Você está na página 1de 81

Fabio Souza de Sa Teles

O amor não tem


face, porém é
mais belo que
todos os rostos

POESIA
Vestimenta da Alma

Abotoe as suas lágrimas, e tampe os seu olhos,


não brincaremos mais de cobra cega, pois eu
lhe mostrarei onde esta.
Guarde o seu passado em um porão, e apenas
durma como se fosse criança.
Só precisamos da voz, do que resta de
amigos, serenizada no grito de nossas mentes,
só precisamos de alguns minutos para esquecer...
e um banquete de risos para podermos sorrir con-
tentes, seja livre, assim como a galeria de fotos de
seu guarda roupa, abaixe os volumes do som das
mentiras, não brigue comigo e apenas me ouça.
Que tudo não começou... e tampouco foi termi-
nado.
Que tudo que é lindo, nunca se encontra no mapa.
E todas as coisas nobres são tristes
Mas pelo menos esta noite, veremos o dia aman-
hecer
E eu quero estar em seus braços, mesmo que não
estejam mais abertos pra mim.

4
Tristes sombras

Hoje queria ser a palavra


Mais forte à sua tristeza doce.
bastava - me só um encontro, mas a máscara
mais uma vez não foi aberta, tudo completou mas
se desfez em meu giro parado no solo, quei aqui
com minha amiga, a solidão, sombra que não
abandona, se esconde mas volta.

5
Janela de uma Mulher

Ela tem vários amigos, um segredo e irmãos, tem


pessoas ao lado que nem conta em suas mãos,
mas pobre garota talvez nunca volte ao normal
do que era vida, agora uma solidão sem igual,
ela só tinha um sonho que esperava existir, tinha
uma promessa que esperava cumprir, ela tem as
palavras mas não consegue dizer, tem as canções
mas não consegue escrever, inerte a tudo que
passa até o espelho ela abandona, em seu quarto
só há o silêncio e um retrato em sua cama, e foi
assim o que há aconteceu quando à amaram e a
esqueceu, tudo que ela queria era
nunca ter que querer, tudo que ela fazia, agora ela
não pode fazer, ela percorre os caminhos sem sair
de sua porta, ela abre as janelas mas não vê as
suas rosas.

6
Espectro depressivo

Estou me rastejando, deixando pegadas de um dia.


Para que você me encontre no trecho das razões
Estou levando os seus medos, para soltar no pre-
cipício
Com uma garrafa para bebermos do amor!
Trague uns gravetos, as cinzas caram frias
O escuro vem me cumprimentar quando a sua lua
não quer vir
Morcegos à meia noite buscando sangue jovem,
uma tumba sem corpo você descobriu.
fantasmas dizendo foi um prazer conhecer, a minha
alma penada que agora é sem vida.
No dedilhar de um som, Deus toca auta nos
ventos, enquanto um demônio assobia na audição
de todos os surdos que nunca ouviram eu te amo...

7
Renata

Morena pelo sol, cabelo de menina, com passos


comportados me atraiu em sua esquina.
Quero estar em sua calçada, as ruas não me dão
direção, quero enxergar a cidade, com os seus
olhos e tuas mãos.
Podemos testar os limites, ou então improvisar,
podemos passar a noite, podemos apenas falar.
Não quero fugir da chuva, meu abrigo é você,
não quero brincar com as palavras e depois me
esconder. Fiz, não só para car, apenas em uma
agenda de minha seda!

8
Amor salva vidas

Os seus olhos são minha cidade,


todos buscam ter a sua luz,
procuro em águas profundas
o que não vejo em
meu solo, pérolas
iguais a você, vivo
morrendo afogado
por não sentir o
fôlego de sua boca.

9
Tempo raio x

O tempo sorriu pra mim com lágrimas em meu


rosto, meu passado foi trancado sem portas e
vidraças, agora só enxergo uma imagem e não sei
se é minha sombra, do que foi azul vejo preto e
branco.

10
Grades abertas

Me deixe ser
o prisioneiro
de seu coração,
enjaulado em seu
peito para sempre.

11
Pirâmide Feminina

Indecifrável,
minha esnge,
vasculho seus segredos,
não me importo com o
passado nem com a falta
de seus beijos, nunca lhe
dei ores ao contrário de
um violão, reinventemos
um novo dia como se
fosse uma outra canção.
Poderíamos tentar, iguais
a crianças inocentes querendo casar,
faríamos sagrado o que
se queimou e hoje você
não entende, agora minhas
palavras são sussurros que
não falam pelo seu silêncio.

