Você está na página 1de 78

2

Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ (UFC) CENTRO DE TECNOLOGIA

Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental

Fortaleza, Setembro de 2011

3

Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental

ASSESSORIA PEDAGÓGICA

Custódio Luís Silva de Almeida Pró-Reitoria de Graduação

Inês Cristina de Melo Mamede Coordenadoria de Planejamento e Acompanhamento Curricular

Sônia Maria Araújo de Castelo Branco Coordenadoria de Acompanhamento Discente

Yangla Kelly Oliveira Rodrigues Divisão de Pesquisa e Desenvolvimento Curricular

4

Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental

ÍNDICE

1. INTRODUÇÃO 2. PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL 3. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL 4. JUSTIFICATIVA 5. HISTÓRICO DO CURSO (E/OU DA UNIDADE ACADÊMICA AO QUAL ELE PERTENCERÁ, ESPECIFICAMENTE QUANDO SE TRATAR DE CRIAÇÃO DE NOVO CURSO) 6. PRINCÍPIOS NORTEADORES 7. OBJETIVOS DO CURSO 8. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS 9. PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO (PERFIL DO EGRESSO) 10. ÁREAS DE ATUAÇÃO 11. METODOLOGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM 12. UNIDADES CURRICULARES 13. ATIVIDADES COMPLEMENTARES 14. ESTÁGIO SUPERVISIONADO 15. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 16. ESTRUTURA CURRICULAR 17. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 18. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO 19. CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA A OFERTA DO CURSO 20. REFERÊNCIAS CURRICULARES

1. INTRODUÇÃO

discussões. iniciar algumas ações que. a proposta de criação de três novos cursos de graduação no Centro de Tecnologia. foi aprovada a formação de uma comissão para propor a criação de novos cursos de graduação em Engenharia no CT. Engenharia Elétrica (Prof. sendo modificada através da substituição dos representantes do Departamento de Engenharia Química (pelo Prof. Célio L. (Vice-diretor do CT). com representantes dos Departamentos de Engenharia Química (Profa. tendo como Presidente o Prof. Maria Eugênia Vieira da Silva). a iniciar no primeiro semestre de 2010. com esta proposta. bem como diminuir a evasão atualmente observada. poderão melhorar a formação dos nossos alunos. Hosiberto Batista de Sant´Ana) e do Departamento de Engenharia Mecânica e Produção (pelo Prof. Cavalcante Jr. André Bezerra dos Santos). nos cursos de engenharia da UFC. por solicitação dos Departamentos interessados. Engenharia Metalúrgica e Materiais (Prof. Engenharia Mecânica e Produção (Profa.Engenharia de Petróleo. . destacam-se: . reavaliações e sugestões. que posteriormente adquirem a especialização nestas áreas por meio de cursos de educação continuada (extensão ou pós-graduação lato-sensu ou stricto-sensu). Pretende-se.Engenharia de Energias Renováveis. com vistas ao melhor aproveitamento dos recursos naturais existentes na região. identifica-se a necessidade de formação de engenheiros nestas áreas. Ricardo Silva Thé Pontes) e Engenharia Hidráulica e Ambiental (Prof. conforme a Comissão pôde constatar. social e ambiental.Engenharia Ambiental. o que permite uma maior interdisciplinaridade e complementaridade na sua formação. como resultado final de inúmeras reuniões. Carlos Almir Monteiro de Holanda). Estas três áreas foram identificadas pela Comissão como carentes de recursos humanos com formação específica. Assunção de Maria Pinho de Paiva Timbó). A Comissão foi constituída pela Portaria 204/2008.5 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental INTRODUÇÃO AOS CURSOS DE ENGENHARIAS DE ENERGIAS E MEIO AMBIENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ Em reunião do Conselho do Centro de Tecnologia. com responsabilidade econômica. Ao longo do trabalho. . encontrando-se atendidas no momento por profissionais formados em outras áreas de engenharia. na opinião da Comissão. neste momento. além do Presidente. contando. Em particular para o estado do Ceará e para a região Nordeste. Além do mais. de 02/ Setembro/2008. quais sejam: . A Comissão apresenta. realizada em 25 de Agosto de 2008. do Diretor do Centro de Tecnologia. com um representante de cada Departamento interessado no assunto. Paulo Alexandre Costa Rocha). Entre estas ações. existem interfaces na formação destes três tipos de profissionais. de modo geral. avaliações. esta Comissão foi alterada.

6 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental . visando à formação profissional mais adequada para a especialidade desejada (Engenharia de Energias Renováveis. Introdução às Engenharias de Energias e Meio Ambiente (CT004) 7. anual) 6. encontram-se 28 disciplinas obrigatórias. que foram identificados como comuns aos três temas propostos. correspondendo a cerca de 40% da carga horária total de cada curso. Fundamentos da Física para EEMA (CT002. Probabilidade e Estatística para EEMA (CT007) 11. Álgebra Linear para EEMA (CT006) 10. Física Experimental para Engenharia (CD328. do Conselho Nacional de Educação. Metodologia Cientifica e Tecnológica (CT005) 8.entrada única de 120 alunos para os três cursos. Equações Diferenciais Aplicadas às EEMA (TF0352) . Fundamentos da Química para EEMA (CT003. anual) 4. Química Experimental para EEMA (CE0888. abaixo listadas: 1. anual) 2. bem como alguns tópicos do Núcleo de Conteúdos Profissionalizantes. Engenharia Ambiental e Engenharia de Petróleo). A outra metade de cada curso será voltada para a especificidade profissional de cada curso. A formação comum no núcleo básico dos alunos nestes cursos será feita atendendo integralmente ao Núcleo de Conteúdos Básicos requeridos pelas Diretrizes Curriculares dos Cursos de Engenharia. anual) 5. através de um processo de seleção comum para os “Cursos de Engenharias de Energias e Meio Ambiente”.núcleo básico comum nos 4 (quatro) semestres iniciais e ainda quatro disciplinas no quinto semestre para os 3 cursos. Programação Computacional para EEMA (TI0106) 9. contendo carga horária total de 1712 horas (107 créditos). aprovado em 12/Dez/2001. Todos os tópicos das Diretrizes encontram-se atendidos ao longo dos cinco primeiros semestres comuns propostos para estes três cursos. No elenco de disciplinas comuns aos três cursos. Ecologia (CH0865) 15. Cálculo Vetorial para EEMA (CT008) 12.seleção do curso específico ao final do quarto semestre. Desenho para Engenharia (TC592) 14. Eletrotécnica (TH167) 13. . Fundamentos do Cálculo para Engenharias de Energias e Meio Ambiente (EEMA) (CT-001. com disciplinas totalmente ministradas por professores pertencentes ao quadro de docentes do Centro de Tecnologia (exceto as disciplinas de química teórica e experimental e física experimental). anual) 3. tendo como indicador de seleção o Índice de Rendimento Acadêmico (IRA) de cada aluno. .

o coordenador do curso de Engenharia Ambiental assumirá a coordenação do núcleo comum e o coordenador do curso de Engenharia de Energias Renováveis será o vice. passando assim. palestras com profissionais de cada área. Transferência de Calor e Massa 24. O coordenador eleito deverá assumir a coordenação do núcleo comum por um período de um ano. de modo a possibilitar ao aluno a escolha mais fundamentada do curso que irá seguir. . programação de visitas a instalações referentes a cada uma das três áreas. o coordenador do curso de Engenharia de Petróleo a suplente. procedimentos serão adotados visando avaliações comuns a todos os alunos. presidida pelo coordenador de um dos três cursos tendo sido este eleito em reunião desta comissão. Desta forma. concomitantemente. Princípios de Eletricidade e Magnetismo (TH0215) 22. Termodinâmica Aplicada às EEMA (TE1003) 21. Fundamentos da Economia (TE133) 26. fica estabelecido o rodízio entre os cursos para a coordenação da comissão do núcleo comum. Para tal. programação de seminários. como vice o coordenador do curso de Engenharia Ambiental e como suplente o coordenador do curso de Engenharia de Energias Renováveis. O acompanhamento pedagógico no núcleo comum será realizado por uma comissão constituída pelos coordenadores dos três cursos. coordenando uma avaliação continuada do andamento do curso. e discussão contínua com os coordenadores de cada curso sobre as identificações de demandas e necessidades profissionais em cada área. tendo como vice um dos outros dois coordenadores. Métodos Numéricos para EEMA (CT009) 23. Princípios de Processos Químicos e Bioquímicos (TF0353) 17. Fontes de Energias Renováveis 28. Após um ano de mandato o vice assumirá o cargo de coordenador do núcleo comum e o suplente passará a ser o seu vice coordenador. Introdução à Engenharia Ambiental (TD950) 20. o coordenador do curso de Engenharia de Petróleo. e como suplente o terceiro coordenador. especialmente no que se refere às informações específicas de cada uma das três áreas. também eleito em reunião. Fenômenos de Transporte I (TF320) 18. Ciência dos Materiais (TE135) 27. Mecânica e Resistência dos Materiais (TB792) 19. Esta comissão deverá acompanhar os processos de ensino e aprendizagem. Fundamentos da Administração (TE134) 25. Para início deste rodízio foi eleito no ano de 2011 como coordenador do núcleo comum. Higiene Industrial e Segurança no Trabalho (TD922) O núcleo comum contará com duas turmas de 60 alunos.7 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 16. Para o ano de 2012. encontros.

Para o curso de Engenharia Ambiental serão oferecidas inicialmente até 40 vagas. Sistemas de abastecimento e tratamento de água 22. 2 Eletivas e 2 Livres. Será obrigatória aos alunos do quarto semestre a escolha de preferência do curso (1ª e 2ª opção) independente do número de créditos cursados.536 horas). Estágio supervisionado 6. Hidrologia 13. o acompanhamento realizado pela coordenação específica do curso. Sistemas de esgotamento e tratamento de águas residuárias 23. sendo. Gerenciamento ambiental na empresa 10. Saneamento e saúde 21. Qualidade de água e controle da poluição 19. Topografia . A partir do quinto semestre. que terão turmas de 60 (sessenta) alunos. Direito ambiental 14. a partir daí. Hidráulica aplicada 12. Geotecnia ambiental 9. a partir da publicação do edital anual pela Prograd. será realizada a escolha do curso específico para os alunos que concluírem o quarto semestre. exceto nas disciplinas que ainda fazem parte do núcleo comum. nas quais os alunos deverão cursar 24 disciplinas obrigatórias (correspondendo a 1. as disciplinas serão oferecidas para conjuntos de até quarenta alunos em cada curso. a qual será um requisito para matrícula no quinto semestre. Microbiologia aplicada 16. Operações unitárias 17. Geologia aplicada à engenharia ambiental 7. Climatologia 3. Planejamento e licenciamento ambiental 18. Eventuais mudanças de curso a partir do quinto semestre seguirão aos mesmos critérios estabelecidos para os demais cursos de graduação da UFC. Avaliação e controle de impactos ambientais 2.8 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Ao final de cada ano letivo. Drenagem urbana 5. Recuperação de áreas degradadas 20. Conservação e proteção de mananciais 4. Geoprocessamento 8. conforme a lista abaixo: 1. Mecânica dos solos 15. Gestão de resíduos sólidos 11. baseado no Índice de Rendimento Acadêmico (IRA). A coordenação do núcleo comum se reservará o direito de alocar aqueles alunos que não fizerem a escolha do curso em critério automático definido junto com o STI da UFC.

do Brasil Língua brasileira de sinais Área II: Águas subterrâneas Análise de riscos ambientais Engenharia costeira Estudos de caso de impacto ambiental Gestão de projetos Gestão de recursos hídricos Hidráulica de canais Hidráulica transiente Instalações hidráulicas e sanitárias Métodos de investigação e monitoramento geoambiental Modelagem de qualidade de água Produção mais limpa Proteção e recuperação ambiental em obras geotécnicas Reúso Saneamento ecológico Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental I Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental II Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental I Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental II Tratamento de água para abastecimento Tratamento de esgotos . Trabalho de conclusão de curso Quanto às disciplinas Eletivas e Livres.9 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 24. pol. e econ. Área I e Área II: Área I: Ética e legislação Introdução à sociologia Psicologia da indústria Psicologia aplicada ao trabalho I Psicologia comunitária Psicologia social I Introdução à ciência política Introdução às ciências humanas Cultura brasileira Português instrumental Realidade soc. estas são divididas em duas áreas.

160h em Atividades Complementares (de acordo com resolução 07-2005/ CEPE. Engenharia de Recursos Renováveis e Engenharia de Petróleo. em reunião em reunião realizada em 19 de outubro de 2007.696 horas. que a partir do quarto semestre se desmembrará em três cursos. da lei nº 9.10 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Além das disciplinas obrigatórias. mediante processo seletivo de igualdade de oportunidades para acesso e permanência na instituição. No entanto a entrada na Universidade se dará pelo Curso de Engenharia de Energias e Meio-Ambientes. tendo como indicador o . de acordo com o parecer nº 95/1998 e pelos Decretos nº 2. • Seleção do curso específico após o quarto semestre. o concurso de seleção está aberto aos portadores de certificados de conclusão do Ensino Médio (antigo 2º. e ainda quatro disciplinas no quinto semestre. de 17/Junho/2005). Grau) ou de curso equivalente. similar ao processo adotado nos demais cursos de Engenharia do Centro de Tecnologia da UFC. a saber: Engenharia Ambiental. de 20/ 12/1996. ou seja. bem como as diretrizes de expansão dos cursos de Graduação em Engenharia estabelecidos no Projeto UFC-REUNI – Reestruturação e Expansão das Universidades Federais. através de um vestibular comum para os “Cursos de Engenharias de Energias e Meio Ambiente”.394/96.306 de 19/08/1997 e nº 2. a Lei de Diretrizes e Bases – LDB. cada aluno deverá integralizar 3. • Núcleo básico comum nos 4 (quatro) semestres iniciais. incluindo 128h em duas disciplinas eletivas e 128h em disciplinas livres. O acesso ao curso de graduação em Engenharia Ambiental se dará por intermédio de Processo Seletivo. aprovado pelo Conselho Universitário (CONSUNI) da Universidade Federal do Ceará – UFC. conclusão do ensino médio ou equivalente e processo seletivo de capacidades. Lei nº 9. 44. O projeto foi elaborado de modo a atender a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 2. Assim. para os 3 cursos com disciplinas totalmente ministradas por professores pertencentes ao quadro de docentes do Centro de Tecnologia (exceto disciplinas experimentais de Química e Física). para fazer jus ao diploma de Engenheiro Ambiental. um mínimo de 160h de Estágio Supervisionado e 32h de Trabalho de Conclusão de Curso. PROJETO PEDAGÓGICO AMBIENTAL DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA Este documento descreve o projeto pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental do Cento de Tecnologia da Universidade Federal do Ceará. segundo o art. em conformidade com o que reza a Constituição Federal.406 de 27/11/1997. destacando-se os seguintes pontos: • Entrada única de 120 alunos para os 3 cursos. equidade.394.

