PCP: O ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO LUÍS

Antonio Marcelo Pinto da Silva * Haroldo Macedo Fontoura **

RESUMO
As grandes mudanças econômicas ocorridas nos últimos anos em São Luís-MA tem propiciado a implantação de empresas de variados ramos; este artigo tem o objetivo de mostrar como o engenheiro de produção pode ser um diferencial para micro e pequenas empresas, contribuindo para o aumento da eficiência do sistema produtivos através da sua visão sistêmica e conhecimento técnico científico, eliminando desperdícios , melhorando a qualidade dos produtos, aumentando os lucros, tornando-a mais competitiva e contribuindo para crescimento estratégico da empresa. Para isso fez-se necessário uma análise dos métodos e técnicas utilizados na produção das empresas estudadas para verificar o nível de maturidade existente em comparação ao esperado de um processo de produção eficiente e como o engenheiro de produção pode atuar para mudar a situação encontrada. Palavras-Chave: Engenheiro de produção. Competitivo. Sistemas Produtivos.

ABSTRACT
The economic changes in recent years in São Luís-MA has allowed the establishment of enterprises of various branches, this article aims to show how the production engineer can make a difference to micro and small enterprises, contributing to increased efficiency productive system through its systemic and scientific expertise, eliminating waste, improving product quality, increasing profits, making it more competitive and contributing to the strategic growth of the company. For this it was necessary to analysis of the methods and techniques used in the production of the companies studied to verify the existing level of maturity compared to that expected of an efficient production process and how the production engineer can act. Keywords: Industrial Engineer. Competitive . Production Systems

*Aluno do 10º período do Curso de Engenharia de Produção da Universidade CEUMA –UNICEUMA ** Professor orientador Mestre

fato que poderá trazer problemas econômicos financeiros para as empresas locais se elas não se adequarem a essa nova realidade. de qualidade a preços acessíveis. degradação do meio ambiente. atuando também nos diversos sistemas produtivos. desperdício de recursos. o lazer. gerando com isso desemprego e levando conseqüentemente a um problema econômico social. chance de competir no mercado. nossa educação. planejando-a. Ele tem uma visão sistêmica do processo sabendo que para o resultado esperado ser alcançado todo o elemento da cadeia de produção devem estar em sincronia. Dessa forma é muito importante que os temas relacionados ao gerenciamento de processos industriais sejam tratado de forma responsável por pessoas capacitada fazendo com que a industrialização só traga benefícios a sociedade. Quando o processo de produção é bem gerenciado o resultado é benéfico para a sociedade como por exemplo. Porém o que observamos em São Luís nas micro e pequenas empresas do ramos fabril é que essas ainda têm seus processos produtivos fundamentadas em práticas empíricas. alimentos. entre eles podemos citar. ou seja utilizam para essa importante atividade os conhecimento adquirido com a experiência sua e de outros. e por fim pode resultar no encerramento das atividades da empresa devido a perda de competitividade.1 INTRODUÇÃO A industrialização faz parte de nossas vidas desde o momento que acordamos até ao dormimos. controlando a qualidade e modelando os processos através da pesquisa operacional. as mudanças impulsionadas por grandes investimentos que estão vindo para o Maranhão estão trazendo empresas mais competitivas para São Luís. desde o pedido até a entrega do produto para o cliente. a roupa. trabalhadores expostos a acidentes. o transporte. enfim. produtos diversificados. mostrar como as micro e pequenas empresas em São Luís podem melhorar seus processos produtivos através Nesse processo de mudança e aumento da competitividade as empresas mais preparadas através de um bom gerenciamento terão mais . Através de pesquisa e entrevistas objetivou-se através deste trabalho. para tudo dependemos de produtos industrializados que passaram por um processo até chegar até nós. Nesse cenário o engenheiro de produção com seu perfil diferenciado e conhecimento tecnológico pode ajudar a desenvolver modelos para a tomada de decisões relativas a sistemas de produção. mas também há situações não benéficas oriundas de um mal gerenciamento dos processos de produção. produtos caros e perigosos a saúde. Esse fato é preocupante.