12
Nosso País

Em nossa Pátria não há lei, roubaram nossas


calças, Estamos nus e escondendo
a vergonha, nossas crianças brincam no quintal,
enquanto sempre estamos distantes...
E ainda queremos reconstruir um amor.
Hoje garotos se disfarçam de tiras e morrem...
Morrem como policiais que dão bala para os
nossos lhos, e sepultam os nossos pais.

13
Vidas em masmorra

Sua vida esta lá fora morrendo por


uma garota, e você
esta preso em sua cela.
Vamos sair de uma história escolar, eu já
não quero car mais
aqui, tudo esta formado no que você achou ser
sincero, mas ela só acha um teatro inventado, de
planos incertos, e apenas só é mais um m.

14
Morte

Me enterro sem dizer adeus, sem


um simples até logo aos amigos meus, me enterro
de todas as buscas que inebriaram os meus sen-
timentos, alegres dias que agora morrerão em
tristes momentos, fugirei em silêncio e acordarei
em
um sono, mas ainda assim direi quantos amigos
eu amo: Diogo, Eduardo, Henrique, Jorge, Robson,
Daniel, Douglas, Edson, Morrison, Júnior Luiz e
caju, Marcelo meu primo e o cabeção, Vagner
e todos que zeram de mim seus irmãos, e as
garotas amo todas, principalmente a Isa e Karina,
a festa terminou, não existe mais risos.

15
Amigos

Me entardeço,
Mas meu sol
sempre vai se
pôr para o mar
de meus amigos.

16
Cama Coberta

Na minha cama durante as noites procuro alguém


à quem minha alma possa amar, lembro de um
nome, e meu corpo descansa, embora distância me
possa enganar, vejo a noite perdendo as estrelas
para um sol que brilha sem lar, que clareia em
um escuro fechado e leva um nome que não
posso falar,
sou o seu espião, seu espelho, posso tudo sem
reetir, mesmo que chova e persista ainda
sem beijo estaremos aqui, vou tirar as nuvens
de nossas
casas, nosso amor é mais quente que o verão de
Leblon, é maior do que rios e mundos, letras
de amor de uma bela canção, que nos
levam sem carregar, as nossas esperanças em
gotas de água.
Minha terra é pequena, mas cabe sua casa num
jardim, cabe as plantas, cabe as ores, cabe as
mudas de um jasmim.

17
Jardineiro das Palavras

Em dias tristes
e sem cor, sempre estarei aqui para
lhe mandar ores
e fazer de sua alma
um lindo jardim.

18
Coração

Eu leio o seu
coração com
páginas que completam
seu rosto.

19
O que somos...

Somos tão belos,


nunca copiaremos
uma criação, mas envelhecemos e
morremos jovens
velhos e internados
por uma solidão.

20
Pilar da criação

Ela é linda, e eu, apenas um mero Plebeu.


Eu morreria por ela e sem
Ela eu viveria sem eu, eu
daria o meu mundo para ver
os seus olhos celestes, rosto de nuvens
e mãos que me aquecem,
ngiria existir se estivesse morrendo só para
vê - la sorrir e não vê - la sofrendo, me
entrelaçaria em seus cabelos negros, onde os mor-
tais não conseguem tocar, seria um pequeno
átomo perdido querendo ser algo em sua matéria.

21
Meu outro lado

Vou estar perto de você como a menina de seus


olhos, perto como seu coração, perto como o
fogo está para o incêndio, e assim como névoa,
chuviscos que caem ao chão, não vou te enganar
como o tempo, e as rugas e o espelho, hoje é
jovem, amanhã envelhece.

22
Vida

Viver as vezes
é nossa morte,
mas não acordarmos nunca mais é
desistir do que sempre fomos
e do que
queremos ser.

23
Vasos de gente

Nem todos tem carinho,


mas todos querem amar, somos todos feitos de
barro, e com lágrimas e
risos podemos chorar, e
o seu coração se derrete
enquanto o meu é insípido, mas ainda consegue
bater quando dosado com a sua
essência.

24
Anjo da terra

Me esforço em ser seu anjo, embora de asas


quebradas por ser imperfeito, quero estar sempre
presente mesmo que não seja mais o seu diário
escolar, mesmo que minhas poesias não tenham
mais sentido, e passem a ser todas ingênuas,
nunca peça desculpas porque somos todos vasos
de barro... e um dia podemos quebrar.

