P. 1
defesa preliminar LESÃO CORPORAL LEI MARIA DA PENHA

defesa preliminar LESÃO CORPORAL LEI MARIA DA PENHA

|Views: 34.491|Likes:
Publicado porAna Paula Perin

More info:

Published by: Ana Paula Perin on Nov 28, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/27/2015

pdf

text

original

_________________________________________________________________________________________________________________________________________ _

EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA JUIZA DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE ________.

_______, já qualificado nos autos em epígrafe, por seu advogado nomeado que ao final assinada, com escritório profissional na _________, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, apresentar RESPOSTA A ACUSAÇÃO, no processo crime que lhe move o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, de acordo com as razões de fato e de direito que passa a expor: SÍNTESE DA DENÚNCIA O réu foi denunciado por ter em tese praticado o delito descrito no artigo 129, § 9° do Código Penal, por ter segundo a denúncia agredido a pessoa de ______ , causando-lhe várias lesões consideradas de natureza leve. Narra a exordial que em data de ______, por volta das ______ horas, na Rua ______, na cidade de _________, o acusado ofendeu a integridade corporal da vítima _______, causando lesões do laudo (fls. ___). Porém, em que pese o brilho das razões elencadas pelo Doutor Promotor de Justiça, tem-se que a mesma não deverá vingar em seu designio, qual seja, o de obter a condenação do denunciado. PRELIMINARMENTE INÉPCIA DA DENÚNCIA

______________________________________________________________
Av. Tancredo Neves, n.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. CEP – 85.790-000 FONE 0XX 45 286 3144

1

limitando-se à referência a outra peça dos autos" (RTJ 57/389). 2001. 41. principalmente quando apresenta deficiência na exposição do fato criminoso e todas as suas circunstâncias. com todas as suas circunstâncias. Fernando. Tancredo Neves. quando necessário. ainda que sucintamente. Av. p. impedindo-o de articular sua defesa satisfatoriamente" (RJDTACRIM 25/106). (grifei) Verifica-se da exordial acusatória que a exposição do fato criminoso. 1 CAPEZ. TACRSP: "A denúncia obscura. a classificação do crime e. 41 do CPC. pois faz com que o acusado fique sem saber o real conteúdo da incriminação. 7ª Ed. Neste sentido: "Denúncia. É inepta a que não especifica. Neste sentido. a qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificá-lo.. 127. Saraiva. bem como as circunstâncias do fato não se encontram corretamente dispostos. n. A Inépcia da inicial ocorre quando a denúncia ou queixa não atende ao disposto no art. tem-se os requisitos da denúncia ou queixa: Art. não se admitindo a imputação vaga e imprecisa (. sem respaldo no inquérito policial.790-000 FONE 0XX 45 286 3144 ______________________________________________________________ 2 .). A denúncia ou queixa conterá a exposição do fato criminoso. o rol das testemunhas. omissa e confusa é reconhecidamente inepta. o entendimento de Fernando Capez1: “a descrição deve ser precisa.. em caráter genérico. CEP – 85. os fatos criminosos atribuídos a dois acusados. nem descreve._________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ Analisando-se o artigo 41 do Código de Processo Penal. Ed. STF: "Denúncia apresentada de forma sumária. O STF abona a concisão desde que fundamentada com suficiência a denúncia" (RT 642/358). Curso de Processo Penal.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR.