º 1.Disciplinas livres: 8 .Obrigatórios: 203 . DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AMBIENTAL • • • • • • • • • • • • Denominação do Curso: Engenharia Ambiental Data de início do funcionamento do curso: 1º. Resolução nº. 3. Semestre de 2010 Reconhecimento: Resolução Nº 24/CONSUNI/2009 Modalidade: Graduação Titulação Conferida: Engenheiro Ambiental Duração do curso: 5 anos (mínima) e 7 anos e meio (máxima) Currículo Atual: 2009 Regime Escolar: Anual e Semestral Número de Turmas Oferecidas: 1 (uma) Turnos Previstos: M/T Número de Vagas Oferecidas: 40 Total de Créditos: .Eletivos: 8 .: (85) 3366-9186 / 3366 9600 • • • Fax: (85) 3366 9601 . 447/ CONFEA de 22 de setembro de 2000.11 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental índice de Rendimento Acadêmico (IRA).696 horas Profissão: Portaria n.693/MEC de 05 de dezembro de 1994.Atividades Complementares: 160 horas . Endereço: Universidade Federal do Ceará Centro de Tecnologia Campus do Pici – Bloco 711 Fortaleza – CE – Brasil CEP 60455-760 Tel.Total: 231 Integralização Curricular em horas: 3.

o Engenheiro Ambiental estará apto a participar nos estudos de caracterização ambiental. O objetivo a ser cumprido com essa forte fundamentação é a criação. é crescente. voltada para a resolução de problemas ambientais. tanto na prevenção. geração e desenvolvimento de novas tecnologias e aplicação de tecnologias consolidadas para prevenção e controle da poluição ambiental. dada a reconhecida capacidade humana de intervir. Além disso. é essencial a habilidade de dimensionar com acurácia e capacidade crítica a sua atuação na busca de um equilíbrio entre o conforto para a vida humana e a conservação da natureza. O curso de graduação em Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Ceará tem como objetivo principal o suprimento desta lacuna acadêmica e profissional nos cursos atualmente oferecidos pelo seu Centro de Tecnologia. química. Nesse sentido. permitindo fundamentação sólida em Ciências de Engenharia e. em Ciências de Engenharia Ambiental. mais especificamente. JUSTIFICATIVA A demanda por profissionais com formação específica em áreas das Ciências Exatas e Tecnológicas. projetando a necessidade de profissional com formação qualificada e capacitado para estudar. exercer controle. A existência de profissionais com essas características é certamente importante na implantação de qualquer modelo de desenvolvimento econômico. A estrutura proposta para o curso objetiva a formação de profissionais de Engenharia que tenham forte embasamento nas Ciências Básicas (matemática. Os impactos ambientais das diversas tecnologias e a inserção do meio ambiente nos processos de tomada de decisão e no planejamento de grandes obras de engenharia vêm adquirindo crescente relevância em todo o mundo. quanto na minimização dos impactos que a atividade humana provoca no ambiente. na análise de suscetibilidades e vocações naturais do ambiente e na elaboração de estudos de impactos ambientais. gerar e monitorar práticas ambientais antrópicas e de degradação ambiental. . impactar e conceber ecossistemas. física e biologia).12 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 4.

saúde. segurança. em 9 de março de 1992. o tema meio ambiente é destaque em nível mundial. de 31 de outubro de 1991. ambientais e econômicos da atualidade. subsidiada pelo Parecer n. o conceito de saneamento básico (ou ambiental) foi ampliado para abranger não apenas o abastecimento de água potável e o esgotamento sanitário.PMSB. Já o primeiro curso que entrou em funcionamento foi o da Universidade Federal do Tocantins (UFT). mas também a limpeza urbana e o manejo de resíduos sólidos e o manejo e a drenagem de águas pluviais urbanas.445/07 que estabelece diretrizes nacionais para o setor de saneamento no Brasil. o baixo índice de desenvolvimento humano (IDH). o profissional de engenharia ambiental. e os baixos índices de cobertura de atendimento dos serviços de água e esgoto. o setor de saneamento passou a ter um marco legal e contar com novas perspectivas de investimento por parte do Governo Federal. Na esfera política. 1. o tema meio ambiente é abordado juntamente com as áreas de educação. que foi criado pela Resolução CESu nº 118. com mais de 40 bilhões de reais a serem investidos no setor do saneamento ambiental. O primeiro curso de Engenharia Ambiental criado no Brasil foi o da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA). . baseado em princípios da eficiência e sustentabilidade econômica. campus de Canoas (RS). pela Resolução Consun/ULBRA n. a USP no campus de São Carlos. de 19 de dezembro de 1991). Com o advento da aprovação da Lei 11. como por exemplo: o grande déficit habitacional. buscando fundamentalmente a universalização dos serviços.031. Dentro deste contexto. qualidade e regularidade.445/07. inclusive dentro das universidades. ESPECIFICAMENTE QUANDO SE TRATAR DE CRIAÇÃO DE NOVO CURSO) Em época de mudanças globais. Nesta Lei. recebendo destaque o Programa de Aceleração de Crescimento (PAC). que somente foi iniciado em 1 de março de 1994. HISTÓRICO DO CURSO (E/OU DA UNIDADE ACADÊMICA AO QUAL ELE PERTENCERÁ. com a sua formação nos mais variados campos do conhecimento. e a Lei Federal nº 11. É válido ainda lembrar que em 2003 deu-se início ao curso de Engenharia Ambiental em uma das maiores e mais conceituadas universidades do país. Ganha destaque os graves problemas nacionais. controle social. um sistema de saúde precário. através do desenvolvimento e aprimoramento de tecnologias que contribuam para a melhoria da qualidade de vida das populações. principalmente a nível regional. poderá dar uma contribuição importante para a mudança deste quadro.13 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 5. Esta necessidade se justifica porque o país não pode mais conviver com os índices sociais. de modo a desenvolver nos municípios o Plano Municipal de Saneamento Básico . de 6 de dezembro de 1989. 45. habitação e emprego.

Estes problemas. com relação às questões relacionadas ao meio ambiente a situação não é diferente. O Engenheiro Ambiental terá como principais atividades: o desenvolvimento e avaliação de projetos para preservação dos recursos naturais (água. de extrema gravidade. O Estado do Ceará apresenta níveis de desenvolvimento econômico e social dentre os piores do país e. o que traz a necessidade da atuação de um profissional ligado ao meio ambiente. além dos resíduos sólidos. A falta de profissionais qualificados é um dos pontos que dificulta a resolução destes problemas. o desenvolvimento de projetos de tratamentos de resíduos industriais e urbanos e a preparação de projetos que possibilitem as empresas e demais empreendimentos receber licença de operação e certificados de preservação ambiental. que são de conhecimento comum do Engenheiro Ambiental. tornando-se onerosa e muitas vezes ineficaz para o desenvolvimento do Estado. O desenvolvimento tecnológico tem como um de seus pilares a utilização de recursos naturais nas suas mais diversas formas. pois muitos destes profissionais não retornam ao Estado. induzindo a criação de um dos mais novos ramos da engenharia. A possibilidade da formação de um profissional na área de Engenharia Ambiental passa a ser de grande importância para o Ceará. O crescimento das exigências para a criação de novos empreendimentos através do aumento das exigências legais relacionadas à preservação do meio ambiente e. pois hoje as pessoas interessadas neste tipo de formação. ar e solo). o aumento da consciência da população que tem exigido mais respeito com o meio ambiente. a maioria deles advindos do curso de Engenharia Sanitária. tem levado ao crescimento da oferta de vagas em cursos de Graduação e Pós-Graduação na área de Engenharia Ambiental. pois estas soluções muitas vezes requerem a aplicação de tecnologias e conceitos avançados. A criação do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental na UFC proporciona a possibilidade para a formação de profissionais que poderão dar uma importante contribuição para o desenvolvimento do Estado. têm importantes reflexos em outras áreas como por exemplo à saúde pública. através da atuação destes profissionais em órgãos e . O Estado possui graves problemas nos sistemas de tratamento e abastecimento de água potável bem como no sistema de coleta e tratamento de esgoto urbano e industrial. denominado de Engenharia Ambiental. No campus de São Paulo o curso iniciou-se no ano seguinte.14 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental contando com um elenco de professores muito conceituados na área. têm que sair do Estado para sua qualificação.

Essa vertente analítica reafirma como elementos fundadores. e considerando o saber como uma construção social. paradoxalmente. valorização da experiência extra-escolar. respeito à liberdade e apreço à tolerância. . o compromisso com o fortalecimento da cultura acadêmica. através da interação do ensino. garantindo a esta uma flexibilidade do pensamento e liberdade de expressão. Portanto. Referidos princípios possibilitam. na forma como sinaliza o projeto pedagógico. pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas. para atuar como Engenheiro Ambiental. o trabalho e as práticas sociais. 6. portanto. (2007). A educação abrange os processos formativos que se desenvolvem na vida familiar. este movimento é notório e se justifica pela complexidade dos ecossistemas. a arte e o saber. nas instituições de ensino e pesquisa. demandou a criação de várias especialidades. pois tem como meta uma formação de profissionais socialmente conscientes. o pensamento. A busca pela interdisciplinaridade. ensinar. diferenciada. na convivência humana. segundo Almeida et al.15 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental empresas públicas e privadas que atuam nas mais diversas áreas que têm inter-relações com o meio ambiente. notadamente considerando-se o paradigma que inclui o homem (componente social) nos sistemas ecológicos. O presente projeto segue as Diretrizes da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). nos movimentos sociais e organizações da sociedade civil e nas manifestações culturais. demanda a formação de profissionais capacitados a atuar em consonância com a estruturação e o funcionamento dos ecossistemas. pesquisar e divulgar a cultura. PRINCÍPIOS NORTEADORES A intervenção crescente do homem nos ecossistemas. resultando em impactos de conseqüências ecológicas e sociais diversas. o campo de atuação do Engenheiro Ambiental está na atuação integrada a outros profissionais da área ambiental. No caso do ambiente. no trabalho. Seu desafio é atender às necessidades do bem estar do homem ao mesmo tempo em que deve atuar na conservação de outras formas de vida e da diversidade cultural humana. garantia de padrão de qualidade. pois o pressuposto atual é o de união de competências específicas na busca da integração de campos da ciência. vinculação entre a educação escolar. a prevalência da integração entre formação básica. princípios da ética democrática segundo a LDB (1996): liberdade de aprender. que: o ser humano seja o princípio e o fim de todo processo formativo no qual haja comprometimento com a ética na busca da verdade e do conhecimento. O profissional da Engenharia Ambiental disporá de formação necessária e suficiente para que a responsabilidade que dele é exigida seja desempenhada com sucesso. ultrapassando limites disciplinares.

pelos outros componentes. Considerando os elementos em referência. diversidade e complexidade das relações que os diversos componentes do ambiente mantêm entre si são responsáveis pelo seu equilíbrio. mas as relações entre os conteúdos das diferentes áreas de conhecimento envolvidas. Da mesma maneira que cada componente do meio faz parte de um quadro complexo e é afetado. Gestão Ambiental. Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental. a reflexão e a articulação entre teoria e prática. A amplitude. e a capacidade de adaptação à evolução tecnológica. busca juntar uma sólida formação em Engenharia. com uma base profissional forte nas áreas de Tecnologia Ambiental. um determinado conteúdo curricular tem sua importância na medida em que se relaciona com os demais e participa do processo de ensino-aprendizagem do todo. torna natural a adoção de estratégia didático-pedagógica que valorize não apenas o conhecimento específico de uma determinada matéria curricular. Essa característica. o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFC. . em maior ou menor escala. inerente aos processos ambientais.16 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental pesquisa e extensão. técnica e humanismo. de tal forma que as intervenções que provocam alterações nessas relações podem desencadear processos igualmente complexos de mudança. assim também. até que novas condições de equilíbrio se estabeleçam.

Atuar em gestão ambiental visando o desenvolvimento sustentável. e gerenciamento e avaliação de recursos naturais.17 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 7. Física e Química. com base nos conhecimentos científicos. atividades de pesquisa. • Adaptar-se às mudanças do mundo contemporâneo. participação em congressos e seminários entre outras atividades. estágios. contando com o adequado suporte de conhecimento em Informática. com ênfase nas áreas de recursos hídricos. OBJETIVOS DO CURSO Objetivo Geral Definir uma política pedagógica para formação do Engenheiro Ambiental da Universidade Federal do Ceará. Portanto. saneamento ambiental. monitoria. Todas estas coordenadas pelo Colegiado do Curso. Além de oferecer ao aluno condições de se tornar um bom profissional. Objetivos Específicos a) Direcionar uma estratégia do ensino de graduação em Engenharia Ambiental. um cidadão com pleno conhecimento das suas responsabilidades dentro da realidade atual de seu país. bem como ser agente de . c) Ofertar conteúdos que proporcionem aos alunos compreensão clara da área de atuação da Engenharia Ambiental. ar e solo. que atualmente exige a integração entre diversos campos do conhecimento. Recorrer-se-á à tecnologia a partir de uma sólida formação em Engenharia. avaliação e monitoramento dos impactos ambientais do setor industrial e urbano. Analisar os processos ambientais tanto de forma holística quanto reducionista. e das medidas a serem adotadas na promoção do bem estar da sociedade. Ter ciência dos limites da ação do homem em sua Interação com o meio ambiente. na recuperação e controle da Qualidade da água. o Engenheiro Ambiental da UFC poderá: • • • • Atuar na preservação. tecnológicos e sociais visando o desenvolvimento sustentável. visando formar um engenheiro (pleno e de concepção) que transite nas diversas áreas do conhecimento humano que tenham interface com o Meio Ambiente. b) Proporcionar condições para a formação de um profissional com capacidade e aptidão para pesquisar. elaborar e prover soluções que permitam a harmonização das diversas atividades humanas com o meio físico e os ecossistemas. de modo a atender às demandas da sociedade com vistas às políticas de desenvolvimento nacional. Ecologia e Legislação. Geociências. Biologia. envolvendo os campos da Matemática. d) Ofertar atividades afins ao curso como: programas de extensão universitária.

vistoria. fiscalização de obra e serviço técnico. perícia. 8.(*) Tal resolução é transcrita abaixo: RESOLUÇÃO CNE/CES 11. avaliação. da lei 9394/ 96. do § 2º. mensuração e controle de qualidade. tendo em vista o disposto no Art. DE 11 DE MARÇO DE 2002. planejamento.131. condução de trabalho técnico e execução de desenho técnico. o concurso de seleção está aberto aos portadores de certificados de conclusão do Ensino Médio (2o Grau) ou de curso equivalente. especificamente. laudo e parecer técnico. mediante processo seletivo de igualdade de oportunidades para acesso e permanência na instituição. 1º A presente Resolução institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia. regulamentada pela resolução do Confea n. peça indispensável do conjunto das presentes Diretrizes Curriculares Nacionais. assessoria e consultoria.406 de 27/11/1997. 5. estudo da viabilidade técnico-econômica. execução de obra e serviço técnico. definidas pela resolução n. da Lei 9. • Ser agente de informação à sociedade em questões de interesse ambiental. elaboração de orçamento. resolve: Art. 218 de 1973 e. padronização. Arquitetura e Agronomia. em 22 de fevereiro de 2002. São designadas as seguintes atividades de sua competência: supervisão. alínea “c”. e com fundamento no Parecer CES 1. As diretrizes curriculares nacionais das engenharias. equidade. pesquisa. ensino. modalidade Civil. de 25 de novembro de 1995. inclusive a Engenharia Ambiental. COMPETÊNCIAS E HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS O acesso ao curso de graduação em Engenharia Ambiental será o mesmo descrito para os outros cursos de graduação em Engenharia.362/2001. do Centro de Tecnologia da UFC. 9º. de 1966. ensaio. estudo.18 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental mudanças. foram determinadas pelo Conselho Nacional de Educação por meio da RESOLUÇÃO CNE/CES 11. projeto e especificação. LDB. análise. Assim.194. A profissão do Engenheiro Ambiental é fiscalizada pelo CREA e suas competências e atribuições são definidas pelo Conselho Federal de Engenharia. a serem observadas na organização curricular das Instituições do . experimentação. 447 de 22 de setembro de 2000. segundo o art. pelo parecer nº 95/1998 e pelos decretos nº 2. de 12 de dezembro de 2001. coordenação e orientação técnica. lei n. a qual enquadra a profissão no grupo ou categoria da Engenharia. arbitramento. conclusão do ensino médio ou equivalente e processo seletivo de capacidades. divulgação técnica e extensão. os quais estão em conformidade com a Constituição Federal. homologado pelo Senhor Ministro da Educação. direção de obra e serviço técnico. O Presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação. desempenho de cargo e função técnica. assistência. ou seja. produção técnica e especializada.306 de 19/08/1997 e nº 2. DE 11 DE MARÇO DE 2002. 44.

pelo menos.desenvolver e/ou utilizar novas ferramentas e técnicas. Art.planejar. condições e procedimentos da formação de engenheiros. supervisionar. VI . humanista. em atendimento às demandas da sociedade. econômicos. XIII . sendo que. crítica e reflexiva. ambientais e culturais.supervisionar a operação e a manutenção de sistemas.avaliar o impacto das atividades da engenharia no contexto social e ambiental. IX . IV . 3º O Curso de Graduação em Engenharia tem como perfil do formando egresso/ profissional o engenheiro.comunicar-se eficientemente nas formas escrita. VII . estabelecidas pela Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação. X . um deles deverá se constituir em atividade obrigatória . Art. produtos e processos. considerando seus aspectos políticos. capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias. Art. § 1º Deverão existir os trabalhos de síntese e integração dos conhecimentos adquiridos ao longo do curso. 2º As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino de Graduação em Engenharia definem os princípios.avaliar criticamente a operação e a manutenção de sistemas. Art. para aplicação em âmbito nacional na organização. 5º Cada curso de Engenharia deve possuir um projeto pedagógico que Demonstre claramente como o conjunto das atividades previstas garantirá o perfil desejado de seu egresso e o desenvolvimento das competências e habilidades esperadas. tecnológicos e instrumentais à engenharia. com formação generalista. V .projetar e conduzir experimentos e interpretar resultados. elaborar e coordenar projetos e serviços de engenharia.assumir a postura de permanente busca de atualização profissional. 4º A formação do engenheiro tem por objetivo dotar o profissional dos conhecimentos requeridos para o exercício das seguintes competências e habilidades gerais: I . desenvolvimento e avaliação dos projetos pedagógicos dos Cursos de Graduação em Engenharia das Instituições do Sistema de Ensino Superior.compreender e aplicar a ética e responsabilidade profissionais. formular e resolver problemas de engenharia.aplicar conhecimentos matemáticos. oral e gráfica. sociais. favorecendo o trabalho individual e em grupo dos estudantes.conceber. III . fundamentos. XI . com visão ética e humanística.identificar. projetar e analisar sistemas.19 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Sistema de Educação Superior do País. científicos. XII .atuar em equipes multidisciplinares. estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas. VIII . Ênfase deve ser dada à necessidade de se reduzir o tempo em sala de aula.avaliar a viabilidade econômica de projetos de engenharia. VI . II .