25
Quimeras que acampam

Minhas pernas andam, em passos que em terra me


apequeno, e da minha memória escrevo o tempo,
em garranchos que em vida se conserta, para
achar o melhor rescaldo de pedra do que era o
nosso fogo.
Agora sou o sol que me aquece ...
Mas estou morrendo pelo frio de seu inverno.
Onde estão os dias em que ensinamos o nosso
amor a andar?
Enquanto engatinhávamos em nossos próprios
berços?
Acho que não temos mais...
Acamparmos em sombras do passado E esconder-
mos a nossa neblina... Era isso que eu pensava
Mas vejo que não havia...
Tocar um violão em sua calçada, tomando um bom
vinho.
Tocar um Rock antigo e também um Tom Jobin.

26
Amor em granito

Eu amo muito você, e não pretendo ser só


um enfeite de neve, e destilar no próximo verão,
todo carinho que tenho não foi abandonado, mas
foi gerado pela sua meiguice, não por força de um
acaso, serei romântico, não do tipo
que manda ores, mas do tipo que gosta de tirar
um sorriso de sua face.

27
Matrimônio

Por favor não desista de sua escola do amor, eu


quero te amar em verbos secretos, estar sempre
em seus pingos nos is, e sempre em seu ponto
nal. Mesmo que nos tempos passados a borracha
das lágrimas destruíram o seu papel, mesmo que
rasgaram a sua vida e não mais costure o seu novo
véu, compre o seu novo vestido, porque você
sempre será uma princesa.

28
Dias

Enquanto dormimos perdemos os nossos


barcos, com nossos
dias de sono junto
com ele, enquanto dormimos as redes
se vai, em sonhos de
arrasto que não nos
arrastam mais, enquanto dormimos Papai fecha a
porta, e diz que não
iremos no baile amanhã, agora você me consola,
inconsciente de seu
próprio amor.

29
Época

Seu terreno esta marcado, coberto de matos, de


insetos que nos querem
picar, repleto de plantas que agora estão secas...
Somos camponeses esperando o amanhã ama-
durecer, colhendo nossos frutos podres do que
sempre éramos ontem.
Você espera a primavera passar... e depois volta
para a sua estação...
Eu ti dou ores, e você me fere com seus espinhos
em suas próprias mãos...
Agora estou sangrando e não vai cicatrizar, agora
estou morrendo, e você não vai me salvar.
Sua compaixão é um espetáculo, que ri de minha
esperança triste...
Morro poeta pobre e não quero a minha lápide.
Só quero descansar sobre águas que não tenham
o seu gelo.
esquecer o verão que não tenha o seu tempo.

30
Karina

Nos labirintos da noite procurei o seu rosto.


Pisei nas escadas quebradas para subir seus
degraus Havia janelas, sempre havia olhares Mas
nunca era o seu que pairou sobre lá.
Nas montanhas da vida, montei minha aldeia, fazia
fogueiras de sonhos para me aquecer
Vivia escondido em lagos de solidão Caia chuviscos
mas não era você .
Em todas as luas,
marquei o teu nome
Em toda aurora, meu mundo era um Onde
esta a garotinha perdida?
Que vendeu o espaço, pegadas , e um triste
perfume.
Me leve em seus quatro ventos
E cairemos em nossas terras
Me faça sentir toda a sua liberdade
Preso em sua linda mansão.
Tudo que tenho você terá!
E teremos o que poucos tem!
O innito de nossas células
para amar... em toda a nossa velhice.

31
Soluços do Tempo

Os soluços do tempo me zeram quase sem


respirar, sempre precisava beber do seu amor, mas
seu gosto sempre era uma lenda, e me levava para
os quartos da morte.

32
Campos de concentrações

Nada é incansável quando pisa - se na mesma


terra, adubos trazem o odor que
se tornam frutos, arames cercam.
E crescemos, queimamos, somos regados, des-
botamos no centro de uma fazenda,
os animais comem no pasto, no ressurgir de uma
fotossíntese,
um matadouro acontece em uma mesa vegetal.

33
Jardim do Éden

Hoje dormi sentado, tentando fazer, o que zesse


você melhorar, abri o meu mundo, e tranquei as
portas, enquanto você ainda dormia, de mim tirei
uma costela para refazer você de novo, z o meu
próprio licor, para substituir a sua embriaguez. -
Tudo que eu z, acho que ninguém fez.
Não quero ver você doente, morrendo por falta de
amor, não quero perder a minha mente, por deixar
você com a dor.

34
Último Dezembro

Passei dias deitado como se fosse o último Dezem-


bro, em todas as noites eu estava morrendo,
sem garotas, e com poucas mentiras, trancado
em meu quarto e quase sem despedidas. Eu não
agüento mais ver amigos como uma ultima melo-
dia, eles vão embora e saem do ar.
E eu não sei mais no que pensar, se em tudo eu
já pensei.
Eu não sei mais no que fazer, se é que um
dia eu farei.
A minha alma esta dormente de tantas pílulas de
engano Tenho que tomar goles de vontade, do que
pra mim, só me faz insano.
Todos os carros já foram embora, e é o m de um
m de semana
Agora só tenho fotos de bagagens que eu não pude
levar:
Talvez uma mulher, um lho, e grandes lem-
branças.