A primeira fase pode ser explicada da seguinte forma: No início da produção de mercadorias o artesão desenvolvia todas as fases produtivas. A origem da Engenharia de Produção ocorre quando esse artesão além de produzir preocupou-se em organizar. a produção acontecia pela experiência adquirida do artesão ao longo dos anos ou por experiência obtida de outros. desde a concepção e a criação do produto.br) A programação da produção era rudimentar e feita de modo empírico. berço da Engenharia de Produção os profissionais são denominados “Industrial Engineers”. somente no final do século XIX.br) Nos Estados Unidos. até a sua execução final. No entanto. mecanizar. tal como se concebe atualmente. não havia um conhecimento científico aplicado às atividades. No Brasil a utilização desta denominação não foi possível conforme (www. que se relacionam mais diretamente com esta modalidade de engenharia. principalmente a partir do denominado “Scientific Managment”.br) . uma bem remota quando a produção de produtos e serviços não era observada sob a ótica científica e a outra mais atual onde foram aplicados os primeiros conhecimentos científicos nos sistemas de produção estes sendo aperfeiçoados e incrementados até os dias atuais.org. (www. integrar. no qual Frederick Winslow Taylor (1856-1915) foi considerado um dos expoentes.abepro.abepro. mensurar e aprimorar a produção. 1983). 2 A ENGENHARIA DE PRODUÇÃO O início da engenharia de produção aconteceu em duas épocas distintas.de um bom gerenciamento da produção colocando essa atividade tão importante nas mãos de um profissional capacitado que é o engenheiro de produção.org.abepro. ou seja. Nesta trajetória deve-se destacar também os trabalhos do Engenheiro Henry Laurence Gantt Medal (1861-1919) autor do “Gráfico de GANTT” e do casal Frank Bunker Gilbreth (1868-1924) e sua esposa Lillian Moller Gilbreth (1878-1972) considerada uma das pioneiras da ergonomia (Leme. A segunda época foi promovida pelo cenário industrial que surgiu no final do século XIX em um período chamado revolução industrial. Com a revolução industrial iniciada no século XVIII na Inglaterra houve o aparecimento da manufatura introduzindo a máquina ferramenta. (www.org. surgiram atividades de sistema integrados de produção. que traduzindo para o Português significa Engenheiro industrial. Isso passou a exigir um tratamento mais adequado aos processos de produção.

químico e farmacêutico. 1) “a engenharia de produção trata do projeto.As razões para adotar-se o nome de Engenharia de Produção para esta modalidade quando o mais lógico seria Engenharia Industrial. de maneira econômica. Com o crescimento das indústrias de bens e serviços e a necessidade crescente de profissionais para atuar nas empresas industriais surgiu a necessidade da criação de instituições de ensino na área da produção que atendesse essa demanda surgindo assim a primeira instituição de ensino a oferecer o curso de Engenharia de Produção no Brasil. são os desafios e necessidades atuais do mundo empresarial. mecânico e metalúrgico. e a construção naval.Faculdade de Engenharia Industrial de São Bernardo do Campo em 1967. matemáticas e sociais. dez anos depois surgiu a FEI . assim como os princípios e métodos de análise da engenharia de projeto para especificar . sob a coordenação do Prof. predizer e avaliar resultados obtidos por tais sistemas. Nesse período teve início também em grande escala a internacionalização da economia brasileira. que cresceu de 37% para 63%. A origem desse crescimento. aperfeiçoamento e implantação de sistemas integrados de pessoas materiais. Tem como base os conhecimentos específicos e as habilidades associadas às ciências físicas. provavelmente. no ano de 1957. p. De lá para cá. informações equipamentos. . já ter definido como Engenheiro Industrial “como um misto de engenheiro químico. e energia . á época (década de 50). Para entender melhor como o Engenheiro de Produção pode atuar na indústria e em outros setores da economia. o crescimento dos cursos de Engenharia de Produção no Brasil tem aumentado. respeitando os preceitos éticos e culturais. tal como a “Industrial Engineering dos Estados Unidos. Ruy Aguiar da Silva Leme. com chegada de multinacionais. época considerada como o marco da industrialização da economia brasileira. nesse período o governo brasileiro dedicou dois terços dos recursos ao estímulo do setor de energia e transporte rodoviário proporcionando um grande crescimento da indústria de bens de produção. devemos conhecer e entender quais as atribuições deste profissional. para a produção de bens e serviços. implantada no Rio de Janeiro em 1958. conforme Batalha (2008. deve-se ao fato do sistema CONFEA/CREA. O desenvolvimento no setor de energia e transporte também favoreceu os ramos de siderurgia e metalurgia (automóveis). com uma maior especialização em um destes setores A Engenharia de Produção no Brasil foi impulsionada no período de 1956 a 1961. a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

