q
c
para sapata quadrada [kgf/cm
2
] (12b)


12.0 MÉTODOS EMPÍRICOS

A NBR 6122 (1996) considera métodos empíricos aqueles pelos quais se obtém a tensão
admissível com base na descrição do terreno (classificação e determinação da compacidade
ou consistência por meio de investigações de campo/laboratório). A Tabela 5 é uma orientação
básica fornecida na norma NBR 6122 (1996), de uso restrito para cargas não superiores a 100
tf (≅1000kN).

Tabela 5 – Tensões admissíveis segundo a NBR 6122 (1996).



12.1 Recomendações Gerais

12.1.1 Solos Granulares:

Quando no trecho z =0 até z =2B (a partir da base da fundação), o solo encontrado for das
classes 4 a 9, corrigir σ
0
em função da largura B, obtendo-se σ
0
´:
ARGILAS
28

|
.
|

\
|
− + = 2 B
8
1,5
1
´
o
o
σ σ ≤ 2,5σ
o
para B ≤ 10m e construções insensíveis a recalque.
12.1.2 Construções Sensíveis a Recalques
• Verificar o efeito dos recalques, quando B > 2m ou manter o valor de σ
o
.

12.1.3 Aumento da Tensão Admissível com a Profundidade
• Para os solos das classes 4 a 9, os dados tabelados de σ
o
só devem usados quando D≤ 1,0
metro. Para D > 1,0 metro, sugere-se majorar em 40% o valor de σ
o
, para cada metro além
dessa profundidade. Esta majoração deve-se limitar a ao dobro do valor fornecido pela
tabela.

12.1.4 Solos Argilosos

• Para os solos das classes 10 a 15: os dados tabelados de σ
o
só devem usados para
fundações com até, no máximo, 10 m
2
de área. Para fundações com área superior a este
valor, reduzir o valor de σ
o
de acordo com a seguinte expressão:

A
10
o o
σ σ =
,


13.0 PROVAS DE CARGA SOBRE PLACAS – INTERPRETAÇÃO E EXTRAPOLAÇÃO

NBR 6489 (1984)
Não define ruptura, define a
tensão admissível como o
menor dos dois valores abaixo:

σ
10mm

σ
adm


2
25mm
σ


σ
10mm
– tensão para recalque de
10mm;
σ
25mm
– tensão para recalque de
25mm;


Fig. 24 Montagem típica de uma prova de carga sobre placas.

29
OBS.: Um critério para a
estimativa da ruptura, adotado em
todo o mundo considera a tensão
de ruptura como sendo aquela
correspondente a um recalque
igual a 10% do diâmetro ou lado
da placa. No caso, por exemplo,
de uma placa com 80cm de
diâmetro, a ruptura deveria
acontecer quando o recalque
medido atingisse 8cm.

OUTRAS PRESCRIÇÕES
• Argilas ou Areias com
ruptura geral
Critério da tensão admissível:
2
rup
σ
σ =
adm


Critério do recalque admissível:
1,5
máx
σ
σ ≤
adm


CRITÉRIO DE TERAGHI & PECK
σ
adm
= σ
25mm
para a maior sapata da obra.


Figura 25 Curvas tensão recalque típicas de provas de carga.
13.1 Extrapolação dos Resultados para a Sapata

Há uma diferença significativa no
fator escala entre a placa da prova e
a fundação real: o bulbo de tensões
gerado pela placa não é igual ao
bulbo gerado pela fundação (ver
Figura 26). Neste caso, há que ser
feita uma correção para extrapolar
os resultados do ensaio para a
aplicação.

AREIAS
Para um mesmo valor de tensão,
tem-se para areias, onde E
s
cresce
com a profundidade:
2
plac fund
fund
plac fund
B B
2B
r r
|
|
.
|

\
|
+
=
Figura 26 – Influência do bulbo de tensões na prova de
carga.
30
Para fundação e placa com mesma
forma geométrica:
|
|
.
|

\
|
=
plac
fund
plac fund
rup
B
B
r
rupt
σ σ com
3 ≤
|
|
.
|

\
|
plac
fund
B
B

onde
σ
rupfund
= tensão de ruptura
extrapolada
σ
rupplac
= tensão de ruptura da placa
r
fund
= recalque extrapolado para a
fundação
r
plac
= recalque da placa
B
fund
= largura da fundação
B
plac
= largura da placa
ARGILAS

Para argila média a dura, onde E
s
é constante com a
profundidade, para uma mesma tensão aplicada:
plac fund
rup
r
rupt
σ σ = , pois o termo B.N
γ
=0. Também,
|
|
.
|

\
|
=
plac
fund
plac fund
A
A
r r em que,
A
fund
= Área da fundação
A
plac
= Área da placa

Se a fundação e a placa tiverem a mesma geometria
em planta:
|
|
.
|

\
|
=
plac
fund
plac fund
B
B
r r

14.0 Fundação em Solos Não Saturados e Colapsíveis

Solos porosos situados acima do nível d´água freático geralmente são colapsíveis, ou seja, em
condições de baixo teor de umidade, apresentam uma espécie de resistência “aparente” em
decorrência da tensão de sucção que se desenvolve em seus vazios. Dessa forma, em termos
de fundações, quanto mais seco o solo colapsível, maior a sucção e, em conseqüência, maior
a capacidade de carga. Por outro lado, quando úmido, menor a sucção e, menor a capacidade
de carga. Aumentando-se ainda mais a umidade até um valor extremo inundado, a sucção
torna-se nula e a capacidade de carga atinge seu valor mínimo.

15.0 Influência do Nível D´água em Areias

A posição do nível d´água freático em relação ao bulbo de tensões, em depósitos arenosos,
pode influenciar na capacidade de carga da fundação. Em solos arenosos a expressão da
capacidade de carga se resume a q
r
= 0,40.γ.B.N
γ
, que depende do peso específico do solo.
Quando uma areia seca é saturada, seu peso específico se reduz a praticamente a metade.
Neste caso, se o N.A. se elevar do limite inferior do bulbo de tensões até a base da sapata, o
peso específico no interior do bulbo se reduz a 50%. Por isso, a capacidade de carga de uma
31
sapata apoiada em areia saturada é praticamente a metade do valor correspondente à situação
de areia na condição não saturada.

16.0 Estimativa de Parâmetros de Resistência e Peso Específico

a) Coesão
Quando não se dispõem de resultados de ensaios de laboratório, a estimativa do valor da
coesão não drenada (C
u
ou S
u
), pode ser feita a partir de correlações obtidas. Teixeira e Godoy
(1996) sugerem:

C
u
= 10 N [kPa]

onde N é a resistência à penetração do SPT.

b) Ângulo de atrito interno (φ)
A estimativa do ângulo de atrito de areias pode ser feita empregando-se propostas de
correlações existentes na literatura. Mello (1971) propõe um ábaco que relaciona a tensão
vertical efetiva (σ´
v
) e o N do SPT, ambos obtidos na mesma cota (ver Figura 27).



