Você está na página 1de 10

1

Estresse e sua Possível Atuação nos Alunos do Curso de Formação de Oficiais


do Quadro Complementar

Luciana Ellwanger 1

RESUMO: O estresse é uma síndrome multifatorial ligada a aspectos físicos, psicológicos, sociais e
comportamentais. Está intimamente relacionado à percepção do sujeito ao estímulo estressante, e,
por isso, as vertentes emocionais vinculadas a esta síndrome são muito relevantes. O ambiente de
trabalho, por ter sofrido mudanças em sua estrutura funcional, levou a uma alteração no equilíbrio
entre a atividade física e mental, gerando estresse. Neste ambiente encontram-se estímulos
estressores como a incerteza quanto à permanência no mercado de trabalho, aumento do trabalho
administrativo, condições ergonômicas inadequadas, dentre outros. O ambiente militar, por
caracterizar um ambiente de trabalho específico, apresenta agentes estressores característicos, dos
quais este trabalho selecionou mobilidade geográfica constante, separação da família, risco de lesão
durante o trabalho e jornada de trabalho longa e imprevisível. Os oficiais-alunos do Curso de
Formação de Oficiais do Quadro Complementar entram em contato com estes estressores e contam,
como estratégias de enfrentamento, com técnicas emocionais, físicas e estruturais. Fisicamente,
sugerem-se técnicas de relaxamento como o sono, fazer pilates ou yoga e, emocionalmente, a
convivência com os colegas e com a troca de experiência entre si, o que proporciona, empiricamente,
a queda no nível de ansiedade. Porém há outras técnicas como a prática de esportes, dança ou
estudo de idiomas. Estruturalmente, no entanto, a modificação do ambiente de trabalho não se
constitui uma possibilidade pela estrutura sólida e conservadora do Exército Brasileiro.

Palavras-chave: Estresse no trabalho. Ambiente militar. Oficiais-alunos.

ABSTRACT: Stress is a multifactorial syndrome associated with physical, psychological, social and
behavioral aspects. It is closely related to the individual´s perception of the stressing stimulus and, be-
cause of this, the emotional sources linked to this syndrome are very relevant. The work atmosphere
went through changes in its functional structure, which led to a change in the balance between physic-
al and mental activity, generating stress. In this atmosphere we can find stressing stimuli such as the
uncertainty of permanence at the labor market, the increase of administrative work and the inadequate
ergonomic conditions. The military environment, as a specific workplace, presents characteristic
stressing agents, among which this paper selected constant geographic mobility, being distant from
the family and injury risk during work, besides long and unpredictable work hours. The trainee-Officers
of the “Corpo de Formação de Oficiais do Quadro Complementar” get in touch with these agents, and
count on emotional, physical and structural techniques as coping strategies. Physically, techniques of
relaxation like sleeping, doing yoga or pilates are suggested and; emotionally, relying on the closeness
to the other students and the exchange of experiences among them is highly recommended, since it
provides, empirically, a drop in the level of anxiety. Nevertheless, there are other techniques as playing
sports, dancing or language learning. Structurally, however, the change at the work atmosphere is not
possible on account of the solid and conservative structure of the Brazilian Army.

Keywords: Stress at work. Military environment. Trainee-officers.

primeiro semestre do ano de 2007, trazem


1 Introdução a tona o interesse que tem se voltado ao
emprego público nos últimos tempos e
Salles e Orsolini (2007), em como ele dpassou a “valer a pena”, nas
reportagem publicada pela Revista Veja no palavras da própria reportagem de capa.
1
Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Administração do
Exército. lucianaldv@hotmail.com
2

