Você está na página 1de 3

Controle das principais PALESTRA

espécies de moscas em áreas urbanas. 95

CONTROLE DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE MOSCAS EM ÁREAS URBANAS

Â.P. do Prado
Universidade de Campinas (UNICAMP)
Instituto de Biologia
Departamento de Parasitologia
Campinas/SP
E-mail: apprado@unicamp.br

A ordem Diptera engloba as moscas e os mosquitos, Muscidae e Calliphoridae, como vírus, bactérias, fun-
insetos de grande importância sanitária, pois são gos, protozoários e helmintos, além de alergias, míases
vetores biológicos e mecânicos de agentes patogênicos e pseudomíases (GREENBERG, 1971; GUIMARÃES et
das principais enfermidades que afetam o homem e al.,1983; FURLANETO et al., 1984; LECLERQ , 1990; M ARILUIS
animais domésticos, além de causarem incômodo e et al., 1989; FOTEDAR et al., 1992; CHAVASSE et al.,1999;
produzirem as chamadas bicheiras e pseudomíases. GUIMARÃES & PAPAVERO, 1999; KOBAYASHI et al., 1999;
As moscas provavelmente desenvolveram a GRACZYK et al., 2000; FISCHER, 1999; OLSEN & HAMMACK ,
sinantropização, i.é., associação intima com o ambiente 2000; FISCHER et al., 2001).
modificado pelo homem, desde o início da jornada O controle dessas moscas não é muito fácil. De um
evolutiva de nossos ancestrais hominídeos, aprovei- modo geral o uso exclusivo de praguicidas pode
tando os depósitos de restos alimentares, carcaças de provocar o desenvolvimento da resistência aos inse-
animais e fezes acumuladas; com o início da ticidas químicos e impactar o ambiente, contaminando
domesticação dos animais também se associaram o solo, a água e os alimentos. Em hospitais, restau-
várias espécies de moscas coprófagas e rantes, hotéis e plantas processadoras de alimentos
sarcossaprófagas (ROBINSON, 1996). os inseticidas são de uso limitado.
Das 110.000 espécies de dípteros, somente cerca A M. domestica é o exemplo clássico da espécie que
de 20 espécies estão mais intimamente associadas ao desenvolveu resistência à maioria dos inseticidas
homem nas áreas urbanas, distribuídas por 10 famí- químicos conhecida, além de possuir os genes neces-
lias, sendo as mais importantes as famílias Muscidae, sários para o desenvolvimento de resistência aos
Fanniidae, Caliphoridae e Sarcophagidae. produtos mais poderosos atuais (KAUFMAN et al., 2001;
As "moscas domésticas" apresentam metamorfose LEARMOUNT et al., 2002).
completa (holometabolia) e se desenvolvem por vários O Manejo Integrado de Pragas/Vetores é a seleção
estádios: ovo, larva, pupa e adulto. As larvas passam e implementação de métodos de controle (cultural,
por 3 estágios: L1, L2 e L3; após a metamorfose, os químico e biológico) dessas pragas/vetores, levando
adultos emergem do pupário. em consideração as conseqüências econômicas, eco-
Geralmente, os ovos são depositados em matéria lógicas e sociológicas. É um processo de tomada de
orgânica de origem vegetal e/ou animal em decom- decisão que leva em consideração cada grupo de
posição (fermentação ou putrefação), tais como fezes circunstâncias particulares; os ambientes naturais
animais, carcaças de animais, lixo de origem domés- diferem em algum grau, assim, as soluções para o
tica, restaurantes, lixões a céu aberto, terrenos baldios, controle de pragas; vetores devem ser, especificamente,
terra impregnada com águas servidas etc., onde as "desenhadas", à medida que vão aparecendo.
larvas se desenvolvem. Fatores tais como a tempera- Dessa forma, se aplicarmos ao caso das moscas
tura, umidade e precipitação, i.é., o tempo e o clima em áreas urbanas a idéia do manejo integrado de pra-
são os que mais influem no seu desenvolvimento, pois gas, adaptando seus 5 passos básicos, poderemos
são insetos ectotérmicos. Climas mais quentes tendem manejar de modo mais racional o controle dessas
a acelerar o desenvolvimento e a ovogênese, propician- moscas. Para isso, devemos seguir os passos seguintes:
do o sincronismo de numerosas gerações diferentes, 1) detecção do problema e identificação das espécies
aumentando rapidamente as populações dessas moscas. envolvidas; 2) monitoramento das populações e rela-
Densidades populacionais aumentadas podem ção com o tempo e o clima; 3) decisão e implementação
facilitar a dispersão (por exemplo, a Musca domestica das medidas de controle (cultural, biológico e químico);
L. pode voar 2.3 a 11.8 km por dia) (GREENBERG, 1973; 4) monitoramento permanente de manutenção.
THOMAS & SKODA, 1993) e invasão dos domicílios e Parece fácil e muito razoável. Entretanto, pelo que
estruturas urbanas, incomodando, do ponto de vista sabemos, estritamente, nunca foi executado esse tipo
estético, e mais gravemente pelo aspecto sanitário: de controle no Brasil, apesar das recomendações da
mais de 65 agentes patogênicos para o homem e ani- SUCEN (Superintendência de Controle das
mais domésticos podem ser veiculados pelos Endemias) (BURALLI et al.,1987).

