_________________________________________________________________________________________________________________________________________ _

EXCELENTÍSSIMA SENHORA DOUTORA JUIZA DE DIREITO DA VARA CRIMINAL DA COMARCA DE ________.

_______, já qualificado nos autos em epígrafe, por seu advogado nomeado que ao final assinada, com escritório profissional na _________, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, apresentar RESPOSTA A ACUSAÇÃO, no processo crime que lhe move o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ, de acordo com as razões de fato e de direito que passa a expor: SÍNTESE DA DENÚNCIA O réu foi denunciado por ter em tese praticado o delito descrito no artigo 129, § 9° do Código Penal, por ter segundo a denúncia agredido a pessoa de ______ , causando-lhe várias lesões consideradas de natureza leve. Narra a exordial que em data de ______, por volta das ______ horas, na Rua ______, na cidade de _________, o acusado ofendeu a integridade corporal da vítima _______, causando lesões do laudo (fls. ___). Porém, em que pese o brilho das razões elencadas pelo Doutor Promotor de Justiça, tem-se que a mesma não deverá vingar em seu designio, qual seja, o de obter a condenação do denunciado. PRELIMINARMENTE INÉPCIA DA DENÚNCIA

______________________________________________________________
Av. Tancredo Neves, n.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. CEP – 85.790-000 FONE 0XX 45 286 3144

1

em caráter genérico.. Ed. A Inépcia da inicial ocorre quando a denúncia ou queixa não atende ao disposto no art. o entendimento de Fernando Capez1: “a descrição deve ser precisa. bem como as circunstâncias do fato não se encontram corretamente dispostos.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. Saraiva. CEP – 85. A denúncia ou queixa conterá a exposição do fato criminoso. 7ª Ed. 127. ainda que sucintamente. sem respaldo no inquérito policial. n. impedindo-o de articular sua defesa satisfatoriamente" (RJDTACRIM 25/106). omissa e confusa é reconhecidamente inepta. 2001._________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ Analisando-se o artigo 41 do Código de Processo Penal. Fernando. 41 do CPC. limitando-se à referência a outra peça dos autos" (RTJ 57/389).. Neste sentido. Curso de Processo Penal. Tancredo Neves. p. STF: "Denúncia apresentada de forma sumária.). a qualificação do acusado ou esclarecimentos pelos quais se possa identificá-lo. o rol das testemunhas. a classificação do crime e. É inepta a que não especifica. com todas as suas circunstâncias. (grifei) Verifica-se da exordial acusatória que a exposição do fato criminoso. 1 CAPEZ. nem descreve. 41. Av. principalmente quando apresenta deficiência na exposição do fato criminoso e todas as suas circunstâncias. quando necessário. O STF abona a concisão desde que fundamentada com suficiência a denúncia" (RT 642/358). Neste sentido: "Denúncia. não se admitindo a imputação vaga e imprecisa (. pois faz com que o acusado fique sem saber o real conteúdo da incriminação.790-000 FONE 0XX 45 286 3144 ______________________________________________________________ 2 . os fatos criminosos atribuídos a dois acusados. TACRSP: "A denúncia obscura. tem-se os requisitos da denúncia ou queixa: Art.

o Princípio da Intervenção Mínima. no momento dos fatos. 09. afirma que foi obrigado a reagir. com base no artigo 395. encontrava-se em situação doméstica. Logo a conduta praticada pelo réu é atípica. ter o denunciado admitido a pratica delitiva. não devendo se preocupar com coisas de pouca ______________________________________________________________ Av. como princípio basilar do direito penal. o qual dispõe que o direito penal deve ser invocado como ultima ratio. de alguma forma. posto que em momento algum afirma que o acusado. sejam elas elementares ou acidentais. Ademais. que possam. influir na apreciação do crime e na fixação e individualização da pena”. aliado a ausência de periculosidade social da conduta incriminada. Em não sendo este o entendimento de Vossa Excelência. n. I. A adequação típica realizada pelo ilustre representante ministerial não corresponde aos fatos narrados. bem como a tipificação do crime não se encontram corretamente dispostos. verifica-se do próprio laudo de lesão corporal (fls. do Código de Processo Penal. Tem-se. DO MÉRITO Apesar de verificar-se às fls. que as lesões foram mínimas. CEP – 85.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. passa-se a análise do mérito. sob o ponto de vista do direito penal mínimo.790-000 FONE 0XX 45 286 3144 3 . Diante disto. Verifica-se que a circunstância._________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ O autor deve incluir na peça inicial todas as circunstâncias que cercaram o fato. face sua inexpressividade e ausência de danosidade material. Tancredo Neves. tendo em vista a vítima ter investido contra sua pessoa com uma faca. pelo que não justifica uma condenação. ____). verifica-se que ser totalmente inepta a presente denúncia. devendo o juiz rejeitá-la.