As áreas citadas acima estão interligadas de forma intrínseca dentro de qualquer empresa e todas devem ser cuidadosamente geridas de forma sistêmica. investimentos. controles de processos. enfim. A visão abrangente. assim como não é possível desenvolver produtos e desejar que sejam aceitas pelo público se esses produtos não são ergonomicamente corretos e ainda para finalizar com é possível definir uma boa estratégia organizacional sem levar em consideração questões econômicas. capacidade organizativa e espírito empreendedor e por fim foco em Qualidade e Resultados que o impulsionará a construir soluções que levem em consideração a importância da interação e sinergia entre as diversas áreas da organização. Ainda para exemplificar fazendo comparação com um administrador de empresas o Engenheiro de Produção possui forma de atuação com diferenças significativas que segundo . foco em qualidade e resultados serão alcançados através do conhecimento em áreas temáticas apresentadas no encontro nacional de engenharia de produção ENGEP de 2007 que são elas: • • • • • • • • • • Gestão da Produção Gestão da Qualidade Gestão Econômica Ergonomia e Segurança do Trabalho Gestão do Produto Pesquisa Operacional Gestão estratégica e organizacional Gestão de Conhecimentos organizacionais Gestão Ambiental Educação em engenharia de Produção. supply chain industrial. não há como fabricar produtos com qualidade degradando-se o meio ambiente. conhecimento abrangente na área industrial. de forma a otimizar os recursos e maximizar os resultados. sem essa visão sistêmica do processo aliado aos demais perfis do engenheiro de produção o caminho para o sucesso não pode ser alcançado.Complementando o que foi descrito acima faz parte do perfil do engenheiro de produção a visão abrangente que englobe os planejamentos industriais. a gestão da distribuição. incluindo custos. bom desempenho gerencial.

modelagem de processos e pesquisa operacional”. p. segundo Lustosa (2008.3) nas quais o engenheiro de produção poderá atuar de forma a ajudar a empresa e ser mais competitiva no mercado.50) “a demanda pode ser definida como disposição dos clientes ao consumo de bens e serviços ofertados por uma organização influenciada por uma série de fatores que se estendem desde as condições macroeconômicas até questões . predizer e avaliar os resultados obtidos por tais sistemas. sistemas de produção.br) 3 ÁREAS DE CONHECIMENTO DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Abaixo estão relacionada as principais áreas constituintes do sistema produtivo. p. o engenheiro de produção possui uma capacitação distinta naquilo que diz respeito ao desenvolvimento de modelos para a tomada de decisões relativas a sistemas de produção. p. controle da qualidade. posteriormente comentaremos um pouco sobre cada uma delas ressaltando os pontos que as tornam essenciais para a produção de bens ou serviços são elas: • • • • • • • • • Previsão de demanda Gestão de estoques Planejamento Agregado e Planejamento mestre de produção Planejamento das Necessidades de Materiais Programação detalhada da Produção Sistemas de Controle da Produção Logística Sistemas de Informação Planejamento da Capacidade 3.“ele tem um conteúdo tecnológico que tem relação com outras engenharias e que não existe nos cursos de Administração.1 Previsão de Demanda Segundo Marco (2008.Batalha (2008.eseg. Em outras palavras . (www.edu. 8) “residem nos princípios e métodos de análise da engenharia de projeto para especificar. incluindo o estudo de conhecimentos específicos da Engenharia de Produção como: planejamento da produção.

