Você está na página 1de 16

Especial

Dia da Bíblia,
Advento e Natal
Tempo de Amor
e Solidariedade! a Escola Dominical
número 32 • Dezembro de 2006

I R A
GVivênciPasAZ
q az
ue pro aP
movem
E chega mais um Natal: Tempo de Confraterniza- Outro destaque importante é a apresentação das
ção e de Promover a Paz! Revistas da Escola Dominical para o primeiro semestre
Este é o último número do RECRIAR em 2006 e a de 2007, desejando que a Escola Dominical seja cada
equipe responsável pela redação e produção do nosso vez mais o lugar de compartilhar a Alegria e a Espe-
boletim desenvolveu neste número uma proposta rança do Serviço.
muito especial para os professores, as professoras, os Neste tempo de confraternização e de comparti-
coordenadores e as coordenadoras da Escola Domini- lhar as bênçãos, louvamos ao nosso Deus pela vida de
cal em nossas igrejas. A proposta contribui com subsí- todos os irmãos e todas as irmãs que colaboraram pa-
dios para o Dia da Bíblia, o Advento e o Natal no con- ra que o Boletim Recriar continue nos ajudando a re-
texto do tema “Confraternização Universal e Paz Mun- fletir e agir como cristãos e cristãs comprometidos (as)
dial”. Neste sentido, traz um texto para reflexão sobre com a educação cristã.
O Dia da Confraternização Universal e Paz Mundial. Que o doce Espírito de Deus, Pai e Filho renove
Oferece também sugestões de atividades para a aber- nossa alegria e esperança e juntos (as) continuemos
tura da Escola Dominical na inspiração e riqueza do cooperando para que haja mais amor, justiça e paz!
período litúrgico do Advento e Natal e ações que fa-
EDITORIAL

çam do período natalino um tempo de sinalizar o Feliz Natal!


amor, a paz e promover a solidariedade. Feliz Ano Novo!
Ainda no contexto do tema Confraternização e
PAZ, esta edição traz a proposta de uma liturgia para Com carinho,
o Culto de Vigília e dois conjuntos de sugestões para
estimular atividades criativas com as crianças, adoles-
centes e toda a igreja.

• Revda. Renilda Martins Garcia
Conselho Editorial

REFLEXÃO
O DIA DA CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL 3
LITURGIA CULTO DE VIGÍLIA
4 ESPECIAL
DIA DA BÍBLIA, ADVENTO E NATAL
CONFRATERNIZAÇÃO UNIVERSAL 8 TEMPO DE AMOR E SOLIDARIEDADE

10 NÓS E AS CRIANÇAS
ÍNDICE

CURRÍCULO GIRAPAZ: VIVÊNCIAS QUE PROMOVEM A PAZ


O QUÊ VEM POR AÍ. DESCUBRA
AS NOVIDADES DO CURRÍCULO 13 14 PARTITURA
SONHO DE PAZ
EXPEDIENTE

Boletim editado pela Coordenação Nacional de Educação Cristã, Garcia, Samuel Fernandes, Têca Greathouse e William de Melo.
destinado a professoras e professores de Escola Dominical. Projeto Gráfico e Editoração: Timbre Comunicação e Propaganda;
Coordenador Nacional de Educação: Bispo Stanley da Silva Moraes Ilustração: João Marcos; Revisão: Solange Mayumi Lemos • Sede
Coordenação Nacional de Educação Cristã e Departamento Nacional da Igreja Metodista: Av. Piassanguaba, 3031 • Planalto Pau-
Nacional de Escola Dominical: Bispo Stanley da Silva Moraes; lista • São Paulo/SP 04060-004 • F. (11) 6813 8600 • Fax (11) 6813
Conselho Editorial: Ana Eloísa Ribeiro Santana, Fernando Cezar 8632
Moreira Marques, Keila da Silva Guimarães, Renilda Martins • sede.nacional@metodista.org.br • www.metodista.org.br
REFLEXÃO

3
O Dia da Confraternização Universal
Uma cena de um Culto de Vigília guardo Concordo que pode até soar como um des-
comigo há muito tempo: apesar de bem peque- propósito se falar em confraternização univer-
no, lembro-me perfeitamente que quando co- sal nessa época de conflitos religiosos, de reta-
meçamos a ouvir o barulho dos fogos de artifí- liações entre países, de ameaças de guerra e de
cio e gritos de alegria vindos da rua, quebran- desenvolvimento de armas nucleares, de aten-
do o silêncio do momento de oração, meu pai tados terroristas que vitimam tanta gente, de
sentou-me em seus joelhos e, falando muito se- fome e miséria de uns e de riqueza, desperdício
riamente, disse que queria ser o primeiro a me e indiferença de outros. Mas não é durante a
cumprimentar e também que queria que eu enfermidade que se almeja a saúde? Não é nu-
fosse o primeiro, entre tantos que ele abraçaria ma noite fria que desejamos um cobertor ma-
dali a pouco, a receber o seu abraço. cio e quentinho?
Abraçando-me, disse baixinho, perto do Foi assim, folheando o jornal, assistindo ao
meu ouvido – porque o pastor ainda estava fa- noticiário na TV, abrindo a minha janela e
zendo a oração final naquele momento: “Feliz olhando para o mundo, que me lembrei de que
Ano Novo!”. existe um dia reservado para se pensar na co-
Naquela noite, aprendi isso com meu pai. munhão dos povos, na confraternização uni-
Findo o culto, saí distribuindo abraços e desejos versal. Foi entristecendo-me com o ódio, com a
de Feliz Ano Novo! pra quem passasse na mi- intolerância, a desigualdade, que ansiei pela
nha frente, o que não era muito comum para confraternização de todos/as.
uma criança da minha idade. No ano em que “caiu a ficha” do que signi-
Ao contrário de meus irmãos adolescentes, fica o feriado de 1º de janeiro, participei do Cul-
eu gostava muito dos cultos de vigília que a to de Vigília com gosto. De joelhos, apresentei
igreja fazia na passagem do ano. Íamos dormir no altar meu desejo de que as pessoas pudes-
tão tarde!... sem se abraçar independente da sua cor, da
O culto terminava, em geral, pouco depois sua religião, do idioma que falassem, dos cos-
da meia-noite e só então nós nos reuníamos tumes que tivessem, de quem fosse o chefe do
em torno da mesa para jantar. Às vezes, o jan- seu governo, das roupas que vestissem. E me
tar era feito na igreja. Desses eu gostava mais: comprometi a adotar posturas e desenvolver
tinha discurso, esquetes dos juvenis, homena- atitudes que, a meu ver, contribuiriam de algu-
gem pelo Dia do Pastor, revelação de Amigo ma forma, mesmo que em pequena escala, pa-
Secreto; demoraaaaava pra gente ir pra casa, ra a construção da paz mundial.
dormir. A vontade de chorar, com saudade daque-
Acho que foi por isso que cresci imaginan- les tempos em que achavam engraçado uma
do que o feriado do dia seguinte foi inventado
apenas para que ninguém precisasse acordar
criança de 3 anos repetir “Feliz Ano Novo!” pra
todo mundo, foi abafada pela idéia de repetir,

