Você está na página 1de 27

CURSO CIÊNCIAS CONTÁBEIS

DISCIPLINA: SOCIEDADE, DIREITO E CIDADANIA.
PROFESSOR: BRUNO MORAIS

1- DIREITOS E CIDADANIA
Cidadania (do latim, civita, "cidade"), é o conjunto de direitos, e deveres ao qual um
indivíduo está sujeito em relação à sociedade em que vive.O conceito de cidadania
sempre esteve fortemente atrelado à noção de direitos, no entanto, dentro de uma
democracia, a própria definição de Direito, pressupõe a contrapartida de deveres,
uma vez que em uma coletividade os direitos de um indivíduo são garantidos a partir
do cumprimento dos deveres dos demais componentes da sociedade.
Ver - Direitos e deveres do Cidadão Constituição Federal de 1988
Devemos lutar para que os nossos direitos sejam respeitados, e ao mesmo tempo, ter
a consciência de nossos deveres e cumpri-los.
Como Cidadão você tem direito de:

Ir e vir em todo território nacional em tempo Paz;

Direito de igualdade perante a Lei;

Direito de não ser torturado e de não receber tratamento desumano ou
degradante;

Direito a sua intimidade, sua vida particular, sua honra, sua imagem, à
inviolabilidade de seu domicílio, de sua correspondência, de suas
comunicações telegráficas, de dados e telefônicas;

Direito de liberdade de expressão de atividade artística, intelectual, cientifíca,

1

literária, e de comunicação;

Direito de reunião e às liberdades políticas e religiosas;

Direito à Informação, Direito de propriedade;

Como Cidadão você tem o dever de:

Votar para escolher nossos governantes e nossos representantes nos poderes
executivos e legislativo;

Cumprir a leis;

Respeitar os direitos sociais de outras pessoas;

Prover o seu sustento com o seu trabalho; alimentar parentes próximos que
sejam incapazes;

Educar e proteger nossos semelhantes, Proteger a natureza;

Proteger o patrimônio comunitário; Proteger o patrimônio público e social do
país; Colaborar com as autoridades

2- CIDADÃO E CIDADANIA- O QUE É SER CIDADÃO?
Afinal, o que é ser cidadão?
Ser cidadão é ter direito à vida, à liberdade, à propriedade, à igualdade perante a lei:
ter direitos civis. É também participar no destino da sociedade, votar, ser votado, ter
direitos políticos. Os direitos civis e políticos não asseguram a democracia sem os
direitos sociais, aqueles que garantem a participação do indivíduo na riqueza
coletiva: o direito à educação, ao trabalho justo, à saúde, a uma velhice tranqüila.

Como exercemos a cidadania?
Cidadania é a expressão concreta do exercício da democracia. Exercer a cidadania
plena é ter direitos civis, políticos e sociais. Expressa a igualdade dos indivíduos
perante a lei, pertencendo a uma sociedade organizada. É a qualidade do cidadão de
poder exercer o conjunto de direitos e liberdades políticas, socio-econômicas de seu
país, estando sujeito a deveres que lhe são impostos. Relaciona-se, portanto, com a
2

legislar e julgar. em menor ou maior grau.  Sancionar. evitar abusos de poder. zelando para que seus direitos não sejam violados. essas três funções são exercidas pelo PODER EXECUTIVO. A cidadania instaura-se a partir dos processos de lutas que culminaram na Independência dos Estados Unidos da América do Norte e na Revolução Francesa. principalmente. citadas as principais:  Nomear e exonerar seus Ministros de Estado. Essa separação procura. respectivamente. crianças. já que um poder fiscaliza e limita a atuação do outro. adotou o sistema tripartido de separação dos poderes. étnicas. As atribuições do Presidente da República estão listadas no art. sexuais. sendo que cada um dos poderes exerce. o Poder Executivo será exercido pelo Presidente da República. que são as de administrar.  Proceder à iniciativa de leis. no entanto. No Brasil. 3 .PODERES DO ESTADO A Constituição Federal de 1988. baseado nos deveres dos súditos e passaram a estruturá-lo a partir dos direitos do cidadão. promulgar e fazer publicar leis.participação consciente e responsável do indivíduo na sociedade. não é absoluta. minorias nacionais. LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO.  Exercer a direção superior da administração federal. 84 da Constituição Federal. todas as funções. 3. Esse sistema denomina-se “pesos e contrapesos”. etárias. auxiliado pelos Ministros de Estado. Desse momento em diante todos os tipos de luta foram travados para que se ampliasse o conceito e a prática de cidadania e o mundo ocidental o estendesse para a s mulheres. Esses dois eventos romperam o princípio de legitimidade que vigia até então.  PODER EXECUTIVO No Brasil. A divisão dos poderes. como de tradição.

São delegáveis aos Ministros de Estado.  Editar Medidas Provisórias.  Manter relações diplomáticas com Estados estrangeiros.  Declarar a guerra e celebrar a paz. quando vagos. crie ou extinga órgão público). expedindo 4 . só poderá ser processado se a Câmara dos Deputados autorizar (por dois terços de seus membros). extingui-los. conceder indulto ou comutar penas. São crimes de responsabilidade todos aqueles atos que atentem contra a Constituição. prover os cargos públicos e.  Decretar Estado de Defesa.  Prestar contas ao Congresso. Em se tratando de crimes comuns (previstos no Código Penal). Marinha e Aeronáutica). a extinção de cargos públicos.  Declarar. Vetar projetos de lei. por fim. ao Procurador-Geral da República ou ao Advogado-Geral da República as atribuições de expedir decretos sobre a organização da administração federal. o Presidente da República será julgado pelo Senado. Ministros do Tribunal de Contas e o Presidente e Diretores do Banco Central. que serão posteriormente votados no Congresso Nacional. MINISTROS DE ESTADO Os Ministros de Estado terão a função de auxiliar o Presidente da República.  Nomear os Ministros do Supremo e dos Tribunais Superiores. será ele julgado pelo Supremo Tribunal Federal. Nas hipóteses de crime de responsabilidade.  Exercer o comando supremo das Forças Armadas (Exército. . Procurador-Geral da República.  Celebrar tratados internacionais. Caso o Presidente da República cometa algum crime. orientando os órgãos da administração relacionados à sua área de atuação. quando esses estiverem vagos. Governadores de Território. Estado de Sítio e Intervenção Federal.  Editar decretos sobre a organização e o funcionamento da Administração federal (desde que não aumente despesa. por decreto.