Figura 27 Estimativa do ângulo de atrito em função do N
SPT
e da tensão vertical efetiva.
32
As correlações seguintes também podem ser empregadas para a estimativa de φ:

Godoy (1983) φ = 28
o
+ 0,4 N

Teixeira (1996):
o
15 20N + = φ

c) Peso Específico (γ): Não se disponde de resultados de ensaios efetuados em laboratório, o
peso específico do solo pode ser estimado a partir do tipo de solo, classificado com base no N
do SPT. A Tabela 6, mostrada abaixo, apresentam valores de γ sugeridos por Godoy (1972).

Tabela 6 – Estimativa do valor do peso específico de solos (Godoy, 1972).
Solo N Consistência γ (kN/m
3
)
≤ 2 Muito mole 13
3 – 5 Mole 15
6 – 10 Média 17
11 – 19 Rija 19
S
o
l
o
s

a
r
g
i
l
o
s
o
s

≥ 20 Dura 21
Solo N Compacidade Seca úmida Saturada
< 5 Fofa
5 – 8 Pouco compacta
16 18 19
9 – 18 Medte. compacta 17 19 20
19 – 40 Compacta
S
o
l
o
s

a
r
e
n
o
s
o
s

> 40 Muito compacta
18 20 21













33
17.0 – EXEMPLO PRÁTICO

Com os dados da Figura 28 e sabendo-se que a tensão admissível do solo é σ
adm
= 200 kPa,
dimensionar a fundação em sapata apresentada.


Figura 29 – Dimensionamento de sapata de fundação.

Solução:
1) O dimensionamento de sapatas inicia-se pela escolha da profundidade de embutimento, D, e
pela estimativa da tensão admissível do terreno de fundação. O primeiro, depende da posição
do nível de água freático, enquanto o segundo depende do perfil de sondagem à percussão,
como é mais comum na prática da engenharia de fundações. Neste caso, calculando-se o N
méd

abaixo da cota de apoio da fundação se pode calcular o valor da tensão admissível a partir de:

50
méd
adm
N
= σ
[MPa].
34
Estes parâmetros já foram fornecidos no presente problema.

Área da sapata:
2 2
2
100000 10
200
2000
cm m
m kN
kN
A = = =
/


Dimensões do Pilar: 25 cm x 40 cm

L – B = l – b = 40 – 25 = 15 cm

L x B = A ⇒ (L + 15) x B = 100.000 cm
2

B
2
+ 15B – 100000 = 0 ⇒ B = 309 cm ⇒ Adotar B = 310 cm

Daí, ⇒ L = 310 + 15 = 325cm

Portanto, a sapata terá as dimensões mostradas na figura abaixo, para ficar coerente com a
geometria do pilar:






35
18.0 Bibliografia Consultada


1) Almeida, M.S.S. (1996), Aterros Sobre Solos Moles: da Concepção à Avaliação do
Desempenho, Editora da UFRJ, 216p.
2) Alonso, U. R. (1983), Exercícios de Fundações, Editor Edgard Blücher Ltda., São Paulo.
3) Alonso, U.R. (1989), Dimensionamento de Fundações Profundas, Ed. Edgar
Blücher Ltda.
4) Alonso, U.R. (1991), Previsão e Controle das Fundações, Ed. Edgar Blücher
Ltda.
5) Barata, F.E. (1984), Propriedades Mecânicas dos Solos. Uma Introdução ao Projeto
de Fundações, Livros Técnicos e Científicos Editora S.A.
6) Caputo, H.P. (1988 e 1987), Mecânica dos Solos e suas Aplicações, Velo 1 e 2, 6a
Edição, Livros Técnicos e Científicos Editora S.A.
7) Das, B.M. (2000), Fundamentals of Geotechnical Engineering, Brooks/Cole.
8) Fang, H.-Y. (1991), Foundation Engineering Handbook, Van Nostrand Reinhold.
9) Gaioto, N. (1983), Maciços e Obras de Terra, Notas de Aula, EESC/USP.
10) Hachich, W., Falconi, F.F., Saes, J.L., Frota, R.G.Q., Carvalho, C.S.,
Niyama, S. (1998), Fundações - Teoria e Prática, 2a Edição, Editora Pini Ltda.
11) Lambe, T.W., and Whitman, R.V. (1979), Soil Mechanics, SI Version, John Wiley &
Sons.
12) Moliterno, A. (1994), Caderno de Muros de Arrimo, 2a Edição, Ed. Edgar Blücher
Ltda.
13) Moraes, M. Da Cunha, (1976), Estruturas de Fundações, McGraww-Hill Book
Company do Brasil, 172p.
14) NBR 6122 (1996), Projeto e Execução de Fundações, ABNT, 33p.
15) Poulos, H.G. and Davies, E.H. (1980), Pile Foundations Analysis and Design, John
Wiley, New York.
16) Simons, N. E. & Menziens, B. K., (1981), Introdução à Engenharia de Fundações,
Tradução de Luciano Moraes Jr. e Esther Horovitz de Beermann, Editora Interciência,
Rio de Janeiro, 199p.
17) Terzaghi, K. & Peck, R.B. (1967), Soil Mechanics in Engineering Practice, 2nd ed.,
John Willey & Sons, Inc., New York.
18) Vargas, M. (1977), Introdução à Mecânica dos Solos, Ed. McGraw-Hill do Brasil, Ltda,
São Paulo.
19) Velloso, D. A., Lopes, F. R. (1996), Fundações - Critérios de Projeto - Investigações do
Subsolo, Fundações Superficiais, Volume 1, COPPE/UFRJ.