Isso se deve ao aumento do índice de Saúde, englobando médicos, farmacêuticos


desemprego e à necessidade de ocupação e odontólogos cuja formação militar ocorre
da população em geral. Dados na Escola de Saúde do Exército – EsSEx –
apresentados por Montali (2003), relativos no Rio de Janeiro (BRASIL, 2007a). A
à cidade de São Paulo, corroboram o segunda é a Ciência e Tecnologia, que
exposto acima. A autora relata que, de abrange os diversos ramos de engenharia,
1990 até a data de publicação de seu cuja formação ocorre no Instituto Militar
estudo, o setor financeiro sofreu uma série de Engenharia – IME – também localizado
de crises que influenciaram o mercado de no Rio de Janeiro (BRASIL, 2007b). Por
trabalho, diminuindo as vagas de emprego. último, existe a área Complementar,
No entanto, com o cessar das crises, as composta por profissionais que prestam
vagas não eram repostas, havendo um assessoria e assistência em diversas áreas,
déficit pendente até aquela época. O como Magistério, Pedagogia, Enfermagem,
desemprego tem como resultante, Direito, Economia, Contabilidade,
especialmente ao final dos anos 90, a Comunicação Social, dentre outras. A
diminuição da renda per capita e o formação do pessoal da área
“deslocamento da responsabilidade da Complementar ocorre na Escola de
manutenção da família” (MONTALI, Administração do Exército – EsAEx –
2003) para outros de seus componentes, situada em Salvador, na Bahia (BRASIL,
como os idosos, crianças e adolescentes, 2007c).
destacando-se a mulher, que antes se A admissão aos quadros de Saúde,
responsabilizava apenas pelo cuidado da Ciência e Tecnologia e Complementar
casa. ocorre através de concurso público. No
No entanto, com o aumento da caso da área Complementar, esta seleção é
qualificação das vagas de empregos, a realizada em três fases. A primeira fase
mão-de-obra também deveria ter se avalia conhecimentos gerais de História e
qualificado. Porém, a dificuldade de acesso Geografia do Brasil, Língua Portuguesa e
da população em geral à qualificação em Língua Estrangeira, além dos
nível superior, principalmente a de renda conhecimentos específicos à área de
mais baixa (ZAGO, 2006), gera o formação técnica. Além desse Exame
paradoxal crescimento de mercados e de Intelectual, constam da seleção a Inspeção
vagas disponíveis, enquanto o desemprego de Saúde e o Exame de Aptidão Física
cresce. (BRASIL, 2006).
O Exército Brasileiro (EB) possui, Os aprovados no concurso, após
segundo fonte do Comando Militar do Sul matriculados, recebem a denominação de
(2007f), cerca de 205 mil militares em tenentes-alunos. Passadas 35 semanas de
diferentes postos e graduações, bem como formação, farão parte do chamado Quadro
em várias linhas de atuação. Assim, a Complementar de Oficiais – QCO.
constante necessidade de renovação no A rotina exigida pelo curso é intensa
efetivo leva à abertura de vagas, através de e rigorosa. Durante o período de
concurso ou incorporação (BRASIL, permanência na Escola, é exigido esforço
2007d). A incorporação refere-se aos físico crescente no Treinamento Físico
soldados, enquanto que para as demais Militar e nos exercícios de campo; estudo
graduações e postos há concursos que constante e intenso para os trabalhos e
abrangem todos os níveis de formação: avaliações da aprendizagem, necessários
primeiro, segundo e terceiro graus ao curso; e preparo emocional para lidar
completos. Atendo-se especificamente ao com todas as situações extenuantes
público civil, com formação técnica em impostas pela própria carreira militar, a
instituições de ensino superior, o EB abre começar pela distância da família e seguida
suas portas a três áreas. A primeira área é a pela própria adaptação à vida castrense.
3