além de tratar de quaisquer questões relevantes para a estabilidade das instituições democráticas. adquirida. propor medidas que visem uma melhor defesa do território nacional. exercendo seu poder de iniciativa. aplicando a lei e todas as fontes de direito. e praticando os demais atos que lhes sejam designados. Lei Orgânica da Magistratura). CONSELHO DA DEFESA Esse conselho também será um órgão de consulta do Presidente. Competirá a esse conselho: opinar sobre as declarações de guerra e de paz. só por sentença judicial transitada em julgado será declarada a perda do cargo. O Supremo Tribunal Federal. não se subordina a nenhum outro poder. após dois anos de atividade. Serão escolhidos pelo Presidente da República. Constitui requisito para o vitaliciamento a 5 . CONSELHO DA REPÚBLICA Trata-se de um órgão de consulta superior do Presidente. Por conta disso. São elas:  Vitaliciedade. Os juízes possuem determinadas garantias que visam dar-lhes a segurança necessária para que exerçam sua atividade de forma justa. Com essa garantia. por fim. estado de defesa e estado de sítio. órgão de cúpula do Poder Judiciário.  PODER JUDICIÁRIO Caberá ao Poder Judiciário. dentre quaisquer brasileiros com mais de vinte e um anos de idade e que detenham seus direitos políticos. poderá. solucionar conflitos existentes na sociedade ou conflitos entre os próprios poderes. sem se preocupar com pressões. propor o Estatuto da Magistratura (esse estatuto é a LOMAN. pelos juízes concursados. que terá a função de se pronunciar sobre intervenção federal. com a diferença de que tratará das questões relativas à soberania nacional e à defesa do Estado. . . com o propósito de garantir a independência nacional e a defesa do Estado Democrático. ele mesmo elabora seus orçamentos. O Judiciário É AUTÔNOMO. opinar sobre a intervenção federal.decretos e resoluções. o estado de defesa e o estado de sítio e.

 Dedicar-se à atividade político-partidária.  Irredutibilidade de subsídio (remuneração).  Conselho Nacional de Justiça. o Conselho Nacional de Justiça e os Tribunais Superiores terão sede em Brasília. nos três anos após a sua aposentadoria ou exoneração.  Exercer a advocacia.  Receber auxílios ou contribuições de pessoas físicas ou entidades públicas ou privadas.  Tribunais e Juízes Militares. salvo o de professor. ESTRUTURA DO PODER JUDICIÁRIO O Poder Judiciário é formado pelos seguintes órgãos:  Supremo Tribunal Federal. por voto de dois terços. . junto ao Tribunal ou juízo no qual atuou.  Tribunais Regionais Federais e Juízes Federais.  Inamovibilidade.  Tribunais e Juízes Eleitorais. em razão do interesse público.  Superior Tribunal de Justiça. Aos magistrados É PROIBIDO:  Exercer outro cargo público. salvo os casos previstos em lei.participação em curso oficial ou reconhecido pela escola nacional de formação e aperfeiçoamento de magistrados. salvo se o Tribunal assim decidir.  Tribunais e Juízes dos Estados e do Distrito Federal e Territórios.  Receber dinheiro ou outra vantagem por conta dos processos.  Tribunais e Juízes do Trabalho. que garante a impossibilidade de se diminuir a quantia recebida pelos juízes em virtude do seu trabalho. O Supremo Tribunal Federal. 6 . que significa que o magistrado não pode ser lotado em outra localidade sem que haja o seu consentimento. É inerente à atividade judiciária a autonomia administrativa e financeira. O Supremo Tribunal Federal e os Tribunais Superiores têm jurisdição (poder de dizer o direito) em todo o território nacional.

pelo menos. sendo que o que uma decidir será revisto pela outra. Assim sendo. os tribunais têm a função maior de revisar os julgados das sentenças dos juízes. Quase sempre há a possibilidade de revisão por um órgão superior a este. ou seja. sendo. também cabe ao Legislativo a fiscalização e o controle dos atos do Executivo. dez anos de carreira. função esta exercida com apoio do Tribunal de Contas. determina a Constituição que um quinto das vagas dessas cortes é reservado a membros do Ministério Público e Advogados. que se compõe da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. composto por duas câmaras. Dessas atribuições destacam-se as 7 .  PODER LEGISLATIVO O Poder Legislativo federal é bicameral. por meio de decretos. legislar. Existem dois tipos de competências previstas para o Congresso Nacional: O primeiro tipo de competência trata-se da COMPETÊNCIA LEGISLATIVA. julgam os recursos interpostos de sentença dos juízes de primeiro grau. O segundo compõe as COMPETÊNCIAS DELIBERATIVAS do Congresso Nacional. quais seja. cada qual com seus regimentos internos próprios. Não há hierarquia entre as casas. que se referem aos atos que o Congresso Nacional irá exercer sem a necessidade de sanção do Presidente da República. Por conta de sua importância. Os Tribunais Regionais Federais e os Tribunais de Justiça são os órgãos de segunda instância do Poder Judiciário. exercido pelo Congresso Nacional. Esse é o chamado “quinto constitucional”. O Congresso Nacional é um órgão que representa o Poder Legislativo. Esse dispositivo demonstra que cabe ao Congresso dispor sobre aquelas matérias tidas como de competência legislativa da União. Cabe ao Poder Legislativo a função precípua de elaborar leis. ambos com. a Câmara dos Deputados e o Senado Federal. As decisões dos juízes (sentenças) não são absolutas. portanto. sujeitas à sanção presidencial. ou seja.consubstanciada na capacidade de elaborar seus próprios orçamentos e gerenciá-los. Além dessa função. sendo formado pelo conjunto de duas casas. que será exercida visando à formação de leis.

