2ª JORNADAS DA ESPECIALIZAÇÃO EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO

ENGENHARIA CIVIL – OS NOVOS DESAFIOS
O PAPEL DA CONSTRUÇÃO NO FUTURO
Índice:
Onde Estamos
Europa 2020 e Crescimento da Construção em Portugal
Internacionalização como Realidade Permanente

RICARDO PEDROSA GOMES
Presidente da AECOPS, da FEPICOP e Vice-Presidente da FIEC
Ordem dos Engenheiros – 30 de Outubro 2014

Onde Estamos EVOLUÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS DA CONSTRUÇÃO NO EXTERIOR Em Crise Profunda no Mercado Interno O sector perdeu cerca de 340 mil empregos desde o início da crise Em Expansão Acelerada nos Mercados Externos Evolução do Volume de Negócios no Exterior Evolução dos Novos Contratos no Exterior A crescer 18% ao ano A crescer 13% ao ano .

EUROPA 2020 E CRESCIMENTO DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL ENTRE 2015 .2020 Oportunidades a Explorar 1 Centralidade Atlântica Redes Transeuropeias Transportes Energia Telecomunicações 2 4 Impulso Europeu ao Investimento Pacote de Investimento Junckers 2015 3 Economia Verde Cidades Reabilitação Urbana Cidades Inteligentes 2020 Alterações Climáticas Eficiência Energética Energias Renováveis Água Resíduos .

Novos Desafios – Novas Soluções Como encontrar novas formas de financiamento? Como atrair capital e Investidores internacionais? Como financiar os investimentos sem aumentar a dívida do Estado e dos privados? Alternativas a Explorar Fundos Comunitários de Gestão Direta: → Mecanismo Interligar Europa (MIE) → “Incentivos Junckers” Financiamento Externo: →Acesso aos mercados internacionais →Novos instrumentos financeiros →IDE – Investidores Institucionais .O PROBLEMA ESTÁ NO FINANCIAMENTO Contexto interno desfavorável Elevado nível de Endividamento: (Estado – Empresas – Famílias) Limites ao Investimento Público Crise do Sistema Bancário Má Notação do País nos Mercados Internacionais Financiamento bloqueado Impossibilidade de aproveitar as oportunidades para o relançamento da construção no período 2015 -2020 sem encontrar novas fontes de financiamento e novos investidores.

Acesso Mercados Financeiros + Fundos Comunitários .2020 .4 Cenários Alternativos Cenário A (.Acesso Mercados Financeiros 3 Mil Milhões de Euros 5 Mil Milhões de Euros .Fundos Comunitários .-) Cenário D (+ -) “Menos do Mesmo” “Mais do Mesmo” .Plano Investimentos em Construção 2015 .+) “Improvável” .Fundos Comunitários + Acesso Mercados Financeiros 10 Mil Milhões de Euros Acesso Mercados Financeiros Importância da Estratégia num Contexto de Financiamento Escasso Cenário B (+ +) “Oportunidade Europeia” + Fundos Comunitários + Acesso Mercados Financeiros 30 Mil Milhões de Euros Fundos Comunitários Cenário C (.

2020 Pilares e Fontes de Financiamento do Plano Visão Global Mais Fundos Comunitários Economia Verde 5 15 Centralidade Atlântica Redes Transeuropeias Mecanismo Interligar Europa 30 Mil Milhões Euros “Portugal 2020” IDE Pacote Junckers 5 Cidades 5 Impulso Europeu ao Investimento Mais Acesso aos Mercados Internacionais Plano de Investimento em Construção dinamizado por Fundos Comunitários e Financiado por Investidores Internacionais com Apoio e Garantias da União Europeia .Como Beneficiar da “Oportunidade Europeia”? O Cenário B (+ +) Plano de Investimentos Construção 2015 .

Utilizar os instrumentos financeiros comunitários para aceder aos mercados financeiros. . Portugal necessita de lutar pelo acesso aos fundos e ao investimento: .0 26. Mas as regras europeias mudaram: . Redes Transeuropeias (RTE’s) Transportes (RTE-T) Energia e Telecomunicações Total das RTE’s Investimento Fundos Comunitários (MIE) 500. .Os fundos deixaram de ser distribuídos pelos Estados Membros.9 970.Em concorrência direta com os restantes Estados Membros e pelos investidores globais. Os resultados dependem dos Projetos e da Estratégia Nacional Podem variar entre 0 e 15 mil milhões de euros .2 De acordo com o princípio da proporcionalidade Portugal seria o destinatário de cerca de 15 mil milhões de euros deste pacote europeu de investimentos.2 mil milhões de euros.Como Beneficiar da “Oportunidade Europeia”? Exemplo Prático: Como aceder aos Fundos Comunitários das Redes Transeuropeias? O que está em causa? Um volume de investimento global de um trilião de euros até 2020 em redes transeuropeias e fundos comunitários de 33. .Os fundos são concebidos como alavanca para o financiamento nos mercados internacionais.0 6.Os privados passam a poder candidatar-se diretamente com o apoio dos Estados.3 470.0 Unidade: Milhares de Milhões Euros 33.