Como percebe-se, a formação militar senso de autonomia dentro do grupo. Desta


atinge os domínios cognitivo, psico-motor forma, a perda da individualidade, uma
e afetivo. Isto é posto em prática através idéia que acompanha o conceito de vida
do desenvolvimento de atividades com em alojamento, pode ser superada sem
armamento, conhecimento de legislação traumas, apesar de o processo adaptativo
voltada à administração militar, produção ser bastante pessoal. Dividir o espaço com
científica através de redação de artigo um grande número de pessoas, ainda
científico, aprimoramento do espírito de completamente estranhas, e conviver de
liderança, desenvolvimento da capacidade maneira pacífica, podem ser uma tarefa
física e de trabalho em equipe (interação e difícil para alguns. Porém, a situação
interdisciplinaridade). geradora de ansiedade pode ser superada
Para isso, é necessária dedicação através da criação de laços afetivos e da
física e emocional, irrestrita, incondicional valorização das características individuais,
e em tempo integral. fortalecendo, paradoxalmente, o espírito de
Na EsAEx, o aluno, já reconhecido grupo.
como oficial do EB, é preparado para No ano de 2007, foram matriculados
assumir o cargo de oficial em sua 56 alunos no Curso de Formação de
plenitude. Neste período, a maioria dos Oficiais do Quadro Complementar –
alunos permanece afastada de sua família e CFO/QC (BRASIL, 2007c). Estes oficiais-
de seu estado de origem. Neste contexto, alunos passam por todas as dificuldades
pode-se verificar algumas alterações elencadas acerca da formação militar. As
importantes no estilo de vida. exigências do curso geram necessidade de
A família, por exemplo, faz parte das adaptação individual e essa adaptação,
instituições básicas da sociedade, formada aliada ao processo de afastamento da
por laços consangüíneos e culturais família, ao choque cultural, à exigência
específicos, constituindo não só um núcleo física e emocional, pode ser fator gerador
social, mas a própria ligação entre de estresse.
indivíduo e sociedade. Essa importância da Considerando tais características,
família é mostrada por Carvalho e Almeida este trabalho tem por objetivo analisar as
(2003, p. 109), que a define como co- possíveis situações causadoras de estresse
autora das realizações do indivíduo: às quais os trabalhadores, em geral, estão
expostos, comparando-as com a situação
A família é apontada como elemento-chave vivenciada pelos oficiais-alunos do
não apenas para a “sobrevivência” dos CFO/QC, levando-se em consideração as
indivíduos, mas também para a proteção e a
socialização de seus componentes (...).
peculiaridades e exigências da profissão
Representando a forma tradicional de viver e militar e propor alternativas para lidar com
uma instância mediadora entre indivíduo e as mesmas.
sociedade, a família operaria como espaço
de produção e transmissão de pautas e 2 Estresse e trabalho
práticas culturais e como organização
responsável pela existência cotidiana de seus
integrantes, produzindo, reunindo e As mudanças no ambiente de
distribuindo recursos para a satisfação de trabalho levam a uma alteração no
suas necessidades básicas. equilíbrio entre a atividade física e mental
(ONCIUL, 1996). O desenvolvimento
Outro aspecto a ser considerado é a tecnológico reduziu a necessidade de
convivência dos alunos em alojamentos. esforços físicos exagerados e, em
Wolff e Fesseha (1998), analisando a contrapartida, surge a necessidade de
questão das crianças convivendo em esforços cognitivos e emocionais nos
orfanatos, relatam que é possível para seus novos ambientes de trabalho. Estes são
cuidadores respeitarem suas caracterizados por falta de tempo, fatores
peculiaridades, inclusive estimulando seu
4

