Você está na página 1de 26
Digitalizado Por: Pregador Jovem

Digitalizado Por: Pregador Jovem

SILAS MALAFAIA

UM EXEMPLO DE FÉ A SER SEGUIDO

SILAS MALAFAIA UM EXEMPLO DE FÉ A SER SEGUIDO

Apresentação.

Introdução.

SUMÁRIO

Capítulo 1 - Crer que a vida é bem melhor com Deus.

O poder da fé é revelado pelas nossas escolhas.

A fé implica um estilo de vida coerente com a Palavra de Deus.

Loucura para os incrédulos.

Capítulo 2 - Vendo além das circunstâncias.

Fé um diferencial na vida de quem teme a Deus.

Fé exige uma ação específica.

Dizendo não à nossa natureza carnal e aos pratos do inimigo.

Fé e fidelidade.

Capítulo 3- Crer que Deus responde às orações e revela o que ninguém sabe.

Deus revela segredos ao seu escolhido.

Quem pede recebe.

Oração, um canal poderoso de comunhão com Deus.

Perseverando em meio à batalha espiritual.

Capítulo 4 - Crer que Deus é soberano e onipotente e perdoa os nossos pecados.

Deus está acima de tudo e de todos.

O Deus amoroso que perdoa pecados.

Capítulo 5 - Crer que Deus opera milagres.

O

milagre na vida de Daniel.

O

milagre diário na vida do cristão.

Capítulo 6 - Uma fé contagiante.

Contagiando o próximo.

Capítulo 7 - A fé nos eleva a um nível de vida superior.

Crescendo espiritualmente.

Prosperando em todas as áreas.

Uma fé que abençoa outros.

APRESENTAÇÃO

A vida é repleta de surpresas, desafios, lutas e adversidades, e a Palavra de Deus nos

ensina que podemos enfrentar tudo isso por meio da fé em Deus, que nos faz mais do que vencedores. Assim, a Bíblia está repleta de histórias de homens e mulheres que, a despeito das circunstâncias contrárias, ousaram crer e foram vitoriosos, alcançando seus objetivos e cumprindo o propósito do Criador para a vida deles, deixando-nos um legado de fé a ser imitado.

Uma dessas pessoas notáveis, cuja fé deve ser imitada, é Daniel. Sua história nos mostra que ele foi um homem de caráter e fiel a Deus em todos os aspectos sob quaisquer circunstâncias. Ainda bem Jovem, foi separado de sua família e levado para o exílio na Babilônia, após a invasão de Jerusalém pelas tropas de Nabucodonosor, que destruíram a cidade, saquearam e queimaram o templo. Contudo, mesmo longe de casa e da cultura israelita, com toda a pressão e as tentações que sofreu na corte, Daniel conservou sua integridade ética e moral e sua fé no Deus altíssimo, apontando-nos um modelo de fé a ser seguido.

Sendo assim, faremos uma pequena abordagem da história de Daniel, a fim de extrairmos da vida deste grande homem de Deus extraordinárias lições práticas para o nosso dia-a-dia. Um dos textos bíblicos que tomamos como base para esta mensagem

está em Daniel 6.23 (ara): Então, o rei se alegrou sobremaneira e mandou tirar a Daniel

da cova; assim, foi tirado Daniel da cova, e nenhum dano se achou nele, porque crera no

seu Deus.

Este trecho foca um dos momentos mais críticos que Daniel vivenciou por não negar sua fé no Altíssimo: o momento em que ele foi lançado numa cova de leões famintos por causa de uma conspiração contra ele liderada pelos príncipes e presidentes babilônicos, que o invejavam e, não encontrando falta nele para acusarem-no, inventaram um edito real que visava prejudicá-lo, uma vez que seria punido todo aquele que dirigisse qualquer petição que não fosse ao rei Dário. Daniel continuou com suas orações e súplicas ao Senhor, foi acusado de desrespeito às leis babilônicas e lançado na cova dos leões para morrer. Contudo, isto não aconteceu, porque Deus deu livramento a Seu servo fiel.

Daniel não se livrou daqueles leões famintos porque o Senhor o achava bacana espetacular. Deus enviou um anjo para fechar a boca daque-las feras para honrar a

fidelidade e a fé de Seu servo. E é isto que vamos destacar neste livro, as características

de fé de Daniel, para que possamos aprender os mesmos passos éter uma vida vitoriosa.

Que este livro contribua para aumentar a sua fé e ajude-o a continuar lutando pela realização dos seus objetivos, certo de que, se você continuar fiel ao Senhor e aos propósitos dele para sua vida, Ele o fará ocupar posições elevadas para a glória do Seu nome.

Boa leitura!

INTRODUÇÃO

A Palavra de Deus, em 1 João 5.4, nos ensina que todo o que é nascido de Deus vence o

mundo; e esta é a fé que vence o mundo: a nossa fé.

Todas as pessoas têm algum tipo de fé natural, mas a fé a que João se refere nesse texto

é distinta; é uma fé sobrenatural, um dom divino, um poder especial concedido por

Deus a uma pessoa para ela vencer o pecado, o mundo e o diabo. Essa é a fé bíblica, que nos permite entender que o Criador existe e é galardoa-dor dos que o buscam (Hebreus

11.6), que os mundos, pela palavra de Deus, foram criados (v. 3), crer no plano de salvação, na vida eterna e no cumprimento de todas as promessas que Deus nos fez.

Foi por meio dessa fé, que é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem (v. 1), que os antigos alcançaram testemunho (v. 2), que eles fizeram proezas e foram recompensados pelo Senhor.

Esse é o tipo de fé que abordaremos aqui, analisando cada uma das suas implicações. Assim, entre outras coisas, vamos ver que ter fé implica crer que a vida é bem melhor com Deus, que a fé nos permite ver além das circunstâncias e saber o que ninguém sabe, crer que Deus responde às nossas orações, perdoa os nossos pecados, realiza milagres ao nosso favor, que ela é contagiante e leva-nos a um patamar superior. Vejamos, pois, cada um desses aspectos da fé ao longo dos capítulos deste livro.

CAPÍTULO 1 CRER QUE A VIDA É BEM MELHOR COM DEUS

O primeiro aspecto da fé que vamos analisar diz respeito a crermos que a vida com Deus, baseada na obediência aos princípios que Ele revelou §m Sua gloriosa Palavra, é

a melhor escolha que poderíamos fazer para ter uma vida abundante, plena, realizada, saudável e feliz.

Essa é uma das primeiras coisas que vislumbramos ao deparar-nos com a história de Daniel; afinal, após ser levado cativo para viver no luxo e na licenciosidade da corte babilônica, ele poderia ter apostatado de sua fé, como tantos outros fizeram, ter se corrompido pelo poder que recebeu ou ter se entregado aos prazeres mundanos, mas não

o fez. Daniel preferiu uma vida de comunhão com o Senhor, porque conhecia o Deus

vivo e sabia o que era melhor. A despeito do que lhe ocorrera, o jovem judeu confiava

no Eterno e entendia que a lei do Senhor é perfeita e nos dá novas forças. Os seus conselhos merecem confiança e dão sabedoria às pessoas simples (Salmo 19.7 NTLH).

Como sabemos que Daniel guardou a fé? Pelas atitudes dele. São elas que atestam a fé genuína, alicerçada na Palavra, desse homem que é exemplo para nós.