Biológico, São Paulo, v.65, n.1/2, p.95-97, jan./dez., 2003


96 Â.P. do Prado

Em verdade, ao nosso ver, tem se praticado A aderência ao manejo integrado acarreta ainda
somente, o uso de inseticida químico de modo os seguintes benefícios: eficácia na eliminação dos
gerenciado, que é muito prejudicial por só privilegiar locais de criação das moscas (criadouros) e efeitos de
este método, em detrimento dos demais, levando longo-prazo, de baixo custo. O uso de inseticidas
inexoravelmente ao esgotamento das moléculas químicos tem a vantagem de reduzir rapidamente as
químicas utilizadas (LEIBEE & CAPINERA, 1995; SHONO populações de moscas, mas seus efeitos são temporá rios,
& SCOTT, 2002). requer uso periódico, com custos elevados, conseqüen-
1. Detecção do problema e identificação das es- temente, aumentando os custos a longo-prazo, desen-
péc ies envolvidas: a inspeção dos locais volve resistência nas populações tratadas, coloca as
peridomiciliares e das estruturas urbanas é indis- pessoas em risco de intoxicação, causa danos e
pensável, pois nos ajuda a detectar os possíveis contaminação ambiental (KEIDING , 1999).
criadouros, onde as formas imaturas se desenvol-
vem. Vários métodos de coleta podem ser utilizados
(puçá, armadilhas com iscas: armadilha ultravioleta, REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
armadilhas com feromônio, fita ou cartão com ade-
sivo/cola etc). Se possível deve-se coletar também as AMBRÓS GINARTE , C.M. Efeitos de extratos de plantas e inse-
formas imaturas. A identificação das espécies en- ticidas de segunda e terceira gerações de Musca do-
volvidas é indispensável para nortear as medidas mestica (Diptera: Muscidae). Campinas: 2003. 131p.
de controle (MARICONI et al., 1999) [Tese (Doutorado) - Instituto de Biologia, Univ. Esta-
2. Monitoramento das populações: adultos: pode dual de Campinas].
ser feito por vários métodos (inspeção visual dos AX T E L L , R.C. Fly control in confined livestock and poultry
production.Grensgboro: CIBA-GEIGY Corporation,
locais de agregação, grade de Scudder, "spot/speck
1986. 59p. (Technical Monograph)
cards", "sticky cards" (cartão com cola, armadilhas
BU R A L L I, G.M.; BORN, R.H.; G E R O L A JUNIOR , O.; PIMONT , M.P.
com iscas, com feromônio, "jug trap" etc); larvas e Soil disposal of residues and the proliferation of flies
pupas: método do funil de Berlese, flutuação em água, in the state of São Paulo. Wat. Sci. Tech., v.8, p.121-
etc. (AXTELL , 1986; LYSYK & AXTELL , 1986; HOGSETTE et 125, 1987.
al., 1993). Monitoramento do tempo e do clima: as tem- C H A V A S S E , D.C.; SHIER , R.P.; M URPHY , O.A.; HUTTLY , S.R.A.;
peraturas máxima e mínima do dia devem ser anotadas C OUSENS , S.N.; AK H T A R , T. Impact of fly control on
para o cálculo dos graus-dia, para previsão dos eventos childhood diarrhoea in Pakistan: community-