funcionais menos controláveis, distrações compreendido como todas as faltas,


maiores, espaço reduzido, incerteza justificadas ou não, ao trabalho. Isto pode
generalizada quanto a aspectos como a ocorrer em razão de doença pessoal ou na
permanência no mercado de trabalho, por família, compromissos pessoais ou
exemplo, e aumento do trabalho jurídicos, dentre outros. O turnover diz
administrativo (ONCIUL, 1996). Tais respeito à substituição de funcionários no
fatores aliados à conseqüente alteração do mesmo cargo em um determinado período
padrão de vida dos trabalhadores, de tempo, que pode ser aumentado devido
incluindo aí as atividades pessoais e a impedimentos diversos, mas
sociais, podem gerar uma síndrome de especialmente a problemas emocionais e
grande abrangência social, denominada lesões físicas.
“estresse”. Selye (1975, apud ONCIUL, 1996)
Para Levi (1996, apud NOBLET, propôs um modelo de adaptação ao
2003), estresse pode ser considerado um estresse em 1936, conhecido como
conjunto de fatores que alteram, pelo “síndrome da adaptação geral” (SAG),
menos, quatro aspectos da vida do ser caracterizada pela exposição prolongada ao
humano: aspectos físicos, psicológicos, estímulo estressante e utilização dos
sociais e comportamentais. Ainda hormônios da glândula adrenal
acrescentam-se problemas de saúde como (glicocorticóides e mineralocorticóides) na
uma particularidade que pode estar resposta ao mesmo (GRAEFF, 2003). A
vinculada a esta síndrome. Apesar de todo SAG é composta por três fases: reação de
o envolvimento múltiplo, o estresse é um alarme, fase de resistência e exaustão. As
evento de domínio eminentemente três fases do desenvolvimento do estresse
psicológico no qual variáveis cognitivas possuem características específicas, como
podem influenciar a percepção e expõem Onciul (1996):
compreensão de eventos estressantes - Reação de alarme: há a resposta
(STACCIARINI e TRÓCCOLI, 2002). imediata a uma ameaça ou desafio. O
Monat e Lazarus (1997, apud envolvimento do sistema nervoso
STACCIARINI e TRÓCCOLI, 2002) autônomo (simpático/parassimpático) e
diversificam o conceito de estresse ao sistema límbico deixa o organismo
concluir que existem três tipos básicos: preparado para reagir ao estímulo no
sistêmico ou fisiológico, psicológico e aspecto muscular, cardiovascular e
social. Fisiologicamente, estar-se-ia emocional.
tratando de distúrbios de sistemas ou partes - Estágio de resistência: é
do corpo; psicologicamente, de desenvolvido tão logo novos estímulos
características afetivas e cognitivas; e estressores sejam ativados, uma vez que a
socialmente, de comprometimento de resposta pronta do organismo aos mesmos
unidades sociais, sejam elas quais forem. não permanece sempre alerta. Os
Os custos econômicos e humanos do mecanismos de enfrentamento são
estresse estão relacionados ao interesse de imediatistas e não buscam uma resolução
toda a sociedade, incluindo aí os mais completa do problema causado pelas
empregados e empregadores (NOBLET, fontes estressantes.
2003). Isto está ligado ao índice de - Exaustão: é aquele em que a
absenteísmo, ao custo com as patologias sobrecarga ao organismo é tão grande que
estresse-relacionadas, como a depressão ou o indivíduo passa a se encontrar em estado
os DORT (distúrbios ósteo-musculares de “sofrimento”. Neste caso, podem-se
relacionados ao trabalho), o que leva a classificar casos mais graves de exaustão
turnover constante no quadro funcional e a emocional e física no ambiente de trabalho,
queda no desempenho dos profissionais de depressão e DORT.
uma maneira geral. O absenteísmo deve ser
5