como princípio basilar do direito penal. n. DO MÉRITO Apesar de verificar-se às fls. A adequação típica realizada pelo ilustre representante ministerial não corresponde aos fatos narrados. com base no artigo 395. ter o denunciado admitido a pratica delitiva. que as lesões foram mínimas. 09. Ademais. face sua inexpressividade e ausência de danosidade material. posto que em momento algum afirma que o acusado. verifica-se que ser totalmente inepta a presente denúncia. ____). o Princípio da Intervenção Mínima.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. encontrava-se em situação doméstica. do Código de Processo Penal. CEP – 85. aliado a ausência de periculosidade social da conduta incriminada. pelo que não justifica uma condenação. I. de alguma forma. Tem-se. devendo o juiz rejeitá-la. Verifica-se que a circunstância. Diante disto. verifica-se do próprio laudo de lesão corporal (fls. o qual dispõe que o direito penal deve ser invocado como ultima ratio. não devendo se preocupar com coisas de pouca ______________________________________________________________ Av. que possam. Logo a conduta praticada pelo réu é atípica. Em não sendo este o entendimento de Vossa Excelência. sob o ponto de vista do direito penal mínimo. Tancredo Neves. sejam elas elementares ou acidentais. no momento dos fatos._________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ O autor deve incluir na peça inicial todas as circunstâncias que cercaram o fato. passa-se a análise do mérito.790-000 FONE 0XX 45 286 3144 3 . bem como a tipificação do crime não se encontram corretamente dispostos. influir na apreciação do crime e na fixação e individualização da pena”. afirma que foi obrigado a reagir. tendo em vista a vítima ter investido contra sua pessoa com uma faca.

pede-se a absolvição do acusado. diante da inexistência de conduta delitiva alguma praticada pelo acusado e nos princípios invocados. ou seja. Esclarecesse que quando da ocorrência dos fatos. as lesões foram leves. com coisas mais importantes. 129. mas sim. porém. ___). mas sim. ou com quem conviva ou tenha convivido. §9° do Código Penal: Art. DA CORPORAIS LEVES Analisando-se o disposto no artigo 129. posto que ao direito penal. afogando. ainda. Tais princípios aplicam-se justamente pela efetivação das normas penais. DESCLASSIFICAÇÃO PARA LESÕES ______________________________________________________________ Av. convivência doméstica. cônjuge ou companheiro.790-000 FONE 0XX 45 286 3144 4 . descendente. não se encontrando mais em situação de convivência com a vítima. não é interessar-se com danos de pouca monta. irmão. o já conturbado ordenamento jurídico do país. §9°. que necessitem de intervenção jurisdicional. assim. tampouco. não sendo interessante ao direito penal. prevalecendo-se o agente das relações domésticas. no presente caso. Se a lesão for praticada contra ascendente. Destarte. decorrendo daí o seu caráter fragmentário._________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ importância. torná-las mais eficazes. ou. n. O Estado não pode mais se preocupar com fatos de pouca relevância jurídica. o acusado já se encontrava separado da vítima a mais de dez meses (boletim de ocorrência fls. Tancredo Neves. sob pena dos acontecimentos importantes perderem espaço para aqueles.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. com casos que sejam realmente sérios. CEP – 85. atuantes. Ainda é perfeitamente aplicável o Princípio da Insignificância. de coabitação ou de hospitalidade.

386._________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ Com isto. Em caso de entendimento diverso. Diante do exposto. ______________________________________________________________ Av. PEDE DEFERIMENTO. V. que comparecerão às audiências que forem designadas e consequentemente sua absolvição. Diante do exposto.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. requer-se.790-000 FONE 0XX 45 286 3144 5 . NESTES TERMOS. confiante no discernimento afinado e no justo descortino de Vossa Excelência. reservar-se no direito de ao final da instrução processual. Tancredo Neves. notadamente pela oitiva de testemunhas arroladas na denuncia. CEP – 85. por ventura aplicada. por todos os meios de provas em direito admitidos. em sede de alegações finais apreciar o mérito ”causae”. verifica-se que sua conduta deve ser desclassificada para o crime de lesões corporais leves. n. provando a inocência do acusado. descrito no artigo 129. a defesa requer a ABSOLVIÇÃO do réu. do Código de Processo Penal. por uma ou mais Penas Restritivas de Direitos. do Código Penal. caput. desde já. Em restando desabrigadas as teses oras esposadas. já que preenche todos os requisitos exigidos pelo artigo 44 e seguintes do Código Penal Brasileiro. postas tais considerações e por entendê-las prevalecentes sobre as razões que justificam o pedido de condenação despendido pelo preclaro órgão de execução do Ministério Público. nos termos do art. merece o acusado ver sua conduta desclassificada para o crime de lesões corporais leves. a Substituição da Pena Privativa de Liberdade. à guisa das teses ora esposadas ou a desclassificação para o crime de lesões corporais leves. tendo em vista que as agressões não foram praticadas no convívio doméstico.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->