Você está na página 1de 6

5 Transformador

(Electric Machinery, 6 a edition, A.E. Fitzgerald, Charles Kingsley, Stephan Umans, McGraw-Hill,

2003)

5.1 Problema 2.1

Sendo

e (t) = dλ = N dφ

dt

dt

(206)

a for¸ca electromotriz e sabendo que o uxo instantˆaneo ´e dado por

φ (t) = φ max sin (ω t) ,

(207)

onde φ max ´e o valor m´aximo de uxo, o valor rms da for¸ca electromotriz ser´a

E 1 =

1

2 ω N φ max .

Como φ = BA c e ω = 2π f logo

E 1 = 2π fNA c B max .

(208)

(209)

Para f = 60 Hz:

Circuito prim´ario (N = 1200) E 1 = 2775.1 Vrms Circuito secund´ario (N = 75) E 1 = 172.2 Vrms Para f = 50 Hz:

Circuito prim´ario (N = 1200) E 1 = 2295.9 Vrms Circuito secund´ario (N = 75) E 1 = 143.5 Vrms Note-se que quando a frequˆencia do uxo magn´etico diminui, o valor rms da fem induzida diminui.

5.2 Problema 2.3

´

As caracter isticas associadas a um transformador dito ideal s˜ao:

resistˆencia dos enrolamentos desprez´avel;

todo o uxo magn´etico est´a connado ao nucleo de ferro;

perdas no ferro s˜ao desprez´aveis;

permeabilidade magn´etica do ferro innita (µ → ∞) ;

30

tens˜oes v 1 e v 2 , correntes i 1 e i 2 est˜ao em fase;

I S Hds = R m Φ = 0 (pois R m = 0 visto que µ → ∞) ,

e dado que:

N 1 i 1 = N 2 i 2 ,

i 1

i 2

=

N 2 .

N 1

v 1 =

e 1 = N 1 dφ dt

v 2 = e 2 = N 2 dφ dt

v

1

v

2

=

N

1

N

2

V 1 = Z 1 I 1 V 2 = Z 2 I 2

Z

Z 2 = µ N 2 2

1

N

1

N 1 N 2 = r Z Z 2 1

.

,

Como Z 1 = 75 e Z 2 = 8 :

N N 2 1 = r 75

8

3

(210)

(211)

(212)

(213)

(214)

(215)

(216)

(217)

(218)

5.3 Problema 2.4

O enunciado relata que ´e efectuado um ensaio em carga num transformador ideal 1:4. Assim tem-se

Z 2 = 100 , v 1 (t) = 10sen (2π 1000t) .

31

(219)

No prim´ario

Logo

Z 1

Z 1

= µ

= µ

b

I 1 =

N 1 N 2 2

Z 2 ,

1 4 2

b

100 = 6.25 .

V 1

Z 1 = 1.6 A,

i 1 (t )=1.6sen (2π 1000t ) .

No secund´ario

N

2

N

1

= 4

b

V

2

1 V b 1

= N 2 V 2 = 40 V,

N

1

b

v 2 (t ) = 40sen (2π 1000t) .

5.4 Problema 2.17

´

(220)

(221)

(222)

5.4.1 al inea (a)

Considerando o circuito equivalente do transformador para o ensaio em curto-circuito do transformador, o valor da sua impedˆancia (resistˆencias e bobines em s´erie) pode ser obtido dividindo-se a tens˜ao de curto-circuito V cc pela corrente I cc obtida no ensaio, igual a` corrente nominal I n do transformador:

|Z cc | =

V cc

I

n

= 61.3

8. 33 = 7.36 .

(223)

O valor dos parˆametros referentes a` resistˆencia equivalente das espiras de cobre, R cu , pode ser calculada sabendo-se a potˆencia de perdas por efeito Joule e o valor da corrente no transformador:

R cu =

P

cc

2

cc

I

257

= (8.33) 2 = 3.7 .

(224)

A reactˆancia equivalente relativa a` dispers˜ao magn´etica no prim´ario e no secund´ario, X l , pode ser calculada sabendo-se que

cc = X

Z

l

2

2

+ R cu X l = q (7.36) 2 (3.7) 2 = 6.36 .

2

32

(225)

´

Quando o transformador se encontra `a carga m´axima, a potˆencia activa de sa ida ´e dada

pelo valor da sua potˆencia aparente e o factor de potˆencia da carga:

P act = S × cos (φ) = 20000 × 0.8 = 16000 W.

(226)

Nesta situa¸c˜ao e assumindo que as perdas magn´eticas no n´ucleo (calculadas do ensaio em vazio) e mant´em constantes em 122W, as perdas no cobre s˜ao de 257W, uma vez que o circuito se encontra `a potˆencia m´axima, tal como no ensaio em curto-circuito. Sendo assim, a potˆencia total de entrada ´e dada po

P entrada = 16000 + 122 + 257 = 16379 W.

(227)

O rendimento do transformador pode ent˜ao ser calculado:

´

η =

P sa´ıda

P entrada

= 16000

16379

= 0.977 97.7%.

