Você está na página 1de 4

TEMA:

Uma aliança global

Material a preparar para o tema:


Textos para utilizar na catequese
Textos soltos para utilizar na reflexão pessoal

1º Momento: Deus fez uma aliança global com a humanidade:

Deus fez uma aliança global com toda a humanidade. Na criação, Deus dá ao Homem
todo o poder e fá-lo responsável da sua criação. O Homem é chamado a continuar a
obra criadora de Deus. Deus quer que toda a humanidade seja feliz, obtenha a salvação.
Depois de muitas peripécias e promessas, esta aliança concretiza-se num povo (Israel),
num lugar concreto (deserto) durante uma viagem iniciática e de libertação, numa
relação concreta entre o povo e Deus (vós sereis para mim um reino de sacerdotes e uma
nação santa v.6) ( Ex 19, 1-8)
Com esta aliança, o povo torna-se ao longo dos séculos, sacramento de salvação para
todos os povos. Através de Israel todos os povos são convidados a ir ao encontro de
Deus, reunir-se no seu lugar santo, viver em harmonia e concórdia (Is 2, 1-4). Para isso
muito contribuem várias classes de personagens, sobretudo os profetas que
continuamente interpelam o povo a viver em fidelidade á aliança realizada com Deus. É
o “mais pequenos de todos os povos”, e a única maneira de não desaparecer é realizar a
sua vocação à universalidade que lhe advém da sua missão, enraizada na aliança.

Jesus, veio ao mundo fortificar a aliança. Como nós Jesus veio ao mundo, pertenceu a
uma família, a família de Nazaré. Nela aprendeu os valores da família, os valores
humanos, etc., mas rapidamente Jesus sentiu que a sua realização, a sua vocação era a
universalidade, a humanidade, uma família mais global. Lc 2, 41 – 52 Jesus é de Deus,
de todos. Não é só a família nuclear a que pertence, mas pertence a uma família mundo,
universal, humanidade

Desde de tenra idade Jesus sentiu a sua missão, confiada pelo Pai, de ser Universal. Mc
3, 31 – 35 Onde me coloco? Também nós somos família de Jesus se seguirmos a
vontade de Deus. Todos podem ser a sua família. Jesus e a sua família só subsistem na
medida em que se tornam universais, em que não se fecham na sua pequenez.

Mas qual é a vontade de Deus?


A vontade de Deus é a abertura do ser e da família! Isto significa que o seio familiar,
onde fomos recebidos neste mundo deve ser uma janela para a humanidade (dar o que
se recebe).
A família que Jesus chamou para Si, foi também ela, e é ainda hoje, convidada a ser
universal Act 2, 1 – 36 A família de Jesus é chamada a ser universal, como grupo, como
comunidade, sacramento de aliança entre Deus e a humanidade.
A nossa família núcleo deve-se abrir ao mundo e cada um de nós somos chamados a ser
responsáveis pela nossa família humanidade, a amar os outros, a nos darmos aos outros,
doar o dom da vida que nos foi dado.
Esta é a aliança que se renova em cada pessoa que aceita a vocação, os desígnios dos
Senhor, sendo um membro activo da família Mundial.
Esta aliança continua ao longo de séculos a realizar-se através de um povo (igreja), e
concretizada através de muitas famílias e pessoas concretas em todos os tempos e
lugares.

2º Momento: Deus faz aliança global em comboni

Comboni é para nós um exemplo de vida e Ideal no âmbito da sua enorme capacidade
de doação e de perpetuar esta aliança global.
A sua família vivia a base de poucos rendimentos, e ele, o único filho de 8 rebentos da
sua família. Desde pequeno os seus estudos levaram-no para longe da família e na sua
educação estiveram sempre presentes os valores da doação aos outros, do serviço, da
universalidade, negando o egoísmo e egocentrismo, da prepotência (que reinam o
presente).
Cristo foi o farol da sua juventude, que o levou a se deixar levar pelo convite de amor
aos outros como Cristo fez. A Missão batia no seu peito, e não conseguiu ficar
indiferente, sentia-se chamado a partir e a conhecer a sua família global para habitar ao
lado dos seus irmãos, aqueles que mais necessitavam da sua presença.

Salvação universal
Diante desta realidade, Comboni nunca duvidou da salvação universal oferecida por
Deus a todos os povos. Manifestou esta convicção na espiritualidade da cruz que se
ergue para atrair a todos; no coração trespassado do bom pastor de onde saem sangue e
água “também para o africano” o povo “mais miserável á face da terra”; na confiança
posta nos africanos a quem considerava os protagonistas da evangelização.
Apesar das dificuldades e sofrimentos, Comboni procurou todos os meios, forças,
energias, para realizar a sua vocação, sentindo-se instrumento da aliança entre Deus e a
humanidade.

Daniel Comboni: “ Querida mãe terias dado cem filhos, se os tivesses tido, para que
viessem trazer alívio a estas pobres gentes. Agradece ao Senhor o ter-te concedido de
dares tudo o que tinhas.”
Daniel Comboni: “ Se parto deixo meus pais tristes, mas se não parto eu serei infeliz
para sempre”
Comboni vê a sua família global onde os africanos eram oprimidos e escravizados, onde
a pobreza se abatia por toda a Africa e onde o mundo se questionava se o negro tinha ou
não alma. Comboni colocou-se ao lado dos que mais necessitavam dele
Comboni decidiu aceitar a aliança de Deus e de ir ao encontro da sua família global
através da Cruz e do Sacrifício, confiando no Africano para a regeneração da Africa
através do Coração trespassado do Bom Pastor. Para ele, esta aliança, esta salvação não
é unicamente unilateral mas sim de todos nós, sem excepção. Cada um de nós só pelo
facto de existir já é responsável pela nossa família global. Somos Igreja Viva, Igreja
Universal, Igreja de Cristo.