49. A Constituição cita as competências privativas da Câmara dos Deputados (art. O art. A CÂMARA DOS DEPUTADOS compõe-se de representantes do povo. • Autorizar o Presidente a declarar guerra ou celebrar a paz. respeitando-se o limite mínimo de oito e o máximo de setenta Deputados Federais por Estado. 51). segundo o qual o número de deputados varia de acordo com a população do Estado. • Julgar. 52 da Constituição Federal de 1988 enumera as atribuições do Senado Federal. sendo as principais: • autorizar a instauração de processo contra o Presidente da República. O SENADO é a casa legislativa que representa os Estados. Cada Estado e o Distrito Federal elegem três senadores. CF/88): • Resolver sobre tratados internacionais que resultem em encargos ao patrimônio nacional. • elaborar seu regimento interno. • eleger membros do Conselho da República. sendo que. • Escolher dois terços dos membros do Tribunal de Contas da União. sendo que as principais são: • processar e julgar o Presidente da República e o Vice-Presidente da República nos crimes de responsabilidade (quando um Ministro de Estado ou Comandante das Forças Armadas praticar um crime conexo com o Presidente da República e Vice- 8 . • dispor sobre sua organização e seus servidores. eleitos pelo sistema proporcional. as contas prestadas pelo Presidente da República. anualmente. ao invés de seguir o sistema proporcional. segue o princípio majoritário. • Autorizar o Presidente a se ausentar do país por um período superior a 15 dias. • Autorizar referendo e convocar plebiscito.seguintes (art.

COMPOSIÇÃO DAS MESAS Cada órgão terá sua mesa. A Constituição determina que o Presidente do Senado Federal irá presidir a mesa do Congresso Nacional. as deliberações serão tomadas por maioria simples. exigindo-se.Presidente. pelos devidos ocupantes das mesas do Senado Federal e da Câmara dos Deputados. • elaborar seu Regimento Interno. presente a maioria absoluta dos membros da casa. • estabelecer limites globais para a dívida dos Estados. • processar e julgar os Ministros do Supremo Tribunal Federal. maioria absoluta para cassar mandato 9 . . Distrito Federal e Municípios. é necessário quorum qualificado. também é julgado pelo Senado. • aprovar a escolha de alguns magistrados. por exemplo. os membros do Conselho Nacional de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério Público. • eleger membros do Conselho da República. ao invés de ser processado junto ao Supremo Tribunal Federal). Ministros do Tribunal de Contas da União. que seguirão algumas regras previstas na própria Constituição. A Câmara dos Deputados. o Procurador-Geral da República e o Advogado-Geral da União nos crimes de responsabilidade. • dispor sobre sua organização e seus servidores. Procurador-Geral da República. o Senado Federal e o Congresso Nacional terão Regimentos Internos próprios. Uma das principais garantia de independência do Poder Legislativo é a capacidade de auto-organização das casas legislativas. e os demais lugares serão ocupados alternadamente. eleita dentre seus membros para mandato de dois anos. . Em casos excepcionais. QUORUM PARA DELIBERAÇÃO Via de regra.

As sessões legislativas são divididas em dois períodos. com formação e competências próprias. por sua vez. que são exemplos de maiorias qualificadas. COMISSÕES PARLAMENTARES O Congresso Nacional e suas casas possuirão comissões. CF/88). 50.Convocar Ministros de Estado para prestarem informações (vide art. . . compreendendo quatro sessões legislativas (uma a cada ano). As comissões poderão: . . salvo se existirem medidas provisórias. o primeiro de 15 de fevereiro a 30 de junho e o segundo de 1º de agosto a 15 de dezembro. convocadas pelo Presidente do Senado nos casos de intervenção federal. sejam quais forem. estado de defesa ou estado de sítio e convocadas pelo Presidente da República. serão decididas apenas as matérias para as quais foram convocadas.Solicitar depoimentos. Essas comissões se dividem em permanentes e temporários. Pode haver sessões legislativas extraordinárias no período de recesso. Nessas sessões. do Senado ou da Câmara em caso de extrema urgência. que serão automaticamente inseridas na pauta de votação.parlamentar. . 10 . maioria de dois terços da Câmara dos Deputados para autorizar instauração de processo por crime de responsabilidade. Exige-se. .Votar matérias que dispensem a apreciação do plenário. SESSÕES LEGISLATIVAS Cada legislatura dura quatro anos. exonerar ou aprovar o Procurador-Geral da República e aprovar nomes indicados para Ministro do Supremo Tribunal Federal. Os permanentes possuirão a mesma formação durante a legislatura e tratarão de assuntos predeterminados. três quintos para aprovar Emenda Constitucional e dois quintos para cancelar concessão de rádio e TV. As comissões temporárias serão constituídas por tempo determinado para tratarem de matérias específicas.Receber reclamações de entidades públicas. aprovar lei complementar.