fenológicos da praga, baseada nos seus limiares randomised trial. Lancet, v.353, p.22-25, 1999.
mínimo e máximo de desenvolvimento (HIGLEY & FISCHER , O. The importance of diptera for transmission,
WINTERSTEEN, 1997). spreading and survival of agents of some bacterial
and fungal diseases in humans and animals. Vet. Med.
3. Decisão e implementação das medidas de con-
Entomol., v.44, p.133-160, 1999.
trole: cada infestação por moscas é um caso singular;
FISCHER, O.; M ÁTLOVÁ , L.; D UORSKA , L.; S RÁSTOVÁ , P.; BA R T L, J.;
os resultados obtidos nos passos anteriores serão a MELICHÀREK , I.; WESTON , R.T.; PAVLÍK , I. Diptera as vector
base para a tomada de decisão, com a escolha dos of mycobacterial infections in cattle and pigs. Med.
métodos de controle mais adequados ao caso (KEIDING , Vet. Entomol., v.15, p.211, 2001.
1979; LEGNER, 1981). A filosofia do controle integrado FOTEDAR , BANERJEE, U.; S INGH, S.S.; V ERMA , A.K. The housefly
deve ser seguida, i. é., a ênfase será para o uso de (Musca domestica ) as a carrier of pathogenic
práticas que provoquem menor impacto ambiental ou microrganisms in a hospital environment. J. Hosp.
que seja menos tóxica, deve-se levar ainda, em conta, Infect., v.20, p.209-215, 1992.
o estado de resistência da espécie alvo (KEIDING , 1979; FU R L A N E T O , S.M.P.; CAMPOS , M.L.C.; H ÁRSI , C.M.; B U R A L L I,
AMBRÓS GINARTE, 2003); a preferência também deve ser G.M.; ISHIATA , G.K. Microrganisnos enteropatogênicos
em moscas africanas pertencentes ao gênero
pelos métodos culturais preventivos, em vez dos
Chrysomya (Diptera: Calliphoridae) no Brasil. Rev.
tratamentos. Nenhum método de controle sozinho
Microbiol., v.15, n.3, p.170-174, 1984.
será bem sucedido; todas as opções de contr ole GREENBERG , B. Ecology, classification and biotic associations.
devem ser usadas. Muitas das vezes não será neces- In: GR E E N B E R G , B. (Ed.). Flies and diseases. Princeton:
sário nenhum controle como decisão. A mera presen- Princeton University Press, 1971. v.1, 856p.
ça de moscas não é razão suficiente para justificar a GR E E N B E R G , B. Biology and Disease Transmission. In: In:
ação de controle. GR E E N B E R G , B. (Ed.). Flies and diseases. Princeton:
4. Monitoramento permanente: deve ser uma Princeton University Press, 1973. v.2, 447p.
preocupação constante, pois permite a atuação em GRACZYK, T.K.; F AYER, R.; K NIGHT , R.; MHANGAMI-RUWENDE , B.;
nível de prevenção, privilegiando os melhores, mais TR O U T , J.M.; SI L V A , A.J. DA ; P IENIAZEK , N.J. Mechanical
eficientes e menos prejudiciais métodos de controle; transport and transmission of Cryptosporidium parvum
oocysts by wild filth flies. Am. J. Trop. Med. Hyg., v.63,
permite ainda acompanhar a eficácia dos tratamentos
p.178-183, 2000.
empregados.