O poder da fé é revelado pelas nossas escolhas

De acordo com o relato em Daniel 1, assim que este foi deportado com outros nobres judeus para a Babilônia, ele passou por um período de treinamento, que envolveu a aprendizagem da língua, da cultura e das leis e protocolos babilônicos, a fim de servir na corte.

Em pouco tempo Daniel aprendeu a falar fluentemente e a escrever na língua caldaica, destacando-se por sua sabedoria e inteligência.

Nabucodonosor ordenou que o grupo que o serviria fosse alimentado com o mesmo que ele comia à mesa; o que havia de melhor naquele reino. Daniel, todavia, sabendo que aqueles alimentos, antes de serem consumidos, eram oferecidos a ídolos adorados na Babilônia, assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia (Daniel 1.8). Então, ele partiu para a ação: pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse alimentar-se apenas com legumes e beber só água.

Daniel, apesar dos duros golpes que sofreu com a destruição de Jerusalém, do distanciamento dos pais e entes queridos, do exílio e de todas as circunstâncias contrárias, não abriu mão de seus valores e princípios. Isso porque ele tinha a certeza de que não havia coisa melhor do que viver com e para Deus. E como o Senhor respondeu

à fé de Daniel? Ele deu a Daniel graça e misericórdia diante do chefe dos eunucos

(Daniel 1.9). Além disso, posteriormente, vemos que o Senhor concedeu a Daniel entendimento em toda visão e sonhos (v. I 7), dom que fez com que o Senhor fosse glorificado na vida do jovem judeu, e este se destacasse entre todos os que serviam ao

rei, ocupando altos cargos na corte.

A fé implica um estilo de vida coerente com a Palavra de Deus

Infelizmente, muitos cristãos demonstram por meio de seu comportamento e estilo de vida não acreditar de fato que uma vida com Deus seja a melhor opção. Eles costumam viver de forma medíocre, não confiando completamente no Senhor, dando sempre o seu jeitinho, em vez de obedecer à Palavra de Deus e seguir as orientações do Senhor. Assim, muitos evangélicos demonstram não crer no que afirmam e ensinam às pessoas. Por isso, elas não lhes dão ouvidos.

Muitos cristãos, mesmo conhecendo a verdade e a realidade do amor e da graça divina, preferem viver à sua própria maneira, e o máximo que conseguem desfrutar é uma vida

de ilusão, cheia de dor, fracasso e desesperança. Eles se esquecem de que as promessas do Senhor estão condicionadas ao nosso temor a Ele e à nossa obediência aos Seus mandamentos, que não são pesados para aqueles que o amam com toda a sua alma, todo

o

seu coração.

O

Senhor nos propõe a vida e a bênção, e não a morte e a maldição, e ainda nos dá uma

dica: escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua semente (Deuteronômio 30.19).

Deus aponta a vantagem de seguirmos pelo caminho da salvação e entrarmos pela porta estreita, que nos levará à comunhão com Ele e à vida eterna (Mateus 7.13,14). Contudo,

o Senhor respeita o livre-arbítrio que Ele mesmo nos deu para decidirmos se aceitamos ou não obedecer-lhe para recebermos as Suas bênçãos.

Daniel não teve dúvida quanto ao que era melhor para ele, escolhendo o caminho da fé e da obediência ao Altíssimo. O jovem judeu exilado creu que, onde quer que estivesse, viver com Deus era a melhor opção e manteve-se fiel à sua escolha até o fim, tendo uma vida espiritual frutífera e exemplar.

E você? Sua fé em Deus tem se mostrado consistente e coerente com aquilo em que

afirma crer por meio das suas atitudes?

O verdadeiro cristão não diz apenas que crê em Jesus. Ele demonstra isso por meio de

um estilo de vida baseado na obediência ao Senhor, 24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano. Ele pede orientação a Deus para agir, falar e resolver os problemas. É zeloso, honesto, generoso e tem uma conduta moral digna. Evita brigas, discussões e escândalos. Não murmura, está sempre preparado para compartilhar do amor de Cristo e demonstra segurança e alegria.

Crer Implica deslocar-se em direção ao que se acredita. Então, como um servo do Senhor pode mostrar ao mundo que a vida com Deus é bem melhor se não vivência os padrões do evangelho; se não prioriza o Reino de Deus; se não possui o mesmo caráter

de Cristo; se não vive a esperança da vida eterna nem tem comunhão com o seu irmão em Cristo, que é a marca principal do cristão?

Jesus foi claro e enfático: Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros (João 13.35). A prova de que a vida com

Deus é bem melhor não é evidenciada pela roupa que vestimos, por nossa assiduidade nos cultos ou pela quantidade de glórias dadas ao Senhor, e sim pela maneira como nos relacionamos com as pessoas e por nosso estilo de vida.

Graças a Deus, em meio a este mundo com tanta incredulidade, ainda existem milhares de pessoas realmente transformadas pelo poder do evangelho, que aprenderam importantes lições de fé e puderam descobrir como a vida com Deus é bem melhor. Ainda há um povo obediente e submisso à Palavra, que vivência os padrões do evangelho; um povo que sabe que aquele que diz que está nele também deve andar como ele [Jesus] andou (1 João 2.6).

Assemelhar-se a Cristo e compartilhar a fé era uma preocupação constante de Daniel. Ele sempre agia motivado pelo temor a Deus e dava testemunho de que sua vida era pautada na vontade do Senhor. O mesmo deve acontecer comigo e com você, pois assim estaremos dizendo ao mundo e à sociedade que a vida com Deus é bem melhor!

Loucura para os incrédulos

Daniel rejeitou toda a beleza, a grandeza e as iguarias da Babilônia porque acreditava que, na presença de Deus, ele poderia desfrutar de uma vida melhor. É exatamente isto que você e eu fazemos ao abandonarmos a idolatria, a feitiçaria, os vícios e a devassidão que este mundo nos oferece e ao entregarmos o nosso coração ao Senhor. Então, cumpre-se o que está em 2 Coríntios 5.17: Assim que, Sê alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

Essa transformação de vida é tão grande que assusta os incrédulos, a ponto de muitas vezes eles questionarem as nossas atitudes de fé e considerarem loucura o estilo de vida cristão. Isto acontece porque eles não vivenciaram a experiência do novo nascimento em Cristo. Logo, não receberam o discernimento espiritual para perceber que é melhor servir a Jesus do que ao inimigo. Nós, cristãos, entretanto, não podemos deixar-nos abater com liso, Precisamos ter convicção de nossa fé e deixar transparecer por nosso caráter o caráter de Cristo e o amor de Deus. Se agirmos assim, certamente obteremos uma vida plena e vitoriosa.

No próximo capítulo, vamos analisar a segunda característica da fé de Daniel, a qual o ajudou a enxergar o melhor quando tudo parecia caótico, e a ver o pior quando tudo estava aparentemente bem.

CAPÍTULO 2 VENDO ALÉM DAS CIRCUNSTÂNCIAS

Após vermos como Daniel demonstrou crer que a vida com Deus é a melhor opção, vamos falar sobre a segunda característica da fé desse homem louvável: enxergar além das circunstâncias.