ÍNDICE 1.0 2.0 2.1 3.0 4.0 4.1 4.2 5.0 5.1 6.0 7.0 7.1 7.2 8.0 8.1 8.2 8.3 9.0 9.1 9.1.1 9.1.2 9.1.3 9.2 10.0 10.1 10.2 Definição Relevância e Normalização das Fundações Principais Normas Associadas a Fundações Entidades Nacionais e Internacionais Ligadas à Engenharia de Fundações Tipos de Fundações Tipos de Fundações Superficiais, Rasas ou Diretas Tipos de Fundações Profundas Elementos Necessários ao Projeto de Fundações Ações nas Fundações Requisitos de um Projeto de Fundações Fatores/Coeficientes de Segurança (Fs) Fator de Segurança Global Fator de Segurança Parcial Deslocamentos em Estruturas e Danos Provocados Definição de Deslocamentos e Deformações Recalques Totais Limites Distorções Angulares e Danos Associados CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS Mecanismos de Ruptura em Função do Solo Campos de Deslocamentos das Rupturas Fatores que Afetam o Modo de Ruptura Tensões de Contato FORMULAÇÃO DE TERZAGHI DESENVOLVIMENTO DA EQUAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA Casos Particulares Superposição de Efeitos (localizada) 10.3 10.4 10.5 10.6 10.7 11.0 11.1 A SOLUÇÃO DE MEYERHOF (1963) A SOLUÇÃO DE BRINCH HANSEN (1970) A SOLUÇÃO DE VÉSIC (1973; 1975) Influência do Lençol Freático Avaliação dos Métodos MÉTODOS SEMI-EMPÍRICOS Métodos Baseados no SPT 2 20 21 24 24 24 25 25 4 4 4 4 5 5 6 7 7 8 9 9 9 9 10 11 12 12 13 14 14 15 15 16 17 17 18

10.2.1 SOLUÇÃO DE TERZAGHI PARA O CASO DE SOLOS FOFOS E MOLES

11.2 12.0 12.1

Métodos Baseados no CPT MÉTODOS EMPÍRICOS Recomendações Gerais

26 26 27 27 28 28 28 INTERPRETAÇÃO E 28 29 30 30 31 33 35

12.1.1 Solos Granulares 12.1.2 Construções Sensíveis a Recalques 12.1.3 Aumento da Tensão Admissível com a Profundidade 12.1.4 Solos Argilosos 13.0 13.1 14.0 15.0 16.0 17.0 18.0 PROVAS DE CARGA SOBRE PLACAS – EXTRAPOLAÇÃO Extrapolação dos Resultados para a Sapata Fundação em Solos Não Saturados e Colapsíveis Influência do Nível D´água em Areias Estimativas de Parâmetros de Resistência e Peso Específico EXEMPLO PRÁTICO Bibliografia Consultada

3

por cisalhamento.Prova de Carga Estática NBR 13208 (1994) – Estacas – Ensaio de Carregamento Dinâmico NBR 8681 (1984) – Ações e Segurança nas Estruturas NBR 6118 – Projeto e Execução de Obras de Concreto Armado 3. O elemento estrutural é responsável pela transmissão das cargas da superestrutura ao solo sobre o qual se apóia. Portanto.issmge.1 Principais Normas Associadas a Fundações ABNT – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS NBR 6122 (1986) – Projeto e Execução de Fundações NBR 6489 (1984) – Prova de Carga Direta Sobre Terreno de Fundação NBR 6121/MB3472 – Estacas .0 Definição Entende-se por Fundação o conjunto formado pelo elemento estrutural mais o maciço de solo.org.org) 4 .0 Relevância e Normalização das Fundações • • • • Corresponde de 4% a 10% do custo total de uma edificação Não existe obra civil sem fundação As condições do solo não podem ser escolhidas – são as que existem no local Não dá para padronizar uma solução – cada obra difere das outras 2. Uma estrutura de fundação adequadamente projetada é aquela que transfere as cargas sem sobrecarregar excessivamente o solo.br) ISSMFE – International Society of Soil Mechanics and Geotechnical Engineering (www. os engenheiros geotécnico e estrutural deverão avaliar a capacidade de carga do solo.com. 2. projetado para suportar as cargas de uma edificação.br) ABEF – Associação Brasileira de Empresas de Engenharia de Fundações (www.1.abms. A transferência de esforços (cargas ou tensões) além do que o solo pode resistir resultará em recalques excessivos ou até mesmo a ruptura do solo.0 Entidades Nacionais e Internacionais Ligadas á Engenharia de Fundações i) ii) iii) ABMS – Associação Brasileira de Mecânica dos Solos e Engenharia de Fundações (www.abef.

A diferença de acordo com o mecanismo de ruptura Superficial: mecanismo surge na superfície do terreno Profunda: mecanismo não surge na superfície do terreno 4. Rasas ou Diretas Bloco Sapata corrida Viga de fundação Grelha Sapata associada Radier Figura 2 – Tipos de fundações superficiais. rasas ou diretas • Profundas A diferença de acordo com a profundidade de embutimento do elemento no solo Figura 1 – Mecanismos de ruptura em fundações.1 Tipos de Fundações Superficiais. 5 .4.0 Tipos de Fundações • Superficiais.

(c) radier sobre estacas.4. maior altura trabalha basicamente à compressão concreto simples (em geral) pequena altura trabalha à flexão concreto armado para resistir esforços de tração e cisalhantes 6 . Fundações Mistas Estaca T Estapata Radier sobre estacas Radier sobre tubulões Figura 4 – Tipos de fundações mistas: (a) estaca “T”. Principais diferenças entre blocos e sapatas Figura 5 – Principais diferenças entre blocos e sapatas.2 Tipos de Fundações Profundas Estaca Tubulão Caixão Figura 3 – Tipos de fundações profundas. (b) estapata. (d) radier sobre tubulões.

) iii) Dados da Estrutura a Construir Tipo e uso Sistema estrutural Cargas que serão transmitidas iv) Dados das Construções Vizinhas Nº de pavimentos. 7 .1 Ações nas Fundações ⇒ Cargas Vivas ⇒ Cargas mortas ou permanentes OBS.5. levantamentos aerofotogramétricos. etc.0 Elementos Necessários ao Projeto de Fundações i) Topografia da área Levantamento topográfico Dados sobre taludes e encostas Dados sobre possibilidades de erosões na área de apoio da fundação ii) Dados Geológicos-Geotécnicos Investigação do Subsolo (preliminares e/ou complementar) Análise de mapas.: (1984) critérios combinação ações na A NBR 8681 para destas verificação estabelece dos estados limites de uma estrutura. carga média por pavimento Tipo de estrutura e fundações Desempenho das fundações Existência de subsolo Possíveis efeitos de escavações e vibrações provocadas pela nova obra 5. fotos aéreas.

OUTROS REQUISITOS Segurança adequada ao tombamento e deslizamento provocados por forças horizontais (estabilidade externa). (b) colapso do solo.ESTADO LIMITE: Estado a partir do qual a estrutura apresenta desempenho inadequado ao desempenho da obra. Figura 6 – (a) Deformações excessivas. fissuras. compro metem o uso da construção. (c) tombamento. (d) deslizamento e (e) colapso estrutural resultante de projetos deficientes.0 Requisitos de um Projeto de Fundações ⌦ Deformações aceitáveis sob as condições de trabalho (requer verificação dos estados limites de utilização). etc. São dois os estados limites: i) ii) Estado Limite Último ⇒ associa-se ao colapso parcial/total da obra. 6. ⌦ Segurança adequada ao colapso dos elementos estruturais – estabilidade interna (verificação dos estados limites últimos). 8 . ⌦ Segurança adequada ao colapso do solo de fundação – estabilidade externa (verificação dos estados limites últimos). verificados nos casos de cargas dinâmicas. Níveis de vibração compatíveis com o uso da obra. Estado Limite de Utilização ⇒ Quando a ocorrência de deformações.