Biológico, São Paulo, v.65, n.1/2, p.95-97, jan./dez., 2003


Controle das principais espécies de moscas em áreas urbanas. 97

GUIMARÃES , J.H. & PAPAVERO , N. Myiasis in Man and animals LE C L E R Q , M. Les myases. Ann. Soc. Ent. Fr., v.26, p.335-350,
in the neotropical region. São Paulo: Ed. Plêiade/FAPESP, 1990.
1999. 308p. (Bibliographical Database). LEGNER , E.F. Biological Control of Diptera of Medical and
GU I M A R Ã E S , J.H.; PAPAVERO , N.; PRADO , A.P. As miiases na Veterinary Importance. J. Vec. Ecol., v.20, p.59-120, 1981.
região neotropical: identificação, biologia, bibliogra- LE I B E E , G. & CAPINERA , J.L. Pesticide resistance in Florida
fia. Rev. Bras. Zool., v.1, p.239-416, 1983. insects limits management options. Florida Entomol.,
HI G L E Y , L. & WI N T E R S T E E N, W. Using degree days in an v.78, n.3, p.386-399, 1995.
integrated pest management program. 1997. Dispo- LYSYK , T.J. & A X T E L L , R.C. Field evaluation of three methods
nível em: <http://www.extension.iastate.edu/ of monitoring populations of house flies (Musca do-
Publications/PM1296.pdf>. Acesso em: 27 ago. 2003. mestica) (Diptera: Muscidae) and other filth flies in three
HO G S E T T E , J.A.; J ACOBS , R.D.; M I L L E R . R.W. The sticky card: types of poultry housing systems. J. Econ. Entomol.,
device for studying the distribution of adult house fly v.79, p.144-151, 1986.
(Diptera: Muscidae) populations in closed poultry MARICONI , F.A.M.; GUIMARÃES , J.H.; BE R T I FILHO , E. A mosca
houses. J. Econ. Entomol., v.86, p.450-454, 1993. doméstica e algumas outras moscas nocivas. Piracicaba:
KAUFMAN , P.E.; SCOTT , J.G.; R UTZ , D.A. Monitoring insecticide FEALQ, 1999. 135p.
resistance in house flies from New York dairies. Pest MARILUIS , J.C.; L AGAR , M.C.; B ELLEGARDE , E.J. Diseminaccíon
Manag. Sci., v.57, p.514-521, 2001. de enteroparásitos por Calliphoridae (Insecta,
KEIDING , J. La mosca domestica, biologia y control. Bogota: Diptera). Mem. Inst. Oswaldo Cruz, v.84, p.349-351, 1989.
Organizacion Mundial de la Salud, Proyeto AMRO- OLSEN, A.R. & HAMMACK , T.S. Isolation of Salmonella spp. from
07000 (Documento WHO/VBC/76-650), 1979. the housefly, Musca domestica L., and the dump fly,
KE I D I N G , J. Review of the global status and recent Hydrotaea aenescens (Wiedemann) (Diptera: Muscidae),
development of insecticide reistance in field at cage-layer houses. J. Food Protec., v.63, p.958-960, 2000.
populations of the housefly, Musca domestica (Diptera: ROBINSON , W.H. Urban entomology: insect and mite pests in
Muscidae). Bull. Entomol. Res., v.89, p.S7-S67, 1999. the human environment. London: Chapman & Hall,
KOBAYASHI , M.; S ASAKI , T.; SAITO , N.; TAMURA , K.; S UZUKI, K.; 1996. 430p.
WATANABE , H.; AGUI , P. House flies are not simple SHONO, T. & SC O T T , J.G. Spinosad resistance in the housefly,
mechanical vectors of enterohemorrhagic Escherichia coli Musca domestica, is due to a recessive factor on
0157:H7. Am. J. Trop. Med. Hyg., v.61, p.625-629, 1999. autosome. Pestic. Biochem. Physiol., v.71, p.1-7, 2002.
LEARMOUNT , J.; CHAPMAN , P.; MACNICOLL , A. Impact of an TH O M A S , G.D. & SK O D A , S.R. Rural flies in the urban
insecticide resistance strategy for house fly (Diptera: environment. Res. Bull. No. 317. Agric. Res. Div.,
Muscidae) control in intensive animal units in the Institute of Agric. and Natural Resources, University
United Kingdom. J. Econ. Entomol., v.95, n.6, p.1245- of Nebraska-Lincoln, NE. North Central Regional
1250, 2002. Research Publication No. 355, 1993.

Biológico, São Paulo, v.65, n.1/2, p.95-97, jan./dez., 2003