Existem vários fatores que podem quatro anos (BRASIL,1996). Assim sendo,
influenciar a suscetibilidade ao estresse em há a possibilidade do militar e sua família
diferentes pessoas. Estes fatores estão residirem nos lugares mais diversos, em
ligados, ainda segundo Onciul (1996), a qualquer Estado do País. As mudanças
características de constituição individual, podem alterar a vida familiar, amizades e
ao estilo de vida e de trabalho, a outras relações de afeto e apoio à vida em
mecanismo de enfrentamento, a comunidade. Isso leva à busca e ao
experiências prévias com estresse, a desenvolvimento de novos laços nas novas
expectativas para com as diversas comunidades de destino.
experiências da vida e à autoconfiança. - Separação da família: pode ocorrer em
No ambiente de trabalho, alguns diversas situações. O militar possui em
estressores específicos podem ser suas rotinas os exercícios de campo, os
encontrados: incerteza e perda de controle cursos de formação e aperfeiçoamento e as
dentro do ambiente de trabalho; exigência formações de tropa para deslocamento em
extrema, como muita responsabilidade e guerra ou missões de paz. Em todas estas
comprometimento; extremos de atividades, afasta-se de seus familiares e
temperatura e condições ergonômicas pessoas próximas. Estes períodos podem
inadequadas; cultura do ambiente de durar de alguns dias a meses e
trabalho não permitindo falhas ou normalmente ocorrem mais de uma vez
fraqueza, além de tarefas repetitivas durante a carreira militar. Burrell et al
(ONCIUL, 1996). (2006) cita que sentimentos de solidão e
Outra conseqüência dos fatores isolamento podem acometer militares em
estressantes, especialmente em países ocasiões de separação da família.
industrializados, com prevalência de 7% a - Risco de lesão: pensar na profissão
30%, são os chamados transtornos mentais militar como livre de riscos físicos e
comuns (TMC). No conceito apresentado psicológicos é uma perspectiva desejável,
por Goldberg e Huxley, (1992, apud porém, irreal (WESSELY, 2005). No
LUDERMIR e MELO FILHO, 2002) estes desenvolvimento de suas atividades
transtornos caracterizam-se por sintomas diárias, o militar lida com armamento e
como insônia, fadiga, irritabilidade, munição; realiza esforços físicos que,
esquecimento, dificuldade de concentração dependendo das exigências, podem levar a
e queixas somáticas. lesões ósteo-musculares, tanto dentro do
aquartelamento quanto nos exercícios de
3 Estresse e atividades militares campo e cursos; sofre exposição a
materiais químico-físico-biológicos-
O trabalho realizado nas Forças nucleares altamente tóxicos para aquelas
Armadas pode ser uma fonte de estresse equipes especializadas nestes materiais,
devido a uma série de aspectos dentre outras atividades. Além dos riscos
desencadeantes. Exemplos são citados no de lesão, a ocupação militar possui como
estudo de Burrell et al (2006) que coloca a maior agravante a convivência com o risco
ocupação militar como portadora de vários de morte. Este tipo de perspectiva,
fatores estressantes. São apresentados especialmente em países que vivem em
como “gatilhos” a mobilidade geográfica guerra, gera um considerável nível de
constante, separação da família, risco de ansiedade. O Brasil, no momento, não está
lesão durante o trabalho e jornada de envolvido em situações de conflito, mas a
trabalho longa e imprevisível. formação e o treinamento para participar
- Mobilidade geográfica constante: os dessas situações é freqüente e constante.
militares dos diversos quadros, serviços e Assim, diversos cursos (Caatinga,
armas são transferidos de uma localidade Comandos, Forças Especiais, etc)
para outra com a freqüência mínima de (BRASIL, 2007e) além de conferirem a
6

necessária formação aos militares, já os alegam que o militar anseia por um ideal
expõem, enquanto alunos, a situações de profissional que se baseia em princípios
estressantes similares àquelas enfrentadas rígidos, padronização de condutas,
em operações reais. comportamentos, atos e fardamentos,
- Jornada de trabalho longa e imprevisível: dificultando, assim, a expressão da
a jornada de trabalho do militar inicia ao individualidade, e sua formação ocorre
toque de alvorada e acaba ao toque de nesses padrões. Ressaltam, ainda, que o
ordem (BRASIL, 2004), segundo o grupo exerce papel intimidativo sobre o
previsto no Regulamento Interno e dos indivíduo, cerceando, especialmente, sua
Serviços Gerais. Todavia, na prática, as liberdade, sendo que o Regulamento
jornadas de trabalho são mais longas e Disciplinar do Exército e o Código Penal
cansativas e não acabam aos toques Militar são elementos, juntamente com
regulamentares. Além de longa, a jornada outros princípios doutrinários e
de trabalho é imprevisível: o militar possui normativos, utilizados, não só para esse
múltiplas funções dentro de uma fim, mas para manter a coesão do grupo
organização militar e sob este prisma, (AMADOR et al, 2002).
muitas questões podem surgir para serem Particularmente, os oficiais-alunos
solucionadas. Devem ser consideradas do CFO/QC, convivem com as situações
atividades como o serviço de escala e de tensão emocional como as já
missões concomitantes. As sindicâncias e a apresentadas e estão, constantemente,
participação em comissões são exemplos expostos aos estímulos estressores.
de atividades que levam o militar a uma Analisando pontualmente, constata-
sobrecarga elevada. Sua rotina e o nível de se a mobilidade geográfica e a separação
estresse do militar são alterados da família como fatores iniciais geradores
significativamente. Vale lembrar que todas de estresse, tendo em vista que a grande
as atividades exercidas em caráter maioria do CFO/QC é oriunda de outros
extraordinário não são assim remuneradas. Estados da Federação, uma vez que apenas
O ingresso em instituições militares, 6 são provenientes de Salvador de um total
segundo Amador et al (2002, p.2) traz um de 56 alunos (BRASIL, 2007c).
grande impacto psicológico ao indivíduo, A separação da família pode gerar
já que as regras grupais destas instituições, grande desconforto ao oficial-aluno.
suas particularidades, seus determinantes Burrell et al (2006) cita sentimentos de
de convivência e ideais “permeiam as tristeza e solidão como comuns. Estes
relações de trabalho e as relações sentimentos podem estar presentes no
interpessoais”. Ao ingressar na vida CFO, que busca apoio constante em sua
militar, o indivíduo incorpora aos seus família através de conversas telefônicas,
valores os atributos característicos da correio eletrônico, e visitas com freqüência
personalidade militar, preconizados pelos variável, dependendo da localidade onde
regulamentos da instituição. Amador et al os familiares residam. Além disso, os laços
(2002, p. 3) são pertinentes ao tratar dessa afetivos criados com os colegas são uma
adaptação, afirmando que: alternativa para aplacar os sentimentos
negativos que surgem pelo afastamento dos
Inicialmente, sentem o impacto das regras na entes queridos. Esta atitude é corroborada
convivência social intramuros, onde as por Burrell et al (2006).
relações perdem a naturalidade e se revestem
de medo, de receio do erro e de tudo que ele
Da mesma forma, a mobilização
pode acarretar. geográfica torna-se, para o CFO, fonte de
sentimentos conflituosos, por todo o ano
Os mesmos autores, ao analisarem o letivo: inicialmente, pela já tratada
impacto da inclusão nas Forças Armadas e separação da família; posteriormente, pela
de como isso pode ser um agente estressor, espera para a divulgação das vagas e a
7