9 ..7.0 2. no caso das cargas atuantes.0 Fatores de Segurança globais mínimos aplicados em Fundações no Brasil (NBR 6122.0 a 3. Condição Capacidade de carga de fundações superficiais Capacidade de carga de estacas ou tubulões sem prova de carga Capacidade de carga de estacas ou tubulões com prova de carga Fator de Segurança (FS) 3.5 1. refletindo a soma dos seguintes fatores: Investigações geotécnicas disponíveis. Tipo de ruptura Cisalhamento Obra Obras de Terra Estruturas de Arrimo Fundações Ação da Água Subpressão. 7. 1967).0 a 5.3 a 1. tipo. qualidade.5 a 2.6 7.0 1. enquanto que no caso das resistências. etc.5 a 2. Parâmetros admitidos ou estimados.0 2.0 1.0 Fatores/Coeficientes de Segurança (Fs) Em fundações os valores de FS estão associados às incertezas. 1996). As cargas que realmente atuam e Os procedimentos de execução. quantidade.2 Fator de Segurança Parcial Consiste num valor de FS para cada tipo de ação. σ Q últ ou rup FS = Q trab σ trab Fatores de Segurança globais mínimos em geotecnia (Terzaghi & Peck.5 3.1 Fator de Segurança Global Incorpora todos os fatores os fatores mencionados acima. consiste em se adotar um coeficiente de minoração para cada parcela de resistência do problema. Métodos de cálculo empregados. Levantamento Gradiente de saída (piping) Fator de Segurança (FS) 1.

6 FS = 1. 8. OBS...0 FS = 1.0 Deslocamentos em Estruturas e Danos Provocados Toda fundação está sujeita a: • • • Deslocamentos verticais (recalques ou levantamentos) Deslocamentos horizontais Deslocamentos rotacionais OBS.1 Definição de Deslocamentos e Deformações • Deformação específica (ε): rel ação entre a variação de comprimento (δL) e o comprimento inicial (L) ⇒ • • ε = δL L Recalque (r ou w): deslocamento para baixo (↓) Levantamento: deslocamento para cima (↑) 10 . função.4 8.7 (em relação à tensão de ruptura) ♦Outros materiais: dividir as tensões admissíveis por 1.2 ♦Fórmulas estáticas • Fundações profundas ♦Provas de carga ♦Aço: • Materiais estruturais Coesão: FS = 2. Isto acontece por causa do surgimento de esforços para os quais a estrutura não foi dimensionada.0 Cargas acidentais Pressões d´água ⇒ FS = 1. .5 FS = 1. tg (φ): FS = 1.0 .: Estes deslocamentos dependem da interação soloestrutura apoiada.2 ♦Fórmulas de cravação FS = 2.35 (em relação à tensão de escoamento) ♦Concreto: FS = 2.0 ⇒ tg(φ): Fundações superficiais ⇒ Coesão: FS = 2.BRINCH HANSEN (1965) sugere: • • • • • Cargas permanentes ⇒ FS = 1.: Quando os valores desses deslocamentos ultrapassam certos limites.0 .5 ⇒ FS = 1. tg(φ): Cálculo da estabilidade de taludes e Empuxos de Terra ⇒ Coesão: FS = 1. Deslocamentos admissíveis ⇒ não prejudicam a utilização (funcionalidade) da obra Deslocamentos excessivos ⇒ podem comprometer a estrutura quanto à estética. ocorre a possibilidade do colapso da estrutura suportada.2 FS = 1.

Distorção angular (β): corresponde à rotação da reta que une dois pontos de referência tomados para definir o desaprumo. 11 .Deslocamentos de uma fundação superficial. Desaprumo (ω): rotação da estrutura como um todo. 8. Rotação (φ): descreve a variação da inclinação da reta que une dois pontos de referência da fundação. Figura 8 – Deslocamentos que podem ocorrer com uma estrutura.2 Recalques Totais Limites wmáx = 25 mm (SAPATAS) AREIAS wmáx = 50 mm (RADIER) wmáx = 65 mm (SAPATAS ARGILAS ISOLADAS) wmáx = 65 a 100 mm (RADIER) Figura 7 .Recalque diferencial (δr ou δw): deslocamento vertical de um ponto em relação a outro.

3 Distorções Angulares e Danos Associados Figura 9 – Distorções angulares e danos associados.8.L .0 CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS Considerar uma sapata com as seguintes condições: • • • • Retangular. crescente desde zero até à ruptura São medidos os valores de Q e dos deslocamentos verticais “w” (recalques) A tensão aplicada ao solo pela sapata é: 12 σ= Q B. com dimensões B x L Apoiada na superfície do terreno Submetida a uma carga Q. 9.

À medida que Q cresce. Ruptura por puncionamento ⇒ mecanismo de difícil observação. 9. A velocidade do “w” cresce continuamente ⇒ ruptura. FASE I ⇒ ELÁSTICA: w é proporcional à carga Q FASE II ⇒ PLÁSTICA: w é irreversível. bem caracterizada na curva σ x w (ocorre em solos rígidos. Não apresenta nitidez da ruptura. O solo fora da área carregada não participa do processo. como areias compactas a muito compactas e argilas rijas a duras) Ruptura localizada ⇒ curva mais abatida.1 Mecanismos de Ruptura em Função do Solo Ruptura generalizada ⇒ brusca. O deslocamento w é crescente mesmo sem variar Q FASE III ⇒ PLÁSTICA: w é irreversível. Típica de solos fofos e moles (areias fofas e argilas média e mole). 13 . o movimento vertical da fundação é acompanhado pela compressão do solo logo abaixo. Figura 11 – Comportamento de uma sapata sob carga vertical – curvas carga x recalque (Kézdi.Figura 10 – Sapata de concreto armado embutida em solo. 1970).

localizada (b) e por puncionamento (c).Figura 12 – Rupturas: generalizada (a).2 Fatores que Afetam o Modo de Ruptura • • • Propriedades do solo (rigidez/resistência) Geometria do carregamento (profundidade relativa D/B): se D/B aumenta ⇒ punção Estado de tensões iniciais (k0): Se k0 aumenta ⇒ ruptura generalizada 14 . segundo Lopes (1979). por puncionamento (c) e (d) condições que ocorrem. em areias (Vésic.1.1 Campos de Deslocamentos das Rupturas Figura 13 – Campos de deslocamentos das rupturas: generalizada (a). 9. 9. localizada (b). 1963).1.