.Apreciar planos e programas nacionais ou regionais. salvo em caso de flagrante delito de crime que não admita fiança). função ou patrocinar causa relativa às empresas anteriormente citadas. diretor. Quem propõe? 11 . Além disso. autarquia. PRERROGATIVAS PARLAMENTARES (Estatuto dos Congressistas) Os parlamentares (Deputados e Senadores) possuem certas garantias que visam darlhes a devida proteção no exercício de sua função. . ocupar cargo. não podendo ser responsabilizado por suas palavras. a população diz se quer ou não que ele seja aprovado. função ou emprego remunerado em pessoa jurídica de direito público. As principais dessas garantias são as IMUNIDADES. etc. São elas: a Comissão Representativa e as Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI’s).) e Imunidade Formal (parlamentar terá de ter seu processocrime sustado por sua casa legislativa. o parlamentar não pode ser preso. Ser titular de mais de um cargo público eletivo). quando da POSSE (Ser proprietário. a pedido de seu partido político ou da maioria dos seus membros. INCOMPATIBILIDADES As incompatibilidades (situações que impossibilitam sua investidura no cargo) dos deputados e senadores são apuradas em dois momentos: em primeiro lugar. 4.DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PLEBISCITO O plebiscito é a convocação dos eleitores do país a aprovar ou rejeitar questões relevantes antes da existência de lei ou do ato administrativo. em virtude dessa imunidade. votos. Assim. empresa pública. sociedade de economia mista ou empresa concessionária de serviço público) e. A Constituição estipula duas comissões que terão um papel extremamente importante nas atividades do Congresso Nacional. em segundo lugar. na EXPEDIÇÃO DO DIPLOMA (Manter contrato ou exercer cargo. . que se classificam em Imunidade Parlamentar Material (o parlamentar não comete crime de opinião.

que passa por dois turnos de votação em cada Casa. a implementação das decisões deve ocorrer por meio dos instrumentos legislativos adequados. os deputados já teriam aprovado o texto da reforma política. deve ser aprovada uma PEC (proposta de emenda à Constituição. e não como uma "ordem" da população aos deputados. Há divergência. Na Câmara. Depois de feitas as escolhas. Resultado Nesse caso. o resultado da consulta é levado para o Congresso.A competência para propor é do Congresso quando se tratar de questões de relevância nacional. no entanto. exigindo aprovação de 3/5 dos deputados (308) e 60% dos senadores (49)). com tempo de rádio e TV e possibilidade de distribuição de panfletos. cabendo ao povo ratificar ou rejeitar a proposta. Como funciona Da mesma forma que o plebiscito. Como funciona É convocado por decreto legislativo da Câmara ou do Senado. Quem propõe? Da mesma forma que o plebiscito. A medida deve ser aprovada em cada uma das Casas por maioria absoluta (metade mais um de todos os parlamentares). O referendo pode ser convocado em trinta dias a partir da lei ou medida administrativa. o resultado do plebiscito poderia ser interpretado apenas como uma consulta. e assim por diante. o resultado é homologado pelo Tribunal Superior Eleitoral. sobre se o resultado do plebiscito teria que ser seguido pelo Congresso. No Senado. 41. Se mudar a Constituição. Caberia aos parlamentares aprovar detalhes da reforma política que não tenham sido incluídos no plebiscito. Resultado Se a população for a favor. Se for o Código Eleitoral. lei complementar. Para alguns juristas. REFERENDO O referendo também é uma consulta popular. 12 . porque não há previsão expressa na Constituição sobre isso. por exemplo. com proposta que deve ser assinada por no mínimo um terço dos deputados (171) ou de um terço dos senadores (27). Depois da votação. O processo ocorre como numa campanha eleitoral. mas ele é convocado depois que o ato já foi aprovado. são necessários 257 votos favoráveis.

É o que aconteceu na Lei da Ficha Limpa. dizendo o que realmente quer. 5. O Congresso poderia começar um novo processo. . o que. Não deve o Brasil obedecer a ordens de quaisquer outros países. é apresentado um projeto de lei sobre determinado assunto. ela não entra em vigor. e não menos de 0. e novamente submeter ao crivo popular por referendo. A população diria se concorda ou não. DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA Significa que todos terão direito a serem tratados de forma digna.PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA CF/88 . 1% do eleitorado nacional. no mínimo. Além disso. alterando os temas rejeitados. soberania também significa a capacidade de estabelecer as divisões internas de competência. Por sua vez.condicionando sua aprovação definitiva à consulta popular. esse princípio corresponde a uma série de direitos e deveres reservados àqueles que detêm a capacidade eleitoral ativa e passiva. distribuído por pelo menos por cinco Estados. respeitosa e honrosa. INICIATIVA POPULAR É a outra forma de participação direta da população prevista na Constituição Federal. que tramitou e foi aprovada por pedido da população. A SOBERANIA NACIONAL determina a não-sujeição de um País a qualquer ordem que não derive de seu governo. quer dizer poder de votar e ser votado. sendo direta quando o povo o faz sem intermédio. como no plebiscito ou na iniciativa popular de leis. Por meio dela. como a proibição de tortura. será indireta quando exercida por meio de representantes eleitos democraticamente. assinado por. em outras palavras. Tal princípio traz uma série de reflexos. de 13 . Se discordar. CIDADANIA Em primeira análise. SOBERANIA Esse princípio subdivide-se em nacional e popular (direta e indireta). por exemplo.3% dos eleitores de cada um deles. Já a SOBERANIA POPULAR é aquela que o povo exerce. . não deve se subordinar a nenhum outro organismo internacional.