35
Rosto geométrico

Estou dançando na sua chuva, que se evapora em


mim,
não imaginei que fosse tão linda, como o hino de
sua voz, não imaginei que pessoas pudessem ser
sonhos, e no mesmo tempo serem reais.
você disse... você não merece elogios assim,
porque tudo o que eu falo, já te disseram, e
tudo que eu z, já lhe zeram assim, não posso
desbloquear a sua mente, nem quebrar as bar-
reiras do seu encanto, porque tudo o que é perfeito
não precisa ser dito, e nem sempre precisa ser
santo.
acho que vou partir os séculos e dividir os meus
poucos dias. Subtrair a memória para esquecer as
feridas, você é a soma do que nunca eu tive, que
se enquadra na matemática de uma mulher, com
rosto simétrico de um olhar esquecido, me perco
em meus versos que são apenas qualquer.

36
Rios de um sentido

Os rios do sentimento nos levaram a cataratas,


estamos cegos despencando em nossa própria
rocha,
e não temos braços para nos segurar.

37
Muralhas do Passado

Antes que tudo caísse, eu não queria lhe ver em


ruínas, cimentei todos os desejos que não estavam
no plano, para tentar te ver de pé.
Acho que sou o soberano das dores que eu mesmo
causei, e você: é a minha
Grécia antiga, que eu lancei na arena...
Agora o meu mundo é um coliseu sem aplausos.

38
Harpa Intocada

O meu peito é a Harpa que ninguém pode


tocar, exceto pela canção de sua voz,
e o afago de suas mãos.

39
Um samaritano

Queria ser o raio que cortasse a tempestade de


sua dor
A verdade que o mundo mentiu pra você
O carinho de uma vida nas mãos de um doutor
Os dias felizes que você nunca viu
Aprendemos muito, para amanhã não saber
Que quase tudo nunca foi respondido
Seremos uns livros velhos...
Mas poderemos ter histórias para as nossas cri-
anças...
Que nunca já foram esquecidas
Passe um pano úmido em sua mente, e veja que
tudo será limpo
Abra um sorriso no espelho dos dias, e tudo será
reetido
Hoje comprei um presente pra você, mas não sabia
o seu gosto...
Não sei se é um barquinho, com um mar, ou são
apenas cisnes.

40
O que somos

Vou tomar comprimidos de solidão para ver se


esqueço o Hospital do mundo...
Colocar placas e um outdoor, para dizer que ainda
estamos todos aqui.
E ainda nos apaixonamos, como se fosse uma
primeira vez...
Vamos contar um conto pra dormir, e acho que é
toda a história
Ossos a pó, de nossas promessas, expostas ao
chão de nossas ruas molhadas, muros pichados
dizendo eu te amo, enquanto em casa a guerra é
pregada, corações perdidos estampados no peito,
enquanto se perdem em um nevoeiro
Vamos mudar os nossos reinos e dizer quem esta
no comando, vamos navegar nos rios de um
sentido, e dizer que ainda estamos sentindo
Todos os dias é dia de escola, e nunca aprendemos
a ler um rosto.
Sabemos a diferença do céu e da terra, e criamos
o nosso próprio universo.
Não posso calar minha boca, porque o silêncio
nunca é constante, mas só queria te dar um beijo e
partir para o próximo ônibus.

41
Juventude velha

Éramos apenas jovens, buscávamos o que todos


ainda procuram, tínhamos um rumo mas nunca
tivemos um caminho nas ruas, minha adolescência
foge como uma criança para o parque, minhas
idéias foram embora, minhas verdades tornaram -
se mentiras e disfarces.
O meu nome apenas dorme no repouso onde não
acordo mais, apenas danço na noite do sono, sem
seu silêncio e paz.
Cidades, ruas, calçadas, praças, bares, whiskys,
mulheres nuas jogadas, sou um vagabundo
comportado, uso social só pra disfarçar, vou a
igreja todos os dias, mas nunca aprendi a ajoelhar,
minhas drogas foram trocadas por alcatrão do Par-
aguai, um dia fui garoto, hoje eu sou pai.

42
Manequim da vida

Ela se veste de preto e percorre a cidade em


quase todas as noites,
atravessa as lojas dos anos, para comprar
maquiagens que já retocaram o seu rosto, por
dentro um boneco de argila se derrete na vitrine
de sua presença,
enquanto ela pega peças de amor em migalhas,
para ainda tentar consertar.