Promova os investimento juntos dos potenciais investidores e estabeleça relações estratégicas com os grandes investidores institucionais. atrair investidores 1. Criação de uma Agência de Investimento Uma Agência de Investimento que: Defina prioridades. nos próximos seis anos necessita de aprender a lutar por incentivos comunitários e pelo financiamento dos projetos nos mercados financeiros internacionais. Atraia investimento e investidores. identificar consórcios. 2. com base numa articulação entre o Estado e as Empresas. . montar Definir prioridades. a economia portuguesa habituou-se a receber subsídios. identifique oportunidades e estruture projetos. milhões de estruturar euros projetos. desde o processo de adesão. Posicionamento pró ativo no quadro da UE Nos últimos 25 anos.Como Beneficiar da “Oportunidade Europeia”? Que Fazer para concretizar o Plano de Investimentos Construção 20152020 de 30 miloportunidade. Contribua para uma nova articulação entre o Estado e as empresas que atuam em Portugal . assegure o financiamento de longo prazo nos mercados internacionais com recurso aos novos instrumentos financeiros comunitários.

Aprender com as boas práticas internacionais .Como Beneficiar da “Oportunidade Europeia”? Papel Agência de Investimento do Reino Unido .

Como Beneficiar da “Oportunidade Europeia”? Papel Agência de Investimento do Reino Unido .Aprender com as boas práticas internacionais UK Infrastructure: Atrai Investidores em Portugal para Concretizar Projeto no Reino Unido .

perante a dimensão da crise no mercado nacional.4 Internacionalização como 34% motor do setor em 2013: Habitação 2951.2 18% = 44% da produção em Portugal Produção Interna Produção no Exterior Total da Produção 11994. a versatilidade e a competitividade das empresas portuguesas que.2 17315. Total da Produção da Construção em 2013 Engenharia Civil 5852.INTERNACIONALIZAÇÃO COMO REALIDADE PERMANENTE A relevância da internacionalização da construção para as empresas e para a economia nacional. Internacionalização Construção / PIB 3% Contratos Internacionais / PIB 4% Internacionalização Construção / Exportações 8% Prioridade para a consolidação do processo de internacionalização da construção no horizonte 2020 .7 = 31% do total da produção 69% > Habitação em Portugal 31% > Edifícios Não Residenciais 100% Semelhante à Engenharia Civil Os números demonstram a capacidade de adaptação. conseguiram resistir e “transferir” a sua capacidade produtiva para o exterior.9 17% Edifício Não Residenciais 3190.5 5321.

com elevadas taxas e perspetivas de crescimento.INTERNACIONALIZAÇÃO COMO REALIDADE PERMANENTE A atividade da construção no exterior está localizada. em economias emergentes africanas e da américa latina e central. essencialmente. Distribuição Geográfica do Volume de Negócios da Construção no Exterior Ambição 2020: Afirmar a engenharia e a construção portuguesa como o player europeu de referência em África Consolidar a presença na América Central e Latina .

CONCLUSÕES: O PAPEL DA CONSTRUÇÃO NO FUTURO Internacionalização como realidade permanente Plano de Investimentos em Construção 2015 – 2020 para dinamizar o mercado interno Reabilitação Urbana Oportunidades Economia Verde Centralidade Atlântica Fundos Comunitários Financiamento ALIAR Atrair Capital e Investidores Mercados Internacionais O FUTURO DA CONSTRUÇÃO ENGENHARIA. ENGENHARIA Centro de Excelência Atrair Jovens e Talentos Fator de Competitividade PRIORIDADE Pólo de Internacionalização Empresas Competitivas e Internacionalizadas Consolidar a Excelência da Engenharia Portuguesa Afirmar Portugal como Centro de Competências de Engenharia para o Mundo Cooperação Estratégica Estado. Empresas e Universidades . ENGENHARIA.