Fé, um diferencial na vida de quem teme a Deus

Em Daniel 1.4-16, somos informados de que vários jovens judeus bonitos, inteligentes e saudáveis foram levados para o exílio na Babilônia, a fim de servir na corte de Nabucodonosor. Contudo, nenhum deles se absteve de comer os manjares e de beber o vinho do rei, exceto Daniel, Hananias, Misael e Azarias.

A consistência da fé de Daniel foi fundamental para ele e os seus três amigos obterem a graça diante do chefe dos eunucos, sendo isentados de comer da porção do rei. Sem dúvida, a fé que Daniel possuía em Deus e em Sua Palavra foi o fator que lhe permitiu enxergar o que estava por trás do esplendor e dos prazeres na Babilônia e levou-o a rejeitar os manjares que lhe eram oferecidos, não sucumbindo à idolatria e não comprometendo o seu relacionamento com o Senhor.

Fé exige uma ação específica

Você pensa que foi fácil para Daniel esquivar-se de uma ordem do rei da Babilônia? Um rei antigamente tinha poder para decretar vida ou morte. Além disso, já imaginou ter diante de si pratos saborosos, ver todos os demais desfrutando disso, e alimentar-se apenas com legumes?

Nos dias de hoje as iguarias servidas na corte babilônica equivaleriam a pratos finos e caríssimos, com sabores exóticos e sobremesas deliciosas, servidos em restaurantes grã- finos.

Você acha que, se comer tais coisas de alguma forma fosse comprometer sua aliança com Deus, conseguiria rejeitar isso? Já parou para pensar como esse tipo de fé é raro, especialmente no caso de um jovem que tinha tudo para ficar revoltado com o cativeiro?

Mas Daniel via além das circunstâncias e do luxo da corte! Ele não cedeu à sua natureza humana, inclinada para o pecado. Não deu lugar à sua carne, cedendo à concupiscência dos olhos e à soberba da vida. Por isto, foi vitorioso. Daniel fez como Moisés, que escolhendo, antes, ser maltratado com o povo de Deus do que por, um pouco de tempo,

Atente para o fato de que Daniel agiu de acordo com o que ele cria.

Devemos fazer o mesmo. Precisamos demonstrar a fé genuína, que nos conduz à vitória. Não andemos por vista, mas por fé! Quem age pela fé consegue discernir sua realidade e vislumbrar o resultado de suas escolhas. Não toma decisões precipitadas, baseadas em emoções, necessidades ou pressões, e sim na Palavra do Senhor, e o vê agir em seu favor.

Quem possui uma fé bem fundamentada em Deus e em Sua Palavra não se deixa escravizar pelas paixões deste mundo, como muitos jovens, que, em vez de esperarem com paciência no Senhor, acabam enganados com a aparência física do sexo oposto, casam-se e depois se arrependem amargamente.

Muitos deles, diante da beleza do outro, disseram: "Meu Deus, não posso deixar escapar esse monumento; esse colírio". Assim, basearam suas escolhas apenas no que viram, ouviram, sabiam a respeito desse outro. Depois choraram, porque não oraram nem basearam suas escolhas naquilo que o Senhor lhes revelou.

Dizendo não à nossa natureza carnal e aos pratos do inimigo

A fome e a sede são os "instintos", as pulsões mais veementes do ser humano. Esses nossos apetites naturais são influenciados especialmente pelo que vemos e cheiramos. Contudo, ao rejeitar os manjares do rei, Daniel estava indiretamente dizendo a si mesmo: "não permitirei que aquilo que a minha natureza mais deseja venha a dominar- me e possa destruir minha comunhão com Deus".

Daniel sabia que toda queda começa com uma pequena concessão hoje, outra amanhã, e disse não à sua natureza. Mesmo inconscientemente percebia que cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte (Tiago 1.14,15). Ele também sabia que, de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo (2 Pedro 2.19). Assim, Daniel resistiu à sua carne, à vaidade humana; posicionou-se da forma correta, manteve-se firme em seu propósito de ser fiel a Deus até o fim, e venceu.

Satanás costuma oferecer muitos "pratos" bonitos e maravilhosos, que apelam para os nossos apetites carnais. O inimigo costuma tentar-nos em nosso momento de maior necessidade e fragilidade. Mas, pela fé em Deus e em Sua Palavra, é possível dizer não aos manjares do diabo. Para isso, é preciso que você faça como Daniel: creia que Deus tem o melhor para você, assente no seu coração que não deseja ceder à tentação e revista-se do poder do Espírito Santo. Essa é a receita bíblica para o cristão vencer!

Foi com base nisso que o apóstolo Paulo exortou os cristãos da Galácia:

Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem-se um ao outro; para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei.

Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. Não sejamos cobiçosos de vanglorias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros. Gálatas 5.1 6-18, 25, 26

De que lei Paulo falava? Da lei do pecado, que produz obras da carne (Gálatas 5.19-21). Essa lei nos leva à morte espiritual, impede-nos de tomar parte no Reino de Deus e desfrutar de todas as bênçãos celestiais.

Daniel não abriu mão disso, porque de fato conhecia o coração do Deus a quem servia. Esse jovem judeu primava por sua comunhão com o Senhor e sabia que isto tinha muito mais valor do que todas as riquezas e prazeres de que pudesse desfrutar nesta vida. Ele sabia que Deus é a verdadeira fonte da vida, do amor, da paz, da verdade, da sabedoria; então, disse não aos manjares babilônicos, e fui ricamente recompensado por sua fidelidade. O Senhor lhe concedeu uma vida longa, proteção, vitória sobre seus inimigos, honra e revelações maravilhosas sobre o futuro daquele e de outros impérios que sucederiam ao babilônico. Daniel, por fim, comprovaria aquilo de que já sabia: O conselho do Senhor permanece para sempre (Salmo 33. 11).

Fé e fidelidade

Neste mundo de tanta incredulidade, mentira, pecaminosidade, façamos como Daniel, que foi fiel a Deus atentando não para as circunstâncias, mas para o resultado que ainda aconteceria. Rejeitemos os atalhos, os pratos do inimigo, os prazeres momentâneos e as riquezas ilícitas, que vão afastar-nos do Senhor, sabendo que, mais além, Deus reserva algo melhor e mais precioso para nós.

Continuemos firmes em nosso propósito de amar e servir a Deus, mesmo que as pessoas nos ridicularizem por nossa fidelidade ao Senhor e nossas escolhas pautadas nos princípios bíblicos. Não reclamemos das adversidades que provam a nossa fé, pois cada vez que demonstrarmos confiança em Deus teremos uma oportunidade para Ele se revelar a nos e ampliar a nossa visão espiritual acerca da situação e do poder dele sobre tudo e todos. Além disso, certamente nossa experiência estimulará outros a crer no Senhor e conhecê-lo.

Foi isto que aconteceu com Daniel. Todas as vezes em que este se viu diante da escolha entre Deus e o mundo, e escolheu o Senhor, Ele se manifestou ao Seu servo e usou-o como um canal, um instrumento dele.

Temos de aprender a enxergar, por meio da fé, as oportunidades que Deus nos deu para testemunhar ao mundo acerca de Cristo e do plano de salvação. Precisamos atingir um nível de fé capaz de ampliar o nosso campo de visão, fazer-nos crescer em estatura espiritual e galgar patamares superiores. Precisamos crer e ser fiéis ao Senhor, para vê- lo agir a nosso favor, como fez Daniel.