Por sua vez. pois se colocam em defesa dos direitos. 6. as garantias são acessórias. livre e igual de todas as pessoas. pois apenas imprimem existência legal aos direitos reconhecidos. . as 14 . os Direitos e Garantias funcionam como freios e limitadores ao poder do Estado frente às pessoas. vários grupos políticos. por si só. . limitando o poder do Estado ou de outra pessoa. enfim. a defesa da livre iniciativa visa impedir que algum grupo monopolize o mercado. o constituinte busca proteger o trabalhador das arbitrariedades. mas também os valores sociais do trabalho. PLURALISMO POLÍTICO Significa que poderão existir várias concepções.DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS Também conhecidos como Liberdades Públicas. dos trabalhos indignos. etc. várias idéias. certos bens e vantagens prescritos na norma constitucional. São as disposições assecuratórias. da despedida arbitrária. São também conhecidas como disposições meramente declaratórias. bem como de uma pessoa contra outra. de penas de morte. Enquanto os direitos identificam-se pelo caráter declaratório e enunciativo. VALORES SOCIAIS DO TRABALHO E A LIVRE INICIATIVA Ao se respeitar não só os valores econômicos. GARANTIAS destinam-se a assegurar a fruição desses bens. uma série de garantias que valorizem o trabalhador na sociedade e não que o tratem como mera mercadoria. que significam alcançar o maior lucro possível em menor tempo. Direitos Humanos.penas perpétuas. usando de seu poderio econômico para impedir novas iniciativas de empresas de menor porte. DIREITOS são prerrogativas legais que visam concretizar a convivência digna. Os direitos são principais. Representam. mesmo que contrários às idéias do governo.

Direitos Sociais (art. 5º). os de 15 . 3. à saúde. à greve. Inspiraram-se no direito à liberdade. a paz no mundo. Direitos Individuais (art. não requer abstenção do Estado. Direitos Coletivos (art. mas lhe estabelece obrigações. São denominados direitos negativos.garantias caracterizam-se pelo seu caráter instrumental. Direitos Políticos (art. o desenvolvimento econômico dos países. Buscam a satisfação das carências coletivas do ser humano. Inspiraram-se no direito à igualdade. e também os direitos econômicos e culturais. DIREITOS DE SEGUNDA GERAÇÃO São os direitos sociais. Enquanto os direitos de primeira geração se voltam para a individualidade e os de segunda para a coletividade. . . 5º) 2. 14 a 17)  CLASSIFICAÇÃO DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS DIREITOS DE PRIMEIRA GERAÇÃO São os direitos de defesa do indivíduo perante o Estado. turbar a propriedade ou praticar prisões indevidas.  DIREITOS FUNDAMENTAIS 1. DIREITOS DE TERCEIRA GERAÇÃO Surgiu com a necessidade do preservacionismo ambiental. pois. pois exige do Estado um comportamento de abstenção.) 4. à liberdade e à propriedade. etc. 193 e seg. tais como o direito ao trabalho. consagrando as liberdades públicas (direitos civis) e os direitos políticos. 12) 5. Direitos à Nacionalidade (art. 6º a 11 e art. à educação. São denominados de direitos positivos. evitando atentar contra a vida. garantindo o direito à vida. diferentemente dos de primeira geração.

por exemplo. mas nunca a sua renuncia. Se forem sempre exercíveis e exercidos. 1. . 1. Universalidade .Não são absolutos. quando. Há uma limitação recíproca de um para com o outro. o jornalista transmite uma notícia (direito de informação) e. são indisponíveis.Destinam-se a todos os seres humanos.Pode ser exercida cumulativamente. 1. Nessas hipóteses cabe ao magistrado ou intérprete decidir qual direito deverá prevalecer. Imprescritibilidade .Prescrição é um instituto jurídico que somente atinge a exigibilidade dos direitos personalíssimos.  CARACTERISTICAS DOS DIREITOS FUNDAMENTAIS 1. Levam em conta que o ser humano é inserido em uma coletividade e passa a ter direitos de solidariedade (ou fraternidade). juntamente. 16 .terceira visam os interesses difusos. pois são passíveis de conflitos com outros direitos.O que pode ocorrer é o seu não-exercício. emite uma opinião (direito de opinião). DIREITOS DE QUARTA GERAÇÃO Apontam para os avanços da engenharia genética que terminam por colocar em risco a própria existência humana. Irrenunciabilidade . 1. que se encontre em solo brasileiro. Concorrência . levando em conta o princípio maior a ser preservado. não há intercorrência temporal de não exercício que fundamente a perda da exigibilidade pela prescrição. Inalienalibilidade . indiscriminadamente. Limitabilidade .Como são conferidos a todos. 1. não se podendo aliená-los por não possuírem conteúdo econômicopatrimonial.

de reunião (inciso XVI). o direito de locomoção (incisos XV e LXVIII). Assim dispostos. já que. de associação (incisos XVII A XXI). cujos objetivos imediatos são a vida. se refere à proteção do direito à vida. a proibição da pena de morte (inciso XLVII). a saúde. a segurança ou o patrimônio de outrem. são direitos que visão assegurar a propriedade. de propriedade artística. VI. o lazer. em matéria penal (incisos XXXVII a LXVII). são de cinco categorias. Esse laço impõe muitos direitos e muitos deveres àqueles que o integram. de profissão (inciso XIII). 5°. Estes últimos são “decorrentes do regime e dos princípios por ela adotados. a igualdade. a proteção à dignidade humana (inciso III). hereditária (XXX e XXXI). por sua vez. dos direitos subjetivos em geral (inciso XXXVI). a educação. VIII e IX). caput e inciso I) constitui proteção ao direito à igualdade. são direitos que visão assegurar a segurança. Os explícitos.  DIREITOS SOCIAS Dedica à constituição um capítulo inteiro aos direitos sociais.  DIREITOS À NACIONALIDADE Nacionalidade é o laço de caráter político e jurídico que liga um indivíduo a um determinado estado. Existem 17 . a segurança. a previdência social. apresentarem-se como marcos perenes a obstacularem injusta investida do Estado ou de outro particular contra a liberdade. literária e científica (incisos XXVII a XXIX). VII. DIREITOS INDIVIDUAIS E COLETIVOS O rol de direitos e garantias individuais e coletivos baliza e estrutura o convívio social. enquanto do domicílio (inciso XI). quais seja. a liberdade. a segurança e a propriedade. de pensamento (incisos IV. o trabalho. ou dos tratados internacionais em que a República Federativa do Brasil seja parte”. por serem consagrados constitucionalmente. de ação (inciso II). a moradia. já o princípio da isonomia (art. a proteção à maternidade e à infância e a assistência aos desamparados. Tais direitos são constituídos de direitos explícitos e implícitos. além de. e a propriedade em geral (inciso XXII). o objeto mediato de todas é sempre a liberdade. são direitos que visam assegurar a liberdade. de forma a qualificá-lo como parte integrante do povo. ao mesmo tempo.