• Fernando Cezar
Moreira Marques
cedo para trabalhar depois de ter ido dormir com meu filho, o gesto de meu pai. Cochichei Pastor da Igreja Metodista no
tão tarde. E confesso que foi somente há pou- “Feliz Ano Novo!” no ouvido do Joaquim cons- bairro da Lapa, na cidade de São
cos anos que me dei conta da beleza, significa- ciente de que não me referia apenas ao ano Paulo e redator das revistas
do e importância do 1º de janeiro, o Dia da que se iniciava mas à vida que ele teria pela Cruz de Malta, Em Marcha
Confraternização Universal. frente. Ele e o mundo em que viverá. e Flâmula Juvenil
ESPECIAL

4 Dia da Bíblia, Advento e Natal


Tempo de Amor e Solidariedade!

O tempo de advento é o tempo de preparação para solidárias para cada domingo do advento promoven-
celebrar e afirmar que Deus, em seu amor, decidiu do e motivando atividades criativas para serem de-
fazer-se Deus conosco, e encher nossa vida de espe- senvolvidas durante a semana de forma individual
rança e de sentido. ou em grupos. Sugerimos a montagem de um painel
Sempre que celebramos o advento recordamos com o título É NATAL! É TEMPO DE AMOR E SOLIDA-
o grande amor de Deus por nós. RIEDADE! Neste painel podem ser colocados 5 gran-
Este ano estamos propondo que o/a coordenador/a des envelopes (um para cada domingo do advento).
do Departamento Local da Escola Dominical, estimu- Em cada envelope coloca-se a “chamada do dia” e
le os/as participantes a viverem o período do adven- dentro do envelope vem um papel onde estão escri-
to refletindo e agindo no sentido de que Deus nos tas as motivações para os/as participantes da Escola
dá a vida e chama a toda gente para entender o seu Dominical realizarem durante a semana.
amor e compartilhar este amor em ações de solida- As sugestões que vão aqui podem ajudar no trabalho
riedade. O Natal é AMOR! O Natal é Solidário! da equipe. No entanto, vocês poderão desenvolver
Reúna sua Equipe da Escola Dominical e programe muitas idéias criativas que com certeza serão inspi-
com ela as aberturas (ou encerramentos) da Escola ração para atualizar o amor de Cristo por todas as
Dominical no contexto do tema do Advento e Natal pessoas, traduzindo-o em fraternidade e solidarie-
Solidário. Prepare uma proposta prática de ações dade, pois é o amor que prepara a vinda de Jesus.

1º DOMINGO DO ADVENTO Abertura da Mensagem do Dia: Um/a juvenil


Querida/o coordenadora/or 03 DE DEZEMBRO/2006 vai até o “painel” e abre o 1º envelope. Re-
da Escola Dominical, neste tira a mensagem e entrega ao/a coordena-
roteiro as atividades sugeri- Abertura da ED: dor/a da ED que lê com muito entusiasmo.
das para serem realizadas Natal é Tempo de Acordar para a Esperança!
durante a semana podem Dirigente: Hoje entramos juntos/as no tempo do É Natal! É tempo de Acordar a Esperança!
ser escritas em cartões ou Advento. Vamos trazer à memória o que nos Sim! É tempo de Acordar para a Esperança
lembretes para que todos/as dá esperança. “Um menino nos nasceu. E seu de uma vida nova... de um mundo novo... de
recebam. Hoje com o com- nome é Maravilhoso, Conselheiro, Deus For- gente mais gente. É tempo de acordar para o
putador e xérox tudo ficou te, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz! encontro. O encontro com o menino de Belém, o
mais fácil. Quanto mais encontro com o outro. É tempo de acordar e sair.
você caprichar mais a tur- Leitura bíblica: Isaías 9.2-7 (esta leitura pode Sair do egoísmo para formar comunidade: a comu-
ma vai entusiasmar. Bom ser feita por um/a juvenil) nidade do amor, da paz, da fraternidade. (pausa)
trabalho com sua equipe. Cânticos Sugeridos: Nossa chamada para esta semana, a pri-
Seu Nome é Maravilhoso meira semana do Advento é: Pare por alguns
Hino nº 20 do HE minutos esta semana para uma reflexão pes-
Cânticos que falem de esperança. soal: Como você está vivendo sua fé? Como
ESPECIAL