Ainda é perfeitamente aplicável o Princípio da Insignificância. não é interessar-se com danos de pouca monta. 129. ou. §9°. com casos que sejam realmente sérios. Tais princípios aplicam-se justamente pela efetivação das normas penais. não se encontrando mais em situação de convivência com a vítima.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. Esclarecesse que quando da ocorrência dos fatos. não sendo interessante ao direito penal. descendente. O Estado não pode mais se preocupar com fatos de pouca relevância jurídica. n. CEP – 85.790-000 FONE 0XX 45 286 3144 4 . porém. prevalecendo-se o agente das relações domésticas. que necessitem de intervenção jurisdicional. diante da inexistência de conduta delitiva alguma praticada pelo acusado e nos princípios invocados. assim. DESCLASSIFICAÇÃO PARA LESÕES ______________________________________________________________ Av. §9° do Código Penal: Art. Destarte. DA CORPORAIS LEVES Analisando-se o disposto no artigo 129._________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ importância. convivência doméstica. posto que ao direito penal. de coabitação ou de hospitalidade. no presente caso. afogando. ainda. Tancredo Neves. atuantes. as lesões foram leves. decorrendo daí o seu caráter fragmentário. mas sim. o já conturbado ordenamento jurídico do país. com coisas mais importantes. pede-se a absolvição do acusado. sob pena dos acontecimentos importantes perderem espaço para aqueles. ___). mas sim. irmão. cônjuge ou companheiro. torná-las mais eficazes. ou seja. tampouco. o acusado já se encontrava separado da vítima a mais de dez meses (boletim de ocorrência fls. ou com quem conviva ou tenha convivido. Se a lesão for praticada contra ascendente.

provando a inocência do acusado. em sede de alegações finais apreciar o mérito ”causae”. tendo em vista que as agressões não foram praticadas no convívio doméstico. ______________________________________________________________ Av. n. merece o acusado ver sua conduta desclassificada para o crime de lesões corporais leves. caput. Em restando desabrigadas as teses oras esposadas. confiante no discernimento afinado e no justo descortino de Vossa Excelência.º 533 – Capitão Leônidas Marques – PR. que comparecerão às audiências que forem designadas e consequentemente sua absolvição. descrito no artigo 129. já que preenche todos os requisitos exigidos pelo artigo 44 e seguintes do Código Penal Brasileiro. do Código de Processo Penal. Diante do exposto. à guisa das teses ora esposadas ou a desclassificação para o crime de lesões corporais leves. 386. a defesa requer a ABSOLVIÇÃO do réu. NESTES TERMOS._________________________________________________________________________________________________________________________________________ _ Com isto. verifica-se que sua conduta deve ser desclassificada para o crime de lesões corporais leves. por todos os meios de provas em direito admitidos. por uma ou mais Penas Restritivas de Direitos.790-000 FONE 0XX 45 286 3144 5 . por ventura aplicada. nos termos do art. desde já. Diante do exposto. PEDE DEFERIMENTO. postas tais considerações e por entendê-las prevalecentes sobre as razões que justificam o pedido de condenação despendido pelo preclaro órgão de execução do Ministério Público. notadamente pela oitiva de testemunhas arroladas na denuncia. Em caso de entendimento diverso. do Código Penal. requer-se. Tancredo Neves. V. CEP – 85. reservar-se no direito de ao final da instrução processual. a Substituição da Pena Privativa de Liberdade.