P. 1
Políticas Educacionais, Ações Coletivas e Inclusão Social no Brasil

Políticas Educacionais, Ações Coletivas e Inclusão Social no Brasil

|Views: 87|Likes:

More info:

Published by: Ednéia Silva Santos Rocha on Apr 11, 2012
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/06/2012

pdf

text

original

Disciplina 5965010 Políticas Educacionais, Ações Coletivas e Inclusão Social no Brasil

Nr. de Créditos: 6 Carga Horária:
Teórica (por semana) 2 Prática (por semana) 1 Estudos Duração (por semana) 6 10 semanas 90 horas Total

Docentes Responsáveis: Jose Marcelino de Rezende Pinto Teise de Oliveira Guaranha Garcia Elmir de Almeida Objetivos: A disciplina tem por objetivo possibilitar ao pós-graduando refletir sobre as possibilidades de inclusão social no contexto excludente próprio ao modo de produção capitalista; analisar o papel das ações coletivas e dos movimentos sociais nos processos de inclusão na educação escolar; compreender e analisar criticamente os processos de exclusão vividos por parte significativa da população brasileira e as políticas inclusivas no campo educacional; conhecer a e avaliar experiências de educação inclusiva, discutindo-as a partir do conceito de qualidade social. Justificativa: O modo capitalista de produção, pela sua própria natureza, tem uma enorme capacidade de interferir nas diversas esferas da vida humana. Uma das conseqüências mais notáveis desse processo são os mecanismos de exclusão de segmentos cada vez maiores da população do acesso à riqueza social produzida. Este sistema também se caracteriza por gerar processos de inclusão perversa ou marginal nos quais, mesmo segmentos excluídos do proletariado (como os catadores de lixo reciclável, por exemplo) são incorporados nos mecanismos de produção de mais valia. É tarefa fundamental, portanto, analisar de que forma estas estratégias se refletem nas políticas sociais, em especial, naquelas destinadas à educação pública. Conteúdo: 1- Capitalismo e inclusão social a. As políticas sociais numa sociedade capitalista b. As políticas sociais e o fundo público c. Ação coletiva e movimento social d. O papel dos movimentos sociais na definição das políticas públicas e. Educação e desenvolvimento econômico e social 2- Políticas educacionais e inclusão social a. Políticas educacionais e etnia b. Políticas educacionais e renda c. Políticas educacionais e desigualdades regionais d. Políticas educacionais: rural x urbano e. Políticas educacionais: gênero e gerações 3Educação e qualidade social a. Qualidade da educação em debate b. Experiências de educação inclusiva. EMENTA A disciplina se propõe a analisar os limites e contradições das políticas sociais em uma sociedade capitalista. O papel de atores coletivos e de movimentos sociais na formulação da agenda pública. Particularmente serão discutidos os efeitos das políticas educacionais no que se refere aos processos de exclusão sofridos pela população brasileira

CONNEL. Educação e Desenvolvimento Econômico no capitalismo contemporâneo. 1998. WANDERLEY. São Paulo. 2004. L. 2. Pronera/Incra/MDA. São Paulo: Cortez/EDUFF/FLACSO. Banco Mundial e Política Educacional: o projeto Nordeste para a Educação Básica e seus desdobramentos no Piauí. (Org. ROSAR. etnia. democracia e sociedade brasileira..). ‘995. nov. F. C. Gênero. L... A. R. (Orgs.. ou urbano). DI PIERRO. MOLINA. localização geográfica. São Paulo: Paz e Terra.M. D.F. Jesus. P.. BRUSCHINI. 2002.B. 1996 CASTEL. ano 24. M. p.)Política e Gestão da Educação.. L. BRUNO. Educação e Desenvolvimento Social no Brasil. (Orgs.(Org.. Finalmente. Belo Horizonte: Autêntica. 11-43. M. Trabalho. Política Social e combate à pobreza. S. São Paulo: FCC/Editora 34. Petrópolis: Vozes. C. A educação na reforma agrária em perspectiva: uma avaliação do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária. UNBEHAUM.leitura e discussão de textos. Forma de Avaliação: ver em observação. 1980. 2002. Nead. CRUZ.). M. L. GENTILI. S. ed. S. S. .) Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. Brasília. OBS.). G.). In: OLIVEIRA. Desigualdade e a questão social. Teresina: EDUFPI. (Org.C. Observação: Forma de Avaliação: Terá caráter global e será feita tendo por base o desempenho do aluno quanto à : apresentação dos seminários. C. Estado e Democracia no Brasil. trabalho escrito de conclusão da disciplina. R.. São Paulo: Atlas. 118-142. Rio de Janeiro: Francisco Alves. M.W. L. E BELFIORE-WANDERLEY. 2002. AQUINO. COIMBRA. W. BRUNO. H. ANDRADE. Pobreza e Educação. de. J. S. M. E.aulas expositivas.quanto à renda. DAGNINO. situação de domicílio (rural. CUNHA.A.E. Cidadania e exclusão social: o mundo desenvolvido em questão. Serviço Social e Sociedade.(Org. G. CUNHA.2005. (Orgs. 1991. São Paulo: Ação Educativa. Gestão da Educação: onde procurar o democrático?. A. 9 ed.) Diferenças e preconceito na escola. Seu desenvolvimento envolverá: . p. In. 1989 AMMANN. M. Educação.A.A. SANTOS.E.Pedagogia da Exclusão: crítica ao neoliberalismo em educação. 76. n. R. . 1997. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. São Paulo: Educ. São Paulo: Summus. pretende-se avançar no debate sobre o conceito de qualidade social em educação. participação em sala de aula. R. . 2003.seminários Bibliografia: ABRANCHES. Metodologia: A disciplina será ministrada tendo por base a participação ativa do aluno.