No próximo capítulo, vamos ver outro aspecto da fé de Daniel, que o levou a receber revelações tremendas da parte do Senhor.

CAPÍTULO 3

CRER QUE DEUS RESPONDE ÀS ORAÇÕES E REVELA O QUE NINGUÉM SABE

Pelo episódio narrado em Daniel 2, vemos que a confiança do jovem judeu no Altíssimo

ia muito além de seu temor em guardar a lei do Senhor e abster-se de alimentos e práticas idólatras. Daniel cria num soberano, todo-poderoso, onisciente, onipresente; num Deus que conhece o coração do homem, que estabelece reis e os depõe, que muda

as estações, que responde a orações e pode intervir a qualquer momento na história para operar milagres a favor daqueles que o temem e nele esperam.

Deus revela segredos ao seu escolhido

É por isso que, quando o rei Nabucodonosor leve um sonho perturbador e nenhum sábio

da Babilônia conseguiu interpretar, tendo em vista a ameaça de morte, Daniel convocou

seus três amigos (Hananias, Misael e Azarias) para, juntos, buscarem ao Senhor, a fim de que Ele revelasse o segredo, dando livramento a Seus servos que viviam naquela corte.

Após o Senhor revelar a Daniel numa visão de noite o que Nabucodonosor havia sonhado e esquecido e a interpretação disso, diz o texto bíblico:

Daniel louvou o Deus do céu. Falou Daniel e disse: Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque dele é a sabedoria e a força; ele muda os tempos e as horas; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e ciência aos inteligentes. Ele revela o profundo e o escondido e conhece o que está em trevas; e com ele mora a luz. Ó Deus de meus pais, eu te louvo e celebro porque me deste sabedoria e força; e, agora, me fizeste saber o que te pedimos, porque nos fizeste saber este assunto do rei.

Daniel 2.19-23

Imagine o rei convocando todos os sábios da Babilônia para uma reunião. Eles entram no palácio, cumprimentam o monarca, e ouvem: "eu tive um sonho e quero que vocês o interpretem. Só tem um probleminha: esqueci o que sonhei". Atônitos, os sábios respondem: "majestade, nós só podemos interpretar o sonho se o senhor contar-nos o que o sonhou!" O rei responde: "se vocês são mesmo sábios, têm de adivinhar o sonho e interpretá-lo, do contrário serão mortos".

O rei percebeu que aqueles homens estavam tentando engabelá-lo. Então, resolveu puni-

los com a morte. Quando a sentença do rei chegou ao conhecimento de Daniel, este

pediu mais um tempo para revelar o que o rei tanto desejava saber. Então, Daniel pôs-se a orar, e o Senhor respondeu à oração dele, revelando-lhe o sonho de Nabucodonosor e a correta interpretação (Daniel 2.27,28).

Qual foi o resultado disso? O nome do Deus verdadeiro foi glorificado, Daniel foi honrado como servo do Altíssimo e ainda indicou seus três amigos para cargos importantes na administração das províncias sob a jurisdição da Babilônia.

Disse o rei a Daniel: Certamente, o vosso Deus é o Deus dos deuses, e o Senhor dos reis, e o revelador de mistérios, pois pudeste revelar este mistério. Então, o rei engrandeceu a Daniel, e lhe deu muitos e grandes presentes, e o pôs por governador de toda a província da Babilônia, como também o fez chefe supremo de todos os sábios da Babilônia. A pedido de Daniel, constituiu o rei a Sadraque, Mesaque e Abede-Nego sobre os negócios da província da Babilônia; Daniel, porém, permaneceu na corte do rei.

Daniel 2.47-49

O nosso Deus revela o que ninguém sabe, desvendando os mistérios e mostrando-nos como podemos resolver os nossos problemas do dia-a-dia! De que forma Ele revelará o que você precisa saber e está oculto? Daniel já nos deu a dica: quando você o buscar de todo o coração, por meio da oração e da consagração. O Senhor está sempre atento às orações daquele que é fiel a Ele, e nunca deixa Seus filhos sem resposta. Comece a buscar mais comunhão com o Deus todo-poderoso, e você passará a não só ouvir a Sua voz, como também a desfrutar de experiências sobrenaturais.

Quem pede recebe

Creia que Deus responde às orações! Ore sem cessar, conforme exortou o apóstolo Paulo em 1 Tessalonicenses 5.1 7.

Uns oram durante 10, 20 ou 30 anos, exercitando sua fé com a esperança de receber a resposta do Senhor peia salvação do cônjuge, a libertação de um filho nas drogas, a cura. Outros oram por uma porta de emprego, uma promoção, pela compra de uma casa própria, por um casamento abençoado. Não é errado orar por nada disso, pois, como disse o apóstolo Paulo: Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças (Filipenses 4.6). Contudo, existem cristãos que desistem de continuar buscando no Senhor a solução para os seus problemas, e outros que oram sem objetivo algum; falam com Deus apenas por falar. Estes dificilmente obterão alguma resposta ou entenderão o que o Senhor está tratando com eles.

Por que algumas pessoas não sabem o que fala ao conversar com o Pai celestial ou deixam-se pela desmotivação e, de repente, resolvem desistir do seu propósito de orar? Porque, no fundo, elas não crêem que Deus tem poder para responder às suas petições. Caso contrário, continuariam a bater na porta até que esta se abrisse e alguma resposta (sim, não ou espere) lhes fosse dada por Deus, pois, como observou Jesus: Porque

aquele que pede recebe; e o que busca encontra; e, ao que bate, se abre (Mateus 7.8). Pode ser que a resposta não seja a esperada ou tão imediata, mas com certeza ela virá, porque Deus é fiel!

Oração, um canal poderoso de comunhão com Deus

Daniel era um homem dedicado à oração. Em seu livro, há diversas referências ao fato de ele orar e ao resultado dessa comunhão com Deus. Além do relato em Daniel 2, no capítulo 6, versículo 10, é dito que três vezes no dia [Daniel] se punha de joelhos, e orava, e dava graças, diante do seu Deus, como também antes costumava fazer e, no versículo 1 3, os próprios adversários do jovem judeu o acusam diante do rei de orar três vezes ao dia.

Daniel não apenas falava com Deus acerca de si mesmo, de seus problemas e de suas dificuldades; ele intercedia por seu povo, investigava as Escrituras e inquiria o senhor acerca das verdades bíblicas. Atente para a declaração do profeta Daniel no capítulo 9, versículos 3,20-22, 24,25:

E eu dirigi o meu rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração, e rogos, e jejum, e pano de saco, e cinza

Estando eu ainda falando, e orando, e confessando o meu pecado e o pecado do meu povo Israel, e lançando a minha súplica perante a face do SENHOR, meu Deus, pelo monte santo do meu Deus, estando eu, digo, ainda falando na oração, o varão Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio voando rapidamente e tocou-me à hora do sacrifício da tarde. E me instruiu, e falou comigo, e disse: Daniel, agora, saí para fazer-te entender o sentido. Setenta semanas estão determinadas sobre o teu povo e sobre a tua santa cidade, para extinguir a transgressão, e dar fim aos pecados, e expiar a iniqüidade, e trazer a justiça eterna, e selara visa o e a profecia, e ungir o Santo dos santos. Sabe e entende: desde a. saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as ruas e as tranqueiras se reedificarão, mas em tempos angustiosos.