conseqüente localidade de destino. As Finalmente, a adaptação ao novo


vagas das organizações militares de destino ambiente é um processo que pode ter
são divulgadas para os oficiais-alunos ao diferentes graus de dificuldade para cada
final do curso. A escolha dessas vagas é indivíduo. No entanto, como já exposto no
feita baseada numa ordenação caso dos militares, esta adaptação é
classificatória de acordo com o conflituosa para todos os oficiais-alunos do
desempenho cognitivo, psicomotor e CFO-QC. As regras rígidas que moldam
afetivo obtido pelos oficiais-alunos. A comportamentos e atitudes durante grande
expectativa e o próprio conhecimento parte do dia podem ser responsáveis por
dessas vagas retomam o sentimento de limitar a espontaneidade e até a
separação e de mobilização geográfica. A criatividade dos oficiais-alunos. Essa
possibilidade de aumentar a distância de situação, por outro lado, é contornada pelo
seus familiares, bem como as vínculo afetivo estabelecido entre os
particularidades deste novo local de companheiros de turma, que criam
residência podem se constituir em fonte de maneiras de tornar a rotina militar mais
elevado estresse. leve durante o período de formação.
As atividades previstas para o CFO,
como para todo militar, apresentam risco 4 Estratégias para enfrentamento do
como foco principal de sua existência estresse no CFO-QC
(WESSELEY, 2005). Os oficiais-alunos do
CFO realizam exercícios de campo, Klink et al (2001) em estudo do ano
recebem instrução de armamento e de 2001, apresentam alguns sintomas de
munição, executando tiro com fuzil e com desgaste emocional relacionados ao
pistola e prestam serviço de escala estresse. São eles “altos níveis de tensão,
devidamente armados. Nos exercícios de raiva, ansiedade, humor deprimido, fadiga
campo, são expostos a tarefas como pista mental e problemas do sono” (KLINK et
de corda, onde devem atravessar uma al, 2001, p. 270).
extensão de água por sobre cordas; pista de O enfrentamento destes problemas-
orientação diurna e noturna, onde há sintomas, segundo o mesmo autor, pode se
desgaste físico e mental para se achar os dar segundo alguns mecanismos distintos.
pontos marcados; pista de progressão O manejo do estresse comumente é
diurna e noturna, na qual há rastejo na realizado com treinamento em métodos de
lama, progressão cautelosa em terreno relaxamento, técnicas cognitivo-
desnivelado e desconhecido; exercício de comportamentais e terapias centradas no
tiro real diurno e noturno; exercício de cliente. Uma segunda opção refere-se a
patrulha nas mesmas condições da intervenções no desenvolvimento
progressão; câmara de gás, dentre outros, organizacional e reestruturação do trabalho
aumentando consideravelmente o risco nos (KLINK et al, 2001).
exercícios noturnos. Nos serviços de No CFO/QC algumas técnicas e
escala, alguns postos são preenchidos por atitudes podem ser adotadas para o
oficiais-alunos armados, como observador enfrentamento do estresse. Técnicas de
do oficial-de-dia e sargento-de-dia da relaxamento, como conversar com os
subunidade. colegas, ir ao cinema, leitura ou
Quanto à jornada de trabalho, os simplesmente aproveitar melhor as horas
alunos do CFO-QC passam pelos mesmos de sono são válidas. Outras sugestões são
agentes estressores que os militares já procurar atividades extra-curriculares
formados. A demanda intelectual exigida como dança, teatro, aulas de idiomas,
dos alunos com os estudos e produção esportes, pilates e yoga. Estas atividades
científica envolve-os por tempo muito mais levam ao relaxamento físico e cognitivo,
longo.
8