43
Mary Jane

Estou procurando pincéis que desenhem sua alma


brotando, sem folhas caídas no chão.
Vou clarear um pouco de sua sombra, para que
esqueça as raízes que lhe derrubaram, irei te
cercar por inteira com as ores que nunca encon-
trei, e onde as pétalas caem...
colocarei o mel do meu beijo.
E caso estiver gramado, darei origem a sua
oresta, com animais que não
Destroem o seu caule.
Porque hoje você existe, não apenas num quadro.
E meu conhecimento estará em você, e seus frutos
serão sagrados.
Porque hoje minha memória te fez sem rasuras,
com tintas que nunca secam.

44
Ogiva de esperança

Olá linda donzela, fuja de sua mente triste, e


remonte um novo cérebro.
É fácil, se você se esforçar
Jogue bombas atômicas num coração nuclear, e
veja do alto a explosão que vai dar
E tudo será consumido
Olhe em toda a sua volta, muitas pessoas cairão
em poeira
E no subsolo de uma inconsciência, todos ainda
verão, mesmo sem luz no
escuro
Faça uma nova contagem, para se ter num espaço,
e terá mais amor tóxico pelas sombras de seus
astros. Hoje eu sei, que o seu planeta esta em
extinção, mas ainda podemos fazer um nova terra
girar.

45
Mundo

O mundo
é o palco,
não quero
ser a platéia
que não
interpreta
em sua vida
o que meu
coração esta
desejoso e
quer representar.

46
Contos de fada

Sei que não sou um príncipe,


e tampouco
serei um sapo,
só não queria
car num poço,
e nas lamas
de seu riacho.

47
Fim de Tarde

Eu
não
quero
anoitecer,
por não
ter você
em todos
os meus
dias.

48
Namorada Lunar

Ela anda com os pés descalços, e tem uma lua


em sua alma, utua no orvalho de meu terraço,
e sempre traz roseiras para a minha calma, quero
beijar o céu de sua boca, mas ela sempre esta
em eclipse.

49
Retratos de verniz

Eu sempre irei mandar coisas antigas,


da mobília do meu coração,
ele esta cheio de pó,
mas um dia ele será móvel de novo!

50
Enciclopédia Genealógica

Estou folheando cada capitulo de nosso passado,


todo amor em letras góticas nas marcas d’água,
pequenos espaços de sombra, mesas e máquinas
escrevendo cópias de carbono, as vezes lançadas
num cesto de lixo, ou digitadas por um neurônio
romântico, a estrela de um Marco Antônio se pul-
veriza em um planeta suicida de Cleópatra, cenas
do conto das bruxas queimando no poste da luz
da praça, inquisição sangrando nos olhos de um
papa disfarçado de roupas brancas, uma pomba
defeca na bandeira da paz e um assassino é solto
da gaiola dos loucos.
E é natal, e todos estão empregados, à serem
escravos dos senhores feudais, um verdadeiro
prato de babilônia ironiza o seu salário de um ano.
E o povo festeja, com um champagne, e a espuma
absorve os que não ganham presentes, o Pinheiro
é posto no inicio da casa, com cores que piscam
cada desejo.

51
Reformatório

Ela lê versos ao ir para a escola, e sonha em


ser veterinária, desarma soldados sem ir para as
guerras, e em casa vive as suas piores batalhas, eu
tento lhe tirar de calabouços, mas minhas armas
são poucas para as suas lágrimas medievais, por
favor me dê um sorriso, e diga que ainda esta bem
e em paz .
Eu ainda posso arrancar a pedra, que há guarda
em depressão, eu só queria te despertar do
beijo, que te deixou com sono de mim.

52
Palavras

Procuro as palavras no dicionário


da minha mente,
e
nenhuma
descreve o signicado
que você tem pra mim.

53
Romance sem Rosto

Quase montei
um quebra cabeça,
mas acabei perdendo
várias peças,
principalmente a parte
que formava seu rosto,
que conseguia montar
perto do meu.

54
Pessoas feitas de casa

O tempo é muito curto para se ter


grandes amigos,
vivemos uma vida toda,
e as vezes nem conhecemos as pessoas das ruas
lá de cima, sua amizade hoje foi o maior abrigo,
que vale mais do que muitas casas...

55
Lados

Onde estão os lados? Minha casa por fora é mal


feita, mas por dentro já guardou muitas vidas,
Onde estão os lados? aluguei o meu amor
e não posso mais entrar nele.
Onde estão os lados? A luz se esconde em um
quarto apagado, e você espera alguém ascende -
la
para você poder enxergar
Onde estão os lados?
A felicidade esta num jovem solitário que nunca
viu
uma praia, Ou numa garota
rica que empresta o seu sorriso, para uma pobre
que nunca sorriu.
Onde estão os lados?
Em uma caixa de sapato com o passado, ou numa
foto que sempre esta guardada em você.