Trata-se de um caso bidimensional (no plano). 9.D. ou seja.1.9. o embutimento da sapata (D) é menor que sua largura (B).3 Tensões de Contato SAPATA APOIADA EM ARGILA SAPATA APOIADA EM AREIA SAPATA APOIADA EM ROCHA Figura 14 – Tensões de contato entre a placa e o solo. iii) o maciço de solo sob a base da sapata é compacto ou rijo ⇒ ruptura generalizada. L >>> B. dependendo da rigidez da placa e do tipo de solo existente embaixo da placa. Neste caso. é desprezada a resistência ao cisalhamento do solo acima da cota de apoio da sapata e substituise a camada pela sobrecarga q = γ.2 FORMULAÇÃO DE TERZAGHI Hipóteses: i) ii) a sapata é corrida. 15 .

em que a sapata aplica a tensão σr ao solo. tem-se: Figura 15 – Superfície potencial de ruptura. ORST = SUPERFÍCIE POTENCIAL DE RUPTURA OR e ST = TRECHOS RETOS RS = ESPIRAL LOGARÍTMICA Reescrevendo a equação (1).10. com peso W. vem: σr xB + W − 2Ep − 2Casenφ = 0 em que Cacosφ = B x1xc 2 (1) ∑F v =0 ( )  2  W = B tgφ ⋅ γ  4 Ep é a componente vertical do empuxo passivo Ca é a força coesiva c é a coesão do solo φ = ângulo de atrito interno do solo B é a largura da sapata Figura 16 – Cunha de solo sob a base da sapata. na cunha I. vem: 16 . faces OR e O´R.0 DESENVOLVIMENTO DA EQUAÇÃO DA CAPACIDADE DE CARGA Na iminência da ruptura. Do equilíbrio de forças atuando na cunha de solo “I”.

N q Nq = fator de capacidade de carga função também só de φ ⇒ N = e (2. desde que Ep seja conhecido.: Não há solução geral que leve em conta o peso do solo e a influência da sobrecarga. γ = 0) σr = q. Para simplificar.1)  πtgφ 2  tg  45 + φ 2  − 1 Nc = fator de capacidade de carga função apenas de φ ⇒ N = cot gφ e   c     ii) Solo não coesivo e sem peso: (c = 0. que representa as contribuições: i) da coesão e do atrito de um material sem peso (W)e sem sobrecarga (q). e 17 .tgφ     A equação (2) é a solução geral do problema. D ≠ 0.B 10. 2E  γ p σr =   B  + c. ii) do atrito de um material sem peso e com sobrecarga. γ = 0) (2) σr = c. γ ≠ 0) 1 σr = γ . são analisados casos particulares e depois são superpostos os efeitos. 10. D = 0.1 Casos Particulares i) Solo sem peso e sapata à superfície do terreno: (c ≠ 0.B.2 Superposição de Efeitos No caso real de uma sapata corrida embutida em um maciço de solo com coesão (c) e ângulo de atrito (φ).N γ 2 4E N = γ p cos(α − φ ) 2 γ .2) q πtgφ tg 2  45 + φ     2 Constata-se que N =  N − 1 cot gφ c  q    iii) Solo não coesivo e sapata à superfície (areia pura): (c = 0. OBS.tgφ − 4 B.N c (2. a capacidade de carga se compõe de três parcelas. D = 0.

2 18 .2 2.4 81.2 52.0 9.7 25.5 780.0 42.4 297.7 172.6 12.3 287. Nq´ e Nγ´.9 17.3 347. considerando a superposição dos efeitos para ruptura geral é: 1 σr = cNc + qNq + γΒΝ γ 2 Tabela a seguir e o ábaco correspondente apresentam os valores desses fatores. Entrar no ábaco de Terzaghi com φ e obter Nc´.6 57.1 1153. Nq e Nγ são adimensionais e dependem apenas de φ.7 4.8 95.1 Nγ 0.iii) do atrito de um material com peso e sem sobrecarga.7 36.7 22.6 2.5 Nq 1.3 173.5 41. Assim.0 1.5 36. a solução de TERZAGHI.3 9.4 100. Neste caso.4 12.1 SOLUÇÃO DE TERZAGHI PARA O CASO DE SOLOS FOFOS E MOLES (localizada) Reduzir os valores de c e de φ. A Equação (3) fica: 1 σr = c´Nc´+qNq´+ γΒΝ γ´ 2 Tabela 1 – Fatores de capacidade de carga para aplicação da equação de Terzaghi.2.3 258. A 10.5 1.7 19.1 37.0 0.5 5. c´= 2 c 3 e tgφ´= 2 tgφ 3 (4) φ (GRAUS) 0 5 10 15 20 25 30 34 35 40 45 48 50 FATORES DE CAPACIDADE DE CARGA PROPOSTOS POR TERZAGHI Nc 5.9 415. (3) Os fatores de capacidade de carga Nc.7 7.4 7.

3 0.14 = 6. Os fatores são sc e sγ. cujos valores são apresentados a seguir.Figura 17 – Ábaco para obtenção dos fatores de capacidade de carga da equação de Terzaghi. (5) VALORES DOS FATORES DE FORMA SUGERIDOS POR TERZAGHI FATOR Corrida sc sγ CASOS PARTICULARES: Para φ = 0 ⇒ Nc = 5.6 Quadrada 1.0 1.3 0. TERZAGHI também introduziu fatores de correção para levar em conta a forma da fundação.3xcx5.14 e Nγ = 0 ⇒ σr = 1. 19 . OBS 2: Para solos puramente não-coesivos σr só depende de B.8x xBxNγ = 0.8 γ Para c = 0 ⇒ σr = 0.17c (sapata quadrada/cicrcular) 1.4xγxBxNγ 2 (sapata quadrada) OBS 1: Para solos puramente coesivos a capacidade de carga independe de B.0 FORMA DA SAPATA Circular 1. Equação final de Terzaghi para capacidade de carga: 1 σr = cNc sc + qNq + γΒΝ γ sγ 2 Tabela 2 – Fatores de forma para aplicação da equação de Terzaghi.