informando quanto e quando estes devem ser produzidos e entregues ou seja o programa de produção não deve ser confundido com previsão de demanda. informações sobre eventos passados e futuros que podem influenciar o comportamento das vendas.130) “o planejamento agregado serve para garantir que os recursos básicos necessários para a produção estarão disponíveis nas quantidades necessárias. 3. por isso devem ser gerenciados de forma eficaz para não comprometerem os resultados da empresa”. p. utilizando-se método quantitativos aplicando-se técnicas estatísticas ou qualitativo onde são utilizados consenso de opiniões. o planejamento agregado e o planejamento mestre de produção.3 Planejamento Agregado e o planejamento mestre de produção Para ajudar nas ações a serem tomadas e obter resultados futuros desejado.77) “Os estoques representam um importante ativo nas empresas de manufatura. já o planejamento mestre de produção (MPS) leva em conta a capacidade disponível (resultante do planejamento estratégico e do planejamento agregado) e a distribui entre os vários produtos finais de acordo com os pedidos firmes já em carteira e com a demanda prevista para um futuro bem mais próximo” 3. segundo Helder (2008. . O MRP é alimentado pelo programa mestre de produção com informações de programação de produtos acabados. 3. p. como a disponibilidade de produtos e preço no ponto-de-venda”. e para que as principais decisões financeiras comerciais e operacionais sejam tomadas é necessária que haja uma boa previsão e planejamento da demanda. segundo Gilberto (2008.4 Planejamento da necessidade de materiais Outro assunto importante está relacionado ao planejamento de necessidades de materiais ou MRP.operacionais.2 Gestão de Estoque Outro ponto importante é a gestão de estoques. que inclui a coleta de dados históricos de vendas. Segundo Leonardo (2008. p. para a empresa o planejamento é fundamental com destaque para dois tipos existentes.143) “a falta de materiais e insumos de produção quando necessários gera problemas de não atendimento à demanda”.

O processo de gestão passa por 4 etapas fundamentais . p. a execução que significa fazer o que foi planejado e por último controlar as atividades realizadas e verificar se os resultados foram alcançados.3.205) constituem atividades do controle de gestão: • • • • • • • • Comparar resultados com planos principais Coletar e avaliar resultados parciais ou finais contra os padrões de desempenho Criar meios efetivos para medir as operações Comunicar quais são os meios de medição e os parâmetros básicos Transferir dados detalhados de forma que relevem as comparações e as Variações Sugerir e implantar as ações corretivas quando sejam necessárias Informar aos membros responsáveis sobre as interpretações Reajustar o controle de acordo com os resultados aferidos 3. p. Ainda segundo Helder (2008. p. o planejamento. 3.179) define logística citando o Council of Logistics ela é definida como” o processo de planejamento. onde e por quem cada tarefa deverá ser realizada para que as entregas sejam feitas no tempo certo ou de maneira que os clientes não esperem muito”. é decidir quando.5 Programação detalhada da produção Segundo Mesquita (2008. que são elas. a organização que consiste em distribuir o trabalho e estabelecer as relações necessárias .7 Logística e Planejamento das necessidades de distribuição ( DRP ) Sobre esse assunto Petrônio (2010. onde serão determinados os objetivos e ações a seguir . implementação e controle da .164) “Programar as tarefas de produção.6 Sistemas de controle da produção Segundo Helder (2008 p.203) “O controle do processo de execução deve ser feito no mínimo uma única vez no final da execução para poder saber se os objetivos planejados foram atingidos ou não”.

Esses sistemas são chamados de ERP que significa sistemas integrados de gestão. 266) “ é um mecanismo de cálculo centralizado . coletadas em intervalos regulares .9 Planejamento da capacidade O último item refere-se ao planejamento da capacidade. integrando as diferentes funções. segundo Helder (2008. 4 O CENÁRIO INDUSTRIAL DE SÃO LUÍS . diferente do estoque que” é considerado o grande vilão da logística. p. e do custo efetivo relacionado ao fluxo de armazenagem de matéria-prima. ou em tempo real. deve-se planejar a capacidade da planta de produção”. falta de qualidade da matéria-prima.eficiência. 261). falha no suprimento. e sua presença pode esconder vários problemas e deficiências como arranjo físico inadequado. retrabalhos e quebra de equipamentos Rodrigo (2008.8 Sistema de informação Segundo Petrônio (2012. Outro assunto relacionado a logística que também é de fundamental importância é o Planejamento das necessidades de distribuição ( DRP ) que segundo Rodrigo (2008. apresentando uma base de dados em um único ambiente computacional”. e produto acabado. uma vez definidos os produtos a serem produzidos e suas quantidades.” 3.388)“O sistema de informação facilita o fluxo de informações dentro de uma empresa. longo lead-time de entrega. 309) “a capacidade de um processo é um dos fatores críticos para o sucesso de uma organização. recursos humanos e engenharia entre outras. ou seja. pois representa dois terços dos custos logísticos. em cada estágio do sistema de distribuição física necessárias ao planejamento eficaz da produção e distribuição dos produtos. finanças. Sobre a importância da logística Rodrigo (2008. p. bem como do fluxo de informações do ponto de origem ao ponto de consumo” . 251) escreveu “a logística é considerada geradora de vantagens competitivas viabilizando a integração de cadeias dentro do conceito de gestão de cadeias e suprimentos. p. p. p. material em processo. 3. que permite processar um alto volume de informações . logística. quais sejam: manufatura.