56
Incêndio no Prédio fantoche

Meu edifício esta em chamas, no condomínio da


sua mente, por favor não brinque com as águas
enquanto há fumaça em meus olhos, a distância
é grande,
mas eu ainda posso pular.

57
Escombros e oxigênio

Temos a tristeza de um suicídio, mas não podemos


prender a nossa respiração, nem sempre a vida
nasce num ventre, ou no sorriso de ser uma mãe.
Não sabemos o nosso objetivo, mas perder o
próximo dia, é perder a melhor aula que nunca
tivemos. Vamos empoeirar o livro das dores, e
guardar em um baú esquecido.
A professora disse:
- hoje podemos desenhar, - feche seus olhos e
desenhe seu mundo comigo, sem crianças com
câncer, e sem tardes depressivas, com jovens
namorados que nunca vão mentir, por favor con-
tinue... ainda tenho mais um papel, e esse é o
seu, do seu novo lar, com blocos de amizade que
permanecerão para sempre, com seus lhos no
quintal, que sempre irão crescer, regando a árvore
que você não podia plantar, mas hoje você pode.

58
Poeiras nebulosas

Nuvens se movem
em pálidas tardes, pingos com máscaras, cobertas
de cinzas no céu.
Coloração dos ventos, lágrimas incolores, que
caem sobre meu rosto sem proteção.
Amor microscópico quando é madrugada, sem
brilho e sem brisa para olhar o universo.

59
O princípio é você

Você é uma virtude no centro de uma terra squec-


ida, quanto a mim não sei o que eu faço de uma
vida.
Se a vida nunca me fez, nos tempos da guerra, se
morria pela pátria deixando lho e mulher.
Naquele tempo o amor existia, porque se sabia que
poderia o não ter.
Agora sou o silêncio que fala por gramática sem
português, não existe palavras que consertem os
erros que z no papel dos anos.
Acho que eu nasci quando todos quase já se foram,
e nesta terra que só gira para uma coisa e não para
todos, encontrei o seu astro perdido no buraco
negro dos cantos de um céu.

60
Esposa de um Reino

Geleira de um inverno, iceberg de um amor der-


retido, monte everest de todas as arcas, m dos
polos que separam o quente do frio.
Consagração de um mito quando não existe mais
fé.

61
Passagem

Aroma de todos os meus desejos, torre que me faz


ver a cidade eterna como o último céu.
Manto nas galáxias e na terra, oráculo de todos os
dias de um último Rei.
calvagaria entre todos os ermos,
só para beber d’ água, que me faz vivo
enquanto a vida se secou.

62
Sozinhos

É tão triste quando se está só, o vento sopra para


cima tornando leve o que se sente.
Na platéia você é o único, ao seu lado o ambiente,
quando se está só palavras não tem sons, palavras
não existem, sufocadas pelo silêncio que as devora
e nos atinge, quando se esta só, somos mudos,
somos pedra, somos fogo, somos terra, queremos
enxergar o innito, fazendo parte dele mesmo que
tão longe, e assim estamos pertos, mesmo tão
sozinhos, estamos certos.
Um dia ainda encontraremos alguém, mesmo que
hoje não temos ninguém.

63
Corvos da Humanidade

Vozes seladas, como um anjo renegado de subir


para os céus, orestas medrosas, ocultas de um
culto sem cemitério, velas acesas esperando o des-
tino assoprar, quando já não se existe um destino.
Corvos clamam a vinda de um líder, enquanto
apunhalam as nossas almas, ngindo ser sangue
inocente.
Cara ou coroa, refaça sua escolha, porque aqui não
existe dois lados.
Mistérios e voltas, se beijam no rosto, como se
fosse um próximo hóspede, escadas que descem à
gruta quando cortinas se fecham no céu.
Me diga onde está? Sem sentir medo Sem sentir
medo, me diga onde está? Tudo acabado, quando
jaze a memória, no julgamento de um juízo
nal.

64
Mulher Mistério

Você me mostra um mistério dentro de ti,


Que induz a tocá - la como um mago sem tenda,
lustre em um castelo sombrio, candelabro de todas
as mesas, nupcia das trevas com o céu, vigiada
por olhos de nimbo, instituição para um colegial
ensinando efeitos orgânicos, possuir - te - ei
como reis do norte e do sul em uma antiga guerra
romana, suas palavras me picam como serpentes,
cleópatra de meu Egito de cactos.