III . com enfoques e intensividade compatíveis com a modalidade pleiteada. cerca de 30% da carga horária mínima. XIV . V .Circuitos Lógicos. deverão ser previstas atividades práticas e de laboratórios. um núcleo de conteúdos profissionalizantes e um núcleo de conteúdos específicos que caracterizem a modalidade. VIII . V .Metodologia Científica e Tecnológica. XII . IV .Expressão Gráfica.Circuitos Elétricos. versará sobre os tópicos que seguem: I . desenvolvimento de protótipos. participação em empresas juniores e outras atividades empreendedoras. § 1º O núcleo de conteúdos básicos.Fenômenos de Transporte. II . XV .Mecânica dos Sólidos. § 3º O núcleo de conteúdos profissionalizantes. Art.Economia. II . VI -Compiladores.Informática. 6º Todo o curso de Engenharia. . tais como trabalhos de iniciação científica. § 2º Deverão também ser estimuladas atividades complementares. monitorias.Construção Civil. III . Química e Informática. VI . deve possuir em seu currículo um núcleo de conteúdos básicos.Ciência dos Materiais. VII . independente de sua modalidade. IX . Ciências Sociais e Cidadania. VIII . versará sobre um subconjunto coerente dos tópicos abaixo discriminados.Ciência e Tecnologia dos Materiais. visitas teóricas. IV .Algoritmos e Estruturas de Dados. Nos demais conteúdos básicos.Química.Comunicação e Expressão. trabalhos em equipe. é obrigatória a existência de atividades de laboratório.Humanidades. XIII . XI . projetos multidisciplinares.Física. § 2º Nos conteúdos de Física.Bioquímica.Administração. X . a ser definido pela IES: I .20 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental como requisito para a graduação.Controle de Sistemas Dinâmicos.Matemática.Ciências do Ambiente.Eletricidade Aplicada. cerca de 15% de carga horária mínima. VII .

XLV . XL .Métodos Numéricos. XXV .Reatores Químicos e Bioquímicos. XII . XVII .Organização de computadores. XXXVII .Máquinas de fluxo. XVI .Gestão Econômica.Mecânica Aplicada. XLVII .Instrumentação.Gerência de Produção.Processos Químicos e Bioquímicos. XLIV .Sistemas de Informação. XXXVIII .Materiais de Construção Mecânica. XXXV .21 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental IX .Gestão Ambiental.Paradigmas de Programação.Sistemas Térmicos. XI .Pesquisa Operacional.Geotecnia. XLVIII . XXVII .Operações Unitárias. XXVI .Ergonomia e Segurança do Trabalho. XXI . XXIV . Análise e Simulação de Sistemas.Conversão de Energia. XXII .Modelagem.Sistemas Mecânicos. XXXII .Geoprocessamento. XXXI .Gestão de Tecnologia. XXXIII . XXVIII .Sistemas operacionais. Hidrologia Aplicada e Saneamento Básico.Estratégia e Organização. XIV . XVIII .Química Analítica. XIX . XXXIV . XXXVI .Mineralogia e Tratamento de Minérios. XXIII . XXIX .Eletromagnetismo. XXXIX .Materiais de Construção Civil.Engenharia do Produto. XLIII .Matemática discreta. .Materiais Elétricos. XIII .Microbiologia. XV .Sistemas Estruturais e Teoria das Estruturas. XXX . XX . XLII .Química Orgânica.Processos de Fabricação.Eletrônica Analógica e Digital.Físico-química. XLI . X .Qualidade. XLVI .Hidráulica.

consubstanciando o restante da carga horária total. bem como de outros conteúdos destinados a caracterizar modalidades. 8º A implantação e desenvolvimento das diretrizes curriculares devem orientar e propiciar concepções curriculares ao Curso de Graduação em Engenharia que deverão ser acompanhadas e permanentemente avaliadas. É obrigatório o trabalho final de curso como atividade de síntese e integração de conhecimento.Termodinâmica Aplicada. § 4º O núcleo de conteúdos específicos se constitui em extensões e aprofundamentos dos conteúdos do núcleo de conteúdos profissionalizantes.Telecomunicações. D. revogadas as disposições em contrário. A carga horária mínima do estágio curricular deverá atingir 160 (cento e sessenta) horas. Art. L . 9 de abril de 2002. Parágrafo único.Topografia e Geodésia. Resolução CNE/CES 11/2002. § 2º O Curso de Graduação em Engenharia deverá utilizar metodologias e critérios para acompanhamento e avaliação do processo ensino-aprendizagem e do próprio curso. 9º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. LIII . serão propostos exclusivamente pela IES. como etapa integrante da graduação. através de relatórios técnicos e acompanhamento individualizado durante o período de realização da atividade. Estes conteúdos. p.Tecnologia Mecânica. 7º A formação do engenheiro incluirá. Art. ARTHUR ROQUETE DE MACEDO Presidente da Câmara de Educação Superior (*) CNE. LI . em consonância com o sistema de avaliação e a dinâmica curricular definidos pela IES à qual pertence. Constituem-se em conhecimentos científicos. estágios curriculares obrigatórios sob supervisão direta da instituição de ensino.. Art.O. 32. Seção 1.Transporte e Logística.U. . habilidades e conteúdos curriculares desenvolvidos tendo como referência as Diretrizes Curriculares. § 1º As avaliações dos alunos deverão basear-se nas competências.22 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental XLIX . LII . a fim de permitir os ajustes que se fizerem necessários ao seu aperfeiçoamento. tecnológicos e instrumentais necessários para a definição das modalidades de engenharia e devem garantir o desenvolvimento das competências e habilidades estabelecidas nestas diretrizes. Brasília.

Reprodução. 3. Organismos patogênicos e decompositores. Caracterização e aproveitamento dos recursos naturais. 1. de 10 de novembro de 1994 e considerando o consubstanciado no parecer da Comissão de Especialistas do Ensino de Engenharia de Secretaria da Educação Superior (SESu/MEC). Intemperismo. Avaliação de Impactos Ambientais. Art. Geomorfologia. Tectônica. Escoamento em Canais. na área de Engenharia Ambiental. Escoamento sob pressão.U.º Fica criado a área de Engenharia Ambiental. Ações Antrópicas. Balanço Hídrico. Os Impactos ambientais. Fotogrametria.º As matérias de Formação Profissional Geral. Bacias Hidrográficas Escoamento Superficial e Subterrâneo. POLUIÇÃO AMBIENTAL: Qualidade ambiental. Funções celulares. Padrões de emissão. Hidrometria. Nutrição e respiração.º 1693/MEC DE 05 DE DEZEMBRO DE 1994 (cria a área de Engenharia Ambiental) O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. líquidos e gasosos. Critérios. Tipos de Classificação de Climas. Comunidade.º da Resolução n.O. conforme o disposto no $ 1. Solos. e tendo em vista o que dispõe a Medida Provisória 711 de 17 de novembro de 1994. Sensoriamento Remoto. GEOLOGIA: Características Físicas da Terra.23 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental PORTARIA N. Mudanças Globais. Os organismos e as espécies. RECURSOS NATURAIS: Recursos renováveis e não renováveis. Código genético. Topografia. Populações. como Formação Básica. publicado no D. Poluentes e contaminantes. Minerais e Rochas. Transporte de Sedimentos. Geodinâmica. Art. CARTOGRAFIA: Cartografia. no uso de suas atribuições. IMPACTOS AMBIENTAIS: Conceituação. resolve: Art. 6. Ecologia microbiana. Sucessões Ecológicas. Fatores ambientais. Controle.º Será incluído a matéria de Biologia. ECOLOGIA: Fatores Ecológicos. CLIMATOLOGIA: Elementos e Fatores Climáticos.º 48/76-CFE. Ecossistemas. 2. A célula. HIDRÁULICA: Hidrostática e Hidrodinâmica. Instrumentos de Identificação e análise. Hidrogeologia. para a área de Engenharia Ambiental serão ainda: BIOLOGIA: Origem da vida e evolução das Espécies.º do art. Fundamentos da Microbiologia. Ambientes Geológicos da Erosão e Deposição. . SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA E DE RESÍDUOS: processos físico-químicos e biológicos do tratamento da água e dos resíduos sólidos. HIDROLOGIA: Ciclo Biológico.

DE 22 DE SETEMBRO DE 2000 (dispõe sobre o registro profissional do Engenheiro Ambiental e discrimina suas atividades profissionais) O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA. ARQUITETURA E AGRONOMIA . 27 da Lei nº 5. Art. Parágrafo único – As Ementas das Matérias a que se referem os artigos 2. Arquitetura e Agronomia para fins de fiscalização do seu exercício profissional. de 27 de abril de 1976. Sistemas de coleta. 5.º e 3. do antigo Conselho Federal de Educação.24 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental LEGISLAÇÃO E DIREITO AMBIENTAL: Evolução do Direito Ambiental. que estabeleceu os currículos mínimos dos cursos de Engenharia. refere-se às atividades profissionais do engenheiro. Sistemas de esgotos sanitários. no uso das atribuições que lhe confere a alínea "f" do art.º 48/76 – CFE. Estadual e Municipal. Art. Epidemiologia. Legislação Básica: Federal. transporte e disposição de resíduos sólidos. Trâmite e práticas legais. MURILO DE AVELLAR HINGEL RESOLUÇÃO Nº 447/CONFEA. Saúde ocupacional. Considerando que a Resolução nº 48. de 24 de dezembro de 1966.CONFEA. permitiu que eles . Considerando a necessidade de discriminar as atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia. de 1966. SISTEMAS HIDRÁULICOS E SANITÁRIOS: Sistema de abastecimento de água.194. história da Legislação ambiental.194. 7º da Lei nº 5. recomendações concernentes a carga horária e atividades laboratoriais. revogadas as disposições em contrário. Sistemas de drenagem. PLANEJAMENTO AMBIENTAL: Teoria de planejamento.º A Comissão de Especialistas do Ensino de Engenharia do SESu/MEC estabelecerá em documento próprio. SAÚDE AMBIENTAL: Conceito de Saúde. Saúde Pública. Ecologia das doenças. 4.º são os constantes do Anexo desta Portaria. Planejamento no sistema de gestão ambiental. 6.º Esta Portaria entra em vigor na data da publicação. do arquiteto e do engenheiro agrônomo em termos genéricos.º Ficam mantidos para a área de Engenharia Ambiental os demais artigos da Resolução n. Art. e Considerando que o art.

de 5 de dezembro de 1994. pesquisa. Atividade 05 . anotando em suas carteiras profissionais o respectivo título profissional.Direção de obra e serviço técnico. Arquitetura e Agronomia – CREAs devem proceder o competente registro dos profissionais oriundos dos cursos de Engenharia Ambiental. Atividade 13 .Produção técnica e especializada. referentes à administração. do Ministério de Estado da Educação e do Desporto.Elaboração de orçamento.693. gestão e ordenamento ambientais e ao monitoramento e mitigação de impactos ambientais.Desempenho de cargo e função técnica. Art. Parágrafo único. Atividade 09 . Art. de 29 de junho de 1973. planejamento. aos engenheiros agrônomos.Execução de obra e serviço técnico. Atividade 03 . aos geógrafos e aos meteorologistas. 2º Compete ao engenheiro ambiental o desempenho das atividades 1 a 14 e 18 do art. desde que devidamente registrados. Atividade 06 . perícia. 3º Nenhum profissional poderá desempenhar atividades além daquelas que lhe competem. de acordo com o constante nos diplomas expedidos.Supervisão. assessoria e consultoria.Ensino.Vistoria. 1º Os Conselhos Regionais de Engenharia. .Padronização. coordenação e orientação técnica. Atividade 18 . extensão. 1º da Resolução nº 218. Atividade 04 . Atividade 12 . Atividade 02 . As competências e as garantias atribuídas por esta Resolução aos engenheiros ambientais são concedidas sem prejuízo dos direitos e prerrogativas conferidas aos engenheiros.Assistência.Execução de desenho técnico. mensuração e controle de qualidade. avaliação. Atividade 01 . relativamente às suas atribuições na área ambiental. Considerando a criação da área de Engenharia Ambiental pela Portaria nº 1.Condução de trabalho técnico. projeto e especificação. aos arquitetos. experimentação. Atividade 11 . Atividade 10 . Atividade 14 . arbitramento. laudo e Parecer técnico. seus serviços afins e correlatos. Atividade 07 . análise.Fiscalização de obra e serviço técnico. aos geólogos ou engenheiros geólogos. Atividade 08 . ensaio e divulgação técnica.Estudo de viabilidade técnico-econômica. RESOLVE: Art.25 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental estejam organizados levando em conta as características regionais.Estudo.

de 13 OUT 2000 . Eng. prevista no art.26 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental pelas características de seu currículo escolar. aprender a fazer. Art. consideradas em cada caso. Este profissional deve estar em consonância com os princípios propostos para a educação no século XXI: aprender a conhecer. Jaceguáy Barros 1º Vice-Presidente Publicada no D. 8º da Resolução 335. salvo outras que lhe sejam acrescidas em curso de pós-graduação. na mesma modalidade. Agr.Seção I – Pág. Wilson Lang Presidente Eng. 9. De acordo com o MEC através do Conselho Nacional de Educação. Art.O. apenas.U. 6º Revogam-se as disposições em contrário. o perfil traçado para o profissional egresso do Curso de Engenharia Ambiental é o seguinte: . Art. no modelo de enquadramento das propostas de diretrizes curriculares. 5º A presente Resolução entra em vigor na data de sua publicação. PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO (PERFIL DO EGRESSO) O Curso de Engenharia Ambiental entende que a formação do aluno de graduação se dá a partir da sua entrada na Academia e continua permanentemente durante o curso e posteriormente a ele. 4º Os engenheiros ambientais integrarão o grupo ou categoria da Engenharia. Modalidade Civil. 184/185. aprender a conviver e aprender a ser. as disciplinas que contribuem para a graduação profissional. de 27 de outubro de 1989.

podendo atuar na preservação. domínio e permanente aprimoramento das abordagens científicas e suas aplicações em busca do desenvolvimento sustentável. sociais. de ter ciência dos limites da ação do homem em sua Interação com o meio ambiente. ou de coordenar equipes “multidisciplinares" encarregadas de solucionar problemas e de planejar o aproveitamento econômico de áreas (regiões) dentro de pressupostos ambientalmente equilibrados. em atendimento às demandas da sociedade.27 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Perfil Comum: formação generalista. . com visão ética e humanista. proporcionando aos mesmos uma visão ampla e crítica além de estimular a criatividade para a identificação e resolução de problemas relacionados ao meio ambiente. considerando seus aspectos políticos. Gestão Ambiental. econômicos. teóricos e metodológicos da Engenharia e a aplicação desse conhecimento na busca do desenvolvimento sócio-ambiental e econômico. O Graduado em Engenharia Ambiental deverá: Possuir formação sólida formação em Engenharia. técnicas e legislação em conformidade com os aspectos ambientais. Atuar em empresas na área de gestão ambiental e no desenvolvimento de mecanismos limpos de produção. humanista. ao mesmo tempo. ou seja. Analisar os processos ambientais tanto de forma holística quanto reducionista. Compreender o verdadeiro sentido do desenvolvimento sustentável. bem como ser agente de mudanças. Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental. Para obter o perfil desejado o projeto pedagógico dará especial ênfase aos recursos hídricos. estimulando a sua atuação crítica e criativa na identificação e resolução de problemas. O graduado deverá possuir sólida formação para atuar nas diversas áreas de concentração devido aos conteúdos contemplados na grade curricular. saneamento ambiental e todas as suas ramificações em função das características ambientais regionais. Perfil Específico: compreensão dos elementos e processos concernentes ao ambiente natural e ao construído. com base nos fundamentos filosóficos. capaz de propor e/ ou executar soluções técnicas sobre quaisquer necessidades ambientais. Possuir conhecimento para trabalhar nas áreas de Tecnologia Ambiental. crítica e reflexiva. Ser capaz de realizar diagnósticos ambientais. a qual é de fundamental importância para a resolução de muitos problemas ambientais. ar e solo. na recuperação e controle da Qualidade da água. ambientais e culturais. capacitado a absorver e desenvolver novas tecnologias. O perfil acadêmico e profissional engloba conhecimentos profundos dos processos naturais e antrópicos que impactam o meio ambiente e. propondo medidas corretivas e preventivas através da aplicação de normas. Adaptar-se às mudanças do mundo contemporâneo.