você tem vivenciado a ESPERANÇA? Que atitu-


des novas você precisa desenvolver para tor-
nar sua prática diária, verdadeira expressão de
dia especial para que a população intercedesse
em favor da leitura do Livro Sagrado. A data es-
colhida foi o Segundo Domingo do Advento (o
5
fé e esperança? Advento é celebrado nos quatro domingos que
• Ore e peça ao Espírito Santo que te acorde antecedem o Natal). Foi assim que o segundo
para expressar a fé e a esperança neste perío- domingo de dezembro se tornou o Dia da Bíblia.
do de advento. Hoje, um dia dedicado às Escrituras Sagra-
• Tire alguns minutos na semana para con- das é comemorado em cerca de 60 países. Em
versar com as pessoas de sua casa, sua família, alguns desses países, a data é celebrada no se-
sobre o advento e o sentido de acordar para a gundo domingo de setembro, numa referência
esperança. ao trabalho do tradutor Jerônimo, a Vulgata,
• Leiam juntos os textos relacionados com o conhecida tradução da Bíblia para o latim. (Pa-
nascimento de Jesus (Mt 1.18-25; 2.1-12; Lc ra os católicos setembro é o Mês da Bíblia).
1.26-38; 39-45; 46-56; 2.1-7; 8-21). Orem agra- No Brasil, o Dia da Bíblia começou a ser ce-
decendo a Deus por ter enviado Jesus para vi- lebrado pelos primeiros missionários evangéli-
ver entre nós. Peçam pela vida de cada pessoa cos que, oriundos da Europa e Estados Unidos, a
da família para que renovem a esperança de partir de 1850 aqui vieram semear a Palavra de
justiça, paz e alegria. Deus. Durante o período do Império, a liberdade
religiosa aos cultos protestantes era muito restri-
Juvenis: Preparem marcadores de Bíblia com a ta, o que impedia manifestações públicas dos
expressão: Natal! É tempo de Acordar para evangélicos. Por volta de 1880, esta liberdade
a Esperança! (estes marcadores serão entre- foi crescendo e o movimento evangélico, junta-
gues para os/as irmãos e irmãs da igreja no mente com o Dia da Bíblia, se popularizando.
próximo domingo). Pouco a pouco, as diversas denominações
evangélicas institucionalizaram a tradição do
Crianças: Preparar um cartão para entregar ao Dia da Bíblia, que ganhou ainda mais força
vovô e vovó, ou outra pessoa da família, com a fundação da Sociedade Bíblica do Brasil,
com a expressão, Natal! É tempo de Acor- em junho de 1948. Em dezembro deste mesmo
dar para a Esperança! ano, houve uma das primeiras manifestações
públicas do Dia da Bíblia, em São Paulo, no Mo-
Observação para o coordenador/a da ED – numento do Ipiranga.
Para estimular as crianças e juvenis, ajuda mui- Hoje, as comemorações do segundo do-
to se já receberem os cartões e marcadores re- mingo de dezembro mobilizam, todos os anos,
cortados em cartolina ou outro papel. milhares de cristãos em todo Brasil. Em alguns
estados e em vários municípios, o Dia da Bíblia
Oração: Peça para um irmão/ã orar, colo- é data oficial.
cando no altar de Deus a vida de cada irmã/ão Fonte: ttp://www.bernerartes.com.br/ideiase
para que possam ter nesta semana o ACOR- dicas/historia/diadabiblia.htm
DAR PARA A ESPERANÇA.
Oração: peça para um/a jovem orar agra-
Organize as classes para o estudo das lições. decendo a Deus pela oportunidade de ler e es-
tudar a Bíblia.
2º DOMINGO DO ADVENTO Dê oportunidade para que as crianças, pre-
10 DE DEZEMBRO DE 2006 viamente ensaiadas, apresentem o jogral “Bíblia
Sagrada”. Sugestões de apresentação: 13 crian-
Abertura da ED: ças ou 13 pares com suas Bíblias em mãos le-
É Natal! É Tempo de Luz! vantadas ou cada criança poderá representar
Dirigente da ED: acolha as pessoas com muito uma letra da Bíblia Sagrada. Use a criatividade e
carinho e alegria. Diga-lhes que hoje, além invente outras possibilidades de apresentação!
de ser o segundo domingo do Advento é
também o Dia da Bíblia e a Escola Domini- Jogral da Bíblia Sagrada
cal está alegre porque todos e todas que De: Waldir J. Silva
vieram trouxeram consigo a luz de Cristo. http://www.sbb.org.br/historia/dia_biblia_jogra
is.asp
Leitura Bíblica Espontânea: Sl 119.105 B – Eu sou o "B" da Bíblia Sagrada.
I – Eu sou o "I" do ide por todo o mundo,
Convide a comunidade para cantar um hino pregai o Evangelho.
do HE (nº 140,142 ou 146 – Prepare antes com B – Eu sou o "B" do Brasil gigante e forte do
o Ministério da Música para cantarem vibrante!). Chuí ao Oiapoque.
L – Eu sou o "L" de levai as boas novas de
Compartilhe com a igreja o histórico sobre Jesus ao povo.
o Dia da Bíblia: I – Eu sou o "I" de irmãos unidos levando a
O Dia da Bíblia surgiu em 1549, quando o Bíblia ao mundo.
Bispo Cranmer, que vivia na Grã-Bretanha, in- A – Eu sou o "A" de avançar sem recuar e a
cluiu no livro de orações do rei Eduardo VI um Bíblia levar.
ESPECIAL