65
Débora

Primeira semana de novembro, ano dois mil,


mais uma vez eu tento escrever.
Algo que esquecesse uma tarde, com uma notícia
para uma garota!
Onde a aula foi feita numa lousa sem giz
Em nossas carteiras rebeldes!
Estudantes de uma sala vazia, novamente o velho
ditado
Lápis de cor em nossas vidas, educação artística de
uma revolta sem mestres
O garoto que você esperou, talvez nunca levou um
anel que coubesse
Dedos de menina merecem coisas melhores do que
latas cobertas de ouro
A formatura vai começar, acabaram - se os testes,
m das réguas que zeram medir nossos choros
que mal sabemos contar, o diploma esta feito com
um pouco de história.
Conhecemos todos estados mas eu prero losoa,
o portão se fechou por causa de nossas faltas.

66
Ártemis

Sou um autor desconhecido de poesias roubadas, o


último blues, cantado num palco.
O disco mais velho na coleção da garota,
como Jonh Travolta nos tempo da brilhantina
Sou apenas um jornal de publicidade imaginando
a sua próxima idéia, o toque que faltava em todas
suas partituras sensíveis.
lindos cachorros com nome de Deuses passeiam na
varanda de minha garota, ela me testa, e me faz
tímido, enquanto eu ainda estou no portão.

67
Cavaleiros do m

Você veio de longe, com sandálias desgastadas


pelo chão da cidade, deitou sua face em minha
mente, e nunca mais despertará de seu sono,
a pálpebra de seus olhos decai, fuzileiros atiram
sobre meu quarto, um trinco guarda nossas vidas,
de minas que estouram e não nos separam,
nos cobrimos por uma camuagem aita, tanques
esmagam pensamentos de um amor vietnamita.
Floresta virgem de venenos, espalhando seiva pela
terra, um lavrador corre para achar outro lugar, na
mesma hora que um índio se esconde na plantação
de uma erva.
Americanos acendem cigarros, e explodem um
pulmão, os brasileiros inalam.
Erguerei uma bandeira não no solo mas num
corpo, enquanto os presidentes
comemoram!
A mesa esta cheia como nos dias de um rei,
bonecos de carne perdendo uma
guerra, paz e nações unidas, passeatas imploram
comovendo uma terra, uma donzela lhe conquista,
com um cálice na mão, e apresenta a pousada, o
querosene da lamparina se esgota na noite sem
som, ela se torna seus olhos, te leva para o mundo
do éden, você se despede na passagem de um
túnel, um amanhecer estrangeiro, uma bala vem
vindo, não se sabe de onde, dizem que foi dos
amigos, aqueles que eram para serem pra sempre.
68
Origem

Inimaginável como o principio, somos parte de


uma obra inacabada que tem o seu m,
não sabemos nem quando nem onde, mas estamos
aqui, a vida morre, incorpora em adubo, nasce
uma or.

69
Desejo em moléculas

Tudo que z não tem nome, o que quis era amar


o amor, agora tudo que sou eu era, era tudo que
sou, minhas palavras não falam mas dizem o que
não poderia falar.
Sou parte incompleta do que ainda existe em seu
ar.

70
Castelos de areia

Não são para sempre


Assim como o amor não é para gente
Tudo esta fora de lugar
Como castelos de areia nas ondas do mar
Mas mesmo assim vou car
Aqui no seu quarto até escurecer...
Castelos de areia não são para sempre
Mas njo querer que você se lembre
Que a vida é curta e o amor quase existe
E o sorriso nas bocas na verdade é triste
E que a verdade não esta lá fora
E todas as mentiras não foram embora
Seu caderno esta fechado sem recordações
Rabiscado com as tintas de nossas ilusões

71
Poetas

Nunca vi um poeta de nome Fabio, entre o meio


de Cruz e Souza, conheço Vinícius, e Carlos que
tem um grande peso em Drummond, já vi augusto
dos anjos olhando pra mim nos livros fúnebres, já
vi Jim Morrison um ídolo, em oração americana,
vi cazuza criando um livro e cantando exagerado,
como
Camões nos trechos de Legião Urbana, olhei Raul
sendo rejeitado, na cidade
de caieiras, não acredito nos reis dos magos, mas
em duendes de Shakespeare.

72
Amor

O amor não tem face, porém é mais belo que todos


os rostos.