Secretarias de Recursos Hídricos (SRH). tais como: Direito. Engenharias. reciclar. tratar ou destinar adequadamente efluentes e resíduos Ser ator na área de educação ambiental Ser consultor na área de Gestão ambiental. Empresas privadas como Vale. Odebrech. Construtoras que desenvolvam projetos ambientais e civis. Empresas públicas e de economia mista como Funasa. na parte de certificação ambiental e sistemas de informação ambiental Trabalhar com licenciamento ambiental Avaliar e combater poluição Recuperar áreas degradadas Regulamentar e normalizar questões ambientais Etc. o graduado do Curso de Engenharia Ambiental da UFC será capacitado para: Elaborar e executar planos. além de organizações sociais de interesse público e Organizações não Governamentais. Química. Privadas ou de Economia Mista. Órgãos Governamentais nas três esferas de governo. Estre Ambiental. Antropologia. Portanto. entre outras. Ser capaz de compreender os métodos de produção. São exemplos de possíveis locais de trabalho para o Engenheiro Ambiental: Petrobrás. Vicunha. Haztec. Companhias de . comunicação e transmissão articulada dos saberes. prevenção e proteção dos recursos naturais renováveis e não-renováveis Trabalhar com avaliação de impactos ambientais Interferir em processos industriais a fim de minimizar. que requerem um profissional para tratar das atividades ligadas à gestão ambiental.28 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Ser agente de informação à sociedade em questões de interesse ambiental. ÁREAS DE ATUAÇÃO O mercado de trabalho para o Engenheiro Ambiental é constituído por Empresas Públicas. entre outras. Sociologia. por exemplo. Administração. tratamento de resíduos Monitorar e preservar áreas verdes Trabalhar com planejamento. 10. programas e projetos de gerenciamento de recursos hídricos. Foz do Brasil. saneamento básico. Biologia. Ser capaz de interagir com profissionais que apresentem interface com a Engenharia Ambiental. reutilizar. pesquisa e extensão. visando a integração entre ensino.

projetos ligados a fontes de energia renovável. tratamento de esgotos sanitários e industriais. 11. certificação ambiental. projetos de reúso de águas. além de órgãos ligados à legislação e fiscalização ambiental como Ministério do Meio Ambiente. Portanto. A organização do processo de ensino/aprendizagem no Curso de graduação em Engenharia Ambiental da UFC da UFC contribui para que: a) os estudantes se responsabilizarem por suas atividades de aprendizagem e desenvolvam comportamentos proativos em relação aos estudos e ao desenvolvimento de suas competências. Serviços Autônomos de Água e Esgoto e Agências reguladoras. recuperação de áreas contaminadas e degradadas. resíduos sólidos urbanos e industriais. Agência Nacional de Águas. planejamento ambiental.1.29 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Gestão dos Recursos Hídricos. Companhias de Saneamento. Ministério das Cidades. implantação de tecnologias limpas de produção. Deve-se lembrar das inúmeras oportunidades em consultorias que trabalham com projetos na área ambiental como abastecimento/tratamento de água. b) o professor torne-se um gestor do ambiente de aprendizagem e não um repassador de conteúdos conceituais. estudos de impacto ambiental. etc. drenagem urbana. Secretarias estaduais e municipais do Meio Ambiente. IBAMA. o Engenheiro Ambiental poderá atuar em: • • • • • • • • • • • Empresas privadas Consultorias Órgãos governamentais Entidades ambientalistas Companhias de saneamento Empresas da construção civil que desenvolvam projetos sustentáveis Gerenciamento e implantação de Processos em indústrias Projetos de reflorestamento e reciclagem Restauração de áreas poluídas Pesquisador em centros ou universidades Elemento de interligação de outras profissões com o intuito de gerenciamento ambiental. Ministério Público. METODOLOGIAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM 11. c) as matérias sejam organizadas de modo a facilitar e estimular os grupos de discussão. dentre outros. visando encorajar a interação entre os estudantes e viabilizar o processo de . esgotamento sanitário.

2.1. de modo a desafiar a habilidade dos estudantes e estimular maior entendimento dos conceitos estudados. A organização do processo de ensino/aprendizagem será orientada pelas seguintes referências: a) organização do currículo por projetos de trabalho capazes de integrar diferentes matérias de uma mesma fase do curso. d) o material didático seja organizado de forma que os conceitos venham sendo construídos e apresentados de forma lógica e incremental. e) sejam estabelecidos níveis de competência. f) as avaliações sejam projetadas de forma a permitir aos estudantes verificarem seu nível de compreensão e suas habilidades para usar os conceitos em situações problema.30 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental aprendizagem em grupo. UNIDADES CURRICULARES A estrutura do curso de graduação em Engenharia Ambiental será. A unidade curricular do Núcleo de Conteúdos Básicos será composta pelas seguintes disciplinas: Álgebra Linear para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Cálculo Vetorial para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Equações Diferenciais Aplicadas às Engenharias de Energias e Meio Ambiente Física experimental para Engenharia . matérias de diferentes fases. 11. evoluindo de conceitos simples para situações problema que levem os estudantes a construírem soluções que articulem os conhecimentos adquiridos. c) organização de laboratórios que permitam a simulação de situações de trabalho que poderão ser encontradas pelos futuros profissionais. do ponto de vista pedagógico. b) oportunidade de estágios para alunos junto a organizações. até mesmo. ou. 12. composta pelas seguintes unidades curriculares: • • • • • Núcleo de Conteúdos Básicos Integralização Curricular Trabalho de Conclusão de Curso e Estágio Supervisionado Tecnologia e Gestão Ambiental Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental 12. e) realização de atividades extracurriculares e/ou complementares capazes de oferecer maiores informações a respeito das atividades exercidas na atuação profissional do Engenheiro Ambiental. d) projetos de integração entre as diferentes unidades organizacionais da instituição de ensino superior que contribuem para a formação profissional dos estudantes.

2.31 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Fundamentos da Administração Fundamentos da Economia Fundamentos da Física para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Fundamentos da Química para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Fundamentos do Cálculo para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Metodologia Cientifica e Tecnológica Métodos Numéricos para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Princípios de Eletricidade e Magnetismo Probabilidade e Estatística para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Programação Computacional para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Química Experimental para Engenharias de Energias e Meio Ambiente 12. A unidade curricular de Integralização Curricular será composta pelas seguintes disciplinas: Ciência dos materiais Desenho para engenharia Ecologia Eletrotécnica Fenômenos de transporte 1 Fontes de energia renováveis Geoprocessamento Higiene industrial e segurança do trabalho Introdução à engenharia ambiental Introdução às engenharias de energias e meio ambiente Mecânica e resistência dos materiais Operações Unitárias Princípios de processos químicos e bioquímicos Termodinâmica aplicada Topografia Transferência de calor e massa 12.4. A unidade curricular de Tecnologia e Gestão Ambiental será composta pelas seguintes disciplinas: Disciplinas área de Tecnologia Ambiental .3. A unidade curricular de Trabalho de Conclusão de Curso e Estágio Supervisionado será composta pelas seguintes disciplinas: Estágio supervisionado Trabalho de Conclusão de Curso 12.

5. A unidade curricular de Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental será composta pelas seguintes disciplinas: Disciplinas na área de recursos hídricos Obrigatórias: Climatologia Conservação e proteção de mananciais Drenagem urbana Hidráulica aplicada Hidrologia .32 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Obrigatórias: Gestão de resíduos sólidos Microbiologia ambiental Qualidade de água e controle da poluição Recuperação de áreas degradadas Saneamento e saúde Sistemas de abastecimento e de tratamento de água Sistemas de esgotamento sanitário e de tratamento de águas residuárias Eletivas: Reúso Saneamento ecológico Tratamento de água para abastecimento Tratamento de esgotos Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental I Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental II Disciplinas na área de Gestão Ambiental Obrigatórias: Avaliação e controle de impactos ambientais Gerenciamento ambiental na empresa Direito ambiental Planejamento e licenciamento ambiental Eletivas: Análise de riscos ambientais Estudos de caso de impactos ambientais Produção mais limpa 12.

estabelecidas de acordo com o Art. nos termos da Resolução nº. V – Atividades de participação e/ou organização de eventos.07 CEPE/UFC. O acompanhamento e registro é responsabilidade da Coordenação do Curso.Atividades artístico-culturais e esportivas. II – Atividades de iniciação à pesquisa. desta Resolução. ATIVIDADES COMPLEMENTARES São consideradas atividades complementares: I – Atividades de iniciação à docência. VII – Produção Técnica e/ou Científica. III – Atividades de extensão. IV .33 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Eletivas: Engenharia costeira Gestão de projetos Gestão de recursos hídricos Hidráulica de canais Hidráulica transiente Águas subterrâneas Instalações hidráulicas e sanitárias Modelagem de qualidade de água Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental I Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental II Disciplinas na área de Geotecnia Ambiental Obrigatórias: Geologia aplicada a engenharia ambiental Geotecnia ambiental Mecânica dos Solos Eletivas: Métodos de investigação e monitoramento geoambiental Proteção e recuperação ambiental em obras geotécnicas 13. VIII – Vivências de gestão. 3o. de 17 de junho de 2005. IX – Outras atividades. . que ao final de cada semestre. deverá informar a PROGRAD os alunos que cumpriram. VI – Experiências ligadas à formação profissional e/ou correlatas.

Todo aluno deve realizar 160 horas de atividades complementares para poder se formar. devendo todas as atividades serem comprovadas e com apresentação de um relatório de atividades (em formulário próprio da Coordenação do Curso).34 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Conforme recomendação Conselho Nacional da Educação do Ministério da Educação (Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia. e. em até 192h. em atividades acadêmicas reconhecidas pelo Colegiado da Coordenação do Curso. A) Discriminação dos Grupos de Atividades e número de horas a serem integralizadas . bem como aquelas credenciadas pelo Conselho Estadual de Educação) e monitoria (em disciplinas da integralização curricular do Curso de Engenharia Química). à pesquisa e/ou à extensão Atividades artístico-culturais e esportivas Atividades de participação e/ou organização de eventos Experiências ligadas à formação profissional e/ou correlatas Produção Técnica e/ou Científica Vivências de gestão Outras atividades Número de Horas 96 80 32 64 96 48 48 De acordo com a Resolução nº 07/ CEPE de 17 de junho de 2005.ensino. • EXTENSÃO – participação em eventos técnico-científicos e em projetos e programas de extensão. cursos de línguas estrangeiras (das Casas de Cultura da própria UFC ou de Escolas de reconhecida excelência de formação. o Colegiado do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental estabelece os seguintes critérios para a integralização das Atividades Complementares. Resta salientar que o computo das referidas horas de atividades complementares estará sujeito à aprovação pelo Colegiado do Curso. pesquisa e extensão . Estas atividades serão objeto de integralização. que dispõe sobre as atividades Complementares nos Cursos de Graduação da UFC. o aluno será incentivado a desenvolver atividades de estudos complementares. As atividades complementares foram divididas em três grandes grupos . CNE/CES 1362/2001). • PESQUISA – projetos e programas de pesquisa e assistência a defesas de dissertação de mestrado ou tese de doutorado.com a seguinte abrangência: • ENSINO – disciplinas eletivas (não pertencentes ao currículo pleno do Curso de Engenharia Ambiental). As atividades complementares estão divididas em 7 módulos: Categoria 1 2 3 4 5 6 7 Descrição Atividades de iniciação à docência.

f) Publicação de técnica ou consultoria: de 36 a 96 horas por publicação . II . IV . c) Publicação de artigo completo em congresso regional ou local: 64 horas por trabalho.cada caso será avaliado pelo Colegiado. . d) Participação em seminários. 1 hora por hora de atividade.Produção Técnica e/ou Científica (até 96 horas para o conjunto de atividades): a) Publicação de artigo em revista internacional ou nacional: 96 horas por trabalho. f) Participação como monitor (ou auxiliar) em eventos: 8 horas por dia de atividade. de dança.Atividades de participação e/ou organização de eventos (até 32 horas para o conjunto de atividades): a) Participação em congressos internacionais e nacionais: 8 horas por dia de evento. literário. e) Outras atividades 1 hora por hora de atividade.Atividades artístico-culturais e esportivas (até 80 horas para o conjunto de atividades): a) 1 hora por hora de atividade em grupo de teatro. coral. III . d) Monitoria: 12 horas por semana de atividade. d) Publicação de resumo ou resumo expandido em congresso internacional.Atividades de iniciação a docência e/ou pesquisa. c) Participação em congressos locais: 4 horas por congresso. envolvendo ensaios/treinos e apresentações/torneios. b) Outras Atividades: 1 hora por hora de atividade. nacional ou regional: 48 horas por trabalho. b) Participação em congressos regionais: 4 horas por dia de evento. e) Publicação de resumo ou resumo expandido em congresso local: 36 horas por trabalho. atividades de extensão (até 96 horas para o conjunto de atividades): a) Iniciação Científica com bolsa PIBIC ou ITI: 16 horas por semana de atividade. e) Organização de eventos científicos como presidente ou membros da diretoria: 32 horas por evento. b) Iniciação Científica Voluntária: 8 horas por semana de atividade. V . b) Publicação de artigo completo em congresso nacional ou internacional: 72 horas por trabalho.35 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental I . colóquios e palestras com exceção de atividades internas de grupos de pesquisas e que segundo a avaliação do Colegiado do curso contribuam para um desenvolvimento integral do profissional.Experiências ligadas à formação profissional e/ou correlatas (até 64 horas para o conjunto de atividades): a) Estágio Não-Curricular: 1 hora por hora de atividade. musical ou em equipe esportiva. c) Participação do grupo PET: 16 horas por semana de atividade.

o número de horas semanais e o período em que o aluno esteve a ela vinculado. serão consideradas declarações ou certificados fornecidos pela comissão organizadora do evento. d) Curso de informática: 1 hora por hora cursada. b) Participação em atividade de voluntariado em prol da sociedade (amigos da escola. serão consideradas declarações fornecidas pelo docente coordenador do respectivo projeto de iniciação à docência. B) Forma de comprovação das Atividades Complementares a) Só serão aceitos comprovantes com data a partir do ingresso como aluno regular do curso de Engenharia Ambiental da UFC. f) Organização da “Semana Cultural da Engenharia Ambiental” como coordenador ou membro da comissão do evento: 48 horas por evento. b) Para as atividades do Grupo I. serão consideras declarações dos docentes .Vivências de gestão (até 48 horas para o conjunto de atividades): a) Participação na diretoria de empresa júnior como presidente e vice-presidente ou diretor: 48 horas por pelo menos seis meses na função. na qual conste a atividade desenvolvida pelo aluno.36 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental VI . e) Para as atividades do Grupo IV. c) Para as atividades do Grupo II. deverá ser fornecida declaração/certificado emitido pela instituição patrocinadora do evento.Outras atividades (até 48 horas para o conjunto de atividades): a) Bolsista de assistência de prestação de serviços de natureza técnico-administrativa nas diferentes unidades da UFC: 16 horas por semana de atividade. em se tratando de coordenação de evento. comunidade solidária. d) Participação na condição de representante estudantil no colegiado de coordenação de curso. na qual conste a atividade desenvolvida pelo aluno. VII . e) Organização da “Semana da Engenharia Ambiental” como coordenador ou membro da comissão do evento: 48 horas por evento. pesquisa ou extensão. o número de horas semanais e o período em que o aluno esteve a ela vinculado. d) Para as atividades do Grupo III. b) Participação na empresa júnior: 36 horas por pelo menos seis meses na função. projeto Rondon e outras): 1 hora por hora de atividade. c) Curso de língua estrangeira: 1 hora por hora cursada. serão consideradas declarações fornecidas pela instituição em que foram desenvolvidas as atividades artístico-culturais e/ou esportivas. departamental ou conselho de centro: 4 horas por reunião. c) Participação na diretoria do centro Acadêmico do Curso: 48 horas por pelo menos seis meses na função.

Já em nível acadêmico. sendo informado ao final de cada semestre letivo o número de horas acumulado pelos alunos. a Coordenação de curso fornecerá declaração para a comprovação de representação estudantil no colegiado de Coordenação. será considerada declaração fornecida por instituição /empresa beneficiada. f) Para as atividades do Grupo V. Em nível empresa/industrial. os docentes responsáveis pelas demais atividades fornecerão as declarações aos alunos colaboradores. como também o arquivamento das devidas comprovações à medida que sejam entregues a secretária do curso. a supervisão do estágio será realizada por um professor designado pelo Colegiado do Curso. será considerada declaração fornecida pelo Chefe do Departamento nos casos de participação como representante estudantil do Colegiado Departamental. no entanto. C) Forma de acompanhamento das Atividades Complementares À Coordenação do curso caberá unicamente registrar as atividades e computar a carga horária das Atividades Complementares. esta será efetuada pelo engenheiro designado pela empresa para acompanhar as atividades do estagiário.37 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental responsáveis pelas respectivas atividades. Convém ressaltar que o estudante estará livre para a realização de estágios anteriores aos requisitos supracitados. de atividade de em empresa júnior. os mesmos não serão integralizados como atividade de Estágio Supervisionado. juntamente com cópia de capa dos anais/revista/cd-rom do evento. h) Para as atividades do Grupo VII. Vale salientar que a carga horária semanal máxima não poderá ultrapassar os limites de 6 (seis) horas diárias e 30 (trinta) horas semanais. g) Para as atividades do Grupo VI. as demais atividades deverão ser comprovadas por declarações. será considerada cópia da publicação. Os casos omissos serão apresentados ao conselho do Colegiado de Curso para se tomar às devidas deliberações. 14. será considerado o histórico escolar para o caso das disciplinas enquadradas no grupo. em conformidade com a Lei 11. de 25 de Setembro de 2008. ESTÁGIO SUPERVISIONADO A disciplina de Estágio Supervisionado será obrigatória. ofertada no último ano do curso (9° e 10o períodos) e terá uma duração mínima de 160 horas. . para o caso de produção técnica. para orientar o aluno de forma a obtenção do melhor desempenho possível na execução das atividades previstas no Programa de Trabalho.788. constando o número de horas semanais e o período em que o aluno participou. O aluno só estará apto a cursar esta disciplina após conclusão das disciplinas que integralizam o oitavo semestre. A supervisão do estágio será realizada em dois níveis: empresa/industrial e acadêmico.