6 S – Eu sou o "S" de Santidade.


A – Eu sou o "A" de Alegria.
para ajudar você.
Dirigente da ED: vamos cantar e orar para que
G – Eu sou o "G" de Grandeza. Jesus nos ilumine com sua Luz e possamos
R – Eu sou o "R" de Resposta. praticar a chamada que recebemos hoje.
A – Eu sou o "A" de Arrependimento.
D – Eu sou o "D" de Divindade. Vamos cantar: Que a luz de Cristo Brilhe (CD –
A – Eu sou o "A" de Amor. Criativando) ou Brilha Jesus.
[Todos dizem em voz alta]
BÍBLIA SAGRADA Oração: Pedir para o/a pastor/a orar e enviar a
todos e todas para refletir a Luz de Cristo
Partilha: convide um/a ou dois/duas irmãos nesta semana.
(ãs) para compartilhar como responderam
a “chamada da semana” de Acordar a Espe- 3º DOMINGO DO ADVENTO
rança. (caso você considere conveniente, 17 DE DEZEMBRO DE 2006
combine antes com as duas pessoas que
vão compartilhar e deixe bem acertado o Abertura da ED:
tempo – 3 minutos para cada um/a) Dirigente da ED: Acolha a todos e todas com
Leituras Bíblicas: alegria e faça a saudação com a PAZ de
Isaías 9.1 Cristo!
Lucas 2.8-11
Hino nº 5 do HE.
Hino nº 12, 6, 9 ou 17 do HE
Partilha: convide uma criança para comparti-
Chamada da Semana: Um jovem deve ir ao lhar sua experiência na chamada da sema-
painel e abrir o envelope do segundo do- na. Pergunte para ela: você fez um dese-
mingo do Advento e ler. nho? Para quem você entregou? Você gos-
tou de ter feito assim?
É Natal! É tempo de luz!
Sim! É tempo de ser luz. Luz que aparece de Oração: Convide um vovô ou uma vovó para
longe, e faz com que nossos rumos se tornem orar agradecendo a Deus pelas crianças e
claros, definidos, e passem a ser sinais de vida. porque Ele enviou Jesus como criança para
Luz capaz de acabar com a escuridão gerada nos salvar.
pela injustiça, pelo mal, pela doença, pela mi-
séria, pela violência. Luz capaz de fazer o sol Leituras:
brilhar para todos e todas. Luz que espalha jus- Isaías 9.2-8
tiça, paz, bondade a todos os lugares da terra, Lucas 2.13-14
clareando aquilo que Deus quer para todos/as:
vida feliz e abundante! Hino nº 21 do HE
Nesta semana, reserve um tempo especial para
pensar em alguém que você ama e com a qual não Chamada da Semana: Uma pessoa idosa vai
tem tido contato, por falta de tempo ou oportu- até o painel e abre o envelope do terceiro
nidade e: domingo do Advento e lê:
Ligue, escreva um cartãozinho ou faça uma
visita. Fale que está pensando nela e comuni- É Natal! É tempo de Anunciar a Paz!
que a importância que ela teve/tem em sua vi- Sim! É tempo de anunciar que o simples e
da. Aproveite para desejar-lhe um FELIZ NATAL o humilde são valorizados. Anunciar que a jus-
e que A LUZ de CRISTO brilhe em sua vida. tiça de Deus deve ser estabelecida, pois o Rei-
Olhe... Não segure seu entusiasmo, nem es- no de Deus é chegado. É tempo de anunciar a
conda sua Luz debaixo da cama, se te der von- paz hoje, agora, já!
tade de fazer uma lista e, até o Natal, repetir o Nesta semana é tempo de pensar nas pes-
gesto com outras pessoas. soas que necessitam, mais ainda, receber o
Que a Luz de Cristo brilhe através de você anúncio da paz! Pense nas pessoas que estão
e que você envolva muitas pessoas em amor! presas como se estivesse presa com elas, pen-
Deseje um Feliz Natal para o maior número de se nas famílias que vivem sem condições dig-
pessoas. nas para comer, vestir, estudar e também nas
Para as crianças: faça um desenho que re- pessoas que são vítimas das guerras e de toda
presente uma luz (sol, vela, lamparina etc). Es- violência física, moral, emocional... Pense nas
creva a frase: Natal é tempo de luz! Feliz Natal! pessoas idosas que vivem sós...
Escreva o seu nome. Pense em alguém que vo- Você conhece alguém que está passando por
cê gostaria de dar este desenho de presente uma situação assim? Planeje e faça uma visita.
(professor/a, amigo/a). Dê o desenho de pre- Leve uma palavra de carinho, um gesto de amor.
sente para esta pessoa e dê também um forte Você conhece (e se não conhece procure se
abraço desejando-lhe um feliz natal! Sendo ne- informar) alguma instituição ou projeto que apóie
cessário peça à professora da Escola Dominical pessoas que vivem em situações que necessitem
ESPECIAL

mais do anúncio da paz? Visite esta instituição ou


projeto com sua classe da Escola Dominical.
ças da igreja. Pode ser até um pirulito enfeita-
do. Só não pode faltar abraços. A meninada
7
Juvenis: identifique alguém que está passando está precisando muito ser abraçada.
por um momento mais difícil (está doente, Hino nº 12 do HE. Ou com a música do cântico
perdeu uma pessoa querida) e convide os “Pinheirinhos que alegria” cante com a igreja.
amigos/as da ED para fazerem uma visita.
O segredo do Natal
Crianças: incentive as crianças a visitarem pes- É o amor, amor, amor, amor
soas que moram sozinhas ou em asilos... Foi Jesus que ensinou.
Sugira que levem uma lembrança a elas O amor, amor, amor, amor.
Vamos pois compartilhar
Dirigente da ED: convide as crianças para can- Com alegria e louvor;
tarem a música “A Paz no mundo começa E no mundo espalhar
no meu coração”. Uma outra sugestão é O amor, amor, amor, amor.
que toda igreja cante o “Shalom”! (Fonte: site do Departamento Nacional de
Trabalho com as Crianças).
Oração do Pai Nosso.
Dirigente: convide as classes para o estudo
4º DOMINGO DO ADVENTO especial do Natal.