onde presentes tabela também encontram os valores propostos por HANSEN Figura 18 – teoria de Meyerhof: mecanismo de e VÉSIC.OBS IMPORTANTE. os resultados da aplicação da solução de MEYERHOF não diferem muito dos resultados obtidos com a aplicação da solução de TERZAGHI.: Para profundidades D ≤ B. 20 . ruptura de fundações superficiais. os dois últimos métodos a seguir. Assim. φ) Nc = (Nq – 1) cotg φ OBS. os fatores de profundidade (dc. 10. Ele passou a considerar a resistência ao cisalhamento do solo situado acima da base da fundação. Nγ = (Nq – 1) tg (1.: A solução de TERZAGHI foi desenvolvida para casos onde D ≤ B. iγ). dq e dγ) e os fatores associados à inclinação da carga aplicada em relação à vertical (ic.4.5. iq. As equações dos fatores propostas por Meyerhof são apresentadas abaixo. sq. a superfície de deslizamento intercepta a superfície do terreno.3 A SOLUÇÃO DE MEYERHOF (1963) Um aperfeiçoamento da solução de Terzaghi foi feita por Meyerhof.φ) Nq = eπtgφtg2 (45 + 0. Os fatores de capacidade de propostos na MEYERHOF. Meyerhof incluiu na Equação de Terzaghi o fator de forma. Os valores de Nc e de Nq são praticamente carga os mesmos por propostos por estão se TERZAGHI.

inclusive áreas retangulares equivalentes. gq. Ver instruções na Figura 20. 1975) VÉSIC propõe os mesmos fatores de capacidade de carga propostos MEYERHOF e HANSEN. com exceção do Ny. Hansen também propôs o conceito de “Área Efetiva”.10. 21 . bq. da fundação (A´ = B´ x L´). bi e gi). solo e base (ii. gγ) Para o caso de cargas excêntricas. bγ) a inclinação da superfície do solo suportando a sapata (gc.4 A SOLUÇÃO DE BRINCH HANSEN (1970) HANSEN (1970) propõe os mesmos fatores de capacidade de carga sugeridos por MEYERHOF. Consultar instruções da Figura 20 10. que tem a seguinte expressão: Nγ = 2(Nq + 1) tg φ Há diferenças também em relação a HANSEN nas expressões para cálculo dos fatores de inclinação. Em que: B´ = B – 2eB e L´ = L – 2eL eB .5 A SOLUÇÃO DE VÉSIC (1973. A´. mas alterou os valores de Nγ e introduziu na equação de capacidade de carga de MEYERHOF (1951. 1963) fatores de correção para levar em conta dois aspectos: • • a inclinação da base da sapata em relação à direção horizontal (bc. eL = excentricidades nas direções de B e de L Figura 19 – Áreas efetivas de fundação.

4 200.14 50.9 64.34 10. Tabela 3 – Fatores de capacidade de carga para as equações de Meyerhof.4 10.5 3.3 871.FATORES DE CAPACIDADE DE CARGA Nγ(M) = proposta de Meyerhof PROPOSTOS DE Nγ(H) = proposta de Hansen MEYERHOF.9 15.14 6.5 567.1 2.5 Nγ(M) 0.5 16.4 Nγ(V) 0.71 22.4 30. Nγ tem um valor individual para cada autor. HANSEN E VÉSIC. φ (GRAUS) 0 5 10 15 20 25 26 28 30 32 34 36 38 40 45 50 FATORES DE MEYERHOF.0 31.9 6.49 8.8 7.4 37.1 134.50 Nq 1.3 22 .8 8.4 23.31 75.0 0.2 2.55 61. HANSEN E VÉSIC Nc 5.9 12.9 6.9 109.4 10.2 2. Os valores N (V) = proposta de Vésic γ PARA OS MÉTODOS de Nc e Nq são os comuns aos três métodos.1 0.3 271.4 1.0 0.6 262.9 10.7 Nγ(H) 0.0 93.0 0.7 48. Hansen e Vésic.73 266.0 56.4 1.97 14.2 77.83 20.4 64.7 318.7 18.7 40.8 28.7 22.6 2.6 5.47 42. Porém.1 79.25 133.3 761.2 15.1 0.79 30.4 1.0 56.2 41.7 11.9 6.0 11.13 35.7 22.25 25.1 20.0 1.8 14.1 44.2 29.

23 . de profundidade.Figura 20 – Fatores de forma. para uso nos métodos de Hansen e Vésic. de inclinação da base da sapata e do solo.

VÉSIC . Não indicado para casos B onde há geração de momentos na sapata e/ou forças horizontais ou inclinações da base e do solo adjacente.D • usar γ = γ ´ + h´ (γ B nat −γ ´ ) γ´= peso específico do solo submerso (γ´=γnat .A.6 Influência do Lençol Freático A água ao submergir o solo afeta o valor de γ.10.d + γ´(D – d) • B ´ γ . A critério do usuário. Procedimentos de correção Caso i) • q = γnat.Nγ 2 Dois casos podem ser analisados: i) N.Nq = γ.N γ 2 Caso ii) • q = γnat. Indicados para uso quando a base da sapata é inclinada e/ou quando o terreno adjacente é em talude e quando D>B.Nq B γ .A acima da base da fundação ii) N. 24 HANSEN. MÉTODO APLICABILIDADE RECOMENDADA Solos muito coesivos e onde TERZAGHI D ≤ 1 .7 Avaliação dos Métodos Tabela 4 – Avaliação dos métodos teóricos de previsão de capacidade de carga.γágua) γnat = peso específico do solo acima do lençol freático 10.D. entre a base da fundação e o limite da superfície de ruptura (≅ B) Figura 21 Influência do lençol freático na capacidade de carga: (a)caso 1 e (b) caso 2. MEYERHOF. Indicados para qualquer situação. VÉSIC HANSEN. presente na 2ª e na 3ª parcelas da equação da capacidade de carga: q.

N = resistência à penetração do SPT A Equação (6) também foi apresentada em ábaco.11.1 Métodos Baseados no SPT A tensão admissível (σadm) de uma sapata pode ser obtida em função da resistência à penetração do SPT (NSPT). 1974). 11.r adm 8 σ adm = para B ≤ 4´ (7a) 2 N. Figura 22 Ábacos para obtenção da tensão admissível de sapatas em areia (Peck et al. A maioria das correlações foi determinada para sapatas apoiadas em areias.0 MÉTODOS SEMI-EMPÍRICOS A NBR 6122 (1996) considera métodos semi-empíricos aqueles em que as propriedades dos materiais.4 N103  B2B      kgf   2  cm    (6) em que. ii) Correlação de Meyerhof (1965) N. i) Correlação de Terzaghi & Peck (1948. 1967). radm em polegadas e σadm em kgf/cm2.r adm  B + 1´    σ adm =   12  B    para B > 4´ (7b) onde B é expresso em pés. B = menor dimensão da sapata (em pés).. estimadas com base em correlações. 25 . são usadas em teorias adaptadas da Mecânica dos Solos. A expressão (6) é aplicada para B ≥ 4 pés. − + 1´ σ adm = 4.