sendo o equivalente a 2 (dois) créditos. necessita de instrumentos de avaliação. mediante banca examinadora composta de 3 (três) membros. A avaliação da disciplina Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) será registrada em formulário próprio. um relatório das atividades desenvolvidas pelo estagiário entregue ao professor orientador acadêmico e. com o visto do professor orientador. portanto. em sessão secreta. resultado da disciplina Trabalho de Conclusão de Curso deverá ser submetida à defesa pública. ii. sendo um deles o próprio orientador.38 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental O Estágio Supervisionado é uma disciplina regular do curso e. Cabe salientar que: i. onde o mesmo será avaliado pelo supervisor industrial. vinculados à Universidade. quer por parte da coordenação de estágios. A versão final de toda a documentação escrita deverá ser entregue à Coordenação do Curso. trabalhos em comunidades são aceitos como objeto do TCC desde que esses trabalhos façam parte de projetos específicos desenvolvidos pela Universidade e conduzidos pelos seus docentes. Além disso. O Trabalho. As normas para realização do TCC são estabelecidas pela ABNT. quer por iniciativa própria do estudante. uma ficha de avaliação. O TCC deve ser desenvolvido como atividades de pesquisa ou extensão. ouvidos os respectivos orientadores e respeitado o calendário letivo da UFC. Caberá à Coordenação de Curso elaborar calendário para defesa dos trabalhos de fim de curso. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) deverá ser cumprido preferencialmente no décimo semestre do curso. imediatamente após a defesa pública. onde cada membro da banca examinadora atribuirá nota de 0 (zero) a 10 (dez). iii. Estes instrumentos são: plano de atividades elaborado em conjunto com o orientador pedagógico e entregue ao Coordenador do Estágio no início do semestre. e com antecedência de no mínimo 30 (trinta) dias do término do período letivo. Dada a dificuldade operacional e dinamismo do processo de captação de estágios. desde que intermediadas pela Universidade. . A nota final corresponderá à média aritmética das notas atribuídas pelos membros da banca examinadora. sendo considerado aprovado o estudante que obtiver média igual ou superior ao mínimo exigido pelo sistema de avaliação da UFC. Essas atividades podem ser desenvolvidas como projetos de Iniciação Científica (preferencialmente) ou por atividades de pesquisa aplicada em empresas públicas ou privadas. 15. esta disciplina será ofertada todos os semestres.

visam proporcionar ao aluno uma formação básica científica e tecnológica. tais como aulas de laboratório. assim como na especificação das unidades de estudo a serem ministradas. incluindo as dimensões históricas. que estabeleceu as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. O número de créditos de cada disciplina é fixado em função das atividades em classe e extra-classe. de conteúdos profissionalizantes. a citar: • • • • Tecnologia Ambiental Gestão Ambiental Recursos Hídricos Geotecnia Ambiental O currículo do curso de Engenharia Ambiental foi proposto para ser cumprido no prazo mínimo de cinco anos com disciplinas anuais ou semestrais. políticas e sociais. As disciplinas com conteúdo de formação básica. que forneçam meios adequados para o desenvolvimento de uma visão crítica sobre o cenário em que está inserida sua profissão. Os conteúdos pedagógicos propostos para o Curso. assegurando às instituições de ensino superior ampla liberdade na composição da carga horária a ser cumprida para a integralização dos currículos. A integralização do currículo exige o cumprimento de 3. e abrangem quatro grupos de disciplinas classificadas como: de conteúdos básicos. de conteúdos específicos. de campo. em consonância com o perfil profissional dos egressos. As disciplinas do curso de Graduação em Engenharia Ambiental da UFC estão divididas . econômicas. Os alunos cumprirão um elenco de disciplinas comuns. em que o mesmo preencherá os créditos restantes com disciplinas optativas na Área de Tecnologia e Gestão Ambiental ou na Área de Recursos Hídricos e Solo.39 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 16. distribuídos nos 05 (cinco) anos do curso. DE 1996. estão baseados na RESOLUÇÃO CNE/CES 11 DE 11 DE MARÇO DE 2002.696 horas ou 231 créditos.394 – LEI DE DIRETRIZES E BASES DA EDUCAÇÃO NACIONAL – LDB. As disciplinas com conteúdo de formação profissional foram divididas em quatro grandes áreas da Engenharia Ambiental. ESTRUTURA CURRICULAR A proposta de criação do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental baseou-se na LEI 9. de projeto e outras. e de conteúdos complementares. definidas nos respectivos programas. todas obrigatórias.

0 1.0 3. As disciplinas com conteúdo de formação complementar.9 4. buscando seus conteúdos em qualquer área do saber existente nas Instituições de Ensino Superior (IES). As disciplinas com conteúdo de formação profissional. Defender o Trabalho de Conclusão de Curso. elencadas num grupo denominado de Atividades Complementares. de complementar seus estudos. Cursar duas disciplinas eletivas. obrigatórias e eletivas.0 % do total de horas 39. através do estabelecimento de métodos de análise e de síntese.2 6. De Formação em Engenharia Básica. visam proporcionar aos alunos uma forma. Vale salientar que ficará a cargo de cada um dos responsáveis por disciplinas a inclusão de até 20% (vinte por cento) da carga horária da mesma em atividades não presenciais.0 32. Cursar duas disciplinas livres. De Formação Profissional Eletivas. têm por finalidade promover capacitação instrumental ao aluno. para que possa intervir no desenvolvimento da área da Engenharia Ambiental.4 44.632. profissionalizantes.0 160. As Tabelas 1 e 2 mostram a distribuição da carga horária mínima para obtenção diploma do grau de Bacharel em Engenharia Ambiental com relação aos conteúdos básicos.3 0. Integralizar pelo menos 160h em atividades complementares (item 13).Distribuição da carga horária mínima para obtenção de diploma em Bacharel em Engenharia Ambiental Divisão das disciplinas Núcleo de conteúdos básicos Núcleo de conteúdos profissionalizantes Núcleo de conteúdos específicos Atividades complementares Estágio supervisionado Trabalho de Conclusão de Curso Total Carga Horária (h) 1.3 4. específicos e complementares. Cumprir o estágio supervisionado.0 160.9 Desta forma. à sua livre escolha. e Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental. . De Formação Profissional nas áreas de Tecnologia e Gestão Ambiental.40 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental em: Disciplinas de Formação Básica.696.456.0 256. são condições sine qua non para a colação de grau: • • • • • • Cursar todas as disciplinas obrigatórias. Tabela 1 . e aprofundamento teórico-prático do ferramental que foi desenvolvido nas disciplinas de formação básica. Disciplinas Livres. todas eletivas.

41 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Tabela 2 .0 48.0 64.0 - Química TH167 64.0 64.0 64.0 32.0 32. Profissionalizantes e Específicos do curso de Engenharia Ambiental Núcleo de Conteúdos Tópicos Matemática CP (h) - Código CT001 CT006 CT007 CT008 Disciplina Fundamentos do Cálculo para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Álgebra Linear para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Probabilidade e Estatística para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Cálculo Vetorial para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Equações Diferenciais Aplicadas às Engenharias de Energias e Meio Ambiente Métodos Numéricos para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Fundamentos da Física para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Física experimental para Engenharia Princípios de Eletricidade e Magnetismo Fundamentos da Química para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Química Experimental para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Fenômenos de Transporte 1 Transferência de Calor e Massa Mecânica e Resistência dos Materiais Programação Computacional para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Desenho para Engenharia Metodologia Cientifica e Tecnológica Fundamentos da Economia Fundamentos da Administração Introdução às Engenharias de Energias e Meio Ambiente Eletrotécnica CT (h) 128.0 1.456.0 64.0 128.0 - TD950 TD922 Introdução à Engenharia Ambiental Higiene Industrial e Segurança no Trabalho 32.0 32.0 32.0 32.0 64.0 64.0 96.0 1.0 64.0 - TE135 Ciência dos Materiais 64.0 64.0 128.0 64.0 TF0352 CT009 Física CT002 CD328 TH0215 CT003 CE0888 Fenômeno de Transporte Básico Mecânica dos Sólidos Informática Expressão Gráfica Comunicação e Expressão Economia Administração Humanidades.0 64.0 32.0 64.0 32.Distribuição dos conteúdos Básicos.0 64.0 64.0 64.0 64.392. Ciências Sociais e Cidadania Eletricidade Aplicada Ciência e Tecnologia dos Materiais Ciências do Meio Ambiente TF320 DEQ003 TB792 TI0106 TC592 CT005 TE133 TE134 CT004 64.0 - Sub-total de Horas Teóricas ou Práticas Termodinâmica aplicada Sub-total de Horas Teóricas e Práticas TE1003 Termodinâmica aplicada TF0353 Biologia Geologia DEHA006 DG001 DEHA003 Climatologia DEHA002 Princípios de Processos Químicos e Bioquímicos Microbiologia aplicada Geologia aplicada à Engenharia Ambiental Mecânica dos Solos Climatologia .

0 48.0 64.0 160.0 48.0 64.376.0 64.0 64.0 64.0 160.1.888.0 32. Estrutura do Currículo .0 64.0 16.0 64.0 - - Conteúdos Específicos Disciplina Livre Disciplina Livre Sub-total de Horas Teóricas ou Práticas Sub-total de Horas Teóricas e Práticas Atividades Complementares TC-599 TC-600 Estágio supervisionado Trabalho de Conclusão de Curso 64.0 - TD933 Legislação e Direito Ambiental DEHA010 DEHA012 Saúde Ambiental Planejamento Ambiental DEHA001 DEHA015 48.45 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Hidrologia Ecologia Hidráulica TD928 CH0865 TD926 DEQ009 Hidrologia Ecologia Hidráulica aplicada Operações Unitárias Topografia Geoprocessamento Fontes de Energias Renováveis Conservação e proteção de mananciais Qualidade de água e controle da poluição Geotecnia Ambiental Recuperação de áreas degradadas Avaliação e Controle de Impactos Ambientais Sistemas de Abastecimento e Tratamento de Água 64.0 64.0 64. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 17.0 64.0 17.0 1.0 - Cartografia TC593 DEHA008 Recursos Naturais DEMP001 DEHA009 Poluição Ambiental DEHA004 DEHA005 DEHA014 Impactos Ambientais Sistemas de Tratamento de Água e de Resíduos e Sistemas Hidráulicos e Sanitários DEHA011 DEHA008 TD948 DEHA013 Gestão de resíduos sólidos Sistemas de esgotamento e tratamento de águas residuárias Drenagem Urbana Direito Ambiental Gerenciamento ambiental na empresa Saneamento e Saúde Planejamento e Licenciamento Ambiental Disciplina Eletiva Disciplina Eletiva 48.0 48.0 1.0 64.824.0 Total Geral de Horas Teóricas ou Práticas Total Geral de Horas Teóricas e Práticas 3.0 32.0 16.0 64.0 64.696.0 64.0 48.0 16.0 64.0 16.0 320.0 64.0 3.

45 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Semestre Discriminação Código Título CT001 CT002 CD328 CT003 Fundamentos de Cálculo para EEMA (anual) Fundamentos de Física para EEMA (anual) Física Experimental para Engenharia (anual) Fundamentos de Química para EEMA (anual) Química Experimental para EEMA (anual) Introdução às EEMA Metodologia Científica e Tecnológica Programação Computacional para EEMA Obrigatória Créditos S S S S S S S S 4 4 1 4 1 2 2 4 22 h/a Requisito - 1º CE0888 CT004 CT005 TI0106 Subtotal CT001 CT002 CD328 2º CT003 CE0888 CT006 CT007 Subtotal CT008 TH167 TC592 3º CH0865 TF0352 TF0353 Subtotal Semestre Fundamentos de Cálculo para EEMA (anual) Fundamentos de Física para EEMA (anual) Física Experimental para Engenharia (anual) Fundamentos de Química para EEMA (anual) Química Experimental para EEMA (anual) Álgebra Linear para EEMA Probabilidade e Estatística para EEMA S S S S S S S 4 4 1 4 1 4 4 22 h/a - Cálculo vetorial para EEMA Eletrotécnica Desenho para engenharia Ecologia Equações diferenciais Aplicadas às EEMA Princípios de processos químicos e bioquímicos S S S S S S 4 4 4 4 4 4 24 h/a CT001 CT002 e CD328 CE0888 e CT003 CT001 CT001 e CT003 Discriminação Obrigatória Créditos Requisito .

45 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Código TF320 TB792 TD950 TE1003 4º TH0215 CT009 TE133 TE134 Subtotal DEQ003 DG001 DEHA001 5º TE135 DEMP001 DEHA002 TD922 Subtotal DEHA003 DEHA004 Título Fenômenos de Transporte I Mecânica e resistência dos materiais Introdução à engenharia ambiental Termodinâmica aplicada às EEMA Princípios de eletricidade e magnetismo Métodos numéricos para EEMA Fundamentos de economia Fundamentos de administração S S S S S S S S 4 3 2 4 4 4 2 2 25 h/a Transferência de calor e massa Geologia aplicada à engenharia ambiental Saneamento e saúde Ciência dos materiais Fontes de energia renováveis Climatologia Higiene industrial e segurança do trabalho S S S S S S S 4 4 2 4 4 4 2 24 h/a Mecânica dos solos Qualidade de água e controle da poluição Hidráulica aplicada Hidrologia Topografia Operações unitárias S S 4 4 DG001 TD950 e CT003 TF320 DEHA002 TC592 TF320 e DEQ003 TF320 TD950 TD950 CT003 TE1003 CT002 CT008 e TF353 CT001 e CT002 CH0865 TF0353 e CT002 CT001 e CT002 TF0352 e TI0106 - TD926 6º TD928 TC593 DEQ009 Subtotal DEHA005 DEHA006 DEHA007 7º S S S S 4 4 4 4 24 h/a Geotecnia ambiental Microbiologia aplicada Geoprocessamento S S S 4 4 4 DEHA003 DEHA004 TC593 .

DEQ009 e TD926 TD950 DEHA004 TD948 DEHA009 Subtotal DEHA010 DEHA011 Gestão de resíduos sólidos Conservação e proteção de mananciais S S 3 4 23 h/a Direito ambiental Avaliação e controle de impactos ambientais Gerenciamento ambiental na empresa Sistemas de esgotamento e tratamento de águas residuárias Recuperação de áreas degradadas Drenagem urbana S S 4 4 TD950 DEHA012 8º S 4 TD950 DEHA013 S 4 DEHA008 DEHA014 S 4 DEHA009 TD933 Subtotal TC599 S 3 23 h/a TD928 Estágio supervisionado S 10 DEHA012 e DEHA013 DB103 DEHA015 Planejamento e licenciamento ambiental S 4 9º Disciplina Eletiva A depender A depender Disciplina Livre Subtotal TC600 Trabalho de Conclusão de Curso S 14 + X h/a 2 DEHA013.45 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental DEHA008 Sistemas de abastecimento e tratamento de água S 4 DEHA004. DEHA015 e TD933 Disciplina Eletiva 10º Disciplina Livre A depender A .

: O aluno poderá escolher disciplinas eletivas listadas abaixo para substituir as disciplinas livres. Ética e legislação (já existente. 4 64 HD755) Introdução às ciências humanas (já 4 64 existente. Tabela 3 .Área I Pré-Requisitos (1 crédito = 16h) Teor.46 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental depender Subtotal 2 + X h/a Área I . Prát. HF030) 4 64 Psicologia aplicada ao trabalho I (já 6 96 existente.Disciplinas Livres: (máximo 128 h) A Tabela 3 mostra as disciplinas livres nas áreas de Humanidades. HD959) Cultura brasileira (já existente. HF106) 4 64 Psicologia social I (já existente. HF076) 6 96 Introdução à sociologia (já existente. Ciências Sociais e Cidadania (Área I) do Curso de Engenharia Ambiental Créditos Carga Horária (h) Disciplinas Eletiva . HF021) Psicologia comunitária (já existente. Ciências Sociais e Cidadania do Curso de Engenharia Ambiental. HB868) 4 64 Realidade social. HD948) Língua brasileira de sinais (já existente. HD813) 4 64 Português instrumental (já existente.Disciplinas Eletivas da área de Humanidades. TE218) 2 32 Introdução à sociologia (já existente. política e econômica do 4 64 Brasil (já existente. HD957) 4 64 Introdução à ciência política (já existente. s/i) 4 64 Obs. HD901) 4 64 Psicologia da Indústria (já existente. .

Disciplinas Eletivas: (mínimo 128 h) As Disciplinas Eletivas do Curso foram divididas em dois grandes grupos. a saber: Tecnologia e Gestão Ambiental (Tabela 4) e Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental (Tabela 5). Tabela 4 .47 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Área II .Disciplinas Eletivas na Área de Tecnologia e Gestão ambiental Discriminação Código DEHA016 DEHA017 Título Saneamento ecológico Estudos de caso de impacto ambiental Produção mais limpa Análise de riscos ambientais N Semestre Obrigatória Créditos N N 4 4 Requisito DEHA013 DEHA011 DEHA018 DEHA019 4 4 DEHA012 CT007 e DEHA011 DEHA008 TD946 9º e 10º TD945 DEHA020 DEHA021 Tratamento de água para abastecimento Tratamento de esgotos Reúso Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental I Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental II N 3 N N N 3 4 2 DEHA013 DEHA013 - DEHA022 N 4 - .

Disciplinas Eletivas na Área de Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental Discriminação Código TD935 DEECC002 DEHA023 Título Gestão de recursos hídricos Gestão de projetos Proteção e recuperação ambiental em obras geotécnicas Métodos de investigação e monitoramento geoambiental Instalações hidráulicas e sanitárias Hidráulica transiente Água subterrânea Hidráulica de canais Modelagem de qualidade de água Engenharia costeira N Semestre Obrigatória Créditos N N 3 4 4 Requisito DEHA009 TE018 DEHA005 DEHA024 4 DEHA005 TD939 N 3 TD926 TD938 9º e 10º TD931 TD936 DEHA025 N N N N 3 3 3 4 TD926 TD928 TD926 DEHA004 DEHA026 N 4 TD926 e TD928 - DEHA027 Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental I Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental II N 2 DEHA-028 N 4 - .48 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Tabela 5 .