É Natal! É tempo de Celebrar o AMOR! 5º DOMINGO. CONFRATERNIZAÇÃO


E PAZ MUNDIAL!
Dirigente da ED: Acolha todos e todas com
muita alegria. Abertura da ED:
Dirigente da ED: acolha todos/as com muita
Partilha: Convide um/a juvenil para comparti- alegria e diga-lhes:
lhar a experiência da chamada da semana.
Como foi? Foi possível visitar alguém? Visi- É Natal! Sim, Jesus Nasceu! É tempo de ser
tar alguma instituição? Como você sentiu? feliz! Sim! É tempo de fazer a alegria invadir a
O que você aprendeu? vida de todos e todas. É tempo de fazer o boni-
to acontecer para todos/as. É tempo de repartir
Oração: Ore agradecendo pela semana que a vida. É tempo de espantar a tristeza para bem
passou, pela experiência de anunciar a paz! longe. É tempo de fazer possível a todos/as um
Feliz Ano Novo.
Leituras Bíblicas:
João 3.16 Cântico: Recorde com a igreja uma velha e
1 João 4.7-9 “nova” canção: Estou alegre... Por que estás
alegre?
Hino nº 20 do HE
Oração: Peça um/a irmão/ã para orar agrade-
Chamada da Semana: Uma criança vai até o cendo a Deus a alegria de ser salvo em Cris-
painel e abre o 4º Envelope. Tira a mensa- to Jesus.
gem e lê:
Chamada do dia: O/A dirigente da ED. vai até o
É Natal! É tempo de Celebrar o AMOR! painel e abre o 5º envelope e lê:
Sim! É tempo de celebrar a vida a alegria, a
esperança, a paz e o amor. É tempo de celebrar Quando a gente reparte o amor
a boa notícia do amor de Deus. É tempo de É como o sol a brilhar...
buscar a Jesus Cristo e, com Ele, trabalhar na O amor que se reparte, volta de novo pra
construção da nova humanidade. gente.
Nesta próxima semana, surpreenda agrada- Hoje a Escola Dominical convida vocês pa-
velmente seus colegas de trabalho, seus/ suas ra compartilhar as experiências de Acordar pa-
amigos/as, seus vizinhos/as. ra a Esperança, Ser Luz, Anunciar a Paz e Cele-
• Prepare algo bem simples, mas especial e brar O Amor. As classes vão se encontrar e
coloque na mesa dos /as colegas de trabalho, compartilhar o que aconteceu ou não aconte-
na caixa de correio dos vizinhos/as, na porta ceu. Terão um tempo para falarem de seus
dos/as amigos/as ou entregue pessoalmente. sentimentos e esperanças para o Novo Ano.
Pode ser uma mensagem, guloseimas, lem-
brancinhas, uma flor etc. Use a criatividade.
Cantem e orem juntos apresentando a Deus
novos propósitos para cooperar no anúncio

• Lúcia Leiga de Oliveira
Educadora e Coordenadora do
Deseje um Feliz Ano Novo cheio de esperança, do Reino de Deus e da salvação que só Jesus Departamento Regional de Escola
luz, paz e alegria. Convide para participar do pode dar. Dominical da 4ª RE.
culto de Vigília. As crianças devem participar e No encerramento vamos cantar, distribuir Têca Greathouse
ajudar nas lembrancinhas dos vizinhos. as lembrancinhas para as crianças, abraçar e Educadora e Coordenadora Nacional
• Prepare uma lembrancinha para as crian- desejar a todos e todas um FELIZ ANO NOVO. do Projeto Sombra e Àgua Fresca
LITURGIA

C Confraternização
universal
Culto de Vigília

Oração silenciosa
I. ADORAÇÃO Oração comunitária
Leitura bíblica: Gênesis 1.14-18 Dirigente: Perdoa-nos, ó Deus, pelos momen-
tos em que, durante o ano que se finda
Chamado à Adoração:
Todos (as): Tu falaste conosco e não prestamos
Dirigente: É à noite que agradecemos a Deus atenção, deixando de sentir e perceber a
pelo dia vivido e pedimos sua bênção para tua presença.
o novo dia que se aproxima. Assim, ao
mesmo tempo em que sinaliza o fim do dia, Dirigente: Perdoa-nos, ó Deus, pelos momen-
a noite anuncia a chegada de uma nova tos em que, durante o ano que se finda
manhã, um novo tempo.
Mas entre o findar e o iniciar do dia, existe Todos (as): Recebemos as tuas bênçãos e não
a madrugada, período de descanso, de si- nos dispusemos a agradecer.
lêncio, propício para análise, avaliação,
mas também ótimo para refazer as forças, Uma voz: Perdoa, ó Deus, nosso descuido da
alimentar a fé, renovar a esperança. Tempo comunhão entre irmãos e irmãs e nossa
bom para sonhar... É o que pretendemos ignorância voluntária de teus caminhos.
fazer hoje, reunidos aqui em nome do Trino
Deus. Todos (as): Perdoa às vezes em que emprega-
Cântico congregacional: Oração da Noite (HE mos mal nosso tempo e nossos dons. Per-
481 – somente a primeira estrofe) doa nossas desculpas e irresponsabilidade.
Oração
Outra voz: Perdoa a nossa falta de disposição
II. CONFISSÃO em vencer o mal com o bem.
Leitura bíblica: Mateus 6.25-33
LITURGIA

Todos (as): Perdoa-nos as vezes que preferimos Cântico Congregacional: CONTA AS MUITAS
cuidar apenas de nossos próprios interesses BÊNÇÃOS (HE nº 338 — somente a 1ª e 2ª
e também quando nos fechamos, tornando- estrofes)
nos pessoas de difícil acesso.
IV. EDIFICAÇÃO
Outra voz: Perdoa-nos por termos sido levianos Leitura bíblica
e levianas em nosso julgar; muitas
vezes prontos a condenar, mas lentos a per- Mensagem
doar.
V. DEDICAÇÃO
Dirigente: Perdoa-nos, ó Deus, pelos momentos Celebração da Eucaristia
em que, durante o ano que se finda
VI. INTERCESSÃO
Todos (as): Não tivemos a coragem de nos aven- Oração comunitária:
turarmos em solidariedade; guardamos
ressentimentos e tivemos má vontade em Dirigente: E agora, quando estamos às portas
buscarmos a reconciliação. de um novo ano, reafirmamos aqui, diante
de ti, que cremos, Senhor, na divina Promes-
Dirigente: Se desejamos somente a condenação e sa. Por isso pedimos
o castigo e não a redenção para aqueles que
julgamos maus... Perdão, Senhor! Todos(as): Ó Deus, dá-nos a Tua bênção.