. bastando que se concretize a vontade de estabelecer residência) e ainda. . que é aquele determinado pelo local de nascimento. pelo sangue. 3º caso: .Nascidos no Brasil.Mesmo que de pais estrangeiros. 2º caso: .Nascidos no estrangeiro. quando a aquisição se dá pela descendência. o filho de uma diplomata brasileira a serviço em cuba.duas espécies de nacionalidade: .Nascidos no estrangeiro. aquela que resulta do nascimento. desde que ambos não estejam a serviço de seu país de origem. a que se adquire após o nascimento.Secundária ou adquirida. ficando 18 . A jurisprudência do STF diz que nesse caso a nacionalidade é primária. . PRIMARIA No Brasil. ou pelo “ius sanguinis”. A nacionalidade primária pode ser estabelecida pelo “ius soli”. a constituição denominou natos aqueles brasileiros que adquirem a nacionalidade primária. pois existe desde o nascimento.Primária ou originária. Por exemplo. de pai ou mãe brasileiro (não importa se nato ou naturalizado). de pai ou mãe brasileira. a serviço do Brasil. b) Optem pela nacionalidade brasileira (essa opção só poderá ser exercida após seja atingida a maioridade perante um juiz federal). São brasileiros natos: 1º caso: . ou seja. a) Venha morar no Brasil (não há limite de tempo. desde que.

salvos os 19 . desde que Portugal assim proceda com os brasileiros lá residentes. . . SECUNDÁRIA Existem duas formas de se adquirir a nacionalidade brasileira.Residentes no Brasil há pelo menos quinze anos.Estrangeiros originários de país de língua portuguesa. . São brasileiros naturalizados: 1º caso (naturalização ordinária): .apenas sujeita a uma condição para o seu implemento.Estrangeiros de qualquer nacionalidade. tenha uma conduta moralmente correta perante a sociedade.). 2º caso (naturalização extraordinária): . não importando o tempo que aqui residam.Residam a pelo menos um ano. etc. Essa é a chamada quasenacionalidade.Idoneidade moral. sem interrupção. . no Brasil (não configura interrupção. . por exemplo. Não poderá haver distinções entre brasileiros natos e naturalizados.Requeiram a naturalização. uma viagem de férias. .Não possuam condenação penal. ficando o estado brasileiro obrigado a concedê-la caso todos os requisitos estejam preenchidos. O primeiro caso de naturalização depende de um ato discricionário do presidente da república. Aos portugueses residentes no Brasil serão atribuídos os mesmos direitos reservados aos brasileiros. enquanto o segundo caso configura um direito subjetivo do estrangeiro. ou seja. que não abrange o acesso aos cargos privativos de brasileiros natos. sem interrupção.

que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente. secreto. o que nos leva a pensar que podemos um dia vir a ter uma emenda constitucional que institua o voto facultativo para todos. por exemplo. A soberania popular é exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto. as restrições quanto à propriedade de empresas de comunicação social e os cargos privativos de brasileiros natos. . 89. Segundo o art. . como. as possibilidades de extradição dos brasileiros natos. 1°. A atuação política é um direito público subjetivo que confirma a opção feita no parágrafo único do art.DIREITOS POLÍTICOS Esta parte da constituição prevê uma série de regras destinadas a delimitar a forma de atuação do indivíduo nas decisões do estado. § 4°. .Presidente e Vice-presidente da República. Outras formas de exercício da soberania 20 .Presidente da Câmara dos Deputados.Presidente do Senado Federal. nos termos desta constituição”. . . . VII) 7. universal e periódico é cláusula pétrea. com valor igual para todos. o voto direto. São cargos privativos. Aquele que se enquadra dentro dos requisitos impostos pela constituição para atuar ativamente na vida política do país recebe a denominação “cidadão”.previstos na constituição.Carreira Diplomática. de um regime político democrático onde “o poder emana do povo. ou seja. reservados apenas aos brasileiros natos: .Oficial das Forças Armadas .Ministro de Estado da Defesa.Ministro do Supremo Tribunal Federal. algo que não pode ser extinto da constituição. 60. Cabe ressaltar que não é cláusula pétrea o voto obrigatório. ou seja.Membros do Conselho da República (art.