Disciplina: Física Experimental para Engenharia (anual) Código: CD328 Créditos: 1 Pré-requisito: Não há Introdução de medidas: paquímetro e micrômetro. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. Hipérboles. bases e sistemas eletroquímicos. Aproximação numérica de integrais. Reações Orgânicas e mecanismos reacionais das principais classes de compostos orgânicos incluindo os aspectos estereoquímicos e físico-químicos. Cinética e Equilíbrio Químico. Integrais definidas e indefinidas.49 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 17. Semestre Disciplina: Fundamentos de Cálculo para Engenharias de Energias e Meio Ambiente (anual) Código: CT001 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Limites. lei de Hooke. wattímetro. Mecânica dos fluidos. Momento linear e angular. equilíbrio. de medidas elétricas: ohmímetro. Água e soluções. Movimento harmônico. Relações de equilíbrio e suas aplicações em fenômenos envolvendo ácidos. Calor e leis da termodinâmica. Experiência de estática dos fluidos: principio de Aquimedes. rigidez dielétrica e o gerador de van de Graaff. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. Cônicas. eletrização por contato. Disciplina: Fundamentos de Física para EEMA Engenharias de Energias e Meio Ambiente (anual) Código: CT002 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Movimento uni e bi-dimensional. Experiência de eletrostática: eletrização por atrito. calorimetria e determinação do calor específico. Teoremas fundamentais do Cálculo diferencial e integral de uma variável. Química do Carbono. movimento retilíneo uniformemente variado.2. Derivadas. Acidez e Basicidade. Método de Newton. Áreas entre curvas. relações de massa e energia nos fenômenos químicos. Experiência de calor: dilatação térmica. modelo do átomo e estrutura molecular. Máximos e mínimos. Experiência de mecânica: pendulo simples. Campo gravitacional. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. associação de molas. Volumes. . Leis de Newton. eletrização por indução. Lei de conservação de energia. amperímetro. Experiência de acústica: determinação da velocidade do som no ar. Métodos de integração. Instrumentos voltímetro. Ementário das Disciplinas 1o. Série de Taylor. Estereoquímica. Disciplina: Fundamentos de Química para Engenharias de Energias e Meio Ambiente (anual) Código: CT003 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Estudo dos conceitos fundamentais da química. Cálculo de Zeros de funções. identificação das cargas elétricas.

A pesquisa: noções gerais. Comunicação e Expressão: Técnicas de Apresentação e Utilização de Recursos Audiovisuais e Exposição de Trabalhos Técnicos. dissolução. etc. Como transmitir os conhecimentos adquiridos. Constantes físicas: densidade. preparação e caracterização de compostos orgânicos. Sociedade e Meio Ambiente. . Disciplina: Programação Computacional para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Código: TI0106 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Introdução à computação. Sistemas de numeração. Aplicações práticas de alguns princípios fundamentais em química: preparações simples. Engenharia. Sistema de E/S. indicadores. purificação e determinação de propriedades físicas e químicas de substâncias orgânicas. Apresentações sobre os Cursos de Engenharia de Energias e Meio Ambiente. pipetagem. Origem e evolução da Engenharia. Como proceder a investigação. Atribuições do Engenheiro. Algoritmos. Disciplina: Metodologia Científica e Tecnológica Código: CT005 Créditos: 2 Pré-requisito: Não há Natureza do conhecimento científico. equilíbrio químico. A importância da comunicação técnica (oral e escrita). O método científico. Tipos básicos de dados. Campo de Atuação Profissional e os cursos de engenharia na UFC. Leitura. Operadores. Manipulação de memória. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. Engenharia. Organização de idéias. Disciplina: Introdução às Engenharias de Energias e Meio Ambiente Código: CT004 Créditos: 2 Pré-requisito: Não há Estrutura universitária. Ciência e Tecnologia. extração. Cidadania. Tipos de dados definidos pelo usuário. Estruturas de controle de fluxo. Equipamento básico de laboratório. Interpretação. Experimentos englobando separação. filtração. Funções.49 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Química Experimental para Engenharias de Energias e Meio Ambiente (anual) Código: CE0888 Créditos: 1 Pré-requisito: Não há Noções elementares de segurança em laboratório. Medidas e erros: tratamento de dados experimentais. recristalização. Introdução às técnicas básicas de trabalho em laboratório de química: pesagem. preparação de soluções e titulações. Redação.

Química do Carbono. Disciplina: Fundamentos de Física para EEMA Engenharias de Energias e Meio Ambiente (anual) Código: CT002 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Movimento uni e bi-dimensional. . Cônicas. associação de molas. Experiência de eletrostática: eletrização por atrito. Disciplina: Fundamentos de Química para Engenharias de Energias e Meio Ambiente (anual) Código: CT003 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Estudo dos conceitos fundamentais da química. eletrização por contato. Volumes. Experiência de estática dos fluidos: principio de Aquimedes. Experiência de acústica: determinação da velocidade do som no ar. Disciplina: Física Experimental para Engenharia (anual) Código: CD328 Créditos: 1 Pré-requisito: Não há Introdução de medidas: paquímetro e micrômetro. Relações de equilíbrio e suas aplicações em fenômenos envolvendo ácidos. rigidez dielétrica e o gerador de van de Graaff. Calor e leis da termodinâmica. Integrais definidas e indefinidas. Experiência de mecânica: pendulo simples. Semestre Disciplina: Fundamentos de Cálculo para Engenharias de Energias e Meio Ambiente (anual) Código: CT001 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Limites. equilíbrio. Hipérboles. Campo gravitacional. eletrização por indução. Aproximação numérica de integrais. bases e sistemas eletroquímicos. Movimento harmônico. lei de Hooke. modelo do átomo e estrutura molecular. Derivadas. movimento retilíneo uniformemente variado. calorimetria e determinação do calor específico. Instrumentos voltímetro. Método de Newton. de medidas elétricas: ohmímetro. relações de massa e energia nos fenômenos químicos. wattímetro. Cinética e Equilíbrio Químico.51 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 2o. Série de Taylor. Leis de Newton. amperímetro. Estereoquímica. Cálculo de Zeros de funções. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. Métodos de integração. Teoremas fundamentais do Cálculo diferencial e integral de uma variável. Mecânica dos fluidos. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. identificação das cargas elétricas. Reações Orgânicas e mecanismos reacionais das principais classes de compostos orgânicos incluindo os aspectos estereoquímicos e físico-químicos. Experiência de calor: dilatação térmica. Máximos e mínimos. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. Áreas entre curvas. Lei de conservação de energia. Acidez e Basicidade. Água e soluções. Momento linear e angular.

Programação de matrizes. Estimação e Testes de Hipóteses de Média. Disciplina: Álgebra Linear para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Código: CT006 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Álgebra matricial. Homogeneidade e Independência. Constantes físicas: densidade. Espaços de funções. Fatorização de matrizes. Variáveis Aleatórias e Distribuições de Probabilidade Discretas e Contínuas. Espaços Vetoriais. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. dissolução. Aplicações em Engenharia. Análise de Variância.51 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Química Experimental para Engenharias de Energias e Meio Ambiente (anual) Código: CE0888 Créditos: 1 Pré-requisito: Não há Noções elementares de segurança em laboratório. Equipamento básico de laboratório. Disciplina: Probabilidade e Estatística para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Código: CT007 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há O Papel da Estatística na Engenharia. Regressão Linear Simples e Correlação. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. Testes de Aderência. Experimentos englobando separação. Análise Exploratória de Dados. . Introdução às técnicas básicas de trabalho em laboratório de química: pesagem. Elementos Básicos de Teoria das Probabilidades. recristalização. pipetagem. Aplicações práticas de alguns princípios fundamentais em química: preparações simples. Programação de matrizes. purificação e determinação de propriedades físicas e químicas de substâncias orgânicas. Medidas e erros: tratamento de dados experimentais. preparação de soluções e titulações. etc. Programação linear. equilíbrio químico. indicadores. extração. Amostragem.de matrizes. preparação e caracterização de compostos orgânicos. Regressão Linear Múltipla. Variância e Proporção. filtração. Programação linear.

Principais ecossistemas terrestres. Normas técnicas da ABNT para desenho. traços. Vistas ortográficas. Equações diferenciais parciais. Cortes e seções. Disciplina: Ecologia Código: CH0865 Créditos: 4 Pré-requisito: CE0888 e CT003 Conceitos básicos de estrutura e funcionamento de ecossistemas. posições relativas de retas e planos. Disciplina: Equações Diferenciais Aplicadas às Engenharias de Energias e Meio Ambiente Código: TF0352 Créditos: 4 Pré-requisito: CT001 Equações diferenciais ordinárias. Classificação dos desenhos. Esquemas: unifilar. Proteção. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. métodos e interpretação de dados ecológicos. Derivadas parciais. Serie de Taylor. Computação gráfica. Perspectivas. Projeções cotadas. Noções de geometria descritiva: generalidades: representação do ponto: estudos da retas: retas especiais: visibilidade: planos bissetores. Construções geométricas usuais. Regras de contagem. Processos ecológicos: energia e nutrientes. aterramento. Desenho a mão livra. estudos dos planos. Fornecimento de Energia elétrica. multifilar e funcional. Aplicações nos estudos de manejo e conservação de recursos naturais. Séries de Potências. Disciplina: Eletrotécnica Código: TH167 Créditos: 4 Pré-requisito: CT002 e CD328 Conceitos básicos de eletricidade. Dispositivos de comando de iluminação. Analise vetorial: teorema da divergência de Gauss e teorema de Stokes. Soluções de equações diferenciais ordinárias por série de potências. Semestre Disciplina: Cálculo Vetorial para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Código: CT008 Créditos: 4 Pré-requisito: CT001 Funções vetoriais. Efeitos dos fatores abióticos sobre a diversificação. . Previsão de cargas e divisão dos circuitos da instalação elétrica. Formatação de papel. Sistemas de Equações diferenciais. Equações a diferenças.53 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 3o. distribuição e abundância dos organismos. Dimensionamento da instalação elétrica. Disciplina: Desenho para engenharia Código: TC592 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Instrumentos e equipamentos de desenho. Ecossistemas brasileiro e cearense. Equações a diferenças. Integrais múltiplas. Observação.

Propriedades Volumétricas de Fluidos Puros. Aplicações em Engenharias de Energias e Meio Ambiente. Efeitos Térmicos. . 1ª Lei da Termodinâmica e Balanços de Energia.53 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Princípios de Processos Químicos e Bioquímicos Código: TF0353 Créditos: 4 Pré-requisito: CT001 e CT003 Balanços de Materiais. Balanços de Massa e de Energia Simultâneos em Regime Permanente e Não Estacionário.

ar e sonora. Ondas Eletromagnéticas. Disciplina: Princípios de eletricidade e magnetismo Código: TH0215 Créditos: 4 Pré-requisito: CT001 e CT002 Carga Elétrica. Ciclos de potência e de refrigeração. Oscilações Eletromagnéticas. Escoamento em dutos fechados. Propriedades Magnéticas da Matéria. 2ª. Escoamento potencial. Lei da Termodinâmica. Vasos de pressão. Análise de deformação. Escoamento interno e externo de fluidos viscosos e incompressíveis. Campo Magnético. Engenharia. Solução de Sistemas de Equações não-lineares. Entropia. Campo e Potencial Elétricos. Mudanças Globais. Circuitos de Corrente Alternada. Protocolo de Montreal e Legislação Ambiental. Lei de Faraday. Dielétricos. Equações de Maxwell. Análise diferencial do escoamento de fluidos. Relações termodinâmicas. Resíduos Sólidos e Líquidos. Princípio da conservação da energia. Métodos Numéricos para solução de equações diferenciais. solo. Disciplina: Introdução à engenharia ambiental Código: TD950 Créditos: 2 Pré-requisito: CH0865 Conceitos Básicos de Meio Ambiente: Agenda 21. Energia de deformação. Lei da Termodinâmica. Irreversibilidade e disponibilidade. Evolução da Questão Ambiental no Brasil e no Mundo. Métodos numéricos em Álgebra Linear. Análise de tensões. Segunda Lei de Newton do movimento. Corrente e Circuitos Elétricos. Flexão pura. Disciplina: Termodinâmica Aplicada às Engenharias de Energias e Meio Ambiente Código: TE1003 Créditos: 4 Pré-requisito: TF0353 e CT002 1ª. Lei de Ampère. Mistura de gases. Semestre Disciplina: Fenômenos de Transporte I Código: TF320 Créditos: 4 Pré-requisito: CT008 e TF353 Caracterização dos fluidos.55 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 4o. Meio Ambiente e Poluição. Aplicações teóricas . Disciplina: Mecânica e resistência dos materiais Código: TB792 Créditos: 3 Pré-requisito: CT001 e CT002 Equilíbrio dos corpos rígidos. Mistura de gás-vapor. Análise dimensional e semelhança. Poluentes e contaminantes. Controle da Poluição da água. Princípio da conservação da massa. Protocolo de Quioto. Estática e dinâmica dos fluidos. Disciplina: Métodos Numéricos para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Código: CT009 Créditos: 4 Pré-requisito: TF0352 e TI0106 Modelagem e simulação em Engenharia: desenvolvimento de modelos de processos e sua solução numérica.

justiça distributiva e ordenamento institucional. Simulação de processos químicos utilizando simuladores. Disciplina: Fundamentos de administração Código: TE134 Créditos: 2 Pré-requisito: Não há As organizações e a administração. Abordagens da administração. Fundamentos de Microeconomia. Administração de pessoas. . Os recursos econômicos e o processo de produção. As questões-chave da Economia: eficiência produtiva. Processo de administração. Eficácia alocativa. Os primórdios da administração. Disciplina: Fundamentos de economia Código: TE133 Créditos: 2 Pré-requisito: Não há Conceitos Básicos de Economia.55 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental e práticas voltadas para problemas típicos de Engenharia. O desempenho das organizações e o Modelo japonês de administração. Fundamentos da Macroeconomia.

Intemperismo. Transporte de energia e massa por difusão molecular e convecção. Educação ambiental. Disciplina: Geologia aplicada à engenharia ambiental Código: DG001 Créditos: 4 Pré-requisito: TD950 Rochas ígneas.57 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 5o. Disciplina: Ciência dos materiais Código: TE135 Créditos: 4 Pré-requisito: CT003 Definição e propriedades dos materiais. Camada limite. Análises e ensaios para a determinação de propriedades e controle de qualidade dos materiais. Transferência de calor e massa unidimensional estacionária e transiente. Analogias com transporte de momentum. Relação entre as propriedades dos materiais e suas estruturas internas. Disciplina: Saneamento e saúde Código: DEHA001 Créditos: 2 Pré-requisito: TD950 Conceito de Saúde. Noções de hidrogeologia: água subterrânea. encostas e fundações de barragens. Saneamento e saúde. Relação entre as propriedades dos materiais e suas estruturas internas. classificação e formas de ocorrência. Estrutura interna dos materiais. Análise para determinação de propriedades e controle de qualidade dos materiais. importância geotécnica. conseqüências e métodos de controle. Equações de transporte. Noções de Saúde Pública. Processos pedogenéticos. Disciplina: Climatologia Código: DEHA002 Créditos: 4 Pré-requisito: CT002 Introdução ao estudo do clima. Semestre Disciplina: Transferência de calor e massa Código: DEQ003 Créditos: 4 Pré-requisito: TF320 Leis fundamentais de transferência de energia e massa. Transferência por convecção natural e forçada. mapas. Saneamento Urbano e Rural. Gestão do Saneamento Básico. Investigações geológicas e geotécnicas: técnicas de investigação. Noções de microbiologia e de Epidemiologia. ocorrências. metamórficas e sedimentares: origem. Estrutura interna dos materiais. Meteorologia e . Saúde Pública. Meio ambiente e doenças. sensoriamento remoto e exploração de subsuperfície. Formação dos solos. Disciplina: Fontes de energia renováveis Código: DEMP001 Créditos: 4 Pré-requisito: TE1003 Fontes de energias renováveis. Perfis de intemperismo. Aspectos normativos. Planos Municipais de Saneamento Básico. Aplicações da Geologia de Engenharia: escavações. Conceitos e definições: clima e tempo.

Balanço de Energia global e Transferência meridional de energia. Balanço de energia. Noções de doenças profissionais. ruídos e etc. Vento na escala local e na escala global. temperaturas diárias e sazonais. formação da precipitação. Modelos de Previsão Climática. Clima no Brasil e Nordeste Brasileiro. Aparelhos de medição. Fundamentos e conceitos de física ambiental na atmosfera. Downscaling estatístico. Circulação geral da atmosfera e Ciclo hidrológico na escala planetária. Interpretação de imagens de satélites. História e Mudança do Clima. Interpretação de fenômenos atmosféricos: tipos de massas de ar e zona de convergência intertropical. acompanhamento das condições do tempo. Principais sistemas sinóticos. Ordem e limpeza. Os elementos do clima e os fatores de modificação das condições do tempo. Interesse da Segurança.58 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Climatologia. Problemas advindos da exposição à temperatura. Metabolismo basal. Poluição atmosférica. Modelos de previsão climática global. Introdução a Micrometeorologia. Modelos Climáticos Globais. Medidas das variáveis meteorológicas. Clima Global. 6o. Fundamentos de Hidrometeorologia. Legislação trabalhista. Incêndios. Mudança Climática. Circulação geral dos Oceanos. Modelos de previsão climática regional. As massas de ar atuantes no Brasil. radiações. ventos e forças atuantes). Ecologia Climatológica: conceitos e aplicações. Disciplina: Higiene industrial e segurança do trabalho Código: TD922 Créditos: 2 Pré-requisito: Não há Conceitos. umidade atmosférica. movimento atmosférico (pressões. História do Clima na Terra e Noções de Paleoclima. Semestre . Segurança industrial.