Dirigente: Irmãos e irmãs, vamos abrir aqui um Outra voz: Não estamos te pedindo ausência de
espaço para termos um momento muito espe- percalços, ausência de imprevistos, ausência
cial de encontro conosco mesmos e com o de dores, ausência de inimigos. O que pedi-
nosso próximo. Esta é uma oportunidade de mos é a tua preciosa bênção a despeito de
restabelecermos relacionamentos; tempo de tudo.
reconciliação, de pedir e oferecer perdão.
(Orientação: Para esse momento, não há um Dirigente: No momento em que iniciamos um
limite de tempo definido. Permita que as pes- novo ano, humildemente te pedimos
soas saiam de seus lugares, conversem, se
abracem e se reconciliem). Todos(as): Ó Deus, dá-nos a Tua bênção. Colo-
ca-nos debaixo da sombra da tua podero-
Todos (as): Pai Nosso, que estás nos Céus... sa mão.

4. Cântico congregacional: Oração da Noite Leitor 1 Abençoa a vida de cada um de nós na


(HE 481 - somente a segunda estrofe) tua presença.
Leitor 2 Abençoa a obra de nossas mãos.
III. LOUVOR Leitor 3 Abençoa nossa família.
Oração comunitária: Leitor 4 Abençoa nossos irmãos na fé.
Leitor 5 Abençoa nossos amigos.
Todos (as): Nós te agradecemos, ó Pai, porque, Leitor 6 Abençoa as pessoas com as quais não
apesar do nosso pecado, tu não nos aban- conseguimos nos relacionar.
donaste e nem retiraste o teu Espírito do nos-
so meio. Todos(as): Ó Deus, dá-nos a Tua bênção. E acima
de tudo, Senhor, que no ano que se inicia,
Outra voz: Agradecemos-te, Senhor, porque, du- nós sejamos uma bênção, a tua bênção, na
rante o ano que se finda, vida daqueles e daquelas que o Senhor colo-
car no nosso caminho. Amém!
Todos (as): Em diversas vezes pudemos experi- Cântico Congregacional: DESPEDIDA (HE 498)
mentar da tua presença que nos consolou,
animou, renovou as nossas forças e aqueceu Oração Final
os nossos corações nos momentos em que
mais precisamos de ti. Bênção
NÓS E AS CRIANÇAS

10

Vivências que
Promovem a Paz
GIRAPAZ
1

G
Este roteiro apresenta
sugestões de atividades
para crianças, adolescentes
e adultos que poderão ser
realizadas tanto na Escola
Dominical como adaptada
para encontros em grupos.
São vivências que buscam
refletir sobre a paz e pro-
mover ações concretas de
Natal. Natal cheio de espe-
rança, amor e solidariedade
nos 365 dias do ano.

Texto Principal: • Leitura do texto bíblico e provocar a articu-


"Felizes aqueles e aquelas que promovem a lação. Nesse momento deixe o grupo fazer a
paz, porque serão chamados filhos e filhas de Deus" tentativa, logo depois o/a facilitador/a faz a sua;
- Mt. 5. 19 • E agora: momento em que o grupo é esti-
mulado a praticar durante a semana, seja em
Girapaz: nome que criamos para Bate-Papo inicial: casa, escola ou igreja, algo aprendido no en-
um cata-vento misturado com Sobre os textos bíblicos: selecionar aqueles contro;
girassol; deve ser confeccionado que falam de paz, unidade, comunhão. • Momento que se pode cantar um hino rela-
em cartolina, de forma que repro- cionado ao tema. Segue oração final e despedida.
duza um girassol; o tronco suporta Sobre a metodologia e desenvolvimento:
a flor que deverá girar; em cada • O/a facilitador/a deve acolher o grupo, Sobre os conceitos:
pétala deve ter espaço para escre- organizado preferivelmente em roda. Segue • Paz é algo dinâmico, que se aprende e pra-
ver palavras /pequenas frases; oração; tica; que deve ser alimentada e desenvolvida;
sobre a confecção do 'girapaz' • Deve-se adiantar o objetivo do encontro: • Paz é algo que integra o interior (emoções,
gigante e do pequeno, sugiro que "hoje vamos aprender sobre..."; sentimentos, pensamentos) e exterior (comporta-
façam um molde e recorte em • Partir para um 'provocar' o que o grupo mentos e relacionamentos em todos os lugares);
cartolinas, mas muito cuidado sabe, suas experiências etc, através de pergun- • Paz não é algo individualista, e para ser
com as crianças, evitando uten- tas simples. Nesse momento não se deve dar plena deve sempre incluir o outro;
sílios perfuro-cortantes. "lições de moral" ou adiantar a conclusão; • Paz não é ausência de conflitos por idéias,
1
Série de vivências e atividades para crian- • Introduz-se a vivência ou atividade principal; crenças ou interesses;
ças, adolescentes e adultos. Pode ser re- • Escute o grupo sobre seus sentimentos e • Paz não é algo apenas 'espiritual', mas
produzido desde que seja citada a autoria; idéias, facilidades e dificuldades encontradas; também coletivo, comunitário e social.
NÕS E AS CRIANÇAS

11

Vivência do GIRAPAZ vamos aprender/falar/refletir sobre a paz" etc. Os conceitos são apresen-
Sugerimos uma vivência única, do Girapaz, tados de forma simples,
de forma que todas as idades e classes façam Etapa 3 – Provocação: "alguém aqui pode valorizando uma perspecti-
a mesma atividade, porém, variando conforme me falar o que é paz?", "dar exemplos de situa- va mais vivencial que teó-
cada faixa etária. ção de paz" etc. rica, no entanto, possuem
O objetivo de aplicar apenas uma vivência fundamentos na Teologia,
é que toda a igreja estará refletindo sobre a Etapa 3 - Vivências ou atividades Psicologia e Pedagogia. Ao
paz, através de um entrelaçamento de idéias, 1. Organize o grupo em três sub-grupos e final deixaremos sugestões
sentimentos e experiências. distribua para cada, folha de papel e caneta/giz bibliográficas.
Tal metodologia mobiliza toda a consciência de cera/lápis. Peça para lembrarem de mo-
coletiva e torna-se geradora de paz comunitá- mentos ou situações de paz, ou 'coisas que pro-
ria. movem a paz', seja em 1) casa, 2) escola, 3)
bairro, 4) cidades, 5) país (nessa seqüência).
APLICAÇÃO DA VIVÊNCIA (6 A 12 Eles deverão escrever essas situações;
ANOS, 12 A 14 ANOS E ADULTOS) 2. (Alternativa) - Pode-se descrever uma ce-
na real ou fictícia, um fato histórico ou contar
Etapa 1 – Acolhida e oração (grupo em for- uma história mais lúdica cujo enredo traga con-
ma de roda) flitos não resolvidos, seja em casa, escola ou ci-
dade, com ou sem resolução;
Etapa 2 – Objetivo do encontro: Deve-se 3. Terminando a etapa 1 e 2, distribua para
apresentar o objetivo do encontro: "hoje cada sub-grupo um imenso girassol (confecciona-
NÓS E AS CRIANÇAS

12
do ou pré-cortado) com espaço para preencher ja deve desenvolver para promoção da paz?
com palavras ou pequenas frases (dentro de cada Relação entre paz e saúde, paz e felicidade etc).
pétala o grupo deverá colocar as 'coisas' que pro- Deve-se diferenciar e relacionar raiva-conflito-
movem paz; no centro escreve-se "PAZ"; violência, bem como os tipos de violência.
4. Cada sub-grupo deverá apresentar seu – O/a facilitador/a deve lembrar que paz
"girapaz" gigante e ao final poderá afixá-lo em não é ausência de conflito, mesmo nas formas
lugar público. diferentes de interpretações, mas um espírito
conciliador, portanto, o grupo deve chegar a
Etapa 5 – Processamento: hora de ouvir o um 'ponto pacífico'.
que o grupo pensou/sentiu durante a atividade. Etapa 7 - Apropriação ou aplicação: entre-
gar um pequeno "girapaz" para cada criança e
Etapa 6 – Leitura bíblica (sugestões) - Mo- pedir que faça os últimos detalhes (colorir fo-
A aplicação da atividade po- mento em que o texto principal deve ser lido e lha, a flor) e escrever palavras que promovem
de variar dependendo da articulado com a atividade, através de pergun- paz (aqui podem 'colar' do girassol gigante);
idade: com crianças de 6 a 8 tas fáceis e abertas, frases para completar, dis- mas deve-se pedir algo real para realizar na
anos pode-se explorar mais cussão mais elaborada etc. próxima semana, respeitando a faixa etária: "o
o fazer, o colorir, pedir lem- • Mateus 5.19. "Felizes aqueles e aquelas que/como/que ações podemos realizar para
branças de contextos mais que promovem a paz, porque serão chamados promoção da paz em casa, escola, bairro, cida-
familiares e escolares, dar filhos e filhas de Deus" (prioritariamente para 6 de, país?".
exemplos simples mais cor- a 11 anos);
retos, escrever palavras fá- • Jeremias 29.7. "E procurai a paz da cidade, Etapa 8 - Cântico, oração de mãos dadas e
ceis e pode contar com pes- para a qual fiz que fôsseis levados cativos, orai por despedida.
soas de apoio; com grupo de ela ao Senhor: porque na sua paz vós tereis paz";
9 a 12 anos, a linguagem e • Mateus 10.34. "Não penseis que vim trazer Outras sugestões de atividades (que não
condução pode ser mais ela- paz à terra; não vim trazer paz, mas espada"; deverão substituir a do "girapaz"):
borada, explorando desde o • João 14.27. "Deixo-vos a paz, a minha paz 1. Desenhar uma amarelinha e em cada
contexto familiar, suas expe- vos dou; eu não vo-la dou como o mundo a dá. quadro que o/a jogador/a for avançar deve di-
riências grupais, questões de Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize". zer algo que promova paz; caso o grupo con-
mídias, relações pais-filhos e Aqui os textos são de interpretações mais corde, passa-se à casa seguinte; pode-se reve-
mundial; com os adultos, complexas e os jovens e adultos devem discu- zar com coisas que não promovem paz. O gru-
deve-se provocar mais com- tir os textos articulados com os conceitos apre- po deve ir anotando as propostas;
plexidade, explorando o sentados no início (por exemplo: O que é paz? 2. Propor algum jogo (ex. pique salve, jogo
contexto conjugal e familiar, Existem diferenças entre 'paz espiritual' e paz da memória) e durante o jogo ir identificando
elementos das mídias, con- humana/social? Qual depende de qual ou são 'coisas' que promovem ou não a paz;
flitos político-religiosos. interdependentes? O que é necessário para a 3. Para jovens e adultos, em 3 sub-grupos,
paz desde o lar até o mundo? Qual a relação devem discutir, preencher e apresentar o qua-
entre justiça e paz? Que ações concretas a igre- dro abaixo*:

Tipo de discriminação Situações Desafios


Raça
Classe
Gênero
Religião
Outras
* Renascer na Esperança, cartilha do Projeto Paz Familiar/Núcleo Cristão para a superação da Violência Familiar, Diaconia, Recife: 2002.

Recursos Sugeridos: Nacional de Trabalho com Crianças da Igreja


Metodista;
DIACONIA, Renascer na Esperança, cartilha do Pro- – Pelas Mãos de Uma Criança. Departa-

• Cleber Lizardo
de Assis (Kebel)
jeto Paz Familiar/Núcleo Cristão para a su-
peração da Violência Familiar, Recife: 2002.
mento Nacional de Trabalho com Crianças da
Igreja Metodista;
Educador, Teólogo e Psicólogo. – Todas as Crianças são nossas Crianças.
Assessor da Fundação Metodista CD's infantis - IGREJA METODISTA Departamento Nacional de Trabalho com
e Projeto Sombra e Água Fresca. – Missão Aventura Possível. Departamento Crianças da Igreja Metodista.
CURRÍCULO

BEM-TE-VI JARDIM
Módulo 5 – "Jesus é nosso amigo" - estudos
no semestre passado:
• a unidade especial com lições para datas
13
dos encontros de Jesus com as pessoas comemorativas (que agora aparece nas primei-
Bloco 1: Encontros com o Jesus Menino ras páginas, para ninguém correr o risco de
Bloco 2: Encontros na missão de Deus - Jesus e perceber a presença da lição somente quando
os discípulos a data já passou) traz estudos com os seguin-
Bloco 3: Encontros que ensinam sobre Deus tes temas: Dia Mundial de Oração, Tiradentes e
Bloco 4: Encontros com quem é diferente da Dia Mundial do Meio Ambiente.
gente • No pé de cada página, o pequeno históri-
Bloco 5: Encontros que encorajam e desafiam co de hinos traz, entre outros, hinos que a
(morte e ressurreição) Igreja tradicionalmente canta no período da
Páscoa;
Nos encontros com Jesus, li- • Uma novidade é a seção "Vale a pena ler
ções de vida em pequenos de novo" que traz uma lição antiga, publicada

Descubra as novidades do currículo


gestos e algumas palavras... na Em Marcha de anos atrás.
Nas histórias de Jesus, a Escritas com cuidado e seriedade, as lições
chance de aprender um pouco mais sobre a das unidades Bíblia, Situações da Vida, Meto-
amizade e o amor de Deus. E com a ajuda dos dismo e Igreja em Missão oferecem subsídios
livros que falam da vida de Jesus, construire- para um estudo bíblico aprofundado, análises
mos com cada criança o Livro da Vida, para que conjunturais e questões que desafiam os leito-
elas possam entender que Jesus está conosco res/as à reflexão com temas que vão desde
em cada etapa da nossa história e crescimento. uma comparação entre os episódios da Torre
de Babel e o Pentecostes à diferença de postu-
REVISTA BEM-TE-VI ras entre Pedro e Paulo passando por uma ex-
Módulo 5 – "Sabedoria de profetas e poetas" - posição sobre a posição metodista diante da
estudos das profecias, salmos e sabedoria doutrina da predestinação e assuntos práticos
Bloco de Encontros I – Profetas como os conflitos que se verificam em uma
Bloco de Encontros II – Poetas e Sábios igreja local.

Para encerrar a caminhada


com as crianças de 7 a 9 anos CRUZ DE MALTA
pelo Antigo Testamento, o es- A revista do 2° semestre de

O que vem por aí.


tudo dos profetas, poetas e sá- 2006 apresentou novidades
bios nos ajudará a perceber o como o calendário do semestre
quanto Deus deseja que pratiquemos a justiça e a possibilidade de se anotar a
e andemos em sabedoria, celebrando a bonda- data em que a lição foi estudada além de, no
de e o poder de Deus. Isso com canções, poe- exemplar do professor, constar uma página
mas, gestos e danças; com todos os dons que para anotação de nome, endereço e telefone
Ele mesmo nos deu. dos alunos/as.
Neste módulo, a turminha dos Aventureiros Outra novidade foi a presença de uma lição
em Missão estréia em nossa revista com uma baseada na Carta Pastoral do Colégio Episcopal
história muito bacana! Servos, Servas... Na revista do 1º semestre de
2007, o documento que será estudado em for-
REVISTA BEM-TE-VI EM VÔO ma de lição de Escola Dominical é a Carta Pas-
Módulo 5 – "Música, Poesia & Sabedoria" toral sobre Jejum, publicada pela Igreja em
2001.
Celebrando o tempo de Deus As demais lições, divididas nas unidades
na vida das pessoas nos depa- Bíblia, Situações da Vida, Metodismo e Igreja
raremos com lindos cânticos em Missão instigam, como sempre, a reflexão
de amor, de alegria, vitória, e discussão de temas próprios da juventude.
mas também de dor. Veremos
que em cada um desses momentos as pessoas
percebiam que Deus está presente em sua histó- FLÂMULA JUVENIL
ria – tanto hoje, quanto na memória. E de lem- A unidade Bíblia da Flâmula
brar e festejar as pessoas vão pensando, pensan- do 1º semestre de 2007 dá con-
do e refletindo, vão ficando sábias e descobrindo tinuidade ao projeto que prevê o
que melhor do que saber é mesmo praticar: em estudo de todos os livros da
sabedoria andar, com poesia viver e com lindos Bíblia no período de seis semestres. No Módulo
cantos do coração poder louvar e a fé partilhar. 4 estudaremos os livros de Joel a Malaquias.
Na segunda parte da revista, lições rela-
EM MARCHA cionadas com o dia-a-dia do/a juvenil e sua
A Em Marcha do primeiro missão na Igreja e no mundo e uma novidade:
semestre de 2007 mantém uma lição especial com um tema específico: O
as inovações apresentadas Dia Mundial da Água.
14
Sonho de Paz
15
Que a Luz de Cristo brilhe
Uma Benção
© Sean Shot
Advento - tempo de espera... Esperando o quê?
Atenção!

Esperamos com esperança


A esperança que espera
Sinais que a alimentem
Deixando-a crescer e florescer...!

Esperamos com esperança


A esperança que espera
Ser alimento de vida,
Força que nos anima,
Ajudando a renascer.

Esperamos com esperança



• Inês Simeone
Fonte: Rede
A esperança que espera Latinoamericana
Amanhecer em cada Ser de Liturgia CLAI
Ao sonhar um mundo novo
Esperando Emanuel!

Esperamos com esperança


A esperança que espera
Celebrar o nascimento
Da Criança que traz a vida
Fazendo-nos amanhecer.

Esperamos na esperança de ser,


À esperança que espera
A celebração da VIDA,
Deus conosco!
Emanuel!