O que acontecia quando Daniel orava numa atitude de humildade e dependência de Deus? O Senhor enviava sempre uma resposta. Nesse episódio, um anjo voou rapidamente para responder a Daniel na hora do sacrifício da tarde. Sabe o que isso quer dizer? Que a resposta do Senhor à oração desse homem temente e fiel a Deus foi imediata. Além disso, a Daniel foram reveladas coisas tremendas acerca do futuro de Israel e da manifestação do Messias.

Você pensa que as excelentes revelações pararam por aí? Não! Do capítulo 10 em diante, vemos que o Senhor continua manifestando-se a Seu servo e mostrando-lhe fatos desconhecidos para a maioria e a sucessão de impérios até que o Reino superior do Messias fosse instaurado sobre a terra. Daniel teve visões surpreendentes e continuou comunicando-se com Deus, a fim de entender o real significado do que lhe fora mostrado.

Perseverando em meio à batalha espiritual

Contudo, nem sempre a resposta divina, apesar de ser imediata, chega imediatamente a nós. Isso porque há batalhas espirituais acontecendo, porque o inimigo deseja impedir a manifestação, a resposta do Senhor a nós. Ele pode fazer isto de diversas formas:

instigando-nos a desistir de orar e buscar a face de Deus ou distraindo-nos com outras coisas. Mas não devemos desanimar; precisamos insistir, perseverar até que a revelação e/ou a intervenção divina se manifeste a nós.

Por que afirmamos isso? Porque, no capítulo 10, versículos 2 e 3, encontramos Daniel novamente buscando a Deus em oração e jejuando durante 21 dias para receber outras revelações do Senhor. Ele fez isso porque acreditava na reposta divina.

De acordo com o relato do próprio anjo que entregou a mensagem a Daniel, Deus ouviu

a oração de Seu servo e enviou a resposta desde o primeiro dia em que Daniel se

humilhou diante dele. Mas sabe o que Satanás fez? Cercou o espaço sideral, tentando impedir o anjo com a resposta para a oração do profeta.

O que o anjo fez? Ele não lutou contra os demônios nem dirigiu-lhes palavra alguma.

Apenas voltou à presença do Senhor e pediu reforço. Deus, então, convocou Miguel, comandante dos exércitos celestiais e guardião de Israel, para dissipar o exército maligno. O Senhor disse: "Miguel, resolva esta questão! Abra caminho para a resposta às orações desse homem lá na terra que acredita em mim".

Miguel pelejou contra o exército satânico no espaço sideral, enquanto outro anjo voou até onde estava Daniel e falou: "Houve uma batalha durante 21 dias contra as forças do mal, mas finalmente aqui está a resposta que Deus lhe preparou desde quando você começou a orar e a jejuar".

Quanto tempo você tem orado? Vinte e um segundos? Vinte e um minutos? Vinte e uma horas? Reflita por um momento no sacrifício deste servo de Deus, que orou e jejuou 21 dias seguidos! Se você tem atravessado momentos de muitas dificuldades em sua vida e ainda não recebeu a resposta de Deus, lembre-se do que Jesus falou em Marcos 9.23 a um homem cujo filho estava endemoninhado: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê. Leia também o que está escrito em Mateus 21.22: E tudo quanto pedirdes na oração, crendo, o recebereis.

Se você crê, então ore e prepare-se, pois o Senhor vai responder à sua oração. Não desanime no primeiro sinal de cansaço nem pense por que o Senhor está demorando para lhe atender. Pode ser que o inimigo esteja agindo para tentar impedir a sua resposta de chegar, mas o Senhor tem poder para intervir. Basta uma palavra de Deus, e o inimigo é dissipado, e a resposta tão esperada chega a você. Creia no Senhor, pois com certeza Ele não o deixará sem resposta. Creia! Creia que Ele tem poder para responder à sua oração! Persevere em amar, adorar e servir a Deus.

CAPÍTULO 4 CRER QUE DEUS É SOBERANO E ONIPOTENTE E PERDOA OS NOSSOS PECADOS

Até aqui refletimos sobre o testemunho de vida do profeta Daniel, inferimos sobre como ele demonstrou sua fé no Altíssimo e os resultados práticos desse tipo de fé. Vimos que, para ter uma vida que faça sentido, é preciso crer que ludo é bem melhor com Deus; que, pela fé, é possível enxergar além das circunstâncias; que o Senhor responde às orações de Seus servos e revela-lhes o que ninguém sabe. Neste capítulo, analisaremos duas bases da fé demonstrada por Daniel, entre as quais: crer que Deus está acima de tudo e que Ele pode perdoar pecados e restaurar-nos.

Deus está acima de tudo e de todos

Daniel não cria em qualquer coisa. Não apoiava suas escolhas e seu estilo de vida em filosofias que julgava belas ou em uma religião confortável que lhe permitisse viver ao seu bel-prazer. Ele tinha a sua fé firmada no Deus verdadeiro, o Criador de tudo e de todos, que é soberano sobre todas as coisas. Podemos observar isto no capítulo 2, versículos 20 e 21, quando Daniel exalta o nome do Senhor, dizendo:

Seja bendito o nome de Deus para todo o sempre, porque dele é a sabedoria e a força; ele muda os tempos e as horas; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e ciência aos inteligentes.

O profeta reconheceu a majestade suprema do Todo-poderoso. A razão para isso é que Daniel conhecia bem o Deus a quem servia, Aquele a quem até o vento e o mar lhe obedecem (Mc 4.41); que criou os céus e terra, que estabeleceu ordem no caos e trouxe à vida tudo o que existe; o Deus quem governa o mundo e sustenta todas as coisas pela Palavra do Seu poder (Hebreus 1.3).

Como disse o profeta Isaías (40.15): Eis que as nações são consideradas por ele como a gota de um balde e como o pó miúdo das balanças; eis que lança por aias ilhas como a uma coisa pequeníssima.

Se o Deus todo-poderoso que age de maneira soberana está conosco, nada deveremos temer. Ninguém pode fechar a porta que Ele abre ou impedir a realização dos Seus milagres em nossa vida. Ele mesmo nos diz: não temas, porque eu sou contigo; não te

assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te ' esforço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça (Isaías 41.10).

O nosso Deus está acima de tudo e de todos, e Ele opera na vida daqueles que confiam nele e são fiéis à Sua Palavra, assim como Daniel. Então, deposite sua fé no Todo- poderoso, e experimente o melhor de Deus para a sua vida.

O Deus amoroso que perdoa pecados

Não é apenas o fato de Deus ser onipotente, onisciente, onipresente, eterno e soberano que nos assegura a proteção e o socorro de que precisamos para crescer e viver de forma digna e plena. E, sobretudo, pelo grande amor de Deus, por Seu caráter gracioso e misericordioso, que alcançamos o perdão, a restauração e novas oportunidades de vida de que carecemos para sermos pessoas melhores, fazermos a diferença no meio de uma geração incrédula e pervertida, alcançando o objetivo para o qual fomos criados, levarmos outros à salvação e glorificarmos o nome daquele que vive e reina para sempre.