p. pois é nela que o engenheiro de produção tem maior destaque. atualmente existem 7 distritos industriais.Na década de 60 houve o início do processo de infra-estrutura no Maranhão/São Luís. Imobiliário. Alimentos. em termos estatísticos. ou seja. Essa área foi escolhida. respondendo ainda por 99. a Cervejaria Equatorial que fabrica as cervejas BRAHMA e ANTARTICA entre outras. Gráfico. (http://pt. Metal Mecânico. Cerâmicos e Artefatos de Borracha e Cimento além de centenas de micro e pequenas empresas que atuam nos mais variados setores da economia local atendendo aos consumidores e dando suporte as grandes empresas. . possuindo características que o difere de outros profissionais. estes ultimos estão em fase de implantação. Santa Inês. Destes mais importante é o de São Luis. Oleaginosas. pois geram um enorme número de empregos e estão espalhadas por todo o Brasil. A pesquisa foi direcionada então para os “gerentes da produção”. gera 14 milhões de empregos. Também em São Luís há aproximadamente 40 outras empresas que atuam nos setores Químicos. Metalúrgicos. com o apoio de um questionário previamente elaborado.org) As micro e pequenas empresas são importante pois segundo Marco (2004. 60% do emprego formal no país. A construção do porto do Itaqui e a Hidrelétrica de Boa Esperança ajudou o Maranhão a despontar como um grande polo industrial. esse segmento empresarial representa 25% do Produto Interno Bruto (PIB). onde estão instaladas as fábricas de Aluminia e Alumínio da ALUMAR.1) “ elas são um dos principais pilares de sustentação da economia brasileira. Posteriormente as respostas foram tabuladas e então extraídas as informações necessárias para se chegar às conclusões necessárias sobre o tema levantado. Têxtil. Dessa forma para se chegar a uma conclusão sobre o tema proposto era necessário conhecer um pouco sobre a formação do profissional que está a frente da produção e como ele gerencia de forma eficiente e eficaz os aspectos da produção.8% das empresas que são criadas a cada ano”. Imperatriz e Balsas. três estão implantados em São Luis. Bacabal e Açailândia. que responderam a perguntas específicas relacionados ao assunto. 5 METODOLOGIA APLICADA O objetivo deste trabalho é mostrar como o engenheiro de produção pode ser um diferencial para a competitividade das micro e pequenas empresas ludovicenses atuando e nesse caso específico em empresas da área fabril. e constitui 99% dos 6 milhões de estabelecimentos formais existentes. Fertilizantes. e os restantes em Rosário.wikipedia.