 UNIÃO A União. ou seja. o referendo e a soberania popular.ORGANIZAÇÃO POLÍTICO-ADMINISTRATIVA Do ponto de vista político-administrativo. VEDAÇÕES Nenhum dos entes políticos anteriormente citados pode: 1º) Estabelecer. ao contrário do referendo. sendo todos os entes autônomos. DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS. estadual ou municipal. em detrimento do restante do povo. A grande diferença entre o plebiscito e o referendo é que naquele o estado primeiro pergunta ao cidadão e depois age. que será votado pelo congresso nacional. salvo se provada alguma irregularidade. uma certidão de nascimento ou uma escritura de imóvel. possuem capacidade de auto-organização. portanto. patrocinar. . pelas assembleias legislativas ou pela câmara municipais de vereadores. 8. a República Federativa do Brasil se divide em UNIÃO (não confundir com governo federal). qualquer órgão da administração negar validade a um documento público. auto-governo e de auto-administração. A iniciativa popular de lei é uma forma de os cidadãos iniciarem um projeto de lei. impedir o funcionamento e/ou criar dependência a cultos religiosos ou igrejas. o que significa que se presumem verdadeiros os dados neles constantes. como. 2º) Recusar fé a documentos públicos. Os documentos públicos são dotados de presunção de legitimidade. por exemplo. 3º) Criar regras que estabeleçam privilégios para alguns brasileiros.popular são o plebiscito. respectivamente. ente político dotado de autonomia. Não pode. conforme a iniciativa seja de ato legislativo federal. ESTADOS. ou entre os entes autônomos entre si. Tanto o plebiscito quanto o referendo são formas de perguntar aos cidadãos o que eles pensam sobre determinada opção política do estado. constitui uma pessoa jurídica de 21 . em que primeiro o estado age e depois questiona os cidadãos se eles aceitam determinado ato.

22 . como manter relações com outros Estados ou declarar guerra e celebrar a paz. as competências LEGISLATIVAS. definidas em lei. dividiram-se as competências em dois grupos. quais sejam as competências ADMINISTRATIVAS. mas a titularidade da soberania continua com a República Federativa do Brasil. COMPETÊNCIAS A Constituição Federal de 1988 determinou as competências da União. de forma a estipular sua área de atuação tanto na área administrativa como na legislativa. II. os potenciais de energia hidráulica. sirvam de limites com outros países. as ilhas fluviais e lacustres nas zonas limítrofes com outros países. inclusive os do subsolo. . . e. por fim. os bens da União. 26. em seu art.direito público interno com função político-administrativa em todo o território nacional. os terrenos de marinha e seus acrescidos. que são: os que atualmente lhe pertencem e os que lhe vierem a ser atribuídos. por fim. bem como os terrenos marginais e as praias fluviais. Em alguns momentos. que são as áreas que a União poderá disciplinar por meio de leis elaboradas pelo Legislativo Federal. as terras devolutas indispensáveis à defesa das fronteiras. representado pelo Congresso Nacional. rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio. os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva. Essa é uma enumeração exemplificativa. o mar territorial. as ilhas oceânicas e as costeiras. enquanto a segunda. Não devemos confundir a União com a República. os recursos minerais. já que a primeira é dotada de mera autonomia. ou que banhem mais de um Estado. Dessa maneira. das fortificações e construções militares. as cavidades naturais subterrâneas e os sítios arqueológicos e pré-históricos e. não impedindo que a União venha a adquirir outras modalidades de bens. ou se estendam a território estrangeiro ou dele provenham. as praias marítimas. das vias federais de comunicação e à preservação ambiental. que são aquelas tarefas que o governo executará na condição de gerente das contas públicas. as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios. excluídas destas as áreas referidas no art. de soberania. 20. a União exerce funções de soberania. os lagos. BENS DA UNIÃO A Constituição Federal determinou.

Além.O Governador não pode assumir outro cargo ou função pública. são entes políticos dotados de autonomia.As eleições serão realizadas no primeiro domingo de outubro e no último. caracterizada por três elementos: . .Administração Devemos ressaltar que a competência dos Estados se define como remanescente. .Governo . é claro. permitida a reeleição apenas uma única vez. Um exemplo de caso de competência expressa ao Estadomembro é a atribuição de explorar os serviços locais de gás canalizado. Governador e Vice. como analisado na Parte I. .Auto . serão os próprios Deputados Estaduais. no caso. . visto que caberão aos Estados todas as atribuições que a Constituição não proíba.A posse será em 1º de janeiro do ano subseqüente ao da eleição.Auto . . seguindo sempre os preceitos maiores previstos na Constituição. sempre no ano anterior à posse. Os cargos do Executivo (Governador e Vice) seguirão as seguintes regras: . AUTOGOVERNO É a capacidade de escolher seus próprios governantes.O mandato será de quatro anos.Auto . Capítulo III. AUTO-ORGANIZAÇÃO É a previsão de que os Estados estabelecerão suas próprias constituições e suas próprias leis. das competências administrativas comuns e legislativas concorrentes citadas anteriormente. ESTADOS FEDERADOS Os Estados Federados. salvo em virtude 23 . que.Organização . se houver segundo turno. Essa capacidade será exercida primordialmente pelo Poder Legislativo Estadual.

verifica-se a capacidade constitucionalmente instituída. que é a capacidade de 24 . A auto-organização. . fluentes. nas ilhas oceânicas e costeiras. as decorrentes de obras da União. Outro requisito para a criação. incorporados ou desmembrados. Constituem-se bens dos Estados todos aqueles elencados no art. ressalvadas. aglomerações urbanas e microrregiões. Vice e Secretários serão definidos por Lei Estadual.  MUNICÍPIOS Assim como os Estados. Diante disso. autogovernar e auto-administrar. quais sejam: • As águas superficiais ou subterrâneas. excluídas aquelas sob domínio da União. sob pena de perda do mandato.de concurso público. • As ilhas fluviais e lacustres não pertencentes à União. • As áreas. e • As terras devolutas não compreendidas entre as da União. O período em que será possível tal procedimento será definido em lei complementar federal. que estiverem no seu domínio. de Municípios ou de terceiros. incorporação de um Município ou o seu desmembramento é a divulgação de Estudos de Viabilidade Municipal. de organizar regiões metropolitanas. . desde que haja uma lei estadual autorizando tal procedimento e tenha havido um plebiscito (consulta prévia) com a população dos municípios envolvidos. Os municípios podem ser criados. 26 da Constituição Federal de 1988. AUTO-ADMINISTRAÇÃO A capacidade de auto-administração dos Estados é evidente diante da grande função Estadual de administrar recursos e serviços públicos. nesse caso.Os subsídios (remuneração) do Governador. emergentes e em depósito. visando um melhor planejamento. os Municípios possuem plena autonomia. por exemplo. na forma da lei. constituída pela capacidade de se auto-organizar.