Daniel é um modelo de fé a ser seguido porque ele cria nesse Deus maravilhoso que tem poder e disposição para perdoar pecados e restaurar o contrito de coração; o Deus que diz: Em um alto e santo lugar habito e também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e para vivificar o coração dos contritos (Isaías 57.15).

Foi fiado nas muitas misericórdias do Altíssimo que Daniel rogou o perdão para o seu pecado e o do seu povo, bem como a restauração de Israel, clamando:

Ah! Senhor! Deus grande e tremendo, que guardas o concerto e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos; pecamos, e cometemos iniqüidade, e procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus juízos; e não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, nossos príncipes e nossos pais, como também a todo o povo da terra.

Daniel 9.4-6

Meu propósito aqui não é fazer acusação, tampouco lançar em rosto o seu passado pecaminoso. É unicamente ressaltar que o sangue de Jesus Cristo tem poder para redimi-lo, não importa o nível ou a gravidade dos seus pecados.

Quando reconhecemos o nosso pecado e entregamos a nossa vida nas mãos do Senhor Jesus Cristo, mantendo o compromisso de obedecer-lhe, Deus perdoa os nossos pecados e não se lembra mais de nenhum deles; mesmo que seja o pecado mais vil. Essa é a promessa do Senhor em Isaías 43.25, ratificada em Hebreus 8.12: Porque serei misericordioso para com as suas iniqüidades e de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais.

Perdoar não implica isentar o pecador de todas as conseqüências de seus atos, e sim assegurar-lhe paz de espírito, libertação da culpa, restauração da alma, para uma nova vida na presença de Deus e dos homens. Sendo assim, é possível que uma pessoa que fez uma escolha errada ou violou a lei tenha de arcar com as conseqüências de seus atos. Contudo, se ela se arrependeu e pediu perdão a Deus, não precisa viver arrastando o pesado fardo da culpa e ouvindo a acusação do diabo, porque, como disse João, ainda que nosso coração nos condene, maior é Deus do que o nosso coração e conhece todas as coisas (1 João 3.20).

Sendo assim, mesmo que a sua família o tenha culpado e repudiado, ainda que você tenha tido de pagar um alto preço por escolhas loucas que fez, não desanime. Lembre-se de que Deus o ama, quer salvá-lo, e que Ele proveu em Cristo uma vida melhor para você. O sangue de Jesus foi derramado para redimir o homem, assegurar-lhe perdão diante de Deus, libertá-lo da escravidão do pecado e dar-lhe uma nova vida.

Se você já aceitou Cristo como seu único e suficiente Salvador, é uma nova criatura. As coisas velhas já passaram; espiritualmente, tudo se fez novo. Creia no perdão de Deus para a sua vida.

Se ainda não entendeu o plano de salvação e não consegue vencer o pecado nem sair do fundo do poço, entregue a sua vida a Jesus Cristo agora mesmo. Ele é o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por Ele (João 14.6). Clame ao Senhor, e permita que Ele faça uma profunda mudança na sua vida. Lance sobre Ele o seu fardo, pois Ele o está chamando e prometendo dar-lhe descanso (Mateus 11.28-30).

Atenda a este convite. Imite a fé de Daniel! Creia que o Deus todo-poderoso o ama e já proveu em Cristo a solução para tudo isso que você está suportando longe da presença daquele que o criou e está interessado em dar-lhe o melhor! Entregue a sua vida ao Senhor, confie nele, e o mais Ele fará (Salmo 37.5)!

CAPÍTULO 5 CRER QUE DEUS OPERA MILAGRES

Além de crer que Deus existe, é todo-poderoso, ama você e tem o melhor para lhe dar, para sua fé ser sadia e com base bíblica, você precisa crer que Deus pode a qualquer momento intervir na história da sua vida, operar o milagre de que você tanto necessita, e levá-lo à vitória total.

Deus pode fazer coisas extraordinárias porque, embora Ele permita ao homem fazer escolhas e escrever a sua história, Ele é soberano, o Senhor da história, e, quando quer agir, ninguém pode impedi-lo (Isaías 43.13).

A essa intervenção divina na história costumamos chamar milagre. O que é um milagre?

É um fenômeno incomum, maravilhoso, que está acima do entendimento humano

porque não segue a ordem natural das coisas, em conformidade com a lei de causa e efeito ou os parâmetros científicos. Enfim, chamamos de milagre tudo quanto acontece de extraordinário, sobrenatural e inexplicável.

O milagre na vida de Daniel

Daniel, por exemplo, vivenciou essa experiência admirável em diversos momentos da sua vida. Ele sobreviveu, quando muitos morreram durante a invasão de Jerusalém pelos caldeus; foi guardado pelo Senhor durante todo o exílio na Babilônia; recebeu dons especiais para exercer um trabalho excelente na corte de três reis diferentes (Nabucodonosor, Belsazar e Dário); foi poupado da morte na cova rios leões e recebeu revelações tremendas do Altíssimo, sendo esclarecido acerca da superioridade do mundo espiritual sobre o físico.

No episódio narrado em Daniel 6.1 7-21, édito que ele passou a noite dentro de uma cova entre os leões por causa da inveja de outros governadores caldeus, que temiam que o rei constituísse Daniel como presidente de todas as províncias. Deus não impediu que Daniel fosse provado, mas, em meio à prova, forneceu um escape miraculoso, pois enviou um anjo para fechar a boca dos ferozes leões que ameaçavam a vida de Seu servo. Assim, foi tirado Daniel da cova, e nenhum dano se achou nele, porque crera no seu Deus (Daniel 6.23).

O profeta não precisou fazer grandes invenções, falar jargões ou usar a arte da retórica

para implorar por algum milagre para que Deus o livrasse na cova dos leões. Ele

simplesmente usou a sua fé do tamanho do grão de mostarda, mas que era capaz de remover os montes.

O milagre diário na vida do cristão

Atualmente é bem difícil os cristãos se confrontarem com leões de verdade, mas a Palavra de Deus nos esclarece que o diabo anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar (1 Pedro 5.8). O inimigo investe incessantemente contra nós com adversidades cuja solução nos parece humanamente impossível. Ele costuma lançar enfermidades, oprimir pessoas com as hostes espirituais malignas, semear discórdia, levantar calúnias; tudo para causar transtornos e roubar a nossa fé em Deus. Contudo, não devemos deixar-nos abalar pelas circunstâncias contrárias. Devemos prosseguir para o alvo, para a soberana vocação de Deus em Cristo Jesus (Filipenses 3.14), olhando para o Autor e Consumador da nossa fé (Hebreus 12.2).

Caso você esteja enfrentando uma situação que, aos olhos humanos, é impossível de ser resolvida, não perca a esperança. Quero proferir uma palavra profética que fortalecerá a sua fé e o ajudará a enxergar além do problema. Seja lá qual for o tamanho de sua dificuldade, Deus tem poder para operar um milagre, livrando-o nas adversidades, assim como livrou Daniel na cova dos leões!

Creia que o Senhor está agindo de modo sobrenatural, restaurando as áreas debilitadas de sua vida e fortalecendo a sua fé. O Senhor faz o que ninguém pode fazer, pois Ele é o Deus de milagres. Mesmo que alguém já tenha declararado a sua derrota, falência, lembre-se de que a última palavra sobre a sua vida não é decretada pelo médico, peio governo, pela família, pelos amigos nem inimigos. A última palavra pertence ao soberano Senhor que o criou, ama você e tem poder de vida e morte sobre Sua criação.