apesar de exigirem esforço de uma ou como por exemplo: nos dias que precedem
outra área. as avaliações.
Na EsAEx, como opção, há a Seção As propostas de mecanismos de
Psico-Pedagógica, especializada em enfrentamento que poderiam ser utilizados
atender os problemas emocionais dos contra o estresse no CFO/QC, podendo
alunos relacionados a acontecimentos abranger técnicas emocionais, físicas ou de
ocorridos na Escola ou fora de seus muros, reorganização administrativa.
e que interfiram no desempenho do aluno. Todavia, no EB, as regras rígidas de
Contudo, além de técnicas físicas de hierarquia e disciplina não permitem uma
relaxamento, é interessante ater-se na re-estruturação organizacional, haja vista
importância do vínculo criado entre os sua estabilidade há mais de três séculos.
alunos do CFO. No aquartelamento, é o No entanto, técnicas físicas e emocionais,
chamado espírito de corpo. Nos momentos especialmente o vínculo com os demais
de dificuldade, tensão, raiva, fadiga colegas e com as respectivas famílias, são
extrema, e humor deprimido, os alunos essenciais para um bom enfrentamento do
estão presentes para auxiliarem-se uns aos estresse no CFO/QC.
outros. Esta vinculação afetiva, que
perpassa o curso de formação, é o melhor
mecanismo de enfrentamento ao estresse Referências
de que o oficial-aluno pode se valer.

5 Conclusão AMADOR, F.S. et al. Por um programa


preventivo em saúde mental do trabalhador
O estresse é uma síndrome da na brigada militar. Psicologia: ciência e
modernidade, acometendo pessoas das profissão. Brasília: v.22, n.3, set. 2002.
mais diversas classes sociais, gênero,
idades e profissões. Pode ou não estar BRASIL. Ministério da Defesa. Estado
ligado ao trabalho. Porém, geralmente o Maior do Exército. Regulamento de
está, visto que a maioria dos trabalhadores Movimentação para Oficiais e Praças do
está exposta a agentes causadores de danos Exército. Brasília: Gráfica do Exército,
físicos ou emocionais. 1996.
Os militares estão expostos a estresse
de maneira específica, pois sua profissão ______. Ministério da Defesa. Exército
está ligada a risco de lesão física e morte, a Brasileiro. Secretaria-Geral do Exército.
separação constante da família e entes Regulamento Interno e dos Serviços
queridos, a mudanças geográficas e a Gerais – R-1 (RISG). Brasília: Gráfica do
jornadas de trabalho longas e Exército, 2004.
imprevisíveis.
______. Exército Brasileiro. DEP. DEE.
Da mesma forma que os militares em
Escola de Administração do Exército.
geral estão expostos a todos estes
Manual do Candidato EsAEx 2006.
estressores, o aluno do CFO/QC também o
Salvador: 2006.
está, por também ser militar, apesar de
aluno. O afastamento da família, a ______. Exército Brasileiro. Escola de
apreensão quanto o local para onde será Saúde do Exército. Portal Escola de Saúde
feita a transferência ao final do curso, as do Exército. Disponível em:
atividades de risco durante o curso e outros <http://www.essex.ensino.eb.br/> Acesso em:
fatores em menor grau contribuem como 01 jul. 2007a.
fatores geradores de estresse. Supõe-se
evidenciar algumas mudanças de ______. Exército Brasileiro. Instituto
comportamento em determinados períodos, Militar de Engenharia. Localização do
9

IME. Disponível em: Journal of Public Health. Washington: v.