Comboni homem universal


Comboni torna-se assim um homem universal e realiza a comunhão entre a África e a
Europa. Nas suas viagens, conferências, cartas, onde quer que estivesse, a África estava
presente. Em Comboni a África e a Europa são um só continente
A globalização une e divide, mas aumenta as diferenças, é um factor de divisão e
separação. Comboni é o contrário, promove a unidade. Deixar a sua família nuclear par
se tornar universal, não fazendo diferenças, distinções entre os povos.
Sente-se responsável não só pelos seus pais mas também pelos africanos. Estes tornam-
se a sua família, os seus pais e irmãos.
Em Comboni a cruz reúne, atrai, congrega, concentra; e o coração trespassado, sai,
expande. A cruz e o coração de Cristo são a prova da aliança universal, da salvação
oferecida a todos. E Comboni sente-se parte integrante desta aliança e salvação.

Comboni: Evangelizador global


Comboni é o evangelizador global. O seu plano só é possível se a evangelização for
uma tarefa de toda a igreja e para todo o mundo (incluir todas as forças vivas da igreja).
A evangelização não é uma obra de um grupo em particular mas é de todos. Não é só
para determinado grupo, mas para todos e sobretudo os considerados mais pobres e
abandonados no tempo. Comboni mostra que na cruz e no coração de Cristo são
eliminadas as diferenças, no respeito pelas outras culturas e na convicção profunda da
igualdade e dignidade de todos aos olhos de Deus.
“A obra da regeneração da Nigricia é extremamente urgente, difícil e vasta. Para
concretizar o projecto nas suas linhas principais, tal como eu o concebi, e para lhe dar
base duradoira, seria necessária a colaboração de todos os católicos do globo,
conjuntamente, de modo a libertar estes povos negros da noite do paganismo e fazer
resplandecer sobre eles a luz vivificante da fé em JC… Deus quer que a infeliz Nigricia
se salve”… (MDC 60, 66)
A obra para a regeneração da África “deve ser católica, não espanhola, francesa,
alemã ou italiana. Todos os católicos devem ajudar os pobres negros…”(MDC 75)
Confiança no africano, são eles os protagonistas da evangelização

3º Momento: Nós

Pertencentes a uma família nuclear, somos membros da família humana. Esta família
vive num determinado tempo e lugar, em circunstâncias particulares que são as nossas.
Num tempo de globalização, de facilidade de comunicação, de conhecimento global.
No entanto tudo isto que deveria favorecer a comunicação e a comunhão acentua as
diferenças entre ricos e pobres, entre norte e sul.

É nesta realidade concreta que também nós somos responsáveis não só da nossa família
nuclear, mas também da família humana. Somos re-criadores com Deus, desta
humanidade que é sua. Deus ao fazer aliança com cada um de nós (pelo dom da vida e
pelo baptismo), numa família concreta, quer chegar a todos os Homens, à família
universal. A aliança concluída com cada um não é para cada um, mas para a
humanidade. Esta responsabilidade concretiza-se através do valor da fraternidade,
porque aí somos criadores de comunhão, de unidade.
Por isso uma família que nos forme para a vida, para a realização concreta de cada um,
é aquela que nos forma à universalidade. Só o facto de existirmos já nos faz
responsáveis pela humanidade, porque somos re-criadores com Deus
Não escolhemos a nossa família nuclear, mas somos responsáveis por ela. Assim
também não escolhemos a família humana, mas somos também responsáveis por ela.
Participar na evangelização, meio de salvação para todos, é sermos co-criadores com
Deus: recriar a terra – humanidade
A nossa família não está isolada, faz parte de uma família maior, universal, uma
humanidade. Educar ao universal, à abertura, à igualdade, à responsabilidade, à
solidariedade, à fraternidade, é a tarefa de toda e qualquer família.
Viver na família global:
 Respeitar
 Viver em união
 Partir da família núcleo e sentir-se universal
 Cruz como factor de união
 AMOR COMO FORÇA MOTRIZ

Conclusão:

Na aliança global: Deus  Homem


Mundo

O amor é a força motriz em Deus, JC, Comboni e que quer habitar em cada um
de nós.
O amor é o motor que nos impele à universalidade e à felicidade.

Reflexão Pessoal:
Cada um de nós faz parte da família humanidade e o simples facto de existirmos nos
traz a responsabilidade de vivermos para essa família, como fazemos com a família
nuclear. Devemos amar e cuidar a nossa família…

• Em que aspecto me sinto membro da família universal?


• A minha vida é pessoal, familiar ou universal? Em que?
• Em que é que a minha família é canalizadora e janela da aliança global de Deus
com a humanidade?
• Quais são as tentações hoje da família para se fechar ao universal?

Em grupos: (a seguir à reflexão pessoal)


• Construir os 5 direitos e 5 deveres de um cidadão do mundo
Pode ser construído num cartaz para expor, ou simplesmente numa folha de papel
normal.

Alguns textos soltos para ajudar:


Textos bíblicos: Sl 139(138); Sl 47(46); Is 2,1-4; Sl 98(97); Sl 40(39); Lc 2,41-52; Mc
3,31-35; Act 2,1-36; Ex 19,1-8
Textos de Comboni: 941, 1071, 1185, 1215, 1441, 1722, 2702, 2706