E comercio de velas : Fabricação de velas. e pesar de todos conhecerem esse fato eles desconhecem os método necessários para auxiliá-los nas tomadas de decisão a respeito do mercado. 6.1 Previsão de Demanda A demanda é uma assunto de fundamental importância para empresa. Pesquisa de Mercado. pois é um indicador de aceitação do produto ou serviço. As empresas visitadas e suas respectivas áreas de negócio estão relacionadas abaixo: • • • • • • Diskfarda : Fabricação de fardamentos para empresas. Emapla : Fabricação de sacolas plástica a partir de material reciclado. Magic : Fabricação de detergentes para limpeza . Panelar : Fabricação de utensílios em alumínio para cozinha. as informações obtidas abrem as portas para um tema que poderá ser assunto de pesquisas mais aprofundadas no futuro envolvendo micro e pequenas empresas de São Luís e suas forma de gerenciar a produção. e ressaltando como o engenheiro de produção pode atuar no sentido modificando atual situação. foi feita uma análise das informações comparando-as ao sistema de produção moderno de grandes empresas como fator de competitividade no mercado. Esse assunto pode ser resolvido através da utilização de softwares como por exemplo o Minitab® este sendo alimentado com informações das vendas mês a mês. não tendo parâmetros para predizer com base em informações históricas de venda quanto e quando comprar. MAS ind. Simulação de Cenários ) . sendo possível dessa forma prever a demanda levando em consideração possíveis erros.Apesar da pesquisa ter sido feita apenas com seis empresas locais. 6 ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO E SEU DIFERENCIAL COMO FATOR COMPETITIVO Após a obtenção de informações extraídas das visitas e entrevistas realizadas. Também poderia ser aplicados métodos quantitativos ( por projeção e correlação) e qualitativos ( Método Delfi. Sa2 : Fabricação e montagem de elementos estruturais para construção civil. os produtos são fabricados com base nos pedido que são realizados durante o mês.

o presente e se planejar para o futuro. exemplificando em alguns casos o estoque tanto de matériaprima quanto de produtos acabados estavam em níveis acima ou abaixo do que a produção exigia.3 Planejamento agregado e plano mestre de produção Nesse sentido nenhuma das empresas visitadas possui um planejamento que lhes permita uma expansão planejada. as empresas vivem o momento do mercado.6. e as respostas obtidas informam que não há um planejamento para o futuro. sem analisar o passado. aplicação do método ABC. não existe um controle que permita saber qual a importância de cada item da produção.2 Gestão de Estoque Os estoques são considerados desperdício e devem ser reduzidos ao máximo. Nas empresas visitadas o controle de estoque é feito com cálculos simples. utilizando planilhas de cálculo e gráficos com base nas estratégias da empresa. que não correspondem a real necessidade da empresa. aplicação de indicadores de desempenho e modelos de reposição com base nas demandas independentes e dependentes. 6. Nesse aspecto o engenheiro de produção pode atuar visando o horizonte de planejamento estratégico com a finalidade de expansão dos negócios lançando mão de técnica intuitivas e gráficas. ou quanto e quando cada item deverá ser reposto. programação matemática utilizando a pesquisa operacional de minimização ou maximização e elaborando o RCCP (Rough Cut Capacity Planning) ou planejamento aproximado da capacidade. 6. por exemplo.4 Planejamento da necessidade de materiais . Há métodos e técnicas que poderão auxiliar as empresas para solucionar questões relacionadas a estoque. e aplicação de softwares de sistemas de controle que permite obter informações sobre o andamento das decisões e dos níveis de estoque em quantidade e valor. Uma da perguntas do questionário era se a empresa possuía um planejamento de crescimento.

LPT. Johnson.A falta de insumos e materiais de produção gera problema de não atendimento a demanda.velocidade de fluxo e utilização bem como determinar o desempenho através de dados como data de início e término . controle. carregamento de oficinas são realizadas e bem entendidas porém há falhas relacionadas a programação. apressamento. Designação. programação. entre outras. Para esse assunto o engenheiro de produção através de cálculos matemáticos consegue controlar o cumprimento de prazos. onde e por quem as tarefas deverão ser realizadas para que as entregas se dêem no tempo certo reduzindo ao máximo a espera do cliente. além de aplicação de progrmações PERT/CPM que poderão ser aplicados a projetos das empresas. despacho. que são os programas MRP II que englobam vários tipos de planejamento como. quando a tarefa deverá ser iniciada e terminada e controle garantir através de reprogramação ocasionada por eventualidades a continuação da programação. MDP. gerando desperdícios de recursos ou prejuízo nas vendas. tempo de fluxo . Ele utiliza regras de prioridade como por exemplo PEPS. atrasos. MTP. Buffa e Sarin. Ele conhece quais e como inserir as informações adequadas no programa bem como obter informações valiosas que o ajudarão a tomar as decisões adequadas sobre a necessidade de materiais para a produção.médio e longo prazo. causando estoques desnecessários ou falta deles. Sobre esse assunto as empresa pesquisadas tem dificuldades em calcular a quantidade de material necessária a fim de atender a demanda.6 Sistemas de controle da produção Tudo que se planeja para que se verifique que os objetivos serão alcançados os resultados devem ser controlados. Todas as decisões em programação. As empresas pesquisadas não possuem sistemas de controle . tempo total de trabalho . e algoritmos para determinar o sequenciamento de máquinas como o de Moore. possui ferramentas para tratar desse assunto de forma otimizada. A engenharia de produção. número de ordens . não há indicadores de desempenho e também não são utilizados regras de prioridade.5 Programação da produção Programar tarefas de produção é decidir quando. 6. O controle e a programação atual é baseado em experiências adquiridas ao longo dos anos baseado em erros e acertos. 6. planejamento de capacidade de curto. sequenciamento.