<http://www.ime.eb.br/index.php?option=com 91, n. 2, Feb. 2001.
_content&task=view&id=31&Itemid=65>.
Acesso em: 01 jul. 2007b. LUDERMIR, A. B.; MELO FILHO, D. A.
Condições de vida e estrutura ocupacional
______. Ministério da Defesa. Exército relacionadas a transtornos mentais comuns.
Brasileiro. DEP. DEE. Escola de Revista de Saúde Pública. São Paulo: v.
Administração do Exército. Escola de 36, n. 2, p. 213-21, 2002.
Administração do Exército. Disponível em:
<http://www.esaex.ensino.eb.br/esaex/>. MONTALI, L. Relação família-trabalho:
Acesso em: 01 jul. 2007c. reestruturação produtiva e desemprego.
São Paulo em perspectiva. São Paulo: v.
______. Ministério da Defesa. Exército 17, n. 2, p. 123-135, 2003.
Brasileiro. Exército Brasileiro – braço
forte, mão amiga. Como ingressar no NOBLET, A. Building health promoting
Exército. Disponível em: work settings: identifying the relationship
<http://www.exercito.gov.br/02ingr/ingressar.h between work characteristics and occupa-
tm>. Acesso em: 01 jul. 2007d. tional stress in Australia. Health Promo-
tion International. Oxford University
______. Ministério da Defesa. Exército Press, Oxford: v. 18, n. 4, 2003.
Brasileiro. Exército Brasileiro – braço
forte, mão amiga. Operações e exercícios. ONCIUL, J.V. ABC of Work Related Dis-
Disponível em: orders: Stress at Work. British Medical
<http://www.exercito.gov.br/03ativid/operacoe Journal. London: v. l313. p. 745-748,
s/indice.htm>. Acesso em: 16 jul. 2007e. 1996.

______. Ministério da Defesa. Exército SALLES, D.; ORSOLINI, M. Cinco


Brasileiro. Comando Militar do Sul. milhões querem o governo como patrão.
Comando Militar do Sul – Elite do Revista Veja. São Paulo: Ed. Abril, n. 24,
Combate Convencional. Disponível em: 20 jun. 2007.
<http://www.cms.eb.mil.br/index.php?opti
on=com_content&task=view&id=586&Ite STACCIARINI, J. M. R., TRÓCCOLI, B.
mid=1>. Acesso em: 16 jul. 2007f. T. Stress Ocupacional in MENDES, A. M.;
MORGES, L. O.; FERREIRA, M. C. (org)
BURRELL, L. M. et al. The impact of Trabalho em transição, saúde em risco.
military lifestyle demands on well-being, Brasília: Editora Universidade de Brasília,
army, and family outcomes. Armed 2002.
Forces & Society. v. 33. n. 1. Oct. 2006.
WESSELY, S. Risk, psychiatry and the
CARVALHO, I. M. M.; ALMEIDA, P. H. military. British Journal of Psychiatry.
Família e proteção social. São Paulo em London: v. 186, p. 459 – 466, 2005.
perspectiva. São Paulo: v. 17 n. 2, p. 109-
122, 2003. WOLFF, P.H.; G. FESSEHA. The orphans
of Eritrea: are orphanages part of the prob-
GRAEFF, F.G. Bases biológicas do lem or part of the solution? American
transtorno de estresse pós-traumático. Journal of Psychiatry. Arlington: v. 155,
Revista Brasileira de Psiquiatria. São n. 10, Oct. 1998.
Paulo: v. 25, p. 21-24, 2003.
ZAGO, N. Do acesso à permanência no
KLINK, J.J.L. et al. The benefits of inter- ensino superior: percursos de estudantes
ventions for work-related stress. American universitários de camadas populares.
10

Revista Brasileira de Educação. Rio de


Janeiro: v. 11, n. 32, maio/ago. 2006.