Apesar 25 . que será votada em dois turnos. • O Poder Judiciário do Distrito Federal. que. assim como sua Defensoria Pública e seu Ministério Público. nos Municípios. serão organizados e mantidos pela União. irá definir a forma de organização do Município. • É proibida a divisão do Distrito Federal em Municípios (a Lei Orgânica do Distrito Federal. AUTONOMIA. e o Legislativo. ter divisão em Municípios e elegerão quatro Deputados Federais. as suas próprias leis e a Lei Orgânica do Município. portanto. com status de autarquia federal. formada por Deputados Distritais. previstas constitucionalmente. pela Câmara Legislativa. • As eleições seguem as mesmas regras das eleições dos Estados. Poderão ter poderes próprios. Todo Município tem sua Lei Orgânica. determina a divisão do DF em regiões administrativas). inclusive quanto à duração dos mandatos. ACUMULANDO COMPETÊNCIAS ESTADUAIS E MUNICIPAIS. • O Executivo é representado pelo Governador. respeitando a Constituição Federal e a Constituição Estadual respectiva. terá as seguintes características: • Será regido por uma Lei Orgânica. Suas contas serão submetidas ao Congresso Nacional. com um espaço de tempo de pelo menos 10 dias e aprovada por 2/3 da Câmara Municipal.criar normas próprias. • A Câmara Legislativa acumula as competências legislativas dos Estados e dos Municípios.  TERRITÓRIOS Os territórios são meras unidades administrativas. que tem status de constituição estadual.  DISTRITO FEDERAL O Distrito Federal é mais um ente político dotado de autonomia. compreenderá. NÃO POSSUINDO. que.

decretos legislativos e resoluções. dentre elas os próprios parlamentares. o Supremo Tribunal Federal e o povo. no mínimo. Várias são as pessoas que podem dar início ao processo legislativo. A iniciativa popular tem como requisito a assinatura de 1% do eleitorado nacional. INICIATIVA A iniciativa é o ato que dá início ao processo legislativo por meio de um projeto de lei. leis delegadas. 9. Amapá e Roraima) ou foram transformados em Estados. . Várias são as etapas que compõem a atividade legislativa. Temos. sendo que os últimos (Fernando de Noronha. Podem ocorrer três hipóteses: 26 . DF e Territórios. a casa iniciadora e a revisora. o projeto é iniciado na Câmara dos Deputados. cargos públicos e seus regimes jurídicos. distribuído pelo menos por cinco Estados com. vejamos: . medidas provisórias. o Presidente da República. salvo quando sua iniciativa venha de um Senador. a atuação de duas casas na votação do projeto. São elas as que disponham sobre: fixação do efetivo das Forças Armadas e Regime Jurídico dos Militares. Algumas leis só podem ser iniciadas pelo Presidente da República.PROCESSO LEGISLATIVO O processo legislativo corresponde a uma série de atos que visam à confecção das espécies legislativas. quais sejam. Via de regra.3% dos eleitores de cada um deles. criação e extinção de Ministérios e órgãos da administração pública. leis complementares. organização do Ministério Público e Defensoria Pública da União e regras gerais para os Estados. o Procurador Geral da República. organização dos serviços públicos.da previsão constitucional. 0. assim. as emendas constitucionais. atualmente não existem territórios. oportunidade em que a votação será iniciada no Senado. ou incorporados. VOTAÇÃO A discussão e a votação do projeto serão feitas nas duas Casas Legislativas. leis ordinárias.

Existem duas formas de sanção: a expressa e a tácita. Resultado: o projeto é arquivado. publicá-la. a aceitação do Presidente da República. Somente irão para o Presidente os projetos aprovados pelas duas casas. sendo apreciado posteriormente pelo Congresso Nacional. Caberá. dando validade a ela. no entanto. ele também pode. Caso seja parcial. não poderá alcançar somente palavras ou expressões. que é um período de adaptação à nova lei. ao invés disso. 27 . NÃO É ABSOLUTO. definido pelo legislador. inciso ou alínea. ou VACÂNCIA DA LEI. 3ª) Casa iniciadora aprova e casa revisora emenda. Resultado: o projeto é encaminhado ao presidente para a sanção. à autoridade que promulgou a lei. PUBLICAÇÃO Com a publicação da lei. ou seja. considerar-se-á que ele o aceita. aplicada ao projeto de lei.1ª) A casa iniciadora e a casa revisora aprovam. vetar. total ou parcialmente. 2ª) Casa iniciadora aprova e casa revisora desaprova. ocorrerá a sanção tácita. . . ou seja. O veto. que poderá derrubar esse veto desde que assim o entenda por maioria absoluta de seus membros. Resultado: o projeto é reencaminhado à casa iniciadora para a votação das emendas. se houver. é chamado de VACATIO LEGIS. parágrafo. PROMULGAÇÃO A promulgação é o ato que declara a existência da lei. mas deverá abolir por completo um artigo. . O Presidente terá quinze dias para sancionar expressamente sua aquiescência ao projeto. recusar o projeto. . caso não o faça. SANÇÃO Sanção significa a concordância. VETO Nos quinze dias de que o Presidente dispõe para sancionar. dá-se a ciência à sociedade da existência e do conteúdo. O espaço de tempo entre a publicação e a vigência.