5 para sapata corrida σrup = 48 – 0.iii) No meio técnico brasileiro tem sido muito empregada a expressão para o caso de sapatas assentes tanto em areias quanto em argilas: σ adm = N 50 (MPa) (8) A Equação (8) é válida no intervalo (5 ≤ N ≤ 20). onde qc é a resistência de ponta obtida do Cone Penetration Test (Figura 23) no trecho correspondente ao bulbo de tensões da sapata (qc ≥ 1.1.2 Métodos Baseados no CPT i) Correlação de Teixeira e Godoy (1996) (9) σ adm = qc σ adm = qc 10 (≤ 4.5 MPa). iv) Correlação de Mello (1975) σ adm = 0.009(300 – qc)1. 11. σ adm = 30.0 MPa) (10b) para areias. Figura 23 Cone de penetração (CPT). ii) Método Baseado no CPT para Areia e para Argilas de Acordo com a Forma da Sapata.0 MPa) (10a) para argilas e 15 (≤ 4.5 para sapata quadrada [kgf/cm2] [kgf/cm2] (11a) (11b) AREIAS 26 . σrup = 28 – 0. N − 1    (MPa) (4 ≤ N ≤ 16) (8) v) Correlação de Parry (1977) para Areias com a profundidade de embutimento D ≤ B.0052(300 – qc)1.N55 onde N55 é a resistência à penetração obtida com um sistema SPT com eficiência de 55%. N é a resistência à penetração média obtida no trecho compreendido da base da sapata até 2B abaixo (bulbo de tensões).

34. A Tabela 5 é uma orientação básica fornecida na norma NBR 6122 (1996). Tabela 5 – Tensões admissíveis segundo a NBR 6122 (1996).0 MÉTODOS EMPÍRICOS A NBR 6122 (1996) considera métodos empíricos aqueles pelos quais se obtém a tensão admissível com base na descrição do terreno (classificação e determinação da compacidade ou consistência por meio de investigações de campo/laboratório).qc para sapata quadrada [kgf/cm2] [kgf/cm2] (12a) (12b) 12.1 Recomendações Gerais 12.28. corrigir σ0 em função da largura B.qc para sapata corrida σrup = 5 + 0. o solo encontrado for das classes 4 a 9. 12.1. de uso restrito para cargas não superiores a 100 tf (≅1000kN). obtendo-se σ0´: 27 .1 Solos Granulares: Quando no trecho z =0 até z =2B (a partir da base da fundação).ARGILAS σrup = 2 + 0.

Para D > 1. reduzir o valor de σo de acordo com a seguinte expressão: σ .1. 10 m2 de área. o =σ o 10 A 13. os dados tabelados de σo só devem usados quando D≤ 1.1. 28 . Fig. σ25mm – tensão para recalque de 25mm.0 PROVAS DE CARGA SOBRE PLACAS – INTERPRETAÇÃO E EXTRAPOLAÇÃO NBR 6489 (1984) Não define ruptura.5σo para B ≤ 10m e construções insensíveis a recalque. quando B > 2m ou manter o valor de σo.0 metro.  12. define a tensão admissível como o menor dos dois valores abaixo: σ10mm σadm ≤ σ 25mm 2 σ10mm – tensão para recalque de 10mm.1. 24 Montagem típica de uma prova de carga sobre placas. 12. para cada metro além dessa profundidade. Para fundações com área superior a este valor.2 Construções Sensíveis a Recalques • Verificar o efeito dos recalques.´ σ o = σ o 1+ 1. no máximo. Esta majoração deve-se limitar a ao dobro do valor fornecido pela tabela.3 Aumento da Tensão Admissível com a Profundidade • Para os solos das classes 4 a 9. 12.4 Solos Argilosos • Para os solos das classes 10 a 15: os dados tabelados de σo só devem usados para fundações com até. sugere-se majorar em 40% o valor de σo.5 B − 2  8 ≤ 2.0 metro.

1 Extrapolação dos Resultados para a Sapata Há uma diferença significativa no fator escala entre a placa da prova e a fundação real: o bulbo de tensões gerado pela placa não é igual ao bulbo gerado pela fundação (ver Figura 26).: Um critério para a estimativa da ruptura. adotado em todo o mundo considera a tensão de ruptura como sendo aquela correspondente a um recalque igual a 10% do diâmetro ou lado da placa. No caso.OBS. tem-se para areias.5 CRITÉRIO DE TERAGHI & PECK σadm = σ25mm para a maior sapata da obra. acontecer a ruptura o deveria recalque quando Critério do recalque admissível: σ adm ≤ σ máx 1. 2 rfund  2B fund = rplac  B  fund + B plac     29 . 13. OUTRAS PRESCRIÇÕES • Argilas ou Areias com ruptura geral Critério da tensão admissível: σ adm = σ rup 2 Figura 25 Curvas tensão recalque típicas de provas de carga. medido atingisse 8cm. há que ser feita uma correção para extrapolar os resultados do ensaio para a aplicação. onde Es cresce com a profundidade: Figura 26 – Influência do bulbo de tensões na prova de carga. por exemplo. AREIAS Para um mesmo valor de tensão. de uma placa com 80cm de diâmetro. Neste caso.

que depende do peso específico do solo.0 Influência do Nível D´água em Areias A posição do nível d´água freático em relação ao bulbo de tensões.Nγ.B. onde Es é constante com a profundidade. em condições de baixo teor de umidade. se elevar do limite inferior do bulbo de tensões até a base da sapata. 15. em depósitos arenosos. Dessa forma.Nγ =0. apresentam uma espécie de resistência “aparente” em decorrência da tensão de sucção que se desenvolve em seus vazios.Para fundação e placa com mesma forma geométrica: B = σ rupt plac  fund B  plac     ARGILAS Para argila média a dura. maior a sucção e. menor a capacidade de carga. Também. quanto mais seco o solo colapsível. a sucção torna-se nula e a capacidade de carga atinge seu valor mínimo. Quando uma areia seca é saturada. o peso específico no interior do bulbo se reduz a 50%.   A rfund = rplac  fund A  plac Afund = Área da fundação Aplac = Área da placa Se a fundação e a placa tiverem a mesma geometria em planta: B rfund = rplac  fund B  plac     extrapolada σrupplac = tensão de ruptura da placa rfund = recalque extrapolado para a fundação rplac = recalque da placa Bfund = largura da fundação Bplac = largura da placa 14. maior a capacidade de carga. Aumentando-se ainda mais a umidade até um valor extremo inundado. Neste caso. em conseqüência. Por outro lado.0 Fundação em Solos Não Saturados e Colapsíveis Solos porosos situados acima do nível d´água freático geralmente são colapsíveis. para uma mesma tensão aplicada: σr rup fund com  B fund  B  plac onde σrupfund  ≤3   = tensão de ruptura σr rup fund = σ rupt plac . ou seja.A. a capacidade de carga de uma 30 .γ.   em que.40. Em solos arenosos a expressão da capacidade de carga se resume a qr = 0. em termos de fundações. Por isso. pode influenciar na capacidade de carga da fundação. menor a sucção e. seu peso específico se reduz a praticamente a metade. pois o termo B. quando úmido. se o N.