. melhorando a informação entre os principais elos da cadeia produtiva. execução . A armazenagem. pois os dados apresentados mostram que o projeto de rede logística não é bem definido. item que ajuda a divulgar e vender seus produtos. controle e ações corretivas.empilhamento . Há Muito a ser feito para que as empresas locais possam usufruir desse trunfo. também não há ações relacionadas ao controle de gestão. resultando em economia para a empresa.8 Planejamento da capacidade O planejamento da capacidade de cada empresa. 6. valores de transporte. Nesse aspecto o engenheiro de produção pode auxiliar as empresas no processo de gestão aplicando os princípios do Ciclo PDCA que são planejamento. umidade. nas fábricas visitadas a matéria prima e os materiais são armazenados utilizando critérios elementares como por exemplo não misturar produtos químicos inflamáveis com fontes de calor. não há programas relacionados a desperdícios. determina basicamente a quantidade de máquinas e mão-de-obra necessárias para a produção baseado na previsão de demanda e da análise do ponto de equilíbrio. quantidades disponíveis. otimizando o transporte das matérias e produtos de forma a evitar deslocamentos desnecessários e trabalhando na armazenagem adequada dos materiais e produtos. presença de animais e insetos não recebem a devida atenção influenciando na qualidade final do produto. Em todos itens citados o engenheiro de produção pode atuar de forma diferenciada estudando e propondo um projeto de rede logística mais eficiente através da utilização de softwares como a CAPS LOGISTICS.7 Logística e Planejamento das necessidades de distribuição ( DRP ) A logística é considerada um ponto chave para uma empresa ser competitiva. ou planilhas de cálculo alimentadas por dados como distancias entre mercados consumidores. que é a forma como o material em estoque é cuidado não é feita de forma adequada. sendo que outros aspectos relacionados a manuseio . Também é importante citar que não há uma preocupação como a embalagem do produto.da produção bem definida com a finalidade de buscar qualidade nos seus produtos e serviços. o transporte dos recursos para a produção e dos produtos fabricados até o consumidor final pode ser otimizado. 6.

As empresas não conhecem de forma clara a sua capacidade de produção.9 Análise situacional das empresas estudadas e atuação do engenheiro de produção Após a análise das informações obtidas percebemos que as micro e pequenas empresas de São Luís gerenciam a sua produção de forma empírica. Dessa forma existe um vasto campo de atuação para engenheiro de produção que sendo conhecedor de técnicas e métodos relacionados a produção. ou seja . não sabendo trabalhar esse item caso seja necessário. isso se deve principalmente a ausência de pessoas qualificadas com conhecimento em métodos e técnicas relacionadas a produção que os auxilie a tomar as decisões estratégicas necessárias. . ajudando na eliminação de desperdícios. a partir de quanto tempo o negócio passará a ser lucrativo. capacidade operacional e também o que seja um ponto de equilíbrio relacionado a produção. 6. bem como calcular cada item para ter um planejamento da capacidade baseado em previsões de demanda e como investir em máquinas e equipamentos caso seja necessário a expansão dos negócios. É possível o engenheiro de produção através de softwares de produção e planilhas de cálculo determinar quantidades e valores necessários em mão-de-obra e máquinas auxiliandoo a realizar os investimentos necessários bem como saber quanto tempo o investimento levará para atingir o ponto de equilíbrio . melhorando a sua competitividade e contribuindo para crescimento estratégico da empresa. melhorando a qualidade dos produtos. não sabem o que é capacidade projetada. pode vir a ser um diferencial nas micro e pequenas empresa de São Luís. aumentando os lucros.