(228)

5.4.2 al inea (b)

Considera-se que a tens˜ao no terminal do secund´ario se mant´em constante em 240V (a tens˜ao no terminal do prim´ario ´e de 2400V), o mesmo acontecendo a` corrente, que se mant´em no seu valor nominal. O valor da tens˜ao V 1H ´e igual a` soma da tens˜ao no secund´ario do transformador mais a queda de tens˜ao interna:

V 1H = V 2H + I × Z cc = 2400 + I × Z cc .

Do ensaio em curto-circuito, a impedˆancia Z cc ´e igual a

Z cc = R cu + jX l = 3.7 + j 6.36.

A tens˜ao de regula¸c˜ao em fun¸c˜ao do anguloˆ

de fase φ ca igual a

V 1H = 2400 + 8.33 (cos (φ) + j sen (φ)) (3.7 + j 6.36) .

Derivando o m´odulo desta tens˜ao

V 1 = s (2400 + 3.7 × 8.33 × cos (φ) 8.33 × sen (φ) × 6.36) 2 + + (8.33 × cos (φ) × 6.36 + 8.33 × sen (φ) × 5.7) 2

 

(229)

(230)

(231)

,

(232)

em ordem a φ e igualando a zero, pode-se calcular o factor de potˆencia que representa um extremo local da tens˜ao de regula¸c˜ao, resolvendo-se a equa¸c˜ao:

33

2 × (2400 + 30.82 cos (φ) 52. 98sen (φ)) (52.98 cos (φ) 30.82sen (φ)) + 2 × (47. 48 cos (φ) 52.98sen (φ)) (52.98 cos (φ) + 47.48sen (φ)) = 0, (233)

Resolvendo numericamente esta equa¸c˜ao, obtem-se uma unica´

solu¸c˜ao real do problema

no primeiro ou quarto quadrantes (factor de potˆencia positivo), dada por

onde

φ = 60.2 ,

cos (φ)=0.497, sen (φ) = 0.868.

(234)

(235)

(236)

Com este resultado pode-se agora calcular a tens˜ao de regula¸c˜ao, somando a 2400V a queda de tens˜ao no transformador:

V 1H =

2400 + 8.33 (0.497 + j 0.868) (3.7 + j 6.36) = 2461.3 j 0.421, (237)

(238)

V 1 2461.29 V.

Com este resultado a regula¸c˜ao, em termos percentuais, ca

2461. 3 2400

2400

× 100 = 2.55%

(239)

5.5 Problema 2.4

Dada a rela¸c˜ao das impedˆancias entre os dois circuitos (prim´ario e secund´ario):

R 1 = µ N N 2 1 2 R 2 = µ

1

2 2

100 R 1 = 6.72 .

Logo, o valor da corrente no prim´ario ser´a

I 1 = V 1

R 1 = 1.6 A,

(240)

(241)

e da rela¸c˜ao da for¸ca magnetomotriz obt´em-se o valor da tens˜ao igual a

V 2 = µ

N 2

N 1

V 1 V 2 = 40 V,

34

(242)

5.6

Problema 2.30

´

Neste problema pretende-se determinar a reactˆancia m inima a colocar aos terminais do secund´ario de um transformador de modo a que o erro em rela¸c˜ao a` utiliza¸c˜ao de uma representa¸c˜ao ideal do transformador seja menor que 0.5%. Para um transformador ideal, tem-se a rela¸c˜ao

Ã

b

V 2

b

V 1

! i

=

N 2 .

N 1

(243)

No entanto, o transformador apresenta perdas relacionadas com os enrolamentos de co- bre do prim´ario e secund´ario (perdas por efeito Joule), e perdas no n´ucleo magn´etico (uxos de dispers˜ao e perdas por efeito Joule causadas p or correntes induzidas). Observando os valores dados para as diferentes impedˆancias do circuito equivalente, constata-se que a re- actˆancia de magnetiza¸c˜ao tem um valor muito superior. Assim sendo, considera-se Z m t˜ao

´

elevada que possar ser substitu ida por um circuito aberto na representa¸c˜ao por circuitos do

transformador. Tem-se ent˜ao a rela¸c˜ao entre as tens˜oes no prim´ario e secund´ario

Ã

Assim basta-nos garantir que

donde

b

V 2

b

V 1

Ã

!

p

= N 2

0

Z

b

N

1

(Z 1 + Z 2 + Z

b

0

0

)

b

V 2

b

V 1

! p = 0.995 Ã

b

V 2

b

V 1

¯

¯

¯Z 0 ¯ > ¯

¯

¯

¯

¯

¯

b

0

Z 1 + Z

b

1 0.995

¯

¯

¯

¯

! i

.

Neste problema tem-se os seguintes dados:

R 1

=

1378 , R 2 = 1602 , X 1 = 1721 , X 2 = 1897

0

0

X m = 782 k, N 2

N

1

= 120 V

7970 V

Substituindo na equa¸c˜ao anterior tem-se

¯

¯

¯Z ¯ >

0

b

¯

¯

937450 ,

Z b = µ N 2

N

1

2

0

Z b Z b = 212

35

(244)

(245)

(246)

(247)

(248)