0 Estimativa de Parâmetros de Resistência e Peso Específico a) Coesão Quando não se dispõem de resultados de ensaios de laboratório. b) Ângulo de atrito interno (φ) A estimativa do ângulo de atrito de areias pode ser feita empregando-se propostas de correlações existentes na literatura.sapata apoiada em areia saturada é praticamente a metade do valor correspondente à situação de areia na condição não saturada. ambos obtidos na mesma cota (ver Figura 27). 31 . a estimativa do valor da coesão não drenada (Cu ou Su). Teixeira e Godoy (1996) sugerem: Cu = 10 N [kPa] onde N é a resistência à penetração do SPT. Mello (1971) propõe um ábaco que relaciona a tensão vertical efetiva (σ´v) e o N do SPT. Figura 27 Estimativa do ângulo de atrito em função do NSPT e da tensão vertical efetiva. pode ser feita a partir de correlações obtidas. 16.

apresentam valores de γ sugeridos por Godoy (1972). Solo Solos argilosos N Consistência γ (kN/m3) 13 15 17 19 21 Seca úmida Saturada ≤2 3–5 6 – 10 11 – 19 ≥ 20 N Muito mole Mole Média Rija Dura Compacidade Solo Solos arenosos <5 5–8 9 – 18 19 – 40 > 40 Fofa Pouco compacta Medte. o peso específico do solo pode ser estimado a partir do tipo de solo.4 N φ= 20N + 15o c) Peso Específico (γ): Não se disponde de resultados de ensaios efetuados em laboratório. A Tabela 6. 1972).As correlações seguintes também podem ser empregadas para a estimativa de φ: Godoy (1983) Teixeira (1996): φ = 28o + 0. compacta Compacta Muito compacta 16 17 18 18 19 20 19 20 21 32 . mostrada abaixo. Tabela 6 – Estimativa do valor do peso específico de solos (Godoy. classificado com base no N do SPT.

17. e pela estimativa da tensão admissível do terreno de fundação.0 – EXEMPLO PRÁTICO Com os dados da Figura 28 e sabendo-se que a tensão admissível do solo é σadm = 200 kPa. enquanto o segundo depende do perfil de sondagem à percussão. O primeiro. depende da posição do nível de água freático. Neste caso. D. dimensionar a fundação em sapata apresentada. 33 . calculando-se o Nméd abaixo da cota de apoio da fundação se pode calcular o valor da tensão admissível a partir de: σ adm = N méd 50 [MPa]. como é mais comum na prática da engenharia de fundações. Solução: 1) O dimensionamento de sapatas inicia-se pela escolha da profundidade de embutimento. Figura 29 – Dimensionamento de sapata de fundação.

para ficar coerente com a geometria do pilar: 34 . ⇒ L = 310 + 15 = 325cm Portanto. Área da sapata: A= 2000kN 200kN / m 2 = 10m 2 = 100000cm 2 Dimensões do Pilar: 25 cm x 40 cm L – B = l – b = 40 – 25 = 15 cm L x B = A ⇒ (L + 15) x B = 100.000 cm2 B2 + 15B – 100000 = 0 ⇒ B = 309 cm ⇒ Adotar B = 310 cm Daí. a sapata terá as dimensões mostradas na figura abaixo.Estes parâmetros já foram fornecidos no presente problema.

Carvalho. D. K. Tradução de Luciano Moraes Jr. 216p. Fang.S. and Whitman. New York. (1967). Alonso. Lopes. 172p. Volume 1. 6a Edição. E. Foundation Engineering Handbook. Editora da UFRJ. Gaioto. Moliterno. (1998). Caputo. (1980). Exercícios de Fundações. Poulos. Maciços e Obras de Terra. Introdução à Engenharia de Fundações. Niyama. J. Livros Técnicos e Científicos Editora S. Fundamentals of Geotechnical Engineering. & Menziens. F. (1977). Fundações . Notas de Aula.Teoria e Prática. (1983). Brooks/Cole.. S.. Falconi. C. A. N. H. U. & Peck.G. New York.Critérios de Projeto . Saes. Lambe. Projeto e Execução de Fundações. Hachich. U. M. (1983). Propriedades Mecânicas dos Solos.Investigações do Subsolo. Velloso. E. R. K.. Rio de Janeiro. (1991). Ed. Edgar Blücher Ltda. H. (1979). Pile Foundations Analysis and Design.H. (1991). ABNT. Uma Introdução ao Projeto de Fundações.P. Ed..Q. 2nd ed.R.. Ed. N. R. Ltda. W. (1976). 35 . H. Simons. Introdução à Mecânica dos Solos.-Y. M. M. Barata..18. Editora Pini Ltda. John Willey & Sons. (1988 e 1987). Edgar Blücher Ltda.M. (1996). Editora Interciência. (1996). T. NBR 6122 (1996). EESC/USP. John Wiley & Sons.F. U.. R. Da Cunha.B.0 Bibliografia Consultada 1) 2) 3) 4) 5) 6) 7) 8) 9) 10) 11) 12) 13) 14) 15) 16) Almeida. McGraww-Hill Book Company do Brasil. R. Alonso. Frota. SI Version. McGraw-Hill São Paulo. R. Mecânica dos Solos e suas Aplicações.S. 17) 18) 19) Terzaghi. John Wiley.E.S. do Brasil. São Paulo. Ed.. (1989). 33p. Fundações . Inc.R.L. Soil Mechanics. COPPE/UFRJ. Soil Mechanics in Engineering Practice. (1981). Velo 1 e 2. Das. Estruturas de Fundações. Editor Edgard Blücher Ltda. Livros Técnicos e Científicos Editora S. Previsão e Controle das Fundações. (2000). Dimensionamento de Fundações Profundas. (1984). Moraes. B. 199p. F.W.A. Alonso. (1994).A. Aterros Sobre Solos Moles: da Concepção à Avaliação do Desempenho...G. A.. B. 2a Edição. Edgar Blücher Ltda. e Esther Horovitz de Beermann.V. and Davies. Vargas. Fundações Superficiais. F. Van Nostrand Reinhold. 2a Edição. Caderno de Muros de Arrimo.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->