73
Sonhos não morrem

Ele está em seu carro indo para um hospital, a


estrada é longa mas ele leva seu sonho, sua princ-
esa está lá dentro mas ela tem medo da morte,
ele não pensa em mais nada, apenas vê o seu dia
morrendo e corre...
Ele observa o rosto dela, está triste e frio, falta só
mais um pouco, não feche os olhos, ainda teremos
um lho. Nas mãos dela ela segura uma rosa,
dos tempos que era uma dama de honra, e ela
vai se lembrando de tudo, dos amigos e da sua
infância, seus pensamentos vão se rastejando em
memórias que não foram perdidas, e ela se lembra
do primeiro beijo, seus 15 anos, e de suas maiores
conquistas, nalmente eles conseguem chegar, os
aparelhos estão ligados, estão todos os médicos
e enfermeiras... luzes clareiam os olhos escuros
enquanto vozes penetram em seus ouvidos tapa-
dos, ela brinca de ciranda, passa o anel, entra na
escola e arruma namorados, ela já é adolescente e
pensa em se casar, enquanto ela esta sorrindo as
seringas à querem acordar.
Pulsação mais regularizada, e mais morna eles
passam, tesoura, soro, bisturi, percorrem o corpo
dela como se não mais houvesse um m, ainda
envelheceremos juntos, assim ele pensa, assim sua
voz consegue dizer, ele toca nos dedos dela, com
soluços e trêmulo ele tenta esquecer.

74
Morte do rock

Um caixão foi enterrado, com os ecos dos Homens


que choravam pela morte do Rock, armas e rosas,
donzelas de ferro, a tv transmite o velório.
O sonho terminou, ou só era a voz de um beatle.
Os Deuses de hoje são morcegos de plástico,
hahaha.
sugam seu sangue e sentam no trono com o
público, procuro cogumelos entre estrumes que
restam...
E a alucinação se transmuta, os arcanjos acorren-
tam abismos, há sinos tocando, freiras se despem,
nas sinagogas de padres virgens.
Guardiões de um show voltam com suas guitarras
mágicas, um woodstok ultrapassa os crânios.
Suave mulher vestida de branco, casa-se com os
cavaleiros do armagedon.

75
Conssão

Sou um Homem quieto, algemado pela cadeia de


seus olhos, o disfarce da madrugada
no transe para o dia.
Não sou o ultimo encontro do dourado com o
negro, nem as palavras que não saem pela fome,
amo as proles que só você leva, na escola e na
casa da vida.

76
Dama de negro

A madrugada esconde versos, enquanto espero


uma ligação, 10 minutos te tempo não pode
agüentar tintas que escorrem em sulte, Embar-
alha espaços em branco dos quais caberiam sua
marca em papel, mesmo assim deixo o lado
inverso que sinto, vago, para que façamos um
romance juntos.

77
Minha Família

Meu pai faz doces, minha mãe bijuterias, tenho


um irmão pequeno que vende chinelos com jóias
para os pés de mulheres.
Não trabalho mais na industria de dores, escrevo
em um teto coberto de telhas postiças.
meu quarto é de beliche, chão avermelhado, e a
cozinha é coberta com o piso,
com um armário com capas de revista de surf,
com um homem sozinho no mar.
aqui tem jardim e planta, samambaia que um dia
caiu em um gato.
Um telefone que nunca consertei, tem também um
vitrô com a marca de um tiro.
A entrada tinha mármore...
Tornou - se cimento com rachadura, que uma vel-
hinha deslizou quando era um bebê.
De mês à mês tiro a grama dos fundos, mas ela
cresce...
Fico observando como tudo passa, a garagem tem
carros, e na rua vizinhos, dois cachorros protegem
o lar, um com o nome de lobo, e o outro com nome
de gente.

78
Fim

Adultos tentam catar os ventos, mas são crianças é


que soltam pipas com o ar,
jogamos xadrez facilmente, mas com estes reis no
governo meu tabuleiro é de damas.
O mundo é um cassino transformando pessoas em
moedas, de onde viemos, porque existimos,
O que nós somos?
Quanto vale à sua bondade?
O preço de uma muleta que irá lhe apoiar na idade,
ou o seu carisma que te lançará das cadeiras do
asilo.

79
A garota que amei

Ela veio da escola e brincou de silêncio,


Ligou o rádio com a canção dos anos.
Pegou o caderno na escrivaninha,
Com o nome de seus amores:
- Marcos era advogado, mas nunca fez juramento
- Roberto era escritor, mas nunca faria um romance
- Rodrigo usava óculos, e lia os olhos da menina
mesmo sem lentes...
Mas era tudo uma armação.
O último é fotógrafo, de nome Antônio.
Ele planeja o álbum do casamento...
Com ashs de votos, e cerimônias.
Entre estes eu quei na capa que ela não retirou...
Debaixo de um veludo escondido por um lenço.

80

Interesses relacionados