Lembre-se também de que o maior milagre é estar vivo e na presença do Senhor; que, na vida do cristão, para tudo há um propósito e que, com certeza, no tempo certo e oportuno, Deus lhe revelará o que você precisa saber e confortará o seu coração.

Então, se o Senhor ainda não falou nada acerca do que você tem orado, fique firme. Continue buscando-o em oração e esperando com paciência, pois o Deus de milagres jamais o deixará sem resposta. A qualquer momento Ele poderá operar um grande milagre a seu favor.

CAPÍTULO 6 UMA FÉ CONTAGIANTE

Outra coisa que a vida de Daniel nos ensina é que devemos ter uma fé contagiante; uma

fé que leve outros ao conhecimento do Senhor como único e verdadeiro Deus e de Jesus

como o único caminho para o Pai.

A fé de Daniel se revelou contagiante porque produziu resultados benéficos não apenas

para ele, mas para os seus três amigos, para muitos outros jovens que viviam na corte e até para os reis a quem Daniel serviu, pois os milagres que eles testemunharam na vida desse grande homem os levaram a reconhecer o poder do Senhor e a temê-lo, embora não professassem a mesma fé bíblica.

Nabucodonosor, por exemplo, após o episódio em que Daniel lhe contou o que Deus havia revelado acerca do sonho dele, caiu com o rosto em terra e declarou: Certamente, o vosso Deus é Deus dos deuses, e o Senhor dos reis, e o revelador dos segredos, pois pudeste revelar este segredo (Daniel 2.47).

Depois, quando Ananias, Misael e Azarias se negaram a adorar a estátua de Nabucodonosor, sendo lançados numa fornalha e salvos pelo Senhor, o rei teve de reconhecer: Bendito seja o Deus de Sadraque, Mesaque e Abede-Nego, que enviou o

porquanto não há outro deus

seu anjo e livrou os seus servos, que confiaram nele [ que possa livrar como este (Daniel 3.28,29).

]

Em Daniel 6, vemos que, quando o rei Dário tomou conhecimento de que a vida de Daniel corria perigo, ficou penalizado e tentou livrá-lo da cova dos leões. Ele propôs dentro do sou coração livrá-lo; e até ao pôr-do-sol trabalhou por salvá-lo (v. 14). Sabe por que esse rei pagão Ir/ isso? Porque Daniel era uma pessoa digna, rela, fiel, cheia da graça de deus. Então Dário foi tomado de um lindo sentimento de compaixão. A fé de Daniel contagiou o rei Dário, por isto este declarou confiante: O teu Deus, a quem tu continuamente serves, ele te livrará (v. 16).

Você sabe o que Dário estava dizendo nas entrelinhas? "Daniel, o seu jeito de viver atesta que o seu Deus é diferente. Se esse Senhor a quem você serve é o Deus verdadeiro, os leões não vão fazer-lhe mal algum!"

Contagiando o próximo

A fé contagiante não é aquela demonstrada somente dentro da igreja, durante os cultos,

enquanto ouvimos a Palavra que produz fé e anima-nos a prosseguir, a perseverar em seguir ao Senhor. A fé que contagia outros é especialmente aquela que nos faz permanecer fiéis a Deus em nosso dia-a-dia, em quaisquer circunstâncias; no dia bom e

no dia mau; aquela que nos motiva a ser como somos e a agir da forma como o fazemos.

É esse tipo de pregação, com a nossa própria vida, que atrai a ação sobrenatural de Deus

e que leva outros a crer que somente pelo poder do Senhor estamos de pé, enquanto outros tantos já sucumbiram até diante de problemas menores.

O que adianta pastorearmos, pregarmos, ensinarmos, promovermos eventos

evangelísticos para milhares de pessoas e falarmos pela televisão a todo o Brasil, à

Europa e à África se não conseguimos ainda contagiar a nossa família por meio de nossa fé; se damos mau exemplo e escandalizamos o evangelho em casa e na vizinhança onde moramos? Pessoas que agem assim somente poderão ganhar para Jesus pessoas

que não conhecem os seus hábitos de vida.

E lindo quando algum vizinho, que mora na mesma rua ou em um mesmo prédio onde

moramos, um colega em nosso trabalho ou em nossa escola diz: "Tenho visto em você

algo diferente que me contagia!"

E tremendo quando um cristão cheio de fé, em meio à violência, à incredulidade e ao

desrespeito nesse mundo, responde ao seu próximo com inteligência, mansidão e temor (1 Pedro 3.15). Ele aguça ainda mais na pessoa violenta e descompensada a sede pelo evangelho e a curiosidade sobre a excelência do estilo de vida cristão.

Quando você conquista alguém pelo seu jeito de ser e de agir, é bem mais fácil convidá- lo para ir com você prestar um culto a Deus, adorá-lo na beleza da Sua santidade, aprender no Seu santo templo por que a vida com Ele é melhor, diferente, feliz. Então, vocês dois seguem juntos para a casa do Senhor. A Palavra de Deus, que sara, liberta, transforma, é pregada. O Espírito Santo fala direto ao coração da pessoa convidada, convencendo-a a aceitar Cristo e transformando-a em nova criatura. Por que isto acontece? Porque o Deus de milagres opera igualmente na vida de todas as pessoas por meio da fé.

No entanto, o que adianta pregarmos para outros o que não vivemos? Ninguém

acreditará! Se não conseguimos contagiar nem a nós mesmos com a mensagem, que dirá a nossa família, os nossos amigos! Se dermos mau exemplo e escandalizarmos o evangelho, então, nem se fala! Precisamos realmente viver como justos, pela fé; uma fé prática e eficaz. Caso contrário, só estaremos enganando a nós mesmos!

Reflita por um momento: você tem contagiado as pessoas com quem interage no dia-a-

dia com fé ou incredulidade? Se costuma chegar em sua igreja sempre bem vestido, é

dizimista e ofertante fiel, dá glória a Deus e aleluia no culto, se canta no coral, mas lá fora, perante a sociedade, compra e não paga, e em seu trabalho costuma praticar injustiças com os colegas, será que a sua fé tem poder de atrair alguém? Claro que não! Não faça mais isto! Procure seguir o exemplo de Daniel. Contagie as pessoas demonstrando uma fé genuína, e testemunhando o amor de Cristo!

CAPÍTULO 7 A FÉ NOS ELEVA A UM NÍVEL DE VIDA SUPERIOR

Se você tem apresentado as mesmas características da fé exercida por Daniel e crê em Deus, será capaz de contagiar outras pessoas, ganhando-as para o Reino de Cristo, e ainda alcançará crescimento em todas as áreas de sua vida.

Crescendo espiritualmente

Contudo, atente para a exortação em 2Pedro 3.18: antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Antes significa primeiro. A prioridade do crescimento cristão é na área espiritual. Não é ã toa que Jesus nos diz para buscar primeiro o Reino dos céus, e as demais coisas de que necessitamos (o alimento, o vestuário, a moradia, a proteção, os relacionamentos) serão acrescentadas à nossa vida.