Previsão de enchentes. Chuvas intensas. Meteorologia do Nordeste Brasileiro. Ciclo hidrológico. Disciplina: Hidráulica aplicada Código: TD926 Créditos: 4 Pré-requisito: TF320 Conceitos básicos. Disciplina: Hidrologia Código: TD928 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA002 Definição. Hidrograma unitário. água como meio ecológico. Escoamento permanente e uniforme em condutos forçados. índice de qualidade de água. Escoamento superficial. uso de organismos como indicadores de qualidade de água. Hidrógrafa. Levantamentos planimétricos. Propagação de enchentes. formas de medição. Levantamentos Altimétricos. Compactação dos Solos. Escoamento através de orifícios. principais usos da água e seus requisitos de qualidade. Tensões nos Solos. Fatores Climáticos. Análise Integrada da qualidade da água. Disciplina: Qualidade da água e controle da poluição Código: DEHA004 Créditos: 4 Pré-requisito: TD950 e CT003 Distribuição de água no planeta. formas de medição. Levantamentos planialtimétricos: Topografia em Projetos Civis e Rodoviários. Sistemas elevatórios – cavitação. Características químicas da água: principais parâmetros. Características bacteriológicas da água: principais parâmetros. Histórico. Legislação brasileira sobre qualidade da água: classes dos corpos d’água. Perdas de carga localizada. Principais fenômenos poluidores da água: contaminação. Teodolitos e estações totais.59 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Mecânica dos solos Código: DEHA003 Créditos: 4 Pré-requisito: DG001 Origem e caracterização dos solos. eutrofização. controle de organismos em mananciais. Disciplina: Topografia Código: TC593 Créditos: 4 Pré-requisito: TC592 Normas e conceitos básicos. Características hidrobiológicas da água: principais comunidades. Regularização de vazões. Resistência ao Cisalhamento dos Solos. Projeto e construção de canais. Estabilidade de Escavações e Taludes. acidificação. Capilaridade e Permeabilidade. assoreamento. Adensamento dos Solos. . Bacias hidrográficas. bocais e vertedores. padrão de potabilidade. Fluxo de água analisado em condições bi e tridimensional: soluções da equação de fluxo e aplicações. Características físicas da água: principais parâmetros. Redes de distribuição de água. Precipitação. Escoamento permanente e uniforme em canais. Infiltração. Sistemas hidráulicos de tubulações. Evaporação e evapotranspiração. formas de medição.

Sedimentação. Precipitação. Decantação. Agitação. Aeração. Neutralização. Manuseio e descarte de lodos.60 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Operações unitárias Código: DEQ009 Créditos: 4 Pré-requisito: TF320 e DEQ003 Processos sólido-fluido de tratamento de efluentes industriais. . Flotação. Escoamento de fluidos em meios porosos. Coagulação. Equalização. Processos de separação de misturas.

Fundamentos da Fotogrametria Analítica e Digital. Processos Erosivos. Incineração. Conceitos gerais de Geoprocessamento. Captação: de águas superficiais e de águas subterrâneas. Transporte de Poluentes em Solos. Disciplina: Geoprocessamento Código: DEHA007 Créditos: 4 Pré-requisito: TC593 Introdução à Cartografia. Funções celulares. A célula. Linhas adutoras e órgãos acessórios: Classificação e dimensionamento. Problemas Ambientais. Biorremediação. Sistemas de Gestão de resíduos sólidos. tipos e tubulações. Compostagem. Biodegradação. Fundamentos de Sensoriamento Remoto. rede ramificada e rede malhada. Sistemas de Posicionamento por Satélites. Significado e aplicação do mapeamento. Peças especiais. Características. Código genético. Coleta seletiva. Disciplina: Gestão de resíduos sólidos Código: TD948 Créditos: 3 Pré-requisito: TD950 Resíduos sólidos. Reprodução. DEQ009 e TD926 Considerações sobre consumo de água e definição dos parâmetros básicos.61 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 7o. Controle de Erosão. Reservatórios de distribuição: capacidade. Projeto de Aterros de Resíduos. Rede de distribuição: recomendações de projeto. Sistemas de Informações Geográficas. Geomecânica dos Resíduos Sólidos. Investigação e Monitoramento Geoambiental. Disciplina: Sistemas de abastecimento e tratamento de água Código: DEHA008 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA004. Tratamento de água. Técnicas de Remediação. Contaminação do Solo e Água subterrânea. Projeções cartográficas e Projeções Geodésicas. Representação Cartográfica. Aterro sanitário. Transporte. Teoria da distorção. Nutrição e respiração. Método de Hardy-Cross. Importância da microbiota no ambiente. Aspectos legais e institucionais. Coleta: coleta regular e especial. Acondicionamento dos resíduos. Reciclagem de resíduos. . Noções de Operação de sistemas. Papel dos microrganismos nos diferentes ciclos biogeoquímicos. Fundamentos da Microbiologia. dimensionamento. Barragens de Rejeitos. Microbiologia aplicada ao tratamento de esgotos e de resíduos sólidos. Aplicações em Engenharia Ambiental. Disciplina: Microbiologia aplicada Código: DEHA006 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA004 Origem da vida e evolução das Espécies. Semestre Disciplina: Geotecnia ambiental Código: DEHA005 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA003 Tipos de Resíduos Sólidos.

Zoneamento. Faixas de proteção de recursos hídricos. Conservação de recursos hídricos. Poluição. A bacia hidrográfica como unidade de gestão. Aspectos legais e institucionais. Controle do parcelamento. conflitos de uso. Proteção da drenagem da água.62 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Conservação e proteção de mananciais Código: DEHA009 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA004 Recursos Hídricos: usos múltiplos. . Controle da erosão. Disciplinamento do uso e ocupação do solo visando à proteção dos recursos hídricos de uma bacia hidrográfica. Relação água/vegetação/solo. Causas de degradação de recursos hídricos. Medidas de Proteção.

Tratamento de esgotos. Estudos de casos. A ISO 14001: Sistema de Gestão: conceitos e procedimentos.63 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 8o. Problemas. Série ISO 14000 e EMAS. Implantação. Avaliação do ciclo de vida do produto. Caracterização quantitativa e a qualitativa dos esgotos. interceptadores. Disciplina: Avaliação e controle de impactos ambientais Código: DEHA011 Créditos: 4 Pré-requisito: TD950 E DEHA007 Homem e o meio ambiente. Sistema de Gestão Ambiental e as Certificações Ambientais. Disciplina: Sistemas de esgotamento e tratamento de água residuárias Código: DEHA013 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA008 Problemática dos esgotos sanitários. Diretrizes de planejamento e de projeto. Hidráulica dos condutores livres e dos condutores forçados. . Dano ecológico: responsabilidade. Métodos de avaliação de impactos. Casos exemplares em adequação ambiental de empresas. Programas de acompanhamento e monitoramento. Dano nuclear: prevenção e responsabilidade. Valoração Ambiental Energética: conceitos e aplicações. rede coletoras. da fauna e da proteção da zona costeira. Avaliação. Normas sobre a avaliação do ciclo de vida. Planejamento. Sistema Nacional do Meio Ambiente. Produção mais limpa e ecoeficiência. Gestão Ambiental Empresarial: abordagem e modelos: a variável ambiental nos negócios. dificuldades. Normas sobre definição de metas e monitoramento de um sistema de gestão ambiental. sifões invertidos. Impactos ambientais das atividades humanas. Atualização. Soluções individuais de esgotamento sanitário. Noções de Operação de sistemas. Normas sobre rotulagem ambiental. Aspectos legais e institucionais do Estudo de impacto Ambiental (EIA). Gerenciamento de resíduos gerados. Relatório de impactos Ambiental (RIMA). travessias. emissários. dissipadores de energia e estação elevatórias. reparação e meios processuais para defesa ambiental. Auditoria. complexibilidades e obstáculos em adequação ambiental de empresas. Semestre Disciplina: Direito ambiental Código: DEHA010 Créditos: 4 Pré-requisito: Não há Direito ambiental na Constituição Federal. Zoneamento ambiental. Medidas Mitigadoras. o meio ambiente na empresa. Disciplina: Gerenciamento ambiental na empresa Código: DEHA012 Créditos: 4 Pré-requisito: TD950 Gestão Ambiental: histórico e perspectivas. Impactos nos meios físicos. Tombamento. das áreas de preservação permanente da flora. Projeto dos órgãos constituintes do sistema de esgotamento sanitário. Classificação dos sistemas de esgotamento sanitário. Normas sobre auditoria ambiental. Aspectos jurídicos da poluição. biótico e antrópico.

Equações de Chuvas Intensas. dragagem de estuários e recuperação de margens. Construção. Dimensionamento de Um Sistema de Drenagem. despoluição de lagoas costeiras. Poços de Visitas. Estudos de Bacias de Drenagem. Especificações. Sarjetas. Fundamentos químicos. recuperação de dunas e de áreas de mineração off-shore. Disciplina: Drenagem urbana Código: TD933 Créditos: 3 Pré-requisito: TD928 Águas urbanas. Estruturas de Drenagem. Galerias. Escoamento Superficial. legislação específica técnicas e metodologias utilizadas na reconstrução. Desativação de empreendimentos industriais. Redes Pluviométricas. e 10º. Resiliência de sistemas ambientais.64 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Recuperação de áreas degradadas Código: DEHA014 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA009 Passivos ambientais. Soluções não convencionais. 9o. Semestres . Avaliação de periculosidade e ações de recuperação. Bacias Rurais e Urbanas. obras de recuperação de praias. Bocas de Lobo. biológicos e hidrogeológicos na recuperação de áreas degradadas. Método Racional e do Hidrograma Unitário. Estudos Pluviométricos em áreas urbanas.

Planejamento ambiental aplicado a obras de grande envergadura. Disciplina: Trabalho de Conclusão de Curso Código: TC600 -. Créditos: 2 Pré-requisito: DEHA013. planejamento ambiental na indústria. Tratamento de excreta. Análise de ciclo de vida de produtos. Avaliação de produção mais limpa. fezes e resíduos sólidos domésticos usados como fertilizantes. Atividades a serem licenciadas. Gerenciamento de resíduos. Licença e autorização.65 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Estágio supervisionado Código: TC599 Créditos: 10 Pré-requisito: DEHA012 e DEHA 013 Disciplina: Planejamento e licenciamento ambiental Código: DEHA015 Créditos: 4 Pré-requisito: DB103 Teoria do planejamento aplicado ao meio ambiente. Estudos de caso: avaliar a singularidade dos casos apresentados. Urina. Licenciamento ambiental como instrumento da Política Ambiental. Compatibilidade e integração dos princípios do Sistema de Gestão Ambiental com a estratégia de Produção mais . Agentes patogênicos e transmissão de doenças. Tratamento e reúso de água cinza. A evolução da legislação ambiental frente aos sistemas de produção. Disciplina: Estudos de caso de impactos ambientais Código: DEHA017 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA011 Estudos de EIA/RIMA(s) de projetos e obras. O desenvolvimento sustentável e a nova ordem econômica. Tecnologia do futuro. Implantação das opções de P+L. As etapas do licenciamento ambiental. DEHA015 e TD933 Disciplinas Eletivas na Área de Tecnologia e Gestão ambiental Disciplina: Saneamento ecológico Código: DEHA016 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA013 e DEHA 008 Higiene. Seleção do Processo para Produção mais Limpa. Diferentes tipos de sanitários. Produção de alimentos. Hortas e jardins urbanos. Disciplina: Produção mais limpa Código: DEHA018 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA012 -Conceitos e práticas ambientais. Identificação e avaliação das opções de P+L. Higienização de excreta e as diretrizes da Fundação Mundial de Saúde (WHO). Competência para licenciar. Prática e perspectivas de ecosan. com a necessária identificação das etapas e das peculiaridades que os fizeram próprios a serem aplicados em estudo de caso. Estruturação de projeto.

Disciplina: Análise de riscos ambientais Código: DEHA019 Créditos: 4 Pré-requisito: CT007 e DEHA011 Conceito de riscos. Créditos: 4 Pré-requisito: A depender . Estudo de casos. Disciplina: Tratamento de esgotos Código: TD945 Créditos: 3 Pré-requisito: DEHA013 Noções de microbiologia ambiental. urbano. outros. Operações. soluções individuais de tratamento. Desinfecção. Tecnologias de tratamento. filtração rápida descendente. desinfecção de esgotos e gerenciamento da fração sólida (lodo). concepção e arranjos de ETEs. Créditos: 2 Pré-requisito: A depender Disciplina: Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental II Código: DEHA022 A definir. noções de confiabilidade.66 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Limpa. graus e tecnologias de tratamento. industrial. hidroponia. explosões. Correção de PH. Disciplina: Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental I Código: DEHA021 A definir. Disciplina: Reúso Código: DEHA020 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA013 Importância do aproveitamento de esgotos. Disciplina: Tratamento de água para abastecimento Código: TD946 Créditos: 3 Pré-requisito: DEHA008 Qualidade das águas superficiais e subterrâneas. reúso. HAZOP. tratamento preliminar e primário de esgotos. Coagulação química e mistura rápida. Análise de conseqüências: descargas. piscicultura. em edificações (águas cinza). Probabilidade de eventos. Objetivos e etapas da análise de riscos. e legislação ambiental aplicada. análise de modos de falhas e efeitos (FMEA). dispersão de gases. processos aeróbios e anaeróbios de tratamento de esgotos. Aspectos sanitários. Vulnerabilidade. Identificação: análise preliminar de perigos. sociais e institucionais do reúso de águas. processos. Floculação. econômicos. freqüência de falhas. cloração. derramamentos. Cálculo e apresentação do risco. Caracterização e classificação dos efluentes domésticos e industriais. Diversas formas de reúso: irrigação. decantação. Fluoração. Tratamento de esgotos para o reúso. Requisitos de qualidade para as diversas aplicações da água reutilizável.

Placas de Recalques e Inclinômetros. Disciplina: Gestão de projetos Código: DEECC02 Créditos: 4 Pré-requisito: TE018 Aspecto institucionais relacionados aos Recursos Hídricos e Meio Ambiente no Brasil. Ensaio de perda d’água. métodos eletro-resistivos. Balanço Hídrico: oferta e demanda de água. Planejamento. liners argilosos. CPT-U. Elementos de Economia do Meio Ambiente. Gestão de infra-estrutura hídrica. Medição de Deslocamentos Verticais (recalques) e Horizontais. PERT/CPM. cobrança e sistema de informações. Avaliação de projetos de Recursos Hídricos. Impermeabilização de Solos: geossintéticos. Gestão da qualidade da água. Medidores de Vazão. Ensaio de Infiltração de Água. Critérios de desempenho de sistemas de recursos hídricos. Coleta de amostras. Disciplina: Instalações hidráulicas e sanitárias Código: TD939 Créditos: 3 Pré-requisito: TD926 . Plano de bacia. Utilização de Rejeitos em Obras para Recuperação de Áreas Degradadas. Ensaio de cisalhamento direto in situ. materiais alternativos. Elementos de Economia dos Recursos Hídricos. Barragens de Rejeitos. Experiência de Planejamento de Recursos Hídricos no Brasil. Mecanismos de Alocação de Água. Cronograma físico e financeiro. Métodos Indiretos para Investigação Geotécnica: GPR. Técnicas de Reforço de Solo. Disciplina: Métodos de investigação e monitoramento geoambiental Código: DEHA024 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA005 Programação da Investigação e Monitoramento Geoambiental. Sistemas de organização de projetos. Histórico do gerenciamento de recursos hídricos no Brasil: arcabouço jurídico-político-institucional. Modelos de gestão de água. Marcos Superficiais. Ensaios de Placa. Gestão Integrada de águas Superficiais e Subterrâneas. Piezômetros e Medidores de Nível d água. Experiência de Cobrança pelo Uso da água no Brasil.67 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplinas Eletivas na Área de Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental Disciplina: Gestão de recursos hídricos Código: TD935 Créditos: 3 Pré-requisito: DEHA009 Introdução ao Gerenciamento de Recursos Hídricos. Disciplina: Proteção e recuperação ambiental em obras geotécnicas Código: DEHA023 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA005 Drenagem de Água e Percolados. métodos sísmicos. execução e controle de projetos. Matemática financeira. Sondagens de Simples Reconhecimento. palheta. Análise Custo Benefício e Custo efetividade. outorga. Instrumentos de Gestão: enquadramento dos cursos d’água. Ensaios de Campo: SPT. Usos múltiplos da água e escassez dos recursos hídricos. Técnicas de Recomposição de Taludes.