Notas sobre a redefinição da identidade e das políticas públicas de educação de jovens e adultos no Brasil. C.F. São Paulo: Brasiliense. 321-337. JACOBI. 1998 OLIVEIRA. M. C. A. ALENCAR. Campinas. OLIVEIRA F. São Paulo: Cortez.. 2006. 1999. 27. A invenção do presente: movimentos sociais nas sociedades complexas .R. Petrópolis: Vozes.: Educar na esperança em tempos de desencanto.L. A sociedade vista do abismo: novos estudos sobre exclusão. UFPR. Rio de Janeiro: Vozes. n. Porto Alegre: UFRGS. 2004. 2000. p./dez. 2001.) Teoria e Educação no Labirinto do Capital. 3.. A política de financiamento da Educação Básica: rumos da legislação brasileira... 198 FARENZENA. TAVARES. A institucionalização invisível: crianças que não aprendem na escola. M. 2001.F.A.. A. e Sociedade. 2001. n. Vozes. D. 43-74. A exclusão e escola: o apartheid educacional como política de ocultação. São Paulo. 2001. P. DI PIERRO. A nova hegemonia da burguesia no Brasil dos anos 90 e os desafios da alternativa democrática. 92. FALEIROS. Ed. 1115-1139. LESBAUPIN. Os direitos do antivalor: a economia política da hegemonia imperfeita. 26. 2001. M. México : Pax. A.(Orgs. 2. jul. Petrópolis: Vozes. J. São Paulo: FAPESP/Mercado das Letras.ed. F. v. In: FRIGOTTO. CIAVATTA. A. focalização e parceria: uma análise das tendências nas políticas públicas de educação de jovens e adultos. Educ. SOUZA. Descentralização. O que é política social. C. Petrópolis.B. M. ENGUITA. P. P. MELUCCI. G. 228 p.M. OLIVEIRA. GUIMARÃES.) Conversas sobre financiamento da educação no Brasil. C. RIZZOTO. São Paulo: Editora 34. MOYSÉS. N. GENTILI. . V. M. 2006. p. São Paulo: Xamã. 2007. DI PIERRO. Educar em tempos incertos. M. In. Políticas públicas y educación de mujeres adultas en Brasil In: Promoviendo la educación de mujeres y niñas en América Latina. F.A. NOGUEIRA. vol. A. Movimentos sociais e políticas públicas. pobreza e classes sociais. I. 2000\ MARTINS. Rio de Janeiro: Vozes. Educ. 2003. em Pesquisa.(Orgs. S. Petrópolis: Vozes. T. GOUVEIA. p.DI PIERRO. Petrópolis: Vozes. S. M. (Orgs.. Racismo e Anti-Racismo no Brasil. Porto Alegre: Artmed. Educação Básica: gestão do trabalho e da pobreza.Curitiba. 1993. Poder Local X Exclusão Social: a experiência das prefeituras democráticas no Brasil.) Políticas Sociais e Desenvolvimento: América Latina e Brasil. G. 2005.M..

2004. J. E. M.. DI GIOVANNI. Instituto Piaget. São Paulo: Cortez. São Paulo: Cortez Editora. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. . SILVA. SPOSITO. O. O retorno do actor. M. Rodrigues. Igualdade e diversidade: o sujeito democrático: Bauru: Edusc. SANTOS. A. A. 1984. David. . 2007. A política social brasileira no século XXI: a prevalência dos programas de transferência de renda. São Paulo: Editora Cortez. A. Rio de Janeiro: Plano. SILVA. A ilusão fecunda: a luta por Educação nos Movimentos Populares. São Paulo: Cortez. TOURAINE. Pierre. VIEIRA. Espaços públicos e tempos juvenis. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Ações afirmativas: Políticas Públicas contras as desigualdades raciais. M. Educação e reforma agrária: práticas educativas de assentados do sudoeste paulista. TOURAINE. 2004 SPOSITO.2000. 1992. La force du prejugé.PINTO. . Magalhães.B. Os recursos para a Educação no Brasil no contexto das finanças públicas. E.) Pós-Neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. São Paulo: Hucitec/EDUSP. São Paulo: Global/FAPESP/Ação Educativa. 1995. & LOBATO. A. R. SPOSITO. YAZBEK. E. 1997... Stephen R. O povo vai à escola: a luta popular pela expansão do ensino público em São Paulo. São Paulo: Edições Loyola. António M. Os Lugares Da Exclusão Social. SADER. (Org. Os movimentos sociais. F. A. E. Rio de Janeiro: DP&A. 1998. p..M. 1978. 2002. TOURAINE. 2004. Lisboa. 2003. G. . Democracia e Política Social. In: FORACCHI e MARTINS. 335 a 365. VIEIRA. 1984. TAGUIEFF. C. São Paulo: Xamã. M. M. 1993.e.. Os direitos e a política social. Sociologia e sociedade. E.R. Stoer.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->