O problema é que muita gente que diz servir a Deus não entende isso e quer inverter a ordem estabelecida pelo próprio Criador. Então, sua fé não se mostra operante, porque no Reino dos céus é preciso crer para ver, e não o contrário.

Desconfie desse pseudoevangelho, pregado por aí, de que é só ir para Jesus que a pessoa ficará rica e terá todos os seus problemas resolvidos num piscar de olhos. O foco do evangelho de nosso Senhor e Salvador é o perdão dos nossos pecados, a nossa reconciliação com o Criador, a regeneração da nossa alma, que nos levará a uma nova vida em Cristo, à cura espiritual, à salvação e à vida eterna. As demais coisas que são acrescentadas são a "cereja do bolo", ou seja, são coisas que o Senhor, por Sua generosidade e tendo em vista Seu propósito para a nossa vida e a nossa mordomia cristã, dá-nos.

Prosperando em todas as áreas

É claro que o crescimento espiritual nos permite ter mais fé, discernimento, conhecimento e sabedoria para lidar com questões difíceis diante das quais outros sucumbem, e isto faz com que nos destaquemos e muitas vezes sejamos reconhecidos pelos homens, honrados e colocados em posição de presidir e orientar outros. Foi assim com Daniel e pode ser assim conosco.

Assim, é normal a um cristão fiel ir trabalhar em uma empresa e, sendo reconhecido por seu bom caráter, profissionalismo e bom relacionamento com os colegas, ser promovido e ocupar cargos importantes, tendo destaque na sua profissão. Deus costuma abençoar Seus servos fiéis com dons e talentos, graça e fé que contagiam a todos.

Não estou dizendo que Ele tornará os cristãos famosos e ricos, como alguns pregadores costumam enfatizar. Não sou adepto da teologia da prosperidade, que distorce o conceito bíblico de prosperidade. Ao contrário do que muitos pensam, prosperidade não

é ganhar R$ 20 mil reais por mês e um padrão de vida elevado. Biblicamente, ter

prosperidade é crescer em todas as áreas e viver bem com aquilo que se ganha, ter o suficiente para uma vida digna e sem dívidas.

Uma fé que abençoa outros

Foi com base nesse conceito de prosperidade bíblica que o salmista declarou: Fui moço

e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a

mendigar o pão (Salmo 37.25). Agora atente para o que é dito nos versículos 21 e 26 desse mesmo Salmo: O ímpio toma emprestado e não paga; mas o justo se compadece e dá. Compadece-se sempre, e empresta, e a sua descendência é abençoada. Aqui vemos o cumprimento da promessa do Senhor de prosperar aqueles que abençoam os necessitados com base no amor: Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida

e transbordando vos darão; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo (Lucas 6.38).

O problema é que existem muitos cristãos equivocados. Eles desejam que Deus os abençoe e prospere, mas agem com indiferença em relação ao seu próximo que passa por uma necessidade devido ao desemprego, a um problema de doença na família, um contratempo. Em vez de ajudarem-no pagando uma conta, dando uma cesta básica, sendo solidários no momento da dor, alguns se esquivam dessa responsabilidade, prometendo apenas que vão orar e transferindo a responsabilidade toda para Deus. Depois, esses mesmos cristãos querem contagiar outros com sua fé! Que fé é essa, se, às vezes, até aqueles que não são cristãos mostram-se mais misericordiosos do que os que professam crer em Cristo!

Não estou dizendo que não devemos buscar melhorar de vida. Foi o Senhor quem colocou em nós a disposição para crescer e multiplicar-nos (Gênesis 9.7). Estou enfatizando que isso deve servir a um propósito maior, estabelecido pelo Criador.

Sendo assim, encorajo você a orar pelo seu crescimento em todas as áreas e a fazer algo

a respeito. Se você quer ter um futuro melhor, estude, faça cursos, lute pelos seus

objetivos. Se deseja comprar uma casa ou um carro, economize, faça trabalhos extras, mas não deixe de dar seus dízimos e ofertas, de estender a mão ao aflito, nem de confiar em Deus. Faça a sua parte, e o Senhor certamente fará a dele, pois, como lemos em 2 Coríntios 9.10, é Ele quem dá semente ao que semeia e pão para comer, multiplicando a nossa sementeira e o fruto da nossa justiça, de modo a promover o Reino dele na terra.

Daniel agiu assim, e por isso foi ricamente abençoado por Deus, sendo reconhecido como o homem mais sábio e eficiente do império babilônico!

Os olhos de Deus estão constantemente nos observando. Ele sabe se agimos como bons mordomos dele ou se estamos desperdiçando as bênçãos recebidas. Só depois de

passarmos por esse "teste" do Senhor, estaremos aptos a galgar patamares superiores, de modo que glorifiquemos o nome dele, como bons representantes do Reino de Deus neste mundo; embaixadores que promovem a paz, a fé e a restauração de vidas destruídas pelo poder do pecado.

O que você deseja conquistar? Seja lá o que for, busque a resposta por meio da oração, e as suas necessidade serão supridas, conforme a medida de sua fé. Lembre-se do que disse Jesus: Se tu podes crer; tudo é possível ao que crê. Então creia, porque o Deus de milagres tem poder para realizar os seus sonhos.

Se você é cristão, aproveite este momento para rogar as misericórdias do Senhor para sua vida. Interceda também com fé por aquelas pessoas que ainda estão dominadas pelos vícios e pecados. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos (Tiago

5.16).

No entanto, se você ainda não fez uma aliança com Deus por intermédio de Cristo, peça ao Senhor que lhe esclareça acerca do plano de salvação. Leia a Bíblia. Exercite a sua fé crendo que o Senhor quebrará as cadeias que o estão prendendo e impedindo de ter uma vida melhor. Ele tem poder para operar milagres e fazer profundas mudanças em sua vida.

Se você está afastado dos caminhos do Senhor, espiritualmente caído e enfrentando muitos problemas, creia que o Deus de milagres pode restaurar-lhe e dar-lhe muito mais do que você perdeu nessa vida de pecado. Só depende de você escolher obedecer ao Senhor e ser tratado por Ele. Não perca esta oportunidade. Atenda a voz do Espírito Santo que está falando ao seu coração ao longo dessa leitura. Faça comigo esta oração:

"Senhor, em nome de Jesus, oro a ti, pois creio que me amas e tens o melhor para mim. Peço que perdoes os meus pecados e restaures a minha vida. Não sei como vou resolver esses problemas, mas creio que tu podes acrescentar a minha fé e conduzir-me à vitória sobre a minha carne, o mundo e o diabo. Quero entregar a minha vida nas tuas mãos. Quebra as cadeias e liberta-me das algemas que me prendem ao pecado. Restaura a minha comunhão contido e todas as áreas da minha vida, para o louvor do teu nome. Amém!"

Agora, creia na sua vitória, pois você agora é servo do Senhor, nova criatura e redimido pelo poder do sangue de Jesus Cristo. Não deixe de cultivar a cada dia a mesma fé exemplar do profeta Daniel. Assim, viverá o melhor de Deus dia após dia. Eu declaro profeticamente que, se você for fiel, Deus o abençoará e o fará ocupar lugares altos, para que você aja com liberalidade no Reino de Cristo.

Que Deus o abençoe!