ajudando a reduzir custos e aumentar os lucros bem como contribuir para crescimento estratégico da empresa. . sabendo que decisões tanto positivas quanto negativas afetarão todo o sistema. aliado a uma visão sistêmica que lhe permite compreender como cada elemento formador do processo produtivo está relacionado com os demais. melhoria da qualidade de seus produtos e serviços. promovendo o seu crescimento. eliminação do desperdício e aumento dos lucros. que contribuirá decisivamente para o aumento da competitividade das empresas. certamente o torna um diferencial competitivo. Concluímos então que é preciso adequar-se a essa nova realidade necessitando buscar no mercado um profissional que tenha formação voltada para a área de produção. aumento da produtividade. sem o embasamento científico necessário que os auxilie a alcançar os objetivos e metas importantes para a empresa como por exemplo.7 CONCLUSÃO As micro e pequenas empresas pesquisadas vem produzindo seus produtos e serviços sem o devido conhecimento e aplicação dos elementos constituintes do processo de produção. Essa situação que onera os custos operacionais pode resultar em perda de competitividade para empresas que já se adequaram às novas exigências do mercado possuindo em seu quadro ou sendo assessoradas por pessoas especializadas em produção e possuindo dessa forma uma gestão moderna e competitiva. Nesse aspecto o engenheiro de produção conhecendo método e técnicas relacionados a sistemas produtivos. gerenciando-os de forma inadequada.

Petrônio.br/interna. Administração da Produção. Toledo.edu. Origens e evolução da formação em engenharia de produção. Leonardo et.br/sp6/ensino_engprod. 1. 2012 LUSTOSA. ed. MARCO. 8 . Planejamento e Controle da Produção . . PIERO.eseg. As Micro e Pequenas empresa no Contexto Econômico Brasileiro. Revista FAE Business .REFERÊNCIAS OLIVEIRA. A.Disponível em: http://www. 357p.org. 8.php Acesso em 22 Out. al. Disponível em: http://www. Rio de Janeiro: Editora Campus . n. 2010.K.asp? p=1017&m=1017&ss=1&c=1063 Acesso em : 19 Out.Escola Superior de Engenaria e Gestão. 2012 ESEG. 562 p. p. MARTINS. maio 2004. Fernandes.abepro. São Paulo: Editora Saraiva. 2008.

9 10.3 10. Programação detalhada da produção Como é planejada a produção para que as encomendas sejam entregues no prazo Sistemas de controle da produção Você utiliza alguma ferramenta do Just-in -time .1 1.1 3 3.1 3.1 8 8.3 3. OPT ferramenta para otimizar a produção. indicadores de desempenho Logística Como é feito o planejamento das necessidades de distribuição ? Planejamento da capacidade Você tem um planejamento da capacidade de sua empresa.1 6 6.4 1.8 10.5 1.6 2 2.10 Horário de inicio e término : Data: Identificação Empresa Empresa : Nome Entrevistado : Quantos anos a empresa opera: Ramo de atividade : Produtos fabricados: Previsão de Demanda Qual o método de previsão adotado Gestão de estoques Qual o tipo de estoque utilizado Qual o modelo de estoque utilizado Qual indicador de desempenho do estoque Você utiliza algum sistema de controle de estoque ? Planejamento de curto e Longo Prazo Você tem um Planejamento Agregado Você tem um plano metre de produção Planejamento de materiais Como você controla a sua necessidade de compra de materiais.4 4 4.3 1.1 4.5 10.7 10.2 5 5.1 9 10 10.APÊNDICE 01 : Questionário O ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO PARA AS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO LUÍS QUESTIONÁRIO DE ENTREVISTA Item 1 1.1 7 7.2 10.1 10.4 10.2 3. Outras Quais as principais dificuldades que você identifica no seu negócio: Quem é o responsável pela produção: Qual a qualificação dele(a) : Você já ouviu falar em engenheiro de produção Você acha que um engenheiro de produção faria diferença para promover o crescimento da sua empresa ? Porque ? A empresa tem uma estratratégia de crescimento O que pode ser melhorado na sua empresa para torná-la mais lucrativa ? Como os seus produtos são desenvolvidos a fim de atender a clientela ? Como você garante a divulgação do seu produto? .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful