Você está na página 1de 10

A leitura por prazer Escola a ler Cristina

Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

PROJECTO ANUAL DE LEITURA

. Designação do projecto
“Escola a ler” – 2º ano a ler

. Contextualização: apresentação; inserção no contexto;


fundamentação
Este projecto foi pensado para um grupo de 2ºano de duas escolas do
Agrupamento Delfim Santos : E.B.1 António Nobre e Laranjeiras.
Embora de escolas diferentes são alunos com características
semelhantes. Maioritariamente, meninos interessados, empenhados no
trabalho, com comportamentos acertivos, com pais preocupados com os
saberes e os valores a transmitir aos seus filhos.
As duas escolas têm salas de multideficiência (autismo e surdos)¸ daí
os alunos desde pequenos estarem habituados a partilhar experiências com
“meninos diferentes” . Daí, também, a razão da escolha destes livros e as
actividades que resultam dos mesmos.

. Definição de objectivos:
- Criar o gosto pela leitura.
- Criar dinâmicas de leitura, entre pares.
- Conhecer a mesma história em diferentes suportes.
- Perceber o valor da ilustração nos livros infantis.
- Ser capaz de ultrapassar obstáculos.
- Lançar um olhar novo para meninos diferentes.
- Perceber o valor da ilustração.
- Ser solidário.

1
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

. Plano de actividades:
- Calendarização
. 1º período – “A verdadeira história do Capuchinho Vermelho”
. 2º período – “Um menno diferente”
. 3º período – “ A Princesa Baixinha”

- Sub - projecto (livros)


. No inicío do ano é feita uma lista de livros e cada Encarregado de
Educação escolhe um e compra-o para ficar na sala de aula.
. Após todos terem adquirido o livro escolhido, iremos introduzir
uma rotina semanal. À sexta-feira cada aluno escolhe um livro e leva-o
para o fim-de-semana.
. Na sexta-feira seguinte, cada aluno tenta convencer o colega a levar
aquele seu livro, argumentando todos os aspectos positivos que nele
encontrou.
. A verdadeira história do Capuchinho Vermelho
Livro que o professor traz e lê na sala de aula. Também os alunos
poderão trazer outros livros, desde que abordem o mesmo tema.
. Um menino diferente
Nas férias do Natal, todos os alunos vão estar a ler este livro, que nos
fala do valor da diferença. Ao mesmo tempo estão a contribuir para a
Ajuda de Berço, uma vez que os direitos de autor revertem a favor desta
Instituição.
. Princesa Baixinha
Livro a adquirir na “Feira do Livro” a realizar na escola, no final do
ano. Pensamos que todos estaremos satisfeitos porque conseguimos
aprender muitas coisas novas e algumas bem dificeis. Tal como a princesa
baixinha, também nós fomos capazes de ultrapassar as dificuldades.
2
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

. A verdadeira história do Capuchinho Vermelho

Contextualização
Todos os meninos conhecem e continuam a gostar de a ouvir.
Agora vão ouvi-la novamente, mas em suportes de leitura diferentes
e com alguns apontamentos de textos diferentes também. Eles vão poder
observar , se é o “tronco” principal da história que se modifica, ou se o que
é alterado é, apenas, para justificar o provérbio: “Quem conta um conto
acrescenta um ponto”.

- Actividades
1 –Escrever, no quadro, a carta que o lobo enviou ao Capuchinho
Vermelho
1.a) Fazer a caça ao erro
1.b) Pedir às crianças o que acham que vai acontecer, na
história
1.c) Ler, depois, a história e explorar:
- Diferentes tipos de alimentação
- Diferentes tipos de transportes
- Jornal – modos diferentes de transmitir informação

2- Contar a história do Capuchinho Vermelho, com uma boneca, que


sozinha tem as quatro personagens:
– o Capuchinho com a sua cesta
- o lobo
- a avó
- o lobo com a roupa da avó

3
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

3 – Contar diferentes histórias, nos dias seguintes:


- o Capuchinho Verde
- o Capuchinho Cinzento
- histórias em verso para meninos perversos
- receitas…

4 – Depois de ouvir tanta história, cada aluno vai agora construir a


sua versão.

5 - Vamos ver como se conta a história:


- aos meninos autistas (ver livro adaptado que toda a escola
construiu para estes meninos em anos anteriores),
- aos meninos surdos (uma professora virá à escola contar a
história em linguagem gestual)
- aos meninos cegos (os alunos vão passar os dedos pelo
picotado e olhando, simultaneamente, para as imagens ao lado).

6 – Visionamento de um filme: “O Capuchinho Vermelho” – versão


musical e mais moderna da história.

7 – Porque esta história fala em lanches, vamos partir para outro


tema do Estudo do Meio – Alimentação Saudável, enquadrado no projecto
“Somos o que comemos”.
Pedir ao Centro de Saúde que venha fazer a sensibilização e
introdução a este tema.

4
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

. O menino diferente
Maria João Lopo de Carvalho
Ilustração de J. C. Cintra Costa

Contextualização
Tal como foi dito aquando da contextualização do Projecto ambas as
escolas têm Unidades de Ensino Estruturado: autismo e surdos.
Vão “parar” agora para pensar em outros meninos diferentes: os
cegos.
Vão perceber, que a diversidade da diferença, faz a riqueza da vida.
O menino de que nos fala o livro tem os olhos na ponta dos dedos. É ele
que encontra o que está escondido nos bolsos, debaixo dos sofás, no
escuro...
O que seria dos outros sem ele?!!!

Actividades:
Dirigidas a toda a escola, sendo a linguagem obviamente adaptada
aos diferentes anos de escolaridade.

ANTES:
1- Cada professor fala do livro na sua sala.
2- Tentar que as crianças digam o que o título lhes sugere, assim
como a capa.
3- Cada aluno deve ter o seu: - para ler nas férias do Natal,
- para ver se o livro corresponde à s
expectativas.
4 - Explicar, depois, que os direitos de autor revertem a favor da
Ajuda de Berço
5
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

4.1 – Explicar o que são direitos de autor


4.2 – Explicar o que é a Instituição Ajuda de Berço

DEPOIS: fazer a exploração do livro, já lido.

1 – O que acharam? Gostaram?

2 – Afinal qual era o tema?

3 – Quando é que começaram a perceber a diferença do menino?

4 – O livro é constituído por vários tempos. Quais?


4.1 – Falar um pouco sobre cada um.
4.2 – O amor dos pais pelos filhos.
4.3 – O entrar na escola.
4.4 – A importância de cada criança ser aceite pelos outros,
independentemente das diferenças.
4.5 – A complementaridade que nos une, e que faz avançar o
mundo.

.Encontro com o escritor e o ilustrador:


Este encontro será feito por anos de escolaridade.

. Preparação do encontro com o escritor


- O que se quer saber:
. Como surgiu a ideia do título do livro.
. O que é que a história teve aquele fio condutor.
. Se se baseou em histórias de vida para contar aquela.
6
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

. Se os outros livros que escreveu são sobre a mesma


problemática: a diferença.
. Se escrever é: - terapia,
- gosto
- ou obrigação.

Preparação do encontro com o ilustrador


. O que é ser ilustrador.
. Como trabalha com o escritor.
. O tipo de ilustração é a sua “imagem de marca” ou ela é definida
livro a livro.
. Como foi trabalhar este tema.
. Como foi trabalhar com a Maria João.

Opinião final
.Falar com os alunos acerca, do que é ser:
- escritor,
- ilustrador,
- do trabalho de cada um e de ambos,
- do trabalho de escrever um livro.

7
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

. A Princesa Baixinha

Contextualização
Triste, preocupada e humilhada pelos outros devido à sua baixa
estatura, a princesa pensa que não “para nada. Ao conversar, com a avó,
que lhe fala da valentia do avô, sente a força suficiente para mostrar a s
própria que é capaz de ultrapassar obstáculos. Determinada decide partir...

Na sala de aula:
Durante uma semana, a definir, faremos a exploração do livro.

- 1º dia:
- Antes da leitura:
. exploração da capa - observação da capa, diálogo acerca do
que os alunos acham que tratará o livro, troca de impressões;
- Início da leitura do livro:
. até ao momento em que ela decide partir, para mostrar que
consegue fazer coisas importantes como o seu avó, apesar de ser baixinha.
Jogo do telefone: terá que ser os olhos da menina que está do outro lado da
linha do telefone, descrevendo, por isso, fielmente aquilo que vê.
- 2º dia:
. chegada à 1ª aldeia – exploração da aventura com o dragão.
Dramatização da história.

- 3º dia:
. chegada à 2ª aldeia – encontra um padeiro que não tem
farinha parar fazer pão.

8
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

Culinária: após descoberta a maneira de abrir as sacas da farinha, farão


biscoitos de manteiga.

- 4º dia:
. chegada a uma aldeia ameaçada por um bando de condores
que devoram tudo o que encontram.
Jogo: peddy–papper – seguem as pistas deixadas em ovos de plástico, para
encontrarem as guloseimas que os condores esconderam.

- 5º dia:
. regresso a casa, exploração da moral da história e ilustração
da história
Expressão plástica: os temas trabalhados serão divididos pelos diferentes
grupos que ilustram e resumem o texto em frases simples, construindo um
cartaz.

No polivalente, com as 3 turmas:


. Apresentação em power point do roteiro de leitura, a que cada aluno, no
seu lugar responde.

- Materiais / recursos
- Manta e almofadas
- Material de desenho
- Fantoches
- Power-point sobre o livro
- Ingredientes para os biscoitos
- Pistas para o peddy-papper

9
A leitura por prazer Escola a ler Cristina
Fernanda Fidalgo
Vanda Bexiga

- Responsável pela actividade


. Os professores titulares de turma, das turmas intervenientes.

- Avaliação
. Observar directa:
- a qualidade/interesse das intervenções;
- a participação activa no trabalho.

10