Disciplina: Hidráulica transiente Código: TD938 Créditos: 3 Pré-requisito: TD926 Escoamento não permanente em condutos forçados. Uso de programas computacionais para dimensionamento e simulação hidráulica de canais. Disciplina: Água subterrânea Código: TD931 Créditos: 3 Pré-requisito: TD928 Ocorrência de água subterrânea. marés e correntes. oceanográficos e morfológicos. Poluentes conservativos e não conservativos. Aspectos dos cursos d’água: rios. Proteção contra o Golpe de Aríete. diques. Instalações Prediais de águas Pluviais. Canais. Instalações Prediais de água Quente. Instalações Prediais de Esgotos Sanitários. Monitoramento costeiro. métodos de proteção. muros). Perfis de escoamento longitudinal. espigões. Momento. rios. Impactos ambientais das obras costeiras com ênfase à erosão e sedimentação. Modelagem Hidráulica de rios. Captação. estratificação térmica e de densidade. Aspectos energéticos do escoamento. estuários e aqüíferos. difusão. Ondas em canais e rios. . Função. o papel das dunas. Erosão de costas. Obras costeiras (molhes. Golpe de Aríete. Obras de proteção e acesso aos portos. Morfologia costeira (linha de costa e perfil praial). Quantidade de movimento. Escoamento não permanente em canais. Escoamento Transiente em rios e canais. Obtenção e tratamento de dados hidrometeorológicos. pontes. Instalações Prediais de Combate à Incêndio. Equações de movimento. bueiros. Disciplina: Modelagem de qualidade de água Código: DEHA025 Créditos: 4 Pré-requisito: DEHA004 Processos hidrodinâmicos de transporte de poluentes . bueiros e pontes. Proteção de dunas. reservatórios. Escoamento Uniforme. advecção. Ressalto Hidráulico. Hidroquímica. Disciplina: Hidráulica de canais Código: TD936 Créditos: 3 Pré-requisito: TD926 Escoamento á superfície livre.dispersão. Transporte de sedimentos longitudinal e transversal. Modelos de qualidades da água nos corpos d’água. vertedouros e comportas.68 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Instalações Prediais de água Fria. Determinação da linha d´água em escoamento não-uniformes: soluções exatas e Método de aproximação direta para canais irregulares. Modelagem de aquíferos. Disciplina: Engenharia costeira Código: DEHA026 Créditos: 4 Pré-requisito: TD926 e TD928 Noções de mecânica das ondas.

69 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplina: Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental Código: DEHA027 A definir. Pré-requisito: A depender . Créditos: 2 Pré-requisito: A depender Disciplina: Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental Código: DEHA028 DEHA027 Créditos: 4 A definir.

70 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental 17.3. Conhecimento adquirido por área para formação do Engenheiro Ambiental Disciplinas Gerais Obrigatórias: Ecologia Geoprocessamento Introdução à engenharia ambiental Microbiologia aplicada Recuperação de áreas degradadas Topografia Eletivas: Disciplinas área de Tecnologia Ambiental Obrigatórias: Gestão de resíduos sólidos Operações unitárias Qualidade de água e controle da poluição Saneamento e saúde Sistemas de abastecimento e de tratamento de água Sistemas de esgotamento sanitário e de tratamento de águas residuárias Eletivas: Reúso Saneamento ecológico Tratamento de água para abastecimento Tratamento de esgotos Disciplinas na área de Gestão Ambiental Obrigatórias: Avaliação e controle de impactos ambientais Gerenciamento ambiental na empresa Higiene industrial e segurança no trabalho Direito ambiental Planejamento e licenciamento ambiental Eletivas: Análise de riscos ambientais Estudos de caso de impactos ambientais Produção mais limpa .

1.71 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Disciplinas na área de recursos hídricos Obrigatórias: Climatologia Conservação e proteção de mananciais Drenagem urbana Hidráulica aplicada Hidrologia Eletivas: Engenharia costeira Hidráulica de canais Hidráulica transiente Água subterrânea Instalações hidráulicas e sanitárias Modelagem de qualidade de água Gestão de projetos Gestão de recursos hídricos Disciplinas na área de Geotecnia Ambiental Obrigatórias: Geologia aplicada à engenharia ambiental Geotecnia ambiental Mecânica dos solos Eletivas: Métodos de investigação e monitoramento geoambiental Proteção e recuperação ambiental em obras geotécnicas 17.4.4. Disciplinas por Departamento 17. Centro de Tecnologia (CT) Obrigatórias: Álgebra Linear para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Cálculo Vetorial para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Fundamentos do Cálculo para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Fundamentos da Física para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Metodologia Científica e Tecnológica Métodos Numéricos para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Probabilidade e Estatística para Engenharias de Energias e Meio Ambiente .

7. Departamento de Engenharia Mecânica e de Produção (DEMP) Obrigatórias: Fontes de energia renováveis .6.72 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Eletivas: 17.4.4.4. Departamento de Biologia (DB) Obrigatórias: Ecologia Eletivas: 17.4.3. Departamento de Física (DF) Obrigatórias: Física experimental para Engenharia Eletivas: 17. Departamento de Química (DQ) Obrigatórias: Fundamentos da Química para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Química Experimental para Engenharias de Energias e Meio Ambiente Eletivas: 17. Departamento de Geologia (DG) Obrigatórias: Geologia aplicada à engenharia ambiental Eletivas: 17.4.5.4. Departamento de Engenharia Química (DEQ) Obrigatórias: Equações Diferenciais Aplicadas às Engenharias de Energias e Meio Ambiente Fenômenos de Transporte 1 Transferência de Calor e Massa Princípios de Processos Químicos e Bioquímicos Operações Unitárias Eletivas: 17.2.4.

4.73 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Fundamentos da administração Fundamentos da economia Termodinâmica aplicada Eletivas: 17.8. Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental (DEHA) Obrigatórias: Avaliação e controle de impactos ambientais Climatologia Conservação e proteção de mananciais Direito Ambiental Drenagem urbana Geoprocessamento Geotecnia ambiental Gerenciamento ambiental na empresa Gestão de resíduos sólidos Hidráulica aplicada Hidrologia Higiene industrial e segurança do trabalho Introdução à engenharia ambiental Mecânica dos solos Microbiologia ambiental Planejamento e licenciamento ambiental Qualidade de água e controle da poluição Recuperação de áreas degradadas Saneamento e saúde Sistemas de abastecimento e de tratamento de água Sistemas de esgotamento sanitário e de tratamento de águas residuárias Eletivas: Água subterrânea Análise de riscos ambientais Engenharia costeira Estudos de caso de impactos ambientais Gestão de recursos hídricos Hidráulica de canais Hidráulica transiente Instalações hidráulicas e sanitárias Métodos de investigação e monitoramento geoambiental .

74

Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental

Modelagem de qualidade de água Produção mais limpa Proteção e recuperação ambiental em obras geotécnicas Reúso Saneamento ecológico Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental I Tópicos especiais em Recursos Hídricos e Geotecnia Ambiental II Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental I Tópicos especiais em Tecnologia e Gestão Ambiental II Tratamento de água para abastecimento Tratamento de esgotos

17.4.9. Departamento de Engenharia de Transporte (DET) Obrigatórias: Desenho para Engenharia Topografia

Eletivas:

17.4.10. Departamento de Engenharia Elétrica (DEE) Obrigatórias: Princípios de eletricidade e magnetismo Eletrotécnica

Eletivas:

17.4.11. Departamento de Engenharia de Teleinformática (DETI) Obrigatórias: Programação Computacional para Engenharias de Energias e Meio Ambiente

Eletivas:

17.4.12. Departamento de Engenharia Estrutural e Construção Civil (DEECC) Obrigatórias: Mecânica e Resistência dos Materiais

Eletivas: Gestão de projetos

17.4.13. Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais (DEMM)

75

Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental

Obrigatórias: Ciência dos materiais Eletivas:

18. ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO O Projeto Pedagógico de um curso de graduação não deve se limitar na obtenção de resultados satisfatórios. Faz-se necessário a implementação de um processo contínuo de avaliação, atualizando a contextualização do curso e propondo adequações de modo a aperfeiçoar o processo, em um mundo onde a globalização e a velocidade das transformações influenciam sobremaneira a formação de um profissional.

Partindo deste princípio pretende-se construir um sistema de avaliação, com ampla participação de docentes, discentes e egressos, que contemple as dimensões estabelecidas pelo Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior – SINAES do Ministério da Educação, de acordo com a Lei N° 10.861 de 14 de abril de 2004.

O acompanhamento e a avaliação do Projeto Político-Pedagógico constituem etapas fundamentais para garantir o sucesso de sua implementação. Há, portanto, necessidade de possíveis adaptações no sentido de melhorar ou, até mesmo, de operacionalizar modificações que poderão surgir. Os mecanismos de avaliação a serem utilizados deverão permitir uma avaliação institucional e uma avaliação do desempenho acadêmico, de acordo as normas vigentes, viabilizando um diagnóstico durante o processo de implementação do referido projeto.

18.1. Do projeto Pedagógico A avaliação permanente do projeto pedagógico do Curso de graduação em Engenharia Ambiental da UFC, a ser implementado com esta proposta, é importante para aferir o sucesso do novo currículo para o curso, como também certificar-se de alterações futuras que venham a melhorar este projeto, vez que o projeto político/pedagógico é dinâmico e deve passar por constantes avaliações. Os mecanismos de avaliação a serem utilizados deverão permitir uma avaliação institucional e uma avaliação do desempenho acadêmico - ensino/aprendizagem, de acordo as normas vigentes, viabilizando uma análise diagnóstica e formativa durante o processo de implementação do referido projeto.

Estas serão as estratégias usadas: A efetuação de uma discussão ampla do projeto mediante um conjunto de questionamentos previamente ordenados que busquem encontrar suas deficiências, se existirem; O roteiro proposto pelo INEP/MEC para a avaliação das condições do ensino. Este

76

Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental

integra procedimentos de avaliação e supervisão a serem implementados pela UFC/CC em atendimento ao artigo 9º, inciso IX, da Lei nº 9.394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. A avaliação em questão contemplará os seguintes tópicos: o Organização didático-pedagógica: administração acadêmica, projeto do

curso, atividades acadêmicas articuladas ao ensino de graduação; corpo docente: formação acadêmica e profissional, condições de trabalho; atuação e desempenho acadêmico e profissional; o Infra-estrutura: instalações gerais, biblioteca, instalações e laboratórios específicos; o Avaliação do desempenho discente nas disciplinas, seguindo as normas em vigor; o Avaliação do desempenho docente feito pelos alunos/ disciplinas fazendo uso de formulário próprio e de acordo com o processo de avaliação institucional; o Avaliação do Curso pela sociedade através da ação-intervenção docente/ discente expressa na produção científica e nas atividades concretizadas no âmbito da extensão universitária em parceria com indústrias cearenses e estágios curriculares.

Assim, analisando, dinamizando e aperfeiçoando todo esse conjunto de elementos didáticos, humanos e de recursos materiais, o Curso de Graduação em Engenharia Ambiental poderá ser aperfeiçoado visando alcançar os mais elevados padrões de excelência educacional e, conseqüentemente, da formação inicial dos futuros profissionais da área.

18.2. Dos processos de ensino e aprendizagem As formas de avaliação da aprendizagem do aluno em sala são muito particulares a cada professor. Institucionalmente, o curso obedecerá às normas do Regimento Geral da Universidade, no que se refere ao cálculo do total de rendimentos do aluno. Entretanto, pretende-se criar fóruns sistemáticos a cada início de ano, a fim de trazer uma discussão no colegiado no sentido de melhorar e comparar o desempenho dos alunos com os instrumentos de avaliação aplicados e com os objetivos traçados pela disciplina e pelo curso. Além disso, detectar dificuldades na aprendizagem, re-planejar e tomar decisões em relação à retenção de alunos.

Dentre as formas de avaliação do processo de ensino, deverá ser implantada a Avaliação do Desempenho Docente, a ser realizada pelos alunos fazendo uso de formulário próprio e de acordo com o processo de avaliação institucional. O resultado deste processo deve refletir-se na melhoria do ensino, por meio da reformulação dos Planos de Ensino e da metodologia.

19. CONDIÇÕES NECESSÁRIAS PARA A OFERTA DO CURSO

serão disponibilizados gabinetes para os mesmos no Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental.4 ha. Pessoal técnico-administrativo: De forma a atender a demanda dos novos alunos e da coordenação do curso em Engenharia Ambiental serão necessários 02 (dois) técnicos de laboratório e 01 (um) Secretário para a Coordenação. está projetado para população de 37. Construção de Laboratórios para aulas Práticas: serão necessários recursos para melhoria dos laboratórios existentes. com quatro filtros de 80 cm de espessura e tempo de residência 60 min.77 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Salas de aula: Para o curso de graduação em Engenharia Ambiental será necessário a construção de um bloco didático. de forma a possibilitarem atividades práticas.978 habitantes e vazão de 103 L/s. dentro dos padrões legais (parecer CNE/CES Nº 436/2001) necessita-se da contratação de 06 (seis) novos docentes. • Instalação piloto para tratamento de água com tecnologia de filtração direta descendente. construída acima do solo. que recebe os esgotos urbanos dos municípios de Aquiraz e Eusébio e destina-se à pesquisa de reúso de águas em escala real. conforme estimado abaixo. os quais virão através do projeto REUNI. localizada em anexo à ETA do Açude Gavião (abastece a Região Metropolitana de Fortaleza. • Instalação piloto de uma rede completa de esgotamento sanitário. O Centro. da mesma forma que para os cursos de Engenharia de Energias e Engenharia de Petróleo. tais como sistema de irrigação por sulcos. Coordenação: Necessita-se de espaço físico para a coordenação do curso de Engenharia Ambiental. Gabinete dos professores: Com a contratação dos novos professores para as disciplinas específicas da Engenharia Ambiental. Unidades piloto em funcionamento (plataformas pedagógicas) • Centro de Pesquisa e Demonstração sobre Reúso de Águas de Aquiraz. uma lagoa facultativa e duas lagoas de maturação. são necessários 02 (dois) bolsistas da UFC. O efluente da estação de tratamento de esgoto pode ser direcionado para estruturas destinadas à pesquisa de reúso. Para apoiar a secretaria e os laboratórios. gotejamento ou microaspersão. O tratamento é feito através de lagoas de estabilização em série compreendendo uma lagoa anaeróbia. e a tanques de piscicultura. em um galpão anexo à Estação de Tratamento de Esgotos do Campus do . Professores: Para ministrar as disciplinas. teóricas e práticas. do curso de Engenharia Ambiental. com superfície (lagoas) total de 4. vazão média m3/s).

000. tripés.0 0 - 10.000.194/66. perfazendo uma área total de 150 m2.000. Arquitetura e Agronomia.78 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Pici da UFC. de 29 de junho de 1973.000.693/MEC de 05 de dezembro de 1994. Topografia bastões. alvos.000.0 0 100.000. que cria a área de Engenharia Ambiental. perfazendo uma área total de 200 m2.00 Laboratório Descrição Total 150. REFERÊNCIAS CURRICULARES Resolução nº.00 150.00 100.baterias e carregadores. Tabela 6 – Planilha orçamentária para adequação das atividades laboratoriais necessárias ao Curso de Engenharia Ambiental Custo Previsto (R$) Equipamentos Construção Básicos 15.00 10.000. que dispõe sobre as competências e habilidades aos profissionais de Engenharia.0 0 - 150. compatíveis com o processamento de dados no Topograph e/ou Datageosis Coordenação Compra de móveis.00 135.000. modificando artigos da Lei no.000. • Instalação piloto de uma rede completa de abastecimento de água. Portaria nº.000. Ambiental Total Geral (R$) 15. 218. do curso em computadores.0 0 Esse laboratório será Laboratório de melhorado para atender as mecânica dos diversas disciplinas da área de solos Geotecnia Ambiental Esse laboratório será Laboratório de melhorado para atender as Hidráulica diversas disciplinas da área de Recursos Hídricos O Labosan seria melhorado Laboratório de pela compra de equipamentos Saneamento para atender a demanda na área de Tecnologia Ambiental 4 Estações totais com precisão angular de 3 e/ ou 5 segundos. arEngenharia condicionado.000. 5. etc. 1. • Instalação piloto com reator anaeróbio (tipo UASB) instalada junto à ETE do Campus do Pici. .0 0 20.00 135.00 560. dotadas de Laboratório de acessórios (prismas.000. do Conselho Federal de Engenharia.00 150.000. construída no Laboratório de Hidráulica do DEHA da UFC.

que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados em casos de “Reprovação por Freqüência” na UFC. que dispõe sobre o estágio de estudantes. de 22 de setembro de 2000. Resolução CNE/CES 11. 2. 447/CONFEA. Parecer CNE/CER nº. Lei de Diretrizes e Bases da Educação.362/2001 que trata das Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia. bacharelados. 14/CEPE. 12/CEPE. Resolução nº.78 Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Ambiental Resolução nº. 1. LEI nº 9. que institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Engenharia.Seção 1 . de 17 de junho de 2005. Legislação Federal . de 25 de Setembro de 2008. 07/CEPE. . 11.839). Resolução nº. Resolução nº. que dispõe sobre o registro profissional do Engenheiro Ambiental e discrimina suas atividades profissionais. de 19 de junho de 2008. de 20 de Dezembro de 1996 (DOU. que dispõe sobre as Atividades Complementares nos Cursos de Graduação da UFC.788.Lei nº. na modalidade presencial. de 11 de março de 2002. de 3 de dezembro de 2007.394. que dispõe sobre a regulamentação do “Tempo Máximo para a Conclusão dos Cursos de Graduação” da UFC.Página 27. de 18 de junho de 2007 que dispõe sobre carga horária mínima e procedimentos relativos à integralização e duração dos cursos de graduação. 23 de dezembro de 1996 . Resolução CNE/CES nº.